Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home   Voltar

Catapora

A catapora ou varicela é uma doença causada por vírus que, embora seja geralmente benigna em crianças e adolescentes, pode causar problemas graves e até mesmo a morte de determinados pacientes.

Como a catapora é transmitida?

A catapora é altamente contagiosa e parece disseminar-se por gotículas infectadas do nariz e da garganta.

A doença pode ser adquirida das seguintes formas:

Pelas secreções do trato respiratório, por meio da tosse ou do espirro

E do contato direto com as lesões da pelo de uma pessoa doente.

A época mais propícia para o contágio inicia-se 1 a 2 dias antes do aparecimento das lesões da pele e termina quando todas as lesões já secaram (quando adquirem a aparência de crostas), geralmente entre 4 e 5 dias após seu aparecimento.

Quais os sinais e sintomas da Catapora?

Lesões da pele (elas geralmente aparecem primeiro no couro cabeludo e são mais freqüentes no tronco; nos casos mais graves podem acometer rosto, braços e pernas e também estar presentes na boca, na garganta e olhos.

Quais as complicações da catapora?

A complicação mais comum em crianças com catapora é a infecção bacteriana das lesões da pelo que pode causar desde cicatrizes permanentes até complicações mais graves, por exemplo, a síndrome de Reye (um acometimento do sistema nervoso e do fígado), uma complicação muito rara que ocorre quase exclusivamente em crianças que tomam aspirina durante a fase aguda da catapora.

Outras complicações graves, observadas com mais freqüência em pacientes idosos ou pacientes com resistência imunológica muito baixa incluem:

Herpes zoster (erupção dolorosa na pele, que pode ocorrer anos mais tarde)
Pneumonia
Meningite
Encefalite

Como prevenir a catapora?

A catapora pode ser prevenida evitando-se o contato com pessoas infectadas, mas a maneira mais eficaz de prevenir a doença é a vacinação.

A vacinação é segura?

A vacina para prevenir a catapora é utilizada há mais de 10 anos e é indicada para adultos, adolescentes e crianças saudáveis acima de 12 meses de idade. A vacina contra a catapora é geralmente bem tolerada, mas pode causar alguns efeitos leves como dor e vermelhidão local.

Se você ou seu filho não tiveram catapora, protejam-se. Procure um médico

Fonte: www.sinprafarmas.org.br

Catapora

O que é a catapora?

A catapora, também chamada de varicela, é causada por um vírus muito contagioso. As pessoas com catapora apresentamuma erupção (brotoejas) na pele, acompanhada de prurido (coceiras); estas erupções têm a aparência de pequeníssimas bolhas.

As erupções iniciam-se em geral no rosto, nas costas, no peito e na barriga, espalhando-se a seguir para outras partes do corpo. A erupção na pele é comumente acompanhada de uma febre fraca, cansaço e um ligeiro mal-estar no corpo.

Qualquer pessoa que nunca tenha tido catapora poderá contrair a doença, mas a catapora é mais comum em crianças com menos de quinze anos de idade.

Nos Estados Unidos, mais de 90% da população já teve catapora. Existe uma vacina para prevenir a doença. Às vezes, entretanto, mesmo as pessoas que já receberam a vacina podem contrair catapora (chamada, neste caso, de “infecção intercorrente”).

Quando as pessoas vacinadas contraem catapora, a doença é emgeral muito leve: o número de manchas no corpo é menor, há menor probabilidade de ocorrer febre e a recuperação é mais rápida.

A catapora é perigosa?

Sim, poderá ser perigosa. Antes da vacina estar disponível, em 1995, cerca de onze mil pessoas eram hospitalizadas por ano nos Estados Unidos devido a catapora e cerca de cem delas faleciam.

A catapora pode acarretar infecções graves de pele, cicatrizes, pneumonia, lesões cerebrais e morte. As complicações sérias (como pneumonia) são raras, mas ocorrem commaior freqüência em recém-nascidos, gestantes, pessoas com o sistema imunológico debilitado e adultos de forma geral. Uma pessoa que teve catapora pode desenvolver, após alguns anos, brotoejas dolorosas na pele, chamadas cobreiro (herpes-zóster).

Como a catapora é transmitida?

A catapora é transmitida de pessoa para pessoa pela tosse, espirros e ao se tocar nas erupções da pele.

As pessoas comcatapora podem transmitir a doença desde um a dois dias antes do aparecimento dos sintomas até o momento em que todas as lesões (feridas) apresentam uma crosta (normalmente em cerca de cinco dias).

No entanto, pessoas com o sistema imunológico fraco podem permanecer em fase contagiosa durante períodos mais prolongados e isto normalmente ocorre enquanto ainda estiverem surgindo novas bolhas.

Os sintomas aparecem em geral entre 10 e 21 dias após a exposição ao vírus.

De acordo com os regulamentos estaduais, pessoas com catapora estão proibidas de freqüentar escolas, colégios ou seus ambientes de trabalho, até que todas as bolhas tenham secado e formado crostas.

Quem pode contrair catapora?

Qualquer um que nunca tenha tido catapora e nunca tenha sido vacinado. Às vezes, no entanto, mesmo aqueles que foram vacinados podem ainda contrair catapora se forem expostos ao vírus; nestes casos, porém, a doença será bem mais leve e desaparecerá mais rapidamente. Bebês com menos de doze meses de idade, porque são muito novos para ser vacinados.

Catapora
Catapora

Como você pode prevenir a catapora?

Proteja seus filhos vacinando-os entre 12 e 18 meses de idade ou após este prazo em qualquer idade se eles ainda não tiveram catapora.

É importante garantir que todas as crianças com menos de treze anos de idade e que não tiveram ainda catapora sejam vacinadas, porque há maiores riscos de complicações a partir desta idade.

Deverão ser vacinados adolescentes e adultos não imunes à catapora, especialmente os profissionais da saúde ou os que convivem com alguém que tenha o sistema imunológico debilitado. Mulheres não imunes à doença e que planejamengravidar deverão também receber a vacina.

Adolescentes (13 anos de idade ou mais) e adultos necessitam receber duas doses da vacina contra varicela para ficar protegidos. Se uma pessoa receber a vacina contra catapora no prazo de até três dias (e possivelmente até cinco dias) a partir do contato com alguém com catapora, provavelmente não ficará doente.

Determinadas pessoas (como recém-nascidos, gestantes e aquelas com o sistema imunológico debilitado) que não tiveram catapora, nem foram vacinadas, correm maior perigo de apresentar complicações se forem expostas à catapora. Nestes casos, em vez de serem vacinadas, elas deverão receber uma injeção de anticorpos contra catapora, denominados imunoglobulinas específicas para varicela-zóster (VZIG –varicella-zoster immune globulin), para diminuir a probabilidade de ter complicações graves, como pneumonia.

A administração de VZIG oferece apenas proteção temporária; portanto, todos os que receberem esta injeção precisarão ainda ser vacinados, como descrito acima, para obter uma proteção de longa duração contra catapora

Fonte: www.mass.gov

Catapora

A catapora é uma doença provocada por um vírus que causa uma erupção cutânea generalizada e que geralmente tem curso benigno.

Trata-se de uma doença altamente contagiosa acometendo principalmente as crianças levando ao afastamento escolar e motivando a falta dos pais ao trabalho.

Como se contrai?

Altamente transmissível, acomete em geral crianças na fase pré-escolar e escolar. Ocorre principalmente no inverno e início da primavera. Um indivíduo pode transmitir a infecção antes mesmo de apresentar a erupção na pele o que significa que a doença pode ser transmitida não só pelo contato direto com o material das vesículas que contém o vírus mas também através das secreções respiratórias , ou seja via aérea.

Os indivíduos infectados são transmissores do vírus desde um a dois dias antes da erupção até o momento em que todas as lesões estejam em fase de crosta. O indivíduo infectado passará por um período de incubação de 14 a 21 dias até que surja a erupção, portanto, quem entrar em contato com pessoa com catapora deverá ser observado por este período ( 14 a 21 dias ) para ter a certeza se contraiu ou não a infecção. Neste caso não há necessidade de quarentena.

Após um período de incubação de 14 a 21 dias, surge a primeira manifestação da doença que é um exantema (erupção) pruriginoso associado ou não a febre, em geral baixa e mal estar. O exantema surge inicialmente na face, couro cabeludo ou tronco e caracteriza-se por lesões populares, avermelhadas lembrando picadas de mosquito que rapidamente evoluem para vesículas (bolinhas de água) que parecem repousar sobre a pele e circundadas por um halo avermelhado. A seguir as vesículas evoluem para crosta. O indivíduo infectado pela doença pode apresentar lesões em estágios diferentes ou seja, ao mesmo tempo pode apresentar pápulas, vesículas e crostas. Podem surgir lesões em boca, genitais e conjuntivas. A intensidade da doença é variável e pode se limitar a um único surto de vesículas até 5 ou 6, aumentando o número de lesões podendo cobrir praticamente toda a superfície do corpo.

Duração

Duração de 2 a 3 semanas até cairem todas as lesões. Durante o período de contagiosidade em geral, 7 a 10 dias, tempo que compreende dois dias antes da erupção até a formação de todas as crostas, a criança deverá ficar em casa (isolamento) para evitar a disseminação da doença.

Tratamento

O tratamento é ambulatorial e não necessita de tratamento específico mas apenas medicamentos para alívio dos sintomas dentre eles o prurido que causa grande desconforto e inquietude. É importante que se tenha os cuidados com a higiene pessoal para diminuir o risco de infecção da pele (banho diário, roupas leves e confortáveis, cortar as unhas). A febre poderá ser combatida com o uso de anti-térmicos, contudo, é contra indicado derivados do ácido - acetil salicilico (Aspirina, AAS, Melhoral) Já dispomos de vacina para a catapora que confere imunidade contra a doença evitando os transtornos acarretados pela mesma.

Fonte: www.medialsaude.com.br

Catapora

Durante o período de chuvas, evite dividir ambientes fechados com pessoas contaminadas pela doença.

O que é?

Uma doença altamente contagiosa provocada por um vírus. Com nome científico de varicela, costuma atingir principalmente as crianças. Em geral, é benigna e costuma incomodar principalmente pelas manchas vermelhas e pela coceira intensa.

