Breaking News
Home / Saúde / Neuropatia periférica

Neuropatia periférica

PUBLICIDADE

Visão global

A neuropatia periférica não é uma doença única.

Neuropatia – também chamada de neuropatia periférica – refere-se a qualquer condição que afeta a atividade normal dos nervos do sistema nervoso periférico

A neuropatia periférica se desenvolve quando os nervos das extremidades do corpo, como mãos, pés e braços, são danificados.

Os sintomas dependem de quais nervos são afetados.

As causas podem ser herdadas e adquiridas. Diabetes é frequentemente um fator.

Definição

A neuropatia periférica é um tipo de dano ao sistema nervoso. Especificamente, é um problema com o sistema nervoso periférico. Esta é a rede de nervos que envia informações do cérebro e da medula espinhal (sistema nervoso central) para o resto do corpo.

O que é

Quando uma pessoa tem danos no sistema nervoso periférico, isso é chamado de neuropatia periférica.

O sistema nervoso periférico se relaciona com todos os nervos que existem fora do cérebro e da medula espinhal.

Nervos no cérebro e medula espinhal são referidos como o sistema nervoso central.

A neuropatia periférica é complexa, e muitas doenças, lesões, desequilíbrios químicos corporais, tumores , distúrbios de movimento repetitivo, exposição a toxinas ou herança genética podem causá-la.

Também pode variar em sintomas, gravidade e taxa de cura, dependendo da causa. Esse dano pode ter vários sintomas e pode incluir dormência, formigamento, fraqueza dos músculos que os nervos danificados servem e, em alguns casos, dor intensa.

Se um nervo estiver permanentemente danificado, os músculos a que ele serve podem gradualmente morrer, resultando em comprometimento do movimento.

Em alguns casos, a neuropatia pode resultar em paralisia completa das áreas afetadas. Por outro lado, algumas condições causam danos aos nervos temporariamente.

Enquanto as pessoas com nervos afetados podem experimentar as condições acima em uma base temporária, os nervos são capazes de se recuperar, então a condição não é permanente.

Este é o caso de doenças como Guillain-Barre. A condição pode causar neuropatia periférica súbita e paralisia temporária. Muitos são capazes de se recuperar desta doença, causada por um vírus, e ter o movimento completo restaurado após a recuperação.

Outra doença associada a danos nos nervos é a doença de Lyme. A doença de Lyme não tratada, causada por picadas de carrapatos infectados, pode resultar em danos progressivos ao sistema nervoso periférico.

O tratamento com antibióticos geralmente é capaz de impedir que os nervos fiquem permanentemente danificados.

As doenças auto-imunes podem resultar em uma neuropatia periférica mais permanente e podem ser muito mais difíceis de tratar ou curar.

A inflamação crônica associada à artrite reumatóide também pode causar alguma perda da função nervosa.

Aqueles que sofrem de lúpus também podem sofrer um certo grau de lesão nervosa à medida que o curso da doença progride.

Em condições como a esclerose múltipla e a distrofia muscular, a neuropatia periférica pode reduzir gradualmente a função muscular à medida que os nervos morrem. Em casos graves, esse dano pode prejudicar significativamente a marcha e o movimento. Essas condições são incuráveis.

Anomalias congênitas durante o desenvolvimento que resultam em doenças como Charcot-Marie-Tooth fazem com que os músculos morram na metade inferior do corpo e também não podem ser curados.

Outras formas desta condição podem ser curadas quando suas causas são tratáveis.

O envenenamento grave por chumbo ou a exposição excessiva ao mercúrio pode resultar em casos curáveis de neuropatia periférica, se a causa for encontrada.

Corrigir desequilíbrios hormonais ou deficiências de vitaminas ou minerais também podem deter mais danos nos nervos. Os tumores que cortam os nervos podem ser removidos cirurgicamente.

Muitas lesões, devido a repouso adequado, possível cirurgia e fisioterapia, podem ajudar a acabar com essa forma de neuropatia, ou pelo menos minimizar seus efeitos.

Mesmo quando a cura é possível, algumas pessoas podem ter sintomas prolongados da vida, como dormência ou uma ligeira perda de função em uma área onde os nervos foram danificados. Em alguns casos, nem todas as funções podem ser restauradas, mesmo quando o tratamento da condição subjacente é bem-sucedido.

Mais compreensão de como os nervos podem se recuperar de paralisia ou doença é necessária para facilitar a cura total na maioria dos casos.

Descrição

Os nervos periféricos conectam o cérebro e a medula espinhal ao resto do corpo.

A neuropatia periférica (lesão dos nervos periféricos) é um distúrbio neurológico relativamente comum que pode ocorrer como resultado de uma ampla gama de condições ou doenças subjacentes.

O diabetes é talvez o mais comum – aproximadamente 50% dos diabéticos sofrem de neuropatia diabética.

