Breaking News
Home / Biologia / Glicação

Glicação

PUBLICIDADE

Definição de Glicação

glicação é a ligação de uma molécula de açúcar a uma proteína ou lipídio

glicação é uma reação química não enzimática pela qual as ligações da proteína sulfidrila são substituídas por glicose, causando prejuízo nas funções celulares e teciduais normais.

A glicação é um processo químico natural dentro do corpo. A glicação avançada é comumente chamada de produtos finais de glicação avançada (AGEs).

Os produtos finais de glicação avançada (AGEs) são formados dentro do corpo quando as proteínas das gorduras se combinam com os açúcares. Quando a insulina não metaboliza os açúcares adequadamente, as moléculas de açúcar se ligam às proteínas como colágeno e elastina e, portanto, destruindo sua função e evitando que a pele permaneça lisa e firme.

Infelizmente, nossas proteínas que mantêm nossa aparência jovem ao manter nossa pele roliça e brilhante, como a elastina e o colágeno, também são mais propensas à glicação.

A perturbação do sistema de suporte da pele também pode contribuir para outras complicações da pele, como adelgaçamento, descoloração e aumentar o risco de erupções cutâneas e infecções cutâneas.

Ele pode desenvolver doenças como diabetes, doenças renais e doença de Alzheimer.

glicação, também conhecida como reação de Maillard, é a ligação dos açúcares às proteínas. Tanto ocorre espontaneamente no corpo quanto quando cozinhamos certos alimentos.

Essa reação química leva ao desenvolvimento de proteínas glicadas, que se acumulam no interior das células e não podem ser eliminadas.

Em suma, os vários estágios de glicação juntos causam uma aceleração do envelhecimento.

Esse processo é estimulado por uma sobrecarga de açúcar no corpo e, portanto, tem um efeito ainda mais dramático em diabéticos (que apresentam níveis elevados de hemoglobina glicada).

O que é glicação?

glicação é uma reação que ocorre quando moléculas de açúcar simples, como a frutose ou a glicose, se ligam a proteínas ou gorduras lipídicas sem a moderação de uma enzima.

Isso resulta na formação de moléculas nocivas conhecidas como produtos finais de glicação avançada (AGEs). Esse processo, também conhecido como glicosilação não enzimática, é normalmente regido pela atividade enzimática, necessária para regular o funcionamento metabólico das moléculas. A falta deste catalisador impede a glicosilação normal de açúcares para produzir energia necessária, no entanto, e uma vez que interrompe as vias metabólicas normais e avança a circulação dos produtos finais de glicação avançada (AGEs), pode promover certos riscos à saúde.

As glicações exógenas, uma forma que ocorre fora do corpo, são responsáveis por permitir que os alimentos dourem durante o cozimento. Este tipo é apelidado de reação de Maillard, em homenagem ao químico francês do início do século 20 que observou pela primeira vez como os açúcares reagem com gorduras ou proteínas quando expostos a altas temperaturas.

Embora batatas fritas crocantes e carnes grelhadas possam ser saborosas, a reação que as produz também cria 2-propenamida, um suposto carcinógeno que acompanha a refeição.

Além disso, os produtos finais de glicação avançada (AGEs) exógenos às vezes são adicionados a certos alimentos para realçar a cor e o sabor, incluindo assados, refrigerantes escuros e café.

A glicação endógena, que ocorre no corpo, está associada ao aumento do dano oxidativo.

Os produtos finais de glicação avançada (AGEs) e seus subprodutos estão ligados a muitas doenças relacionadas à idade, incluindo Alzheimer. Este processo é particularmente importante para os diabéticos, que já sofrem os efeitos do controle insuficiente da glicose. Na verdade, níveis elevados de produtos finais de glicação avançada (AGEs) contribuem para uma série de complicações relacionadas ao diabetes, incluindo neuropatia, doença retinal e insuficiência renal.

Níveis elevados de produtos finais de glicação avançada (AGEs) também esgotam os níveis de óxido nítrico, o que promove danos vasculares e um risco aumentado de doenças cardíacas.

Como as moléculas de açúcar se ligam às moléculas de lipoproteína de alta densidade – o colesterol “bom” – o último é impedido de se ligar aos receptores no fígado.

O resultado final é que o fígado é levado a pensar que há falta de colesterol e continua fabricando mais para depositar na corrente sanguínea.

Produtos finais de glicação avançada (AGEs) parecem envelhecer o corpo humano mais rápido do que a natureza pretendia.