Imunidade

Quem já teve varicela uma vez na vida, não corre mais o risco de desenvolvê-la. No entanto, como o vírus da catapora é o mesmo do herpes zoster (ou cobreiro), existe o risco de um indivíduo com defesa baixa desenvolver uma nova doença depois de entrar em contato com doentes em fase de ontágio. Quem tem doenças imunodepressivas, como Aids, deve manter distância do vírus.

Vacina

Existe uma vacina que previne a doença. Em Brasília, está disponível em centros de vacinação ou clínicas particulares de pediatras ou dermatologistas. O preço médio é de R$ 65,00. É indicada para todas as crianças com mais de um ano e para adolescentes e adultos que ainda não foram contagiados pela varicela.

Transmissão

É muito comum em época de chuva e frio, quando as pessoas se juntam em locais fechados com maior freqüência. Crianças em fase escolar têm maiores chances de se contagiar pelo vírus.

A transmissão se dá pelo ar. Se uma criança ou um adulto que nunca teve catapora entrar em contato com alguém contagiado, a contaminação é quase certa.

Incubação

Depois de entrar em contato com o vírus da catapora, o indivíduo permanece entre 14 e 21 dias sem apresentar sintomas. É o que se conhece como tempo de incubação.

Sintomas

Começam com pontinhos vermelhos espalhados pelo corpo que se parecem com picadas de inseto. Nessa fase, a doença não costuma ser detectada facilmente.

Essas manchas , depois de dois ou três dias, crescem e mudam de aspecto. Tornam-se vesículas (folhas cheias de um líquido transparente). As bolhas podem aparecer em regiões delimitadas do corpo ou nele inteiro. Muitas vezes, os sinais aparecem também nas mucosas da boca, do nariz, dos olhos, entre outras.

Além da coceira intensa, o contagiado pode apresentar febre baixa, dor de cabeça. É uma doença que pede repouso durante os primeiros dias depois de surgirem os primeiros sintomas.

O estágio no qual o corpo fica com sinais variados – desde as manchinhas parecidas com picadas de inseto, bolhas, até as feridas e crostas ressecadas – é o mais característico da doença. Nessa fase, não há como confundir a catapora com qualquer outro problema. Enquanto as feridas não cicatrizarem, é preciso manter o doente isolado, pois há risco de contaminação.

Complicações

A catapora é um problema pouco grave, desde que bem tratado

No entanto, se a doença se manifestar em crianças com resistência muito baixa ou se não for cuidada devidamente, podem apresentar complicações como:

Infecção bacteriana secundária: muitas vezes, a criança coça os caroços com unhas sujas, que podem estar contaminadas por bactérias. Se as bolhas contiverem líquido amarelo, é sinal de infecção;

Pneumonia: o vírus da doença pode entrar no organismo e provocar doenças mais sérias em outros órgãos, como pulmões;

Encefalite: é uma inflamação no cérebro. Se esta complicação for detectada rapidamente, as seqüelas podem ser evitadas. Mas se o tratamento for displicente, a doença pode até matar.

Tratamento

Antes de qualquer remédio, uma determinação: nunca coce. As bactérias são invisíveis e podem infeccionar as feridas. Normalmente, as cicatrizes escuras da catapora são decorrentes de infecções secundárias.

Cuidados locais. Banhos com permanganato de potássio são sempre aconselhados para aliviar a coceira e cicatrizar rapidamente as feridas.

Importante: dissolva um pacote ou um comprimido em cinco litros d'água.

Se houver início de infecção, antibióticos podem ser receitados. Procure sempre o médico antes de tomar qualquer remédio. Se as dores de cabeça ficarem fortes, é possível que tenha surgido alguma complicação.

Dicas para o paciente

Corte sempre as unhas e deixe-as limpas
Evite contato com pessoas com baixa capacidade de defesa
Use roupas leves, para evitar calor e aliviar as coceiras
Use luvas na hora de dormir, se a coceira incomodar muito
Tente aliviar o prurido com talcos mentolados ou banhos com maisena.

Fonte: www.santalucia.com.br

Catapora

Como se pega a Catapora?

A Catapora, também conhecida como varicela, é uma doença altamente infecciosa com 90% de taxa de infecção. O vírus que causa a doença é especialmente adaptado para atacar o aparelho respiratório, propagando-se facilmente de pessoa para pessoa por gotículas de secreção, geralmente provenientes da tosse ou espirros de pessoas doentes. O vírus também pode ser transmitido pelo contato direto com as lesões da Catapora ou do Herpes Zoster.

Quem pode pegar Catapora?

Qualquer pessoa, de qualquer idade. Crianças, adolescentes e adultos que nunca tenham tido Catapora antes.

Como é a evolução da Catapora?

O sintoma característico é a pele com pintas, pequenas bolhas que coçam muito, iniciando-se no tronco e gradualmente se espalhando para a face, onde acomete couro cabeludo, lábios, boca e orelhas, e também braços e pernas. A maioria das crianças têm entre 250 e 500 lesões, podendo chegar a 2000, que formam crostas e permanecem por uma a duas semanas. As crianças podem ficar extremamente irritadas pela coceira intensa e podem ter febre, calafrios, náuseas e vômitos.

A Catapora pode ser grave, mesmo em crianças saudáveis?

Sim, pode. Embora a maioria das crianças com Catapora não apresente complicações, algumas podem apresentar evoluções desfavoráveis, especialmente pneumonia, que pode matar. Infecção bacteriana secundária pode ocorrer na pele e acarretar em danos estéticos (cicatrizes) irreparáveis para o resto da vida.

Em alguns casos se indica a cirurgia plástica reparadora na tentativa de minimizar estas marcas.

A Catapora em adolescentes e adultos costuma ser mais grave do que em crianças?

Sim. A Catapora, em geral, é mais grave em adolescentes e adultos. A febre é mais elevada e persistente e as lesões costumam ser mais numerosas. Há também maior chance de complicações, como a pneumonia e a morte.

Por que é importante que você e sua família evitem a Catapora?

Existem pelo menos três importantes razões:

Primeira: o impacto total da Catapora sobre os pacientes e seus familiares, freqüentemente, é subestimado. Do ponto de vista físico, a Catapora é muito desconfortável para o paciente e toda sua família e pode ter danos estéticos por muito tempo (às vezes por toda a vida).

Segunda: a Catapora pode causar problemas financeiros pela diminuição dos ganhos dos pais, que são obrigados a ficar em casa cuidando de seus filhos doentes, ou no caso de adultos que permanecem afastados do trabalho até a melhora da infecção. Além disso, existem gastos com medicamentos, consultas médicas e exames complementares, principalmente quando ocorrem complicações que obriguem a internação. Quando tem outra criança na mesma casa que nunca teve Catapora, o tempo de permanência dos pais em casa pode ser maior ainda. Vale ressaltar que o segundo caso dentro de uma mesma família tende a ser mais grave.

A terceira razão pela qual você deveria pensar em evitar a Catapora é a boa notícia de se ter no Brasil a vacina contra essa doença. A vacina é segura e promove uma proteção duradoura em crianças, adolescentes e adultos saudáveis.

Caso você seja vacinado até três/cinco dias após o contato com o vírus, é possível que fique protegido e não desenvolva a doença.

A vacina contra a Catapora é usada em outros países?

Sim. A vacina está na rotina de vacinação infantil dos EUA há vários anos. Também é amplamente utilizada nos países europeus, além do Japão, Coréia, Tailândia, Argentina, México e Chile.

A vacina consta no calendário de vacinação da Sociedade Brasileira de Pediatria?

Sim. A vacina contra a Catapora, em crianças saudáveis a partir dos 12 meses de vida, consta no calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Além da Catapora, que doenças o vírus Varicela Zoster (VZV) pode causar?

A manifestação primária da infecção pelo vírus Varicela Zoster (VZV) é a Catapora, entre os médicos conhecida como Varicela.

Sabidamente, é uma doença altamente contagiosa causada pelo VZV quando a pessoa é exposta pela primeira vez a ele.

As pessoas com Catapora em geral apresentam:

Febre alta durando, aproximadamente, 5 dias

Vesículas (pequenas bolhas de água). São entre 250 e 500 lesões, podendo chegar a 2000, espalhadas pela face, tórax e membros, que podem deixar cicatrizes para o resto da vida

Coceira intensa que pode levar à piora das lesões da pele como conseqüência de infecções por bactérias, que aumentam ainda mais o risco de cicatrizes permanentes. vírus então permanece latente ("incubado") no corpo e pode, mais tarde, causar o Herpes Zoster.

Qual a diferença entre Catapora e Herpes Zoster?

Durante a Catapora, as células nervosas tornam-se infectadas com o vírus, uma associação que persiste por toda a vida, embora o vírus fique adormecido. O vírus pode ser reativado mais tarde devido à diminuição da eficiência do sistema imune que ocorre com o avanço da idade.

Por isso o Herpes Zoster é mais comum em pessoas idosas. A principal diferença entre as duas doenças são as lesões da pele, que no caso do Herpes Zoster estão agrupadas acompanhando o trajeto de nervos, são vermelhas e extremamente dolorosas. Na Catapora, as lesões de pele são mais espalhadas, acometendo todo o corpo e face.

Crianças podem ser protegidas contra a Catapora, mesmo após uma exposição ao vírus?

Sim. A vacina contra a Catapora pode ser eficaz na profilaxia pós-exposição ao vírus da doença. Estudos mostram que, se a criança for vacinada entre 3 a 5 dias após a exposição ao vírus, é possível que não desenvolva Catapora, uma vez que o período de incubação do vírus vai de 10 a 18 dias.

Fonte: www.casadevacinasgsk.com.br

Catapora

A Varicela, também chamada de Catapora, é uma infecção que causa uma erupção cutânea pruriginosa (que coça), que se espalha rapidamente pelo corpo e é muito contagiosa. Isto significa que ela se espalha facilmente de uma pessoa para outra. É causada pelo “Vírus Varicela-Zoster” (V.V.Z.) que entra no corpo pela boca e se dissemina pelo contato com uma pessoa infetada.

Uma pessoa com catapora pode disseminar a doença para outra pessoa desde um dia antes da erupção cutânea aparecer e até que todas as bolhas da catapora formem crostas. Uma vez a pessoa tenha tido catapora, ela quase sempre desenvolve imunidade para o resto da vida, significado que a pessoa normalmente não adquire catapora uma segunda vez. A exceção é aquela criança que foi infectada a uma idade muito jovem. As crianças jovens normalmente têm casos mais leves e podem não adquirir proteção o bastante contra a doença. Então, estas crianças podem contrair novamente a doença mais tarde.

Como a catapora é muito contagiosa, 90% da família de um paciente também irá desenvolver a doença se eles morarem na mesma casa e já não forem imunes à doença. No passado, os casos de catapora aconteciam freqüentemente em grupos (epidemias), normalmente durante o fim do inverno e começo do outono.

Porém, o número de casos de catapora caiu drasticamente por causa da vacina contra a catapora (varicela) que foi autorizada em 1995 e é recomendada para todas as crianças.

A catapora é uma infecção incômoda que, na maioria dos casos, vai embora por si só. Porém, a catapora também está associada com complicações sérias, inclusive a morte. Aproximadamente uma de cada 100 crianças infectadas com catapora desenvolverá uma infecção pulmonar grave (pneumonia), uma infecção cerebral (encefalite), ou um problema com o fígado. Infecções graves da pele também podem acontecer. Antes da introdução da vacina, centenas de milhares de crianças adquiriam catapora no mundo todo, todo ano, dessas, 1/1000 tinham alguma complicação que levava à morte, a maioria delas em crianças previamente saudáveis. Os adolescentes e adultos que desenvolvem catapora também estão sob risco alto de desenvolver complicações sérias.

Depois que uma pessoa teve catapora, o vírus vive silenciosamente no sistema nervoso do corpo para o resto da vida da pessoa. A catapora pode reativar (voltar novamente à vida) a qualquer hora quando as defesas imunes do corpo estão debilitadas por stress ou doença (como o câncer ou a infecção pelo HIV) ou por medicamentos que debilitam o sistema imune. A razão mais comum para o vírus reativar é o envelhecimento. A reativação do vírus causa uma condição chamada herpes zoster, uma erupção cutânea dolorosa da pele que tipicamente acontece na face, tórax ou na parte de trás, na mesma área onde um ou dois nervos sensoriais do corpo se localizam (geralmente no trajeto das costelas).

Quadro Clínico

Os sintomas da catapora começam entre 10 e 21 dias depois que a pessoa foi exposta. A doença inclui febre e tipicamente uma sensação de se estar doente. Isto logo é seguido por manchas vermelhas que coçam e que depressa viram bolhas, cheias de líquido e que são reconhecidas facilmente como catapora. Estas bolhas da pele são redondas, têm aproximadamente 5 a 10 milímetros, com uma base vermelha. Elas aparecem em várias fases durante os próximos dias e eventualmente formam crostas em sua superfície. Estas bolhas podem aparecer em qualquer lugar da pele, até mesmo dentro da boca, garganta ou genitália. Alguns pacientes têm mais de 50 bolhas, mas a quantidade é variável.

Diagnóstico

O médico normalmente pode dizer se alguém tem catapora bastando fazer uma inspeção da pele, especialmente se a pessoa não tomou a vacina contra a catapora ou não foi infectada antes. Embora possa ajudar o fato do paciente ter sido exposto a alguém com catapora, isto não é necessário para fazer o diagnóstico. Exames de sangue especiais, como o teste de anticorpo fluorescente para antígeno de membrana e o teste ELISA, são disponíveis hoje em dia, mas eles geralmente não precisam ser feitos na maioria dos pacientes. Às vezes o médico pode raspar uma bolha de catapora e encaminhar o material ao laboratório para ser examinado ao microscópio.

Prevenção

A catapora era considerada uma doença inevitável da infância tendo em vista que todas as pessoas acabavam desenvolvendo a doença em alguma época de suas vidas. Porém, desde que a vacina foi autorizada, esta doença pode ser facilmente prevenida. Esta vacina é aprovada para uso na maioria das crianças após os 12 meses de idade, e também pode ser dada aos adolescentes e adultos que não têm nenhuma história de catapora. A maioria dos pediatras e clínicos gerais recomendam hoje que todas as crianças sejam vacinadas contra a catapora após os 12 ou 15 meses de idade. A vacina também é recomendada quando alguém que nunca teve a doença e nem tomou a vacina, e foi exposto a alguém com catapora ativa. Isto pode ajudar a impedir que aquela pessoa adquira a doença.

Algumas pessoas estão sob risco elevado de complicações sérias da catapora, inclusive pessoas que têm problemas com seu sistema imune, certas mulheres grávidas, e as crianças prematuras. Se uma pessoa com risco alto é exposta a alguém com catapora, uma injeção de Imunoglobulina da Varicela Zoster (IGVZ) também pode ajudar a prevenir a catapora. A IGVZ contém anticorpos protetores contra a catapora e é retirada do sangue de pessoas saudáveis que têm níveis altos de proteção contra o vírus da catapora. Porém, a IGVZ raramente é administrada a menos que a pessoa tenha risco de complicações sérias e tenha sido exposta a alguém com catapora por mais de uma hora.

Tratamento

Os médicos podem usar o medicamento antivirótico Aciclovir (Zovirax ®) para ajudar a minimizar os sintomas da catapora em adultos, mas ele só é efetivo se é iniciado dentro das primeiras 24 horas depois da exposição. Qualquer pai cujo filho, sem uma história pessoal de catapora, desenvolve a doença, deve contatar o pediatra imediatamente e ver se algum tratamento é recomendado para ele. Crianças saudáveis que adquirem catapora não precisam de aciclovir porque o remédio é caro e parece não ajudar em todos os casos.

A maioria dos tratamentos para catapora focalizam aliviar a coceira irritante das bolhas da catapora e prevenindo que as bolhas rompidas sejam infectadas ao serem coçadas / arranhadas. Banhos com leite de aveia e loção de calamina podem ajudar a reduzir a coceira. As unhas devem estar em bom estado para diminuir o risco de infecção ao coçar. Se a coceira não pode ser controlada com banhos e ou loções, anti-histamínicos orais (tomados por boca), como a Difenidramina (Benadryl ® e outras marcas), podem dar algum alívio. Use um medicamento analgésico (contra dor) como o Acetaminofen (Tylenol ® e outras marcas) para abaixar a febre de seu filho. Nunca dê aspirina a uma criança com catapora porque ela pode causar a Síndrome de Reye, uma doença potencialmente fatal. Às vezes, as bolhas da catapora podem ser infectadas com bactérias e pode ser necessário tratamento antibiótico.

Qual Médico Procurar?

A maioria dos casos de catapora não requer uma visita ao médico.

Procure o pediatra ou o clínico geral se qualquer criança ou adulto em sua família desenvolverem sintomas de catapora e se:

Você está inseguro quanto ao diagnóstico.
Alguém na casa não ter boa resistência à infecção (por exemplo, toma corticóides regularmente, ou tem câncer e está em quimioterapia, ou tem AIDS).
Alguém na casa, especialmente um adulto, não teve catapora ou tomou vacina.
Alguém na casa está grávida.

Peça ao médico recomendações se você ou seu filho foram expostos à catapora e nenhum de vocês teve a doença ou tomou a vacina antes.

Em pessoas com catapora confirmada, procure o médico se quaisquer dos seguintes sintomas se desenvolver:

Febre de 39° ou mais
Coceira que não é aliviada por medicamento e banhos
Bolhas que estão inflamadas, dolorosas, inchadas, ou cheias de pus

Bolhas perto dos olhos

Sinais de infecção do cérebro (encefalite), incluindo dor de cabeça grave, sonolência e vômitos
Sinais de infecção pulmonar (pneumonia), incluindo tosse e falta de ar.

Para diminuir a expansão da catapora, a pessoa com catapora deve evitar expor as pessoas que não tiveram a doença, especialmente aqueles que não podem combater bem as infecções.

Se você ou seus filhos (após o 1° ano de vida) nunca tiveram catapora, pergunte a seu médico sobre a vacina da catapora. Se você é mulher e nunca teve catapora e você está pensando em engravidar, fale imediatamente com seu médico para reduzir o risco de ter catapora e outras infecções evitáveis antes de você ficar grávida.

Prognóstico

A Catapora se espalha pelo corpo por um período de 3 a 5 dias e então forma crostas nos próximos 7 a 10 dias.

Em crianças saudáveis, a catapora normalmente é uma infecção leve, e a pele que volta ao normal dentro de duas a quatro semanas. Às vezes, algumas cicatrizes leves permanecem onde alguma erupção cutânea da catapora tenha ocorrido. Lembre-se que, em um número pequeno de casos, a catapora causa infecções mais sérias que requer hospitalização e às vezes causa inaptidão a longo prazo e morte.

Fonte: www.policlin.com.br

Catapora

O que é catapora?

Catapora ou varicela é uma doença viral que ocorre principalmente na infância e que se manifesta com lesões características na pele acompanhadas ou não de febre ou outras manifestações.

Quais as causas?

A causa da catapora é um vírus chamado varicela-zoster, pertencente ao grupo do herpes vírus, que tende a produzir infecções persistentes após a primeira infecção.

Este é facilmente transmitido do doente para a pessoa sem defesa a este vírus, isto é, pessoas suscetíveis.

A transmissão ocorre principalmente durante a fase aguda, através do contato com as lesões de pele e também por via respiratória (inalação de partículas virais) um a dois dias antes do aparecimento das lesões de pele.

Quais os sintomas?

Após 14 a 21 dias do contato com o doente, a primeira manifestação da catapora pode ser o aparecimento de lesões na pele, que, em geral, se iniciam na face e progridem para tronco, abdome e um pouco para membros e são caracterizadas por pontos róseos circundados por um halo mais avermelhado (maculopápulas), pequenas bolhas com conteúdo líquido claro ou turvo (vesículas) e crostas. Essas lesões evoluem de forma rápida de maculopápulas a vesículas que se dessecam e viram crostas.

Geralmente coçam e podem ser em tamanho e número variáveis, acometem a boca e genitais e podem se manifestar como quadros leves ou graves.

O aparecimento de novas vesículas ocorre em surtos de três a cinco dias e, enquanto estiver apresentando as vesículas, a catapora é contagiosa.

Febre baixa, mal-estar com duração de um a dois dias podem estar presentes em algumas crianças, entretanto dores musculares, dores articulares e quadros febris mais intensos são vistos mais freqüentemente em adolescentes ou adultos.

A febre, quando presente, pode persistir enquanto estiverem surgindo novas vesículas, porém se persistir após isso sugere complicação da doença.

A catapora é uma doença sistêmica, isto é, afeta vários órgãos, além da pele, e tem evolução variável conforme a defesa imunológica da pessoa que a contraiu.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é clínico, isto é, como as lesões são bastante características não há necessidade de exames laboratoriais para confirmação da doença.

É importante frisar que a criança deve ser avaliada por um médico para confirmação diagnóstica.

Há prevenção?

Sim, através do emprego da vacina contra varicela em crianças sadias a partir de um ano de idade.

Essa vacina não faz parte do calendário do Programa Nacional de Imunização, portanto não é fornecida nos postos de saúde para a população, porém pode ser liberada nos Centros de Imunobiológicos Especiais (CRIES) para algumas situações específicas.

As vacinas estão disponíveis nas clínicas privadas, são constituídas de vírus vivos atenuados e por isso são contra-indicadas em algumas situações, como gravidez, e em pessoas com deficiência do sistema imunológico.

A vacina também pode ser utilizada até o terceiro dia do contato com caso de varicela, visando evitar ou atenuar a doença.

Pessoas com deficiência imunológica em contato com catapora podem receber a imunoglobulina específica contra varicela-zoster (anticorpo específico) até o quarto dia do contato.

Por que é uma doença considerada infantil?

A criança nasce com defesa contra doenças que a mãe já teve. No útero recebe anticorpos através da placenta e, após o nascimento, através do aleitamento materno.

Em geral, até o final do primeiro ano a criança perde os anticorpos maternos e se torna suscetível às infecções.

A primeira infecção é resultante do encontro do indivíduo suscetível com o vírus e essa se dá mais na infância. A faixa etária mais acometida é a pré-escolar e a escolar.

Se a pessoa não contrai catapora quando criança, há complicações maiores se contrair quando adulta?

Sim, existem grupos de risco para complicações da catapora e os adolescentes e adultos fazem parte desse grupo.

Nessa faixa etária a catapora é mais intensa, com maior número de lesões, maior freqüência de sinais sistêmicos e maior taxa de complicações respiratórias e neurológicas.

A pneumonia é cinco a 10 vezes mais freqüente, a taxa de internação é 25 vezes maior do que na criança e a letalidade (óbitos pela catapora) também é maior nos adultos.

Outros grupos de risco para complicações são as pessoas com deficiência imunológica, com doenças ou tratamentos como quimioterapia, radioterapia ou corticóides em altas doses, gestantes, recém-nascidos de mães que tiveram catapora cinco dias antes ou dois dias após o parto, infecção no primeiro ano de vida, casos secundários em domicílio ou creches.

Qual o tratamento?

A catapora em crianças normais é uma doença autolimitada e não necessita tratamento específico.

A criança deve permanecer afastada da escola até todas as lesões de pele se tornarem crostas, e esse período em geral é de sete dias.

Para combate da febre ou da dor utilizam-se antitérmicos e analgésicos comuns, exceto a aspirina devido ao risco de complicação no fígado e no sistema nervoso.

A coceira pode ser aliviada com talcos refrescantes ou anti-histamínicos via oral.

Os cuidados de higiene pessoal devem ser estimulados, as unhas devem ser aparadas para evitar o risco de infecção secundária da pele.

A catapora numa criança com deficiência imunológica deve ser considerada doença potencialmente grave e necessita introdução do tratamento com droga antiviral (aciclovir) durante cinco a dez dias.

O uso de antibióticos fica restrito às infecções de pele ou pneumonias, que são as complicações bacterianas mais freqüentes.

Fonte: www.escolabatistaiban.com.br

Catapora

O que é a varicela?

A varicela é uma doença infecciosa causada por um vírus chamado Vírus da Varicela Zoster (porque é também o agente causador do herpes zoster ou zona).

Qual é a idade mais habitual de aparecimento da varicela?

A varicela faz parte de um grupo de doenças chamadas «doenças da infância» pois atinge preferencialmente as crianças, com maior incidência entre os dois e os oito anos. Até ao terceiro ou quarto mês de vida as crianças estão protegidas pelos anticorpos maternos (transmitidos pela mãe durante a gravidez) se a mãe teve a doença anteriormente.

Embora seja mais raro, a varicela pode atingir os adultos que não tiveram a doença enquanto crianças.

A varicela é uma doença contagiosa?

Sim. A varicela é uma doença muito contagiosa, embora a sua transmissão dependa quase sempre do contato direto com a pessoa infectada, pois o vírus é muito sensível à lavagem das mãos de quem trata do doente e ao arejamento dos locais onde este permanece. A transmissão pelo ar (através das gotículas de saliva), é teoricamente possível mas muito rara.

Qual é o período de contágio da varicela?

O período de contágio da varicela é de cerca de dez dias (desde o dia anterior ao aparecimento da erupção até todas as vesículas estarem secas, formando crostas que já não contêm vírus vivos). Em alguns casos, em que a erupção é ligeira, este período pode ser menor, mas a legislação obriga a um período de afastamento escolar de dez dias, nas crianças em idade escolar que contraíram varicela.

Ao fim de quanto tempo após o contato com um doente com varicela aparece a doença, no caso de haver contágio?

O tempo que decorre desde o contágio até ao aparecimento da varicela (período de incubação) é de cerca de quinze dias, podendo variar desde dez e vinte dias.

Qual é a altura do ano em que a varicela é mais frequente?

Os surtos de varicela surgem habitualmente no final do Outono, no Inverno e na Primavera.

Quantas vezes pode uma criança ter varicela?

Em geral só se tem varicela uma vez na vida pois a doença confere imunidade permanente (proteção contra uma nova infecção pelo mesmo vírus). Embora raros, estão descritos e comprovados alguns casos de segunda infecção pelo vírus da varicela, mas na maioria dos casos a ocorrência de segunda infecção deriva de erro de diagnóstico num dos casos.

Como se manifesta a varicela?

Na sua forma mais frequente a varicela começa com o aparecimento da erupção ou exantema em simultâneo com sintomas gerais e inespecíficos, como febre, dores de cabeça, mal estar e falta de apetite.

Nos adolescentes e nos adultos com varicela, os sintomas gerais podem surgir dois dias antes de aparecer a erupção na pele.

A erupção da varicela caracteriza-se pelo seu aparecimento por «surtos», inicialmente no tronco onde é mais abundante, e expande-se depois para as regiões da cabeça e membros, tornando-se mais escassa nas zonas mais afastadas do centro do corpo.

Outra característica da erupção da varicela é a sua rápida evolução, passando as lesões da pele por várias fases num período de poucas horas. As primeiras lesões são manchas de cor rosada (máculas), que se tornam salientes (pápulas), formam pequenas bolhas com líquido transparente no centro (vesículas) que ao secarem vão formar uma crosta.

Devido à sua rápida evolução a característica mais evidente da erupção cutânea (exantema) da varicela é a coexistência dos quatro tipos de lesões (máculas, pápulas, vesículas e crostas) ao fim do primeiro ou segundo dia de doença. As lesões da varicela poupam a palma das mãos e a planta dos pés e atingem o couro cabeludo e as mucosas (garganta, órgãos genitais e conjuntiva), onde podem causar pequenas feridas dolorosas. Outra característica da varicela é causar habitualmente prurido (comichão), que pode ser intenso.

Em relação à febre, é um sintoma variável na varicela, podendo ir de quase inexistente a febre elevada (39º - 40º), sendo a sua intensidade geralmente proporcional à extensão da erupção.

Há diferenças entre a varicela nas crianças e no adulto?

Há. A varicela é , em geral, mais grave no adulto que na criança.

Já vimos que na varicela do adulto há um período inicial de sintomas gerais, tais como: febre, dores de cabeça e de garganta, mal estar, dores musculares e falta de apetite, que precede o aparecimento da erupção, o que é menos habitual na criança.

Além destes sintomas gerais mais precoces e intensos, a febre alta dura mais dias e a erupção é mais extensa. Também as complicações, raras na criança, são mais frequentes no adulto e potencialmente graves.

A varicela é uma doença benigna?

Na infância, a varicela é uma doença benigna, por vezes com uma erupção ligeira e quase sem febre ou outros sintomas gerais. Pode, no entanto, evoluir de forma mais grave, por vezes com complicações, o que é mais frequente nas crianças muito pequenas (no primeiro ano de vida), nos adultos e nos doentes imunodeficientes (com as defesas diminuídas por outras doenças).

A varicela pode também ser grave na grávida, não só pela sua evolução, mas pelo risco de causar malformações quando contraída nos primeiros meses da gravidez, ou varicela grave no recém nascido se afetar a mãe nos dias que antecedem o parto.

Quais são as complicações da varicela?

A complicação mais frequente da varicela é a infecção das lesões da pele por bactérias transportadas para o local quando o doente se coça. As lesões infectadas podem, por sua vez, servir de porta de entrada a outras infecções mais graves, nos pulmões, rins, ossos, etc.

A pneumonia causada pelo vírus da varicela, embora rara, é uma complicação que pode ser grave, e que atinge principalmente os adultos, e com maior frequência as grávidas. Outras complicações mais raras são as complicações neurológicas, como a encefalite (infecção do cérebro) e a Síndrome de Reye ( inflamação do cérebro e do fígado).

O que é a Síndrome de Reye?

A Síndrome de Reye é uma afecção grave de causa desconhecida, que provoca uma inflamação progressiva do cérebro e do fígado, podendo causar a morte.

A Síndrome de Reye afeta normalmente crianças ou adolescentes, e embora se desconheça a sua causa, sabe-se que existe uma relação entre a administração de ácido acetilsalicílico ou derivados (aspirina, aspegic, etc.) a crianças com varicela ou gripe e o aparecimento desta complicação grave.

Como se faz o diagnóstico de varicela?

Sendo a varicela uma doença com sintomas e sinais fáceis de identificar pelo médico, o diagnóstico é habitualmente clínico, não havendo necessidade de o médico pedir análises.

Como se trata a varicela?

O tratamento da varicela tem como finalidade o alívio dos sintomas. Para isso deve dar-se paracetamol para controlar febre (nunca utilizar aspirina, aspegic ou outros salicilatos devido ao risco de Síndrome de Reye) e antihistamínicos ou loções de uso local para aliviar a comichão, se esta for intensa.

Os cuidados de higiene são fundamentais para diminuir o risco de infecção secundária das lesões. Além do banho diário com água morna e sabão deve haver o cuidado de manter as unhas bem cortadas e limpas.

