Breaking News
Home / Biologia / Anuros

Anuros

PUBLICIDADE

O que são anuros?

Anuros qualquer um de uma ordem (Anura) de anfíbios compreendendo sapos, rãs e pererecas, todos os quais não têm cauda na fase adulta e têm membros posteriores longos, muitas vezes adequados para pular e nadar

Os anfíbios foram os primeiros animais a conquistarem o meio terrestre, devido às mudanças climáticas.Em busca de melhores condições de sobrevivência, surgem estes indivíduos com menor dependência da água.

Os anfíbios dividem-se em três ordens: os caudatos ou urodelos (salamandras), os gimnofiónios ou ápodos (cecílias ou cobras-cegas) e os anuros.De forma geral vivem em estreita relação com a água, habitando regiões tropicais e temperadas, porém muitos se adaptaram a ambientes frios ou secos.

Os anuros são triblásticos, celomados e deuterostômicos.Heterotérmicos não possuem mecanismo interno que regula a temperatura corporal, oscilando esta com a do meio, ou seja, são animais de sangue frio.

Locomoção

São adaptados para saltar, possuem pernas articuladas e diferenciadas, coluna vertebral rígida e curta eum esqueleto adaptado.

A pele dos anuros

A pele é de fundamental importância, pois atua como respiração, defesa de predadores e microrganismos. É bem glandular, apresentando dois tipos básicos de glândulas, as mucosas e as granulosas.

As mucosas secretam o muco, o que torna a pele úmida e lubrificada, favorecendo as trocas gasosas, assim, uma boa parte da respiração deles é cutânea. As glândulas granulosas, ou glândulas de veneno são responsáveis pela defesa, secretando substâncias tóxicas, já que a pele é um constante meio de cultura de bactérias e fungos, eles as utilizam para eliminar ou conter a flora cutânea indesejada.

Osmorregulação

Muitos necessitam viver perto da umidade, já que a pele é fina e pobremente queratinizada, muito sujeita à perda de água, que ocorre por evaporação.

A mancha pélvica que se localiza na pele atua na absorção de água e sais.

Excretam amônia quando girinos e na fase adulta eliminam ureia.

Anuros

Diferenciação entre sapos, rãs e pererecas

Sapos: necessitam menos de água do que as rãs e pererecas, pois possuem a pele mais rugosa, preferem viver em terra firme e só procuram a água quando vão se reproduzir.
Rãs:
 tem a pele lisa e brilhante, pernas longas, sendo que as patas traseiras podem ser dotadas de membranas que auxiliam na hora de nadar.
Pererecas:
 costumam viver em árvores, têm olhos grandes, pernas finas e longas e possuem ventosas nas pontas dos dedos.

Reprodução e metamorfose

Os machos possuem sacos vocais, utilizados no período de reprodução para atrair a fêmea. A fecundação é externa, as fêmeas liberam os ovos e o macho os espermatozoides. O desenvolvimento é indireto, já que possuem fase larval. Dos ovos postos na água, nascem pequenas larvas, os girinos, que possuem brânquias e cauda, mas não têm pernas, com o crescimento e consequente desenvolvimento do girino, as brânquias desaparecem, surgem os pulmões, pernas posteriores e a cauda encolhe, as patas anteriores são formadas, então finalmente desaparece a cauda. Este processo de metamorfose dura aproximadamente 11 semanas.Estas mudanças preparam um organismo aquático para uma existência terrestre.

Anuros – Importância

São extremamente importantes na cadeia ecológica, mantendo o equilíbrio do meio ambiente. Alimentam-se de pequenos invertebrados, atuando no controle de insetos.

As substâncias presentes na pele destes animais são utilizadas em fármacos.

Anfíbios Membros

Anura (anuros), também chamada de Salientia, uma das principais ordens existentes da classe Amphibia (Anfíbios).

Inclui as rãs e sapos, que, devido à sua ampla distribuição, são conhecidos pela maioria das pessoas em todo o mundo.

O nome sapo é comumente aplicado às formas com pernas longas e peles macias e cobertas de muco, sendo o sapo usado para uma variedade de anuros robustos de pernas curtas, especialmente aqueles com pele áspera. O nome sapo é aplicado de forma tão desigual que um membro da família pode ser chamado de sapo e um membro intimamente relacionado, sapo.

Os membros familiares da família Bufonidae podem ser distinguidos como “sapos verdadeiros”.

Existem cerca de 5.400 espécies de anuros vivos.

