Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Hipersônia

Hipersônia

PUBLICIDADE

A hipersonia ou sonolência excessiva, é uma condição na qual uma pessoa tem problemas para ficar acordado durante o dia.

As pessoas que têm hipersonia pode adormecer a qualquer momento; por exemplo, no trabalho ou enquanto estão dirigindo. Eles também podem ter outros problemas relacionados com o sono, incluindo a falta de energia e problemas para pensar com clareza.

O que é

A Hipersonia, ou Sonolência Excessiva, é um distúrbio onde a pessoa possui dificuldade para se manter acordada durante o dia.

As pessoas que sofrem de Hipersonia podem cair no sono a qualquer momento, inclusive enquanto estão dirigindo.

Os pacientes afetados pela Hipersonia também apresentam outros sintomas relacionados à privação de sono, incluindo falta de energia para as atividades diárias e dificuldade de raciocínio e concentração.

Estudos recentes sugerem que a Hipersonia afeta até 40% das pessoas em algum momento de suas vidas.

O que causa a Hipersonia?

As principais causas de Hipersonia incluem:

Narcolepsia
Apnéia obstrutiva do Sono
Obesidade
Alcoolismo
Traumas na cabeça ou doenças neurológicas (p.ex.: esclerose múltipla)
Uso regular de tranqüilizantes
Problemas genéticos

Como a Hipersonia é diagnosticada?

O primeiro passo é a consulta médica. A partir dos dados colhidos na consulta e da avaliação do seu padrão de sono, o médico poderá levantar a possibilidade de Hipersonia e solicitar alguns exames complementares.

Os principais testes a serem realizados incluem exames de sangue, tomografia computadorizada do crânio, eletroencefalograma e Polissonografia.

Como é feito o tratamento?

O tratamento da hipersonia pode ser feito com medicamentos estimulantes, antidepressivos e mudanças em certos hábitos (p.ex.: estabelecer horários fixos para dormir e acordar; evitar o consumo de bebidas alcoólicas e cafeína, especialmente à noite; preparar melhor o ambiente do quarto na hora de dormir, cortando televisão e luzes muito fortes, etc).

É importante informar seu médico sobre todo e qualquer medicamento que você estiver utilizando, uma vez que alguns remédios podem causar sonolência durante o dia ou interferir com a qualidade do seu sono à noite.

Se a hipersonia tiver como causa a Apnéia Obstrutiva do Sono, o médico poderá prescrever um tratamento chamado Pressão Positiva Contínua das Vias Aéreas, ou CPAP (do inglês continuous positive airway pressure), que consiste no uso de uma máscara sobre o nariz durante o sono. Uma máquina pressurizadora é conectada à máscara, fornecendo um fluxo contínuo de ar pelas narinas, mantendo as vias aéreas abertas.

Fonte: www.reflexoes.diarias.nom.br

Hipersonia

Hipersonia idiopática

A hipersonia é um transtorno do sono que faz a pessoa dormir demais, seja à noite ou durante o dia. Algumas pessoas dormem naturalmente por períodos mais longos e não são consideradas portadoras de um transtorno do sono. Mas outras podem dormir demais com algumas características diferenciadas. Veja a seguir os três tipos de hipersonia.

Hipersonia recorrente

Dura algumas semanas e pode aparecer periodicamente. Algumas pessoas exageram na alimentação e sentem uma hipersexualidade com o sono excessivo. Esse tipo é mais comum entre os rapazes adolescentes.

Hipersonia idiopática (que significa “de causa desconhecida”)

É frequentemente confundida com a narcolepsia porque os sintomas são semelhantes. A principal diferença é a ausência de cataplexia, paralisia do sono e alucinações relacionadas ao sono.

Hipersonia pós-traumática

Pode ocorrer como resultado de um ferimento na cabeça e, geralmente, apresenta cefaléias e problemas de concentração e memória.

Os sintomas geralmente começam imediatamente após o ferimento.

O tratamento para hipersonia pode incluir o uso de um ou mais medicamentos controlados. Como a causa da hipersonia idiopática não é conhecida, o tratamento se limita ao controle dos sintomas. É necessário um diagnóstico preciso antes que se possa começar qualquer tratamento.

O que é

A hipersonia é um transtorno do sono que faz a pessoa dormir demais, seja à noite ou durante o dia. Algumas pessoas dormem naturalmente por períodos mais longos e não são consideradas portadoras de um transtorno do sono. Mas outras podem dormir demais com algumas características diferenciadas. Veja a seguir os três tipos de hipersonia.

Hipersonia recorrente – dura algumas semanas e pode aparecer periodicamente. Algumas pessoas exageram na alimentação e sentem uma hipersexualidade com o sono excessivo. Esse tipo é mais comum entre os rapazes adolescentes.

Hipersonia idiopática (que significa “de causa desconhecida”) – é freqüentemente confundida com a narcolepsia porque os sintomas são semelhantes. A principal diferença é a ausência de cataplexia, paralisia do sono e alucinações relacionadas ao sono.

Hipersonia pós-traumática – pode ocorrer como resultado de um ferimento na cabeça e, geralmente, apresenta cefaléias e problemas de concentração e memória. Os sintomas geralmente começam imediatamente após o ferimento.

Tratamento

O tratamento para hipersonia pode incluir o uso de um ou mais medicamentos controlados. Como a causa da hipersonia idiopática não é conhecida, o tratamento se limita ao controle dos sintomas. É necessário um diagnóstico preciso antes que se possa começar qualquer tratamento.

A hipersonia idiopática é uma patologia do sono classificada em duas formas: hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado e hipersonia idiopática sem tempo de sono prolongado.

A prevalência é desconhecida mas foi estimada em 1/10,000 – 1/25,000 para a primeira forma e 1/11,000 a 1/100,000 para a segunda forma. Ambas começam antes dos 25 anos de idade e afetam igualmente ambos os sexos.

A hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado é caracterizada por sono noturno prolongado (mais de 10 horas) de boa qualidade, e uma sonolência excessiva mais ou menos constante durante o dia com episódios de sonolência não satisfatórios prolongados, e acordar difícil com inércia ou embriaguez do sono.

A hiperinsomnia idiopática sem sono de longa duração é caracterizada por sonolência diurna excessiva isolada durando mais de 3 meses, com sonos diurnos irresistíveis e mais ou menos refrescantes. O sono noturno é normal ou ligeiramente prolongado mas dura menos de 10 horas, e a qualidade do acordar é frequentemente normal. A hipersonia idiopática nunca está associada a cataplexia.

A etiologia é desconhecida. Não existe associação com qualquer marcador de HLA ou diminuição dos níveis de orexina/hipocretina.

O diagnóstico é complexo e deve excluir outras causas de sonolência e reconhecer o excesso de sono. O diagnóstico definitivo é baseado na polissonografia completada com testes de latência múltipla do sono (MSLT). Estes testes revelam um sono de boa qualidade e revelam uma latência de sono inferior a 8 minutos com um máximo de um episódio de sono paradoxal. No caso de hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado, é feito um registo contínuo durante 24h-36h após a MSLT que mostra um episódio noturno de sono com mais de 10 horas com uma dormida diurna de mais de uma hora. O exame clínico (baseado mais ou menos num diário de sono ou numa actimetria) elimina a síndrome de insuficiência crônica de sono. Os registos de sono excluem narcolepsia, patologias do ritmo ou sono noturno fragmentado devido a alterações motoras ou respiratórias. O exame psicológico exclui hipersonia de origem psiquiátrica. Por fim, os testes neurorradiológicos, que são raramente realizados, excluem lesões cerebrais.

O tratamento é baseado em estimulantes como modafinil, que é o tratamento de primeira linha pela sua melhor relação risco/benefício. Outros medicamentos estimulantes são o metilfenidato e as anfetaminas. Ativos nos casos de sonolência durante o dia, estes medicamentos têm pouco efeito na embriaguez do sono observada na hipersonia idiopática com tempo de sono prolongado.

A doença tem um impacto social e profissional negativo. A sua evolução é frequentemente estável em termos de gravidade, com algumas melhorias espontâneas descritas.

O que é Hipersonia idiopática

Hipersonolência idiopática é baseado em uma dilatação anormal de sono durante a noite com dificuldade de acordar episódios associados com sonolência diurna excessiva cronicamente presentes e nenhuma causa subjacente para explicar isso. Os indivíduos com hipersonia idiopática sono prolongar seus dias de metade das dez horas para completar vários cochilos durante o dia. A enorme quantidade de sono não se traduz em um efeito restaurador e estes pacientes sofrem as mesmas conseqüências da privação do sono.

HIPERSONIA PRIMÁRIA

Características Diagnósticas

A característica essencial da Hipersonia Primária consiste de sonolência excessiva por um período mínimo de 1 mês, evidenciada por episódios prolongados de sono ou por episódios de sono diurno ocorrendo quase que diariamente (Critério A).

A sonolência excessiva deve ser suficientemente severa para causar sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo (Critério B).

A sonolência excessiva não ocorre exclusivamente durante o curso de outro Transtorno do Sono (Critério C) ou transtorno mental (Critério D), nem se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância ou de uma condição médica geral (Critério E).

Em indivíduos com Hipersonia Primária, a duração do principal episódio de sono (para a maioria dos indivíduos, sono noturno) pode variar de 8 a 12 horas, sendo freqüentemente seguido por dificuldade de despertar pela manhã.

A qualidade do sono noturno é normal. A sonolência excessiva durante as horas normais de vigília assume a forma de cochilos intencionais ou episódios inadvertidos de sono. As medições objetivas demonstram sonolência fisiológica aumentada.

Os cochilos diurnos tendem a ser relativamente prolongados (em geral de uma hora ou mais), são vivenciados como não reparadores e com freqüência não levam a um melhor estado de vigília. Os indivíduos tipicamente sentem o desenvolvimento da sonolência ao longo de um certo período de tempo, ao invés de sentirem um súbito “ataque” de sono.

Episódios de sono não intencionais ocorrem em situações de baixa estimulação e baixa atividade (por ex., durante palestras, leitura, assistir à televisão ou dirigir por longas distâncias).

A Hipersonia pode levar a um sofrimento significativo e disfunção nos relacionamentos profissionais e sociais. O sono noturno prolongado e a dificuldade em despertar podem acarretar dificuldades no cumprimento de obrigações matinais.

Os episódios de sono involuntário durante o dia podem ser embaraçosos e até mesmo perigosos se, por exemplo, o indivíduo está dirigindo ou operando máquinas quando ocorre o episódio.

O baixo nível de alerta que ocorre enquanto um indivíduo combate o sono pode levar a uma redução da eficiência, da concentração e da memória durante atividades diurnas. A sonolência, em geral atribuída erroneamente ao tédio ou à preguiça, também pode perturbar relacionamentos sociais e familiares.

Especificador

Recorrente. Este especificador é usado se existem períodos de sonolência excessiva com duração mínima de 3 dias, ocorrendo várias vezes ao ano, por pelo menos 2 anos.

A maioria dos indivíduos com Hipersonia Primária tem sintomas consistentes e persistentes. Em contrapartida, a forma Recorrente deve ser anotada se os sintomas ocorrem periodicamente, durando vários dias ou várias semanas, com os períodos sintomáticos recorrendo várias vezes durante o ano.

