Breaking News
Home / Biologia / Flavoproteína

Flavoproteína

PUBLICIDADE

Definição

flavoproteína faz parte dos complexos enzimáticos que participam do catabolismo da glicina, glutamato, valina, leucina e isoleucina.

As flavoproteínas são proteínas amarelas que atuam como enzimas críticas para a capacidade das células do corpo de respirar, respirar ou usar oxigênio. (O “flavo-” é emprestado do latim “flavus”, amarelo).

As flavoproteínas são abundantes na natureza; eles participam do catabolismo das principais classes de compostos orgânicos nas células de animais, plantas e microrganismos.

Qualquer um de um grupo de enzimas contendo flavina ligada a proteínas e atuando como catalisadores de desidrogenação em reações biológicas.

Em outras palavras, as flavoproteínas são enzimas respiratórias. Como enzimas, elas catalisam (aceleram) o que é tecnicamente denominado reações de oxidação-redução.

A primeira enzima amarela foi descoberta pelo bioquímico alemão Otto Heinrich Warburg (1883-1970), um pioneiro na pesquisa sobre a respiração das células, que ganhou o Prêmio Nobel de fisiologia ou medicina em 1931 “por sua descoberta da natureza e do modo de ação da enzima respiratória.”

Flavoproteína

O que é uma flavoproteína?

Uma flavoproteína é uma das muitas proteínas presentes na estrutura celular humana e animal. Eles contêm um ácido nucléico específico chamado riboflavina e são necessários para uma série de funções celulares, como livrar as células de resíduos. Quando examinada ao microscópio, uma flavoproteína é geralmente amarela, que é de onde vem o prefixo da palavra – flavus se traduz como “amarelo” em latim.

A outra parte do termo, proteína, refere-se à capacidade da flavoproteína de realizar funções biológicas específicas e necessárias.

Além de livrar as células dos resíduos, uma flavoproteína também permite que os nutrientes entrem na célula através de sua parede.

Esse processo de mover itens úteis para a célula e os resíduos para fora é chamado de respiração.

É um processo contínuo, muito semelhante à respiração, durante o qual o oxigênio necessário entra nos pulmões, é processado e sai dos pulmões como dióxido de carbono.

No caso da função celular, uma flavoproteína permite que os nutrientes entrem na célula, ajuda a célula a processá-los e empurra os resíduos de volta para a parede celular.

Os cientistas classificam as flavoproteínas como uma enzima, ou um catalisador, para as funções celulares.

As enzimas são estruturas moleculares muito estáveis que se unem facilmente e ajudam a realizar as reações químicas necessárias.

Eles são chamados de catalisadores porque estimulam essas reações rapidamente e podem desempenhar a mesma função muitas vezes sem quebrar.

Os catalisadores estimulam o início de uma reação, semelhante a uma pequena partida iniciando uma fogueira maior. O fósforo está envolvido apenas na primeira faísca do fogo, que geralmente não precisa de mais estímulos para se espalhar.

O ácido nucleico que permite a função de uma flavoproteína é a riboflavina, um nutriente formado quando o corpo absorve a vitamina B12.

A riboflavina restaura os nutrientes da flavoproteína, tornando a vitamina B12 essencial para o funcionamento das células saudáveis.

Sem a vitamina B12, a respiração celular pode quebrar, deixando resíduos para serem coletados dentro das células.

Em casos extremos, isso pode matar um organismo. A maioria dos casos de deficiência de B12 são menores, entretanto, e podem causar sintomas como fadiga e uma sensação geral de peso.

Aqueles que estão preocupados em obter B12 suficiente em suas dietas devem consumir uma quantidade saudável de laticínios e cogumelos, bem como todos os tipos de feijão, couve e espinafre.

Cerca de uma porção por dia de qualquer um desses alimentos deve manter as flavoproteínas saudáveis e funcionando.

Pessoas com dificuldade em consumir B12 suficiente, como pessoas com intolerância à lactose, podem querer tomar suplementos vitamínicos.

Geralmente, é possível encontrar suplementos de B12 na maioria dos supermercados ou lojas de descontos, tanto vendidos individualmente quanto como parte de misturas multivitamínicas. Os interessados em tomar suplementos devem sempre consultar seus médicos para obter informações sobre as doses adequadas.

Flavoproteína – Flavina

As flavoproteínas são proteínas que contêm um derivado de ácido nucleico da riboflavina: o dinucleotídeo flavina adenina ou mononucleotídeo flavina.

As flavoproteínas estão envolvidas em uma ampla variedade de processos biológicos, incluindo, mas de forma alguma se limitando a, bioluminescência, remoção de radicais que contribuem para o estresse oxidativo, fotossíntese, reparo de DNA e apoptose.

As propriedades espectroscópicas do cofator de flavina o tornam um repórter natural para as mudanças que ocorrem dentro do sítio ativo; isso torna as flavoproteínas uma das famílias de enzimas mais estudadas.

Descoberta

As flavoproteínas foram mencionadas pela primeira vez em 1879, quando se isolaram como um pigmento amarelo brilhante do leite de vaca.

Eles foram inicialmente chamados de lactocromo.

No início da década de 1930, esse mesmo pigmento foi isolado de uma variedade de fontes e reconhecido como um componente do complexo de vitamina B.

Sua estrutura foi determinada, foi relatada em 1935 e recebeu o nome de riboflavina, derivada da cadeia lateral do ribitila e cor amarela do sistema de anéis conjugados.

A primeira evidência para a necessidade de flavina como co-fator enzimático surgiu em 1935.

Hugo Theorell e colaboradores mostraram que uma proteína de levedura de cor amarela brilhante, identificada anteriormente como essencial para a respiração celular, poderia ser separada em apoproteína e um pigmento amarelo brilhante.

Nem a apoproteína nem o pigmento por si só poderiam catalisar a oxidação do NADH, mas a mistura dos dois restaurou a atividade da enzima.

No entanto, a substituição do pigmento isolado pela riboflavina não restaurou a atividade enzimática, apesar de serem indistinguíveis sob espectroscopia.

Isso levou à descoberta de que a proteína estudada exigia não a riboflavina, mas o mononucleotídeo de flavina para ser cataliticamente ativa.

Fonte: pfam.xfam.org/www.sciencedirect.com/www.uniprot.org/www.medicinenet.com/www.wisegeek.org/encyclopedia2.thefreedictionary.com/www.drugbank.ca

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE Definição Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de …

Diatomáceas

PUBLICIDADE As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) …