Breaking News
Home / Biologia / Nomenclatura Binomial

Nomenclatura Binomial

PUBLICIDADE

Definição

Nomenclatura binomial é um sistema de nomenclatura em que cada espécie de animal ou planta recebe um nome de dois termos, dos quais o primeiro identifica o gênero ao qual pertence e o segundo a própria espécie.

A primeira parte de um nome científico é chamada de gênero. Um gênero geralmente é o nome de um pequeno grupo de organismos intimamente relacionados.

A segunda parte de um nome científico é o epíteto específico. É usado para identificar uma espécie em particular como separada de outras pertencentes ao mesmo gênero. Juntos, o gênero e o epíteto específico são o nome científico completo de um organismo.

As vantagens de nomes científicos sobre nomes comuns são que eles são aceitos por falantes de todas as línguas, que cada nome se aplica apenas a uma espécie e que cada espécie tem apenas um nome.

Isso evita a confusão que geralmente surge do uso de um nome comum para designar coisas diferentes em lugares diferentes, ou da existência de vários nomes comuns para uma única espécie.

Existem duas organizações internacionais para a determinação das regras da nomenclatura e o registro de nomes específicos, um para a zoologia e outro para a botânica.

De acordo com as regras que eles estabeleceram, o primeiro nome a ser publicado (a partir da obra de Linnaeus) é o nome correto de qualquer organismo, a menos que seja reclassificado de maneira a afetar esse nome (por exemplo, se for movido de um gênero para outro).

Nesse caso, regras definidas de prioridade também se aplicam.

O que é

Nomenclatura binomial é o sistema usado para identificar todos os organismos da Terra, de elefantes a algas.

Um nome binomial ou científico identifica um organismo por seu gênero e espécie, garantindo que todos entendam qual organismo está sendo discutido.

A nomenclatura binomial se encaixa dentro da estrutura mais ampla da taxonomia, a ciência de categorizar organismos vivos e atribuir traços a eles para entender os elos e as diferenças entre eles.

O nome científico de um organismo pode ser considerado seu nome definitivo, com nomes científicos sendo entendidos por cientistas de todo o mundo.

Você também pode ouvir nomes científicos sendo chamados de “nomes latinos”, em uma referência ao uso pesado do latim na taxonomia.

No entanto, também é comum ver nomes em latim, geralmente honrando a pessoa que descobriu a organização ou a região em que foi descoberta; por exemplo, Branta canadensis é o ganso canadense.

O grego também é usado em nomes científicos, muitas vezes misturados ao latim, o que leva alguns eruditos clássicos às lágrimas.

O sistema de nomenclatura binomial foi desenvolvido por Carolus Linnaeus, um cientista do século 18 que tentou codificar o mundo natural com um sistema taxonômico.

Vários sistemas taxonômicos haviam sido usados antes deste ponto, mas Linnaeus estabeleceu um sistema flexível e fácil de usar, que pegou rapidamente.

A taxonomia era na verdade bastante indisciplinada até o século XIX, quando as pessoas começaram a estabelecer códigos e organizações para supervisionar o campo da taxonomia. Quando novos organismos são descobertos, eles são relatados a essas organizações para garantir que a descoberta seja de fato nova, permitindo que um novo nome seja gerado.

Pode ser útil conhecer algumas das convenções usadas em relação à nomenclatura binomial.

Por exemplo, nomes científicos sempre são dados com o gênero em maiúscula, em itálico, assim: Espécie de gênero.

Em revistas científicas, é dado crédito à pessoa que descobriu o organismo entre parênteses após a primeira listagem do nome científico, assim: Exemplo animal (Jones, 1997).

Quando o nome comum de um organismo é dado, o nome científico segue entre parênteses, como neste exemplo: “O Wombat comum (Vombatus ursinus) vive na Austrália”.

O nome do gênero é sempre escrito, a menos que você mencione o nome científico de um organismo mais de uma vez em um documento escrito; nesse caso, você pode transformá-lo em uma inicial, assim: “A biologia da lula gigante atlântica Architeuthis dux é ainda não totalmente compreendido, mas os cientistas esperam que novos estudos sobre A. dux e seu primo, a lula gigante do sul (A. sanctipauli), forneçam mais informações sobre essas criaturas fascinantes. ”Usos comuns como” E. coli “são desaprovados pelo convenções da nomenclatura binomial, com os cientistas preferindo ver Escherichia coli escrita em qualquer discussão sobre essa bactéria fascinante.

Em zoologia, a taxonomia é supervisionada pela Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica, com organismos equivalentes para botânica, bactérias e vírus.

Todos esses grupos aplicam regras e códigos específicos aos nomes científicos que supervisionam, garantindo uniformidade em seus campos.

A taxonomia também não é de forma alguma imutável; organismos podem se mover entre gêneros, por exemplo, à medida que mais informações são coletadas sobre eles.

Importância da Nomenclatura Binomial

Antes que Linnaeus aparecesse e simplificasse as coisas, as plantas usualmente tinham muitos nomes latinos longos e descritivos, dificultando o aprendizado e a memorização.

Os nomes também foram alterados com base na vontade do botânico que descreve a planta. Não havia nomes universais para cada planta, então as pessoas em todo o mundo não podiam ter certeza de que estavam falando das mesmas plantas.

Uma vez que as plantas receberam nomes específicos, muitos benefícios foram vistos:

1. Esclarecimento – cada planta tinha um nome exclusivo que era específico para essa planta.
2. Universal – todos usaram o mesmo nome para identificar a planta específica.
3. Educação – os nomes das plantas eram mais fáceis de lembrar e aprender.
4. Classificação – as plantas foram mais facilmente categorizadas e as categorias mais fáceis de entender.

Resumo

Nomenclatura binomial é o sistema de organismos cientificamente nomeados, desenvolvido por Carl Linnaeus.

Linnaeus publicou uma grande obra, Systema Naturae (O Sistema da Natureza), na qual Linnaeus tentou identificar todas as plantas e animais conhecidos. Este trabalho foi publicado em várias seções entre 1735 e 1758 e estabeleceu as convenções da nomenclatura binomial, que ainda são usadas hoje.

A nomenclatura binomial foi estabelecida como uma maneira de trazer clareza às discussões sobre organismos, evolução e ecologia em geral.

Sem um sistema formalizado para nomear organismos, a discussão sobre eles, mesmo entre colegas que falam a mesma língua, torna-se quase impossível.

O número de nomes coloquiais diferentes para uma única espécie pode ser impressionante.

Cada nome científico na nomenclatura binomial consiste em dois nomes, também chamados de descritores ou epítetos.

A primeira palavra é o epíteto genérico e descreve o gênero ao qual um animal pertence.

A segunda palavra é o epíteto específico e refere-se às espécies do organismo. Normalmente, as palavras têm uma base latina e descrevem o gênero ou espécie com referências a características específicas do grupo.

Quando escrito, o texto de um nome científico geralmente está em itálico ou sublinhado, para esclarecer que é um nome científico escrito na nomenclatura binomial.

O epíteto genérico é sempre maiúsculo, enquanto o epíteto específico é escrito em letras minúsculas. Em alguns documentos mais antigos, ambos podem estar em maiúsculas. Normalmente, o nome completo deve ser gravado.

No entanto, ao discutir muitas espécies do mesmo gênero, o nome genérico às vezes é abreviado para a primeira letra, ainda em maiúscula.

O epíteto genérico da nomenclatura binomial refere-se à hierarquia taxonômica dos organismos, gênero, de cada organismo.

Esta é uma pista sobre as origens, evolução e história de vida do organismo.

Gêneros, que residem em famílias, compartilham os traços dessas famílias. Por sua vez, as famílias residem em ordens, que também têm características próprias. Isso continua na hierarquia, até os quatro domínios da vida, cada um deles distinguido por suas próprias características.

Embora uma espécie possa perder algumas ou a maioria de suas características ancestrais, a nomenclatura binomial facilita o controle dessas relações no contexto mais amplo da taxonomia.

Em alguns organismos, as espécies são divididas em subespécies ainda menores, que são apresentadas após o nome da espécie. Embora isso aumente o número de nomes, ele pode criar ainda mais especificidade quando necessário. Atualmente, muitos organismos estão evoluindo e com rapidez suficiente para a necessidade de múltiplas designações de subespécies.

Na literatura científica, o primeiro cientista a descrever a espécie é freqüentemente observado após o nome científico.

Essa prática aumenta a “autoridade” sobre um nome científico e aumenta a clareza com que os cientistas podem descrever e discutir organismos na literatura. Essa prática até documenta quando os nomes foram alterados, o que ajuda a evitar confusão e incerteza nos papéis.

Fonte: biologydictionary.net/www.merriam-webster.com/www2.nau.edu/www.wisegeek.org/study.com/brilliant.org/christianherbal.org/www.newworldencyclopedia.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Neurobiologia

Neurobiologia

PUBLICIDADE Definição Neurobiologia é o estudo de células do sistema nervoso e a organização dessas …

Esporos

PUBLICIDADE Definição Os esporos são a unidade reprodutiva unicelular de plantas não-florescentes, bactérias, fungos e …

Evolução Convergente

Evolução Convergente

PUBLICIDADE Definição de Evolução Convergente Evolução convergente é o processo no qual organismos que não estão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.