Outras condições que causam neuropatia periférica incluem doenças auto-imunes tais como artrite reumatóide; infecções como lepra ou AIDS; pressão em um nervo; certas substâncias tóxicas, incluindo álcool; deficiência de vitamina; radiação; trauma (por exemplo, fraturas ósseas ou lesões penetrativas); e tumores da medula espinhal.

Neuropatias hereditárias, como a doença de Charcot Marie Tooth, também são comuns. No entanto, em muitos casos, nenhum distúrbio subjacente pode ser diagnosticado.

Os sintomas do distúrbio variam em gravidade, de acordo com o número de nervos afetados. Os sintomas podem ser limitados a um único dedo ou dedo do pé, mas geralmente os braços ou pernas são afetados, embora raramente o corpo todo possa ser afetado. Fraqueza e dormência nos membros ou membros afetados podem ser acompanhadas por sensações anormais (parestesia) – isto é, formigamento, “alfinetes e agulhas”, ardor, dor, etc. Frequentemente, os sintomas pioram à noite.

A condição geralmente é categorizada de acordo com o número de nervos afetados:

A mononeuropatia envolve um único nervo – por exemplo, síndrome do túnel do carpo;
Polineuropatia ocorre com menos freqüência, mas envolve vários nervos periféricos em todo o corpo.

Em muitos casos, nenhum distúrbio subjacente pode ser encontrado; entretanto, distúrbios reconhecidos incluem Polineuropatia Desmielinizante Inflamatória Crônica, Síndrome de Guillain-Barré e neuropatia diabética.

O que é neuropatia bilateral?

A neuropatia bilateral descreve vários distúrbios nervosos que geralmente afetam as mãos e os pés, mas também podem incluir outros sistemas no corpo.

O termo bilateral significa afetar tanto o lado esquerdo quanto o lado direito do corpo.

Neuropatia é um termo genérico para qualquer doença ou distúrbio do sistema nervoso.

Na literatura médica, a neuropatia bilateral geralmente se refere a uma coleção de sintomas que afetam tanto os braços e as mãos esquerdas e direitas, quanto as pernas e os pés esquerdos e direitos.

Também é comumente chamado de neuropatia periférica para distingui-lo de outros tipos de neuropatia que afetam o sistema nervoso central.

Os sintomas da neuropatia bilateral variam de acordo com o tipo de nervo afetado e a gravidade da doença. Quando os nervos motores são afetados, pode ocorrer fraqueza muscular, bem como problemas de coordenação.

Se os nervos sensoriais forem afetados, haverá perda de sensibilidade, dormência e formigamento. A dor também é um sintoma com os dois tipos de nervos.

A neuropatia bilateral nas pernas pode levar a um risco aumentado de queda devido à fraqueza muscular ou falta de coordenação devido à dormência.

A causa mais comum de neuropatia periférica é o diabetes, responsável por cerca de 30% dos casos diagnosticados nos Estados Unidos.

Outras causas podem incluir deficiências de vitaminas, exposição a toxinas e infecções sistêmicas, como o HIV. O uso excessivo de álcool ou drogas também foi encontrado para causar neuropatia em alguns pacientes.

A neuropatia pode ser resultado de uma lesão direta e também pode ser causada por condições hereditárias, como a doença de Charcot-Marie-Tooth. Em cerca de 30% dos casos de neuropatia diagnosticada, a causa é desconhecida.

O diagnóstico precoce é importante para retardar a progressão do dano do nervo e, em alguns casos, reverter o dano existente antes que ele se torne permanente.

O diagnóstico é muitas vezes feito por um neurologista depois de estudar o histórico médico do paciente, incluindo quaisquer condições subjacentes que possam contribuir para a neuropatia.

Um exame físico no consultório pode revelar anormalidades nas reações reflexas, reações musculares e força de preensão. Testes mais detalhados às vezes são necessários e podem incluir um eletromiograma (EMG) que estuda contrações musculares, bem como testes de condução nervosa.

O tratamento começará com o diagnóstico e tratamento de qualquer causa subjacente ou contribuinte, como diabetes.

Fisioterapia e terapia ocupacional podem ser necessárias para aliviar a dor e melhorar a mobilidade.

Dispositivos ortopédicos, como talas podem ser usados para aliviar a dor, estabilizando a área lesada durante a cicatrização. A medicação também é comumente usada para tratar a neuropatia; medicação para a dor e medicamentos anticonvulsivantes podem ser usados para aliviar os sintomas da neuropatia bilateral.

Fonte: www.nhs.uk/www.cancer.org/www.ninds.nih.gov/www.nccn.org/www.hopkinsmedicine.org/www.foundationforpn.org/brainfoundation.org.au

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Supernova

PUBLICIDADE Uma supernova é a explosão de uma estrela na qual a estrela pode atingir …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.