Breaking News
Home / Biologia / Biologia Marinha

Biologia Marinha

PUBLICIDADE

O que é Biologia Marinha?

biologia marinha é o estudo de organismos marinhos, seus comportamentos e interações com o meio ambiente. Os biólogos marinhos estudam oceanografia biológica e os campos associados de oceanografia química, física e geológica para entender organismos marinhos.

biologia marinha é uma área muito ampla, então a maioria dos pesquisadores seleciona uma determinada área de interesse e se especializa nela. As especializações podem ser baseadas em uma determinada espécie, grupo, comportamento, técnica ou ecossistema.

biologia molecular é uma área relacionada de especialização em biologia marinha. Os pesquisadores aplicam técnicas moleculares a muitos ambientes que vão desde pântanos costeiros ao mar profundo e a vários organismos, como vírus, plantas e peixes.

Definição

biologia marinha é o estudo de organismos marinhos, seus comportamentos e suas interações com o meio ambiente. Porque há tantos tópicos que se podem estudar no campo, muitos pesquisadores selecionam um interesse particular e se especializam nisso. As especializações podem ser baseadas em uma determinada espécie, organismo, comportamento, técnica ou ecossistema. Por exemplo, biólogos marinhos podem optar por estudar uma única espécie de amêijoas, ou todos os moluscos que são originários de um clima ou região.

Simplificando, a biologia marinha é o estudo da vida nos oceanos e outros ambientes de água salgada, como estuários e zonas úmidas. Todas as formas de vida vegetal e animal estão incluídas no picoplâncton microscópico até a majestosa baleia azul, a maior criatura do mar e, nesse caso, no mundo.

Biologia Marinha

O que é um biólogo marinho?

Os biólogos marinhos são cientistas que estudam plantas e animais que vivem no oceano.

Um biólogo marinho é geralmente uma pessoa com diplomas avançados em ciências da vida. Ele ou ela estudará as formas de vida do oceano de uma perspectiva científica e poderá realizar bacharelados, mestres ou doutores específicos em biologia, biologia marinha e / ou química.

Existem muitas áreas diferentes nas quais os biólogos marinhos podem trabalhar. Eles podem ajudar a proteger formas de vida em uma parte de um oceano, ou estudar as interações das formas de vida em um ambiente oceânico específico. Eles também podem analisar os comportamentos das espécies de peixes. Alguns examinam especificamente formas de vida microscópicas ou apenas uma espécie de peixe.

Alguns biólogos marinhos trabalham em aquários para ajudar a manter as populações de peixes saudáveis e confortáveis em um espaço confinado. Eles podem cuidar de peixe grande ferido e executar um programa de deslocalização. Eles também podem supervisionar ou participar do desenvolvimento de materiais educacionais para os visitantes de um aquário. No campo, as observações ajudam-nos a aprender como cuidar de peixes de diferentes espécies e também o material é vital para outros saberem.

Uma vez que freqüentemente um biólogo marinho trabalha no campo ou com mais precisão, o oceano, a maioria tem que ser nadadores e mergulhadores adeptos. Isso significa, além da educação universitária, alguém nesta carreira geralmente possui um certificado em mergulho.

No entanto, nem todos os biólogos marinhos trabalham perto ou no oceano. Alguns trabalham em áreas sem litoral, analisando pesquisas ou ensinando biologia marinha. No entanto, é difícil obter essas posições, a menos que tenha participado de algumas pesquisas práticas ao longo do caminho. Assim, ser um bom nadador é um requisito importante.

Muitos com graus avançados trabalham como professores e também continuam a realizar estudos de campo. Isso significa que um biólogo marinho deve ser muito habilidoso na aplicação de bolsas científicas para realizar trabalho ou pesquisa. Ele ou ela deve ser um bom escritor, porque muitos que trabalham de forma independente dependem de bolsas como sua única forma de pagamento.

O que um biólogo marinho faz?

Algumas das possíveis carreiras para um graduado em biologia marinha incluem ensino em nível de ensino médio ou faculdade, sendo um cientista de pesquisa, um técnico de laboratório oceanográfico, trabalhando para um aquário ou zoológico, ou qualquer número de possibilidades para consultar diferentes agências governamentais e universidades.

Outra carreira potencial para um graduado em biologia marinha seria se tornar um hidrologista, que é cientista ou pesquisador que estuda corpos de água e ajuda a encontrar formas de eliminar a poluição da água. Na verdade, existem muitas carreiras ambientais que podem ser alcançadas com um diploma em biologia marinha. Mesmo um guardião de peixe e caça, que é algo parecido com um policial ambiental, é uma possível jogada de carreira para um graduado de biologia marinha.