Atualmente é possível diminuir a duração e a gravidade da varicela através da administração de um medicamento específico, o Aciclovir, em cinco doses diárias de xarope ou comprimidos . Para que este tratamento seja eficaz deve ser aplicado desde o início da doença.

O uso de Aciclovir deve ser ponderado pelo médico e pelos pais, quando se trata de crianças, em que a evolução da doença é habitualmente benigna. A sua utilização é mandatória nas situações em que é maior o risco de varicela grave, como são os jovens acima de catorze anos e os adultos, os doentes a tomarem altas doses de corticoides ou os que sofrem de doenças de pele ou doenças respiratórias crónicas.

Pode prevenir-se a varicela?

Já existe uma vacina contra a varicela, mas não é utilizada de forma generalizada, nem faz parte do calendário de vacinação. Existe também, para atenuar os sintomas da doença nos indivíduos que tiveram contato com doentes e têm risco de desenvolver uma forma grave de varicela (adultos, grávidas, imunodeficientes, doentes tratados com doses altas de corticoides e recém nascidos), a possibilidade de administrar a gamaglobulina hiperimune (um soro especial, que possui uma taxa elevada de anticorpos contra a varicela que vão combater o vírus).

Fonte: www.medicoassistente.com

Catapora

O que é Catapora

A varicela, conhecida como catapora, é uma doença altamente contagiosa, típica da infância e de fácil diagnóstico.

Até hoje, o vírus só foi estudado quando hospedado em humanos.

Transmissão

É causada por um vírus microscópico que não sobrevive em ambiente livre, por isso não consegue se propagar por meio de roupas e objetos. A transmissão é feita pelas gotículas da saliva quando o doente tosse, espirra, respira ou fala.

Ao entrar em contato com a pessoa doente, as chances de contaminação são grandes.

Sintomas

Os primeiras sintomas surgem em média 15 dias após o contato com o vírus (período de incubação).

O doente passa a ter febre, dor de cabeça, cansaço, falta de apetite, vômitos e manchas vermelhas pelo corpo.

A parte mais incômoda da doença são as erupções na pele e nas mucosas que coçam muito e podem formar cerca de 250 a 500 bolhas (vesículas).

Os pontos vermelhos, depois de três dias, se enchem de um líquido transparente formando pequenas bolhas.

Se o doente não coçar, as feridas murcham e se transformam em pequenas crostas que desaparecem sem deixar marcas.

Imunidade

A boa notícia é que a catapora só é transmitida uma vez. Quem já teve a doença fica imune. Só não ficam imunes da doença herpes zoster (cobreiro), desencadeada pelo mesmo vírus da varicela em quem tem baixo sistema imunológico.

Prevenção

A forma mais eficiente de prevenir a doença é se vacinando contra varicela.A vacina — em dose única — não é fornecida pelo governo. Nas clínicas particulares custa em média R$ 70. É indicada para crianças sadias (a partir de 12 meses) e adultos que não tiveram a doença.

Tratamento

Repouso nos primeiros dias depois que surgirem os sintomas.

As feridas nunca devem ser coçadas. Em bebês, recomenda-se usar luvas.

Banhos de permanganato de potássio para aliviar a coceira.

Em caso de infecção ou dores de cabeça fortes, procurar um médico.

Complicações

A mais comum é a infecção bacteriana secundária causada pela inflamação das bolhas quando as crianças coçam as feridas.Além de febre, as bolhas inflamadas podem deixar cicatrizes permanentes na pele.

Apesar de ser uma doença benigna (sem maiores riscos), a varicela pode se agravar, principalmente quando atinge crianças com baixa imunidade. Ela pode causar encefalite (inflamação cerebral), pneumonia e infecção de ouvido.

Fonte: www.estudeocorpo.hpg.ig.com.br

Catapora

Definição

É uma doença infecciosa, altamente contagiosa, exantemática e endêmica, causada por um vírus que aparece geralmente na infância, podendo apresentar complicações mais sérias quando acomete os adolescentes e adultos. É caracterizada principalmente pela presença de lesões cutâneas, a pele e as mucosas são os tecidos mais atingidos pela doença.

Sinonímia: É também conhecida por: Varicela

Agente etiológico: Vírus varicela-zoster; grupo dos herpesvírus.

Fisiopatologia

O vírus penetra no organismo não causando nenhum sintoma na pessoa inicialmente, depois de mais ou menos quinze dias os vírus invadem e danificam as células dos pequenos vasos da pele e das mucosas. Um líquido transparente sai das células e acumula-se sob a camada superficial formando uma pequena bolha (vesícula), num período curto o líquido é absorvido e a vesícula vai diminuindo também, no seu lugar surge uma pequena crosta, que depois de uns dias se desprende não restando nenhuma cicatriz, só uma pequena mancha que desaparece depois de algumas semanas. Caso o doente se coce e rompa as vesículas, essas podem se infectar, e se transformar em pequenos abscessos causando cicatrizes.

Incidência

Ocorre mais em crianças na fase pré-escolar e escolar.
Os surtos epidêmicos ocorrem mais durante o inverno.
Ocorre bastante infecção secundária de pele, resultando em uma má cicatrização.
Fonte de infecção:
O homem.

Via de entrada: A principal via de entrada é através das vias respiratórias superiores.

Período de incubação: Em média de 4 a 8 dias, excepcionalmente 14 dias.

Período de duração: Em média duas a três semanas.

Período de transmissibilidade: Em média 8 dias, desde o primeiro dia antes do aparecimento do exantema até quando todas as vesículas se transformarem em crostas.

Transmissão: Direta: através de gotículas das secreções respiratórias ou por contato com o conteúdo das lesões vesiculares.

Sinais e sintomas

Período Prodrômico (em média tem a duração de 10 a 15 dias antes de aparecerem as máculas):

Cefaléia
Febre baixa
Anorexia
Vômitos.

Período Exantemático

manchas vermelhas (máculas) arredondadas, que mudam para pápulas, e logo em vesículas sendo estas pruriginosas, depois estas vesículas se transformam em crostas até secarem e cairem naturalmente; as máculas podem aparecer em qualquer parte do corpo, incluindo o couro cabeludo, a boca, o céu da boca, as pálpebras ou a área genital; essas manchas vão aparecendo aos poucos, durante os 3 ou 4 primeiros dias da doença, mas na maioria dos casos podem aparecer em grande quantidade em determinado local do corpo e em outros lugares em pequenas quantidades.

Diagnóstico

Exame físico
Exame clínico
Exames laboratoriais.

Diagnóstico diferencial (para não ser confundida com as seguintes patologias com sintomas semelhantes):

Varíola.
Eczema vaccinatum.

Tratamento

Específico: não existe tratamento medicamentoso específico para essa patologia.

Sintomático: conforme os sintomas apresentados e suas intercorrências.

Antitérmicos: deve ser administrado para controlar a febre conforme indicação médica.

Corticóides devem ser evitados.

Deve ser evitado o uso de aspirina no tratamento, pois pode desencadear a Síndrome de Reye, que pode levar ao coma e deixar sequelas neurológicas.

Aplicação local nas vesículas de medicamentos que contenham anti-séptico.

Aplicação de medicamentos para aliviar o prurido.

O alcóol canforado ajuda a aliviar o prurido.

Recomendado repouso moderado no leito até a normalização da temperatura e o início da queda das crostas.

Banhos pelo menos 2 a 3 vezes ao dia são indicados com o objetivo de evitar a instalação de infecções bacterianas secundárias; não utilize esponja.

Isolamento domiciliar, porque é considerada uma doença altamente contagiosa, em média 12 a 15 dias.

Evitar ingerir alimentos com temperatura muito quente ou muito fria na presença de estomatite.

Quando houver infecção secundária das lesões, é recomendado sob prescrição médica, o uso de pomadas e cremes que contenham antibióticos.

Mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez não devem se expor ou entrar em contato com pacientes com catapora ou qualquer outra doença contagiosa.

Obs: Quando a gestante adquire a catapora no período de uma a quatro semanas antes do nascimento, pode ocorrer infecção fetal, com um risco bem grande do recém-nascido desenvolver a catapora clínica, infelizmente com evolução grave ou fatal.

Complicações

Encefalite (complicação mais grave da doença).
Síndrome de Reye (comprometimento hepático, encefalopatia ehipoglicemia).
Dermatite por infecção bacteriana secundária (nesse caso as vesículas evoluem para pústulas). Pneumonia intersticial.
Orquite.
Otite média.
Broncopneumonia.
Impetigo.
Laringite (crupe varicelosa).
Erisipela.
Catapora hemorrágica (casos raros).
Catapora gangrenosa (casos raros).
Miocardite.
Hepatite.

Obs: Todas essas complicações são raras.

Sequelas

Cicatrizes permanentes
Manchas escuras permanentes na pele.

Catapora congênita

O vírus da catapora não é considerado teratogênico, mas pode ocorrer raramente nos primeiros 4 meses de gravidez. Quando a gestante contrai a catapora nesse período pode ocorrer em alguns casos aborto espontâneo.

Há na gravidez níveis altos de cortisol placentário que alteram e inibem a imunidade do RN, os anticorpos que surgem na vigência da catapora da gestante, não neutralizam o vírus, podendo apenas reduzir sua multiplicação. 20% das gestantes com catapora podem apresentar RN com catapora congênita, apresentando os seguintes sintomas:

peso baixo do RN
RN nasce con lesões cutâneas cicatrizadas
Aumento do tamanho de uma ou mais extremidades
Mal formação ocular
Lesões cerebrais
Maior receptividade do RN para infecções

RN natimorto.

Obs: Esses sintomas podem ocorrer caso a gestante adquira o vírus da catapora, nos primeiros 4 meses de gravidez.

Profilaxia: Isolamento domiciliar.

Cuidados gerais

As unhas da criança devem estar bem cortadas e lixadas, vale também para os adultos.

Para crianças de colo é interessante que se use uma luvinha para evitar que o bêbe mexa nas bolhas.

Jamais mexa nas lesões, pois podem resultar em cicatrizes ou manchas na pele permanentes.

Pode ser utilizada loção medicinal refrescante que contenha canfora ou uma pomada de bicarbonato de sódio e água, para aliviar o prurido.

