Breaking News
Home / Saúde / Epidemia

Epidemia

PUBLICIDADE

Epidemia – Definição

Uma epidemia é definida como a ocorrência de uma doença ou evento relacionado à saúde que é incomumente grande ou inesperado.

As epidemias são comumente causadas por uma doença de origem infecciosa ou parasitária. Doenças infecciosas como cólera, meningite meningocócica, febre tifóide, febre hemorrágica viral representam ameaças consideráveis para a comunidade.

O termo epidemia pode ser aplicado a qualquer aumento pronunciado na ocorrência de uma doença e não se restringe a surtos repentinos.

Com base em dados e estatísticas de 1980-2008, o número de pessoas mortas por epidemias foi de 183.278 pessoas e o número de pessoas afetadas foi de 19.411.394.

Com base na Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, a epidemia é categorizada como riscos biológicos.

Uma epidemia é então um aumento incomum no número de casos de uma doença infecciosa que já existe em uma determinada região ou população.

Também pode se referir ao aparecimento de um número significativo de casos de uma doença infecciosa em uma região ou população que geralmente está livre dessa doença.

As epidemias podem ser consequência de desastres de outro tipo, como tempestades tropicais, inundações, terremotos, secas, etc. As epidemias também podem atacar animais, causando desastres econômicos locais.

Uma epidemia pode acontecer em qualquer comunidade onde o agente infeccioso pode se espalhar de hospedeiro para hospedeiro. Portanto, não há limite para o tamanho da comunidade.

Normalmente, as epidemias resultam de:

Um aumento recente na virulência do agente
Um aumento na quantidade do agente
Uma introdução do agente em um ambiente onde ele não existia anteriormente
O modo de transmissão aumenta, o que significa que pessoas mais suscetíveis são expostas
A suscetibilidade da resposta do hospedeiro ao agente mudou
Fatores que aumentam a exposição do hospedeiro ou envolvem a introdução através de novos portais de entrada.

Epidemia – O que é


Epidemia

Uma epidemia é um surto de uma doença entre membros de uma população específica que excede a extensão de ocorrência da doença normalmente encontrada nessa população.

As epidemias afetam os membros da população que não possuem imunidade adquirida ou inerente à doença. Embora a maioria das epidemias seja causada por organismos infecciosos, o termo pode ser aplicado a um surto de qualquer doença crônica, como câncer de pulmão ou doença cardíaca.

Durante uma epidemia, os organismos podem se espalhar de várias maneiras. Mas em cada caso, deve haver uma fonte contínua de organismos patogênicos, ou seja, um reservatório de infecção.

O reservatório pode ser humano (como um servidor de alimentos infectado), animal (por exemplo, um rato portador de bactérias) ou um objeto inanimado (água contaminada).

Para doenças humanas, o corpo humano é o principal reservatório vivo de organismos infecciosos. Entre as doenças transmitidas por portadores humanos estão AIDS, febre tifóide, hepatite, gripe e infecções estreptocócicas. Embora as pessoas que apresentam sinais e sintomas de uma doença sejam reservatórios óbvios de infecções, algumas pessoas podem transmitir e espalhar a doença sem apresentar nenhum sinal ou sintoma. Outros ainda podem abrigar a doença durante o estágio assintomático chamado período de incubação, antes que os sintomas apareçam, ou durante o período de convalescença, durante o qual estão se recuperando. Isso alimenta a epidemia, pois não há razão aparente para as pessoas tomarem precauções para evitar a transmissão a outras pessoas.

Reservatórios animais também podem espalhar doenças. Essas doenças que são transmitidas de animais selvagens e domésticos para humanos são chamadas de zoonoses. Febre amarela, transmitida pelo mosquito Aedes; Doença de Lyme, transmitida por carrapatos; raiva, transmitida por morcegos, gambás, raposas, gatos e cães; e a peste bubônica, disseminada por ratos, são exemplos de zoonoses.

Reservatórios inanimados, como água potável contaminada por fezes de humanos e outros animais, são um ambiente comum para organismos causadores de doenças gastrointestinais.

Uma vez infectada, uma pessoa se torna um reservatório e pode espalhar a doença de várias maneiras, chamadas de transmissão por contato.

A transmissão por contato direto ocorre quando um hospedeiro infectado tem contato físico próximo com uma pessoa suscetível. Essa transmissão de pessoa para pessoa pode ocorrer durante o toque, o beijo e a relação sexual. As doenças respiratórias virais, como o resfriado comum e a gripe, são transmitidas dessa forma, assim como a varíola, a hepatite A, as doenças sexualmente transmissíveis (herpes genital, gonorreia, sífilis) e, em alguns casos, a AIDS.

A transmissão por contato indireto ocorre quando o organismo causador da doença é transmitido do reservatório para um hospedeiro suscetível por meio de um portador inanimado chamado fomite, que pode ser uma toalha, copo ou talheres. A hepatite e a AIDS podem se espalhar quando seringas contaminadas servem como fômites entre usuários de drogas intravenosas.

A transmissão por gotículas de uma epidemia ocorre quando os micróbios se espalham em pequenos pedaços de muco chamados núcleos de gotículas que viajam a menos de um metro da boca e do nariz durante a tosse, espirro, riso ou fala. A gripe, a coqueluche e a pneumonia são transmitidas dessa maneira.

A transmissão de epidemias pode ocorrer por meio de alimentos, água, ar e sangue, entre outros objetos. A transmissão pela água ocorre através da água contaminada, um meio comum pelo qual ocorrem epidemias de cólera, shigelose transmitida pela água e leptospirose.

A intoxicação alimentar na forma de contaminação estafilocócica pode ocorrer quando os alimentos são mal cozidos, deixados sem refrigeração ou preparados por um manipulador de alimentos infectado.

A transmissão aérea de doenças virais, como sarampo e tuberculose, ocorre quando os organismos infecciosos viajam mais de 3 pés (0,9 m) do reservatório humano para um hospedeiro suscetível em um spray fino da boca e do nariz. Infecções fúngicas, como histoplasmose, coccidioidomicose e blastomicose, podem ser transmitidas por transmissão aérea, pois seus esporos são transportados em partículas de poeira.

Vetores, geralmente insetos, são animais que transportam patógenos de um hospedeiro para outro. Esses vetores podem espalhar uma epidemia por transmissão mecânica ou biológica.

Quando as moscas transferem os organismos causadores da febre tifóide das fezes de pessoas infectadas para os alimentos, a doença se espalha por transmissão mecânica.

A transmissão biológica ocorre quando um artrópode pica um hospedeiro e ingere sangue infectado. Uma vez dentro do vetor artrópode, os organismos causadores da doença podem se reproduzir no intestino, aumentando o número de parasitas que podem ser transmitidos ao próximo hospedeiro. Em alguns casos, quando o hospedeiro é mordido, os parasitas são passados para fora do vetor e para uma ferida quando o vetor passa pelas fezes ou vômitos. A doença protozoária malária é transmitida pelo mosquito vetor Anopheles.

Depois que uma epidemia é introduzida em uma população por uma ou mais pessoas, a infecção se espalha rapidamente se houver hospedeiros suscetíveis suficientes. Nesse caso, a incidência da doença aumenta com o tempo, até atingir um máximo, momento em que começa a diminuir. Este abrandamento da epidemia deve-se principalmente à falta de indivíduos susceptíveis; a maioria dos indivíduos já tem a doença ou já teve a doença e ganhou imunidade a ela.

Depois que uma epidemia desaparece, há muito poucos indivíduos suscetíveis para suportar uma nova epidemia se a infecção for reintroduzida.

Essa imunidade geral de uma população hospedeira a uma potencial doença epidêmica é chamada de imunidade de rebanho.

A imunidade de rebanho tende a desaparecer com o tempo devido a três fatores:

1) deterioração da imunidade individual;
2)
 morte de indivíduos imunes;
3)
 afluxo de indivíduos suscetíveis por nascimento ou emigração para a área da epidemia.

O aumento no número de indivíduos infectados ao longo do tempo, seguido de uma queda para níveis baixos, pode ser representado graficamente como uma “curva epidêmica”, que geralmente representa um período de dias, semanas ou meses. Alguns podem até durar anos. Por exemplo, infecções gastrointestinais transmitidas pela água podem atingir o pico durante os últimos meses de verão, refletindo o papel da natação recreativa em áreas onde existem organismos parasitas.

Uma epidemia que irrompe em uma ampla distribuição de doenças e geralmente cruza fronteiras internacionais e geográficas é chamada de pandemia.

Exemplos de pandemias na história moderna incluem AIDS e a pandemia mundial de gripe de 1918.

Epidemia – Doença

Uma epidemia é uma doença que afeta muitas pessoas ao mesmo tempo e se espalha de pessoa para pessoa em uma localidade onde a doença não é prevalente permanentemente.

Organização Mundial da Saúde (OMS) leva a definição um passo adiante, especificando que uma epidemia ocorre no nível de uma região ou comunidade.

Se houver mais casos de uma doença em uma comunidade do que o esperado, você tem uma epidemia.

Epidemia – Padrões

Os sete padrões epidêmicos:

As epidemias tendem a ser classificadas de acordo com a forma como se espalham pela população.

Eles geralmente se enquadram em um dos sete padrões: fonte comum, fonte pontual, contínua, intermitente, propagada e mista.