Entre os períodos de sonolência excessiva, a duração do sono e da vigília diurna são normais. Na forma recorrente da Hipersonia Primária conhecida como síndrome de Kleine-Levin, os indivíduos podem passar de 18 a 20 horas dormindo ou na cama.

Os períodos recorrentes de sonolência estão associados com outros aspectos clínicos característicos indicando desinibição. Hipersexualidade indiscriminada, incluindo investidas sexuais inadequadas e masturbação excessiva, pode ser vista em homens (e, menos freqüentemente, em mulheres).

Um consumo alimentar excessivo e compulsivo pode ocorrer, com aumento agudo de peso, além de irritabilidade, despersonalização, depressão, confusão e alucinações ocasionais.

Outras formas recorrentes de hipersonia podem ser vistas na ausência desses aspectos. Algumas mulheres, por exemplo, afirmam ter períodos de hipersonia que ocorrem regularmente, em momentos específicos do ciclo menstrual.

Características e Transtornos Associados

Características descritivas e transtornos mentais associados. Na Hipersonia Primária, o sono tende a ser contínuo mas não reparador. Os indivíduos com este transtorno adormecem rapidamente e têm uma boa eficiência do sono, mas podem ter dificuldade em despertar pela manhã, às vezes parecendo confusos, hostis ou atáxicos.

Este prejuízo prolongado do estado de alerta na transição entre o sono e a vigília freqüentemente é chamado de “embriaguez do sono”.

A sonolência diurna persistente pode levar a um comportamento automático (geralmente de um tipo muito rotineiro, de baixa complexidade), que o indivíduo executa com pouca ou nenhuma recordação subseqüente. Por exemplo, os indivíduos podem verificar que dirigiram muito além do ponto onde pretendiam chegar, sem terem consciência da condução “automática” do veículo durante os últimos minutos.

Embora não se disponha de dados precisos em relação à co-morbidade com transtornos mentais, muitos indivíduos com Hipersonia Primária têm sintomas depressivos que podem satisfazer os critérios para Transtorno Depressivo Maior. Este pode estar relacionado com as conseqüências psicossociais da sonolência excessiva.

Os indivíduos com hipersonia também podem estar em risco para Transtornos Relacionados a Substâncias, particularmente envolvendo a automedicação com estimulantes.

Achados laboratoriais associados

Na Hipersonia Primária, a polissonografia noturna demonstra uma duração do sono de normal a prolongada, curta latência do sono, continuidade de normal a aumentada e distribuições normais do sono de movimentos oculares rápidos (REM) e de movimentos oculares não-rápidos (NREM). Alguns indivíduos com este transtorno podem ter uma quantidade maior de sono de ondas lentas.

Períodos REM no início do sono (ocorrência de REM 20 minutos após o início do sono), perturbações do sono relacionadas à respiração e freqüentes movimentos dos membros perturbando o sono não estão presentes.

O Teste Múltiplo de Latência do Sono documenta uma sonolência fisiológica excessiva durante o dia, tipicamente indicada por valores médios de latência do sono de 5-10 minutos. O sono REM não ocorre durante os episódios de sono diurnos. A polissonografia noturna e o Teste Múltiplo de Latência do Sono não revelam achados característicos de outras causas de hipersonia.

Na forma Recorrente de Kleine-Levin de Hipersonia Primária, os estudos de EEG de rotina realizados durante os períodos de hipersonia mostram uma lentificação geral do ritmo de fundo e surtos paroxísticos de atividade teta. A polissonografia noturna mostra um aumento do tempo total de sono e curta latência de sono REM.

Os estudos com o Teste Múltiplo de Latência do Sono confirmam a existência de maior sonolência fisiológica, com latências de sono geralmente inferiores a 10 minutos. Períodos de REM no início do sono podem ser vistos durante os períodos sintomáticos.

Achados ao exame físico e condições médicas gerais associadas. Os indivíduos com Hipersonia Primária freqüentemente parecem sonolentos e podem até mesmo adormecer na sala de espera do consultório médico.

Um subconjunto de indivíduos com Hipersonia Primária tem uma história familiar de hipersonia e também pode ter sintomas de disfunção do sistema nervoso autônomo, incluindo cefaléias recorrentes do tipo vascular, reatividade do sistema vascular (fenômeno de Raynaud) e desmaios.

Os indivíduos com a forma Recorrente de Kleine-Levin podem ter achados inespecíficos ao exame neurológico, incluindo reflexos tendinosos profundos deprimidos, disartria e nistagmo.

Características Específicas à Idade e ao Gênero

Os cochilos voluntários aumentam com a idade, mas este fenômeno normal é distinto da Hipersonia Primária. A síndrome de Kleine-Levin afeta os homens com uma freqüência três vezes maior do que as mulheres.

Prevalência

A verdadeira prevalência de Hipersonia Primária na população geral é desconhecida. Aproximadamente 5 a 10% dos indivíduos que se apresentam em clínicas para transtornos do sono com queixas de sonolência diurna recebem o diagnóstico de Hipersonia Primária. A forma Recorrente de Hipersonia Primária conhecida como síndrome de Kleine-Levin é rara. Levantamentos populacionais revelam uma queixa de sonolência diurna em 0,5 a 5,0% dos adultos, independentemente das causas ou diagnósticos específicos.

Curso

A Hipersonia Primária tipicamente começa entre os 15 e os 30 anos, com uma progressão gradual ao longo de semanas a meses. Para a maioria dos indivíduos, então, o curso passa a ser crônico e estável, a menos que um tratamento seja iniciado. A síndrome de Kleine-Levin também começa durante a adolescência e pode continuar seu curso periódico por décadas, embora freqüentemente se resolva durante a meia-idade.

Padrão Familial

O subgrupo de indivíduos com disfunção autonômica está mais propenso do que os outros indivíduos com Hipersonia Primária a ter membros de suas famílias com Hipersonia Primária. A síndrome de Kleine-Levin não demonstra uma agregação familial.

Diagnóstico Diferencial

A duração “normal” do sono varia consideravelmente, na população geral. Os “grandes dormidores” (isto é, indivíduos com uma necessidade de sono maior do que a média) não têm sonolência excessiva durante o dia, embriaguez do sono ou comportamento automático quando obtêm seu tempo normal de sono noturno.

Se as exigências sociais ou profissionais levam a um sono noturno mais curto, sintomas diurnos podem aparecer. Na Hipersonia Primária, em contrapartida, ocorrem sintomas de sonolência excessiva, independentemente da duração do sono noturno.

Uma quantidade inadequada de sono noturno pode produzir sintomas de sonolência diurna muito similares àqueles da Hipersonia Primária. Uma média de sono inferior a 7 horas por noite sugere fortemente um sono noturno inadequado, ao passo que uma média de mais de 9 horas de sono por período de 24 horas sugere Hipersonia Primária. Os indivíduos com sono noturno inadequado tipicamente “recuperam” com um sono mais prolongado nos dias em que estão livres de exigências sociais ou profissionais ou nas férias. Diferentemente da Hipersonia Primária, o sono noturno insuficiente não tende a persistir inalterado por décadas.

Um diagnóstico de Hipersonia Primária não deve ser feito quando existem dúvidas envolvendo a adequação da duração do sono noturno. Um ensaio diagnóstico e terapêutico de prolongamento do sono durante 10 a 14 dias freqüentemente pode elucidar o diagnóstico. A sonolência diurna, um aspecto característico da Hipersonia Primária, também pode ocorrer na insônia primária, mas nestes casos a sonolência é menos severa. Quando a sonolência diurna supostamente se deve à insônia, não é feito um diagnóstico adicional de Hipersonia Primária.

A Hipersonia Primária e a Narcolepsia assemelham-se quanto ao grau de sonolência diurna, idade de início e curso estável ao longo do tempo, mas podem ser diferenciadas com base em aspectos clínicos e laboratoriais distintos.

Os indivíduos com Hipersonia Primária têm um sono tipicamente mais longo e menos perturbado, maior dificuldade para despertar, sonolência diurna mais persistente (opostamente aos “ataques de sono” mais nítidos na Narcolepsia), episódios de sono diurno mais prolongados e menos reparadores, e poucos ou nenhum sonho durante os cochilos diurnos.

Em contrapartida, os indivíduos com Narcolepsia têm cataplexia e intrusões recorrentes de elementos do sono REM na transição entre o sono e o estado desperto (por ex., alucinações relacionadas ao sono e paralisia do sono).

O Teste Múltiplo de Latência do Sono (MSLT), na Narcolepsia, tipicamente demonstra latências de sono mais curtas (isto é, maior sonolência fisiológica), bem como a presença de múltiplos períodos REM no início do sono.

Indivíduos com Hipersonia Primária e os com Transtorno do Sono Relacionado à Respiração podem ter padrões similares de sonolência excessiva. O Transtorno do Sono Relacionado à Respiração é sugerido por uma história de roncos altos, pausas respiratórias durante o sono, lesão cerebral ou doença cardiovascular e pela presença, ao exame físico, de obesidade, anormalidades na anatomia da orofaringe, hipertensão ou insuficiência cardíaca.

Estudos polissonográficos podem confirmar a presença de eventos apnéicos no Transtorno do Sono Relacionado à Respiração (bem como sua ausência na Hipersonia Primária).

O Transtorno do Ritmo Circadiano do Sono freqüentemente se caracteriza por sonolência diurna. Uma história de horários anormais para dormir e despertar (com horários freqüentemente alterados ou irregulares) está presente em indivíduos com Transtorno do Ritmo Circadiano do Sono. As Parassonias raramente produzem o tipo de sono noturno prolongado e sem perturbações ou a sonolência diurna da Hipersonia Primária.

A Hipersonia Primária deve ser diferenciada de transtornos mentais que incluem hipersonia como característica essencial ou associada. Em particular, queixas de sonolência diurna podem ocorrer em um Episódio Depressivo Maior, Com Características Atípicas, e na fase depressiva do Transtorno Bipolar.

O diagnóstico de Hipersonia Primária não é dado se a hipersonia ocorre exclusivamente durante o curso de outro transtorno mental. Uma completa investigação da possível presença de outros transtornos mentais é essencial, antes de considerar o diagnóstico de Hipersonia Primária.

Um diagnóstico de Hipersonia Primária pode ser feito na presença de um outro transtorno mental atual ou passado se este, no entender do clínico, não explica a hipersonia ou se esta e o transtorno mental têm um curso independente (por ex., um indivíduo com hipersonia crônica que posteriormente desenvolve um Transtorno Depressivo Maior).

Em contrapartida, quando a hipersonia ocorre como manifestação de outro transtorno mental ou exclusivamente durante o curso deste, o diagnóstico de Hipersonia Relacionada a Outro Transtorno Mental pode ser mais apropriado.

Este diagnóstico apenas deve ser considerado quando a hipersonia é a queixa predominante e se é suficientemente severa para indicar uma atenção clínica independente; de outro modo, nenhum diagnóstico separado é necessário.

A Hipersonia Primária deve ser distinguida do Transtorno do Sono Devido a uma Condição Médica Geral, Tipo Hipersonia. O diagnóstico é de Transtorno do Sono Devido a uma Condição Médica Geral quando a hipersonia é considerada uma conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral específica (por ex., tumor cerebral).

Esta determinação fundamenta-se na história, achados laboratoriais ou exame físico. O Transtorno do Sono Induzido por Substância, Tipo Hipersonia, é diferenciado da Hipersonia Primária porque se supõe uma substância (droga de abuso, medicamento ou exposição a uma toxina) está etiologicamente relacionada à hipersonia.

