Breaking News
Home / Saúde / Streptococcus

Streptococcus

PUBLICIDADE

Streptococcus – O que é

Streptococcus é um tipo de bactéria. Existem vários tipos.

Dois deles causam a maioria das infecções por estreptococos em pessoas: grupo A e grupo B.

As infecções estreptocócicas são qualquer tipo de infecção causada pelo grupo de bactérias Streptococcus.

Streptococcus contém uma variedade de espécies, algumas das quais causam doenças em humanos e animais, enquanto outras são importantes na fabricação de certos produtos fermentados.

Streptococcus pyogenes, muitas vezes referido como bactéria estreptococo do grupo A, pode causar febre reumática, impetigo, escarlatina, febre puerperal, síndrome do choque tóxico estreptocócico, faringite estreptocócica, amigdalite e outras infecções respiratórias superiores. A fasceíte necrosante, uma infecção que se espalha rapidamente da pele e do tecido subjacente causada por S. pyogenes, tem sido popularmente chamada de “doença carnívora”.

Streptococcus agalactiae, ou bactéria estreptococo do grupo B, pode causar infecções da bexiga e do útero em mulheres grávidas; em recém-nascidos, a infecção pela bactéria pode resultar em sepse (envenenamento do sangue), meningite (inflamação das membranas que cobrem o cérebro e a medula espinhal) ou pneumonia.

O termo foi cunhado em 1877 pelo cirurgião vienense Albert Theodor Billroth (1829–1894),[3] combinando o prefixo “strepto-“, juntamente com o sufixo “-coccus”.

Em 1984, muitas bactérias anteriormente agrupadas em o gênero Streptococcus foi separado nos gêneros Enterococcus e Lactococcus.

Atualmente, mais de 50 espécies são reconhecidas neste gênero. Descobriu-se que este gênero faz parte do microbioma salivar.

Doenças Estreptocócicas

doença estreptocócica é causada por estreptococos, um gênero de bactérias Gram-positivas que causam diversas doenças humanas.

Infecções estreptocócicas podem ser comuns e geralmente causam problemas menores. No entanto, muitas dessas espécies de bactérias têm o potencial de causar infecção invasiva resultante da presença de bactérias em um local normalmente estéril.

Bactérias Estreptocócicas

As bactérias estreptocócicas são divididas em várias categorias, dependendo de sua capacidade de quebrar os glóbulos vermelhos e da composição de suas paredes celulares.

Muitas pessoas saudáveis abrigam bactérias estreptocócicas em suas bocas, narizes, intestinos e trato reprodutivo; em sua pele; e em outros locais sem adoecer; essas pessoas são chamadas de “portadoras”.

Embora as pessoas que estão doentes com doença estreptocócica sejam as fontes mais prováveis de muitas infecções estreptocócicas, algumas infecções podem vir de portadores de bactérias estreptocócicas.

As bactérias estreptocócicas podem causar uma variedade de doenças que variam de leves a graves.

As bactérias estreptocócicas do grupo A causam doenças que variam de dor de garganta estreptocócica (garganta estreptocócica) a fasceíte necrosante (doença carnívora). Eles também podem causar escarlatina, febre reumática, febre puerperal (pós-parto) e síndrome do choque tóxico estreptocócico.

As infecções por estreptococos do grupo A são mais frequentemente transmitidas por pessoas doentes, embora os portadores de estreptococos do grupo A sejam as fontes de algumas infecções.

Os estreptococos do grupo B podem causar sepse, pneumonia ou meningite com risco de vida em recém-nascidos, bem como uma variedade de doenças em idosos e adultos com certas condições subjacentes ou sistema imunológico enfraquecido.

Algumas pessoas normalmente carregam estreptococos do grupo B em seu trato gastrointestinal, trato genital ou trato urinário sem apresentar sintomas. Até 30% das mulheres grávidas carregam estreptococos do grupo B em seu trato genital e podem passar a bactéria para seus bebês durante o parto (especialmente para bebês que desenvolvem a doença na primeira semana após o nascimento). A fonte de infecção é muitas vezes desconhecida para bebês com doença por estreptococos do grupo B que começa mais de uma semana após o nascimento e para adultos com doença por estreptococos do grupo B.

