Breaking News
Home / Biologia / Classificação das Bactérias

Classificação das Bactérias

PUBLICIDADE

Classificação das Bactérias – O que é

As bactérias são seres vivos microscópicos que apresentam, entre suas características, a ausência de envoltório nuclear, portanto, são chamadas de procariontes.

Elas são seres unicelulares, ou seja, formados por uma única célula ecomparadas aos outros seres vivos, são organismos bastante simples, pertencendo ao Reino Monera.

As bactérias são classificadas e identificadas para distinguir entre as cepas e agrupá-las por critérios de interesse para microbiologistas e outros cientistas.

As bactérias podem ser classificadas de acordo com suas características, tais como tamanho (variam de 0,3 por 0,8 µm até 10 por 25 µm), morfologia (a forma em que elas se apresentam) e arranjo (como elas estão dispostas).

Entre as morfologias apresentadas, estão: esférica (coco), cilíndrica (bacilos), cocobacilos, espiralada,espiroqueta e vibrião.

As bactérias esféricas, também chamadas de cocos, tem formato “arredondados” e podem, inclusive, ser classificadas por conta do seu arranjo.

Por exemplo: quando há dois cocos, elas recebem o nome de diplococos; quanto há quatro cocos, recebem o nome de tétrades; quando são oito cocos, em forma de cubo, recebem o nome de sarcina; já quando os cocos se agrupam em cadeias, o nome é estreptococos; já quando os cocos se arranjam em formato semelhantes a um cacho de uva, o nome é estafilococos.

Classificação das Bactérias
Classificação das Bactérias

Os bacilos, por sua vez, têm formato similar a um bastão. Eles tanto podem ter formato mais longo ou delgado, como também podem ser pequenos ou grossos, com as extremidades retas ou arredondadas.

Os bacilos também podem ser classificados conforme seu arranjo. No caso de haver dois bacilos, o nome é diplobacilos. Se houver vários bacilos organizados em cadeias, o nome é estreptobacilos.

As bactérias espiraladas, por sua vez, apresentam célula em formato espiral, ocorrendo na maior parte das vezes de forma isolada. Quando têm corpos rígidos e flagelos (estruturas locomotoras), recebem o nome de espirilos. Quando são mais flexíveis e têm locomoção por meio de contrações do citoplasma, recebem o nome de espiroquetas. O vibrião, por sua vez, apresenta formato de espirilos muito curtos, assumindo formatos de “vírgula”.

Classificação de bactérias e arquéias: passado, presente e futuro

O final do século 19 foi o início da taxonomia bacteriana e as bactérias foram classificadas com base em marcadores fenotípicos.

A distinção entre procariontes e eucariotos foi introduzida na década de 1960.

A taxonomia numérica melhorou a identificação fenotípica, mas forneceu poucas informações sobre as relações filogenéticas dos procariotos. Posteriormente, métodos quimiotaxonômicos e genotípicos foram amplamente utilizados para uma classificação mais satisfatória. Archaea foi classificado pela primeira vez como um grupo separado de procariotos em 1977.

classificação atual de Bacteria e Archaea é baseada em um modelo operacional, a chamada abordagem polifásica, composta de dados fenotípicos, quimiotaxonômicos e genotípicos, bem como informações filogenéticas.

O status provisório Candidatus foi estabelecido para descrever células procarióticas não cultivadas para as quais sua relação filogenética foi determinada e sua autenticidade revelada por sondagem in situ (no lugar).

O objetivo final é alcançar um sistema de classificação baseado em teoria baseado em um conceito filogenético/evolutivo.

No entanto, existem atualmente duas opiniões contraditórias sobre a classificação futura de Bacteria e Archaea. Um grupo de biólogos principalmente moleculares postula que o efeito ainda pouco claro do fluxo gênico, em particular a transferência gênica lateral, torna a linha de descendência difícil, senão impossível, de descrever. No entanto, mesmo em face da fluidez genômica, parece que as características genotípicas e fenotípicas típicas de um táxon ainda são mantidas e são suficientes para a classificação e identificação confiáveis de Bactérias e Arquéias.

