Breaking News
Home / Biologia / Centrômero

Centrômero

PUBLICIDADE

O centrômero é uma estrutura especializada no cromossomo, aparecendo durante a divisão celular como a região central contraída, onde as duas cromátides são mantidas juntas e formam um formato X

Centrômero, estrutura em um cromossomo que une as duas cromátides (as filhas filhas de um cromossomo replicado).

O centrômero é o ponto de fixação do cinetocoro, uma estrutura à qual os microtúbulos do fuso mitótico ficam ancorados.

O fuso é a estrutura que puxa os cromatídios para extremidades opostas da célula durante os processos de divisão celular de mitose e meiose.

Uma vez separados, cada cromatídio se torna um cromossomo. Assim, quando a célula se divide, ambas as células filhas têm conjuntos completos de cromossomos.

Os centrômeros são a estrutura cromossômica fundamental, na qual as proteínas se enuclearam para formar cinetóforos que se ligam aos microtúbulos do fuso e mediam a segregação cromossômica durante a divisão celular.

O que é um centrômero?

Um centrômero faz parte da estrutura de um cromossomo durante as divisões nucleares, tanto na mitose quanto na meiose.

Os cromossomos são compostos de longas cadeias de DNA, que se enrolam antes de qualquer tipo de divisão.

Esse enrolamento do DNA ocorre durante a interfase antes da mitose ou da meiose. É um período extremamente importante, pois as moléculas de DNA fazem uma cópia idêntica de si mesmas, garantindo que a prole tenha a quantidade correta de DNA quando a divisão terminar.

Quando o DNA se replica, os cromossomos são constituídos por dois braços idênticos, chamados cromátides.

Cada cromatídio contém uma cópia do DNA replicado e a área onde os cromatídios são mantidos juntos é chamada de centrômero.

Os centrômeros podem ser encontrados em qualquer lugar ao longo do comprimento do cromossomo, mas a posição é específica para cada cromossomo em particular.

Os centrômeros mais as duas cromátides formam a estrutura de um único cromossomo.

A mitose é o processo em que as células se reproduzem dividindo-se para formar dois filhos idênticos.

A mitose ocorre na maioria das células e produz novas células para substituir as antigas ou danificadas ou para permitir que o organismo cresça. A meiose ocorre apenas nos órgãos reprodutivos e é assim que os gametas, esperma e óvulos nos seres humanos são produzidos. Os centrômeros desempenham um papel importante durante a mitose e a meiose.

A mitose é composta de quatro fases e, no final da primeira, as cópias duplicadas do DNA são formadas com o centrômero unindo as duas cromátides idênticas. Ao mesmo tempo, um fuso formado por microtúbulos de proteínas se forma através do núcleo. Durante a metáfase, o segundo estágio da mitose, os cromossomos se alinham no meio do fuso.

Cada cromossomo é unido a um microtúbulo do eixo em seu centrômero.

Durante a prófase, as cromátides idênticas de cada cromossomo são separadas. Eles são puxados para pólos opostos do núcleo pelos microtúbulos conectados a cada centrômero. Após a divisão de cada cromossomo, a célula se divide produzindo duas células idênticas com o DNA idêntico em cada uma. Todas as células, exceto os gametas, têm duas cópias de cada cromossomo. Um cromossomo de cada par vem do pai e um da mãe.

Esses cromossomos têm a mesma informação genética, genes, encontrados no mesmo local e são chamados de cromossomos homólogos.

A meiose é basicamente a mitose que ocorre duas vezes na mesma célula, com algumas diferenças específicas. Primeiro, durante a meiose, os cromossomos homólogos se alinham ao longo do fuso.

Quando as fibras do eixo se ligam aos centrômeros, os cromossomos são separados. Duas células são formadas, mas agora só têm uma cópia de cada cromossomo, ou metade do DNA.

A segunda divisão do DNA é idêntica à mitose. Os cromossomos se alinham ao longo do equador do fuso e cada microtúbulo se une a um centrômero de cada cromossomo.

As cromátides são puxadas para os pólos opostos do núcleo e uma nova célula se forma. Como as cromátides possuem cópias idênticas do DNA, cada célula final possui uma única cópia de cada cromossomo.

O resultado final da meiose é a existência de quatro gametas com apenas metade do DNA.

O que é o Cinetocoro?

O cinetocoro é uma estrutura no núcleo de uma célula que está envolvida em mitose e meiose, os dois processos de divisão celular.

Os cinetocoros são regiões especializadas localizadas nos centrômeros dos cromossomos e são compostos de muitos tipos de proteínas.

A principal função dos cinetocoros é auxiliar no movimento dos cromossomos durante a divisão celular. Durante a mitose, os cinetóforos agem como alças nos cromossomos. As fibras aderem e puxam essas “alças” para mover os cromossomos dentro da célula divisória.