Por exemplo, uma hipersonia que ocorre apenas no contexto da abstinência de cocaína seria diagnosticada como Transtorno do Sono Induzido por Cocaína, Tipo Hipersonia, Com Início Durante Abstinência.

Relacionamento com a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono

O diagnóstico de Hipersonia Primária é análogo ao diagnóstico de Hipersonia Idiopática na Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono (CIDS).

Além disso, a CIDS inclui uma categoria distinta para Hipersonia Recorrente, que é análoga à forma Recorrente de Hipersonia Primária.

Critérios Diagnósticos para F51.1 – 307.44 Hipersonia Primária

A. A queixa predominante é de sonolência excessiva por pelo menos 1 mês (ou menos, se recorrente), evidenciada por episódios de sono prolongados ou episódios de sono diurno que ocorrem quase que diariamente.
B.
A sonolência excessiva causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
C
. A sonolência excessiva não é melhor explicada por insônia e não ocorre exclusivamente durante o curso de outro Transtorno do Sono (por ex., Narcolepsia, Transtorno do Sono Relacionado à Respiração, Transtorno do Ritmo Circadiano do Sono ou uma Parassonia), nem pode ser explicada por uma quantidade inadequada de sono.
D.
O distúrbio não ocorre exclusivamente durante o curso de outro transtorno mental.
E.
O distúrbio não é devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento) ou de uma condição médica geral.

Especificar se:

Recorrente: se existem períodos de sonolência excessiva com duração mínima de 3 dias, ocorrendo várias vezes por ano, por pelo menos 2 anos.

Fonte: www.geocities.com

Hipersonia

Hipersonias recorrentes

Sindroma de Klein Levin

Os critérios de diagnóstico de Hipersonia Recorrente são:

O doente tem episódios recorrentes de sonolência excessiva que duram entre 2 dias a 4 semanas Os episódios repetem-se pelo menos uma vez por ano Entre os ataques o doente tem vigilidade, comportamento e funções cognitivas normais A hipersonia não é melhor explicada por uma doença médica, neurológica, psiquiátrica ou uso de medicação ou de substâncias

Sindrome de Klein Levin

É uma hipersonia recorrente, característica da adolescência, mais frequente nos rapazes, que ocorre por surtos separados por longos intervalos. Nos episódios o doente para além da hipersonia (dorme mais de 18 horas por dia) revela hiperfagia, hipersexualidade, agressividade ou comportamento estranho, podendo estar confuso e ter alucinações

Hipersonia catamenial

Surge em associação ao período menstrual, Inicia-se pouco depois da menarca e os episódios duram cerca de uma semana, desaparecendo espontaneamente com o fim da menstruação.

O uso de contraceptivos produz remissões prolongadas

Hipersonias idiopáticas

Há dois tipos: com e sem tempo de sono noturno prolongado.

A hipersónia idiopática com sono noturno prolongado:

Inicia-se antes dos 25 anos de idade Existe um episódio de sono noturno prolongado, durando mais de 10 horas, tipicamente 12h, com poucos despertares. As sestas são prolongadas de várias horas, às vezes mais de 4h e não refrescantes O acordar após o sono e as sestas é difícil havendo muitas vezes bebedeira do sono Não há associação a um tipo específico de HLA

Há fenômenos autonomicos associados: Raynaud, síncopes ou cefaleias, eventualmente migranosas

É uma doença rara, de prevalência desconhecida na população geral, mas que nos laboratórios de sono há 1 caso para cada 10 de Narcolepsia Há casos familiares A PSG exclui outras causas de sonolência excessiva e revela uma latência de sono curta e um episódio de sono superior a 10h O TLMS confirma sonolência com latência média inferior a 8 min, e menos de 2 SOREMs No tratamento usam-se estimulantes, anfetaminas, metilfenidato, pemolina e modafinil. A falta de eficácia e os efeitos acessórios da medicação são frequentemente referidos.

A hipersonia idiopática sem sono noturno prolongado é em tudo semelhante à anterior mas o sono noturno dura mais de 6 e menos de 10 horas. A hipersonia por sono insuficiente induzida comportamentalmente

Caracteriza-se por:

Existir uma redução crônica do tempo de sono, não intencional, resultante de causas comportamentais, com clara disparidade entre a necessidade de sono e as horas dormidas. Esta disparidade manifesta-se pelo aumento do tempo de sono nos fins de semana ou nas férias e pela sonolência diurna excessiva. Existem fenômenos associados tais como dificuldades de concentração, dificuldades de desempenho, irritabilidade, problemas e memória e propensão depressão e para acidentes. Para ser diagnosticado como sindrome deve ter uma duração igual ou superior a 3 meses e Pode fazer-se o diagnóstico pela anamnese, diários de sono e actigrafia A PSG mostra uma latência inferior a 10 minutos e uma eficiência superior a 90% O TLMS mostra uma redução da latência média, podendo existir ou não vários SOREMs

Hipersonia por causa médica

O diagnóstico implica a exclusão de narcolepsia com ou sem cataplexia, de hipersonia idiopática, de perturbações noturnas da respiração e de causas psiquiáticas, drogas ou medicação. É diagnosticada quando se pensa que a doença médica é a causa direta da sonolência excessiva.

São exemplos de causas os seguintes:

Traumatismo craniano, AVC, encefalite, tumores, doenças genéticas ou neurodegenerativas
Hipersonia por uso de drogas ou substâncias
Reserva-se este termo para os casos que resultam do uso ou da retirada de drogas ou substâncias, excluídas as narcolepsias, as hipersonias e as causas médicas.

