Breaking News
Home / Biologia / Ecologia Humana

Ecologia Humana

PUBLICIDADE

Definição

A ecologia é a ciência das relações entre organismos vivos e seu meio ambiente. A ecologia humana é sobre relações entre pessoas e seu meio ambiente. Na ecologia humana, o ambiente é percebido como um ecossistema. Um ecossistema é tudo em uma área específica – o ar, o solo, a água, os organismos vivos e as estruturas físicas, incluindo tudo construído pelos humanos. As partes vivas de um ecossistema – microorganismos, plantas e animais (inclusive humanos) – são sua comunidade biológica.

Teoria da Ecologia Humana

As teorias da interação humana devem fornecer uma maneira de dar sentido aos acontecimentos que ocorreram no passado e, em seguida, permitir-nos fazer previsões sobre o que pode acontecer no futuro.

teoria da ecologia humana é uma maneira de analisar as interações dos humanos com seus ambientes e considerar essa relação como um sistema. Neste quadro teórico, os aspectos biológicos, sociais e físicos do organismo são considerados dentro do contexto de seus ambientes. Esses ambientes podem ser o mundo natural, a realidade construída pelos humanos e / ou o meio social e cultural em que o organismo existe.

A teoria ecológica humana é provavelmente uma das primeiras teorias da família e, no entanto, também contém muitos elementos novos e em evolução que emergiram, já que começamos a perceber como os ambientes naturais e humanos criados afetam nosso comportamento e como indivíduos e famílias em virar, influenciar esses ambientes. Na ecologia humana, a pessoa e o meio ambiente são vistos como interligados em um processo ativo de influência e mudança mútua.

As Origens da Teoria Ecológica Humana

A origem do termo ecologia vem da origem grega oikos que significa “lar”. Como resultado, o campo da economia doméstica, agora chamado de ecologia humana, produziu grande parte da pesquisa contemporânea usando essa perspectiva teórica. Margaret Bubolz e M. Suzanne Sontag (1993) atribuem o conceito de abordagem ecológica ao trabalho de Aristóteles e Platão, e depois à teoria evolutiva de Darwin.

Eles rastreiam a palavra ecologia para Ernest Haeckel, um zoologista alemão que, em 1869, propôs que o indivíduo fosse um produto da cooperação entre o meio ambiente e a hereditariedade organizacional e sugeriu que uma ciência fosse desenvolvida para estudar organismos em seu meio ambiente.

Os primeiros economistas da casa foram os principais defensores desta teoria, como seu campo desenvolvido no início do século XX, aplicando várias disciplinas ao estudo da família. A teoria já foi usada por sociólogos, antropólogos, cientistas políticos e economistas. Este trabalho continua, com o enquadramento ecológico humano sendo uma perspectiva importante na pesquisa e desenvolvimento teórico no século XXI.

A Família como um Sistema

A aplicação da teoria dos sistemas é um princípio básico da teoria ecológica humana. A família é vista como um sistema, com fronteiras entre ele e outros sistemas, como a comunidade e o sistema econômico. Os sistemas têm insumos que geram vários processos e ações, como as quantidades finitas de dinheiro ou tempo que as famílias possuem.

Eles também têm throughputs, que são os processos de transformação que ocorrem dentro do sistema, como a troca de dinheiro para a prestação de um serviço essencial, como comida, comendo em um restaurante. Além disso, os sistemas têm saídas, que afetam outros sistemas, como a produção de resíduos, que são subprodutos da atividade na família, sendo devolvidos ao ambiente maior.

Existem loops de feedback do final do sistema de volta ao início, para fornecer comentários positivos e negativos de volta ao processo e permitir que o sistema se adapte à mudança. Em um ecossistema, as partes e o todo são interdependentes.

A maioria dos teóricos delineia um ecossistema, sobretudo um ecossistema humano ou um ecossistema familiar, sendo composto de três conceitos organizadores: humanos, seu meio ambiente e as interações entre eles. Os seres humanos podem ser qualquer grupo de indivíduos dependentes do meio ambiente para sua subsistência. O ambiente inclui o ambiente natural, que é composto pela atmosfera, clima, plantas e microorganismos que sustentam a vida.

Outro ambiente é aquele construído pelos humanos, que inclui estradas, máquinas, abrigo e bens materiais. Como Sontag e Bubolz (1996) discutem, incorporados nos ambientes naturais e humanos, o ambiente social-cultural, que inclui outros seres humanos; construções culturais como a linguagem, o direito e os valores; e instituições sociais e econômicas, como nossa economia de mercado e sistemas regulatórios.

O ecossistema interage nos limites desses sistemas à medida que eles se interagem, mas também pode ocorrer em qualquer parte de um ecossistema que causa uma alteração ou atua sobre qualquer outra parte do sistema. A mudança em qualquer parte do sistema afeta o sistema como um todo e suas outras subpartes, criando a necessidade de adaptação de todo o sistema, em vez de atenção menor a apenas um aspecto.

Existem também sistemas aninhados dentro dos sistemas, que delimitam fatores cada vez mais distantes do controle individual e que demonstram os efeitos de uma ação que ocorre em um sistema que afeta vários outros. A análise de Urie Bronfenbrenner dos sistemas como o microsistema, o mesossistema, o exosistema e o macrosistema são parte integrante da teoria.

O microsistema é o nosso contexto mais imediato, e para a maioria das crianças, é representado por sua família e sua casa. As crianças pequenas geralmente interagem com apenas uma pessoa até que elas se desenvolvam e seu mundo se expande. O mesosistema é onde uma criança experimenta a realidade, como em uma escola ou ambiente de assistência à infância. As ligações entre as instituições no mesosistema e a família da criança aumentam o desenvolvimento da competência acadêmica.

O exosistema é aquele em que a criança não participa diretamente, mas isso afeta as experiências da criança. Este pode ser o local de trabalho de um pai e as atividades nele contidas, ou burocracias que afetam as crianças, como as decisões tomadas pelas tábuas escolares sobre atividades extracurriculares.

Nossas identidades culturais mais amplas compõem o macrosistema. Este sistema inclui nossas ideologias, nossos pressupostos compartilhados sobre o que é certo e a organização geral do mundo. As crianças são afetadas pela guerra, pelas atividades religiosas, pelo racismo e pelos valores sexistas, e pela própria cultura em que crescem. Uma criança que é capaz de entender e lidar com os sistemas cada vez maiores em sua realidade é o produto de um microsistema saudável.

Bubolz e Sontag (1993) delineiam cinco questões amplas que são melhor respondidas usando esta teoria, o que é útil para decidir áreas onde a teoria pode contribuir de forma útil para o nosso conhecimento.

Esses são:

Para entender os processos pelos quais as famílias funcionam e se adaptam – como asseguram a sobrevivência, melhoram a qualidade de vida e sustentam seus recursos naturais?
Para determinar de que forma as famílias alocam e gerenciam recursos para atender às necessidades e metas de indivíduos e famílias como um grupo. Como essas decisões afetam a qualidade de vida e a qualidade do meio ambiente? Como as decisões familiares são influenciadas por outros sistemas?
Como vários tipos e níveis de ambientes e mudanças para eles afetam o desenvolvimento humano? Como o sistema familiar se adapta quando um ou mais de seus membros fazem transições para outras configurações ambientais, como creches, escolas e lares de idosos?
O que pode ser feito para criar, gerenciar ou aprimorar ambientes para melhorar a qualidade de vida dos seres humanos e para conservar o meio ambiente e os recursos necessários para a vida?
Quais são as mudanças necessárias para melhorar a vida dos seres humanos? Como as famílias e os profissionais da família podem contribuir para o processo de mudança?

Quadro de invertigação

Os estudos e o desenvolvimento de conceitos baseados na teoria ecológica humana variam de muito abstrato para concreto. Bronfenbrenner (1979), um dos primeiros pesquisadores a confiar amplamente na teoria da ecologia humana em estudos de crianças e famílias, definiu uma perspectiva ecológica ao se concentrar no desenvolvimento como uma função da interação entre o organismo em desenvolvimento e os ambientes ou contextos duradouros em que vive a vida.

