Breaking News
Home / Biologia / Clonagem

Clonagem

PUBLICIDADE

Definição de Clonagem

Clonagem é o desenvolvimento de uma cópia geneticamente idêntica de um indivíduo.

Gêmeos univitelinos (idênticos, gerados a partir da divisão de um embrião) são clones naturais.

A clonagem é frequentemente encontrada na natureza: genes, células e plantas se clonam. Gêmeos idênticos são um exemplo de um clone que ocorre naturalmente.

O termo clonagem descreve vários processos diferentes que podem ser usados para produzir cópias geneticamente idênticas de uma entidade biológica. O material copiado, que tem a mesma composição genética do original, é denominado clone. Os pesquisadores clonaram uma ampla gama de materiais biológicos, incluindo genes, células, tecidos e até organismos inteiros, como uma ovelha.

Clones são organismos que são cópias genéticas exatas. Cada pedaço de seu DNA é idêntico.

Os clones podem acontecer naturalmente – gêmeos idênticos são apenas um de muitos exemplos. Ou eles podem ser feitos no laboratório.

O que é clonagem?

clonagem é a produção assexuada de uma cópia exata de um original. Assim, por exemplo, pode-se usar a clonagem para produzir a cópia exata de uma única célula.

A cópia da célula seria idêntica à primeira célula e teria a mesma sequência exata de DNA.

Em muitos casos, a clonagem tem sido usada para reproduzir células específicas de tipo.

Em alguns casos, a clonagem de um organismo individual, como a ovelha Dolly, foi possível.

A ovelha Dolly foi clonada em 1996

Ao contrário da reprodução que envolve dois “pais”, como uma planta masculina e outra feminina, a clonagem tem um único pai. Isso é freqüentemente usado na reprodução de certas plantas.

Certas plantas passaram por processos de clonagem por milhares de anos, mas não participam dos debates éticos que envolvem a clonagem de animais, principalmente de humanos.

Por exemplo, a clonagem reprodutiva de animais foi tentada pela primeira vez na década de 1950. A maioria identifica a ovelha Dolly, clonada em 1996.

O pai de Dolly teve seu DNA transferido para um óvulo que teve seu núcleo removido. Isso é chamado de transferência nuclear de células somáticas.

A célula foi então tratada com produtos químicos e estimulada a crescer de forma que uma réplica quase exata da ovelha clonada nasceu.

Na verdade, Dolly não era um clone preciso de seu pai. Ela compartilhava o mesmo DNA, mas alguns dos materiais genéticos da célula doadora também se tornaram parte da linhagem de Dolly. Isso é apenas 0,01% do DNA de Dolly, mas faz uma diferença insignificante.

A clonagem que resultou em Dolly não foi exatamente simples. Na verdade, foram necessários 277 óvulos de doadores e a produção de 29 embriões antes que um nado vivo fosse alcançado.

Os experimentos de clonagem de bezerros com transferência de núcleo de células somáticas prosperaram menos de 1% do tempo.

No entanto, a ideia de clonar humanos ainda permanece. Enquanto muitas pessoas acham que clonar tecido humano, como para órgãos para transplante, pode ser valioso, muitos outros acham que clonar um ser humano inteiro é antiético.

Alguns cientistas sem filiação religiosa também acreditam que as questões éticas que podem ser engendradas no prolongamento da vida por meio de tecidos clonados precisam de um exame mais aprofundado.

Do ponto de vista moral, muito tem a ver com a forma como alguns clones reprodutivos são feitos. Muitos acreditam que um embrião, mesmo quando simplesmente fertilizado com espermatozóide e óvulo, é humano e, portanto, não deve ser destruído. A experimentação de embriões para produzir clones freqüentemente resulta na morte do embrião. Além disso, alguns acham que embriões clonados podem ser usados especificamente para colher partes de corpos ou depois de mortos.

Outros ainda acham que a coleta de células-tronco de um embrião também é errada, ou que criar embriões com o propósito de colher células-tronco é antiético.

Outros argumentam que a pesquisa com células-tronco pode apontar o caminho para a cura de doenças para as quais atualmente não há cura. Deve-se notar, entretanto, que menos pessoas se opõem à ideia de clonar uma parte do corpo do que clonar um ser humano.

Outros estão preocupados com a clonagem de animais extintos ou ameaçados de extinção. Na verdade, o romance Jurassic Park de Michael Crichton tratou desse tema extensivamente.

Especialmente porque o DNA real de um dinossauro foi encontrado recentemente, em abundância suficiente para clonar, alguns cientistas estão preocupados com o impacto ambiental que pode resultar da reprodução de uma espécie morta há muito tempo.

