Breaking News
Home / Biologia / Homo Heidelbergensis

Homo Heidelbergensis

PUBLICIDADE

Definição

Esta espécie humana primitiva possuía uma grande sobrancelha e uma base de cérebro maior e uma face mais plana que as espécies humanas primitivas mais antigas.

Foi a primeira espécie humana primitiva a viver em climas mais frios; seus corpos curtos e largos provavelmente eram uma adaptação à economia de calor.

Vivia na época do controle definitivo mais antigo do fogo e do uso de lanças de madeira, e foi a primeira espécie humana primitiva a caçar rotineiramente grandes animais.

Esse humano primitivo também abriu novos caminhos; foi a primeira espécie a construir abrigos, criando habitações simples de madeira e pedra.

Homo heidelbergensis é uma espécie extinta e potencialmente distinta do gênero Homo e pode ser o ancestral direto do Homo neanderthalensis na Europa.

História da descoberta de Homo Heidelbergensis

Em 1908, perto de Heidelberg, na Alemanha, um trabalhador encontrou o espécime do tipo Homo Heidelbergensis na caixa de areia de Rösch, ao norte da vila de Mauer.

Essa mandíbula estava quase completa, exceto pelos pré-molares ausentes e pelos dois primeiros molares esquerdos; é fortemente construído e carece de queixo.

O cientista alemão Otto Schoentensack foi o primeiro a descrever o espécime e propôs o nome da espécie Homo heidelbergensis.

Antes da nomeação desta espécie, os cientistas se referiam aos fósseis humanos primitivos que mostravam características semelhantes ao Homo erectus e aos humanos modernos como Homo sapiens “arcaico”.

Onde morava: Europa; possivelmente Ásia (China); África (leste e sul).

Quando Viveu: Cerca de 700.000 a 200.000 anos atrás.

Altura: machos: média 175 cm; Mulheres: 157 cm.

Peso: machos: média 62 kg; Mulheres: média 51 kg.

Como eles sobreviveram

Há evidências de que H. heidelbergensis foi capaz de controlar o incêndio construindo lareiras, ou lareiras precoces, há 790.000 anos atrás, na forma de ferramentas alteradas pelo fogo e madeira queimada no local de Gesher Benot Ya-aqov em Israel.

Os grupos sociais provavelmente costumam se reunir em torno de suas lares, compartilhando comida, aquecendo-se e afastando predadores.

Homo Heidelbergensis provavelmente se aproveitou de abrigos naturais, mas essa espécie também foi a primeira a construir abrigos simples. A evidência disso vem do site Terra Amata, na França.

Homo Heidelbergensis também foi o primeiro caçador de animais de caça de grande porte; restos de animais como veados selvagens, cavalos, elefantes, hipopótamos e rinocerontes com marcas de açougue em seus ossos foram encontrados juntos em locais com fósseis de Homo Heidelbergensis.

A evidência disso também vem de lanças de madeira de 400.000 anos encontradas no local de Schöningen, na Alemanha, que foram encontradas juntamente com ferramentas de pedra e os restos de mais de 10 cavalos abatidos.

Um lugar em Atapuerca, norte da Espanha, datado de cerca de 400.000 anos atrás, mostra evidências do que pode ser um ritual humano.

Os cientistas descobriram ossos de aproximadamente 30 indivíduos de Homo Heidelbergensis deliberadamente jogados dentro de um poço. O poço foi nomeado Sima de los Huesos (“poço dos ossos”).

Juntamente com os restos esqueléticos, os cientistas descobriram uma única escova manual simétrica bem fabricada – ilustrando a capacidade de fabricar ferramentas de H. heidelbergensis.

Informações da Árvore Evolutiva

Esta espécie pode chegar a 1,3 milhão de anos atrás, e inclui seres humanos primitivos da Espanha (fósseis de ‘Homo antecessor’ e evidências arqueológicas de 800.000 a 1,3 milhão de anos), Inglaterra (Inglaterra (restos arqueológicos de cerca de 1 milhão de anos) e Itália (do site de Ceprano, possivelmente com 1 milhão de anos).

A comparação entre o neandertal e o DNA humano moderno sugere que as duas linhagens divergiram de um ancestral comum, provavelmente Homo heidelbergensis, entre 350.000 e 400.000 anos atrás – com o ramo europeu levando a H. neanderthalensis e o ramo africano (às vezes chamado de Homo rhodesiensis) para H. sapiens.

