Breaking News
Home / Biologia / Diatomáceas

Diatomáceas

PUBLICIDADE

As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) no oceano, embora muitos sejam habitantes de água doce.

Diatomáceas são algas que vivem em casas de vidro. Eles são o único organismo do planeta com paredes celulares compostas de sílica opalina transparente.

As paredes celulares das diatomáceas são ornamentadas por padrões intrincados e marcantes de sílica.

As diatomáceas são um tipo comum de fitoplâncton unicelular que provavelmente se originou por volta do período Jurássico.

As diatomáceas podem formar colônias caracterizadas por formas particulares (por exemplo, estrelas, leques e fitas) e são encapsuladas por uma parede celular única composta de sílica, denominada frustula.

As frústulas de várias espécies de diatomáceas são altamente diversas e bilateralmente simétricas, com um valor capaz de caber dentro do outro.

Em ecologia, as diatomáceas são usadas para monitorar a qualidade da água de grandes corpos d’água.

O termo átomo veio do grego antigo diá, que significa “através” e témnein, que significa “cortar”.

O que são diatomáceas?

Diatomáceas são algas unicelulares que formam paredes celulares distintas e bonitas a partir da sílica.

Eles estão amplamente distribuídos pelas camadas superiores dos oceanos do mundo, e também podem ser encontrados em água doce ou ambientes úmidos, como a parte inferior das plantas.

Existem mais de 16.000 espécies de diatomáceas reconhecidas, com muitas mais sendo constantemente identificadas.

Como as diatomáceas são abundantes, elas formam uma parte importante da cadeia alimentar pelágica, servindo como fonte de alimento para a maioria dos animais do oceano, direta ou indiretamente.

Como muitas outras espécies de algas, as diatomáceas fotossintetizam sua energia.

Elas também têm mobilidade muito limitada; algumas espécies de diatomáceas são capazes de um movimento lento de escoamento, mas outras dependem de correntes para carregá-las pelo oceano.

Quando morrem, as diatomáceas afundam no fundo do oceano, contribuindo para a camada de lama que forma o fundo do mar.

Em partes do mundo onde os oceanos não existem mais, essa lama forma uma camada fossilizada de terra diatomácea, uma substância usada na fabricação e como pesticida natural.

Todas as diatomáceas pertencem à classe Bacillariophyta, embora alguns biólogos contestem sua classificação precisa. Como regra geral, elas são considerados protistas. Elas têm uma estrutura interna simples e, em algum ponto de seu ciclo de vida, as diatomáceas secretam sílica para criar paredes celulares fortes. As paredes das células assumem a forma de duas metades idênticas que se entrelaçam, muito parecido com as metades de um molusco ou mexilhão. A sílica se forma em um padrão simétrico radial ou bilateralmente e costuma ser extremamente complexa e surpreendente de se olhar.

As diatomáceas se reproduzem assexuadamente, dividindo-se para criar mais diatomáceas.

Em muitos casos, uma diatomácea flutua sozinha no oceano.

Em outros, as diatomáceas formam enormes colônias de indivíduos, ligados entre si de várias maneiras.

Os organismos únicos às vezes são chamados de joias do mar por causa de suas paredes celulares distintas.

Muitos alunos iniciantes em biologia olham para as diatomáceas no microscópio para aprender sobre os detalhes incríveis que podem ser encontrados em organismos microscópicos.

Qualquer amostra de água do mar da superfície de um oceano saudável conterá uma infinidade de diatomáceas em uma variedade de formas para observar ao microscópio.

As diatomáceas são semelhantes aos dinoflagelados, outra grande classe de protistas que habitam o oceano.

Os dinoflagelados são mais capazes de se mover do que a maioria das diatomáceas, usando braços flagelados para se propelirem. Alguns dinoflagelados também formam relações simbióticas com outros organismos.

Ambos foram identificados e descritos pelos primeiros biólogos, e numerosos panfletos demonstrando os poderes do microscópio usavam desenhos desses minúsculos organismos como ilustrações.

Diatomácea – Algas

Diatomácea (classe Bacillariophyceae), qualquer membro da classe de algas Bacillariophyceae (divisão Chromophyta), com cerca de 16.000 espécies encontradas em sedimentos ou presas a substâncias sólidas em todas as águas da Terra.

As diatomáceas estão entre os organismos marinhos microscópicos mais importantes e prolíficos e servem direta ou indiretamente como alimento para muitos animais.

terra de diatomáceas, uma substância composta de diatomáceas fósseis, é usada em filtros, isolamentos, abrasivos, tintas e vernizes e como base em dinamite.

As diatomáceas podem ser unicelulares ou coloniais. A parede celular silicificada forma uma concha semelhante a uma caixa de comprimidos (frustula) composta de metades sobrepostas (epiteca e hipoteca) perfuradas por padrões intrincados e delicados. O alimento é armazenado como gotículas de óleo, e o pigmento marrom-dourado fucoxantina mascara os pigmentos clorofila e carotenóide que também estão presentes.