Existem vários sub tipos:

Hipersonia secundária ao abuso de estimulantes Hipersonia secundária ao abuso de sedativos/hipnóticos Hipersonia secundária à cessação da prescrição de estimulantes Hipersonia secundária à prescrição de sedativos

Hipersónia não orgânica

É uma hipersonia ligada a doenças mentais ou psiquiátricas Nestes casos o sono é tido como não reparador e de fraca qualidade, existindo por isso excesso de sono noturno e sonolência diurna com sestas frequentes Os doentes estão centrados nos seus problemas de sono e tendem a desprezar os problemas psiquiátricos. As causas psiquiátricas mais frequentes são os distúrbios afetivos, os quadros de conversão ou somatoformes e mistos, raramente os quadros esquizoafetivos e os distúrbios de personalidade. Constitui 5 a 7% dos casos de hipersonia e as mulheres são mais afetadas, num grupo etário entre os 20 e os 50 anos.

Hipersonia orgânica

Deve ter uma duração superior a 3 meses, não se enquadrar nas outras causas de hipersonia, e ter alterações no TLMS com latência inferior a 8 min e menos de 2 SOREMs

Fonte: centrodosono.com

Hipersonia

Escala de Coma de Glasgow

A escala compreende três testes: respostas de abertura ocular, fala e capacidade motora. Cada resposta tem uma pontuação.

Os três valores separadamente, assim como sua soma, são considerados clinicamente. A ECG menor possível é de 3 pontos (morte cerebral) e a maior é de 15 pontos (estado de vigília). Nas pontuações 1 e 2 o paciente está sendo mantido por aparelhos, e já pode ser considerado óbito.

A Escala de Coma de Glasgow faz parte do exame utilizado em pronto atendimento, especialmente, em traumatologia, para avaliação rápida, tomadas de decisão e prognóstico.

Abertura dos Olhos

Nenhuma
Resposta à dor
Resposta à fala
Espontânea

Melhor resposta verbal

Nenhuma
Sons incompreensíveis
Palavras inadequadas
Confusa
Orientada

Melhor Resposta Motora

Nenhuma
Descerebração (extensão anormal dos membros)
Decorticação (flexão anormal dos membros superiores)
Retirada
Localiza o estímulo doloroso
Obedece a comandos verbais

Geralmente, os comas são classificados como:

Severo – com ECG = 8
Moderado
– com ECG de 9 a 12
Leve
– com ECG = 13

A escala tem aplicabilidade limitada em crianças, especialmente abaixo de 36 meses de idade, quando a habilidade verbal da criança ainda pode estar em desenvolvimento.

Conseqüentemente a Escala de Coma de Glasgow Pediátrica, é uma escala à parte, mas próxima da adulta, foi desenvolvida para avaliar crianças menores.

Comas e estados assemelhados

Tomando por base a conceituação de coma – estado de inconsciência mais ou menos prolongado, do qual o paciente pode ou não emergir – podemos constatar se o estado cIínico do paciente preenche os critérios convencionais do coma ou se se trata de estado fronteiriço ou assemelhado.

Existem algumas situalções patológicas que evoluem com perda da consciência por breves momentos (crises epilépticas isoladas, síncopes). Nestas situações o coma não fica configurado, porque a caracterização do coma exige uma perda da consciência por tempo mais ou menos prolongado.

Por outro lado, certos estados de depressão e/ou dissolução da consciência (hipersônia, confusão mental, quadros histéricos, estados catatônicos) exigem também um diagnóstico diferencial com os comas.

Deve ser ressaltado que alguns desses estados podem preceder, em determinadas oportunidades, a instalação do coma. Não será focalizado neste artigo o diagnóstico diferencial das formas etiológicas dos comas.

Hipersônia

A hipersônia traduz um desequilíbrio entre o ciclo vigília e sono e pode ser definida como um estado de sonolência incontrolável. A hipersônia pode ser episódica ou contínua, dependendo do fator determinante. Neste último caso é difícil acordar o paciente e mantê-lo desperto.

A hipersônia pode representar um estado que precede o coma por comprometimento funcional ou estrutural do sistema de vigília do indivíduo e, nesses casos, o seu estudo se confunde com o dos comas. Por outro lado, existem situações que levam o indivíduo à hipersônia (conflitos psicogênicos que determinam sonolência em uma forma de mecanismo de escape), mas nunca determinam coma. Também determinadas afecções (narcolepsia-cataplexia, hipersônia-bulimia) podem determinar quadros de sonolência inven­cível, geralmente do tipo paroxístico.

Vamos alinhavar adiante algumas afecções tendo a hipersônia como elemento fundamental do quadro clínico.

Narcolepsia-cataplexia

Esta síndrome caracteriza-se por crises recorrentes de sonolência que podem acompanhar-se de qua­dros de cataplexia e estados alucinatórios. A afecção costuma ter início na adolescência ou no início da idade adulta. O quadro clínico traduz-se por crises invencíveis de sono que podem aparecer várias vezes por dia, podendo cada crise durar de alguns minutos a algumas horas. A crise pode aparecer durante atividades habituais do indivíduo (durante a refeição, dirigin­do automóvel) ou por ocasião do repouso. O sono durante a crise é superficial, podendo o indivíduo ser despertado facilmente. A narcolepsia pode se acompanhar de hipotonia muscular generalizada, estado que se denomina cataplexia; o grau de cataplexia é variável, indo desde uma sensação de fraqueza nas pernas até queda ao solo com imobilidade absoluta (abolição do tono muscular e dos reflexos de postura). As causas desencadeantes da cataplexia costumam ser os estados emocionais (riso, medo, choro, espanto) ou um estí­mulo sensitivo súbito (acesso de tosse, espirro). As alucinações hipnagógicas (no adormecimento) e hipnopômpicas (no despertar), geralmente são visuais e auditivas e costumam ter a mesma expressão em um determinado doente. Nesta afecção o exame neurológico, nos períodos intercríticos, é absolutamente normal.

