Breaking News
Home / Saúde / Nefrolitíase

Nefrolitíase

PUBLICIDADE

A nefrolitíase (pedras nos rins) é uma doença que afeta o trato urinário.

Pedras nos rins são pequenos depósitos que se acumulam nos rins, feitos de cálcio, fosfato e outros componentes dos alimentos. Eles são uma causa comum de sangue na urina.

Definição

Nefrolitíase” é derivada do grego nefros- (rim) litos (pedra) = pedra nos rins.

A nefrolitíase, ou doença da pedra nos rins, é uma condição na qual os indivíduos formam cálculos (pedras) na pelve renal e nos lúmens tubulares.

As pedras se formam a partir de cristais que precipitam (separam) da urina.

As próprias pedras também são chamadas de cálculos renais.

A palavra “cálculo” (plural: calculi) é a palavra em latim para seixo.

O que é

Nefrolitíase e litíase renal são termos médicos para cálculos renais.

A incidência de formação de pedras nos rins é razoavelmente alta e até dez em 100 pessoas podem receber pelo menos uma pedra na vida. Geralmente, é impossível perder essa condição devido a seus sintomas evidentes, mas o significado preciso da condição em termos de saúde a longo prazo pode depender do tipo de pedras que se desenvolvem.

Ajuda a entender alguns dos diferentes tipos de pedras que ocorrem na nefrolitíase. Estes incluem pedras de estruvita, que normalmente se formam em torno de matéria infecciosa nos rins.

Algumas pessoas desenvolvem cálculos de cálcio ou calcita que podem ser causados por níveis excessivos de oxalato de cálcio.

Aqueles com altos níveis de ácido úrico podem ter pedras de ácido úrico, ou às vezes pedras são compostas principalmente por certos aminoácidos (pedras de cistina).

Outras vezes, a causa da formação não é totalmente clara.

Os sintomas associados à nefrolitíase costumam ser difíceis de detectar. Muitas pessoas sentem dores significativas que podem ocorrer logo abaixo das costelas ou no estômago, pelve e virilha.

Urinar tende a causar desconforto e as pessoas podem sentir um desejo constante de usar o banheiro. Quando a urina é produzida, a cor pode estar errada e pode marrom ou rosa, ou possivelmente vermelho vivo.

Quando as pessoas têm pedras de estruvita, elas também podem mostrar sinais de nefrolitíase com febre e sintomas semelhantes aos da gripe.

Embora muitas pessoas sejam capazes de passar uma pedra nos rins sem ajuda adicional, o desconforto pode aumentar e às vezes podem resultar complicações.

A dor pode ficar tão ruim que a náusea e o vômito começam ou a febre aumenta muito. Se o desconforto atingir um nível intolerável, as pessoas são aconselhadas a procurar ajuda médica.

Diagnosticar a presença de pedras nos rins pode levar ao tratamento e ajudar a determinar se as condições subjacentes precisam de intervenção em uma base mais consistente para evitar a formação futura de pedras.

O diagnóstico de nefrolitíase não significa necessariamente grandes intervenções. Se houver suspeita de infecção, antibióticos podem ser administrados.

As pedras grandes podem não ser capazes de passar e os médicos podem considerar métodos diferentes para quebrá-las, incluindo a remoção cirúrgica ou o uso de lunetas ou radiofrequência para quebrar e remover pedras.

Para pedras relativamente pequenas, o tratamento normal geralmente consiste em fazer com que a pessoa afetada aumente significativamente a ingestão de água e em fornecer medicamentos de suporte, como analgésicos de venda livre para reduzir o desconforto, até que a pedra passe.

Altos níveis de ácido úrico, altos níveis de aminoácidos ou altos níveis de cálcio que criam nefrolitíase podem sugerir condições contínuas que podem exigir cuidados contínuos após a passagem de uma pedra.

Os médicos geralmente desejam analisar as pedras para identificar sua origem, para que saibam quais medidas tomar para evitar a formação de pedras no futuro.

A continuação do tratamento para evitar nefrolitíase pode, portanto, assumir muitas formas, dependendo dos tipos de pedras, mas nem todas as pessoas precisarão de intervenção adicional além da passagem de uma pedra.

Pedra nos rins

Nefrolitíase é o processo de formação de uma pedra nos rins, uma pedra nos rins (ou mais abaixo no trato urinário).

As pedras nos rins são uma causa comum de sangue na urina e dor no abdômen, flanco ou virilha. Pedras nos rins ocorrem em 1 em cada 10 pessoas em algum momento de suas vidas.

O desenvolvimento das pedras está tipicamente relacionado ao aumento da excreção de componentes formadores de pedras, como cálcio, oxalato, urato ou cistina.

A dor com cálculos renais é geralmente de início súbito, muito intensa e com cólica (intermitente), não melhorada por mudanças de posição, irradiando pelas costas, pelo flanco e pela virilha. Náuseas e vômitos são comuns.

O tratamento inclui alívio da dor, hidratação e, se houver infecção urinária concomitante, antibióticos.

A maioria das pedras passa espontaneamente dentro de 48 horas. Se uma pedra sintomática não passar, pode ser necessário um procedimento por um urologista.

Resumo

A nefrolitíase abrange a formação de todos os tipos de cálculos urinários no rim, que podem se depositar ao longo de todo o trato urogenital, da pelve renal à uretra.

Os fatores de risco incluem baixa ingestão de líquidos, dietas com alto teor de sódio, alta purina e baixo teor de potássio, que podem elevar os níveis de cálcio, ácido úrico e oxalato na urina e, assim, promover a formação de cálculos.

Os cálculos urinários são mais comumente compostos de oxalato de cálcio.

Pedras menos comuns são compostas de ácido úrico, estruvita (devido à infecção por bactérias produtoras de urease), fosfato de cálcio ou cistina.

A nefrolitíase manifesta-se como dor repentina no flanco com cólica que pode irradiar para a virilha, testículos ou lábios (cólica renal/ureterica) e geralmente está associada à hematúria.

Os diagnósticos incluem tomografia computadorizada (TC) espiral sem contraste do abdômen e pelve ou ultra-som para detectar a pedra, além de exame de urina para avaliar a infecção concomitante do trato urinário e BUN/creatinina (nitrogênio ureico do sangue) sérica para avaliar a função renal.

Pequenas pedras não complicadas, sem infecção concomitante ou dilatação severa do trato urinário, podem ser tratadas conservadoramente com hidratação e analgésicos para promover a passagem espontânea de pedras.

Quando a passagem espontânea parece improvável ou falha devido ao tamanho ou localização da pedra, as intervenções urológicas de primeira linha incluem litotripsia por ondas de choque, ureterorrenoscopia e, no caso de grandes pedras nos rins, nefrolitotomia percutânea.

A medida preventiva mais importante é a hidratação adequada.

As pedras coletadas devem ser enviadas para análise química porque, em muitos casos, orientações específicas sobre o estilo de vida, mudanças na dieta e/ou início do tratamento médico (por exemplo, diuréticos tiazídicos, alcalinização da urina) podem impedir a formação futura de pedras.

Nefrolitíase (pedras nos rins)

Nefrolitíase (pedras nos rins)

Fonte: healthengine.com.au/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.wisegeek.org/effectivehealthcare.ahrq.gov/www.ajronline.org/www.kidney.org/www.amboss.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Glicerina Vegetal

PUBLICIDADE Definição A glicerina vegetal, também conhecida como glicerol vegetal, é um produto de carboidrato …

Doença de Creutzfeldt-Jakob

PUBLICIDADE Definição A doença de Creutzfeldt-Jakob é um distúrbio cerebral degenerativo que leva à demência …

Xantelasma

PUBLICIDADE Definição Xantelasma são nódulos gordurosos que tendem a se formar perto dos cantos internos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.