Breaking News
Home / Biologia / Histamina

Histamina

PUBLICIDADE

Histamina – Definição

A histamina é o produto químico que se encontra dentro e libertado pelos mastócitos que pode conduzir a certos sintomas, dependendo de que parte do corpo onde ocorre a libertação de histamina:

Nariz: nariz escorrendo
Olhos: coceira, aguado
Garganta: ferida, arranhada

histamina é um mediador do sistema imunológico ou, mais simplesmente, um mensageiro químico que ajuda a resposta do seu corpo direto a um invasor estrangeiro.

Fórmula: C5H9N3

Histamina – O que é

A histamina é uma substância química produzida pelo corpo que auxilia na resposta imunológica e atua como um neurotransmissor. Em resposta a patógenos estranhos no corpo, esse produto químico é produzido por basófilos, um tipo de glóbulo branco, e mastócitos, células do tecido conjuntivo com características semelhantes aos basófilos.

A histamina ajuda a combater a infecção, tornando os capilares mais permeáveis aos glóbulos brancos que combatem os patógenos.

Quatro tipos de receptores de histamina, que interagem com a histamina liberada para produzir uma reação, foram descobertos no corpo. Os receptores H1 são encontrados no tecido muscular liso dos órgãos internos, nos vasos sanguíneos que revestem o endotélio e no tecido do sistema nervoso central. A interação da histamina com esses receptores é responsável por urticária, coceira e inchaço devido a picadas de insetos e reações alérgicas semelhantes e rinite alérgica ou sintomas semelhantes aos do resfriado devido à reação alérgica. Os receptores H2 estão localizados nas células parietais no revestimento do estômago e estimulam a secreção de ácido gástrico quando ativados; este processo é uma parte normal da função biológica e não uma resposta a patógenos.

Os receptores H3 estão localizados no tecido do sistema nervoso central e parietal e são responsáveis pela diminuição da liberação de neurotransmissores, incluindo acetilcolina, histamina, norepinefrina e serotonina.

Os receptores H4 estão localizados nos basófilos, medula óssea, timo, intestino delgado, baço e cólon. Eles desempenham um papel na quimiotaxia, o movimento das células do corpo em reação a uma substância química em seu ambiente.

Além de seu papel na resposta imunológica, a histamina ajuda a regular uma série de processos no corpo. Ela auxilia na função digestiva do estômago, conforme mencionado acima, e ajuda a produzir um orgasmo por meio dos mastócitos nos órgãos genitais. A histamina também ajuda a regular o sono, pois o corpo produz mais ao acordar e menos à medida que o ciclo do sono prossegue.

Por esse motivo, os anti-histamínicos podem ajudar a pessoa a adormecer, limitando a liberação do produto químico.

Histamina – Formas

histamina é uma amina biogênica envolvidos nas respostas imunitárias locais, bem como a regulação da função fisiológica no intestino e atuando como um neurotransmissor.

A histamina provoca a resposta inflamatória.

Como parte de uma resposta imunitária aos agentes patogênicos estranhos, a histamina é produzida por basófilos e dos mastócitos encontrados em tecidos conjuntivos próximos.

histamina aumenta a permeabilidade dos capilares para as células brancas do sangue e outras proteínas, a fim de lhes permitir exercer invasores estranhos nos tecidos afetados.

É encontrado em praticamente todas as células do corpo dos animais.

Formas de histamina incolor em cristais higroscópicos que fundem a 84 ° C, e são facilmente dissolvido em água ou etanol, mas não em éter.

Em solução aquosa de histamina existe em duas formas tautoméricas: N”” p-H-histamina e” N t-H”-histamina.

A histamina tem dois centros básicos, ou seja, o grupo amino alifático e qualquer átomo de azoto do anel imidazol não tiver um protão.

Sob condições fisiológicas, o grupo amino alifático (tendo um valor de pKa em torno de 9,4) será protonada, ao passo que o segundo azoto do anel imidazol (pKa 5,8) não será protonada.

Deste modo, a histamina é habitualmente protonado a um catião carregada isoladamente.

A histamina é derivada da descarboxilação do aminoácido histidina, numa reação catalisada pela enzima L-histidina descarboxilase. É uma amina vasoativa hidrofílico.

