Breaking News
Home / Biologia / Esporo Bacteriano

Esporo Bacteriano

PUBLICIDADE

Os esporos bacterianos são uma forma de “sobrevivência” de certos gêneros bacterianos que mostram extrema resistência à inativação química e física.

Os esporos bacterianos servem principalmente como um estágio de repouso do ciclo de vida bacteriano, ajudando a preservar a bactéria por períodos de condições desfavoráveis.

A produção de esporos é particularmente comum entre as bactérias Bacillus e Clostridium, várias espécies causadoras de doenças.

Muitos esporos bacterianos são altamente duráveis e podem germinar mesmo após anos de dormência.

O que são

Os esporos bacterianos são cópias extremamente resistentes de material genético que as bactérias podem usar para sobreviver a condições adversas.

Eles permitem que os organismos entrem em um estado dormente quando expostos a ambientes hostis.

Uma vez que as pressões ambientais diminuem, os esporos podem ser ativados, permitindo que as bactérias voltem a se reproduzir.

Nem todas as bactérias são capazes de formar esporos, mas alguns patógenos conhecidos como antraz, tétano e botulismo o fazem, tornando-os um tópico de interesse e preocupação para pesquisadores médicos.

Os organismos podem começar a formar esporos em resposta a pressões ambientais específicas, como um declínio no suprimento de água, aumento da temperatura ou radiação.

Demora várias horas para formar esporos bacterianos e colônias inteiras não conseguem sobreviver a essas condições, mas alguns indivíduos difíceis podem conseguir esporular a tempo de se protegerem.

Os organismos fazem uma cópia de seu material genético e o prendem dentro de uma cápsula resistente dentro da membrana celular. Múltiplas camadas de material circundam o esporo, aumentando as chances de sobrevivência.

A radiação, o calor elevado e a secura extrema não danificam os esporos bacterianos. Eles também resistem ao tratamento com bactericidas.

Isso pode representar uma ameaça significativa para a saúde e a segurança humana no caso de organismos patogênicos, porque eles podem sobreviver à maioria das medidas usadas para reduzir a infecção.

A limpeza de superfícies com sabões bactericidas, por exemplo, pode deixar intactos os esporos bacterianos. Da mesma forma, a irradiação de produtos alimentares não destruiria esporos.

Para matar os esporos, geralmente é necessário fornecer conteúdo prolongado com um composto químico que possa atacar as paredes celulares bacterianas e destruir o material genético interno. Uma solução de lixívia a 10%, se deixada em contato com esporos bacterianos por pelo menos cinco minutos, pode ser um método eficaz de descontaminação. Alguns esporos podem sobreviver mesmo fora desta janela, ilustrando a resistência dessas estruturas.

A adição da formação de esporos ao seu ciclo de vida permitiu que vários organismos passassem por condições ambientais muito difíceis que seriam muito severas para outros organismos.

A pesquisa sobre esporos examina como eles se formam e como podem ser tratados se forem criados por organismos conhecidos por causar doenças.

Isso requer ambientes cuidadosamente controlados para desencadear a formação de esporos e expor os esporos a diferentes perigos.

Isso pode ajudar a pesquisa a determinar o que matará os esporos bacterianos de maneira confiável, para que possam fazer recomendações sobre o protocolo de infecção.

Os desenvolvedores de bactericidas para ambientes como hospitais e instalações de pesquisa também precisam ficar um passo à frente de seus objetivos, pois esses organismos são altamente adaptáveis e podem desenvolver resistência às soluções de limpeza ao longo do tempo.

Qual é a diferença entre vírus e bactérias?

Existem várias diferenças entre vírus e bactérias, incluindo tamanhos relativos, métodos de reprodução e resistência a intervenções médicas.

Bactéria, a forma singular da palavra bactéria, é um organismo vivo unicelular, com conjuntos completos de códigos genéticos de ácido ribonucleico (RNA) e ácido desoxirribonucleico (DNA).

Um vírus é pouco mais que uma seção de RNA ou DNA coberta por uma concha de proteína.

Uma bactéria, portanto, é pelo menos cem vezes maior que um vírus típico.

Uma grande diferença entre vírus e bactérias é o método de reprodução.

Uma bactéria é uma unidade completamente independente e auto-reprodutiva. Quando for a hora certa, uma bactéria dividirá seu material genético de DNA e RNA em dois.

Paredes celulares separadas se acumularão em torno dessas duas novas bactérias, e esse processo continuará até que milhares ou milhões de bactérias se formem.

É assim que cepas de bactérias sobrevivem em quase todos os ambientes da Terra, incluindo superfícies não-vivas, como rochas ou plástico.