Não é prudente que a criança com catapora tome banho de piscina, além de ser problemático para a criança pois a catapora deixa manchas visíveis no período da doença, a água do cloro pode irritar a pele causando prurido ou mesmo podendo levar à uma infecção devido ao efeito do cloro sobre as vesículas ou crostas que ainda não secaram definitivamente.

É prudente que a mulher grávida não visite uma pessoa com catapora.

A criança só deverá voltar à escola quando as crostas secarem completamente.

Fonte: www.marciolois2.hpg.com.br

Catapora

Como é o contagio da catapora?

A catapora é uma doença altamente infecciosa com 90% de taxa de infecção.

O vírus é adaptado para atacar o aparelho respiratório, propagando-se facilmente de pessoa para pessoa por gotículas de secreção, geralmente proveniente de tosse ou espirros de pessoas doentes.

O vírus pode também ser transmitido pelo contato direto com as lesões da catapora ou do Herpes Zoster.

Como se pega a catapora?

Antes da vacina, quase todos contraíram a doença no contato com adultos (95% do total de adultos). A historia de catapora e considerada uma evidencia de imunidade. Se você não sabe ao certo se teve catapora, faça um teste sangüíneo para anticorpos varicela. Um teste positivo significa imunidade e você não pegara a catapora.

Um resultado negativo implica que você poderá pegar catapora e é um candidato a tomar uma vacina.

Como se previne da catapora?

Recomenda-se que todas as crianças sejam rotineiramente vacinados entre 12 e 18 meses de idade e que todas as crianças recebam a vacina antes dos 13 anos de idade se já não teve catapora.

A vacina da catapora foi pelo Japão há mais de 28 anos, foi licenciada nos EUA em 1995 e passou a ser usada em inúmeros países, incluindo o Brasil o que demonstrou que ela é muito segura e eficaz protegendo não só contra a catapora, mas evitando as complicações relacionadas a pneumonia e infecções de pele.

A vacina deve ser dada a maioria das crianças acima de 12 meses de idade ou mais velhos, adolescentes e adultos que não tenham tido a catapora. Muito raramente ocorre a doença em pessoas que tomaram a vacina. A vacina protege por vários anos.

O que se pode fazer se esteve exposto a catapora?

Se você já adquiriu a imunidade você não ficará doente. A maioria das pessoas não se infecta pela 2a. vez. Se você não está imune à catapora e ficou exposto a alguém que esta infectado, então você poderá evitar a doença através da aplicação da vacina dentro dos primeiros 3 dias do contagio.

Se você não foi vacinado neste período, se você receber a vacina dentro dos primeiros 5 dias da exposição você conseguirá ainda assim uma catapora mais leve.

A imunoglobulina Varicela-Zoster com altos níveis de anticorpos ao vírus e recomendada depois da exposição para aquelas pessoas com alto risco de complicações, como exemplo: pessoas com imunodeficiência, com câncer, HIV/ AIDS ou pessoas que tomam medicações que enfraquecem o sistema imunológico. Consulte o seu médico.

O que é cobreiro ou Herpes Zoster?

É um outro nome da infecção da pele causada pelo vírus Varicela-Zoster. Cobreiro é uma ferida causada pela reativação do vírus que esteve no organismo por muito tempo sem se manifestar e reaparece sob a forma de herpes zoster (também conhecido como cobreiro), que pode se repetir ao longo da vida.

O vírus pode ser reativado devido a diminuição da eficiência do sistema imunológico que ocorre com o avanço da idade.

A principal diferença entre a catapora e a Herpes de Zoster são as lesões de pele, que no caso do Herpes estão agrupadas acompanhando o trajeto de nervos, são vermelhas e extremamente dolorosas. Normalmente afetam um lado do corpo.

Na catapora as lesões de pele são mais espalhadas, acometendo todo o corpo e face.

Quantas pessoas foram acometidas de catapora?

Nos EUA, antes mesmo da introdução da vacina em 1995 aproximadamente 4 milhões de casos da doença foram registrados anualmente, incluindo 4.000 a 9.000 hospitalizações e 100 mortes.

Em relação a endemicidade sabe-se, através de numerosos estudos realizados, que nos paises desenvolvidos 90 a 95% da população é infectada antes dos 15 anos de idade, ao passo que nos países em desenvolvimento 20 a 40% dos maiores de 15 anos permanece susceptível.

Fonte: www.companhiadavacina.com.br

Catapora

Atenção às bolinhas vermelhas

A Catapora, também conhecida como Varicela, é uma doença infecciosa aguda, altamente transmissível, causada pelo vírus varicela-zóster. Está classificada entre as afecções do tipo exantemáticas, aquelas que trazem como conseqüência erupções na pele.

A doença é mais comum em crianças entre 1 e 10 anos, porém pode ocorrer em pessoas suscetíveis - não imunes - de qualquer idade. Na maioria das vezes evolui sem consequências mais sérias, mas em pessoas com imunodeficiência ou em adultos, o quadro pode resultar numa manifestação hemorrágica grave, pneumonia e infecção bacteriana secundária, devido à contaminação das feridas da pele.

Em todo inverno observa-se um aumento do número de casos da doença, explicado pela permanência maior das crianças em ambientes fechados, como creches e salas de aula, além de salas de espera de consultórios.

Por isso, a catapora é considerada uma doença endêmica e não epidêmica, como esclarece o dr. Jacyr Pasternak, infectologista e presidente da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE): "A varicela não nos pega de surpresa. Todo ano há um aumento do número de casos, sazonalmente". É previsto e esperado. Por isso mesmo ele recomenda: "Para evitá-la a melhor forma é a vacinação".

Sintomas

O principal sintoma da catapora, a erupção na pele, tem início após um período de incubação que varia entre 10 e 21 dias. Num primeiro momento as lesões são do tipo macular, que se caracterizam por bolinhas vermelhas. Rapidamente evoluem para formar pequenas vesículas, bolhas, com conteúdo líquido que se rompem e dão origem às feridas. Essas feridas ganham uma crosta na fase de cicatrização. Caso cocem, só há riscos de cicatriz externa quando e se a ferida infeccionar. A geografia da doença começa no tronco e só depois se dissemina para braços e pernas.

Acompanham as erupções: febre, prurido (coceira) e desconforto generalizado.

Transmissão

Ocorre, principalmente, pelas gotículas de saliva, pelo espirro e pela tosse ou pelo contato direto com o líquido das bolhas. Mais raramente, pode acontecer de forma indireta, pelo contato com objetos recém-contaminados com secreção das vesículas.

É possível ainda a transmissão da varicela durante a gestação, através da placenta. Pessoas acometidas pelo vírus transmitem a doença durante todo o período de formação das lesões da pele, que dura, em média, de cinco a sete dias.

Tratamento

Por ser uma doença viral, o ideal é a prevenção através da vacina. Uma vez contaminado, o paciente deve ficar em casa, longe do convívio social, e esperar que as lesões da pele cicatrizem, para só aí retomar sua rotina normal.

Via de regra são administrados antitérmicos para controlar a febre e a prostração. Mas há também medicamentos antivirais efetivos para tratar os casos mais graves, especialmente em imunodeprimidos (indivíduos com deficiência imunológica, seja por doenças como HIV, ou por tratamentos de quimioterapia) e adultos.

Além disso, os médicos alertam que não se administre aspirina ou outros medicamentos contendo ácido acetilsalicílico (AAS) para baixar a febre em crianças com a doença porque há registro, na literatura médica, de uma síndrome que acomete o fígado e pode causar coma, atribuída ao uso desse medicamento durante o quadro. É a chamada Síndrome de Reye, que atinge o sistema neurológico. Em substituição aos derivados de AAS, recomendam o paracetamol.

Esquema de Vacinação

Uma única dose da vacina, aplicada por via subcutânea, protege 97 % das crianças com até 13 anos. Resultados semelhantes são obtidos em pessoas maiores de 13 anos com a aplicação de duas doses da vacina. Sua indicação inclui todas as pessoas maiores de 1 ano de idade.

Assim como todas as vacinas obtidas a partir de vírus atenuado, esta também é contraindicada durante a gravidez, em pessoas imunodeficientes e em prematuros.

Fonte: www.einstein.br

Catapora

O que é catapora?

A catapora, ou varicela, é uma doença causada por vírus que, embora seja geralmente benigna em crianças e adolescentes, pode causar problemas graves e até mesmo a morte de determinados pacientes.

Nos Estados Unidos, anualmente:

4 milhões de pessoas contraem a doença;

O numero de hospitalizações por catapora é de 9.300, das quais 80% são de crianças e adolescentes saudáveis;

60 a 100 pessoas previamente sadias morrem em consequência de complicações da catapora.

Como a catapora é transmitida?

A catapora é altamente contagiosa e parece disseminar-se por gotículas infectadas do nariz e da garganta.

A doença pode ser adquirida das seguintes formas:

Pelas secreções do trato respiratório, por meio da tosse ou do espirro;

Pelo contato direto com as lesões da pela de uma pessoa doente...

A época mais propícia para o contágio inicia-se 1 a 2 dias antes do aparecimento das lesões da pele e termina quando todas as lesões já "secaram" (quando adquirem a aparência de crostas), geralmente entre 4 e 5 dias após o seu aparecimento.

Quais os sinais e sintomas da catapora?

Febre moderada
Dor de cabeça
Cansaço
Mal-estar

Lesões da pele (elas geralmente aperecem primeiro no couro cabeludo e são mais frequentes no tronco; nos casos mais graves, podem acometer rosto, braços e pernas e também podem estar presentes na boca, na garganta e nos olhos).

Quais as complicações da catapora?

A complicação mais comum em crianças com catapora é a infecção bacteriana das lesões da pele, que pode causar desde cicatrizes permanentes até complicações mais graves - por exemplo, a síndrome de Reye( um acometimento do sistema nervoso e do fígado),uma complicação muito rara que ocorre quase exclusivamente em crianças que tomam aspirina durante a fase aguda da catapora.

Outras complicações graves, observadas com mais frequência em pacientes idosos ou em pacientes com resistência imunológica muito baixa, incluem:

Herpes zoster (erupção dolorosa na pele, que pode acorrer anos mais tarde)
Pneumonia
meningite
Encefalite.

Como prevenir a catapora?

A catapora pode ser prevenida evitando-se contato com pessoas infectada, apenas ; porém, a maneira mais eficaz de prevenir a doença é a vacinação.

A vacinação é segura?