O eletrencefalograma de sono, associado com o registro dos movimentos oculares, evidencia o aparecimento precoce da fase REM (rapid eye movements) do sono, fenômeno não observável nos indivíduos normais.

A etiologia desta síndrome é desconhecida, entretanto em determinados casos é possível apurar-se certas patologias como: encefalites, traumatismos crânio-encefálicos, tumores do III ven­trículo ou do teto do mesencéfalo. Na fase catapléxica o diagnóstico diferencial deve ser feito com manifestações epilépticas, sendo elemento fundamental a permanência da consciência intacta na cata­plexia. A fisiopatologia da narcolepsia-cataplexia é desconhecida, supondo-se que o quadro dependa de alterações da formação reticu­lar ou do hipotálamo.

Hipersônia-bulimia

Este quadro, também conhecido por síndrome de Kleine-Levin, caracteriza-se por crises periódicas de hipersônia acompanhadas de bulimia, irritabilidade e distúrbios do comportamento.

Ocorre em indivíduos jovens, de 15 a 30 anos de idade, havendo nítido predomínio no sexo masculino. Embora nenhuma anormali­dade endócrina tenha sido detectada nesta síndrome, acredita-se que ela represente um distúrbio funcional intermitente do hipotá­lamo. No entanto, a etiologia permanece desconhecida.

Os episódios ocorrem duas a três vezes por ano e desaparecem, muitas vezes, sem razão aparente. Cada episódio costuma se iniciar com mudança do comportamento (o paciente geralmente torna-se apático e introvertido). Em uma fase subseqüente o indivíduo torna-se excessivamente sonolento durante o dia, com períodos de vigília (principalmente à noite) marcados por irritabilidade e fome voraz, circunstância que acarreta aumento de peso. Nos períodos de vigília, confusão mental e alucinações também podem ocorrer. Este com­portamento bizarro, desacompanhado de sinais físicos anormais, pode ser interpretado como estado histérico ou, simplesmente, simulação. A duração de um episódio pode variar de alguns dias e várias semanas, sendo a regressão gradual até a completa recu­peração.

O eletrencefalograma não proporciona subsídios de valor, pois na maioria dos casos o traçado é idêntico ao observado no sono fisiológico.

Síndrome de Pickwick

A obesidade extrema associada à sonolência, cianose, respiração de Cheyne-Stokes durante o sono, poliglobulia e insuficiência cardíaca, configura esta síndrome. A designação da síndrome tem origem na figura de Joe, retratada pelo novelista inglês Charles Dickens em “Aventuras de Pickwick”.

Efetivamente Dickens descreve Joe como um jovem gordo, enrubescido e permanentemente sonolento.

Este quadro tem recebido também outras designações na literatura clínica: síndrome cardiopulmonar do obeso, síndrome cardiorrespiratória reversível do obeso, síndrome de hipoventilação alveolar do obeso.

O elemento determinante da síndrome é a hipoventilação alveolar, na ausência de alterações estruturais dos alvéolos pulmona­res. Este evento determina hipercapnia (aumento da pC02) e hipoxe­mia (diminuição da p02); entretanto, a resposta ventilatória ao CO2 está nitidamente diminuída. Esses elementos, hipercapnia crônica e hipóxia, são responsáveis pela sonolência, poliglobulia, cianose e, ocasionalmente, por sinais e sintomas de hipertensão intracraniana (cefaléia, papiledema).

A patogenia desta síndrome é obscura. Uma hipótese puramente mecânica tem sido aventada, postulando que o acúmulo excessivo de gordura no segmento tóraco-abdominal prejudica a expansibili­dade pulmonar. Também a hipótese de uma lesão do sistema nervoso central tem sido considerada.

Encefalites

Certas formas de encefalite a vírus podem determinar hipersônia e, até mesmo, coma. Particularmente na ence­falite letárgica, a hipersônia pode ser o sintoma dominante. Nestes casos a hipersônia costuma ocorrer por períodos, que podem durar minutos, horas ou dias. Esta forma de sonolência invencível (letar­gia), da qual o paciente pode ser despertado mediante estimulações enérgicas, costuma permanecer durante toda a fase aguda da afecção ou, então, alternar com períodos de insônia rebelde.

Além dos distúrbios da vigília, outros distúrbios da esfera psíquica podem ocorrer nos pacientes com encefalites a vírus: quadros confusionais com de­sorientação têmporo-espacial, idéias delirantes e crises de agitação.

Do ponto de vista topográfico, estes tipos de encefalite mostram alterações fundamentalmente nas formações cinzentas localizadas nas vizinhanças do aqueduto de Sylvius e paredes do III ventrículo.

Confusão Mental

É possível que ocorra uma dissolução parcial da consciência por ocasião dos quadros de confusão mental ou de mutismo acinético.

A confusão mental, que às vezes pode preceder a instalação do coma, representa uma perturbação global das atividades da vigilância e da síntese perceptiva, evento que determina a integração e a me­morização de percepções nebulosas e mal organizadas. Este estado traduz comprometimento difuso de estruturas cerebrais (corticais e subcorticais).

O quadro clínico da confusão mental compreende:

a) desorien­tação têmporo-espacial
b)
distúrbios da memória do tipo anterógrado, que podem se acompanhar de fabulação e falsos reconheci­mentos
c)
estado de perplexidade acompanhado de ansiedade, pela incapacidade do doente de correlacionar os dados do meio­-ambiente com aqueles que emanam de sua consciência
d)
onirismo, caracterizado por uma irrealidade da experiência vivida com alucinações visuais. O indivíduo, preso de confusão mental, pode alternar períodos de agitação com fases de apatia.