A bactéria Streptococcus pneumoniae, ou pneumococo, pode causar muitos tipos de doenças, e algumas delas são fatais. O pneumococo é a causa mais comum de infecções da corrente sanguínea, pneumonia, meningite e infecções do ouvido médio em crianças pequenas. As bactérias S. pneumoniae estão frequentemente presentes no nariz ou na garganta de pessoas saudáveis e só se desenvolvem em uma infecção grave quando as defesas do hospedeiro estão enfraquecidas devido a fatores como idade muito jovem ou avançada, doença (por exemplo, doença cardíaca, doença pulmonar, câncer, etc.), ou desnutrição. Estão disponíveis vacinas que oferecem proteção contra alguns tipos de bactérias S. pneumoniae.

Estreptococos do Grupo A (GAS) – Doença Estreptocócica Invasiva

Streptococcus pyogenes

estreptococo do grupo A (GAS) é uma bactéria que é frequentemente encontrada na garganta e na pele das pessoas. O estreptococo do grupo A (GAS) é mais frequentemente associado a “garganta inflamada” e impetigo (bolhas na pele).

Em raras ocasiões, o estreptococo do grupo A (GAS) pode causar doenças graves e com risco de vida, como síndrome do choque tóxico e fasceíte necrosante (doença carnívora).

As pessoas podem carregar o germe na pele ou no nariz e na garganta e não apresentar sintomas da doença. Na maioria das vezes, as infecções por estreptococos do Grupo A são doenças leves, como “garganta estreptocócica” ou impetigo. Às vezes, as bactérias invadem os pulmões (pneumonia), o sangue (septicemia) ou se espalham pelas camadas de tecido que circundam o músculo (chamada de fáscia).

Essas infecções são chamadas de doença estreptocócica invasiva do grupo A (iGAS) e são muito graves, até mesmo com risco de vida.

Duas das formas mais graves, mas menos comuns, de iGAS são a fasceíte necrosante e a síndrome do choque tóxico estreptocócico. A fasceíte necrosante, também conhecida como “doença carnívora”, é uma doença de progressão rápida que destrói músculos, gordura e tecido da pele. A síndrome do choque tóxico estreptocócico resulta em uma queda rápida da pressão arterial e faz com que órgãos como rins, fígado ou pulmões parem de funcionar.

Estreptococos do Grupo A – Sintomas

Os sintomas de septicemia (envenenamento do sangue) incluem febre, calafrios, dor de cabeça, geralmente não se sentir bem, pele pálida, falta de energia, respiração rápida e aumento da frequência cardíaca.

Os primeiros sintomas de fasceíte necrosante incluem dor intensa e inchaço, muitas vezes piorando rapidamente; febre; vermelhidão ao redor de uma ferida.

Os primeiros sintomas da síndrome do choque tóxico estreptocócico incluem febre; dor súbita e intensa, geralmente em um braço ou perna; tontura; confusão; sensação de ter “gripe”; e uma erupção cutânea vermelha plana em grandes áreas do corpo.

Estreptococos do Grupo A – Causa

As bactérias são transmitidas de pessoa para pessoa através do contato pessoal próximo com as secreções do nariz e da garganta de uma pessoa infectada:

Respirar ar contaminado com bactérias estreptocócicas quando uma pessoa infectada tossiu, espirrou ou falou
Beijar, compartilhar copos, garfos, colheres ou cigarros
Tocar nas secreções do nariz e da garganta de uma pessoa infectada
Tocar em artigos recentemente contaminados com secreções do nariz e da garganta de uma pessoa infectada

Pessoas com doenças crônicas, como câncer, diabetes e doenças cardíacas ou pulmonares crônicas, e aquelas que usam medicamentos como esteróides têm maior risco de iGAS. Pessoas com cortes na pele, feridas ou catapora, idosos e adultos com histórico de abuso de álcool ou uso de drogas injetáveis também têm maior risco de doença.

Estreptococos do Grupo A – Prevenção

Não existe vacina para prevenir infecções por estreptococos do grupo A.

Os antibióticos são recomendados para certos contatos próximos de casos graves de iGAS (por exemplo, pessoas que vivem na mesma casa).

Lave bem as mãos, principalmente após tossir e espirrar e antes de preparar alimentos ou comer.

Mantenha todos os cortes e feridas limpos e observe possíveis sinais de infecção, como vermelhidão, inchaço, drenagem e dor no local da ferida.

Se houver sinais de uma ferida infectada, especialmente com febre, consulte um médico o mais rápido possível.

Estreptococo do Grupo B (GBS)

estreptococo do grupo B (GBS) é uma bactéria que causa doenças em recém-nascidos, mulheres grávidas, idosos e adultos com doenças crônicas, como câncer e diabetes.

Estreptococo do Grupo B é a causa mais comum de infecções com risco de vida em recém-nascidos.

estreptococo do grupo B pode causar infecções no sangue, pneumonia e meningite em recém-nascidos. Um teste de triagem durante a gravidez pode dizer se você tem. Se você fizer isso, antibióticos intravenosos (IV) durante o trabalho de parto podem salvar a vida do seu bebê.

Os adultos também podem contrair infecções por estreptococos do grupo B, especialmente se tiverem 65 anos ou mais ou já tiverem problemas de saúde. Streptococcus B pode causar infecções do trato urinário, infecções do sangue, infecções de pele e pneumonia em adultos.

Os antibióticos são usados para tratar infecções por estreptococos.

Em bebês, as infecções por estreptococos B ocorrem como de início precoce ou tardio. O início precoce ocorre em bebês com menos de 1 semana de idade e a infecção é mais frequentemente transmitida da mãe para o bebê durante o trabalho de parto.

Os sintomas da infecção por estreptococos em recém-nascidos geralmente se desenvolvem nas primeiras horas ou dias após o parto e incluem ser mole ou não responsivo, alimentação inadequada, grunhidos ao respirar e respiração e batimentos cardíacos anormalmente rápidos ou lentos.

Antibióticos administrados à mãe durante o trabalho de parto podem ajudar a prevenir a propagação da infecção para o bebê.

A infecção por estreptococos B de início tardio em bebês ocorre de uma semana a 3 meses de idade e às vezes é transmitida de mãe para bebê, mas também pode vir de outra fonte.

O início precoce costumava ser o tipo mais comum de infecção por estreptococos B em recém-nascidos, mas devido aos esforços de prevenção, tanto o início precoce quanto o tardio ocorrem em taxas baixas semelhantes

Em adultos, a infecção por estreptococos B ocorre com menos frequência do que em bebês, mas pode afetar qualquer pessoa.

As fontes da doença causada por Estreptococo do Grupo B em adultos são desconhecidas, mas as bactérias estão presentes no trato gastrointestinal e podem ser a fonte de infecção.

Se a infecção levar à sepse ou pneumonia, pode ser fatal. Em média, 1 em cada 20 adultos não grávidas com uma infecção invasiva por estreptococo B morre.

A chance de infecção por estreptococos B aumenta com a idade. Adultos mais jovens que não têm outras condições médicas têm menor risco de morte por Estreptococo do Grupo B.

Doença pneumocócica (Streptococcus pneumoniae)

Streptococcus pneumoniae, também chamado de pneumococo, é um importante patógeno humano que causa pneumonia, sinusite, otite média e meningite. Espécies fecais (enterocócicas) ocorrem em grande número no intestino e podem causar infecções do trato urinário e endocardite. S. mutans, pertencente à espécie viridans, habita a boca e contribui para a cárie dentária. Entre as espécies lácticas, S. lactis e S. cremoris são utilizadas em fermentos comerciais para a produção de manteiga, leitelho cultivado e certos queijos.

O tratamento de infecções pneumocócicas com penicilina e outros antibióticos costumava ser eficaz, mas a doença está se tornando cada vez mais resistente ao tratamento com antibióticos, tornando a imunização cada vez mais importante. Existem mais de 90 cepas conhecidas de doença pneumocócica e duas vacinas diferentes, muitas vezes chamadas de “injeções de pneumonia”, que ajudam a combater a doença pneumocócica.

Estreptococos Grupo C e G

Os estreptococos do grupo C e G são muito menos compreendidos do que os estreptococos A e B porque as doenças causadas por essas bactérias são muito menos comuns.

Os estreptococos do grupo C e G vivem mais comumente em animais como cavalos e gado e podem se espalhar para humanos através do leite cru ou do contato com esses animais.

A bactéria também pode viver na garganta das pessoas e na pele humana, particularmente em áreas danificadas por condições como eczema ou em superfícies mucosas, como vagina ou intestino.

As infecções podem ser tratadas com antibióticos, mas infecções graves podem ser fatais, especialmente quando entram na corrente sanguínea. Os casos são mais comuns em adultos com mais de 75 anos.

Fonte: www.dshs.state.tx.us/www.health.state.mn.us/www.bccdc.ca/medlineplus.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gangrena

PUBLICIDADE Gangrena – O que é A gangrena é uma condição perigosa e potencialmente fatal que ocorre …

Disenteria

PUBLICIDADE Disenteria – Definição A disenteria é um termo geral para um grupo de distúrbios gastrointestinais caracterizados …

Varíola do Macaco

PUBLICIDADE Varíola do Macaco – O que é A Varíola do Macaco não é uma doença nova. …