Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Tecido Conjuntivo - Página 2  Voltar

Tecido Conjuntivo

Fundamentos Teóricos

O tecido conjuntivo é caracterizado por apresentar células separadas por abundante matriz extracelular. Além disso, apresenta células próprias e outras migratórias provenientes do tecido sanguíneo. As células próprias do tecido conjuntivo são os fibroblastos, os macrófagos, os mastócitos e os plasmócitos.

Vários tipos de leucócitos, células do sangue, penetram no conjuntivo para exercerem funções específicas. O fibroblasto é a célula principal do tecido conjuntivo. No estado ativo, o fibroblasto apresenta núcleo grande e citoplasma rico em retículo endoplasmático granular e aparelho de Golgi desenvolvido.

Os fibroblastos são responsáveis pela produção e manutenção da matriz extracelular. Os macrófagos são células do conjuntivo que apresentam grande capacidade fagocitária. Os macrófagos têm papel importante na remoção de restos de células e outros elementos, e quando corpos de grandes dimensões penetram no corpo, vários macrófagos se fundem formando uma célula enorme, chamada célula gigante do corpo estranho. Os macrófagos se originam de células do sangue conhecidas como monócitos, após a penetração destes no tecido conjuntivo.

Os mastócitos são células globosas ricas em grânulos basófilos. Estes grânulos armazenam fortes mediadores químicos dos processos inflamatórios, que quando corados por azul-de-toluidina coram-se de vermelho, num fenômeno conhecido de metacromasia.

A superfície dos mastócitos contém receptores específicos para IgE, produzida pelos plasmócitos, e quando do encontro destas imunoglobulinas com antígenos específicos, ocorre a liberação dos grânulos.

As reações alérgicas e até o choque anafilático, decorrem da liberação excessiva das substâncias contidas nestes grânulos. Os plasmócitos são células derivadas dos linfócitos B ativados e são responsáveis pela produção dos anticorpos. A principal característica citológica do plasmócito é a presença de um citoplasma rico em retículo endoplasmático rugoso, o qual está ligado a síntese abundante das imunoglobulinas. Além destas células próprias, o tecido conjuntivo é constantemente invadido por leucócitos do sangue, principalmente neutrófilos.

A matriz extracelular que separa as células do conjuntivo é formada por fibras e substância intercelular amorfa. Existem três tipos principais de fibras no conjuntivo: fibras colágenas, fibras reticulares e fibras elásticas. A proteína de colágeno é uma das mais abundantes proteínas do corpo, e faz parte da constituição das fibras colágenas e reticulares.

As fibras colágenas são formadas por fibrilas de colágeno com diâmetro entre 1 e 20?m, com um padrão de estriações típico. Os colágenos constituem uma família de proteínas separadas em tipos diferentes, dentre os quais os tipos: I, que forma fibras e feixes resistentes, encontrados nos tendões, ligamentos, cápsulas, derme...; o tipo II, encontrado nas cartilagens hialina e elásticas; o tipo III, colágeno que forma as fibras reticulares e o tipo IV, encontrado nas lâminas basais. As fibras reticulares são, em comparação com as fibras colágeno, mais finas e delicadas. Estas fibras só são observadas em cortes corados por impregnação argêntica ou pela técnica do PAS.

Estas fibras são observadas em contato intimo com células, formando o arcabouço dos órgãos hematopoéticos, de glândulas, fibras musculares, entre outros.

São conhecidas como fibras argirófilas do tecido conjuntivo. As fibras elásticas diferentemente das anteriores não são formadas pela proteína colágeno. Como o próprio nome indica as fibras elásticas se caracterizam por cederem facilmente à distensão e retornarem a posição inicial depois de terminada a força atuante.

As fibras elásticas são compostas por fibrotúbulos e por uma substância amorfa. As fibras são formadas pela proteína elastina e por uma glicoproteína.

Em determinados tecidos, o acúmulo de certo tipo de fibra lhe confere característica particular como, por exemplo, o tecido elástico associado ao lóbulo da orelha, o tecido denso modelado, rico em fibras colágenas do tendão ou denso não modelado da pele ou o tecido reticular, rico em fibras reticulares, dos órgãos linfáticos.

Fonte: members.tripod.com

Tecido Conjuntivo

O tecido conjuntivo é constituído por vários tipos de células que encontram-se imersas em uma substância intercelular, designada como matriz extracelular.

Matriz Extracelular

A matriz extracelular é produzida pela maioria das células, sendo constituída pelos seguintes elementos:

glicosaminoglicanos (GAGs)
proteínas fibrilares
glicoproteínas estruturais extracelulares
íons
água de solvatação

Células

A divisão de trabalho entre as células do conjuntivo determina o aparecimento de vários tipos celulares com características morfológicas e funcionais próprias.

Algumas destas células estão constantemente presentes em número e padrão relativamente fixos em certos tipos de tecido conjuntivo maduro, sendo denominadas como células residentes:

fibroblasto
macrófago
mastócito
plasmócito
célula adiposa

Em contraste com as células residentes, há as células migratórias que, em geral, aparecem transitoriamente nos tecidos conjuntivos como parte da reação inflamatória à lesão celular.

neutrófilos
eosinófilos
basófilos
células da linhagem linfocitária
monócitos

Em vários livros didáticos, o estudo do tecido conjuntivo propriamente dito é caracterizado morfologicamente por apresentar diversos tipos de células separadas por abundante material intercelular. Esse material é representado pelos elementos fibrosos e uma substância fundamental. A substância fundamental engloba os GAGs, as glicoproteínas, os íons e a água de solvatação. Apesar desta ser uma visão clássica do tecido conjuntivo, ela fornece os subsídios que ajudam no diagnóstico histopatológico.

Os elementos fibrosos do tecido conjuntivo são representados pelas fibras colágenas, pelas fibras reticulares e pelas fibras elásticas. As fibras colágenas e as fibras reticulares são agrupadas no sistema colágeno, visto que possuem como proteína fundamental de suas moléculas o colágeno. As fibras elásticas, juntamente com as fibras elaunínicas e as fibras oxitalânicas, constitui o sistema elástico.

Classificação

Em microscopia óptica é possível observar que há diversas variedades de tecidos conjuntivos, onde o componente predominante ou a organização estrutural do tecido varia dependendo da ocorrência e/ou freqüência de seus constituintes básicos.

A classificação aqui apresentada é utilizada na prática de microscopia, porém não é suficiente, pois são comuns os tecidos cuja estrutura é intermediára entre duas variedades típicas da classificação.

1. tecido conjuntivo frouxo
2. tecido conjuntivo denso
3. tecido conjuntivo de propriedades especiais

tecido adiposo
tecido elástico
tecido reticular

Fonte: acd.ufrj.br

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal