Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Gineceu

Gineceu

PUBLICIDADE

O Gineceu é formado pelos carpelos, que constituem uma das principais novidades evolutivas nas Angiospermas.

Os carpelos irão abrigar os óvulos (=gametângio) em uma estrutura denominada ovário.

Existem ainda uma estrutura cuja função é receber o pólen, denominada estigma que pode se conectar ao ovário por um estilete.

O que é

Gineceu do Grego gyne, que significa “mulher”.

É o conjunto de órgãos reprodutores femininos de uma flor, o conjunto dos pistilos. Engloba os carpelos, constituídos pelos estigmas, estiletes e ovários, localizando-se, em quase todos os casos, no centro da flor.

Gineceu

Gineceu ou pistilo é o aparelho reprodutor feminino e o seu ovário (formado pelos carpelos) contém um ou mais óvulos (megasporângios).

Cada óvulo é constituído por 2 integumentos (primina e secundina) e saco embrionário ou gametófito feminino (1 célula, contendo 8 núcleos (n): três antípodas, dois sinergídeos, dois núcleos polares e o gâmeta feminino, a oosfera).

O Gineceu é a parte feminina da flor, o gineceu (do grego gynekos, mulher), é formada por folhas modificadas férteis, chamadas folhas carpelares ou carpelos, a partir das quais se originam os óvulos. As folhas carpelares dobram-se e fundem-se, dando origem a uma estrutura que lembra um vaso de pescoço estreito e alongado, o pistilo. A base dilatada do pistilo é o ovário, e sua extremidade livre, localizada na ponta do tubo ligado ao ovário, é chamada estigma. Um pistilo pode ser constituído por uma ou mais folhas carpelares fundidas, dependendo do tipo de flor.

Em geral, o número de câmaras internas de um ovário corresponde ao número de carpelos que se fundiram para formá-lo.

 

Gineceu
Gineceu

FLORES

Gineceu

As flores são responsáveis, na maioria das plantas pela reprodução, pois é onde ocorre a fecundação, ou seja a união das células sexuais masculina e feminina.

Depois da fecundação, algumas partes da flor transformam-se em frutos e sementes. A semente contém uma nova planta, semelhante àquela da qual originou.

PARTES DAS FLORES

PEDÚNCULO: É a haste que prende a flor ao caule ou aos ramos

RECEPTÁCULO: É a extremidade dilatada do pedúnculo

3. CÁLICE: É formado por um conjunto de folhas modificadas, as sépalas, quase sempre verdes, que ficam ligadas ao receptáculo. Em algumas flores, como o cravo, as sépalas são unidas, formando uma peça única. Em outras, como a rosa, elas são separadas.

4. COROLA: É a parte mais bonita e colorida da flor. Constitui-se de folhas modificadas chamadas pétalas. Como as sépalas, também as pétalas podem ser unidas ou separadas, como o cravo e a rosa.

5. ANDROCEU:

Gineceu

É o órgão masculino da flor. Compõe-se de uma ou várias peças alongadas, chamadas estames.

Cada estame é formado de:

* Antera: região dilatada situada na ponta do estame, onde ocorre a formação do grão de pólen (pó amarelo que pode ser visto facilmente no miolo das flores) sendo a estrutura reprodutora masculina.

* Filete: haste que sustenta a antera.

* Conectivo: região onde se ligam o filete e a antera.

6. GINECEU:

Gineceu

É o órgão feminino da flor.

Constitui-se de um ou mais carpelos, que são folhas modificadas e possuem as seguintes partes:

* Estigma: Parte achatada do gineceu,situada na extremidade superior do carpelo, possui um líquido pegajoso que contribui para a apreensão do grão de pólen.

* Estilete: tubo estreito e oco que liga o estigma ao ovário.

* Ovário: parte dilatada do carpelo, geralmente oval, onde se formam os óvulos, estrutura reprodutora feminina.

O cálice e a corola constituem o Perianto, que é a região de proteção da flor, sendo também um elemento de atração de insetos e pássaros (que se alimentam de seu néctar), desempenhando um papel importante na polinização das flores.

Algumas flores não apresentam todos os verticilos: umas não têm cálice, outras não têm corola. Em certas plantas, como a abóbora e o mamão, há flores masculinas (nas quais só existe androceu) e flores femininas (que possuem apenas gineceu). Existem também vegetais, como o pinheiro, cujas flores não têm ovário. Dizemos então, que essas plantas possuem sementes nuas.

Então, as flores podem ser classificadas da seguinte forma:

Gineceu

1. Unissexuadas Masculinas: são aquelas que só possuem androceu.

2. Unissexuadas Femininas: são aquelas em que existe apenas gineceu.

3. Hermafroditas: são as flores que têm gineceu e androceu.

Gineceu

Fonte: www.geocities.com

Gineceu

FLOR

A flor é o órgão reprodutor das Angiospermas.

Origem: a partir de células meristemáticas situadas abaixo das camadas externas do ápice da gema.