Uma vez formada, a histamina é armazenada ou rapidamente inativada.

histamina liberada nas sinapses é decomposta por acetaldeído desidrogenase.

É a deficiência desta enzima que provoca uma reação alérgica como nas sinapses.

A histamina é discriminado por histamina-N-metiltransferase e diamina oxidase.

Algumas formas de doenças transmitidas por alimentos, as chamadas “intoxicações alimentares,” devem-se à conversão de histidina em histamina em alimentos estragados, como peixes.

Síntese e Armazenamento: a histamina é uma amina básica formada a partir da histidina pela histidina descarboxilase. É encontrada na maioria dos tecidos do corpo, porém está presente em altas concentrações no pulmão, na pele e no trato gastrointestinal. Em nível celular é encontrada em grande parte, em mastócitos e basófilos, entretanto, a histamina não-mastocitária ocorre em histaminócitos no estômago e em neurônios histaminérgicos. Nos mastócitos e basófilos, a histamina é conservada em grânulos intracelulares, num complexo com uma proteína ácida e uma heparina.

Liberação de Histamina: é liberada por mastócitos por exocitose durante as reações inflamatórias ou alérgicas. A secreção é desencadeada por uma elevação do Ca++ citossólico.

Receptores de Histamina: a histamina exerce a sua ação através de um efeito sobre receptores histamínicos específicos que são de 3 tipos principais: h6, H2 e h2.

Ações:

Na secreção gástrica: estimula a secreção de ácido gástrico através de sua ação sobre os receptores H2.
Na musculatura lisa: 
provoca contração do músculo liso do íleo, dos brônquios e bronquíolos e útero através de sua ação sobre os receptores h6.
No coração:
 faz a dilatação dos vasos sanguíneos através de sua ação sobre receptores h6 e aumenta a freqüência e o débito cardíaco através de sua ação sobre os receptores H2.
Aumento da permeabilidade capilar, pela ação em receptores h6
Aumento da liberação de catecolaminas da medula da adrenal

Histamina – Reação Alérgica

Histamina

histamina – uma substância química encontrada em algumas das células do corpo – causa muitos dos dos sintomas de alergias, como coriza ou espirros.

Quando a pessoa é alérgica a uma substância em particular, tal como um alimento ou de pó, o sistema imunológico erroneamente acredita que esta substância normalmente inofensiva, na verdade, é prejudicial para o organismo.

Numa tentativa de proteger o corpo, o sistema imunitário começa a uma reação em cadeia que solicita algumas das células do organismo para libertar histamina e outros produtos químicos para a corrente sanguínea.

histamina, em seguida, age sobre os olhos de uma pessoa, nariz, garganta, pulmões, pele, ou do trato gastrointestinal, causando os sintomas da alergia.

Você provavelmente já ouviu falar de medicamentos anti-histamínico – estes ajudam a combater os sintomas causados pela liberação de histamina durante uma reação alérgica.

O QUE A HISTAMINA FAZ

A liberação de histamina (hist = porque é composta de resíduos de histidina, amina = porque é uma amina vasoativas) provoca vários sintomas alérgicos.

1) Ela contribui para uma resposta inflamatória.
2)
 provoca a constrição do músculo liso.

histamina pode provocar inflamação direta, bem como indiretamente.

Após a libertação de histamina por mastócitos ativados um antígeno, a permeabilidade dos vasos próximos ao local aumenta. Assim, os fluidos do sangue (incluindo leucócitos, que participam nas respostas imunes) entram na área, causando inchaço. Isto é conseguido devido a capacidade de histamina para induzir a fosforilação de uma proteína de adesão intercelular (chamado (VE)-caderina) encontrado em células endoteliais vasculares (Andriopoulou et al, 1999).

Após a libertação de histamina por mastócitos ativados um antígeno, a permeabilidade dos vasos próximos ao local aumenta. Assim, os fluidos do sangue (incluindo leucócitos, que participam nas respostas imunes) entram na área, causando inchaço. Isto é conseguido devido a capacidade de histamina para induzir a fosforilação de uma proteína de adesão intercelular (chamado (VE)-caderina) encontrado em células endoteliais vasculares (Andriopoulou et al, 1999).