Os sapos são usados como ferramentas de ensino desde a escola primária até a faculdade. Uma das primeiras aulas de biologia que muitas crianças recebem é através da criação das larvas, conhecidas como girinos ou pollywogs, nas aulas de ciências. Os alunos se familiarizam com a anatomia e embriologia das rãs nos cursos de biologia. Pessoas em várias partes do mundo comem pernas de rã, e alguns tipos de sapos são usados no controle de insetos. Certos índios sul-americanos usam as secreções venenosas de alguns tipos de sapos como flechas e dardos envenenados e agora os bioquímicos estão estudando os possíveis usos médicos dos constituintes do veneno.

O biólogo interessado na evolução encontra uma vasta gama de problemas interessantes e muitas vezes desconcertantes no estudo das rãs, como o declínio relativamente súbito de muitas espécies de rãs desde o final do século 20.

Características gerais

Faixa de tamanho e diversidade de estrutura

Embora todas as rãs sejam facilmente reconhecíveis, há uma grande variedade de tamanhos e modificações estruturais. Muitos sapos são animais minúsculos; talvez o menor seja o Psyllophryne didactyla brasileiro, cujos adultos medem 9,8 mm ou menos no comprimento do corpo (com as pernas retraídas), enquanto a rã Goliath da África Ocidental, Conraua goliath, tem um comprimento corporal de quase 300 mm.

Muitos anuros têm pele lisa e úmida. Sapos do gênero Bufo são conhecidos como anfíbios “verrucosos”, sendo a pele altamente glandular e coberta por tubérculos (pequenos nódulos redondos).

As rãs de muitas outras famílias têm pele áspera e tuberculosa, geralmente uma adaptação para a vida em ambientes menos úmidos. O extremo oposto é encontrado nas pequenas rãs arbóreas (que vivem em árvores) da família tropical americana Centrolenidae, nas quais a pele na parte inferior é fina e transparente e o coração e as vísceras podem ser vistos através da pele. Na maioria das espécies, as trocas gasosas cutâneas (isto é, respirar pela pele) complementam o oxigênio absorvido pelos pulmões; entretanto, a Barbourula kalimantanensis sem lua de Bornéu obtém todo o oxigênio através de sua pele.

A maioria dos sapos se move saltando. Os longos e poderosos membros posteriores são endireitados rapidamente a partir da posição agachada, impulsionando o sapo no ar. Muitas rãs arbóreas – especialmente membros das famílias Hylidae, Rhacophoridae, Centrolenidae e outras – têm discos adesivos nas pontas dos dedos das mãos e dos pés e saltam de galho em galho ou de folha em folha.

As famílias Bufonidae, Rhinophrynidae e Microhylidae e certas espécies escavadoras em outras famílias têm membros posteriores relativamente curtos e avançam por séries de saltos curtos. Alguns bufonídeos realmente andam em vez de pular. Membros altamente modificados da subfamília hylidae Phyllomedusinae têm dedos opostos nas mãos e nos pés e caminham lentamente ao longo dos galhos, agarrando-os deliberadamente como pequenos lêmures. Muitos tipos de sapos têm membranas entre os dedos das mãos e dos pés; nas espécies aquáticas, a teia dos pés auxilia na natação.

O extremo dessa especialização é visto na família aquática Pipidae. Os membros dessa família normalmente nunca saem da água. Em regiões da Terra sujeitas a longos períodos de seca, as rãs devem procurar cobertura para evitar a dessecação; eles têm adaptações comportamentais e estruturais para conservar a água.

Embora muitas rãs tenham cores inexpressivas, algumas espécies são marcadas de forma brilhante. As cores mais comuns são marrom, cinza, verde e amarelo. Sapos de cores uniformes são a exceção e não a regra.

As marcas de um sapo podem parecer ousadas quando observadas fora do habitat natural, mas geralmente são ocultas ou visualmente perturbadoras quando o sapo está em seu ambiente.

Anuros – Anfíbios

Filo: Chordata
Classe:
 Amphibilia
Ordem:
 Anura

Os anuros representam, de longe, a mais especiosa, diversa e difundida das três ordens de anfíbios existentes. Eles são encontrados em quase todo o mundo, exceto nas regiões polares e em algumas ilhas oceânicas e desertos extremamente xéricos. A diversidade dos anuros é maior nos trópicos. Vinte e cinco famílias são reconhecidas atualmente, representando mais de 4.000 espécies, com mais sendo descobertas regularmente. Este clado também é conhecido como Batrachia e é colocado na superordem Salientia.

Não há distinção científica entre “sapos” e “rãs”, embora a maioria dos anuros seja geralmente referida como um ou outro. Os anuros têm várias sinapomorfias que os distinguem de outros anfíbios.

O nome, Anura, que significa “sem cauda”, identifica um destes: com uma exceção (Ascaphus), as rãs adultas não têm cauda. Os anuros também têm nove ou menos vértebras pré-sacrais (geralmente oito), e as três ou quatro posteriores ao sacro são fundidas em uma haste chamada urostyle. Tanto o rádio quanto a ulna (ossos do antebraço) e a tíbia e a fíbula (ossos da perna) estão fundidos um com o outro. Além disso, o astrágalo e o calcâneo, os ossos do tornozelo, são muito alongados, fornecendo um nível adicional nas pernas das rãs, que elas utilizam para pular. A locomoção saltatória pela qual muitos reconhecem as rãs é auxiliada, e talvez até permitida, por essas muitas adaptações morfológicas. Vários ossos do crânio faltam nas rãs, embora suas cabeças permaneçam altamente ossificadas. O dentário geralmente não tem dentes, mas a maxila e a pré-maxila geralmente têm dentes. A língua é geralmente grande e livre posteriormente. Os machos da maioria das espécies possuem sacos vocais.

O estágio de girino de muitas histórias de vida de anuros também é exclusivo para sapos, com várias especializações, como brânquias internas e ausência de dentes verdadeiros.

A maioria dos anuros tem fertilização externa e adota uma postura de acasalamento chamada amplexo para garantir o contato entre os óvulos e os espermatozoides.

Existem exceções até mesmo a essa regra de reprodução dos anuros, o que aponta para a extrema diversidade de modos reprodutivos encontrados nesses animais.

O modo primitivo envolve um grande número de ovos aquáticos e larvas alimentares, mas os modos alternativos incluem, mas não se limitam a, ovos terrestres com larvas aquáticas, desenvolvimento direto (em que não há estágio de girino), viviparidade e larvas aquáticas não alimentares. Aproximadamente 10% dos anuros apresentam alguma forma de cuidado parental. Além disso, muitas espécies são altamente territoriais, defendendo ninhos, locais de oviposição ou outros recursos. Muitas espécies temperadas se reproduzem “explosivamente”, reunindo-se em grande número ao redor da água por apenas uma ou duas noites a cada ano, período durante o qual ocorre todo o acasalamento. Algumas espécies tropicais se reproduzem o ano todo.

Os anuros são encontrados desde florestas tropicais até picos secos de montanhas, de desertos a pântanos. Os adultos podem ser arbóreos, terrestres, aquáticos ou fossoriais.

Ao contrário dos cecilianos e das salamandras, nenhum anuro é totalmente pedomórfico. A maioria dos anuros é noturna. No inverno, muitos anuros temperados entram em estado de torpor para evitar o congelamento; em regiões áridas, as rãs podem se enterrar no subsolo ou minimizar a respiração cutânea (e, portanto, a perda de água) que geralmente as identifica.

Apesar da extensa pesquisa sobre a história evolutiva dos anfíbios, as relações filogenéticas entre as três ordens de anfíbios existentes permanecem problemáticas. De três histórias possíveis, a única que não foi seriamente considerada é uma relação de irmã Anura – Gymnophiona (cecília), com Caudata (salamandra) irmã desse grupo. Um clado salamandra-cecília (com a irmã Anura) é sustentado por caracteres anatômicos suaves e sequências de DNA ribossomal. Caracteres osteológicos suportam um clado salamandra-sapo, assim como uma combinação de evidências morfológicas e moleculares.

Não há dúvida de que Anura e Salientia são monofiléticos. Cada grupo é apoiado por várias sinapomorfias. Dentro de Anura, entretanto, e especialmente entre os neobatrachians (“sapos superiores”), muito poucos relacionamentos históricos são resolvidos. As filogenias de anuros permanecem altamente controversas.

Os anuros fósseis são conhecidos desde o Jurássico na Europa, América do Norte e América do Sul, estendendo-se até o Pleistoceno. Dada a extensa radiação de muitos clados de anuros, o registro fóssil é um tanto pobre, com várias famílias sem qualquer representante fóssil. Vários gêneros fósseis não foram atribuídos a famílias reconhecidas.

Fonte: Camila Correia/www.bioatividade.hpg.ig.com.br/www.biologia-ar.hpg.ig.com.br/www.britannica.com/animaldiversity.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.