Um vírus, por outro lado, não pode se reproduzir sem um hospedeiro vivo. Um vírus pode permanecer inativo por milhares de anos antes de finalmente entrar em contato com um host adequado.

Uma vez que entra no corpo de um hospedeiro, um vírus usa apêndices em forma de perna para prender uma célula e um espigão ou revestimento químico para penetrar na parede celular.

Uma vez dentro de uma célula viva, um vírus substitui os comandos originais de DNA ou RNA da célula por suas próprias instruções genéticas. Essas instruções costumam fazer o maior número possível de cópias do vírus.

Depois que a célula individual perde sua utilidade, ela explode e envia milhares de cópias do vírus original para outras células inocentes.

Noventa e nove por cento de todas as bactérias conhecidas são consideradas benéficas para os seres humanos, ou pelo menos inofensivas. Eles passam seus dias quebrando matéria orgânica e destruindo parasitas nocivos.

A pequena porcentagem de bactérias consideradas prejudiciais ao corpo humano, como o estreptococo e a E. coli, ainda desempenham as mesmas funções que seus irmãos de bactérias menos tóxicas.

As bactérias se alimentam dos tecidos do corpo humano e excretam toxinas e ácidos. São essas toxinas e ácidos irritantes que causam muitos dos problemas associados à infecção bacteriana.

Se as bactérias puderem ser mortas com antibióticos, as infecções deixadas para trás devem desaparecer rapidamente.

A maioria dos vírus, por outro lado, não serve a nenhum propósito benéfico. Sua única missão na vida é criar mais vírus para garantir a sobrevivência da cepa.

O efeito mortal que um vírus tem em seu hospedeiro é meramente incidental.

Quando um vírus entra no corpo humano, ele procura uma célula hospedeira aceitável e a captura sem aviso prévio. Quando a célula explode, milhares de novos vírus repetem o processo em outras células saudáveis.

Quando as defesas naturais do corpo tomam conhecimento da invasão, o vírus pode ter um controle significativo sobre os órgãos e tecidos vitais.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) e o vírus Ebola são exemplos de livros didáticos sobre o que os vírus perigosos podem fazer ao corpo humano antes de seguirem seu curso.

A intervenção e o tratamento médicos são outra grande diferença entre vírus e bactérias. As bactérias estão vivas, o que significa que podem ser mortas por alguma forma de agente químico.

Antibióticos são compostos químicos que matam bactérias destruindo suas paredes celulares ou neutralizando sua capacidade de se reproduzir.

A razão pela qual os médicos prescrevem longas rodadas de antibióticos aos pacientes é criar um ambiente no qual as bactérias não possam viver. Embora as bactérias acabem desenvolvendo uma tolerância a certos antibióticos, o efeito é semelhante ao uso de inseticida em insetos.

Os vírus, por comparação, não são considerados seres vivos. Eles não podem ser “mortos” no mesmo sentido em que antibióticos matam bactérias ou inseticida mata insetos.

De fato, o tratamento de infecções virais geralmente não é um tratamento.

A doença deve seguir seu curso até que o corpo possa montar uma defesa bem-sucedida por conta própria. Os tratamentos antivirais, quando existem, funcionam com o princípio de bloquear os métodos destrutivos do vírus.

O RNA ou a cadeia de DNA do vírus deve ser inofensiva geneticamente ou os métodos de rompimento da parede celular devem ser destruídos.

Os medicamentos antivirais não são eficazes contra todos os vírus, e é por isso que certas doenças como AIDS, HIV e Ebola ainda estão afetando milhões de pessoas em todo o mundo.

Os cientistas ainda estão tentando entender a estrutura básica e a programação genética dos vírus. Somente entendendo como um vírus funciona, uma vacina bem-sucedida pode ser desenvolvida.

O tratamento da maioria das doenças bacterianas, por outro lado, pode ser uma questão de encontrar o antibiótico mais eficaz ou usar uma abordagem de amplo espectro.

Esporo bacteriano

Fonte: www.frontiersin.org/microbeonline.com/www.oxoid.com/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.ncbi.nlm.nih.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Classificação das Bactérias

Classificação das Bactérias

PUBLICIDADE Você conhece a classificação das bactérias? As bactérias são seres vivos microscópicos que apresentam, …

Citocininias

Citocininas

PUBLICIDADE Você já ouviu falar em citocininas? As citocininas, substâncias são conhecidas como hormônios vegetais, …

Zigomicetos

Zigomicetos

PUBLICIDADE Definição de Zigomicetos Zigomicetos é qualquer uma de uma ampla variedade de fungos comuns que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.