1. Fonte comum: Um grupo de pessoas é exposto a um agente infeccioso ou a uma toxina da mesma fonte.
2. Fonte do ponto: 
Um surto de fonte comum que decorre de um grupo de pessoas expostas durante um período relativamente curto, de modo que todos adoecem dentro de um período de incubação.
3. Contínuo: 
Um surto de fonte comum em que o intervalo de exposições e o intervalo de períodos de incubação tendem a achatar e ampliar os picos da curva epidêmica.
4. Intermitente: 
Um surto de fonte comum que tem um padrão que reflete a natureza intermitente da exposição.
5. Propagado: 
Um padrão de surto que normalmente decorre do contato direto pessoa-pessoa, mas a transmissão também pode ser veiculada por veículos. Os casos ocorrem em mais de um período de incubação, mas a epidemia geralmente diminui após algumas gerações.
6. Misto: 
Um padrão epidêmico que apresenta fontes comuns e características propagadas.
7. Outros: 
Algumas epidemias não se enquadram em nenhuma categoria de padrão.

Quais são as diferenças entre pandemias e epidemias?


Pandemia

Organização Mundial da Saúde (OMS) define pandemias, epidemias e doenças endêmicas com base na taxa de propagação de uma doença.

Assim, a diferença entre uma epidemia e uma pandemia não está na gravidade da doença, mas no grau em que ela se espalhou.

Uma pandemia atravessa as fronteiras internacionais, em oposição a epidemias regionais. Esse amplo alcance geográfico é o que faz com que as pandemias levem a rupturas sociais em larga escala, perdas econômicas e dificuldades gerais. É importante notar que uma epidemia uma vez declarada pode progredir para o status de pandemia. Embora uma epidemia seja grande, também é geralmente contida ou esperada em sua disseminação, enquanto uma pandemia é internacional e está fora de controle.

Qual é a diferença entre uma pandemia, uma epidemia, uma endemia e um surto?

Nem todos os termos de doenças infecciosas são criados iguais, embora muitas vezes sejam usados erroneamente de forma intercambiável.

A distinção entre as palavras “pandemia”, “epidemia” e “endêmica” é regularmente turva, mesmo por especialistas médicos.

Isso ocorre porque a definição de cada termo é fluida e muda à medida que as doenças se tornam mais ou menos prevalentes ao longo do tempo.

Embora o uso conversacional dessas palavras possa não exigir definições precisas, saber a diferença é importante para ajudá-lo a entender melhor as notícias de saúde pública e as respostas apropriadas de saúde pública.

Vamos começar com as definições básicas:

Uma EPIDEMIA é uma doença que afeta um grande número de pessoas dentro de uma comunidade, população ou região.
Uma PANDEMIA é uma epidemia que se espalha por vários países ou continentes.
ENDÊMICO é algo que pertence a um determinado povo ou país.
UM SURTO é um aumento maior do que o previsto no número de casos endêmicos. Também pode ser um único caso em uma nova área. Se não for controlado rapidamente, um surto pode se tornar uma epidemia.

Epidemia x Pandemia

Uma maneira simples de saber a diferença entre uma epidemia e uma pandemia é lembrar o “P” de pandemia, o que significa que uma pandemia tem passaporte. Uma pandemia é uma epidemia que viaja.

Epidemia vs. Endemia

Mas qual é a diferença entre epidemia e endemia?


Endêmico

Uma epidemia está se espalhando ativamente; novos casos da doença excedem substancialmente o esperado. Mais amplamente, é usado para descrever qualquer problema fora de controle, como “a epidemia de opióides”.

Uma epidemia geralmente é localizada em uma região, mas o número de infectados nessa região é significativamente maior que o normal. Por exemplo, quando o COVID-19 estava limitado a Wuhan, na China, era uma epidemia. A propagação geográfica transformou-o em uma pandemia.

As endemias, por outro lado, são uma presença constante em um local específico. A malária é endêmica em partes da África. O gelo é endêmico da Antártida.

Endemia vs. Surto

Indo um passo adiante, uma endemia pode levar a um surto, e um surto pode acontecer em qualquer lugar. O surto de dengue no verão passado no Havaí é um exemplo.

A dengue é endêmica em certas regiões da África, América Central e do Sul e Caribe. Os mosquitos nessas áreas carregam a dengue e a transmitem de pessoa para pessoa. Mas em 2019 houve um surto de dengue no Havaí, onde a doença não é endêmica.

Acredita-se que uma pessoa infectada visitou a Ilha Grande e foi picada por mosquitos lá. Os insetos então transferiram a doença para outros indivíduos que morderam, o que criou um surto.

Você pode ver por que é tão fácil confundir esses termos.

Eles estão todos relacionados entre si e há um fluxo e refluxo natural entre eles à medida que os tratamentos se tornam disponíveis e as medidas de controle são postas em prática – ou quando ocorrem surtos e a doença começa a se espalhar.

Fonte: www.un-spider.org/welloinc.com/www.encyclopedia.com/intermountainhealthcare.org/www.publichealth.columbia.edu/www.coe.int

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gangrena

PUBLICIDADE Gangrena – O que é A gangrena é uma condição perigosa e potencialmente fatal que ocorre …

Disenteria

PUBLICIDADE Disenteria – Definição A disenteria é um termo geral para um grupo de distúrbios gastrointestinais caracterizados …

Varíola do Macaco

PUBLICIDADE Varíola do Macaco – O que é A Varíola do Macaco não é uma doença nova. …