Constituição: O padrão básico de uma flor constitui-se de um eixo caulinar de crescimento limitado, o receptáculo, que porta verticilos divididos em: cálice (sépalas), corola (pétalas), androceu (estames) e gineceu (carpelos). A flor é sustentada por um pedicelo (eixo caulinar que nasce na axila de uma ou mais brácteas).

Se o cálice for diferente da corola, o conjunto dessas estruturas é chamado perianto (ex.: maioria das dicotiledôneas, onde o cálice é verde e a corola de cores variadas). Se o cálice for semelhante à corola, esse conjunto recebe o nome de perigônio.

Exs.: Zephirantes atamosco e Hemerocalis flava (lírio amarelo).

O cálice pode ter as sépalas unidas, sendo chamado gamossépalo, ou livres, denominado então dialissépalo. O mesmo ocorre com a corola, podendo ser gamopétala ou dialipétala.

Gineceu

A corola pode estar ausente e a flor, nesse caso, é chamada monoclamídea; se cálice e corola estiverem ausentes, a flor é aclamídea e se os dois existirem, diclamídea. As flores diclamídeas podem ser diclamídeas heteroclamídeas, quando possuem perianto ou diclamídeas homoclamídas, quando possuem perigônio.

Androceu: o androceu é formado pelo conjunto dos estames, que têm sua origem filogenética nas folhas. Cada estame é formado por um filete, o qual está ligado a uma antera, através do conectivo; as anteras são divididas em tecas, geralmente em número de duas. No interior das anteras se encontra o saco polínico, contendo células diplóides (2n) que, ao sofrerem divisões reducionais, originam o grão de pólen.

Os estames podem ser livres, se estiverem presos apenas ao receptáculo e epipétalos, se estiverem presos às pétalas. As flores podem ser isostêmones, quando o número de estames é igual ao de pétalas; oligostêmones, quando o número de estames é inferior ao número de pétalas e polistêmone, quando o número de estames é maior que o número de pétalas.

Gineceu: É o conjunto dos carpelos e óvulos; os carpelos dividem-se em ovário, estilete e estigma; o ovário porta os óvulos, que podem estar alojados em lóculos, formados a partir de dobramentos das margens dos carpelos. O número de óvulos pode variar de um a muitos; enquanto algumas famílias como Poaceae (ex.: milho – Zea mays) possuem um único óvulo, outras possuem até 50! O gineceu pode ser formado por um ou mais carpelos, que podem estar unidos, caracterizando um gineceu sincárpico, ou livres, constituindo um gineceu apocárpico.

Gineceu

Obs.:

a- para se determinar a sincarpia ou apocarpia de um gineceu, deve-se examinar o ovário, pois os estigmas podem estar unidos.

b- quanto ao número de carpelos, a informação deve ser obtida com base no ovário, pois a ponta do estilete pode estar dividida. Quando os carpelos se unem, formando um gineceu bi a multilocular e os óvulos se arranjam na porção central, temos uma placentação axial; se os óvulos ficam presos à parede do ovário ou suas expansões, temos uma placentação parietal mas se o gineceu é apocárpico, este tipo de placentação passa a chamar-se laminar. Além desses tipos, existem a placentação central livre, exclusiva de ovários uniloculares, onde a placenta ocorre em uma coluna de tecido central; placentação basal, quando o óvulo é fixo na base do ovário; placentação apical, quando o óvulo é fixo no ápice do ovário e placentação marginal, quando a placenta se localiza ao longo da margem do carpelo de um ovário unilocular.

Envolvendo o ovário pode existir uma estrutura denominada hipanto, que pode ter duas origens:

a- a partir do receptáculo, denominado hipanto receptacular.

b- a partir da fusão de sépalas, pétalas e estames, denominado hipanto apendicular.

Só é possível discernir a origem do hipanto efetuando-se cortes anatômicos; o hipanto apendicular apresentará cortes com nervuras (características foliares) e o receptacular apresentará uma estrutura tipicamente caulinar.

O ovário pode ser súpero (quando é livre, acima do receptáculo) ou ínfero (quando está preso ao hipanto).

Se o ovário for súpero, a flor pode ser:

a. hipógina (na qual o ovário está posicionado acima do ponto de inserção de sépalas e pétalas) ou

b. perígina ( na qual o ponto de inserção de sépalas e pétalas coincide com a região mediana do ovário, que não está preso ao hipanto).

Se o ovário for ínfero, diz-se que a flor é epígina e, como já foi dito, o ovário é preso ao hipanto.

As flores podem ser monoclinas (bissexuadas), quando possuem androceu e gineceu ou diclinas (unissexuadas), quando possuem apenas uma dessas estruturas.

A maioria das flores é monoclina (cerca de 70%).

As plantas com flores diclinas podem ser monóicas (quando possui flores estaminadas e flores pistiladas) ou dióicas (quando possui flores estaminadas ou flores pistiladas).

As flores podem ser representadas por fórmulas florais ou por diagramas florais. As fórmulas florais indicam o número de peças de cada verticilo floral.

Exemplo de fórmula floral: K4 C5 A4 G3 onde: K = cálice; C = corola; A = androceu e G = gineceu.

