Breaking News
Home / Biologia / Antígenos

Antígenos

PUBLICIDADE

Antígenos – Definição

Antígeno é toda a estrutura molecular, que interage com um anticorpo.

Toda molécula pode ser um antígeno pois o que é próprio de um organismo pode não ser próprio de outro.

Os antígenos incluem toxinas, produtos químicos, bactérias, vírus ou outras substâncias que vêm de fora do corpo. Tecidos e células corporais, incluindo células cancerosas, também têm antígenos que podem causar uma resposta imunológica.

Formalmente, são definidos como uma substância que causa a produção de anticorpos específicos para aquele antígeno, porém também causam respostas imunes mediadas por células T, podendo levar a uma resposta inflamatória. A substância pode ser proveniente do ambiente externo ou formada dentro do corpo.

sistema imunológico tentará destruir ou neutralizar qualquer antígeno que seja reconhecido como um invasor estranho e potencialmente prejudicial. Antígenos “próprios” são geralmente tolerados pelo sistema imunológico; enquanto antígenos “não próprios” podem ser identificados como invasores e podem ser atacados pelo sistema imunológico.

O que é um antígeno?

Um antígeno é uma substância que estimula uma resposta imunológica. Quando exposto a um antígeno, o corpo o vê como um material estranho e toma medidas para neutralizá-lo. Normalmente, o corpo consegue isso produzindo anticorpos, que se destinam a defender o corpo da invasão de substâncias potencialmente perigosas. Vários testes médicos podem ser usados para testar as substâncias, para determinar se alguém foi ou não exposto a uma doença ou toxina.

O termo “antígeno” vem do entendimento de que muitas substâncias estranhas estimulam a geração de anticorpos dentro do sistema imunológico. Esses anticorpos podem ser benéficos, como é o caso quando o corpo aprende a combater um vírus como o sarampo, ou podem ser prejudiciais, no caso de alergias. As assinaturas exclusivas desses anticorpos podem ser identificadas em testes médicos, que podem ser usados para determinar por que um paciente está exibindo um conjunto de sintomas.

A maioria dos animais possui o que é conhecido como sistema imunológico adaptativo.

Dentro do sistema imunológico, várias células desempenham funções específicas que ajudam o sistema imunológico a reconhecer e lidar com ameaças potenciais ao seu hospedeiro.

Algumas dessas células aprendem a reconhecer substâncias que não são do organismo hospedeiro. Quando um antígeno é identificado, essas células alertam outras células sobre o problema e o corpo entra em ação.

Várias coisas podem ser fontes de antígenos. Os humanos podem inalar ou ingerir bactérias e vírus de outros organismos, por exemplo. Uma toxina também pode ser uma fonte, pois o corpo percebe que a substância é estranha e potencialmente perigosa. Órgãos e tecidos transplantados também podem gerar uma resposta de anticorpos, uma vez que o corpo não os reconhece como parte do organismo hospedeiro.

Por causa desse problema, as pessoas que se submetem a transplantes de órgãos tomam medicamentos imunossupressores que têm como objetivo limitar a resposta para que o corpo não rejeite o órgão introduzido.

Às vezes, o corpo desenvolve uma resposta de antígeno a algo que não é realmente prejudicial. Isso é mais conhecido como alergia. Nesses casos, o corpo é exposto a uma pequena quantidade do antígeno, como manteiga de amendoim, trigo ou uma picada de abelha. As células auxiliares no sistema imunológico marcam a substância, fazendo com que o corpo produza células que irão se opor à substância se ela aparecer no corpo novamente. Quando o hospedeiro humano inconsciente come amendoim, mordisca uma fatia de torrada ou é picado por uma abelha novamente, o corpo lança uma resposta de anticorpos que pode causar desconforto severo e às vezes até a morte.

O que é um antígeno de vírus?

Um antígeno de vírus é uma toxina ou outra substância liberada por um vírus que causa uma resposta imunológica em seu hospedeiro.

antígeno é o que causa sintomas comuns relacionados a uma infecção viral, como febre. Embora as respostas causadas por um antígeno de vírus possam ser irritantes, geralmente são o primeiro alerta de que algo está errado no corpo e que precisa ser cuidado.

