Breaking News
Home / Biologia / Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE

Definição

Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de um ecossistema.

Um bioindicador é um organismo vivo que nos dá uma ideia da saúde de um ecossistema.

Alguns organismos são muito sensíveis à poluição em seu ambiente, portanto, se houver poluentes presentes, o organismo pode mudar sua morfologia, fisiologia ou comportamento, ou até mesmo morrer.

Um exemplo de bioindicador são os líquenes. Essas plantas, que vivem em superfícies como árvores, rochas ou solo, são muito sensíveis às toxinas do ar.

Isso ocorre porque eles obtêm seus nutrientes principalmente do ar. Podemos dizer que nossas florestas têm ar puro pela quantidade e tipos de líquenes nas árvores.

Diferentes espécies de líquen têm diferentes níveis de suscetibilidade à poluição do ar, então também podemos ter uma ideia do nível de poluição observando quais espécies estão presentes.

Bioindicador
Líquens crescendo na rocha

Bioindicadores que ocorrem naturalmente são usados para avaliar a saúde do meio ambiente e também são uma ferramenta importante para detectar mudanças no meio ambiente, sejam positivas ou negativas, e seus efeitos subsequentes na sociedade humana.

Existem certos fatores que governam a presença de bioindicadores no ambiente, como transmissão de luz, água, temperatura e sólidos em suspensão.

Por meio da aplicação de Bioindicadores podemos prever o estado natural de uma determinada região ou o nível/grau de contaminação (Khatri & Tyagi 2015).

As vantagens associadas ao uso de bioindicadores são as seguintes:

Os impactos biológicos podem ser determinados.

Para monitorar os impactos sinergéticos e antagônicos de vários poluentes em uma criatura.

O diagnóstico em estágio inicial, bem como os efeitos nocivos das toxinas às plantas, bem como aos seres humanos, podem ser monitorados.

Podem ser facilmente contados, devido à sua prevalência.

Alternativa economicamente viável quando comparada com outros sistemas de medição especializados.

Bioindicador – Bioindicação

A bioindicação da qualidade do ar é o uso de organismos sensíveis a um determinado poluente com efeitos macroscopicamente ou microscopicamente visíveis para avaliar a qualidade do ar.

A bioindicação fornece informações semiquantitativas sobre a contaminação atmosférica e permite avaliar diretamente os impactos ambientais dos poluentes.

A observação de organismos bioindicadores geralmente complementa os dispositivos de medição automática ou orienta a escolha das moléculas a serem analisadas.

Na ecologia, são espécies vegetais ou animais ou grupo de espécies (grupo eco-sociológico) ou grupo de plantas cuja presença fornece informações sobre certas características físico-químicas ou biológicas do meio ambiente ou sobre o impacto de certas práticas.

Bioindicador
Líquens nas árvores da floresta

Bioindicador – O que é

Um bioindicador é um indicador constituído por uma planta, espécie fúngica ou animal ou um grupo de espécies (grupo eco-sociológico) ou grupo de plantas cuja presença ou condição fornece informações sobre determinadas características. ecológica (isto é, físico-química, pedológica, microclimática, biológica ou funcional) do meio ambiente ou sobre o impacto de certas práticas.

Uma espécie sentinela, também chamada de sentinela ecológica, reage rapidamente às mudanças nas condições ambientais. Devido ao seu caráter de bioindicador sensível, esta espécie é frequentemente escolhida para estudos de biomonitoramento em particular como forma de alerta de degradação mesológica).(diagnóstico ambiental, monitoramento ecológico de ambientes,

A ideia de que a qualidade da paisagem e a riqueza de certas espécies vegetais ou animais indicam uma qualidade geral do meio ambiente não é nova. J. Perrève, ex-promotor público e juiz, escreveu em 1845: “A natureza plantou em todos os lugares do globo as plantas adequadas para a alimentação de seus habitantes; e toda a existência animal depende privadamente da riqueza do reino vegetal ”. Estabeleceu claramente um vínculo de dependência da fauna com a flora.

A utilização racional e científica da bioindicação é, no entanto, recente, nomeadamente com a bioavaliação ambiental (monitorização do estado do meio ambiente, ou eficácia de medidas compensatórias ou restaurativas).

O solo é um recurso não renovável que deve ser protegido porque dele dependem as nossas atividades. Atualmente, está se deteriorando em um ritmo acelerado.

A proteção e gestão da qualidade do solo requerem um conjunto de indicadores que forneçam informações sobre a sua degradação e/ou restauração das suas propriedades e funções.

Bioindicador
Azedinha ou Vinagreira

Princípios

O princípio é observar os efeitos biológicos ou ecossistêmicos, ao nível do indivíduo e/ou populações ou ecossistemas (ao nível da biosfera ou possivelmente de grandes biomas).

Esses efeitos devem ser mensuráveis pela observação de vários graus de alterações morfológicas, comportamentais, teciduais ou fisiológicas (crescimento e reprodução), levando em casos extremos à morte desses indivíduos ou ao desaparecimento de uma população.

Cada espécie ou grupo de espécies possui um biótopo primário.

Sabemos por exemplo que:

a erva-de-bico cresce mais em solos equilibrados, enquanto a ambrósia se prolifera em solos não estruturados ou salgados (uma vez que seu biótopo primário consiste em regiões áridas onde o solo não é estruturado e onde o sal freqüentemente aumenta);
liquens são bioindicadores eficazes de certa poluição do ar nas florestas ou nas cidades. Outros indicadores buscarão medir os efeitos sobre a biodiversidade do manejo (ou não manejo) de ambientes naturais;

Azeda-de-ovelha (Rumex Acetosella). também conhecida com outros nomes como: azeda, vinagreira, azeda-de-ovelha e língua-de-vaca indica solos muito pobres em argila e húmus, muito seca, muito mal fértil, enquanto ovelhas azeda (Rumex acetosa) indica equilibrado, solos muito férteis.

Propriedades de um bom bioindicador

Deve ser suficientemente (normal ou anormalmente) difundido no território em questão, ser relativamente abundante e, se possível, facilmente detectável.
Exceto no caso em que se deseja medir a mobilidade das espécies, ela deve ser o mais sedentária possível para refletir as condições locais.
Deve ter um tamanho que permita estudar seus diferentes tecidos e seus componentes (músculos, ossos, órgãos no caso de um animal, etc.).
Deve tolerar contaminantes com efeitos subletais.
Deve sobreviver fora do ambiente natural e tolerar diferentes condições de laboratório (pH, temperatura, etc.).
Deve existir uma relação entre a concentração de contaminantes no ambiente externo e a concentração no corpo.

Alguns bioindicadores também são biointegradores; eles podem ser duplamente úteis em programas de biomonitoramento.

Utilização de bioindicadores

A expressão ‘Bioindicador’ é usada como um termo agregado que se refere a todas as fontes de reações bióticas e abióticas às mudanças ecológicas.

Em vez de simplesmente funcionar como medidores de mudanças naturais, os táxons são utilizados para mostrar os impactos das mudanças naturais ao redor, ou mudanças ambientais. Eles são usados para detectar mudanças no ambiente natural, bem como para indicar impactos negativos ou positivos.

Eles também podem detectar mudanças no meio ambiente devido à presença de poluentes que podem afetar a biodiversidade do meio ambiente, bem como as espécies presentes nele (Walsh 1978; Peterson 1986; Gerhardt 2002; Holt & Miller 2010).

A condição do meio ambiente é efetivamente monitorada pelo uso de espécies Bioindicadoras devido à sua resistência à variabilidade ecológica.

Hasselbach et al. utilizou o musgo, ou seja, Hylocomium splendens como um indicador natural de metais pesados no ambiente remoto de tundra do noroeste do Alasca. Aqui, o minério de minério é extraído da Red Dog Mine, o maior criador de zinco (Zn) do mundo, e é transportado para uma rua singular (~75 km de comprimento) para espaços de armazenamento no Mar de Chukchi. Hasselbach e seus parceiros inspecionaram se esse transporte terrestre estava influenciando a biota física abrangente.

O conteúdo de metais pesados dentro do tecido musgoso foi analisado a diferentes distâncias da rua.

As concentrações de metais no tecido de musgo eram mais proeminentemente adjacentes à rua de transporte e reduzidas com a distância, portanto, apoiando a teoria de que o transporte terrestre estava de fato modificando o ambiente envolvente. Neste estudo, os liquens foram utilizados como biomonitores, utilizando a estimativa quantitativa das concentrações de metal dentro do líquen individual (Walsh 1978; Peterson 1986; Holt & Miller 2010; Thakur et al. 2013).

