Breaking News
Home / Saúde / Melancolia

Melancolia

PUBLICIDADE

Definição

Melancolia é um subtipo de depressão. Pessoas com depressão melancólica freqüentemente sentem extremo desespero e culpa. Eles podem se esforçar para sentir qualquer felicidade, mesmo quando as coisas boas acontecem em suas vidas.

Embora a melancolia possa ser difícil de tratar, a recuperação é possível. Um profissional de saúde mental treinado pode ajudar pessoas com melancolia a lidar com seus sintomas.

Em suma, a melancolia é uma condição mental caracterizada por grande depressão de espíritos e presságios sombrios.

História da Melancolia

Em 400 a.C., o filósofo grego Hipócrates teorizou que o corpo humano continha quatro fluidos principais: sangue, bile negra, bile amarela e fleuma.

Um ser humano ficava doente quando esses fluidos estavam em desequilíbrio em seu corpo. Um excesso de bílis negra faria com que alguém ficasse desanimado e com medo. Os gregos chamam essa condição de melancolia.

Tornou-se o primeiro termo usado para depressão e a primeira maneira como a depressão foi estudada.

Durante a Renascença, os europeus consideraram a melancolia como um sinal de gênio criativo. Eles o glorificaram através da arte, moda e obras escritas. Mas no século 18, o termo retornou às suas raízes clínicas.

Por volta do século XIX, as pessoas usaram o termo depressão como sinônimo de melancolia.

Os escritos de Sigmund Freud em No assassinato, Luto e melancolia ajudaram a modernizar o conceito de melancolia em sua definição atual.

O que é

Originalmente definida pelos médicos gregos por volta de 300 a.C, a melancolia é um distúrbio psicológico marcado pela perda de apetite e um humor deprimido.

Psicólogos modernos geralmente acreditam que é outro termo para o que hoje é conhecido como transtorno depressivo.

Na medicina grega antiga, os médicos acreditavam que toda doença era causada por um desequilíbrio em um dos quatro principais fluidos corporais, ou humores.

Um excesso de bile negra foi dito ser a causa de uma disposição deprimida.

O nome foi tirado das palavras de raiz grega melas, que significa “negro”, e kholé, que significa “bile”.

Conforme definido nos escritos hipocráticos, a melancolia produziu certos sintomas que são muito semelhantes àqueles associados ao transtorno depressivo hoje. Insônia persistente, falta de apetite e desânimo foram todos considerados como sinais dessa condição. Além disso, os médicos gregos observaram que os pacientes que sofriam de melancolia exibiam comportamento agressivo, às vezes levando ao suicídio.

É interessante notar que os primeiros estudos da melancolia resultaram em conclusões que se correlacionam fortemente com o que sabemos agora sobre a depressão.

Por exemplo, os gregos antigos relataram que ela parece piorar ou se tornar mais prevalente durante os meses de outono, evidência que pode ligar a doença à desordem afetiva sazonal. Além disso, uma condição conhecida como mania, caracterizada por um humor severamente elevado, mais tarde se acreditava estar ligada à melancolia.

Isso sugere que alguns pacientes envolvidos nesses estudos iniciais podem estar sofrendo de transtorno bipolar.

Estudos antigos sobre a melancolia também parecem diferenciar entre depressão situacional e química. Embora Hipócrates atribuísse a melancolia a um excesso químico de bílis negra, ele também observou que os sintomas poderiam ser produzidos por luto e medo persistentes, sugerindo que os problemas situacionais também poderiam causar depressão.

Na era medieval, os médicos estudavam a conexão entre história familiar e melancolia.

Enquanto a palavra ainda se refere a uma desolação de disposição, ela não é mais usada como um diagnóstico médico.

Hoje, os médicos definem a depressão clínica como um estado persistente de melancolia ou desespero. A fim de resultar em um diagnóstico de transtorno depressivo, essa condição deve progredir ao ponto de interromper a vida diária de um indivíduo.

Para ser diagnosticado com depressão melancólica, uma pessoa deve apresentar pelo menos um destes sintomas:

Perda de prazer de todas as atividades (ou quase todas).
Falta de resposta positiva a eventos objetivamente prazerosos.

E pelo menos três dos seguintes:

Desespero que não está ligado à perda ou tristeza.
Perda de apetite ou perda de peso significativa.
Alterações psicomotoras: inquietação física ou movimento lento.
Variação de humor diurna: humor baixo que é pior de manhã.
Acordando pelo menos duas horas antes do normal.
Culpa excessiva.

Melancolia e outros tipos de Depressão

A melancolia pode parecer muito diferente da depressão não melancólica.

Em comparação com um indivíduo com outro tipo de depressão, alguém com melancolia tipicamente:

Desenvolve sintomas mais tarde.
Tem sintomas mais graves. Em vez de ter fadiga, a pessoa pode não ter energia alguma. Em vez de ter um humor abafado, eles podem ser incapazes de sentir qualquer felicidade.
É mais provável que tenha sintomas psicomotores.
É mais provável que tenha ansiedade ou pensamentos suicidas.

A depressão melancólica também pode ocorrer ao lado de outros especificadores. Por exemplo, alguém com melancolia pode ter um padrão sazonal para seus sintomas.

Pesquisas mostram que a melancolia é mais prevalente quando os níveis de luz solar e temperatura são baixos.

A melancolia também pode co-ocorrer com depressão pós-parto e depressão com características psicóticas.

Qual é a relação entre o luto e a melancolia?

A relação entre luto e melancolia depende se uma pessoa que sofre uma perda pode superar o luto e se recuperar.

O luto e a melancolia começam com sentimentos de negação quando uma pessoa ou um ideal abstrato, como a liberdade, morre.

A tristeza é considerada uma resposta saudável nos primeiros estágios do luto que contribui para o processo de cura. Quando o luto é internalizado, pode levar à melancolia e depressão profunda.

As teorias sobre a relação entre o luto e a melancolia provêm do trabalho de Sigmund Freud em 1917.

Freud escreveu que o luto é uma reação normal à perda de um objeto de amor, que é conscientemente conhecido e identificável. A melancolia se desenvolve quando a tristeza é inadequada para a situação e se torna internalizada.

A pessoa que sofre de melancolia identifica o objeto perdido ou a pessoa consigo mesmo em um nível inconsciente, levando à perda do ego.

O luto e a melancolia diferem em como uma pessoa responde a uma perda.

Durante o processo de luto, o luto normal acaba por diminuir quando uma pessoa se afasta emocionalmente da pessoa ou objeto perdido e substitui a tristeza por outras emoções. Se esse processo não evoluir, pode ocorrer depressão grave, marcada por tendências sádicas.

Pacientes melancólicos podem buscar vingança contra o ente querido perdido, atormentando a si mesmos. O estágio normal do luto definido como a raiva se torna interior e se torna um conflito entre amor e ódio que ataca o ego, de acordo com a teoria de Freud. Esses pacientes podem se sentir profundamente desanimados e perder todo o interesse em atividades externas.

Eles geralmente ficam deprimidos e perdem a capacidade de amar os outros ou a si mesmos. Pacientes com melancolia podem estar cheios de auto-ódio e baixa auto-estima quando a raiva é deslocada.

Essas emoções podem fazer com que a pessoa pare de comer e dormir e reaja com comportamentos disfuncionais. Tais emoções também podem levar a pensamentos ou tentativas suicidas.

O luto e a melancolia representam temas de vários projetos de pesquisa ao longo dos anos para testar a teoria de Freud.

Os avanços neurológicos na medicina mostram mudanças nos padrões cerebrais em pessoas que não conseguem passar pelo processo de luto de uma maneira emocionalmente saudável.

A melancolia é considerada um distúrbio de saúde mental que pode responder à psicoterapia e medicação antidepressiva.

A Melancolia difere de outras formas de depressão comumente vistas quando as pessoas choram. É definida como depressão maior que pode causar episódios maníaco-depressivos ou psicose. Às vezes, o paciente se fixa em um tópico ou ideia em particular e sente um intenso sentimento de culpa. A ninhada geralmente aparece pior no início da manhã, especialmente se a pessoa não consegue dormir.

Ele ou ela geralmente perde todo o interesse em sexo e outras atividades prazerosas.

Fonte: www.goodtherapy.org/www.dictionary.com/www.wisegeek.org/www.healthdirect.gov.au/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.britannica.com/www.healthline.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Síndrome de Couvade

PUBLICIDADE Definição A síndrome de Couvade é uma condição na qual homens com parceiros grávidos …

Polineuropatia

PUBLICIDADE Definição As polineuropatias são o tipo mais comum de distúrbio do sistema nervoso periférico …

Acrocianose

PUBLICIDADE A acrocianose é uma desordem vascular periférica funcional caracterizada por descoloração malhada ou cianose …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.