Breaking News
Home / Biologia / Replicação Viral

Replicação Viral

PUBLICIDADE

Definição

Como o vírus não possui estrutura celular, o processo de reprodução em vírus é denominado de replicação viral.

A replicação viral é a formação de vírus biológicos durante o processo de infecção nas células hospedeiras alvo. Os vírus devem primeiro entrar na célula antes que a replicação viral possa ocorrer.

Através da geração de cópias abundantes de seu genoma e empacotando essas cópias, o vírus continua infectando novos hospedeiros.

A replicação entre vírus é muito variada e depende do tipo de genes envolvidos nelas.

A maioria dos vírus de DNA se agrupa no núcleo, enquanto a maioria dos vírus de RNA se desenvolve apenas no citoplasma.

O que é Replicação Viral?

A replicação viral refere-se ao processo pelo qual um vírus se reproduz dentro de um organismo vivo.

Isso geralmente envolve transformar as células infectadas em fábricas de vírus, que fabricam cópias do código genético do vírus e as expulsam para se espalharem para o corpo do hospedeiro. Isso transforma o corpo infectado contra si mesmo, usando suas próprias células como ferramentas de produção em massa e infecção.

Uma vez que um vírus infecta o corpo do hospedeiro, ele atinge diferentes tipos de células vivas, dependendo de sua natureza. O vírus começa ligando-se a uma célula vulnerável, penetrando então em sua superfície ou, de alguma outra forma, se infundindo na substância primária da célula hospedeira.

Diferentes tipos virais têm maneiras diferentes de entrar no corpo celular ou de se fundirem com a parede celular, mas geralmente o processo envolve comprometer a integridade da célula. Nesse ponto, o processo de replicação viral ocorre, no qual o vírus assume as funções reprodutivas da própria célula e a reprograma para criar cópias do DNA ou RNA do vírus.

O processo de replicação viral continua até que a célula explode em um estágio chamado shedding, liberando várias duplicatas do vírus original no corpo do hospedeiro. Cada cópia tem como alvo células mais suscetíveis, anexa e inicia o processo de replicação novamente.

Replicação Viral
Estrutura do vírus da imunodeficiência humana (HIV)

Os estágios de replicação variam para diferentes tipos de vírus, como as diversas combinações de vírus de DNA ou RNA de fita dupla ou fita única, positiva ou negativa.

Muitos tipos exigem condições específicas dentro de uma célula hospedeira antes que a replicação viral possa começar. Alguns são capazes de se replicar apesar do estado da célula hospedeira, tornando-os mais virulentos e mais perigosos.

Outros tipos de vírus só podem se replicar em certos tipos de células, enquanto alguns podem entrar nas células, replicar por um tempo e permanecer inativos na célula por períodos não especificados. Esse período dormente é chamado de latência e pode durar até que um fator desencadeador reative o vírus e faça com que ele comece novamente a se reproduzir na célula hospedeira.

O estudo da replicação viral tem sido fundamental para o entendimento de doenças virulentas, como herpes e HIV-AIDS.

A latência viral no HIV faz com que ele se insira em áreas-chave do núcleo da célula hospedeira, tornando-a uma parte quase inseparável do processo de replicação normal da célula.

Compreender o ciclo de reprodução viral e metodologia permite aos pesquisadores propor teorias sobre a extração do vírus, impedindo a conversão do DNA hospedeiro em DNA viral, ou impedindo que ele penetre na célula hospedeira para iniciar o processo de infecção.

Qual é a diferença entre um Vírus e uma Bactéria?

Existem várias diferenças entre vírus e bactérias, ou mais apropriadamente, vírus e bactérias, incluindo seus tamanhos relativos, métodos de reprodução e resistência à intervenção médica. Bactéria, a forma singular da palavra bactéria, é um organismo vivo unicelular, com conjuntos completos de ambos os códigos genéticos ácido ribonucléico (RNA) e ácido desoxirribonucléico (DNA).

Um vírus é pouco mais que uma seção de RNA ou DNA coberta por um invólucro de proteína. Uma bactéria, portanto, é pelo menos cem vezes maior que um vírus típico.

Uma diferença importante entre vírus e bactérias é o método de reprodução. Uma bactéria é uma unidade completamente autocontida e auto-reprodutora.

Quando for a hora certa, uma bactéria dividirá seu DNA e material genético de RNA em dois. Paredes celulares separadas se acumularão em torno dessas duas novas bactérias, e esse processo continuará até que milhares ou milhões de bactérias tenham se formado. É assim que estirpes de bactérias sobrevivem em quase todos os ambientes da Terra, incluindo superfícies não vivas como pedras ou plástico.

Um vírus, por outro lado, não pode se reproduzir sem um hospedeiro vivo. Um vírus pode permanecer inativo por milhares de anos antes de finalmente entrar em contato com um hospedeiro adequado. Uma vez que entra no corpo de um hospedeiro, um vírus usa apêndices parecidos com as pernas para fixar em uma célula e um espigão ou revestimento químico para penetrar na parede celular.

Replicação Viral
Um vírus é pouco mais que uma seção de RNA ou DNA coberta por um invólucro de proteína

Uma vez dentro de uma célula viva, um vírus substitui os comandos originais de DNA ou RNA da célula por suas próprias instruções genéticas. Essas instruções são geralmente para fazer tantas cópias do vírus quanto possível. Uma vez que a célula individual tenha sobrevivido à sua utilidade, ela explode e envia milhares de cópias do vírus original para outras células desavisadas.

Noventa e nove por cento de todas as bactérias conhecidas são consideradas benéficas para os seres humanos, ou pelo menos inofensivas. Eles passam seus dias quebrando matéria orgânica e destruindo parasitas nocivos. A pequena porcentagem de bactérias consideradas prejudiciais ao corpo humano, como o Estreptococo e a Escherichia coli, ainda estão desempenhando as mesmas funções que suas bactérias menos tóxicas.

As bactérias se alimentam dos tecidos do corpo humano e excretam toxinas e ácidos. São essas toxinas e ácidos irritantes que causam muitos dos problemas associados à infecção bacteriana. Se as bactérias podem ser mortas com antibióticos, as infecções deixadas para trás devem desaparecer rapidamente.

A maioria dos vírus, por outro lado, não tem finalidade benéfica. Sua única missão na vida é criar mais vírus, a fim de garantir a sobrevivência da tensão. O efeito mortal que um vírus tem em seu hospedeiro é meramente incidental.

Quando um vírus entra no corpo humano, ele procura uma célula hospedeira aceitável e a captura sem aviso. Uma vez que a célula estourar, milhares de novos vírus repetem o processo em outras células saudáveis. Quando as defesas naturais do corpo se tornam conscientes da invasão, o vírus pode ter um controle significativo sobre órgãos e tecidos vitais. O vírus da imunodeficiência humana (HIV) e o vírus Ebola são exemplos de livros didáticos sobre o que vírus perigosos podem fazer em um corpo humano antes de seguir seu curso.

Intervenção médica e tratamento é outra grande diferença entre vírus e bactérias. As bactérias estão vivas, o que significa que podem ser mortas por alguma forma de agente químico. Os antibióticos são compostos químicos que matam as bactérias destruindo suas paredes celulares ou neutralizando sua capacidade de se reproduzir. A razão pela qual os médicos prescrevem longas doses de antibióticos aos pacientes é criar um ambiente no qual as bactérias não possam viver.

Embora as bactérias frequentemente desenvolvam uma tolerância para certos antibióticos, o efeito é semelhante ao uso de inseticida em insetos.

Vírus, por comparação, não são considerados criaturas vivas. Eles não podem ser “mortos” no mesmo sentido que os antibióticos matam as bactérias ou o inseticida mata os insetos. De fato, o tratamento de infecções virais é freqüentemente nenhum tratamento. A doença deve seguir seu curso até que o corpo consiga montar uma defesa bem-sucedida por conta própria. Os tratamentos antivirais, quando existem, trabalham com o princípio de bloquear os métodos destrutivos do próprio vírus.

A cadeia de RNA ou DNA do vírus deve ser geneticamente inofensiva, ou os métodos de romper uma parede celular devem ser destruídos.

Os medicamentos antivirais não são eficazes contra todos os vírus, e é por isso que certas doenças, como a AIDS, o HIV e o Ebola, ainda afetam milhões de pessoas em todo o mundo. Os cientistas ainda estão tentando entender a estrutura básica e a programação genética dos vírus. Somente entendendo como funciona um vírus, uma vacina bem-sucedida pode ser desenvolvida. O tratamento da maioria das doenças bacterianas, por outro lado, pode ser uma questão de encontrar o antibiótico mais eficaz ou usar uma abordagem de amplo espectro.

O que é Carga Viral?

carga viral de uma pessoa é quanto de um determinado vírus eles têm em uma certa quantidade de fluido corporal. Vírus diferentes usam métricas diferentes para medir uma carga viral, mas uma das mais comuns é a usada para medir vírus no sangue, que é medida como cópias do vírus em um mililitro de plasma.

carga viral é usado para dar uma rápida compreensão de quão grave é uma infecção viral, embora a gravidade, na maioria dos casos, também seja afetada por outros fatores, incluindo o sistema imunológico de uma pessoa e a gravidade da cepa viral.

Embora muitos vírus sejam testados, a carga viral mais comum é determinada em relação às hepatites B e C, HIV-1 e citomegalovírus.

Destes, o teste de carga viral do HIV-1 é o mais comum, e é uma parte importante do gerenciamento da convivência com a doença.