Além de limitar o consumo de produtos assados, alimentos fritos e outros alimentos com alto teor de AGE, os estudos mostraram que certos nutrientes podem servir como inibidores desse processo.

Por exemplo, o piruvato de cálcio e a carnosina não só parecem ajudar a prevenir a reação, mas também estimulam a proteólise ou a degradação das proteínas glicadas.

Certos extratos de plantas também foram estudados quanto ao seu potencial para prevenir a glicação, pelo menos in vitro. Entre aqueles que mostraram resultados promissores estão canela, pimenta-do-reino, gengibre, cominho e chá verde.

O que é hemoglobina glicada?

hemoglobina glicada é uma forma modificada de hemoglobina que está presente no sangue da maioria das pessoas.

A verificação de seu nível no sangue em relação ao nível de hemoglobina normal é feita para monitorar pacientes com diabetes mellitus, e o valor corresponde à média dos níveis de glicose no sangue dos pacientes nos últimos dois meses.

Muitos médicos medem o nível de hemoglobina glicada e usam as informações para escolher o tratamento do paciente para diabetes.

A hemoglobina é uma molécula transportadora de oxigênio presente nas células vermelhas do sangue. Cada molécula de hemoglobina é feita de quatro cadeias polipeptídicas unidas por uma série de ligações químicas.

Se a hemoglobina for exposta a um ambiente com altas concentrações de oxigênio, ela pode ligar quatro moléculas de oxigênio.

Esse oxigênio é posteriormente liberado para os tecidos periféricos que precisam de oxigênio.

A glicose é o principal açúcar que o corpo usa para se alimentar. Pode ser obtido na dieta a partir de alimentos ricos em carboidratos, ou feito a partir da quebra de proteínas e gorduras. Muitos tecidos, incluindo células vermelhas do sangue e o cérebro, dependem da obtenção de moléculas de glicose do sangue para funcionar adequadamente.

As moléculas de glicose são capazes de entrar nas células vermelhas do sangue para servir como combustível. Enquanto na célula, a glicose pode se ligar ao final de uma das cadeias polipeptídicas da hemoglobina em um processo denominado glicosilação.

Essa reação é oficialmente chamada de glicosilação não enzimática porque a reação prossegue sem a ajuda de uma proteína chamada enzima; em outras circunstâncias, a enzima ajudaria a acelerar as reações químicas.

Em pacientes normais, 5 por cento da hemoglobina total é glicosilada, ou hemoglobina glicada.

Pacientes com diabetes mellitus apresentam níveis elevados de glicose no sangue devido a problemas com o hormônio insulina. Os não diabéticos têm um nível de glicose no sangue em jejum de menos de 100 microgramas por decilitro, enquanto os diabéticos têm um nível de pelo menos 126 microgramas por decilitro.

O nível mais alto de glicose circulante em pacientes com diabetes resulta em uma quantidade maior de glicose entrando nas células vermelhas do sangue.

O resultado é mais glicosilação não enzimática e um nível de hemoglobina glicada mais alto.

hemoglobina glicada é usada clinicamente como um marcador dos níveis de glicose que os pacientes apresentam no sangue. É também chamada de hemoglobina A1C, que também é abreviada como HbA1C.

O nível reflete o nível médio de glicose no sangue que um paciente teve durante os últimos dois meses porque os glóbulos vermelhos e, portanto, a hemoglobina contida nos glóbulos vermelhos, têm meia-vida de aproximadamente 60 dias. Verificar a hemoglobina glicada oferece um benefício sobre a simples verificação do nível de glicose no sangue, porque fornece informações sobre o controle da glicose por um período prolongado; o nível de glicose no sangue fornece apenas um instantâneo de qual é o nível de glicose em um determinado momento.

Em pacientes diabéticos, o nível de hemoglobina glicada é normalmente verificado a cada três a seis meses. A meta para a maioria dos pacientes é que a hemoglobina glicada seja inferior a 7 por cento da hemoglobina total, o que corresponde a um nível médio de glicose no sangue de aproximadamente 154 microgramas por decilitro.

Os médicos costumam usar a medição como uma forma de escolher um plano de tratamento para pacientes diabéticos.

Os níveis crescentes podem indicar a necessidade de adicionar outro medicamento para diabetes ao regime do paciente.

Glicação – Envelhecimento

Glicação – Envelhecimento

Fonte: www.sciencedirect.com/www.thriveskinclinic.com.au/www.oolalacosmetics.com.au/www.dictionary.com/www.wisegeek.org/www.oolalacosmetics.com.au/i.dailymail.co.uk

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …