Breaking News
Home / Biologia / Gigantopithecus

Gigantopithecus

PUBLICIDADE

Gigantopithecus era muito grande.

Gigantopithecus é um gênero de macaco extinto do sul da Ásia existente durante as épocas do Plioceno e Pleistoceno, conhecido apenas por mandíbulas e dentes fósseis muito grandes e considerado talvez o maior hominóide que já existiu.

Os fósseis indicam que chegava a 3 metros e pesava até 500 quilogramas.

Gigantopithecus prosperou nas florestas tropicais do que hoje é o sul da China por seis a nove milhões de anos.

Mas cerca de 100.000 anos atrás, no início da última idade do gelo do Pleistoceno, ele foi extinto – porque no clima alterado seu tamanho se tornou uma desvantagem fatal, sugere um novo estudo.

Devido ao seu tamanho, o Gigantopithecus presumivelmente dependia de uma grande quantidade de comida.

Quando, durante o Pleistoceno, mais e mais áreas florestadas se transformaram em paisagens de savana, havia simplesmente um suprimento insuficiente de alimentos para o macaco gigante.

Gigantopithecus, um comedor de frutas, não conseguiu se adaptar à grama, raízes e folhas que se tornaram as fontes de alimento dominantes em seu novo ambiente. Se fosse menos gigantesco, poderia ter durado de alguma forma.

Parentes do macaco gigante, como o orangotango, conseguiram sobreviver apesar de sua especialização em um determinado habitat, porque têm um metabolismo lento e são capazes de sobreviver com comida limitada.

O que é Gigantopithecus?

Gigantopithecus (que significa “macaco gigante”) era um macaco enorme, o maior primata que já viveu, com uma altura de 3 m e pesando até 640 kg.

Seus fósseis foram datados entre um milhão e cerca de 300.000 anos atrás.

Achados de Gigantopithecus, principalmente dentes fossilizados ou maxilares, foram localizados na atual China, Vietnã e Índia, sugerindo que sua distribuição era o Sudeste Asiático.

Esqueletos completos de Gigantopithecus não foram encontrados, mas muito foi inferido sobre seu tamanho e estilo de vida apenas pelos dentes e mandíbulas.

Como seu parente vivo mais próximo, o orangotango, pensa-se que o Gigantopithecus era arbóreo e vegetariano. Como o orangotango, o Gigantopithecus era membro da família Pongidae, da qual o primeiro é o único sobrevivente. Se o Gigantopithecus tivesse a mesma cor de pêlo do orangotango, ele seria marrom-avermelhado, mas isso é especulação.

A maioria das reconstruções do animal favorece o pêlo marrom-avermelhado, entretanto.

Foram encontrados restos de duas espécies: Giantopithecus blacki, a maior e mais famosa, e Gigantopithecus giganteus, que tinha metade do tamanho.

Fósseis do Homo erectus, ancestrais dos humanos, foram encontrados ao lado do Gigantopithecus, sugerindo que os dois coexistiram.

O Homo erectus provavelmente competiu com o Gigantopithecus, e os dois podem ter lutado diretamente. O Homo erectus foi implicado no declínio do Gigantopithecus, que teria ocorrido um pouco antes do declínio dos Neandertais na Europa devido aos humanos modernos.

Quando o Gigantopithecus e o Homo erectus viviam na China, os humanos modernos ainda não haviam evoluído, surgindo apenas há cerca de 250.000 anos na África Oriental.

Como o Gigantopithecus era um macaco gigante, alguns o consideram uma reminiscência do Pé Grande, e alguns criptozoologistas propuseram que os avistamentos do Pé Grande e do Yeti podem ser explicados pela existência de Gigantopithecus sobrevivente.

No entanto, existem vários problemas com esta proposição, incluindo o fato de que:

1) Gigantopithecus habitava exclusivamente florestas de bambu, enquanto os avistamentos de Pé Grande e Yeti quase sempre ocorrem fora dessas florestas,
2) 
Gigantopithecus provavelmente teria sido capaz de sobreviver por muito tempo fora da floresta, muito menos percorrer todo o caminho através do Estreito de Bering para a América do Norte,
3)
 Avistamentos de Pé Grande e Yeti referem-se a um animal que anda ereto, enquanto Gigantopithecus acredita-se que caminhou sobre os nós dos dedos, como gorilas modernos.

Gigantopithecus – Gênero de macaco extinto

Gigantopithecus, (Gigantopithecus blacki), gênero de grandes macacos extintos representados por uma única espécie, Gigantopithecus blacki, que viveu durante a Época Pleistocena (2,6 milhões a 11.700 anos atrás) no sul da China.

Gigantopithecus é considerado um gênero irmão de Pongo (o gênero que contém orangotangos vivos) na subfamília Ponginae da família Hominidae. Um estudo de 2019 que analisou o DNA de um dente fóssil de 1,9 milhão de anos confirmou que Gigantopithecus e Pongo já compartilharam um ancestral comum e que os gêneros divergiram entre si entre 10 milhões e 12 milhões de anos atrás.

A espécie é conhecida por quatro mandíbulas parciais e quase 2.000 grandes molares, caninos e outros dentes (que datam de cerca de 2 milhões a 300.000 anos atrás) e possivelmente um pedaço do úmero distal.

Os primeiros espécimes foram encontrados pelo paleontólogo alemão-holandês G.H.R. von Koenigswald em drogarias chinesas entre 1935 e 1939, onde eram conhecidos como “dentes de dragão”. Os dentes, embora grandes, têm algumas semelhanças com os dentes humanos, e isso levou alguns paleomorfologistas a especular que os humanos poderiam ter tido ancestrais “gigantes”.

Descobertas posteriores de mandíbulas completas demonstraram que eram de macacos extintos.

Os restos de G. blacki foram amplamente escavados em cavernas no sul da China, o que sugere a alguns paleontólogos que a espécie estava restrita àquela região.

Fósseis semelhantes descobertos no norte do Vietnã e na Tailândia, no entanto, podem representar espécimes adicionais que apontam para uma maior extensão geográfica e maior tempo de sobrevivência.

Alguns estudos argumentando que os dentes encontrados nas cavernas do norte do Vietnã na verdade pertencem a G. blacki postulam que a espécie sobreviveu até 100.000 anos atrás e possivelmente compartilhou as mesmas paisagens com o Homo erectus. Acredita-se que G. blacki tenha sucumbido à extinção depois que as temperaturas mais amenas na região reduziram e posteriormente eliminaram as florestas das quais dependia para se alimentar.

G. blacki provavelmente vivia em habitats florestais, porque possuía dentes poderosos para moer e mastigar para processar folhas e outras plantas.

As medições dos dentes fósseis permitiram aos paleontologistas estimar a altura e o peso do primata em cerca de 3 metros e 200-300 kg, respectivamente. Esses cálculos apontam para G. blacki como o maior hominídeo conhecido.

Uma segunda espécie, G. bilaspurensis (que mais tarde foi alterada para G. giganteus), fez parte do gênero de 1969 até aproximadamente 2003, período após o qual os escassos restos fósseis foram considerados muito diferentes de G. blacki para colocá-los em o mesmo gênero.

A espécie foi posteriormente colocada em seu próprio gênero e renomeada como Indopithecus giganteus.

Estudos sugerem que I. giganteus habitou paisagens de pastagens no norte da Índia e Paquistão entre cerca de 6 milhões e 5 milhões de anos atrás, perto da fronteira do Mioceno-Plioceno. I. giganteus era significativamente menor do que G. blacki.

As estimativas de altura e peso derivadas de medições de dentes sugerem que I. giganteus tinha aproximadamente a mesma altura de um gorila moderno (cerca de 1,7 metros de altura) e pesava pelo menos 150 kg.

A maioria dos paleontólogos reconhece que I. giganteus e G. blacki eram aparentados, mas que G. blacki era uma espécie sobrevivente tardia na linhagem.

Uma réplica do Gigantopithecus no Museu do Homem em San Diego

Gigantopithecus

Fonte: www.smithsonianmag.com/onlinelibrary.wiley.com/www.wisegeek.org/prehistoric-earth-a-natural-history.fandom.com/www.nationalgeographic.com/www.sciencenews.org/ark.gamepedia.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fissão Binária

PUBLICIDADE Fissão binária é o processo muito rápido pelo qual organismos com apenas uma célula criam …

Primatas

Primatas

Definição de Primatas PUBLICIDADE Um primata é um membro do grupo mais desenvolvido e inteligente …

Íntrons

PUBLICIDADE Definição Um íntron é um longo trecho de DNA não codificador encontrado entre os exons (ou …