Breaking News
Home / Biologia / Ecologia dos Insetos

Ecologia dos Insetos

PUBLICIDADE

A ecologia de insetos é o estudo científico de como os insetos, individualmente ou em comunidade, interagem com o ambiente ou ecossistema circundante.

Os insetos são uma classe de artrópodes. Eles têm seis pernas e exoesqueletos. A classe de insetos é a classe animal mais diversificada do mundo, com mais de 5 milhões de espécies diferentes.

O que é ecologia dos insetos?

A ecologia dos insetos é um campo que se concentra no estudo da interação entre insetos e o meio ambiente.

Embora os leigos pensem em insetos principalmente na forma de insetos irritantes, como mosquitos que arruinam um churrasco noturno, os insetos são realmente muito importantes para o ambiente natural e desempenham vários papéis no ambiente, de anjo a vilão.

Várias disciplinas são reunidas em ecologia dos insetos, incluindo entomologia, ecologia e microbiologia.

Os insetos são uma parte crítica do círculo da vida no meio ambiente. Quando animais e plantas morrem, várias espécies importantes de insetos iniciam o processo de decomposição do material orgânico, para que ele possa ser digerido por bactérias e fungos ainda menores. Os insetos também atuam como polinizadores, garantindo a sobrevivência das espécies vegetais, e podem desempenhar um papel mais ameaçador como vetores de doenças. Os insetos podem até ajudar em investigações criminais.

Pesquisadores que trabalham no campo da ecologia dos insetos estudam a vida dos insetos e observam o equilíbrio normal dos insetos em vários ambientes naturais.

Os ecologistas de insetos podem identificar rupturas no ambiente procurando características incomuns nas populações de insetos, como um número muito alto de mosquitos ou um número suspeito e reduzido de abelhas.

Eles também estudam as complexas relações interconectadas entre insetos e o meio ambiente, e as maneiras pelas quais os insetos realmente constroem seu ambiente, desde os maciços de cupins que podem moldar uma paisagem até as adaptações evolutivas em plantas projetadas para atrair polinizadores.

A ecologia dos insetos pode incluir o estudo do comportamento dos insetos, o impacto das atividades humanas nas populações de insetos e no ecossistema em geral, o papel dos insetos na história da humanidade e o que acontece quando os insetos estão ausentes de um ambiente.

Os ecologistas de insetos também estão interessados em questões como controlar insetos perigosos, identificar e estudar insetos portadores de doenças e o impacto de espécies não nativas introduzidas no meio ambiente.

Muito trabalho de campo está envolvido na ecologia dos insetos, com pesquisadores viajando para locais de interesse para fazer observações e coletar amostras. Os pesquisadores também trabalham no laboratório, estudando insetos em circunstâncias controladas e realizando testes. Os ecologistas de insetos podem trabalhar para agências governamentais, organizações ambientais e empresas privadas, realizando uma variedade de tarefas, desde o levantamento de populações de insetos em ecossistemas ameaçados até a ajuda de empresas farmacêuticas a desenvolver medicamentos projetados para matar parasitas em mosquitos antes que eles possam entrar no ser humano. corpo.

Ecologia dos insetos – Estudo

A ecologia de insetos é o estudo científico de como os insetos, individualmente ou em comunidade, interagem com o ambiente ou ecossistema circundante.

Os insetos desempenham papéis significativos na ecologia do mundo devido à sua vasta diversidade de forma, função e estilo de vida; sua considerável biomassa; e sua interação com a vida vegetal, outros organismos e o meio ambiente.

Por serem os principais contribuintes para a biodiversidade na maioria dos habitats, exceto no mar, eles desempenham uma variedade de papéis ecológicos extremamente importantes nas muitas funções de um ecossistema.

Tomando o caso da reciclagem de nutrientes; os insetos contribuem para essa função vital degradando ou consumindo lixo de folhas, madeira, carniça e esterco e dispersão de fungos.

Os insetos formam uma parte importante da cadeia alimentar, especialmente para os vertebrados entomófagos, como muitos mamíferos, aves, anfíbios e répteis.

Os insetos desempenham um papel importante na manutenção da estrutura e composição da comunidade; no caso de animais por transmissão de doenças, predação e parasitismo, e no caso de plantas, por fitofagia e propagação de plantas por polinização e dispersão de sementes.

Do ponto de vista antropocêntrico, os insetos competem com os seres humanos; eles consomem até 10% dos alimentos produzidos pelo homem e infectam um em cada seis humanos com um patógeno.

Quantas espécies de insetos existem?

Os insetos são o grupo mais diversificado de animais da Terra. Existem mais de um milhão de espécies descritas de insetos e um total estimado de 6 a 10 milhões de espécies.

Os insetos são encontrados em quase todos os ambientes acima do solo, mesmo na Antártica, que possui uma espécie de inseto chamada primavera. Existe até um que vive na superfície do oceano aberto, caminhando sobre a tensão da água usando pequenos pelos nas pernas. Estes são insetos do gênero Halobates, também conhecidos como skatistas do mar ou striders. Ao redor da Antártica, onde há mais oxigênio no mar do que o Equador, eles podem crescer até 30 cm de largura.

Até agora, houve observações de 5.000 espécies de libélulas, 2.000 mantis, 20.000 gafanhotos, 170.000 borboletas e mariposas, 120.000 moscas, 82.000 moscas, 82.000 insetos verdadeiros, 360.000 besouros e 110.000 espécies de abelhas, vespas e formigas. Lembre-se de que os aracnídeos, como os ácaros – dos quais existem mais de 1 milhão de espécies descritas – e os crustáceos, como lagostas, não são insetos, o que inclui apenas membros da classe Insecta.