O que era o Homo Heidelbergensis?

O Homo heidelbergensis era uma espécie hominídeo que viveu cerca de 400.000 anos atrás, e as evidências arqueológicas mais recentes sugerem que esses primeiros seres humanos eram os ancestrais diretos dos humanos modernos.

Eles certamente tinham muito em comum com os humanos modernos, embora algumas diferenças morfológicas muito claras os separassem do Homo sapiens.

A maioria dos achados do Homo heidelbergensis ocorreu na Europa, mas restos fossilizados de outras regiões do mundo também foram classificados nessa espécie.

Os cientistas acreditam que o Homo heidelbergensis descende do Homo ergaster, outro hominídeo primitivo.

O Homo heidelbergensis parece ter sido um dos primeiros hominídeos a se aventurar fora da África e na Europa, seguindo as trilhas do Homo erectus, e escavações arqueológicas em várias regiões da Europa sugerem que esses hominídeos formaram grandes grupos sociais. Essas escavações descobriram um grande número de ferramentas, juntamente com as evidências de caça, uso de fogo e práticas de enterro.

O Homo heidelbergensis pode ter sido um dos primeiros hominídeos a enterrar os mortos, e os arqueólogos também encontraram evidências de outros rituais culturais.

O Homo heidelbergensis tinha um cérebro maior quando comparado a outras espécies de hominídeos, e um tipo de corpo que parece ser muito semelhante ao dos humanos modernos, embora o Homo heidelbergensis fosse um pouco mais alto.

O Homo heidelbergensis também era capaz de falar.

Com o tempo, o Homo heidelbergensis evoluiu para duas novas espécies; humanos modernos e os neandertais.

Os humanos modernos aparentemente suplantaram os agora extintos neandertais; Estudos de DNA em ambas as espécies indicam que as duas eram certamente distintas uma da outra, embora relacionadas através de seus ancestrais comuns do Homo heidelbergensis.

Esses hominídeos são nomeados para Heidelberg, Alemanha, uma cidade próxima ao local da primeira descoberta do Homo heidelbergensis, uma mandíbula que foi descoberta em um poço de areia.

A mandíbula foi classificada por Otto Schoetensack como uma espécie de hominídeo inteiramente nova, o que causou um certo alvoroço na comunidade arqueológica, com algumas pessoas argumentando que a nomeação de uma nova espécie com base em uma única mandíbula era um pouco ambiciosa.

No entanto, descobertas posteriores na Europa apoiaram a ideia de que o Homo heidelbergensis era uma espécie de hominídeo distinta e real, e a classificação agora é amplamente aceita por muitos arqueólogos.

Exemplos fossilizados desses ancestrais humanos podem ser vistos em vários museus ao redor do mundo, e escavações arqueológicas são descobertas mais periodicamente.

O estudo desses fósseis ajuda a preencher as lacunas da história humana, fornecendo mais informações sobre nossas origens e as vidas que esses primeiros seres humanos levaram.

O que o nome significa

Homo heidelbergensis significa “Heidelberg Man”. Homo, é a palavra latina para ‘humano’ ou ‘homem’ e heidelbergensis é a palavra latinizada para ‘Heidelberg’, a cidade na Alemanha onde o primeiro fóssil do Homo heidelbergensis foi descoberto em 1907.

Homo Heidelbergensis
Homo heidelbergensis, masculino. Reconstrução baseada em Kabwe por John Gurche

Homo Heidelbergensis
Os neandertais são um exemplo de hominídeos no gênero Homo

Fonte: humanorigins.si.edu/www.sciencedaily.com/australianmuseum.net.au/www.cell.com/www.ancient.eu/www.bradshawfoundation.com/www2.palomar.edu/www.pbs.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Recombinação homóloga

Recombinação homóloga

PUBLICIDADE Definição A recombinação homóloga é uma via essencial para reiniciar bifurcações de replicação paralisadas, reparar quebras …

Testes de DNA

Testes de DNA

PUBLICIDADE Definição Um teste de DNA é um teste em que o DNA de alguém é analisado, …

Superorganismo

Superorganismo

PUBLICIDADE Definição Superorganismo é uma sociedade organizada (como um inseto social) que funciona como um todo …