Breaking News
Home / Biologia / Eutrofização

Eutrofização

PUBLICIDADE

Eutrofização – Definição

Eutrofização é o enriquecimento de um ecossistema com nutrientes químicos, normalmente compostos contendo azoto, fósforo, ou ambos.

A eutrofização pode ser um processo natural em lagos, ocorrendo à medida que envelhecem com o tempo geológico.

eutrofização foi reconhecida como um problema de poluição em lagos e reservatórios de europeus e norte-americanos em meados do século 20.

As atividades humanas podem acelerar a velocidade a que os nutrientes entrar ecossistemas.

O escoamento da agricultura e do desenvolvimento, a poluição de sistemas sépticos e esgotos, e outras atividades humanas relacionadas com a aumentar o fluxo de ambos os nutrientes inorgânicos e substâncias orgânicas em ecossistemas marinhos terrestres, aquáticos e costeiras (incluindo recifes de coral).

eutrofização ao longo do tempo geológico é considerada como o envelhecimento natural dos lagos.

Do ponto de vista ecológico, o termo “eutrofização” designa o processo de degradação que sofrem os lagos e outros reservatórios naturais de água quando excessivamente enriquecidos de nutrientes, que limita a atividade biológica.

A eutrofização pode ser natural, já que todos os lagos tendem para esse estado, ou cultural, quando as manifestações não se processam à escala do tempo geológico, mas a um ritmo galopante, provocado pela intervenção do homem.

Eutrofização
Lago normal

Eutrofização
Lago eutrofizado

Eutrofização – O que é

eutrofização se refere a um aumento de nutrientes em um corpo de água. Embora a eutrofização seja um processo natural, quando é acelerada é um motivo de preocupação. Muitas atividades humanas levaram à eutrofização generalizada em rios, riachos, lagos e oceanos em todo o mundo. Se não for controlada, a eutrofização se torna um problema, afetando severamente a qualidade da água e a biodiversidade.

eutrofização foi reconhecida pela primeira vez como um problema em meados do século 20, e muitos biólogos a estudam extensivamente na tentativa de evitar mais eutrofização de corpos d’água vitais em todo o mundo.

No sentido de um processo natural, a eutrofização faz parte do envelhecimento dos corpos d’água. Quando um corpo de água se forma inicialmente, ele tende a ser pobre em nutrientes.

Conforme os riachos alimentam o corpo d’água, eles carregam nutrientes que estimulam a vida das plantas, permitindo que outras espécies também cresçam. Uma camada de sedimento cresce lentamente e, gradualmente, o corpo de água acabará por se transformar em um pântano ou pântano, conforme o sedimento desloca a água e as espécies na área mudam.

No entanto, a eutrofização pode ser rapidamente acelerada por atividades humanas, caso em que é conhecida como “poluição de nutrientes”. O escoamento de fertilizantes e estrume das fazendas é uma das principais causas de eutrofização em todo o mundo. À medida que esses nutrientes entram no suprimento de água, eles estimulam uma explosão de plantas e algas, um evento às vezes chamado de florescimento de algas. A vida vegetal reduz drasticamente a quantidade de oxigênio disponível na água, em última análise, sufocando as espécies animais e criando a chamada “zona morta”.

As zonas mortas oceânicas são um grande problema, uma vez que muitas delas surgiram em áreas nas quais uma delas produzia vida marinha abundante.

Lagos e rios que estão sofrendo eutrofização podem ser facilmente identificados, pois muitas vezes ficam verdes ou vermelhos brilhantes como resultado da proliferação de algas em suas águas.

Essas cores chocantes são sinais de problemas graves de saúde e uma grande preocupação para os cientistas.

Como a eutrofização é indesejável, muitas nações trabalharam para evitá-la. Espera-se que as fazendas, por exemplo, controlem de perto seus fertilizantes e esterco, e as agências ambientais podem multar essas instalações por escoamento acima dos níveis aceitáveis. Muitos países também tentam remover a poluição por nutrientes em suas águas e podem usar outras medidas para criar zonas-tampão de eutrofização, evitando a propagação do problema.

Eutrofização – Causa

Eutrofização
Eutrofização

Um enriquecimento ou por excesso de nutrientes para a água é chamado eutrofização e pode resultar em um crescimento explosivo de algas.

A eutrofização é uma das causas da deterioração da qualidade da água.

Os nutrientes podem ter uma origem natural ou antrópica e provir:

As águas residuais domésticas
Resíduos industriais
Agricultura (uso de fertilizantes) ou deposição de nitrogênio (gado e gases).

A sobrecarga de nitrogênio, fósforo e outros materiais orgânicos pode resultar em uma série de “efeitos colaterais”.

Os principais efeitos da eutrofização são:

O aumento da biomassa de fitoplâncton, resultando em “proliferação de algas”.
A hipoxia (diminuição do conteúdo de oxigênio dissolvido de um corpo de água).
Um número crescente de casos de mortandade de peixes.
A água pode ter um gosto ruim, cor e odeur que tem um impacto negativo sobre o turismo. Os governos têm de investir mais em tratamento de águas residuais.
Recusar ou perda de biodiversidade de espécies (espécies comercialmente importantes podem desaparecer).
Algumas espécies de fitoplâncton produzem toxinas que causam sintomas graves, como diarréia, perda de memória, paralisia e morte em causas grave.

Eutrofização – Poluentes

Um dos grandes problemas que atinge as águas costeiras é a introdução de poluentes a base de azoto e fósforo.

Estes poluentes provêm, principalmente, de atividades humanas, em particular da agricultura e da indústria automóvel.

O fitoplâncton serve-se de muitos destes poluentes para se alimentar.

O excesso de nutrimentos conduz a uma proliferação do fitoplâncton. Este desenvolvimento intensivo do fitoplâncton é chamado florescência (bloom) que pode ter efeitos indesejáveis.

Chama-se eutrofização, o desenvolvimento intensivo do fitoplâncton devido a um abastecimento excessivo de nutrimentos.

Quais são os problemas associados a esta eutrofização?

Eutrofização

1. As elevadas concentrações de nutrimentos podem conduzir a importantes florescências do fitoplâncton.

Este desenvolvimento intensivo tem lugar em toda a água da superfície e impede a luz de atingir a água abaixo desta superfície.

Isto, faz parar o desenvolvimento das plantas que se encontram em profundidade e reduz a diversidade biológica.

Eutrofização

2. Quando o fitoplâncton morre, é remineralizado (consumido) pelas bactérias.

Este processo utiliza o oxigénio contido na água.

Quando as florescências são verdadeiramente intensas, esta decomposição bacteriana pode esgotar o oxigénio presente nas águas profundas e impedir, por consequência, a respiração dos peixes o que os obriga a deixar a zona afetada para não morrer.

Os animais que vivem nos fundos submarinos não podem afastar-se facilmente e morrem devido a este florescência intensiva. A União Europeia é a terceira potência haliêutica mundial (quer dizer em termos de pesca).

A conservação, em bom estado, das águas costeiras europeias é, então, muito importante do ponto de vista econômico.

3. Um excesso de nutrimentos pode, as vezes, acelerar o crescimento de algumas espécies de fitoplâncton que produzem toxinas.

Estas toxinas podem causar a morte de outras espécies vivas, como por exemplo, os peixes dos viveiros.

Os moluscos e os crustáceos acumulam as toxinas quando comem o fitoplâncton e estas toxinas podem, então, passar para os humanos quando os consomem.

Isto causa, geralmente, apenas pequenos desarranjos gástricos, mas nalguns casos raros, estas toxinas podem provocar paragens respiratórias que, as vezes, são mortais.

4. As grandes florescências do fitoplâncton podem causar uma espécie de espuma nas praias. Estas espumas não são tóxicas, mas aborrecem as pessoas que tinham intenção de se banhar.

Os efeitos sobre o turismo são nefastos quando as praias são afetadas por este problema.

A eutrofização pode, então, ser um problema economicamente muito dispendioso e as medidas são, as vezes, tomadas para limitar a contaminação das águas costeiras por nutrimentos.

Os organismos internacionais chegaram a um acordo para dividir por dois a chegada de nutrimentos às águas costeiras a volta do Mar do Norte e do Mar Báltico em relação aos valores do ano de 1985.

Fonte: www.iseca.eu/www.atmosphere.mpg.de/www.wisegeek.com/www.sciencedaily.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.