Ele aplica a teoria de forma prática para explicar os fatores de qualidade na creche para crianças, o valor dos horários de emprego flexíveis para os pais e a melhoria do status das mulheres. Bronfenbrenner argumenta que a criança sempre se desenvolve no contexto das relações familiares e que o desenvolvimento é o resultado dos atributos genéticos da criança combinados com sua família imediata e eventualmente com outros componentes do meio ambiente.

Este trabalho contrasta com muitos estudos psicológicos que explicam o comportamento individual apenas considerando traços e habilidades individuais.

James Garbarino (1997) usa a teoria ecológica humana para explicar os abusos nas famílias, especialmente em relação às crianças. Ele considera o dilema da natureza ou da criação – se a poderosa influência do meio ambiente pode superar as condições da nossa biologia.

As interações entre esses fatores são difíceis de pesquisar, porque muitas vezes um é mantido constante para avaliar variações no outro. Por exemplo, estudar gemins geneticamente idênticos criados separadamente para mostrar o efeito da natureza ou nutrir a inteligência, ou ver como diferentes recém-nascidos reagem ao estímulo de um rosto humano sorridente são perspectivas unidimensionais. Garbarino colaborou com outros autores em 1994 e 1996, considerando os efeitos do ambiente político na Palestina sobre os problemas comportamentais das crianças.

O modelo tem sido usado por pesquisadores para investigar problemas em vários contextos culturais. Bengt-Erik Andersson (1986) mostra como os diferentes ambientes sociais das crianças na Suécia influenciam seu desenvolvimento, especialmente os ambientes representados por seu grupo de pares, seu bairro e se eles tinham sido crianças chaveiras. Amy Avgar, Urie Bronfenbrenner e Charles R. Henderson (1977) consideram as práticas de criação de crianças em Israel em três ambientes comunitários diferentes – o kibutz comunal, o moshav cooperativo e a cidade.

O estudo examina os pré-adolescentes, pedindo-lhes que respondam em nome de sua mãe, pai, par e professor. Conclui que a estrutura familiar tradicional exerce um efeito importante nos padrões de socialização previstos, embora note também o efeito da sociedade em geral, com diferenças significativas entre as três comunidades.

Sontag e Bubolz (1996) utilizam o modelo de ecossistema para conceitualizar a interação entre empresas agrícolas e vida familiar. A família, a fazenda e outros componentes são mutuamente interdependentes e não podem ser considerados separadamente.

Por exemplo, eles consideram a produção, bem como as atividades de tomada de decisão e gestão, da perspectiva da produção agrícola e doméstica. Margaret Bubolz e Alice Whiren (1984) utilizam um modelo de sistemas ecológico para a análise da família com um membro deficiente.

Eles mostram que essas famílias são vulneráveis ao estresse devido às demandas que lhes são colocadas para o cuidado físico, atender necessidades emocionais e localizar e obter acesso a serviços de apoio. Eles concluem que as necessidades totais da família devem ser consideradas quando as decisões políticas e os programas são planejados em vez de se concentrar apenas no membro da família com deficiência.

O que é Ecologia Humana?

ecologia humana é o estudo da relação entre humanos e natureza. As pessoas que trabalham neste campo acreditam que as pessoas estão integradas nos ecossistemas, e eles estudam como os seres humanos estão intimamente conectados ao meio ambiente e como eles afetam esse ambiente.

Estudos de ecossistemas geralmente consideram relações entre espécies e natureza.

As pessoas, no entanto, às vezes são propositadamente deixadas fora do escopo, uma vez que alguns estudos querem garantir um estudo puro do ecossistema.

ecologia humana, por outro lado, promove a idéia de que os seres humanos não devem ser excluídos como uma parte não natural de um ecossistema natural.

Eles reconhecem que os humanos têm a maior influência sobre as mudanças nos ecossistemas que ocorrem hoje.

Os seres humanos são distintivos de todas as outras espécies. Este tipo de ecologia ensina que os seres humanos são seres complexos que expressam objetivos conscientes através do mundo natural.

