Breaking News
Home / Biologia / Célula Animal

Célula Animal

PUBLICIDADE

Quando falamos em Célula Animal, estamos nos referindo a uma célula eucariótica, ou seja, aquela que conta com uma membrana separando o núcleo do citoplasma. Estas células, como o próprio nome diz, são encontradas nos animais. Já os vegetais, por sua vez, contam com células vegetais.

Assim, ao falarmos nas células animais, primeiramente precisamos entender as diferenças destas células comparadas a dos vegetais. Todos os animais são formados por células, as quais formam os tecidos que, por fim, formam os órgãos. Os vegetais também são formados por células, a diferença é que estas estruturas nestes organismos contam com características que as distinguem dos animais.

As células vegetais apresentam, ao contrário das animais, uma parede celular, que reveste a membrana plasmática. Também são encontradas algumas organelas, como os plastos, os quais recebem nome segundo as substâncias que reservam. Logo, é possível encontrar cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos. Também há vacúolos, que são organelas que servem para o armazenamento de substâncias, ocupando grandes espaços na célula vegetal.

Após abordarmos a diferença entre uma célula animal e uma vegetal, podemos então explicar as características de uma célula animal. Este tipo de célula apresenta organelas (as quais também estão presentes na célula vegetal), cada uma responsável por uma função celular.

Célula Animal
Célula Animal

Organelas da Célula Animal

Centríolos: responsáveis por auxiliar nos processos de divisão celular (meiose e mitose);

Complexo de Golgi: tem como função o armazenamento e liberação de proteínas;

Lisossomos: atuam na degradação e digestão de partículas do meio exterior e auxiliam na renovação celular de organelas envelhecidas;

Membrana Plasmática: é a membrana que envolve a célula, responsável por processos de revestimento, proteção e permeabilidade seletiva;

Microtúbulos: entre as funções, formam o citoesqueleto, atuam na movimentação de organelas celulares e auxiliam no transporte intracelular de substâncias;

Mitocôndrias: atuam no processo de respiração celular;

Núcleo Celular: nele estão os cromossomos. É ele quem é responsável pelo controle da célula, coordenando as reações químicas celulares;

Retículo Endoplasmático Liso: são essenciais para a produção de lipídios;

Retículo Endoplasmático Rugoso: transporte proteico;

Ribossomos: atuam no processo de síntese proteica.

Célula Animal – Unidade

Tal como acontece com todos os organismos da Terra, os animais são construídos a partir de estruturas microscópicas chamadas células.

As células são a unidade básica da vida e essas estruturas microscópicas trabalham juntas e desempenham todas as funções necessárias para manter um animal vivo. Existe uma gama enorme de células animais.

Cada um está adaptado para desempenhar funções específicas, como transportar oxigênio, contrair músculos, secretar muco ou proteger órgãos.

As células dos animais são avançadas e complexas. Junto com as plantas e os fungos, as células dos animais são eucarióticas.

As células eucarióticas são células relativamente grandes com um núcleo e estruturas especializadas chamadas organelas.

Embora as células animais possam variar consideravelmente dependendo de sua finalidade, existem algumas características gerais que são comuns a todas as células. Isso inclui estruturas como a membrana plasmática, citoplasma, núcleo, mitocôndria e ribossomos.

Estrutura da Célula Animal

Modelo 3D de uma célula animal típica

As células animais são típicas da célula eucariótica, envolvidas por uma membrana plasmática e contendo um núcleo ligado à membrana e organelas.

Ao contrário das células eucarióticas de plantas e fungos, as células animais não possuem parede celular.

Essa característica foi perdida no passado distante pelos organismos unicelulares que deram origem ao reino Animalia. A maioria das células, tanto animais quanto vegetais, variam em tamanho entre 1 e 100 micrômetros e, portanto, são visíveis apenas com o auxílio de um microscópio.

A falta de uma parede celular rígida permitiu que os animais desenvolvessem uma maior diversidade de tipos de células, tecidos e órgãos. As células especializadas que formaram nervos e músculos – tecidos impossíveis para as plantas evoluírem – deram mobilidade a esses organismos. A capacidade de se mover pelo uso de tecidos musculares especializados é uma marca registrada do mundo animal, embora alguns animais, principalmente esponjas, não possuam tecidos diferenciados. Notavelmente, os protozoários se locomovem, mas é apenas por meios não musculares, na verdade, usando cílios, flagelos e pseudópodes.

O reino animal é único entre os organismos eucarióticos porque a maioria dos tecidos animais são unidos em uma matriz extracelular por uma tripla hélice de proteína conhecida como colágeno.