Em alguns países, a pesquisa com células-tronco foi interrompida, quando envolve a clonagem de embriões humanos. Outros cientistas investigam a possibilidade de encontrar células-tronco em outros lugares, como no sangue do cordão umbilical de recém-nascidos. Suspeita-se que alguns países podem estar tentando clonar um ser humano completo, mas ainda não o fizeram.

Embora a clonagem seja muito notícia, ainda é uma ciência imperfeita, com mais fracassos do que sucessos no momento.

Isso sugere que os cientistas podem não compreender totalmente todos os mecanismos envolvidos na criação de uma cópia exata de outro organismo.

Com pesquisas adicionais, tais mecanismos podem ser compreendidos e abrir caminho para a produção de clones. No entanto, fazer isso provavelmente resultará em contínua controvérsia.

Como funciona o processo de clonagem?

ClonagemClonagem

As cópias possuem todas as características físicas e biológicas de seu pai genético. Os cientistas isolaram uma célula e retiraram dela o seu núcleo, assim, juntou-se uma célula a outra e, em seguida, ocorreu a duplicação de ambas, e assim sucessivamente até constituírem um ser.

Por que clonar?

Imagina-se que tal necessidade advém da vontade de reproduzir características de excelência de determinados exemplares de uma espécie em outros menos dotados.

Este tipo de clonagem reprodutiva é amplamente aplicada na agricultura e na pecuária, obtendo-se, por exemplo, vacas que produzem mais leite e melhor carne.

É possível clonar pessoas?

Teoricamente sim. Porém, a tecnologia de clonagem ainda é nova e não oferece segurança. Para que a ovelha Dolly nascesse foi necessário fazer 277 tentativas.

Hoje, já há dezenas de animais clonados, mas quase todos têm saúde frágil.

Quais são os pais biológicos de um clone?

Os mesmos da pessoa cujo DNA foi copiado.

Qual é a diferença entre a clonagem reprodutiva e a terapêutica?

Enquanto a primeira almeja a criação de bebês que sejam cópias de uma determinada pessoa, a segunda tem objetivos médicos. Não se trata de criar um bebê, e sim colônias de células.

O propósito da clonagem terapêutica é a multiplicação de células de uma pessoa para uso no desenvolvimento de tecidos e órgãos. A clonagem terapêutica promete acabar com as filas de transplantes.

Como nasceu a ovelha Dolly

ClonagemOvelha Dolly

Para entender o processo da clonagem, é preciso saber um pouco de genética.

Existem dois tipos de células: as germinativas (reprodutivas – óvulos e espermatozóides) e as somáticas, que são todas as outras. A clonagem é feita a partir desses dois tipos de células.

Cada animal doa uma célula: um cede o núcleo (DNA) de uma célula somática, recebido pelo outro animal em uma célula germinativa, o óvulo. Na Dolly, o núcleo foi retirado de uma célula da glândula mamária. “Um óvulo possui somente metade das informações genéticas. A outra parte vem do espermatozóide”. Por isso, na clonagem, o DNA precisa ser retirado de uma célula somática, que possui todas as informações genéticas do animal a ser clonado – as do óvulo e as do espermatozóide.

Durante uma gravidez normal, o óvulo vai multiplicando-se em várias células que copiam o material genético completo para fazer um ser humano. Em certa etapa, essas células idênticas diferenciam-se.

Algumas ligam genes de célula de pele, outras as de sangue e assim por diante. O que os cientistas ainda não conseguiram entender é por que uma célula de glândula mamária, no caso da Dolly, conseguiu voltar à sua antiga função e tornar-se, de repente, uma célula-mãe que gerou outro ser vivo.

Clone é como um gêmeo idêntico

Um clone é uma cópia exata de uma planta ou animal, com todas as características genéticas do ser original, inclusive os defeitos.

Não é preciso um laboratório ou equipamentos caros para criar um clone. É sabido que é possível obter várias mudas idênticas geneticamente apenas plantando ramos retirados de alguns tipos de plantas (como uma roseira, por exemplo). A sua mãe e avó já devem ter feito isto algumas vezes.

Várias industrias que trabalham com produção de papel usam esta técnica para conseguir mudas de árvores que produzam bastante celulose e que sejam resistentes a pragas.

Alguns animais possuem um extraordinário poder de regeneração. A planária, verme platelminto, pode ter sua cabeça cortada e mesmo assim não morrerá, pois a cabeça pode regenerar um corpo novo e vice versa.

Podemos ter assim um clone deste animal no laboratório do Santa Úrsula durante nossas aulas de biologia.

A técnica de clonagem ainda não foi totalmente dominada pelos cientistas.

Dos 276 óvulos que receberam o DNA de uma ovelha adulta, apenas 29 sobreviveram para serem colocados no útero das ovelhas. Destes 29 embriões, somente Dolly conseguiu nascer saudável. Os outros clones, que foram abortados, tinham anormalidades.

Dolly continua bem, mas com um único defeito: as pontas de seus cromossomos – material que está dentro das células -, os chamados telômeros, são curtas demais para sua idade.