As espécies de insetos variam em tamanho de 0,139 mm (0,00547 pol., Fada) a 55,5 cm (21,9 pol.), Com a maioria caindo entre 0,5 mm (0,02 pol) e 50 mm (2 pol).

Em geral, os insetos menores são capazes de se reproduzir mais rapidamente devido às suas contrapartes maiores, permitindo que eles mantenham sua biomassa por gerações. Se a biomassa não for reabastecida regularmente, uma espécie será extinta. Pensa-se que todas as espécies de insetos vivos hoje representam apenas cerca de 1% de todos os insetos que já viveram.

Os insetos são verdadeiramente uma história de sucesso para os animais. Embora a maioria das pessoas não pense em insetos quando a palavra “animal” é mencionada, elas são as mais bem-sucedidas e numerosas.

A biomassa global de insetos é estimada em 1012 kg, com aproximadamente 1018 indivíduos distintos. Dividido pelo número total de espécies, isso dá uma média de 100 milhões de indivíduos por espécie. Obviamente, como em outros animais, a maioria (mais de 66%) das espécies de insetos é encontrada nas florestas tropicais do mundo.

Qual é a história evolutiva dos insetos?

A história evolutiva dos insetos, como a de muitos outros grupos de invertebrados, é pouco conhecida. Por muitas décadas, pensou-se que eles se ramificassem de milípedes e centopeias, que sabidamente colonizaram a terra há 428 milhões de anos atrás, durante o período da Silúria. Porém, estudos genéticos recentes sugerem que os insetos provavelmente se separam dos crustáceos cerca de 410 milhões de anos atrás.

As circunstâncias dessa mudança evolutiva estão sujeitas a debate e muito menos claras do que a evolução de peixes com barbatanas nos lóbulos em tetrápodes primitivos.

O espécime mais antigo conhecido na história dos insetos é o fóssil devoniano Rhyniognatha hirsti, datado entre 396 e 407 milhões de anos atrás. Foi encontrado na formação Rhynie Chert, um ecossistema devoniano bem preservado que inclui algumas das primeiras plantas terrestres com tecidos vasculares e um dos fósseis mais antigos e melhor preservados dos artrópodes terrestres.

As mandíbulas deste inseto sugerem que ele já havia desenvolvido vôo, encobrindo as origens do vôo do inseto e outros aspectos importantes da história dos insetos em mistério.

Exatamente quando e como o voo entrou na história dos insetos é pouco conhecido. Um pesquisador, Jim Marden, apresentou um modelo em que o vôo de insetos evoluiu a partir de etapas intermediárias evolutivas adaptativas que envolvem a escovação na água. Ele aponta para as moscas de pedra, um grupo vivo de insetos que usa suas asas para deslizar pela superfície da água. As espécies foram encontradas empregando variedades de desnatação da água que apresentam cada vez menos contato real com a água, cada etapa fornecendo benefícios substanciais em termos de velocidade e, portanto, capacidade de evitar predadores e procurar fontes de alimento.

Existem vários grupos conhecidos de hexápodes (invertebrados de seis patas) que são evolutivamente basais aos insetos e teriam se separado deles antes de cerca de 400 milhões de anos atrás, quando os primeiros insetos fósseis aparecerem. Estes incluem os abundantes coquetéis de primavera, bem como os proturanos e dipluranos menos reconhecidos. Pensa-se que todos os springtails, proturanos e dipluranos tenham desenvolvido sua forma hexapod de locomoção independentemente um do outro, mas apenas os insetos ganharam a capacidade de voar.

Por dezenas de milhões de anos, insetos e outros pequenos invertebrados foram os únicos animais a colonizar a terra, na época cobertos por plantas curtas, não mais altas que a altura da cintura.

À medida que as plantas cresciam e uma linhagem de peixes evoluiu para os primeiros anfíbios, os insetos foram unidos por tetrápodes maiores, que os teriam consumido em grande número para sobreviver. No entanto, graças aos altos níveis de oxigênio do período carbonífero, cerca de 320 milhões de anos atrás, alguns insetos cresceram para tamanhos enormes, como a mosca grega Meganeura, que tinha uma envergadura de dois pés.

Mas quando os níveis de oxigênio diminuíram, esses insetos morreram imediatamente devido à incapacidade de circular oxigênio suficiente através de seus corpos.

Os próximos marcos importantes na história dos insetos ocorreram em todo o Mesozóico, quando a maioria dos grupos modernos como os conhecemos evoluiu.

Cerca de 120 milhões de anos atrás, as plantas com flores evoluíram e a cooperação entre insetos (especialmente abelhas) e esses recém-chegados levou a um relacionamento evolutivo mutuamente benéfico. Como resultado, as plantas com flores são agora a flora terrestre dominante.

Fonte: Editores Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Período Jurássico

Período Jurássico

PUBLICIDADE Definição O Período Jurássico é o segundo período da Era Mesozóica, em que os dinossauros eram …

Bioarqueologia

PUBLICIDADE A palavra bioarqueologia foi usada pela primeira vez em 1972 pelo arqueólogo britânico Grahame Clark, que …

Micrografia

Micrografia

PUBLICIDADE Definição A micrografia é uma reprodução gráfica da imagem de um objeto formado por um microscópio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.