As causas da confusão mental estão em continuidade com aque­las dos comas, não sendo excepcional a passagem de um estado a outro. Entre as principais causas da confusão mental devem ser alinhadas as toxi-infecciosas e os distúrbios metabólicos.

Assim cabe citar: alcoolismo (delirium tremens, encefalopatia de Wernicke); intoxicações medicamentosas (cortisona, antidepressivos, atropina), notadamente nos indivíduos idosos; intoxicação pelo CO; afecção infecciosa aguda (febre tifóide); distúrbios hidroeletrolíticos; após crises epilépticas.

Síncopes

No diagnóstico dos comas é preciso equacionar os estados sincopais. Síncope é uma perda rápida e transitória da consciência, provocada por distúrbio da circulação cerebral que usualmente ocorre na ausência de doença orgânica do cérebro.

Os quadros sincopais são freqüentes na vigência de hipotensões posturais, eventos que podem ocorrer: nos indivíduos convalescentes que após longa permanência no leito assumem a posição ortostática; nos soldados que permanecem longo tempo na posição de sentido; nos indivíduos idosos que levantam à noite para esvaziar a bexiga (síncope da micção); nos pacientes simpatectomizados; pela ação de drogas hipotensoras enérgicas; nos traumatismos raquimedulares altos; em determinadas doenças por falência dos barorreceptores (tabes dorsalis, porfiria aguda intermitente, diabetes mellitus).

Na hipotensão ortostática crônica, a hipotensão arterial postural ocorre por provável anormalidade do sistema nervoso vegetativo.

As síncopes por queda do débito cardíaco costumam ocorrer nas arritmias, bloqueios e taquicardias paroxísticas. A síndrome de Stokes-Adams é um modelo exemplar de síncope por diminuição do débito cardíaco. A hipóxia cerebral depende de uma queda do fluxo sangüíneo encefálico, apresentando estes doentes uma alte­ração da condução átrio-ventricular com pulso lento permanente. O quadro cIínico pode se exteriorizar apenas por tontura transitória, por síncope e, nos acessos mais prolongados, por crise convulsiva. Por ocasião do acesso sincopal há queda marcada da pressão arterial sistêmica e, às vezes, ausência de pulso e batimentos cardíacos; o óbito pode ocorrer por parada cardíaca.

Os indivíduos de meia-idade, obesos e tabagistas e com moderado grau de hipoventilação pulmonar, durante acessos prolongados de tosse podem apresentar quadro sincopal. É a chamada síncope da tosse e nestes casos as alterações na pressão intratorácica, provocadas pela tosse, interferem com o retorno do sangue venoso ao coração.

Certos indivíduos apresentam hipersensibilidade do seio caro­tídeo, de tal sorte que qualquer compressão ao nível do mesmo pode ocasionar acesso sincopal. O fenômeno é explicado pelo aumento de pressão no interior do seio carotídeo, fato que pode determinar queda da pressão sangüínea e diminuição da freqüência cardíaca (síncope do seio carotídeo).

A síncope vasodepressora é a forma mais comum de desmaio e pode ser determinada por medo, ansiedade, dor ou trauma. O quadro costuma ocorrer com o indivíduo em posição ereta, melhorando no decúbito. Parece que o fator responsável pela síncope é o desvio de sangue do cérebro para os músculos, em virtude de vasodilatação determinada pelo sistema colinérgico.

Pseudomutismo acinético

Este quadro, descrito com o nome de locked-in syndrome, tem recebido várias denominações (estado de encarceramento, pseudocoma, síndrome de bloqueio, síndrome do cativeiro, síndrome do homem fechado sobre si mesmo, síndrome pontina ventral). Geral­mente é determinado por um infarto na porção ventral da ponte com interrupção das vias corticonucleares e corticospinhais, evento que determina uma paralisia dos quatro membros (tetraplegia), da língua (anartria) e dos movimentos de lateralidade ocular (este último aspecto nem sempre está presente). Em virtude do Sistema Reticular Ativador Ascendente (SRAA) ficar poupado, a consciência perceptiva permanece intacta ou pouco alterada e a reatividade aos estímulos noiceptivos exagerada. No mutismo acinético, embora o paciente possa permanecer com os olhos abertos, tudo se passa como se o meio-ambiente houvesse perdido para ele todo o significado enquanto no locked-in syndrome a consciência geralmente está íntegra. Esta condição geralmente permite ao paciente uma comunicação com os circunstantes (através do piscamento, por exemplo), chegan­do alguns pacientes a adquirir uma capacidade muito elaborada para se relacionar com o seu examinador. Como os movimentos oculares verticais acham-se preservados, o paciente pode dirigir o olhar em direção a um estímulo sonoro inespecífico ou quando chamado pelo nome. Outro dado propedêutico que permite o diagnóstico diferencial entre as duas entidades é a reatividade à dor, presente no Iocked-in e geralmente ausente no mutismo acinético. O traçado eletrencefalográfico costuma mostrar no Iocked-in, duran­te a maior parte do tempo, um ritmo alfa ou teta reativo aos estí­mulos de alerta.

Embora esta síndrome seja geralmente determinada por infarto ventral da ponte, foi demonstrado que o infarto de 2/3 externos de ambos os pés pedunculares (por trombose da porção rostral da artéria basilar) pode também conduzir à mesma situação, com integridade da consciência.

Adalberto Tripicchio

Fonte: www.redepsi.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Terra Primitiva

Terra Primitiva

PUBLICIDADE O que é terra primitiva? A história da Terra diz respeito ao desenvolvimento do …

Respiração Branquial

Respiração Branquial

PUBLICIDADE O que é respiração branquial? As brânquias ou guelras são órgãos da respiração, são …

Mecanismos de Feedback

Mecanismos de Feedback

PUBLICIDADE O que são mecanismos de feedback? Um mecanismo de feedback é um processo que usa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+