O diagrama floral mostra, além do número de verticilos, a disposição dos mesmos na flor, fornecendo a simetria da flor.

Quanto à simetria, as flores podem ser:

a. actinomorfa: quando, em vista superior, é possível traçar linhas, obtendo-se vários planos de simetria

b. zigomorfa: quando, em vista superior, é possível obter-se apenas dois planos de simetria – ./.).

Obs.: Existem flores assimétricas, ou seja, flores que não permitem a execução de planos de simetria; no entanto, esta condição é rara.

INFLORESCÊNCIAS: São ramos modificados portando flores.

Os diversos tipos são classificados ontogenéticamente em duas grandes categorias:

1- Inflorescências cimosas ou determinadas: Onde cada eixo termina numa flor. A flor terminal se desenvolve antes das laterais; o crescimento desse tipo de inflorescência se dá através de gemas laterais, caracterizando um crescimento simpodial.

TIPOS:

a- Dicásio: O ápice da gema principal se transforma numa flor, cessando logo o desenvolvimento desse meristema: as duas gemas nas axilas das duas brácteas subjacentes prosseguem o crescimento da inflorescência e se transformam cada uma em uma flor, novamente pode o mesmo processo simpodial prosseguir a ramificação da inflorescência.

b- Monocásio: após a formação da flor terminal do eixo, apenas uma gema lateral se desenvolve em flor, e assim por diante. Esse desenvolvimento pode se dar em lados alternados (monocásio helicoidal) ou sempre de um mesmo lado (monocásio escorpióide)

2- Inflorescências racemosas ou indeterminadas: Onde o ápice meristemático da inflorescência jovem não forma uma flor, mas continua crescendo e produzindo flores lateralmente, caracterizando um crescimento monopodial.

TIPOS:

a- Racemo ou cacho: eixo simples alongado, portando flores laterais pediceladas, subtendidas por brácteas.

b- Espiga: eixo simples alongado, portando flores laterais sésseis (sem pedicelo) na axila de brácteas.

c- Umbela: eixo muito curto, com várias flores pediceladas, inseridas praticamente no mesmo nível.

d- Corimbo: tipo especial de racemo, onde as flores têm pedicelos muito desiguais e ficam todas num mesmo plano.

e- Umbela: flores com pedicelos iguais, inseridos num mesmo níve do eixo principal.

f- Capítulo: eixo muito curto, espessado e/ou achatado, com flores sésseis densamente dispostas. Geralmente existe um invólucro de brácteas estéreis protegendo a periferia do capítulo.

g- Panícula: cacho composto (racemo ramificado: eixo racemoso principal sustentando 2 a muitos eixos racemosos laterais). Os tipos acima podem aparecer combinados entre si, sendo comuns os corimbos de capítulos, racemos de capítulos, etc.

3- Tipos especiais de inflorescência

a- Espádice: tipo especial de espiga com eixo muito espessado, com uma grande e vistosa bráctea protegendo a base. Típica de Araceae (família dos antúrios) e Palmae (família das palmeiras).

b- Espigueta: unidade básica das inflorescências de gramíneas, constituindo uma espiga muito reduzida, envolvida por várias brácteas, densamente dispostas.

c- Sicônio: típico de Ficus (Moraceae), é uma inflorescência carnosa e côncava, com numerosas pequenas flores encerradas na concavidade.

d- Pseudantos: nome genérico aplicado à inflorescências condensadas em que muitas flores ficam dispostas de forma a formar uma única flor. Exs: capítulos, da família Compositae e ciátios, da família Euphorbiaceae. As flores representam um importante meio para se estudar taxonomia, a origem e a história das plantas.

Em seus caracteres se baseiam os mais utilizados sistemas de classificação, como o de Cronquist (1981) e o de Dahlgren (1981).

Além disso, sementes, frutos e pólen fossilizados são ótimos indicadores de local e data de origem dos vegetais.

O pólen, por ser revestido pela exina, constituída de esporopolemina, uma substância muito resistente a ácidos, se mantém inalterado durante milênios.

Quando ao estudo filogenético, ou seja, o estudo das relações de ancestralidade e descendência, os caracteres são polarizados como plesiomorfos (primitivos) ou apomorfos (avançados Acredita-se, por exemplo, que as inflorescências sejam adaptações evolutivas (apomorfia), pois incrementam a atração de polinizadores, aumentam a efetividade da polinização, por apresentarem muitas flores reunidas e, em plantas polinizadas pelo vento, contribuem para a produção de uma maior quantidade de pólen.

Fonte: professores.unisanta.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Terra Primitiva

Terra Primitiva

PUBLICIDADE O que é terra primitiva? A história da Terra diz respeito ao desenvolvimento do …

Respiração Branquial

Respiração Branquial

PUBLICIDADE O que é respiração branquial? As brânquias ou guelras são órgãos da respiração, são …

Mecanismos de Feedback

Mecanismos de Feedback

PUBLICIDADE O que são mecanismos de feedback? Um mecanismo de feedback é um processo que usa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+