Isso aconteceu porque o DNA tirado da ovelha que originou Dolly era de um adulto.

Como o telômero encurta com o passar do tempo e Dolly herdou o código genético de um adulto, essa deficiência foi notada. Seus cromossomos indicam uma idade que Dolly ainda não alcançou.

Quando a técnica defendem apenas a clonagem terapêutica, que é a aplicação do conhecimento da técnica para curar e tratar doenças sem gerar um bebê.

Os cientistas acreditam que todas as células do nosso corpo têm informações para fazer um ser vivo.

Quando eles conseguirem entender como funcionam nossas células, será possível consertar órgãos e tecidos danificados. “As células de um rim doente, por exemplo, ainda têm a receita para fazer um rim saudável”.

“Por que as pessoas não regeneram partes do corpo como as lagartixas quando têm seu rabo cortado?”

A clonagem, por meio da manipulação de células de um embrião humano, é um caminho para chegar a uma resposta.

Os cientistas acham que deve haver cautela para que essa manipulação não crie um tráfico de óvulos, necessários para gerar os embriões.

Clonagem – Resumo

clonagem é uma técnica que os cientistas usam para fazer cópias genéticas exatas de seres vivos. Genes, células, tecidos e até animais inteiros podem ser clonados.

Alguns clones já existem na natureza. Organismos unicelulares como as bactérias fazem cópias exatas de si mesmos cada vez que se reproduzem. Em humanos, gêmeos idênticos são semelhantes a clones.

Eles compartilham quase exatamente os mesmos genes. Gêmeos idênticos são criados quando um óvulo fertilizado se divide em dois.

Os cientistas também fazem clones em laboratório. Frequentemente, clonam genes para estudá-los e entendê-los melhor. Para clonar um gene, os pesquisadores pegam DNA de uma criatura viva e o inserem em um portador como uma bactéria ou levedura. Cada vez que esse portador se reproduz, uma nova cópia do gene é feita.

Os animais são clonados de duas maneiras.

O primeiro é chamado de geminação de embriões. Os cientistas primeiro dividiram um embrião ao meio. Essas duas metades são então colocadas no útero da mãe.

Cada parte do embrião se desenvolve em um animal único, e os dois animais compartilham os mesmos genes.

O segundo método é denominado transferência nuclear de células somáticas. As células somáticas são todas as células que constituem um organismo, mas que não são espermatozoides ou óvulos.

Espermatozóides e óvulos contêm apenas um conjunto de cromossomos e, quando se unem durante a fertilização, os cromossomos da mãe se fundem com os do pai. As células somáticas, por outro lado, já contêm dois conjuntos completos de cromossomos. Para fazer um clone, os cientistas transferem o DNA de uma célula somática de um animal para uma célula-ovo que teve seu núcleo e DNA removidos.

O óvulo se desenvolve em um embrião que contém os mesmos genes do doador de células. Em seguida, o embrião é implantado no útero de uma fêmea adulta para crescer.

Em 1996, cientistas escoceses clonaram o primeiro animal, uma ovelha que chamaram de Dolly. Ela foi clonada usando uma célula de úbere retirada de uma ovelha adulta. Desde então, os cientistas clonaram vacas, gatos, veados, cavalos e coelhos. Eles ainda não clonaram um humano, no entanto. Em parte, isso ocorre porque é difícil produzir um clone viável. Em cada tentativa, pode haver erros genéticos que impedem o clone de sobreviver. Os cientistas precisaram de 276 tentativas para acertar em Dolly. Existem também preocupações éticas quanto à clonagem de um ser humano.

Os pesquisadores podem usar clones de várias maneiras. Um embrião feito por clonagem pode ser transformado em uma fábrica de células-tronco.

As células-tronco são uma forma inicial de células que podem se transformar em muitos tipos diferentes de células e tecidos.

Os cientistas podem transformá-los em células nervosas para consertar uma medula espinhal danificada ou células produtoras de insulina para tratar o diabetes.

A clonagem de animais tem sido usada em várias aplicações diferentes. Animais foram clonados com mutações genéticas que ajudam os cientistas a estudar doenças que se desenvolvem nos animais.

Animais como vacas e porcos foram clonados para produzir mais leite ou carne.

Os clones podem até “ressuscitar” um querido animal de estimação que morreu. Em 2001, um gato chamado CC foi o primeiro animal de estimação a ser criado por meio de clonagem.

A clonagem pode um dia trazer de volta espécies extintas, como o mamute peludo ou o panda gigante.

Fonte: www.biologia-ar.hpg.ig.com.br/www.genome.gov/learn.genetics.utah.edu/www.wisegeek.org/www.geocities.com/www.scientia.hpg.ig.com.br/www.lincx.com.br/www.bionetonline.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.