Geralmente, o teste de carga viral é usado para rastrear um paciente que já é conhecido por ter sido infectado com uma doença como o HIV-1. Esses testes permitem que os médicos vejam como o paciente está respondendo a um esquema anti-HIV, permitindo que eles adaptem melhor as drogas usadas para inibir a doença, tanto quanto possível. Terapias bem sucedidas terão uma diminuição drástica na LV, entre 1/30 e 1/100, dentro de um mês e meio. Dentro de seis meses, a detecção viral deve ser mais ou menos impossível. O teste também pode mostrar quando um paciente está carregando uma carga viral especialmente alta, durante a qual está especialmente aberto para ser infectado com doenças secundárias que podem ser fatais.

Embora as formas atualmente aprovadas de testes de carga viral sejam proibitivas demais para serem usadas como modos de detecção, existem algumas técnicas usadas fora dos EUA para detectar o HIV-1, que são muito mais acessíveis. O teste de carga viral para o HIV é superior ao teste de anticorpos de várias maneiras. Também é necessário, ao tentar detectar o HIV em uma criança recém-nascida de uma mãe soropositiva, pois seus anticorpos ainda estarão presentes na criança e, portanto, não podem ser usados para confirmar ou eliminar positivamente a presença do vírus.

O teste de carga viral para o HIV também permite uma detecção muito mais precoce do que o teste de anticorpos, pois os anticorpos podem levar semanas para aparecer no sistema. Como é nessa fase inicial que o HIV é mais transmissível, ser capaz de detectá-lo logo no início pode ter enormes benefícios positivos na prevenção da disseminação do HIV. Devido a isso, muitas agências de saúde pública estão buscando testes de carga viral baratos e fáceis de administrar, que podem ser usados em todo o mundo como um sistema de detecção precoce.

Quais são os diferentes tipos de Vírus?

Vírus são minúsculos pedaços de material genético, envoltos em envelopes de proteína, capazes de seqüestrar a maquinaria celular de plantas, animais e bactérias para a auto-replicação. Eles são extremamente pequenos, muito menores que as bactérias. Um vírus típico tem entre 10 e 300 nanômetros (bilionésimos de metro) de tamanho, enquanto bactérias típicas são maiores que um micrômetro (milionésimo de metro) de tamanho.

Apenas cerca de 30.000 tipos de vírus estão sendo rastreados por virologistas, embora provavelmente existam milhões. A classificação viral é dificultada pela falta de evidências fósseis – os vírus se fossilizam mal – e pela controvérsia sobre se eles são organismos vivos ou não. Ao contrário de outros organismos, novos vírus às vezes emergem dos genomas de organismos preexistentes, dificultando a construção de árvores genealógicas coerentes. No entanto, isso não impede que os virologistas tentem.

Uma taxonomia unificada para vírus só foi desenvolvida em 1966, pelo Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV). Este esquema de classificação é inspirado no sistema de classificação de Lineu para outros organismos.

Ele contém cinco níveis: ordem, família, subfamília, gênero e espécie. O reconhecimento do nível do pedido é extremamente recente, com apenas três pedidos nomeados. A maioria das famílias virais ainda não foi colocada em qualquer ordem.

Atualmente, o Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV) só reconhece cerca de 1.550 espécies.

Como exemplo, o vírus da varicela, Varicella zoster, pertence à família Herpesviridae, subfamília Alphaherpesvirinae, gênero Varicellovirus, e carece de uma categorização baseada na ordem.

Aqui está o esquema:

Grupo Contém:

I – vírus de DNA de cadeia dupla
II – vírus de DNA de fita simples
III – vírus de RNA de cadeia dupla
IV – (+) vírus de RNA de cadeia simples
V – (-) vírus de RNA de fita simples
VI – vírus de transcrição reversa de cadeia dupla
VII – vírus de transcrição reversa de cadeia dupla

Usando esses dois sistemas de classificação juntos, os virologistas podem realmente ter uma pista sobre o que o outro está falando.

Outro sistema de classificação tradicional é baseado no tipo de organismo que eles infectam: existem vírus específicos de plantas, vírus específicos de animais e vírus específicos de bactérias, chamados bacteriófagos. Dependendo do hospedeiro que o vírus evoluiu para infectar, ele terá uma estrutura física diferente.

Fonte: www.immunology.org/www.sciencedirect.com/www.wisegeek.org/courses.lumenlearning.com/brilliant.org/www.ncbi.nlm.nih.gov/biology.homeomagnet.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Ovelha Dolly

Ovelha Dolly

PUBLICIDADE O que é a Ovelha Dolly? Dolly era uma ovelha doméstica fêmea, e o …

Progestina

PUBLICIDADE O termo progestina geralmente se refere a uma forma sintética do hormônio feminino progesterona, …

Pleiotropia

Pleiotropia

PUBLICIDADE O que é pleiotropia? A pleiotropia ocorre quando um gene influencia duas ou mais características …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.