A vacina para prevenir a catapora é utilizada há mais de 10 anos e é indicada para adultos, adolescentes e crianças saudáveis acima de 12 meses de idade. A vacina contra a catapora é geralmente bem tolerada, mas pode causar alguns efeitos leves como dor e vermelhidão local.

Fonte: www.imunoclinica.com.br

Catapora

A catapora é uma doença causada por um vírus. É altamente contagiosa. Você pode pegar catapora de alguém que espirre ou tussa perto de você.

Você também pode pegar catapora da roupa de uma pessoa infectada ou ao tocar as suas feridas. Você saberá que seu (sua) filho(a) tem catapora 7 a 21 dias após ele(a) ter pego a doença.

Sinais e sintomas

O primeiro sinal geralmente é o aparecimento de manchas vermelhas na pele. Mais algumas crianças sente-se cansadas ou apresentam febre ou dor de estômago 1 a 2 dias antes de aparecerem as lesões na pele.

As lesões inicialmente são vermelhas e planas.

Geralmente se iniciam na cabeça, na face e nas costas, mais podem aparecer em qualquer lugar do corpo. Algumas crianças têm pequenas lesões na boca, nas pálpebras e em volta da virilha.

Logo estas manchas vermelhas se transformam em bolhas visíveis que coçam. Quando a criança coça as bolhas se rompem e formam-se crostas.

As crostas caem em 2 semanas a criança continua a ter novas lesões por 2 a 6 dias após o aparecimento das primeiras.

As crianças podem espalhar a catapora para outra pessoa desde antes do aparecimento das lesões na pele até quando todas as feridas estiverem cobertas por crostas.

Tratamento

A maioria das crianças não tem maiores problemas com a catapora. Algumas vezes a catapora pode levar a encefalite, uma infecção no cérebro. Outras complicações são meningite e pneumonia.

Mais geralmente o maior problema é a infecção nas feridas.

Se o seu (sua) filho(a) tiver catapora, ele(a) provavelmente ficará imune a doença. Se pegar novamente, não será forte como a interior.

Prevenção

Já existe uma vacina que previne a catapora (veja o calendário de imunização)

A única outra maneira de prevenir a catapora é manter a criança afastada de pessoas que estejam com a doença.

Porém esta não é uma boa idéia. É muito melhor ter a catapora enquanto jovem.

A catapora pode ser muito mais grave em adultos.

Tome cuidado especial para manter a criança com catapora longe de adultos, idosos ou mulheres grávidas que não tiveram catapora.

E mantenha a criança longe de pessoas que estejam doentes ou tomando medicamentos que dificultam o combate à doença.

Se a criança tiver câncer, ou estiver tomando algum medicamento que provoque fraqueza, ela poderá ter problemas com a catapora.

Fonte: www.lincx.com.br

Catapora

Catapora
Catapora

Uma doença altamente contagiosa provocada por um vírus. Com nome científico de varicela, costuma atingir principalmente as crianças.

Em geral, é benigna e costuma incomodar principalmente pelas manchas vermelhas e pela coceira intensa.

Quais são os sintomas da catapora?

Cansaço.
Cefaléia.
Erupção cutânea.

Febre

Temperaturas de até 40,6oC (105oF) não são raras nos casos graves de catapora, nos quais o corpo fica coberto de erupções. Perda de apetite O sintoma mais visível da catapora é a erupção cutânea.

A propagação da catapora é muito fácil, podendo espalhar-se de uma pessoa infectada para outra das seguintes formas: Pelo ar, quando uma pessoa infectada tossir ou espirrar.

Pelo contato direto com uma pessoa infectada, geralmente através da secreção das vesículas.

Antes de as pessoas infectadas apresentarem erupção ou saberem que estão com catapora, elas espalham a doença para outras pessoas.

Uma pessoa com catapora pode espalhar a doença para outras pessoas 1 a 2 dias antes do surgimento da erupção, ou até que todas as bolhas tenham secado, possivelmente depois de 10 dias.

Se alguma pessoa em sua casa contrair catapora e houver outra que nunca tenha tido catapora, há uma chance de 9 em 10 de que esta última contraia a doença.

A vacinação com uma vacina eficaz, bem tolerada e de alta qualidade contra a catapora é uma das melhores formas de se proteger contra a doença.

Aproximadamente 9 entre 10 pessoas que tomam a vacina ficam protegidas contra a doença.

Se uma criança que tiver sido vacinada contrair catapora, a doença geralmente vai se manifestar de forma muito mais leve, com poucas vesículas, febre mais baixa e recuperação mais rápida.

Todas as pessoas que apresentam manifestações clínicas compatíveis com varicela devem ser avaliadas por médico tão logo possível.

A consulta inicial, além de possibilitar a confirmação (ou não) da suspeita clínica por profissional habilitado, permite avaliar a necessidade de intervenção terapêutica específica, esclarecer quanto às medidas importantes para evitar complicações e orientar corretamente para o reconhecimento dos indícios de gravidade que exijam reavaliação médica.

Fonte: www.slideboom.com

Catapora

A catapora ou varicela é, possivelmente, a doença infecciosa de maior incidência em todo o mundo. Estima-se que, em todos os continentes, surjam cerca de 60 milhões de casos a cada ano. Felizmente, trata-se de uma doença cuja evolução é geralmente benigna, com sintomas leves, e o próprio organismo da pessoa infectada cria as defesas que servirão para protegê-lo para o resto da vida.

Por estas características, a doença ataca as crianças quase que exclusivamente: é raro encontrar um adulto que não tenha tido catapora e, portanto, que não esteja imunizado contra ela.

A imunização se dá através da criação de anticorpos, ou seja, de proteínas que identificam e atacam os agentes infecciosos. Para cada agente infeccioso há um anticorpo específico. Quando os vírus da catapora atacam uma pessoa cujo organismo ainda não tem estes anticorpos, esta desenvolve a doença. Durante o desenvolvimento, o organismo cria os anticorpos específicos e a pessoa fica imunizada pelo resto da vida.

Isto não significa que podemos deixar de tomar medidas para evitar sua propagação ou ser menos cuidadosos no tratamento dos doentes, pois a catapora transmite-se pelo ar, com extrema facilidade, antes mesmo que os sintomas apareçam na pessoa infectada. O vírus está presente na saliva das pessoas contaminadas e, quando elas tossem, espirram, ou mesmo quando conversam próximas uma da outra, pode ser transmitido. As complicações advindas de um tratamento inadequado da doença podem trazer conseqüências, algumas delas bastante graves.

O vírus da catapora pode ser transmitido um ou dois dias antes do aparecimento dos sintomas da doença e, por isso, uma pessoa contaminada por catapora pode transmiti-la sem que ninguém perceba. Desta forma, é necessário o isolamento do doente logo aos primeiros sintomas.

A varicela (catapora) apresenta uma série de sintomas parecidos com os da gripe: mal estar, dor de cabeça, perda de apetite, febre baixa. Mas seu sintoma característico é a eclosão de vesículas, que são bolhas pelo corpo. As vesículas se iniciam como manchas vermelhas, parecidas com picadas de insetos, que se espalham e se transformam em pequenas bolhas cheias de um líquido claro. Em poucos dias o líquido escurece e as bolhas começam a secar, criando uma crosta de cicatrização.

As vesículas provocam muita comichão e, apesar disso, não devem ser coçadas, pois podem ser infeccionadas por bactérias e tornarem-se feridas que deixarão cicatrizes ou, em casos mais graves, iniciarão infecções que podem complicar a evolução da doença.

As principais complicações da catapora, nos casos severos ou tratados inadequadamente, são a encefalite, a pneumonia, as infecções na pele, as infecções no ouvido e hepatite (em alguns casos).

A catapora pode facilitar também o aparecimento da herpes zoster, que, anos mais tarde, pode apresentar infecções dolorosas na pele.

Em pessoas que estejam com o organismo debilitado por câncer, leucemia ou AIDS, a catapora pode até matar. Mas estes casos são raros e podem ser evitados.

O que está em discussão

Existe uma vacina contra a catapora, feita com os vírus enfraquecidos que, apesar de não terem força para provocar a doença, são capazes de estimular o organismo a produzir os anticorpos específicos. Apesar de disponível em todo o país, esta vacina só é destinada a casos muito especiais.

No outono e no inverno aumenta muito a incidência de doenças provocadas por vírus, como resfriados, gripes e, também, a catapora.

Devido à forma pela qual o agente infeccioso se propaga — atuando antes mesmo do surgimento dos sintomas — torna-se muito difícil evitar o contágio nas crianças em idade escolar. Aos primeiros sintomas é necessário procurar um serviço de saúde para que um profissional possa orientar o tratamento e avaliar o grau de gravidade da doença. A prevenção dá-se muito mais pelo diagnóstico rápido, feito por profissionais de saúde, e o isolamento do doente durante o período de evolução da doença, até a cicatrização completa das vesículas, o que acontece, em média, num período de duas semanas; por isso, a pessoa deve se afastar da escola ou do trabalho até a cura completa da doença.

No tratamento da catapora, em geral são utilizados analgésicos e antitérmicos, para aliviar a dor de cabeça e baixar a febre, e outros medicamentos para aliviar a coceira e acelerar o tempo de cicatrização das vesículas.

Os cuidados de higiene são muito importantes, principalmente o banho com permanganato de potássio diluído em água quente, para aliviar a coceira e acelerar o tempo de cicatrização das vesículas. Estas não devem ser coçadas nem devem ter retiradas as crostas. Para evitar que isso aconteça as unhas das crianças devem ser bem cortadas e, se possível, colocadas luvas para que não se cocem durante o sono.

A medicação a ser ministrada deve ser orientada por profissionais de saúde, pois o uso de analgésicos e antitérmicos à base de ácido acetilsalecílico é contra-indicado, e pode provocar problemas graves.

Apesar de ser uma doença benigna e tão disseminada que é raro encontrar um adulto que nunca a tenha contraído, a catapora deve ser tratada de forma cuidadosa, evitando o contato do doente com outras pessoas e observando as prescrições do profissional de saúde para sua cura completa e rápida, com o mínimo de transtornos para o paciente, sua família e a comunidade.

Fonte: www.fozdoiguacu.pr.gov.br

Catapora

A catapora é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus varicela zoster.

Quem pode pegar catapora?