Marcadores naturais, biológicos e de biodiversidade podem ser encontrados em vários organismos que ocupam diferentes tipos de ambientes.

Líquens (uma simbiose entre bactérias ciano, algas e/ou fungos) e briófitas (hepáticas) são freqüentemente usados para monitorar a contaminação do ar.

Ambos, líquens e briófitas são bioindicadores poderosos da qualidade do ar, pois não têm raízes, nem pele de unha, e adquirem todos os seus suplementos desde a introdução imediata no clima.

Sua alta proporção entre a região da superfície e o volume apóia ainda mais a teoria de seu uso como bioindicador, ou apóia sua capacidade de capturar contaminantes do ar (Holt & Miller 2010).

Cynophyta, um tipo de fitoplâncton, é um bioindicador particularmente poderoso que é conhecido por indicar a eutrofização rápida de corpos d’água, como reservatórios, lagos, etc. por meio da criação de formações de flor (Walsh 1978; Thakur et al. 2013).

Biomonitoramento-bioindicação

A poluição do ar causa danos ao meio ambiente e aos organismos. Esse dano permite destacar a presença de poluentes.

Este é o princípio do biomonitoramento:

“O uso de respostas em todos os níveis de organização biológica (molecular, bioquímica, celular, fisiológica, tecidual, morfológica, ecológica) de um organismo ou conjunto de organismos para prever e/ou revelar uma alteração de ambiente e acompanhar a sua evolução. ” Garrec & Van Haluwyn, 2002

O biomonitoramento da qualidade do ar de plantas é um campo vasto que utiliza vários conceitos, incluindo o de bioindicação.

Bioindicação é o uso de organismos sensíveis a um determinado poluente com efeitos visíveis, para avaliar a qualidade do ar. Fornece informações semiquantitativas sobre a contaminação atmosférica e permite avaliar diretamente os impactos ambientais dos poluentes.

Hoje, a poluição por ozônio está aumentando constantemente e causando cada vez mais danos à saúde e ao meio ambiente. Assim, o uso de organismos bioindicadores, uma técnica simples e barata que complementa as medidas automáticas, é particularmente indicado.

História

Em 1974, H. Ellenberg criou valores indicadores numéricos das preferências ecológicas de uma planta.

Em 1977, E. Landolt modificou o métodoos primeiros fatores diziam respeito ao solo: umidade média, acidez ou basicidade (pH), teor de nutrientes nitrogenados, teor de húmus, estrutura e aeração, salinidade; os seguintes são luz, temperatura média, continentalidade (variações de temperatura e umidade) e tipo biológico,

Resumo

Bioindicadores são organismos vivos, como plantas, plânctons, animais e micróbios, que são utilizados para avaliar a saúde do ecossistema natural do meio ambiente.

Eles são usados para avaliar a saúde ambiental e as mudanças biogeográficas que ocorrem no meio ambiente.

Cada entidade orgânica dentro de um sistema biológico fornece uma indicação sobre a saúde de seus arredores, como o plâncton, respondendo rapidamente às mudanças que ocorrem no ambiente circundante e servindo como um importante biomarcador para avaliar a qualidade da água, bem como um indicador de poluição da água.

Até a saúde da flora aquática é melhor refletida pelo plâncton, que atua como um sinal de alerta precoce.

Por exemplo, os líquenes são frequentemente usados como indicadores da qualidade do ar. Como não têm raízes e obtêm muitos nutrientes do ar, são um indicador confiável da qualidade do ar de uma área.

Outro exemplo são algumas espécies de algas sendo usadas como medidas de poluição da água. Além disso, agora criamos geneticamente algumas espécies para serem bioindicadores específicos, como a grama que muda de cor quando as toxinas do solo estão presentes!

Fonte: fr.wiktionary.org/www.tandfonline.com/ecobiosoil.univ-rennes1.fr/breuilletnature.com/www.appanpc.fr/socratic.org/www.aquaticlifelab.eu/www.esd.ornl.gov/www.sciencelearn.org.nz

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Diatomáceas

PUBLICIDADE As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) …

Cromossomos homólogos

PUBLICIDADE Definição Os Cromossomos homólogos são dois cromossomos, um de origem paterna e outro de origem materna, …