O comportamento de uma pessoa é influenciado pelo conhecimento mais valores, crenças e objetivos conscientes. As culturas em desenvolvimento e as sociedades emergentes constroem seus valores e objetivos em relação à natureza. Conflitos, bem como trabalhar em conjunto, contribuem para um conjunto elaborado de interações entre indivíduos e grupos.

Ecologia Humana
A ecologia humana examina a relação entre a natureza e as pessoas

ecologia humana também explora como o meio ambiente influencia os seres humanos. O ambiente muitas vezes força os seres humanos a inventar, depois se adaptar às estratégias de sobrevivência e sobrevivência.

Esta veia do estudo ecológico pergunta como os esforços para preservar o meio ambiente, por exemplo, podem incluir valores humanos e diferenças de valores das sociedades. É uma maneira de ver o mundo de forma sinérgica.

Cientistas no campo aceitam anseios humanos e ansiedades, e eles querem entender de onde essas emoções se originam. Exploração adicional muitas vezes os leva a perguntar como valores e emoções afetam o ambiente global. A compreensão social e política poderia estar ligada à psicologia, ética e teologia.

Os achados de outros campos geralmente são integrados em estudos de ecologia humana. Tirar informações de áreas como a biologia, antropologia, política e a psicologia contribui para a reputação interdisciplinar da metodologia. É também uma disciplina participativa, com os humanos fazendo a pesquisa atuando como parte do ecossistema que estão avaliando. Isso pode levar a uma maior visão dos valores humanos e da compreensão de pessoas com diferentes valores.

Ao se concentrar nos aspectos humanos da gestão ambiental, um grupo de pesquisa de ecologia humana observa a interação entre pessoas em um ecossistema.

Áreas de estudo específicas podem se concentrar na sustentabilidade de culturas, métodos de colheita ou biodiversidade em florestas de nações politicamente carregadas. Ao trabalhar com comunidades locais em todas as partes do mundo, o campo visa planos que beneficiam tanto humanos como não humanos.

Resumo

Uma premissa básica de uma teoria ecológica humana é a da interdependência de todos os povos do mundo com os recursos da terra. A saúde ecológica do mundo depende de decisões e ações tomadas não só pelas nações, mas também por indivíduos e famílias, um fato cada vez mais realizado.

Embora o conceito de um ecossistema familiar não seja preciso, e alguns dos termos não foram definidos de forma clara e consistente, uma perspectiva teórica ecológica humana fornece uma maneira de considerar relacionamentos complexos e multiníveis e integrar muitos tipos de dados em uma análise.

À medida que novas formas de analisar e combinar dados de dimensões qualitativas e quantitativas das variáveis interligadas, essa perspectiva teórica será mais precisa e continuará a melhorar a compreensão das realidades da vida familiar.

Ecologia humana é a interação coletiva do homem com seu meio ambiente. Influenciados pelo trabalho dos biólogos sobre a interação de organismos dentro de seus ambientes, os cientistas sociais comprometeram-se a estudar grupos humanos de forma semelhante.

Assim, a ecologia nas ciências sociais é o estudo das formas como a estrutura social se adapta à qualidade dos recursos naturais e à existência de outros grupos humanos. Quando este estudo se limita ao desenvolvimento e variação de propriedades culturais, é chamado de ecologia cultural.

A ecologia humana considera as condições biológicas, ambientais, demográficas e técnicas da vida de qualquer pessoa como uma série inter-relacionada de determinantes de forma e função em culturas humanas e sistemas sociais.

Ele reconhece que o comportamento grupal é dependente de recursos e habilidades associadas e de um corpo de crenças carregadas emocionalmente, estes juntos dão origem a um sistema de estruturas sociais.

Fonte: www.encyclopedia.com/www.wisegeek.org/www.gerrymarten.com/www.britannica.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Progestina

PUBLICIDADE O termo progestina geralmente se refere a uma forma sintética do hormônio feminino progesterona, …

Pleiotropia

Pleiotropia

PUBLICIDADE O que é pleiotropia? A pleiotropia ocorre quando um gene influencia duas ou mais características …

Pinheirais

Pinheirais

PUBLICIDADE O que são pinheirais? Os pinheiros (gênero Pinus) são espécies de coníferas da família …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.