A catapora ocorre em todo o mundo, afetando pessoas de todas as raças, gênero e idade. Porém, é geralmente uma doença da infância, com a maior parte dos casos ocorrendo em crianças antes dos 10 anos de idade. Uma vez que uma pessoa tenha catapora, é improvável que a pessoa pegue esta doença outra vez, pois ela confere imunidade por toda vida.

Porém, indivíduos imunocomprometidos são sempre susceptíveis ao vírus, e medidas devem ser tomadas para prevenir ou modificar a doença, e medidas devem ser tomadas se houver exposição ao vírus.

Embora a catapora não recorra, o vírus permanece em algumas células da medula. Ele pode ser estimulado a reaparecer depois como herpes zoster.

Como é transmitida a catapora?

A catapora é altamente contagiosa e é facilmente disseminada de uma pessoa para outra pela respiração, em um ambiente contaminado por pequenas gotas eliminadas pela tosse ou espirros de uma pessoa infectada ou através de contato direto com o líquido de feridas abertas. Uma pessoa que não é imune ao vírus tem 70-80% de chance de ser contaminada se exposta a outra que esteja em um dos estágios iniciais da doença.

Quais são os sinais e sintomas de catapora?

Em crianças geralmente se inicia como pequenas lesões elevadas que coçam, e evoluem para a formação de pequenas bolhas na barriga, costas e face, e então se espalha para outras áreas do corpo. Dependendo de cada caso, pode haver apenas algumas bolhinhas, ou o corpo inteiro pode estar coberto por algo entre 250 a 500 bolhas.

Estas lesões coçam muito e são desconfortáveis. Algumas crianças também desenvolvem outros sintomas como febre alta, sintomas de gripe, vômitos e diarréia.

A maior parte dos adultos que desenvolve catapora apresenta, 48 hs antes do início do quadro, sintomas como febre, mal-estar, dor de cabeça, queda de apetite e dor abdominal. Esta doença é geralmente mais grave em adultos, e pode até matar em casos complicados.

Catapora
Catapora grave em um adulto

Catapora
Catapora grave na face de uma criança

Catapora
Vesículas (pequenas bolhas), típicas de catapora

Como se diagnostica catapora?

O diagnóstico é feito através do quadro clínico típico, com as lesões vermelhas que evoluem com a formação de pequenas bolhas. Lesões em diferentes estágios usualmente estão presentes. Uma pista para o diagnóstico é a exposição a uma outra pessoa infectada no período de incubação de 10-21 dias.

Qual o tratamento?

Para a maior parte dos pacientes, apenas tratamento dos sintomas da catapora é necessário. Cortar as unhas das crianças para estas se coçarem menos, anti-alérgicos e/ou uma loção de calamina podem ajudar.

Tylenol para febre.

O tratamento com aciclovir (agente antiviral) deve ser considerado em pessoas com mais de 12 anos que possuem um risco aumentado de desenvolver uma forma grave de catapora.

Pacientes imunocomprometidos com catapora necessitam de tratamento com aciclovir por via intravenosa. No caso de exposição ao vírus, a imunoglobulina contra varicela pode reduzir a gravidade da doença se administrada em até 96 hs do contato, mas não a previne totalmente.

A catapora pode atualmente ser prevenida através da vacinação com a vacina do vírus atenuado. Como a doença é auto-limitada, e usualmente não complicada em crianças, há debates se deve ser administrada de forma rotineira. Atualmente esta vacina não faz parte do calendário de vacinação do Brasil.

Quais as complicações da catapora?

Em crianças saudáveis, a catapora geralmente evolui de forma auto-limitada, sem complicações.

Problemas que podem surgir em casos mais graves são:

Infecção bacteriana secundária das feridas, devido à coceira
Desidratação por vômitos e diarréia
Piora de asma brônquica
Pneumonia viral

Embora as complicações a seguir possam ocorrer em crianças saudáveis, elas ocorrem com maior freqüência em imunocomprometidos e em adultos com catapora:

Catapora disseminada
Complicações neurológicas como síndrome de Reye, síndrome de Guillain-Barre e encefalite
Púrpura e plaquetas baixas

Exposição ao vírus da catapora pode causar sérios problemas em mulheres grávidas que não tiveram catapora antes. A catapora durante a gravidez pode causar pneumonia viral, trabalho de parto prematuro, e raramente, morte da mulher. Além disso, 25% dos fetos são infectados. As crianças podem ficar assintomáticas, ou desenvolver herpes zoster sem história prévia de catapora.

Como se evita pegar catapora?

Uma pessoa com catapora transmite a doença desde 1-2 dias antes do surgimento das lesões até que elas tenham desenvolvido crosta. Isto pode levar 5-10 dias.

As crianças devem permanecer afastadas de sua escola ou creche até que este estágio infeccioso seja ultrapassado. Os adultos com catapora que trabalham com crianças também devem ser afastados do trabalho.

Pode levar 10-21 dias após o contato com uma pessoa infectada para que alguém desenvolva catapora. Devido às complicações graves que podem acontecer em pessoas de imunidade baixa e em mulheres grávidas, estas pessoas devem evitar visitar amigos ou família quando houver um caso de catapora.

Caso haja exposição nestas situações, o médico deve ser contatado para o início de tratamento preventivo.

Fonte: www.derme.org

Catapora

A varicela é uma infecção viral contagiosa que provoca uma erupção característica com comichão e é formada por grupos de manchas pequenas, planas ou elevadas, bolhas cheias de líquido e crostas.

A varicela, que é muito contagiosa, transmite-se por microgotas transportadas pelo ar e que contêm o vírus varicela zóster. Uma pessoa com varicela é muito contagiosa quando os sintomas aparecem e continua a sê-lo até que as últimas bolhas tenham formado crostas. O isolamento de uma pessoa infectada previne o contágio da infecção a outras pessoas que não a tenham sofrido.

Uma pessoa que tenha tido varicela desenvolve imunidade e não pode contraí-la de novo. No entanto, o vírus da varicela zóster permanece inativo no corpo depois da infecção inicial de varicela e por vezes é reativa mais tarde, provocando herpes zóster.

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas começam entre o 10.º e o 21.º dia depois da infecção. Nas crianças com mais de 10 anos, os primeiros sintomas são uma ligeira dor de cabeça, febre moderada e uma sensação de mal-estar geral (indisposição). As crianças mais pequenas normalmente não têm estes sintomas e a sintomatologia costuma ser mais grave nos adultos.

Ao fim de 24 ou de 36 horas do aparecimento dos primeiros sintomas, aparece uma erupção formada por pequenas áreas planas (manchas) de cor vermelha.

Estas manchas começam a sobressair pouco depois, para formar bolhas redondas sobre um fundo vermelho, que dão muita comichão e que estão cheias de líquido (vesícula flácida). Finalmente, formam-se crostas. Toda a sequência demora entre 6 e 8 horas. Do mesmo modo, continuam a formar-se grupos de manchas que no fim se convertem em crostas. Ao 5.º dia costuma parar a formação de manchas novas. A maioria delas forma crosta por volta do 6.º dia e quase todas costumam desaparecer em menos de 20 dias.

A cara, os braços e as pernas têm relativamente poucas manchas, excepto em casos graves em que toda a superfície do corpo é afetada. Quando há apenas algumas, poucas, manchas, estas localizam-se normalmente na parte superior do tronco. Também aparecem frequentemente no couro cabeludo. As manchas na boca rapidamente se abrem e formam feridas (úlceras) que muitas vezes doem ao engolir. As feridas também podem aparecer nas pálpebras e nas vias respiratórias superiores, no reto e na genitália. As localizadas na caixa da voz e nas vias respiratórias superiores podem por vezes provocar uma grave dificuldade respiratória. Os gânglios linfáticos que se encontram de ambos os lados do pescoço podem inflamar-se e ser dolorosos ao tato. A fase pior da doença dura normalmente entre 4 e 7 dias.

O médico costuma reconhecer facilmente a varicela porque a erupção e os outros sintomas são muito característicos. Só muito excepcionalmente é necessário fazer uma medição dos valores de anticorpos no sangue e identificar o vírus no laboratório.

Complicações

As crianças normalmente recuperam da varicela sem problemas. No entanto, a infecção pode ser grave ou até mortal nos adultos e sobretudo em pessoas (crianças ou adultos) com um sistema imunológico deficiente.

A pneumonia provocada pelo vírus é uma complicação grave que pode afetar principalmente os adultos, os recém-nascidos ou qualquer pessoa com um sistema imunológico deficiente. O coração pode inflamar-se e é possível que apareça um sopro cardíaco. A inflamação das articulações pode provocar dor. O fígado pode inflamar-se, mas normalmente não se manifestam sintomas. Por vezes, a pessoa pode sofrer hemorragias nos tecidos. As feridas da pele podem infectar-se com bactérias e provocar erisipelas, pioderme ou impigem bolhosa.

A infecção cerebral (encefalite), que se pode manifestar para o final da doença ou até uma ou duas semanas depois, afeta menos de 1 em cada 1000 casos. A encefalite pode causar dores de cabeça, vómitos, instabilidade ao caminhar, confusão e convulsões. Embora a encefalite possa ser mortal, as possibilidades de recuperação completa são, em geral, boas. A síndroma de Reye, uma complicação rara, mas muito grave, que afeta quase exclusivamente os menores de 18 anos, pode começar entre 3 e 8 dias depois de a erupção aparecer.

Prevenção e tratamento

Existe uma vacina para prevenir a varicela. Podem ser administrados anticorpos contra o vírus da varicela (imunoglobulina antizóster ou antivaricela zóster) às pessoas que não tenham sido vacinadas e que corram um elevado risco de complicações, como as que têm um sistema imunológico deficiente.

Os casos de varicela ligeira só requerem um tratamento dos sintomas. Colocar compressas húmidas sobre a pele alivia a comichão (prurido), que pode ser intensa, e evita que a pessoa se coce e propague a infecção, o que, além disso, pode provocar a formação de cicatrizes. Devido ao risco de infecção bacteriana, é importante lavar muitas vezes a pele com água e sabão, manter as mãos limpas, as unhas curtas para minimizar o coçar e a roupa limpa e seca.

Em alguns casos são administrados medicamentos que aliviam a comichão, por exemplo antiestamínicos. Se se desenvolver uma infecção bacteriana, é possível que sejam necessários antibióticos. Os casos graves de varicela podem ser tratados com aciclovir, um medicamento antiviral.

Fonte: www.manualmerck.net

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal