Breaking News
Home / Saúde / Pandemia

Pandemia

PUBLICIDADE

Nos estágios iniciais de um surto, o termo “pandemia” pode ser usado para comunicar o risco de doenças infecciosas, principalmente por aqueles que desejam incentivar uma resposta de saúde pública em larga escala.

No entanto, o termo carece de uma definição quantitativa amplamente aceita. Mostramos que, sob definições quantitativas alternativas de “pandemia”, um modelo epidemiológico de metapopulação produz diferentes estimativas da probabilidade de uma pandemia.

Epidemias e pandemias

Epidemias são surtos de doenças de origem bacteriana ou viral que envolvem muitas pessoas em uma área localizada ao mesmo tempo. Um exemplo de epidemia é o surto de febre hemorrágica causado pelo vírus Ebola no Zaire em 1976. Quando a febre Ebola ocorre, ela tende a ficar confinada a uma área localizada e pode envolver muitas pessoas. Se um surto é de âmbito mundial, é referido como uma pandemia. Os surtos periódicos de gripe podem ser pandêmicos.

Algumas doenças podem ser tanto epidêmicas quanto pandêmicas. Isso pode ser uma função do tempo. Um exemplo é a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Inicialmente, o reconhecido agente viral da Aids, o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV ), prevalecia em algumas regiões geográficas, como o Haiti, e entre certos grupos, como os homens homossexuais nos Estados Unidos.

Nessas regiões e populações, a infecção teve alcance epidêmico. Desde esses primeiros dias, a AIDS se expandiu para se tornar uma doença mundial que atravessa todas as categorias raciais, culturais, econômicas e geográficas. A AIDS agora é uma pandemia.

A gripe também pode ser epidêmica ou pandêmica. Nesse caso, a composição antigênica do agente viral da doença determina se o vírus se torna global em sua distribuição ou não.

As variantes antigênicas do vírus que são bastante diferentes das variedades que o precederam e, portanto, exigem uma resposta adaptativa do sistema imunológico antes que a infecção possa ser combatida com sucesso, tendem a se tornar pandêmicas.

As pandemias de gripe podem ser devastadoras. O grande número de pessoas que adoecem pode sobrecarregar a capacidade da infraestrutura de saúde de uma região ou país.

A preparação para tentar impedir uma pandemia de gripe é imensa. Por exemplo, a preparação e distribuição da vacina necessária e a subsequente inoculação daqueles que podem estar em risco é um grande empreendimento. Em termos humanos, as pandemias de gripe cobram um preço enorme na perda de vidas.

Embora a taxa de mortalidade por influenza seja tipicamente inferior a um por cento das pessoas infectadas, uma pandemia envolvendo centenas de milhões de pessoas resultará em muitas mortes.


Epidemias e Pandemias

Epidemias e pandemias fazem parte da história humana há milênios. Um exemplo dessa presença de longa data é a cólera. A cólera é uma infecção causada por uma bactéria chamada Vibrio cholerae.

A bactéria está presente nas fezes e pode se espalhar diretamente para a água potável e para os alimentos através da manipulação dos alimentos de maneira não higiênica. A diarréia aquosa e a desidratação resultantes, que podem levar ao colapso das funções do corpo e à morte se o tratamento não for imediato, devastaram populações em todo o mundo desde o início da história registrada.

Os primeiros relatos que podem ser identificados como cólera datam de 1563 na Índia. Esta e outras epidemias naquela parte do mundo levam à propagação da infecção. Em 1817, a cólera havia se tornado uma pandemia. A última pandemia de cólera começou em 1961 na Indonésia. O surto se espalhou pela Europa, Ásia, África e finalmente atingiu a América do Sul no início da década de 1990.

Na América Latina, a cólera ainda causa 400.000 casos de doença e mais de 4.000 mortes a cada ano.

A gripe é outro exemplo de doença am que está presente desde a antiguidade. De fato, o filósofo Hipócrates descreveu pela primeira vez um surto de gripe em 412 a.C.

Houve três grandes surtos de gripe no século XVI (o ocorrido em 1580 foi uma pandemia) e pelo menos três pandemias no século XVIII. No século XX houve pandemias em 1918, 1957 e 1968.

Estas foram causadas por diferentes tipos antigênicos do vírus influenza.

Acredita-se que a pandemia de 1918 tenha matado cerca de 30 milhões de pessoas, mais do que as que foram mortas na Primeira Guerra Mundial.

Um tema comum de epidemias e pandemias ao longo da história tem sido a associação de surtos e condições sanitárias.

O saneamento inadequado tem e continua a ser o terreno fértil para as bactérias e vírus que podem varrer as populações.

A aglomeração de pessoas nas cidades florescentes da Europa dos séculos XVII e XVIII levou a uma série de epidemias. Estes incluíam tifo, febre tifóide, peste, varíola, disenteria e cólera.

Os surtos são um problema menor nas cidades modernas, devido às melhores condições de saneamento e padrões de habitação. No entanto, em áreas subdesenvolvidas do mundo, ou mesmo no mundo desenvolvido, onde as condições de saneamento e habitação são deficientes, tais doenças ainda estão presentes.

Epidemias e pandemias podem ser tão devastadoras que podem alterar o curso da história. Um exemplo é a Peste Negra que se espalhou pela Europa e Grã-Bretanha no século XVII.

Estima-se que um terço da população da Europa foi morto e cidades como Londres ficaram quase desertas, pois aqueles que podiam se dar ao luxo de fugir da cidade. Na Guerra da Crimeia (1853-1856), mais de 50.000 soldados morreram de tifo, enquanto apenas 2.000 soldados foram realmente mortos em batalha. Como último exemplo, a propagação da peste para o Novo Mundo por cobertores contaminados a bordo de veleiros franceses que atracaram em Halifax, Nova Escócia, em 1746, levou à dizimação dos habitantes aborígenes da América do Norte.

Nas últimas décadas, tem havido um crescente reconhecimento de que doenças que anteriormente se supunha serem de origem genética ou outra, não bacteriana ou não viral são de fato causadas por microorganismos, levando ao reconhecimento de que pode haver uma epidemia ou pandemia ou doenças. como úlceras estomacais e doenças cardíacas. Essas doenças diferem de outras epidemias e pandemias bacterianas e virais, porque não aparecem e desaparecem em um tempo relativamente curto. Em vez disso, as úlceras estomacais causadas pela bactéria Helicobacter pylori e as doenças cardíacas causadas pela reação do sistema imunológico à infecção pela bactéria clamídia são chamadas de infecções crônicas.

Essas infecções estão presentes por um longo tempo, causando essencialmente uma pandemia ininterrupta da doença em particular.

Pandemia – O que é

Uma pandemia é a disseminação mundial de uma nova doença. As doenças respiratórias virais, como as causadas por um novo vírus da gripe ou pelo coronavírus COVID-19, são as mais propensas a se transformar em uma pandemia.

Uma pandemia não é o mesmo que uma epidemia. Em uma epidemia, ocorrem muito mais casos de uma condição de saúde do que normalmente se desenvolveria em uma comunidade ou região, mas a condição não se espalha ainda mais.

No passado, houve várias pandemias de gripe. As gripes pandêmicas geralmente têm sua origem nos vírus da gripe animal e não são o mesmo que a gripe sazonal. Poucas pessoas, se houver, terão imunidade contra um vírus da gripe pandêmica – mesmo que tenham tido gripe sazonal ou vacinada contra a gripe sazonal.

Os termos endêmico, surto, epidemia e pandemia indicam quão comum é uma condição em um determinado momento em relação a quão comum era em um momento anterior.

Os termos endêmico, surto, epidemia e pandemia são frequentemente usados para descrever infecções, embora condições como hipertensão, câncer, violência ou mesmo comportamentos positivos e benéficos também possam ser descritos da mesma maneira.

Essas categorias são baseadas principalmente em quantos casos de uma condição existem em comparação com o número esperado de casos em um determinado período e até que ponto os casos se espalharam geograficamente.

Pandemia – Surto de Doença

Pandemia, surto de doença infecciosa que ocorre em uma ampla área geográfica e que é de alta prevalência, geralmente afetando uma proporção significativa da população mundial, geralmente ao longo de vários meses.

As pandemias surgem de epidemias, que são surtos de doenças confinados a uma parte do mundo, como um único país.

As pandemias, especialmente aquelas envolvendo influenza, às vezes ocorrem em ondas, de modo que uma fase pós-pandemia, marcada pela diminuição da atividade da doença, pode ser seguida por outro período de alta prevalência da doença.

Doenças infecciosas como a gripe podem se espalhar rapidamente – às vezes em questão de dias – entre humanos que vivem em diferentes áreas do mundo. A propagação de uma doença é facilitada por vários fatores, incluindo um grau aumentado de infecciosidade do agente causador da doença, transmissão da doença de pessoa para pessoa e meios de transporte modernos, como viagens aéreas.

A maioria das doenças altamente infecciosas que ocorrem em humanos são causadas por doenças que surgem primeiramente em animais. Assim, quando um novo agente infeccioso ou doença surge em animais, os órgãos de vigilância localizados nas áreas afetadas são responsáveis por alertar a Organização Mundial da Saúde (OMS) e por acompanhar de perto o comportamento do agente infeccioso e a atividade e disseminação da doença.

OMS monitora constantemente a atividade da doença em escala global por meio de uma rede de centros de vigilância localizados em países do mundo todo.

No caso da gripe, que é a doença que representa a maior ameaça pandêmica para os seres humanos, a OMS organizou um plano de preparação para pandemia que consiste em seis fases de alerta pandêmico, descritas a seguir:

Fase 1: o nível mais baixo de alerta de pandemia; indica que um vírus da gripe, recém-surgido ou já existente, está circulando entre os animais. O risco de transmissão para humanos é baixo.
Fase 2: são observadas incidências isoladas de transmissão animal-humano do vírus, indicando que o vírus tem potencial pandêmico.
Fase 3: caracterizada por pequenos surtos de doenças, geralmente resultantes de múltiplos casos de transmissão animal-humano, embora possa haver capacidade limitada de transmissão humano-humano.
Fase 4: transmissão viral confirmada de humano para humano que causa doença sustentada em comunidades humanas. Nesta fase, a contenção do vírus é considerada impossível, mas uma pandemia não é necessariamente inevitável. A implementação de métodos de controle para prevenir a disseminação viral é enfatizada nas partes afetadas do mundo.
Fase 5: marcada pela transmissão da doença de humano para humano em dois países, indicando que uma pandemia é iminente e que a distribuição de medicamentos estocados e a execução de estratégias de controle da doença devem ser realizadas com senso de urgência.
Fase 6: caracterizada pela transmissão generalizada e sustentada de doenças entre humanos

Quando a OMS eleva o nível de um alerta de pandemia, como do nível 4 para o nível 5, serve como um sinal para os países em todo o mundo implementarem as estratégias de controle de doenças predeterminadas apropriadas.

Como se declara uma pandemia?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) é responsável por declarar quando uma pandemia global está ocorrendo.

A OMS faz isso monitorando surtos de uma doença e recebendo conselhos de especialistas internacionais em saúde.

O que é “distanciamento físico”?

distanciamento físico ajuda a evitar que os vírus se espalhem. Você pratica algumas formas de distanciamento físico, como escolher onde está no ônibus. Outras medidas de distanciamento físico (como o cancelamento de grandes eventos esportivos) podem ser aplicadas pelo governo ou por grupos e organizações privadas.

As práticas de distanciamento físico incluem:

Ficar a 1,5 metros de distância dos outros quando em público
Evitando multidões e aglomerações onde é difícil ficar a 1,5 m dos outros
Evitando pequenas reuniões em espaços fechados, como festas ou celebrações familiares
Evitando apertar as mãos, abraçar ou beijar
Evitar visitar pessoas vulneráveis, como as que estão em instituições de assistência a idosos ou hospitais, bebês ou pessoas com sistema imunológico enfraquecido

Pandemia – História


Pandemia

Ao longo da história, pandemias de doenças como cólera, peste e gripe desempenharam um papel importante na formação de civilizações humanas.

Exemplos de pandemias históricas significativas incluem a pandemia de peste do Império Bizantino no século VI d.C.; a Peste Negra, que se originou na China e se espalhou pela Europa no século XIV; e a pandemia de gripe de 1918-19, que se originou no estado americano do Kansas e se espalhou para a Europa, Ásia e ilhas no Pacífico Sul.

Embora as pandemias sejam tipicamente caracterizadas por sua ocorrência em um curto espaço de tempo, hoje várias doenças infecciosas persistem em um alto nível de incidência, ocorrem em escala global e podem ser transmitidas entre humanos direta ou indiretamente. Tais doenças representadas nas pandemias modernas incluem a AIDS, causada pelo HIV (vírus da imunodeficiência humana), que é transmitido diretamente entre humanos; e malária, causada por parasitas do gênero Plasmodium, que são transmitidos de um humano para outro por mosquitos que se alimentam do sangue de humanos infectados.

Estima-se que as pandemias de gripe ocorram aproximadamente uma vez a cada 50 anos, embora o intervalo pandêmico real tenha, em alguns casos, sido menor do que isso.

Por exemplo, após a pandemia de 1918-19, houve duas outras pandemias de gripe do século 20: a pandemia de gripe asiática de 1957 e a pandemia de gripe de Hong Kong de 1968.

O vírus que causou a pandemia de 1957, que durou até meados de 1958, também foi responsável por uma série de epidemias que surgiram anualmente até 1968, quando surgiu a gripe de Hong Kong.

pandemia de gripe de Hong Kong, que durou até 1969-70, causou entre um milhão e quatro milhões de mortes. A próxima pandemia de gripe ocorreu em 2009, quando um subtipo do vírus H1N1 se espalhou por várias regiões do mundo. Entre março de 2009 e meados de janeiro de 2010, mais de 14.140 mortes por H1N1 confirmadas em laboratório foram relatadas em todo o mundo.

Em março de 2020, um surto contínuo de um novo coronavírus conhecido como síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV2) foi declarado uma pandemia pelos funcionários da OMS.

A infecção com SARS-CoV2 produziu uma doença conhecida como doença de coronavírus 2019 (COVID-19); a doença foi caracterizada principalmente por febre, tosse e falta de ar. O surto começou no final de 2019 em Wuhan, na China, quando um paciente com pneumonia de causa desconhecida foi internado em um hospital local. Nas semanas seguintes, o número de pessoas infectadas com o novo vírus cresceu rapidamente em Wuhan e a doença se espalhou para outras regiões da China. No início de 2020, o COVID-19 havia chegado à Europa e aos Estados Unidos, levado para lá por viajantes vindos de regiões afetadas. No momento em que o surto foi declarado uma pandemia, casos de COVID-19 haviam sido detectados em vários países do mundo, com cerca de 130.000 casos confirmados e cerca de 5.000 mortes.

Peste Negra – Pandemia, Europa medieval

Peste Negra, pandemia que devastou a Europa entre 1347 e 1351, causando um número de vidas proporcionalmente maior do que qualquer outra epidemia ou guerra conhecida até então.

Acredita-se que a Peste Negra tenha sido o resultado da peste, causada pela infecção com a bactéria Yersinia pestis.

Análises genéticas modernas indicam que a cepa de Yersinia pestis introduzida durante a Peste Negra é ancestral de todas as cepas circulantes de Yersinia pestis conhecidas por causar doenças em humanos. Assim, a origem das epidemias modernas de peste está no período medieval. Outras evidências científicas indicaram que a Peste Negra pode ter sido de origem viral.

Peste Negra – Causa e surto

Tendo se originado na China e no interior da Ásia, a Peste Negra dizimou o exército do cã Kipchak Janibeg enquanto ele sitiava o porto comercial genovês de Kaffa (agora Feodosiya) na Crimeia (1347).

Com suas forças se desintegrando, Janibeg catapultou cadáveres infestados de peste para a cidade em um esforço para infectar seus inimigos. De Kaffa, navios genoveses levaram a epidemia para o oeste até os portos do Mediterrâneo, de onde se espalhou para o interior, afetando a Sicília (1347); Norte da África, Itália continental, Espanha e França (1348); e Áustria, Hungria, Suíça, Alemanha e Países Baixos (1349). Um navio de Calais levou a praga para Melcombe Regis, Dorset, em agosto de 1348.

Chegou a Bristol quase imediatamente e se espalhou rapidamente pelos condados do sudoeste da Inglaterra. Londres sofreu mais violentamente entre fevereiro e maio de 1349, East Anglia e Yorkshire durante aquele verão. A Peste Negra atingiu o extremo norte da Inglaterra, Escócia, Escandinávia e os países bálticos em 1350.

Houve recorrências da praga em 1361-63, 1369-71, 1374-75, 1390 e 1400. Pesquisas modernas sugerem que, durante esse período, a peste foi introduzida na Europa várias vezes, chegando às rotas comerciais em ondas da Ásia Central como resultado de flutuações climáticas que afetaram populações de roedores infestados de pulgas portadoras de peste.

A taxa de mortalidade da Peste Negra variou de lugar para lugar: enquanto alguns distritos, como o ducado de Milão, Flandres e Béarn, parecem ter escapado relativamente pouco, outros, como Toscana, Aragão, Catalunha e Languedoc, foram muito atingidos. As vilas, onde o perigo de contágio era maior, foram mais afetadas do que o campo, e dentro das vilas as comunidades monásticas foram as que tiveram maior incidência de vítimas.

Até os grandes e poderosos, que eram mais capazes de voar, foram abatidos: entre a realeza, Eleanor, rainha de Pedro IV de Aragão, e o rei Afonso XI de Castela sucumbiram, e Joan, filha do rei inglês Eduardo III, morreu em Bordéus a caminho do casamento com o filho de Alfonso.

Canterbury perdeu dois arcebispos sucessivos, John de Stratford e Thomas Bradwardine; Petrarca perdeu não apenas Laura, que inspirou tantos de seus poemas, mas também seu patrono, Giovanni Cardeal Colonna.

A corte papal em Avignon foi reduzida em um quarto. Comunidades e famílias inteiras às vezes eram aniquiladas.

Peste Negra – Efeitos e significado

As consequências desta catástrofe violenta foram muitas. A cessação das guerras e uma queda repentina no comércio se seguiram imediatamente, mas foram apenas de curta duração.

Uma consequência mais duradoura e grave foi a redução drástica da quantidade de terras cultivadas, devido à morte de tantos trabalhadores. Isto provou ser a ruína de muitos proprietários de terras.

A escassez de mão de obra os obrigou a substituir salários ou aluguéis em dinheiro no lugar de serviços de trabalho em um esforço para manter seus inquilinos.

Houve também um aumento geral dos salários dos artesãos e camponeses. Essas mudanças trouxeram uma nova fluidez à até então rígida estratificação da sociedade.

Os efeitos psicológicos da Peste Negra foram refletidos ao norte dos Alpes (não na Itália) por uma preocupação com a morte e a vida após a morte evidenciada na poesia, escultura e pintura; a Igreja Católica Romana perdeu parte de seu monopólio sobre a salvação das almas quando as pessoas se voltaram para o misticismo e às vezes para os excessos.

O antissemitismo se intensificou muito em toda a Europa, pois os judeus foram responsabilizados pela propagação da Peste Negra. Seguiu-se uma onda de pogroms violentos, e comunidades judaicas inteiras foram mortas por turbas ou queimadas na fogueira em massa.

A economia de Siena recebeu um cheque decisivo. A população da cidade foi tão reduzida que o projeto de ampliação da catedral foi abandonado e a morte de muitos grandes pintores, como Ambrogio e Pietro Lorenzetti, trouxe um fim prematuro ao desenvolvimento da primeira escola de Siena.

Na Inglaterra, os efeitos imediatos da epidemia de 1349 parecem ter sido de curta duração, e o declínio econômico que atingiu seu ponto mais baixo em meados do século XV provavelmente deve ser atribuído à recorrência pandêmica da peste.

O estudo dos arquivos contemporâneos sugere uma mortalidade variando nas diferentes regiões entre um oitavo e dois terços da população, e a afirmação do cronista francês Jean Froissart de que cerca de um terço da população da Europa morreu na epidemia pode ser bastante precisa. A população da Inglaterra em 1400 era talvez metade do que era 100 anos antes; só naquele país, a Peste Negra certamente causou o despovoamento ou desaparecimento total de cerca de 1.000 aldeias. Uma estimativa aproximada é que 25 milhões de pessoas na Europa morreram de peste durante a Peste Negra. A população da Europa Ocidental não voltou a atingir seu nível pré-1348 até o início do século XVI.

Pandemia de gripe de 1957

Pandemia de gripe de 1957, também chamada de pandemia de gripe asiática de 1957 ou gripe asiática de 1957, surto de gripe que foi identificado pela primeira vez em fevereiro de 1957 no leste da Ásia e que posteriormente se espalhou para países do mundo todo. A pandemia de gripe de 1957 foi a segunda grande pandemia de gripe a ocorrer no século 20; seguiu-se à pandemia de gripe de 1918-19 e precedeu a pandemia de gripe de 1968. O surto de gripe de 1957 causou cerca de um milhão a dois milhões de mortes em todo o mundo e é geralmente considerado a menos grave das três pandemias de gripe do século 20.

O surto de 1957 foi causado por um vírus conhecido como influenza A subtipo H2N2. Pesquisas indicaram que este vírus era uma cepa rearranjada (espécies mistas), originária de cepas de vírus da gripe aviária e da gripe humana. Na década de 1960, a cepa humana H2N2 passou por uma série de pequenas modificações genéticas, um processo conhecido como deriva antigênica.

Essas pequenas modificações produziram epidemias periódicas. Após 10 anos de evolução, o vírus da gripe de 1957 desapareceu, tendo sido substituído por desvio antigênico por um novo subtipo de influenza A, o H3N2, que deu origem à pandemia de gripe de 1968.

Nos primeiros meses da pandemia de gripe de 1957, o vírus se espalhou por toda a China e regiões vizinhas. No meio do verão, chegou aos Estados Unidos, onde parece ter infectado inicialmente relativamente poucas pessoas. Vários meses depois, no entanto, numerosos casos de infecção foram relatados, especialmente em crianças pequenas, idosos e mulheres grávidas.

Esse aumento nos casos foi resultado de uma segunda onda pandêmica da doença que atingiu o Hemisfério Norte em novembro de 1957. Naquela época, a pandemia também já era generalizada no Reino Unido.

Em dezembro, um total de cerca de 3.550 mortes havia sido relatada na Inglaterra e no País de Gales. A segunda onda foi particularmente devastadora e, em março de 1958, cerca de 69.800 mortes ocorreram nos Estados Unidos.

Semelhante à pandemia de gripe de 1968, o surto de 1957 foi associado à variação na suscetibilidade e no curso da doença. Enquanto alguns indivíduos infectados apresentaram apenas sintomas menores, como tosse e febre leve, outros experimentaram complicações com risco de vida, como pneumonia.

Acreditava-se que as pessoas que não foram afetadas pelo vírus possuíam anticorpos protetores contra outras cepas de influenza intimamente relacionadas. O rápido desenvolvimento de uma vacina contra o vírus H2N2 e a disponibilidade de antibióticos para tratar infecções secundárias limitaram a propagação e a mortalidade da pandemia.

Fonte: www.healthdirect.gov.au/www.britannica.com/jamanetwork.com/www.goodrx.com/www.encyclopedia.com/intermountainhealthcare.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gangrena

PUBLICIDADE Gangrena – O que é A gangrena é uma condição perigosa e potencialmente fatal que ocorre …

Disenteria

PUBLICIDADE Disenteria – Definição A disenteria é um termo geral para um grupo de distúrbios gastrointestinais caracterizados …

Varíola do Macaco

PUBLICIDADE Varíola do Macaco – O que é A Varíola do Macaco não é uma doença nova. …