As diatomáceas são comumente divididas em duas ordens com base na simetria e na forma: as centrais arredondadas e não móveis têm marcações radiais; as Pennales alongadas, que se movem com um movimento deslizante, têm marcações pinadas (como penas).

Durante a reprodução, geralmente por divisão celular, as metades da concha sobrepostas se separam e cada uma secreta uma metade inferior (geralmente) menor.

Assim, as diatomáceas individuais formadas a partir de metades inferiores sucessivas mostram uma diminuição progressiva de tamanho a cada divisão. Em alguns meses, pode haver uma redução de até 60% no tamanho médio. A formação periódica de esporos serve para restaurar a linha de diatomáceas ao seu tamanho original.

O que são diatomáceas e por que são importantes?

Uma diatomácea é um organismo fotossintético unicelular, o que significa que elas fabricam seus próprios alimentos da mesma forma que as plantas.

Elas são um grupo importante de algas e formam uma das formas mais comuns de fitoplâncton e se juntam à miríade de organismos que flutuam nas correntes nas camadas superiores do oceano e lagos.

Diatomáceas vivem em qualquer lugar. Eles são encontrados em rios, oceanos, lagos, pântanos, superfícies rochosas úmidas, até mesmo na superfície da pele de uma baleia – em qualquer lugar onde haja água.

As diatomáceas são importantes porque:

Fornecer a base da cadeia alimentar para microrganismos marinhos e de água doce e larvas animais
São uma importante fonte de oxigênio atmosférico responsável por 20-30% de toda a fixação de carbono no planeta
Podem atuar como indicadores ambientais das mudanças climáticas
Formam a base de alguns bens domésticos, como prevenção de pragas/ácaros e abrasivo leve

As diatomáceas têm requisitos ecológicos precisos, então também podem ser processadas como indicadores ambientais, nos informando o que está acontecendo no meio ambiente.

As paredes celulares das diatomáceas podem ser preservadas por longos períodos em sedimentos e fornecer um registro das mudanças anteriores nos sistemas de lagos.

Principais características

As diatomáceas são o organismo mais comum no plâncton e apresentam uma incrível variedade de formas e tamanhos.

As diatomáceas têm paredes celulares feitas de sílica. Cada espécie tem um padrão distinto de minúsculos orifícios na parede celular (frustula), através dos quais absorvem nutrientes e se livram dos resíduos.

Vistas ao microscópio, as diatomáceas mostram uma grande variedade de formas com muitos padrões interessantes e bonitos.

Suas formas e estruturas são geralmente bastante regulares e simétricas, e esses recursos são usados para identificá-los e classificá-los.

O fitoplâncton é o menor de todos os plâncteres, variando de cerca de 1 mm a 7,5 micrômetros, tornando-os quase invisíveis a olho nu.

Todas as diatomáceas têm um exoesqueleto silicioso (vítreo) de duas metades que se encaixam perfeitamente uma dentro da outra.

Plâncton significa errância em grego e muitas diatomáceas permanecem como células isoladas e passam a vida inteira à deriva, enquanto outras formam cadeias/aglomerados.

Os copépodes (pequenos crustáceos) comem o fitoplâncton.

As amostras de plâncton costumavam ser armazenadas em formalina, o que as fazia parecer cinzentas e sem vida – um grande contraste com suas verdadeiras cores quando frescas.

Diatomáceas – Reprodução

As diatomáceas se reproduzem principalmente assexuadamente por meio de fissão binária.

Cada célula-filha recebe uma das frústulas da célula-mãe, que forma a frustula maior e fornece a base para a construção da segunda, ligeiramente menor.

Visto que as duas frústulas não são do mesmo tamanho, a cada replicação, uma célula filha será ligeiramente menor que a outra. Assim, após várias rodadas de reprodução.

A população de diatomáceas será menor que a original. Assim, para evitar uma redução de tamanho ou restabelecer o tamanho original da população de diatomáceas, a reprodução sexuada deve ocorrer.

Como as células vegetativas das diatomáceas são diplóides, os gametas haploides podem ser produzidos por meiose.

A fusão dos gametas masculino e feminino forma um zigoto, que desenvolve uma membrana, denominada auxosporo.

Dentro do auxosporo, uma nova diatomácea se forma, que irá então produzir novas diatomáceas filhas.

Quando as condições ambientais mudam e os recursos tornam-se limitados, as diatomáceas também podem produzir esporos em repouso, que germinam assim que as condições se tornam favoráveis.

Embora as diatomáceas em si não sejam móveis, os gametas masculinos de algumas espécies de diatomáceas são móveis devido à presença de flagelos.

Os gametas femininos de todas as espécies são células grandes e imóveis.

Diatomáceas

Diatomáceas

Diatomáceas

Diatomáceas

Diatomáceas

Fonte: diatoms.org/diatoms.myspecies.info/biologydictionary.net/www.biologyonline.com/www.wisegeek.prg/www.collinsdictionary.com/Encyclopaedia Britannica/www.ias.ac.in/www.ucl.ac.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE Definição Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de …

Cromossomos homólogos

PUBLICIDADE Definição Os Cromossomos homólogos são dois cromossomos, um de origem paterna e outro de origem materna, …