Breaking News
Home / Biologia / Evidências da Evolução

Evidências da Evolução

PUBLICIDADE

Evidências da Evolução – O que é

As evidências da existência de evolução se sustentam em interpretações do documentário fóssil, anatomia comparada e estudos bioquímicos.

evidência da evolução é convincente e extensa. Observando todos os níveis de organização dos sistemas vivos, os biólogos veem a assinatura da evolução passada e presente.

Darwin dedicou grande parte de seu livro, On the Origin of Species, para identificar padrões na natureza que eram consistentes com a evolução e, desde Darwin, nosso entendimento se tornou mais claro e amplo.

Durante e desde a época de Darwin, as pessoas têm procurado e estudado evidências na natureza que lhes ensinam mais sobre a evolução. Alguns tipos de evidências, como fósseis e semelhanças entre organismos vivos relacionados, foram usados por Darwin para desenvolver sua teoria da seleção natural e ainda são usados hoje. Outros, como o teste de DNA, não estavam disponíveis na época de Darwin, mas são usados pelos cientistas hoje para aprender mais sobre a evolução.

O que é evolução?

evolução biológica é a mudança genética em uma população de uma geração para outra. A velocidade ea direção da mudança é variável com linhas diferentes espécies e em diferentes momentos.

Evolução contínua ao longo de muitas gerações podem resultar no desenvolvimento de novas variedades e espécies. Da mesma forma, a incapacidade de evoluir em resposta a mudanças ambientais podem, e muitas vezes, levar à extinção.

Quando os cientistas falam da evolução como uma teoria que não significa que ele é uma mera especulação. É uma teoria no mesmo sentido que as proposições de que a Terra é redonda, em vez de plana ou que nossos corpos são feitos de átomos são teorias.

A maioria das pessoas consideraria tais teorias fundamentais a serem suficientemente testado pela evidência empírica para concluir que eles são realmente fatos.

Como resultado da enorme quantidade de evidências para a evolução biológica acumulado ao longo dos últimos dois séculos, podemos concluir com segurança que a evolução ocorreu e continua a ocorrer.

Todas as formas de vida, incluindo os seres humanos, evoluíram a partir de espécies anteriores, e todas as espécies que vivem ainda de organismos continuam a evoluir hoje. Eles não são imutáveis produtos finais.

Para aqueles que têm dificuldade em aceitar a evolução por causa do que eles percebem como contradições com suas crenças religiosas fundamentais, pode ser útil para distinguir a origem da vida a partir de sua evolução posterior. Muitos, se não a maioria, cientistas biológicos aceitar que a vida primordial na Terra começou como um resultado do acaso ocorrências naturais 3,5-4000000000 anos atrás.

No entanto, não é necessário acreditar nessa visão, a fim de aceitar que os seres vivos evoluíram por meios naturais após a origem da primeira vida. Charles Darwin modificou suas crenças religiosas, assim como muitos outros, como resultado da descoberta de provas convincentes da evolução. Fé religiosa de Darwin também foi severamente desafiada pela morte de sua filha de 10 anos Annie em 1851.

Aparentemente, ele passou a acreditar que seu Deus criou a ordem do universo, incluindo as regras da natureza que resultam em evolução biológica.

Seu famoso livro, A Origem das Espécies, não era uma negação da existência de seu Deus. No entanto, ele fez rejeitar uma interpretação literal da Bíblia judaico-cristã.

Suas crenças religiosas eram provavelmente muito parecido com aqueles que defendem a “evolução teísta” hoje.

Como sabemos que a evolução ocorreu?

A evidência para a evolução veio principalmente de quatro fontes:

1. o registro fóssil de mudanças nas espécies anteriores
2. as semelhanças químicas e anatômicas de formas de vida relacionados
3. a distribuição geográfica das espécies relacionadas
4. as mudanças genéticas registrados em organismos vivos mais de muitas gerações

Evidências da Evolução – Fósseis

Evidências da Evolução

Os fósseis nada mais são do que a petrificação de um organismo que não recebeu a ação dos agentes decompositores. Isso ocorre em um meio favorável, como no fundo de um lago com a presença de minerais que vão penetrando pelos poros dos ossos e substituindo a parte orgânica do osso por sílica  que é o principal elemento da formação do fóssil.

Os fósseis que estudamos hoje começaram a ser formados a milhões de anos atrás, prova disso é que encontramos eles em diversos lugares podendo ser em uma chapada, ou no alto de um morro.

Isso porque essa camada sedimentar (onde se formaram os fósseis) veio com o tempo para a superfície devido à movimentação da crosta terrestre que faz parte do desenvolvimento geológico da Terra. Logo, observamos que os fósseis de peixes  são encontrados onde não há mais um rio ou lago e que, no passado, fora um ambiente perfeito para a fossilização.

OBS: Os fósseis são “a prova viva” de que os seres evoluíram é uma das mais importantes chaves do conhecimento evolutivo.

Podemos comparar e analisar um material concreto sem a necessidade de vários estudos embriológicos, bioquímicos etc.

O registro fóssil

Evidências da Evolução

Restos de animais e plantas encontrados em sedimentar depósitos de rocha nos dar um registo incontestável das mudanças passadas através de vastos períodos de tempo.

Esta evidência atesta o fato de que tem havido uma enorme variedade de seres vivos.

Algumas espécies extintas tinha traços que eram de transição entre os principais grupos de organismos. Sua existência confirma que as espécies não são fixos, mas pode evoluir para outras espécies ao longo do tempo.

A evidência mostra também que o que parecia ser lacunas no registro fóssil são devido à coleta de dados incompletos. Quanto mais aprendemos sobre a evolução das linhas de espécies específicas, mais que os chamados lacunas ou “elos perdidos na cadeia da evolução” são preenchidos com amostras de fósseis de transição.

Uma das primeiras dessas lacunas a serem preenchidas foi entre pequenos dinossauros bípedes e pássaros. Apenas dois anos depois de Darwin publicar A Origem das Espécies, um fóssil 150-145000000 anos de Archaeopteryx clique neste ícone para ouvir o termo precedente pronunciado foi encontrado no sul da Alemanha. Ele tinha mandíbulas com dentes e uma longa cauda óssea como os dinossauros, asas largas e penas como aves, e as características de esqueletos de ambos. Esta descoberta verificou-se a suposição de que as aves tinham ancestrais répteis.

Desde a descoberta do Archaeopteryx, tem havido muitas outras lacunas evolutivas cruciais preenchidos no registro fóssil.

Talvez, o mais importante, do nosso ponto de vista humano, era que entre macacos e nossa própria espécie. Desde a década de 1920, houve literalmente centenas de fósseis intermediários bem-datados encontrados na África que eram espécie de transição líderes dos macacos para os seres humanos ao longo dos últimos 6-7.000.000 anos.

registro fóssil também fornece provas abundantes de que os animais complexos e plantas de hoje foram precedidos por anteriores mais simples. Além disso, ele mostra que os organismos multicelulares evoluíram somente após os primeiros unicelulares. Isso se encaixa as previsões da teoria evolutiva.

Quais são os diferentes tipos de evolução?

Uma espécie se desenvolverá de acordo com o ambiente em que existe, e predadores, mudanças climáticas e outros fatores ambientais podem criar razões para uma espécie se adaptar.

Essas adaptações fazem parte da evolução da espécie, permitindo que ela mude de forma a aumentar suas chances de sobrevivência. Existem três tipos de evolução: divergente, convergente e paralela.

A evolução divergente é a mais comumente conhecida e envolve uma espécie que eventualmente se separa em duas. Por exemplo, um bando de pássaros migratórios, em direção a um clima mais quente, divide-se em uma tempestade. Metade do rebanho continua para o destino original, enquanto a outra metade pousa em uma nova ilha e decide ficar. Com o tempo, os membros do segundo grupo desenvolvem características que lhes permitem sobreviver melhor na ilha e se tornar uma espécie diferente de seus ancestrais, que foram inicialmente separados do rebanho maior.

O que antes era uma espécie agora foi separado em duas.

O segundo tipo de evolução – e geralmente o mais difícil de entender – é a evolução convergente.

Este tipo explica como duas ou mais espécies podem desenvolver características semelhantes em diferentes tipos de ambientes.

Animais que desenvolvem asas é um exemplo de evolução convergente porque não havia um ancestral comum para todos os animais alados. Devido a seus ambientes individuais, todos esses animais desenvolveram asas por conta própria, através de gerações de evolução. As asas foram desenvolvidas com base na física de voar, não em um projeto interno pré-programado transmitido por um ancestral semelhante.

A evolução convergente e paralela são muito semelhantes e são facilmente confundidas. Quando duas espécies diferentes no mesmo ambiente desenvolvem as mesmas adaptações para a sobrevivência, isso é chamado de evolução paralela. Isso começa com duas espécies semelhantes que existem em ambientes semelhantes e, com o tempo, elas evoluirão de maneiras muito semelhantes.

Um exemplo de evolução paralela é o cacto norte-americano e a eufórbia africana. Essas duas plantas pertencem a famílias diferentes, mas compartilham o mesmo tipo de ambiente. Por causa disso, eles desenvolveram as mesmas adaptações para a sobrevivência: a capacidade de armazenar água em seus caules grossos e penas afiadas para afastar predadores.

Ambas as plantas podem sobreviver em climas quentes e secos.

A evolução é um processo e as espécies se adaptam e evoluem para sobreviver melhor em seus ambientes. Ambientes semelhantes podem causar adaptações semelhantes em espécies diferentes, e ambientes diferentes podem causar adaptações diferentes em espécies semelhantes.

Estudar o efeito dos fatores ambientais na evolução de uma espécie é a melhor maneira de fazer suposições fundamentadas sobre a história e o futuro de uma espécie. Ao considerar todos os três tipos de evolução, é possível ter uma ideia muito precisa de como uma espécie de planta ou animal se desenvolveu até sua forma atual.

Fonte: anthro.palomar.edu/www.geocities.com/opentextbc.ca/courses.lumenlearning.com/bio.libretexts.org/www.wisegeek.org/apologeticspress.org/biologos.org/necsi.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Tecido Ósseo

PUBLICIDADE O que é tecido ósseo? O tecido ósseo é um tipo de tecido conjuntivo usado na …

Nervos

Nervos – Definição PUBLICIDADE Os nervos são uma coleção de neurônios, que são as células nervosas individuais. …

Cartilagem

Cartilagem – Definição PUBLICIDADE A cartilagem é o principal tipo de tecido conjuntivo visto em todo o …

Um comentário

  1. Excelentes explicações, me ajudou muito em uma apresentação que terei que concluir. Parabéns!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.