As células vegetais e fúngicas são unidas em tecidos ou agregações por outras moléculas, como a pectina. O fato de nenhum outro organismo utilizar colágeno dessa maneira é uma das indicações de que todos os animais surgiram de um ancestral unicelular comum. Ossos, conchas, espículas e outras estruturas endurecidas são formadas quando a matriz extracelular contendo colágeno entre as células animais torna-se calcificada.

Os animais são um grupo grande e incrivelmente diverso de organismos. Constituindo cerca de três quartos das espécies da Terra, eles variam de corais e águas-vivas a formigas, baleias, elefantes e, é claro, humanos.

A mobilidade deu aos animais, que são capazes de sentir e responder ao ambiente, a flexibilidade para adotar muitos modos diferentes de alimentação, defesa e reprodução. Ao contrário das plantas, no entanto, os animais são incapazes de fabricar seus próprios alimentos e, portanto, são sempre direta ou indiretamente dependentes da vida vegetal.

A maioria das células animais são diplóides, o que significa que seus cromossomos existem em pares homólogos. No entanto, sabe-se que diferentes ploidias cromossômicas também ocorrem ocasionalmente.

A proliferação de células animais ocorre de várias maneiras. Em casos de reprodução sexual, o processo celular da meiose é primeiro necessário para que as células-filhas haplóides, ou gametas, possam ser produzidas. Duas células haplóides se fundem para formar um zigoto diplóide, que se desenvolve em um novo organismo à medida que suas células se dividem e se multiplicam.

As primeiras evidências fósseis de animais datam do Período Vendian (650 a 544 milhões de anos atrás), com criaturas do tipo celenterado que deixaram traços de seus corpos moles em sedimentos de águas rasas.

A primeira extinção em massa encerrou esse período, mas durante o período cambriano que se seguiu, uma explosão de novas formas deu início à radiação evolutiva que produziu a maioria dos grupos principais, ou filos, conhecidos hoje. Não se sabe que os vertebrados (animais com coluna vertebral) ocorreram até o início do Período Ordoviciano (505 a 438 milhões de anos atrás).

As células foram descobertas em 1665 pelo cientista britânico Robert Hooke, que as observou pela primeira vez em seu microscópio óptico bruto (para os padrões atuais) do século XVII. Na verdade, Hooke cunhou o termo “célula”, em um contexto biológico, quando descreveu a estrutura microscópica da cortiça como uma minúscula sala vazia ou uma célula de monge. É é um par de células fibroblastos da pele de veado que foram marcadas com sondas fluorescentes e fotografadas no microscópio para revelar sua estrutura interna. Os núcleos são corados com uma sonda vermelha, enquanto o aparelho de Golgi e a rede de microfilamento de actina são corados em verde e azul, respectivamente. O microscópio tem sido uma ferramenta fundamental no campo da biologia celular e é freqüentemente usado para observar células vivas em cultura.

Além do microscópio óptico e eletrônico, os cientistas são capazes de usar uma série de outras técnicas para sondar os mistérios da célula animal.

As células podem ser desmontadas por métodos químicos e suas organelas e macromoléculas individuais isoladas para estudo.

O processo de fracionamento celular permite ao cientista preparar componentes específicos, as mitocôndrias por exemplo, em grandes quantidades para investigações de sua composição e funções.

Usando essa abordagem, os biólogos celulares foram capazes de atribuir várias funções a locais específicos dentro da célula. No entanto, a era das proteínas fluorescentes trouxe a microscopia para a vanguarda da biologia, permitindo aos cientistas direcionar células vivas com sondas altamente localizadas para estudos que não interfiram com o delicado equilíbrio dos processos vitais.

Como as células vegetais e animais diferem?

As células vegetais e animais são eucarióticas, portanto, contêm organelas ligadas à membrana, como o núcleo e as mitocôndrias.

No entanto, as células vegetais e as células animais não são exatamente iguais ou têm todas as mesmas organelas, pois cada uma tem necessidades diferentes. Por exemplo, as células vegetais contêm cloroplastos, pois precisam realizar a fotossíntese, mas as células animais não.

Fonte: Juliano Schiavo/chemdictionary.org/micro.magnet.fsu.edu/www.khanacademy.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Tecido Ósseo

PUBLICIDADE O que é tecido ósseo? O tecido ósseo é um tipo de tecido conjuntivo usado na …

Nervos

Nervos – Definição PUBLICIDADE Os nervos são uma coleção de neurônios, que são as células nervosas individuais. …

Cartilagem

Cartilagem – Definição PUBLICIDADE A cartilagem é o principal tipo de tecido conjuntivo visto em todo o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.