Quando um vírus entra no corpo de uma pessoa ou animal,
ele libera proteínas, toxinas ou enzimas na corrente sanguínea

Quando um vírus entra no corpo de uma pessoa ou animal, ele libera proteínas, toxinas ou enzimas na corrente sanguínea. Eles podem causar sintomas como dor de garganta ou tosse, mas também alertam as células brancas do sangue sobre a presença do vírus. As células reconhecem o antígeno do vírus como um corpo estranho e enviam sinais ao cérebro para liberar mais glóbulos brancos.

Uma vez que os glóbulos brancos, incluindo células assassinas, são liberados em maior número; eles caçam e destroem células virais.

Esse processo é como o sistema imunológico reconhece a doença e age para destruí-la. Sintomas como febre, inchaço ou pus em certas áreas indicam que o sistema imunológico está fazendo seu trabalho.

A resposta imune causada por um antígeno de vírus também pode resultar em gânglios linfáticos inchados, coriza, inflamação e outros sintomas, como acúmulo de muco no nariz, garganta ou tórax.

O impacto de um antígeno de vírus no corpo varia de acordo com o tipo de vírus. Algumas infecções virais são mais mortais e ilícitas, uma resposta muito mais dura do que outras.

Muitas doenças infantis são causadas por vírus, e geralmente são desconfortáveis, mas são facilmente eliminados. Outros, como a gripe, podem produzir antígenos que causam reações mais graves. Freqüentemente, eles são tratados com medicamentos antivirais para aliviar os sintomas até que o sistema imunológico possa destruir o vírus.

Em alguns casos, um antígeno de vírus pode não ser liberado ou pode não ser detectado. Isso resulta em infecções que não causam sintomas ou que permanecem latentes por semanas, meses ou até anos.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) geralmente não causa desconforto ou doença até muitos anos após a exposição. Isso não significa que o HIV não produza um antígeno, mas que não resulta em uma forte resposta imunológica.

Muitas vezes, a resposta imune causada por um antígeno de vírus é a parte mais perigosa de ser infectado por um vírus. Embora algumas infecções virais causem danos por conta própria, o próprio sistema imunológico causa sintomas tão graves que se tornam letais para a pessoa infectada. Por exemplo, a gripe pode resultar em inflamação extrema e congestão nos pulmões.

Isso pode ser fatal para quem tem doenças pulmonares pré-existentes ou sistema imunológico suprimido.

Antígenos e anticorpos

Antígenos

Os antígenos são moléculas capazes de estimular uma resposta imunológica. Cada antígeno tem características de superfície distintas, ou epítopos, resultando em respostas específicas.

Os anticorpos (imunoglobinas) são proteínas em forma de Y produzidas pelas células B do sistema imunológico em resposta à exposição a antígenos.

Cada anticorpo contém um paratopo que reconhece um epítopo específico em um antígeno, agindo como um mecanismo de bloqueio e ligação de chave. Essa ligação ajuda a eliminar antígenos do corpo, seja por neutralização direta ou por “marcação” para outros braços do sistema imunológico.

É através desses antígenos que nosso organismo consegue distinguir o que é seu próprio e o que é estranho. Assim, a injeção de células de um indivíduo na circulação de outro, como é o caso nas transfusões sanguíneas, pode desencadear os mecanismos do sistema de defesa (sistema imunológico) se o sangue do doador não for compatível com o sangue do receptor.

Melhor explicando: certas células (linfócitos) do sistema imunológico são capazes de fabricar e liberar substâncias conhecidas por anticorpos cuja tarefa é tentar eliminar os antígenos invasores ligando-se a eles.

No caso do sangue, essas ligações provocam a aglutinação das células vermelhas e, por conseqüência, oclusão de vasos. Aglutinadas, as células vermelhas não conseguem se deslocar pelo corpo.

Isso bloqueia a distribuição de oxigênio e a pessoa corre sério risco de vida.

A especificidade dos anticorpos pelos antígenos é similar àquela das enzimas pelos seus substratos e dos receptores pelos seus hormônios ou neurotransmissores.

Antígenos – Imunologia

Em imunologia, um antígeno é uma substância que provoca a produção de um ou mais anticorpos.

Cada anticorpo se liga a um antígeno específico por meio de uma interação semelhante à que se ajuste entre uma fechadura e uma chave. A substância pode ser a partir do ambiente externo, ou formados no interior do corpo. O sistema imunológico vai tentar destruir ou neutralizar qualquer antígeno que é reconhecida como um invasor estrangeiro e potencialmente prejudiciais.

Um imunogênico é um tipo específico de antígeno. Um imunogênico é uma substância que é capaz de provocar uma resposta imune adaptativa se injetado por si só.

Um imunogênico é capaz de induzir uma resposta imunitária, ao passo que um antígeno é capaz de combinar com os produtos de uma resposta imune, uma vez que são feita. Hapteno é uma molécula pequena, que não pode induzir uma resposta imune por si só. Ele tem de ser ligado a uma molécula transportadora tal como proteína grande. Os conceitos de sobreposição de imunogenicidade e antigenicidade são, portanto, sutilmente diferente.

Antígenos

Tipos de Antígenos

Os antígenos são categorizados em amplas classes de antígenos com base em sua origem. Muitas moléculas diferentes podem funcionar como antígenos no corpo, e há uma diversidade considerável, mesmo dentro dessas categorias.

Essas são as principais classes de antígenos que estão envolvidas na ativação do sistema imunológico. Sua diversidade é análoga à imensa diversidade de doenças que o sistema imunológico trabalha para superar.

Antígenos Exógenos

Antígenos exógenos são antígenos que entraram no corpo de fora, por exemplo, por inalação, ingestão ou injeção.

Os antígenos exógenos são os tipos mais comuns de antígenos e incluem pólen ou alimentos que podem causar alergias, bem como os componentes moleculares de bactérias e outros patógenos que podem causar uma infecção.

Antígenos Endógenos

Os antígenos endógenos são gerados em células previamente normais como resultado do metabolismo celular normal ou por causa de infecção viral ou bacteriana intracelular (que alteram as células internamente para se reproduzir).

Autoantígenos

Autoantígenos são proteínas “próprias” normais ou complexo de proteínas ou ácido nucleico que é atacado pelo sistema imunológico do hospedeiro, causando uma doença autoimune. Esses antígenos não deveriam, em condições normais, ser o alvo do sistema imunológico, mas devido principalmente a fatores genéticos e ambientais, a tolerância imunológica normal a tal antígeno foi perdida.

Estrutura Molecular de Antígenos

No nível molecular, um antígeno é caracterizado por sua capacidade de ser “ligado” ao local de ligação ao antígeno de um anticorpo.

Os anticorpos tendem a discriminar entre as estruturas moleculares específicas apresentadas na superfície do antígeno. Os antígenos são geralmente proteínas, peptídeos ou polissacarídeos. Isso inclui partes (revestimentos, cápsulas, paredes celulares, flagelos, fímbrias e toxinas) de bactérias, vírus e outros microorganismos. Os lipídios e ácidos nucléicos são antigênicos apenas quando combinados com proteínas e polissacarídeos. Por exemplo, a combinação de lipídios e polissacarídeos são lipopolissacarídeos (LPS), que são o principal componente da endotoxina bacteriana gram negativa. O LPS forma a parede celular de bactérias gram negativas e causa uma poderosa resposta imunológica quando ligado.

As células apresentam seus antígenos imunogênicos ao sistema imunológico por meio de uma molécula de histocompatibilidade principal (MHC).

Dependendo do antígeno apresentado e do tipo de molécula de histocompatibilidade, vários tipos de células imunes podem ser ativadas devido a um antígeno.

Os antígenos têm vários componentes estruturais de interação que podem ser ligados por diferentes classes de anticorpos. Cada um desses componentes estruturais distintos é considerado um epítopo, também chamado de determinante antigênico. Portanto, a maioria dos antígenos tem o potencial de ser ligada por vários anticorpos distintos, cada um dos quais é específico para um determinado epítopo.

O receptor de ligação ao antígeno em um anticorpo é chamado de paratopo e é específico para o epítopo do antígeno. Usando a metáfora de “fechadura e chave”, o próprio antígeno pode ser visto como uma sequência de chaves – qualquer epítopo sendo uma “chave” – cada uma das quais pode corresponder a uma fechadura diferente.

Fonte: l.yimg.com/www.wisegeek.org/www.lvapli.ufsc.br/pathmicro.med.sc.edu/www.technologynetworks.com/images.theconversation.com/www.cancer.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.