Breaking News
Home / Biologia / Phoronida

Phoronida

PUBLICIDADE

Phoronida – Espécies

A posição do táxon, unidade taxonómica, na escala zoológica é ainda controversa. Alguns consideram que represente uma classe do filo Lophophorata, que constitui uma unidade natural de origem monofilética.

As espécies ocorrem em diversos biótopos: os adultos no bentos costeiro e as larvas no plâncton.

São sedentários na fase adulta, habitando tubos quitinosos, no interior dos quais podem se mover livremente. A larva é planctônica, com única exceção (Phoronis ovalis).

O aspecto externo do adulto é de um animal vermiforme, com corpo cilíndrico, não segmentado, dotado de celoma e lofóforo característicos. A larva, denominada actinotrocha, é do tipo trocófora, livre-natante, que se metamorfoseia no adulto.

O comprimento do adulto varia de 6 a 250mm (Forneris, 1987).

Posição Sistemática

Reino: Animalia
Sub reino: Metazoa

Filo Phoronida

Família Phoronidae
gênero Phoronis
gênero Phoronopsis

Número de espécies

No mundo:16 – 18
No Brasil: 6

Grego: phoros = possuir; latim: nidus = ninho
Nomes vernáculos: foronis, foronida

Phoronida – O que são

Vermes Phoronida ou Ferradura, são animais vermiformes marinhos, bentônicos, de alimentação em suspensão.

Eles têm um estágio larval planctônico.

Junto com os Brachiopoda (cascas de lâmpada) e Bryozoa (animais de musgo), os Phoronida são tradicionalmente agrupados como Lophophorata.

Característico desses três filos é o lofóforo, um órgão que captura alimentos ao redor da boca, formado por uma dobra circular ou em forma de ferradura da parede do corpo que é cercada por numerosos tentáculos ciliados. Cada tentáculo é uma saída da parede do corpo e contém uma extensão do celoma.

Os tratos ciliares nos tentáculos conduzem uma corrente de água, pela qual as partículas de alimento (suspensão e plâncton) são transportadas para a boca.

Phoronida adultos vivem em um tubo quitinoso que geralmente está ligado a, ou enterrado em um substrato duro (rocha, concha, etc.), ou enterrado verticalmente em sedimentos moles (ou seja, areia, lama).

Seu corpo esguio e cilíndrico é dividido em três partes: na parte superior, a epístomo em forma de aba, depois o mesossomo portador do lóforo e, como a maior parte do corpo, o tronco alongado ou metassomo; cada parte do corpo tem seu próprio celoma.

O trato digestivo é em forma de U e a abertura exterior do tubo digestivo está localizado na parte superior do animal, próximo à boca.

O comprimento dos foronídeos adultos varia de 5 a 25 cm.

Reprodução e desenvolvimento

Os Phoronidas são hermafroditas ou dióicos; também ocorre reprodução assexuada. A fecundação é interna. Normalmente, o ovo se desenvolve em uma larva actinotroch ciliada característica e de natação livre.

Uma espécie, Phoronis ovalis, não tem o estágio actinotroch e tem uma larva semelhante a uma lesma, que tem uma existência pelágica muito curta.

A larva actinotroca é claramente um estágio tripartido e mostra concordância com a forma adulta nesse aspecto.

O actinotroca totalmente desenvolvido carrega um lóbulo sobre a boca, o capuz pré-oral, que segura a protocele e se torna mais tarde a epístomo. Abaixo do capô, há uma série de tentáculos larvais contendo o mesoceloma, que está eventualmente se tornando o lóforo.

O trato digestivo é mais ou menos reto, a abertura exterior do tubo digestivo fica na extremidade posterior do corpo. Ao redor da abertura exterior do tubo digestivo está o telotroch (tufo posterior de cílios em uma larva trocóforo), um anel de cílios envolvido na locomoção.

As larvas nadam livremente e se alimentam no plâncton por 2-3 semanas e então se acomodam após uma rápida metamorfose durante a qual o intestino se torna em U e o saco metassomal emerge, sendo o tronco inicial.

A vida útil é de cerca de um ano.

O período de reprodução é bastante longo, durando da primavera ao outono, mas a atividade reprodutiva máxima é no final da primavera e no verão.

Estágios larvais

Em 1846, Müller descreveu Actinotrocha branchiata a partir de espécimes encontrados na baía alemã, mas sem perceber que se tratava de um estágio larval.

Em 1856, Wright descreveu o gênero Phoronis para foronídeos adultos da Inglaterra.

Depois que A. branchiata foi reconhecida como a larva do adulto Phoronis muelleri por Selys-Longchamps em 1903, o nome Actinotrocha permaneceu em uso como o nome técnico para o actinotroch das espécies Phoronis e Phoronopsis.

O desenvolvimento larval dos Phoronidas é dividido em estágios de acordo com o número de tentáculos larvais. Dependendo da espécie, existem 4-10 estágios e o número final de tentáculos antes da metamorfose varia de 10 a 42. A maioria das espécies tem larvas pequenas, com menos de 1 mm de tamanho. No entanto, Actinotrocha branchiata, a larva de Phoronis muelleri, pode atingir um comprimento de cerca de 3 mm e é a maior larva de foronídeo conhecida.

Em relação às larvas dos Phoronidas do Mar do Norte, o limite mínimo de tamanho que consideramos (1 mm) permitiria que apenas Actinotrocha branchiata figurasse no banco de dados de chaves e espécies.

No entanto, para fins de integridade, os menores Actinotrocha hippocrepia, Actinotrocha pallida e Actinotrocha sabatieri também estão incluídos – embora sem ilustrações.

Distribuição

Phoronida ocorre em todos os oceanos e mares, exceto nos mares polares. Eles são conhecidos desde planícies de lama entremarés até profundidades de cerca de 400 m, mas principalmente entre 0 e 70 m.

A maioria das espécies cobre uma ampla distribuição geográfica e a maioria também é global.

Phoronida – Filo

O filo Phoronida é constituído por animais com as seguintes características:

                                            Phoronida

1. Lofoforados triméricos, enterocélicos modificados, vermiformes

2. Corpo dividido em um protocele (epistoma) tipo aba, mesocele dotado de lofóforo, e metacele (tronco) alongado, cada um com um celoma associado

3. Intestino em forma de U, orificio retal próximo à boca

4. Um par de metanefrídios na metacele

5. Sistema circulatório fechado

6. Gonocorísticos ou hermafroditas, com desenvolvimento misto ou indireto

7. Marinhos, bentônicos, tubícolas

Fonte: www.biomania.com/www.usp.br/species-identification.org/paleopolis.rediris.es/ucmp.berkeley.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.