É por isso que a histamina é conhecido como sendo vasoativo. Lacunas entre as células do tecido vascular são criados por esta fosforilação, permitindo que os fluidos do sangue a infiltrar-se no espaço extracelular. Indiretamente, a histamina contribui para a inflamação por afetar as funções de outros leucócitos na área.

Tem sido sugerido por Marone et al que a liberação de histamina provoca a liberação de citocinas e mediadores inflamatórios por alguns leucócitos vizinhos (1999). Estes produtos químicos, por sua vez aumentam a resposta inflamatória.

Segundo tipo de resposta alérgica é uma das principais causas para a asma. Em resposta a um alérgeno (uma substância que desencadeia uma reação alérgica), histaminica, juntamente com outros produtos químicos, provoca a contração do músculo liso (Schmidt et al 1999). Consequentemente, os músculos ao redor das vias aéreas se contraem, causando falta de ar e possivelmente completa o fechamento traqueal, uma condição com risco de vida, obviamente.

Se os efeitos da histamina durante uma reação alérgica são inibidas, a vida de uma pessoa alérgica pode ser facilitado (no caso de inflamação), ou mesmo guardado, prevenindo ou reduzindo os ataques de asma.

Felizmente, muitos medicamentos eficazes foram desenvolvidas para impedir atividades de resposta alérgica de histamina.

Quais são os diferentes efeitos da histamina no corpo?

As histaminas são um tipo de proteína armazenada no corpo responsável pela identificação e eliminação de alérgenos e outros corpos estranhos. Normalmente, os efeitos da histamina atuam de três maneiras.

Em primeiro lugar, a histamina afeta a taxa de inflamação no corpo, tanto por meio de um aumento na permeabilidade dos vasos sanguíneos circundantes, quanto pela liberação de células citocinas.

A histamina também afeta comumente a quantidade e o tipo de produção de muco no corpo. Além disso, a pesquisa também descobriu que a histamina afeta os músculos lisos do corpo, que é um dos principais contribuintes para os ataques de asma; o endurecimento dos músculos lisos das vias respiratórias e a diminuição do fluxo de ar para os pulmões podem ser muito graves e até mesmo potencialmente fatais.

Um dos efeitos mais comuns da histamina no corpo é a inflamação. Quando as histaminas são liberadas em uma parte específica do corpo, elas produzem um aumento na permeabilidade nos vasos sanguíneos circundantes. Isso resulta em um aumento no fluxo sanguíneo e nas células do sistema imunológico, o que leva ao inchaço. Além disso, a exposição à histamina desencadeia a liberação de células citocinas, que viajam para os leucócitos circundantes e desencadeiam um aumento no inchaço e inflamação na parte afetada do corpo.

Outro efeito comum da histamina inclui um aumento na produção de muco. No corpo, existem dois tipos distintos de receptores de histamina, comumente conhecidos como receptores H1 e H2.

Durante a ativação do receptor H1, ocorre um aumento na produção de muco na tentativa de prender o alérgeno que está causando a liberação de histamina. Em contraste, durante a ativação do H2, ocorre um aumento na espessura do muco produzido pelo corpo. O corpo está tentando facilitar que corpos estranhos e alérgenos fiquem presos no muco e sejam excretados.

A histamina também pode afetar seriamente a capacidade dos músculos lisos do corpo de funcionar normalmente.

Pesquisas descobriram que o efeito da histamina nesses músculos está intimamente ligado a ataques de asma. Na maioria dos casos, quando um alérgeno entra no corpo e ocorre uma liberação subsequente de histamina, os músculos lisos circundantes se contraem em uma tentativa de permitir que as histaminas funcionem adequadamente e auxiliem na excreção da partícula estranha do corpo.

Quando um corpo estranho entra nas vias aéreas e o efeito da histamina começa a ocorrer, os músculos lisos circundantes se contraem. Isso limita o fluxo de ar para os pulmões e pode resultar em um ataque de asma.

Fonte: www.bio.davidson.edu/www.wisegeek.com/www.news-medical.net/www.udesc.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.