Breaking News
Home / Biologia / Hipersonia

Hipersonia

PUBLICIDADE

Hipersonia – O que é

A hipersonia é um transtorno do sono que faz a pessoa dormir demais, seja à noite ou durante o dia.

Algumas pessoas dormem naturalmente por períodos mais longos e não são consideradas portadoras de um transtorno do sono. Mas outras podem dormir demais com algumas características diferenciadas.

Hipersonia é um termo médico usado para descrever uma variedade de condições nas quais uma pessoa se sente excessivamente cansada ou dorme mais do que o normal.

Pessoas com hipersonia podem sentir-se mal ao acordar, mesmo depois de um longo sono. Eles podem sentir uma compulsão para dormir a qualquer momento do dia, inclusive no trabalho ou durante uma refeição.

Pessoas com um distúrbio denominado hipersonia idiopática geralmente dormem mais de 11 horas por dia e também podem ter dificuldade para acordar.

Esse tipo de comportamento durante o sono costuma ter um efeito significativo na vida social, familiar ou profissional.

Dependendo do tipo de hipersonia, ela pode se manifestar pela primeira vez durante a adolescência e o início da idade adulta e pode exigir tratamento para toda a vida.

Alguns pesquisadores classificam a hipersonia como: primária ou secundária.

hipersonia primária é uma condição neurológica (que afetam o sistema nervoso central) que ocorre por conta própria e não tem uma causa subjacente conhecida.

hipersonia secundária é quando a sonolência excessiva é causada por outra condição ou problema.

Veja a seguir os três tipos de hipersonia:

Hipersonia recorrente – dura algumas semanas e pode aparecer periodicamente. Algumas pessoas exageram na alimentação e sentem uma hipersexualidade com o sono excessivo. Esse tipo é mais comum entre os rapazes adolescentes.
Hipersonia idiopática
 (que significa de causa desconhecida) – é freqüentemente confundida com a narcolepsia porque os sintomas são semelhantes. A principal diferença é a ausência de cataplexia, paralisia do sono e alucinações relacionadas ao sono.
Hipersonia pós-traumática
 – pode ocorrer como resultado de um ferimento na cabeça e, geralmente, apresenta cefaléias e problemas de concentração e memória. Os sintomas geralmente começam imediatamente após o ferimento.

Hipersonia – Causa

Hipersonia

As principais causas de Hipersonia incluem:

Narcolepsia
Apneia obstrutiva do Sono
Obesidade
Alcoolismo
Traumas na cabeça ou doenças neurológicas (p.ex.: esclerose múltipla)
Uso regular de tranquilizantes
Problemas genéticos

Hipersonias primárias

Hipersonia

Hipersonia primária descreve a hipersonia que ocorre por conta própria e não é secundária a outra condição.

Os distúrbios centrais da hipersonia que podem ser classificados como primários incluem narcolepsia tipo 1 e tipo 2, síndrome de Kleine-Levin e hipersonia idiopática.

Narcolepsia tipo 1: a narcolepsia tipo 1, também chamada de narcolepsia com cataplexia, é uma doença neurológica crônica causada por uma quantidade insuficiente de um neurotransmissor chamado orexina. Embora a hipersonolência seja um sintoma da narcolepsia tipo 1, outros sintomas incluem cataplexia (fraqueza muscular súbita), paralisia do sono e alucinações.
Narcolepsia tipo 2: a narcolepsia tipo 2 inclui muitos dos mesmos sintomas do tipo 1, mas não inclui cataplexia e não é causada por uma perda de orexina.
Síndrome de Kleine-Levin: a síndrome de Kleine-Levin é caracterizada por episódios recorrentes de hipersonolência extrema que ocorrem juntamente com distúrbios mentais, comportamentais e até psiquiátricos. Esta condição afeta principalmente jovens do sexo masculino e os episódios costumam diminuir em um período de 8 a 12 anos.
Hipersonia idiopática: Se um paciente tem sonolência excessiva, sem cataplexia, que não é restaurada por cochilos ou sono, ele pode ser diagnosticado com hipersonia idiopática.

Hipersonias Secundárias

Hipersonia

hipersonia, ou sonolência excessiva, costuma ser secundária ou um sintoma de outras condições médicas. A hipersonia pode ser classificada como secundária quando se deve a condições médicas, medicamentos, substâncias, distúrbios psiquiátricos ou síndrome do sono insuficiente.

Hipersonia devido a uma condição médica: as condições médicas que podem causar hipersonia incluem doença de Parkinson, epilepsia, hipotireoidismo, esclerose múltipla e até obesidade. A hipersonia também pode se desenvolver como resultado de tumores, lesões cerebrais traumáticas e doenças do sistema nervoso.
Hipersonia devido a um medicamento ou substância: Certos medicamentos sedativos, álcool e uso de drogas podem causar hipersonia. A hipersonia também pode ser um sintoma de abstinência de drogas estimulantes e de alguns medicamentos.
Síndrome do sono insuficiente: talvez a causa mais direta de hipersonia, a síndrome do sono insuficiente ocorre quando uma pessoa não consegue dormir o suficiente de forma persistente. A má higiene do sono ou o trabalho noturno podem fazer com que uma pessoa desenvolva a incapacidade de obter a quantidade necessária de sono.
Hipersonia associada a um transtorno psiquiátrico: muitos transtornos do humor podem causar hipersonia, incluindo depressão, transtorno bipolar e transtorno afetivo sazonal.

Hipersonia – Sintomas

Pessoas que sofrem de hipersonia têm grande dificuldade em permanecer acordadas, o que causa fadiga, cansaço, perda de concentração e de atenção ao ambiente.

As principais características de alguém que sofre de hipersonia são:

Cochilando ao longo do dia sem se sentir revitalizado
Dormir por longas horas à noite
Adormecer durante o dia, mesmo ao realizar outras atividades.

Hipersonia – Causas

As causas da hipersonia são variadas e, na maioria dos casos, geralmente há distúrbios ou problemas subjacentes, como:

Apneia do sono
Narcolepsia
Depressão
Privação de sono
Drogas ou álcool
Medicamentos prescritos
Distúrbios neurológicos (por exemplo, Parkinson ou esclerose múltipla)

Hipersonia – Tratamento

O tratamento para hipersonia pode incluir o uso de um ou mais medicamentos controlados. Como a causa da hipersonia idiopática não é conhecida, o tratamento se limita ao controle dos sintomas.

É necessário um diagnóstico preciso antes que se possa começar qualquer tratamento.

A hipersonia idiopática é uma patologia do sono classificada em duas formas: hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado e hipersonia idiopática sem tempo de sono prolongado.

A prevalência é desconhecida mas foi estimada em 1/10,000 – 1/25,000 para a primeira forma e 1/11,000 a 1/100,000 para a segunda forma. Ambas começam antes dos 25 anos de idade e afetam igualmente ambos os sexos.

A hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado é caracterizada por sono noturno prolongado (mais de 10 horas) de boa qualidade, e uma sonolência excessiva mais ou menos constante durante o dia com episódios de sonolência não satisfatórios prolongados, e acordar difícil com inércia ou embriaguez do sono.

A hiperinsomnia idiopática sem sono de longa duração é caracterizada por sonolência diurna excessiva isolada durando mais de 3 meses, com sonos diurnos irresistíveis e mais ou menos refrescantes.

O sono noturno é normal ou ligeiramente prolongado mas dura menos de 10 horas, e a qualidade do acordar é frequentemente normal. A hipersonia idiopática nunca está associada a cataplexia.

A etiologia é desconhecida. Não existe associação com qualquer marcador de HLA ou diminuição dos níveis de orexina/hipocretina.

O diagnóstico é complexo e deve excluir outras causas de sonolência e reconhecer o excesso de sono. O diagnóstico definitivo é baseado na polissonografia completada com testes de latência múltipla do sono (MSLT).

Estes testes revelam um sono de boa qualidade e revelam uma latência de sono inferior a 8 minutos com um máximo de um episódio de sono paradoxal. No caso de hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado, é feito um registo contínuo durante 24h-36h após a MSLT que mostra um episódio noturno de sono com mais de 10 horas com uma dormida diurna de mais de uma hora. O exame clínico (baseado mais ou menos num diário de sono ou numa actimetria) elimina a síndrome de insuficiência crônica de sono. Os registos de sono excluem narcolepsia, patologias do ritmo ou sono noturno fragmentado devido a alterações motoras ou respiratórias. O exame psicológico exclui hipersonia de origem psiquiátrica. Por fim, os testes neurorradiológicos, que são raramente realizados, excluem lesões cerebrais.

O tratamento é baseado em estimulantes como modafinil, que é o tratamento de primeira linha pela sua melhor relação risco/benefício. Outros medicamentos estimulantes são o metilfenidato e as anfetaminas.

Ativos nos casos de sonolência durante o dia, estes medicamentos têm pouco efeito na embriaguez do sono observada na hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado.

A doença tem um impacto social e profissional negativo. A sua evolução é frequentemente estável em termos de gravidade, com algumas melhorias espontâneas descritas.

Fonte: www.geocities.com/www.sleepfoundation.org/centrodosono.com/www.medicalnewstoday.com/www.topdoctors.co.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.