A mitose é o processo de divisão celular em células somáticas ou não sexuais. A meiose é o processo no qual as células sexuais, esperma e óvulos, se dividem.

Existem quatro fases de mitose: prófase, metáfase, anáfase e telófase.

Os cinetóforos desempenham um papel nas três primeiras fases.

Antes da mitose, a célula faz uma cópia de todo o seu DNA no núcleo, bem como um segundo par de centríolos. Durante a prófase, o material recém copiado condensa em cromossomos. Existem 46 cromossomos, cada um com duas cromátides correspondentes ou irmãs, mantidas juntas no meio por um centrômero. Os cinetócoros estão localizados em ambos os lados do centrômero.

O envelope nuclear se quebra, permitindo que as estruturas da célula se movam livremente dentro da célula inteira. Então cada par de centríolos se move para uma extremidade, ou pólo, da célula. À medida que se movem, eles geram microtúbulos alongados, ou fibras do eixo, que ajudam a empurrá-los. Algumas fibras do fuso se estendem e se conectam a um cinetocoro em ambos os lados do centrômero.

As fibras do fuso puxam e puxam os cinetóforos até que todos os cromossomos estejam alinhados no centro da célula.

Durante a metáfase, as fibras do fuso formam uma matriz em forma de limão. Isso é chamado de fuso mitótico.

As fibras são conectadas aos cinetócoros ao longo da linha média da célula e são ancoradas à membrana plasmática em cada extremidade da célula.

As cromátides irmãs são divididas em duas no centrômero durante a anáfase. Eles se dividem em cromossomos filhas individuais, e cada um deles ainda está ligado ao fuso mitótico no cinocócoro.

Um cromossomo-filha migra para cada polo da célula. A migração é alcançada por meio de uma proteína motora no cinococoro, movendo-se pelas fibras do fuso. As fibras são então desmontadas ou “mastigadas” no poste.

Na fase final da mitose, a telófase, a célula se reorganiza em torno de ambos os conjuntos de cromossomos. Prepara-se para se dividir em duas células iguais. Os cromossomos se desenrolam, e os cinetóforos e o fuso se decompõem e desaparecem. A célula passa por um processo de citocinese, no qual se divide completamente em duas células filhas.

Em genética, o que é um quiasma?

Um quiasma é um ponto de contato entre as cromátides irmãs que se forma durante a meiose, um processo de divisão e replicação celular usado por uma grande variedade de organismos.

No quiasma, as cromátides podem trocar informações genéticas, resultando em novas combinações de material genético. Quando os cromatídeos se separam e se tornam cromossomos irmãos, eles contêm uma mistura diferente de material genético que os cromossomos originais. Isso permite que os organismos evoluam geneticamente, criando novos traços e transmitindo-os aos descendentes.

As cromátides são unidas no centrômero, um ponto aproximadamente no meio de cada cromátide. A formação de um quiasma ocorre durante a meiose I, a primeira fase da meiose, quando os cromossomos emparelhados trocam material genético antes de se dividir em duas células, cada uma contendo metade do material genético da célula-mãe original.

Os quiasmas desempenham um papel importante no processo de replicação de material genético.

Ao embaralhar essencialmente o genoma, trocando informações no quiasma, os organismos são capazes de gerar teoricamente infinitas combinações de novos traços. Algumas dessas combinações não funcionam, por uma variedade de razões, e não são transmitidas. Outros provam ter sucesso e, como resultado, começarão a se disseminar pela população.

Com o tempo, os organismos podem sofrer grandes mudanças evolutivas à medida que seus genomas mudam e alguns indivíduos prosperam como resultado de suas características herdadas.

Às vezes, erros durante a divisão podem envolver o quiasma. Se duas cromátides filhas falharem em se separar durante a meiose, o produto dessa ronda particular de divisão celular terá um número ímpar de cromossomos.

A troca de material genético nesse ponto também pode ficar distorcida ou confusa, resultando na transmissão de características deletérias ou terminando com algumas células com excesso de material genético, enquanto outras podem estar perdendo peças de material genético. Em alguns casos, isso pode ser prejudicial, pois o material em falta ou em excesso pode ser importante e pode se expressar na forma de um defeito genético.

As pessoas podem ver o quiasma com a assistência da microscopia durante o processo de meiose, quando as cromátides são unidas em um formato X distinto.

Essa forma também é replicada em tabelas e gráficos representando a meiose.

O termo “quiasma”, que vem do grego, refere-se geralmente a um cruzamento ou travessia.

Esse termo também é usado em anatomia para se referir a feixes de nervos no ponto de interseção, como o quiasma óptico, onde os nervos ópticos se cruzam.

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE Definição Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de …

Diatomáceas

PUBLICIDADE As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) …