A biotecnologia marinha, uma das possíveis especializações, envolve o desenvolvimento e teste de novos tratamentos e protocolos de drogas derivados da vida oceânica. Outra especialização é a biologia molecular, que é útil na identificação de microorganismos, bem como no diagnóstico de doenças causadas por microorganismos.

Resumo

Biologia marinha, ciência que lida com animais e plantas que vivem no mar. Também trata de organismos transmitidos pelo ar e terrestres que dependem diretamente de corpos de água salgada para alimentação e outras necessidades de vida. No sentido mais amplo, tenta descrever todos os fenômenos vitais pertencentes às miríades de seres vivos que habitam nos vastos oceanos do mundo.

Algumas de suas filiais especializadas referem-se a história natural, taxonomia, embriologia, morfologia, fisiologia, ecologia e distribuição geográfica. A biologia marinha está intimamente relacionada com a ciência da oceanografia devido à relação das características físicas dos oceanos com os organismos vivos que habitam neles.

Ele ajuda na compreensão da geologia marinha através do estudo dos organismos que contribuem com seus restos esqueletais para os pisos dos oceanos ou que elaboram os vastos recifes de corais dos mares trópicos.

Um dos principais objetivos da biologia marinha é descobrir como os fenômenos oceânicos controlam a distribuição de organismos. Os biólogos marinhos estudam a forma como os organismos específicos são adaptados às várias propriedades químicas e físicas da água do mar, aos movimentos e correntes do oceano, à disponibilidade de luz em várias profundidades e às superfícies sólidas que compõem o fundo do mar.

É dada especial atenção à determinação da dinâmica dos ecossistemas marinhos, em particular para a compreensão das cadeias alimentares e das relações predador-presa. A informação biológica marinha sobre a distribuição das populações de peixes e crustáceos é de grande importância para as pescarias.

A biologia marinha também está preocupada com os efeitos de certas formas de poluição sobre a vida útil dos peixes e plantas dos oceanos, particularmente os efeitos do escoamento de pesticidas e fertilizantes de fontes terrestres, derramamentos acidentais de petroleiros e assoreamento de atividades de construção de litorais.

Durante a segunda metade do século XIX, quando a ênfase foi na coleta, descrição e catalogação de organismos marinhos, os métodos evoluíram para a captura e preservação de espécimes para estudo. Os biólogos marinhos adaptaram dragas tradicionais e redes de arrasto para coletar espécimes do fundo do oceano; e as redes de aro foram usadas para proteger animais de natação livre. Novos instrumentos para coletar amostras de água e obter informações de temperatura em qualquer profundidade desejada foram desenvolvidos.

No final do século XIX, o foco começou a passar da coleta e catalogação para a análise sistemática dos ecossistemas marinhos e os papéis e comportamentos ecológicos da vida marinha. No início do século 20, os oceanógrafos começaram a estudar intensivamente os campos de pesca e outras localidades de importância econômica.

Esta pesquisa combinou estudos de flora e fauna marinhas, correntes oceânicas, temperatura da água, salinidade e níveis de oxigênio e outros fatores em um esforço para entender a relação entre animais marinhos e seu meio ambiente.

Desde a Segunda Guerra Mundial, a observação direta de organismos marinhos em seus habitats naturais foi possibilitada por câmeras subaquáticas, televisão, equipamentos de mergulho aprimorados e embarcações submersas, ou submarinos, que podem descer a grandes profundidades.

A televisão subaquática fornece ao observador uma imagem contínua de eventos que ocorrem no campo da câmera submersa. O desenvolvimento de equipamentos de mergulho autônomos possibilitou ao investigador inspecionar organismos marinhos em seu habitat natural.

Estudos morfológicos e taxonômicos de organismos marinhos são geralmente realizados em materiais preservados em conexão com o trabalho em museus e universidades. As investigações fisiológicas e embriológicas que exigem o uso de material vivo são geralmente realizadas em estações biológicas.

Estes estão situados no litoral, facilitando assim a transferência rápida de espécimes para o laboratório, onde podem ser mantidos em água do mar, fornecidos por sistemas especiais de circulação.

Fonte: utmsi.utexas.edu/marinebio.org/wonderopolis.org/www.wisegeek.org/www.marinecareers.net/www.sokanu.com

Veja também

Algas Dinophytas

Algas Dinophytas

PUBLICIDADE O que são algas dinophytas? As algas dinófitas, pertencem ao Filo Dinophyta e a …

Endoderma

PUBLICIDADE Definição de endoderma Endoderma ou Endoderme é a mais interna das três camadas germinativas, …

Alelos Múltiplos

PUBLICIDADE O que são alelos múltiplos? Os alelos múltiplos ou polialelia são casos em que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.