Existem muitos agrupamentos genotípicos bem definidos que são congruentes com as espécies conhecidas delineadas por abordagens polifásicas. A análise de sequência comparativa de certos genes centrais, incluindo genes de rRNA, pode ser útil para a caracterização de táxons superiores, enquanto vários genes de caráter podem ser adequados como marcadores filogenéticos para o delineamento de táxons inferiores.

No entanto, ainda pode haver alguns organismos que escapam de uma classificação confiável.

Classificação das Bactérias – Organismos

As bactérias são classificadas e identificadas para distinguir um organismo de outro e para agrupar organismos semelhantes por critérios de interesse para microbiologistas ou outros cientistas.

classificação das bactérias tem uma variedade de funções diferentes.

Devido a essa variedade, as bactérias podem ser agrupadas usando muitos esquemas de tipagem diferentes.

Os fundamentos para a classificação comumente usada podem ser:

Características Morfológicas

As Bactérias apresentam diferentes formas, algumas vivem isoladas e outras, em colônias

Tanto as suspensões de células bacterianas montadas a úmido quanto as devidamente coradas podem render uma grande quantidade de informações.

Esses testes simples podem indicar a reação de Gram do organismo; se é ácido-resistente; sua motilidade; o arranjo de seus flagelos; a presença de esporos, cápsulas e corpos de inclusão; e, claro, sua forma.

Essas informações muitas vezes podem permitir a identificação de um organismo até o nível de gênero, ou podem minimizar a possibilidade de que ele pertença a um ou outro grupo.

Características de crescimento

Uma característica distintiva primária é se um organismo cresce aerobicamente, anaerobicamente, facultativamente (isto é, na presença ou ausência de oxigênio) ou microaerobicamente (isto é, na presença de uma pressão parcial de oxigênio menor que a atmosférica). As condições atmosféricas adequadas são essenciais para isolar e identificar bactérias.

Outras avaliações importantes de crescimento incluem a temperatura de incubação, pH, nutrientes necessários e resistência a antibióticos. Por exemplo, um agente de doença diarreica, Campylobacter jejuni, cresce bem a 42 °C na presença de vários antibióticos; outra, Y. enterocolitica, cresce melhor do que a maioria das outras bactérias a 4 °C. Legionella, Haemophilus e alguns outros patógenos requerem fatores de crescimento específicos, enquanto E. coli e a maioria das outras Enterobacteriaceae podem crescer em meio mínimo.

Suscetibilidade a antígenos e Bacteriófago

Antígenos de parede celular (O), flagelares (H) e capsulares (K) são usados para auxiliar na classificação de certos organismos no nível de espécie, para sorotipar cepas de espécies medicamente importantes para fins epidemiológicos ou para identificar serótipos de importância para a saúde pública.

A sorotipagem às vezes também é usada para distinguir cepas de virulência excepcional ou importância para a saúde pública, por exemplo, com V. cholerae (O1 é a cepa pandêmica) e E. coli (serótipos enterotoxigênicos, enteroinvasivos, enterohemorrágicos e enteropatogênicos).

A tipagem de fago (determinando o padrão de suscetibilidade de um isolado a um conjunto de bacteriófagos específicos) tem sido usada principalmente como um auxílio na vigilância epidemiológica de doenças causadas por Staphylococcus aureus, micobactérias, P. aeruginosa, V. cholerae e S. Typhi.

A suscetibilidade a bacteriocinas também tem sido usada como marcador de cepa epidemiológica. Na maioria dos casos recentemente, a tipagem de fago e bacteriocina foi suplantada por métodos moleculares.

Características Bioquímicas

A maioria das bactérias é identificada e classificada amplamente com base em suas reações em uma série de testes bioquímicos.

Alguns testes são usados rotineiramente para muitos grupos de bactérias (oxidase, redução de nitrato, enzimas que degradam aminoácidos, fermentação ou utilização de carboidratos); outros são restritos a uma única família, gênero ou espécie (teste de coagulase para estafilococos, teste de pirrolidonil arilamidase para cocos Gram-positivos).

Fonte: Juliano Schiavo/pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/www.ncbi.nlm.nih.gov/microbenotes.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.