Breaking News
Home / Saúde / Quiasma óptico

Quiasma óptico

PUBLICIDADE

O quiasma óptico é uma estrutura em forma de X formada pelo cruzamento dos nervos ópticos no cérebro.

O nervo óptico conecta o cérebro ao olho.

Para os biólogos, o quiasma óptico é considerado um ponto de virada na evolução.

Acredita-se que as fibras nervosas ópticas cruzadas e não cruzadas que percorrem o quiasma óptico se desenvolvem de maneira a auxiliar na visão binocular e na coordenação olho-mão.

O que é

O quiasma óptico é derivado da palavra grega para cruzamento, é o ponto em que os dois nervos ópticos, voltados para trás a partir de cada olho, se cruzam na base do cérebro, formando uma estrutura em forma de x.

Em cada olho, a retina temporal, a metade mais lateral da retina, fornece informações sobre a luz que entra no olho pelo lado nasal, o lado oposto. Pelo contrário, a retina nasal de cada olho fornece informações sobre a luz que entra no olho do mesmo lado do corpo que o olho.

Fibras correndo das células nervosas da retina nasal cruzam-se no quiasma para unir as fibras das células nervosas retinianas temporais do lado oposto. Dessa forma, o cérebro mescla todos os dados relativos ao mesmo lado do corpo, juntos no quiasma óptico, para formar um trato óptico, que viaja do quiasma para os centros visuais do cérebro.

A compressão por um tumor ou a interrupção do fluxo sanguíneo para a área pode danificar o quiasma óptico.

As lesões de massa produzem 95% dos problemas quiasmais, em grande parte devido ao quiasma óptico estar localizado aproximadamente a 10 milímetros acima da glândula pituitária.

Os pacientes com tumores na área quiasmática podem não ter sintomas ou apresentar uma variedade de sintomas, incluindo dores de cabeça, visão dupla e visão reduzida.

Tumores hipofisários, meningiomas, aneurismas, gliomas e esclerose múltipla podem produzir compressão do quiasma óptico.

Além de um exame físico, os médicos também devem realizar exames de tomografia computadorizada de crânio, exames laboratoriais e análises de campo visual para avaliar completamente o paciente.

As lesões no quiasma óptico geralmente produzem defeitos de campo visual característicos ou zonas espaciais com percepção diminuída.

Tumores que produzem compressão generalizada no quiasma mais comumente danificam as fibras nasais que se cruzam no centro do quiasma, que carregam a informação temporal do campo visual.

O paciente com uma lesão quiasmática freqüentemente apresentará hemianopsia bitemporal, com áreas enegrecidas do campo em cada lado lateral.

Um defeito juncional ocorre se o paciente tiver um problema na porção anterior e lateral do quiasma. Esse defeito característico ocorre devido à compressão de um nervo óptico e das fibras nasais opostas, que atravessam e seguem para o quiasma anterior, antes de encurtar o cérebro em direção a uma estrutura em forma de arco chamada joelho de Von Willebrand.

Raramente, a compressão pelas artérias carótidas internas ou pelas artérias cerebrais anteriores irá lesar as fibras laterais de cada lado do quiasma óptico, gerando uma hemianopsia binasal. A angiografia, um exame radiográfico dos vasos sanguíneos usando corante, revelará a fonte dos defeitos.

O tratamento de uma síndrome quiasmal depende da sua etiologia. O manejo adequado pode incluir radioterapia, cirurgia padrão, reposição hormonal ou esteróides sistêmicos. Na maioria dos casos, o prognóstico é ruim.

Em genética, o que é um quiasma?

Um quiasma é um ponto de contato entre as cromátides irmãs que se forma durante a meiose, um processo de divisão e replicação celular usado por uma grande variedade de organismos.

No quiasma, as cromátides podem trocar informações genéticas, resultando em novas combinações de material genético. Quando as cromátides se separam e se tornam cromossomos- irmãos, elas contêm uma mistura diferente de material genético do que seus cromossomos-mãe. Isso permite que os organismos evoluam geneticamente, criando novos traços e passando-os aos descendentes.

As cromátides são unidas no centrômero, um ponto aproximadamente no meio de cada cromátide.

A formação de um quiasma ocorre durante a meiose I, a primeira fase na meiose, quando os cromossomos emparelhados trocam material genético antes de se dividir em duas células, cada uma contendo metade do material genético da célula original. Os quiasmas desempenham um papel importante no processo de replicação do material genético.

Ao essencialmente embaralhar o genoma trocando informações no quiasma, os organismos são capazes de gerar combinações teoricamente infinitas de novas características. Algumas dessas combinações não funcionam, por diversas razões, e não são transmitidas. Outros provam ser bem sucedidos e começarão a se disseminar através da população como resultado. Com o tempo, os organismos podem sofrer grandes mudanças evolucionárias à medida que seus genomas mudam e alguns indivíduos prosperam como resultado de suas características herdadas.

Às vezes, erros durante a divisão podem envolver o quiasma. Se duas cromátides-filhas não conseguirem se separar durante a meiose, o produto dessa divisão específica de divisão celular terá um número ímpar de cromossomos.

A troca de material genético neste ponto também pode se tornar truncada ou confusa, resultando na passagem de traços deletérios ou no fim de algumas células com excesso de material genético, enquanto outras podem estar perdendo pedaços de material genético. Em alguns casos, isso pode ser prejudicial, pois o material em falta ou em excesso pode ser importante e pode se expressar na forma de um defeito genético.

As pessoas podem ver o quiasma com a ajuda da microscopia durante o processo de meiose, quando as cromátides são unidas em uma forma distinta de X.

Essa forma também é replicada em tabelas e gráficos representando a meiose. O termo “quiasma”, que vem do grego, geralmente se refere a um cruzamento ou cruzamento.

Este termo também é usado em anatomia para se referir a feixes de nervos no ponto de intersecção, como o quiasma óptico, onde os nervos ópticos se cruzam.

Anatomia do Quiasma Óptico

No quiasma óptico, as fibras nervosas da metade de cada retina atravessam para o lado oposto do cérebro. As fibras da outra metade da retina viajam para o mesmo lado do cérebro. Por causa dessa junção, cada metade do cérebro recebe sinais visuais dos campos visuais de ambos os olhos.

Doenças do Quiasma Óptico

Existem vários distúrbios que podem afetar o quiasma óptico.

Esses incluem:

Distúrbios inflamatórios, como esclerose múltipla
Infecções como tuberculose
Tumores e cistos benignos (não cancerosos)
Tumores cancerosos
Distúrbios vasculares (vasos sanguíneos)

Fonte: www.verywellhealth.com/neuroscientificallychallenged.com/www.wisegeek.org/www.healthline.com/www.cancer.gov/www.ncbi.nlm.nih.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gripe Espanhola

Gripe Espanhola

PUBLICIDADE Definição A pandemia de gripe espanhola é a catástrofe contra a qual todas as pandemias modernas …

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.