Breaking News
Home / Saúde / Estenose

Estenose

PUBLICIDADE

Definição

Estenose é um estreitamento de uma passagem ou vaso.

Um estreitamento ou constrição do diâmetro de uma passagem corporal ou orifício.

A estenose é o termo médico usado para descrever o estreitamento anormal, como pode ocorrer em um vaso sanguíneo ou em outra estrutura tipo tubo.

Na coluna vertebral, existem principalmente duas estruturas tipo tubo:

Neuroforâmen: caminhos naturalmente criada no lados esquerdo e direito entre duas vértebras.

Canal espinhal: contém a medula espinhal, que se torna a cauda equina na região lombar. A cauda equina é um grupo de fibras nervosas individuais que se assemelham à cauda de um cavalo. Os ossos vertebrais (corpos, arcos, pedículos) criar esta vertical oco natural para manter e proteger a medula e cauda equina espinhal.

O que é

Uma estenose é um estreitamento anormal num vaso sanguíneo ou outro órgão ou estrutura tubular. É também às vezes chamado deestenose (como na estenose uretral).

O estreitamento como um termo é usualmente utilizado quando o estreitamento é causado pela contração do músculo liso (por exemplo, acalásia, angina prinzmetal).

A estenose é normalmente utilizada quando o estreitamento é causado por lesão que reduz o espaço do lúmen (por exemplo, aterosclerose).

O termo coarctação é outro sinônimo, mas é comumente utilizado apenas no contexto da coarctação aórtica.

A reestenose é a recorrência de estenose após um procedimento.

Diagnóstico

Estenoses do tipo vascular são frequentemente associados com sons de sangue incomuns resultantes de fluxo turbulento ao longo do vaso sanguíneo estreitado.

Este som pode ser feita audível por um estetoscópio, mas o diagnóstico é geralmente feito ou confirmado com alguma forma de imagiologia médica.

Causas

A aterosclerose causa lesões estenóticas nas artérias.
Defeitos de nascença
Diabetes
IatrogÊnico e terapia de radiação secundária
Infecção
Inflamação
Isquemia
Neoplasia – Em tais casos, a estenose é muitas vezes referida como “maligno” ou “benigna”, embora este atributo realmente se refere à própria Neoplasia.
Fumar
Uretral
Calcificação.

Tipos

A síndrome resultante depende da estrutura afetada.

Os exemplos de lesões vasculares estenóticas incluem:

A claudicação intermitente (estenose da artéria periférica)
Angina (estenose da artéria coronária)
Estenose da artéria carótida que predispõem a (acidentes vasculares cerebrais e episódios isquêmicos transitórios)
Estenose da artéria renal

Os tipos de estenoses em válvulas cardíacas são:

Estenose da válvula pulmonar, que é o espessamento da válvula pulmonar, portanto, causando estreitamento
Estenose da valva mitral, que é o espessamento da válvula mitral (do coração esquerdo), portanto, causando estreitamento
Estenose da valva tricúspide, que é o espessamento da válvula tricúspide (do coração direito), portanto, causando estreitamento
Estenose valvar aórtica, que é o espessamento da válvula aórtica, portanto, causando estreitamento

Estenoses de outras estruturas corporais / órgãos incluem:

Estenose pilórica (obstrução do fluxo gástrico)
Estenose espinal lombar, cervical ou torácica
Estenose subglótica (SGS)
Estenose traqueal
Icterícia obstrutiva (estenose do trato biliar)
Obstrução intestinal
Fimose
Hidrocefalia não-comunicante
Tenossinovite estenosante
Aterosclerose
Estenose esofágica
Achalasia
Angina de Prinzmetal.

Estenose espinhal

Estenose espinhal é um estreitamento dos espaços abertos dentro de sua coluna vertebral (espinha dorsal), o que pode colocar pressão sobre a sua medula espinhal e os nervos que viajam através da coluna vertebral para os braços e pernas.

Cerca de 75% dos casos de estenose espinhal ocorrem na região lombar (coluna lombar). Na maioria dos casos, o estreitamento da coluna vertebral associado à estenose comprime a raiz do nervo, o que pode causar dor ao longo da parte posterior da perna.

Estenose espinhal ocorre mais frequentemente na parte inferior das costas e no pescoço.

Enquanto a estenose espinhal pode não causar sinais ou sintomas em algumas pessoas, outras pessoas podem sentir dor, formigamento, dormência, fraqueza muscular e problemas com a função normal da bexiga ou do intestino.

A estenose espinal é mais comumente causada por mudanças e desgaste na coluna vertebral relacionadas com osteoartrite.

Em casos graves de estenose espinhal, os médicos podem recomendar cirurgia para criar espaço adicional para a medula espinhal ou nervos.

O que causa estenose espinhal?

Existem muitas causas potenciais para estenose espinhal, incluindo:

Envelhecimento: Com a idade, os ligamentos do corpo (tecidos conectivos duros entre os ossos na espinha) podem engrossar. Podem desenvolver-se esporas (pequenos crescimentos) nos ossos e no canal espinhal. Os discos de amortecimento entre as vértebras podem começar a deteriorar-se. As articulações facetárias (superfícies planas em cada vértebra que formam a coluna vertebral) também podem começar a quebrar. Todos esses fatores podem fazer com que os espaços na coluna se estreitem.

Artrite: Duas formas de artrite que podem afetar a coluna vertebral são osteoartrite e artrite reumatóide.

Hereditariedade: Se o canal espinhal é muito pequeno no nascimento, os sintomas de estenose espinhal podem aparecer em uma pessoa relativamente jovem. Deformidades estruturais das vértebras envolvidas podem causar estreitamento do canal espinhal.

Instabilidade da coluna vertebral, ou espondilolistese: Quando uma vértebra desliza para a frente em outra, que pode estreitar o canal espinhal.

Tumores da coluna vertebral: crescimento anormal de tecido mole pode afetar o canal espinhal diretamente causando inflamação ou pelo crescimento de tecido no canal. O crescimento do tecido pode levar à reabsorção óssea (perda óssea devido à hiperatividade de certas células ósseas) ou ao deslocamento do osso e ao eventual colapso da estrutura de suporte da coluna vertebral.

Trauma: Acidentes e lesões podem dislocar a espinha e o canal espinhal ou causar ruptura de fraturas que produzem fragmentos de osso que penetram o canal.

Quais são os sintomas da estenose espinhal?

Estenose espinhal pode resultar em dor lombar, bem como dor nas pernas. A estenose pode comprimir os nervos que controlam a força muscular e a sensação nas pernas.

Os sintomas adicionais podem incluir:

Queda freqüente, desajeitamento
Dor e dificuldade ao caminhar
Entorpecimento, formigamento, sentimento quente ou frio nas pernas

Estenose Aórtica

A estenose aórtica é o protótipo para a forma obstrutiva da insuficiência cardíaca com baixo débito.

A obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo ocorre normalmente na quarta e quinta décadas de vida. Durante longo período há um aumento progressivo e gradual da sobrecarga ventricular com o paciente permanecendo assintomático. O débito cardíaco conserva-se por muitos anos, caindo apenas nas fases tardias da evolução da patologia.

Existem quatro tipos de lesões estenóticas na câmara de saída do ventrículo esquerdo:

1. miocardiopatia hipertrófica obstrutiva.

2. estenose aórtica sub valvar

3. estenose aórtica valvar.

4. estenose aórtica supra valvar.

Os sintomas principais da estenose aórtica pura são: a angina pecturis, os episódios sincopais e a insuficiência cardíaca congestiva.

A estenose aórtica pura é relativamente freqüente na população geral e apesar de dispormos de vários tipos de exames complementares no diagnóstico, a propedêutica clínica apurada e fundamental, pois, uma vez sintomático, a mortalidade desta patologia ocorre em 25% dos casos no primeiro ano e 50% no segundo ano, podendo ocorrer morte súbita em mais de metade destes casos e o diagnóstico precoce pode mudar o curso natural.

A estenose aórtica significativa implica em redução do orifício valvar para 1/4 de seu tamanho. Os cardiopatas que chegam a esta fase correm o risco de morrerem por insuficiência cardíaca congestiva.

A curva de sobrevida mostra que nos pacientes portadores de angina pecturis o óbito pode ocorrer nos primeiros cinco anos do início do sintoma, nos portadores de episódios sincopais, dentro dos primeiros três anos, e nos portadores de insuficiência cardíaca o seu prognóstico e bem reservado com o óbito ocorrendo num prazo máximo de dois anos.

O aspecto geral do paciente pouco se modifica nas fases iniciais da doença, e somente observamos alterações mais significativas quando se instala a insuficiência cardíaca esquerda, com dispnéia de repouso, taquicardia, episódios sincopais ou anginosos. Mais raramente ocorre a evidência de insuficiência cardíaca direita, com congestão venosa sistêmica, hepatomegalia e anasarca, precedendo a insuficiência cardíaca esquerda. Este achado compõe o efeito Bernhein resultante da redução do tamanho da cavidade ventricular direita pelo abaulamento do septo interventricular hipertrofiado, o que resulta em insuficiência cardíaca direita.

No aspecto geral chama atenção os achados peculiares da estenose supra valvar que compõe a “síndrome de Williams”.

Os pulsos da estenose aórtica são clássicos por sua baixa amplitude e ascensão lenta, denominado “pulso anacrótico” ou “pulso anadicroto”. Sendo que nos graus extremos recebe o nome de “pulsus parvus et tardus”.

Na ausculta das bulhas observa-se que a primeira bulha praticamente não sofre nenhuma alteração significativa, mas a segunda bulha tem os seus componentes modificados. Como a fase de ejeção fica mais prolongada no ventrículo esquerdo, em relação ao ventrículo direito, por causa da barreira na via de saída, há um retardo no fechamento da valva aórtica com conseqüente atraso no componente (A2) em relação ao componente pulmonar (P2). À medida que a estenose vai progredindo o componente aórtico vai se atrasando e diminuindo de intensidade cada vez mais, deixando a ausculta de uma segunda bulha “única” e fraca.

A quarta bulha (B4), bulha atrial pode ser proeminente, representando hipertrofia da massa ventricular esquerda.

Um ruído auscultatório bem característico da estenose aórtica é o “click de ejeção” que ocorre na protossístole e se deve ao movimento para cima da valva aórtica, estando na dependência da flexibilidade das cúspides, desaparecendo quando estas ficam bastante calcificadas.

O fenômeno auscultatório mais característico da estenose aórtica é, o sopro de ejeção, que por apresentar-se com alta freqüência vibratória produz um som agudo e “áspero” , como os produzidos por uma serra, sendo mais audível se auscultarmos com a parte do diafragma do estetoscópio. Podemos imitar este som aplicando-se a palma da mão sobre o diafragma do estetoscópio e arranhando-se com as unhas na face dorsal da mão. O foco de máxima intensidade auscultatória e o segundo espaço intercostal do lado esquerdo do esterno, e pode ser tão intenso que conseguimos ausculta-lo mesmo com o aparelho afastado alguns milímetros da superfície torácica.

Os fenômenos auscultatórios da estenose aórtica varia com o grau e tipo de lesão valvar.

ECO O ecocardiograma é um instrumento importante na avaliação da estenose aórtica. Porém, não é possível definir com segurança o grau de estenose com base exclusivamente na morfologia ecográfica da valva, especialmente quando muito calcificada, pois o cálcio produz reverberações ultra-sônicas, borrando as imagens.

O ECO pode também determinar o nível da obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo (subvalvar, valvar ou supravalvar). E, sobretudo, sugerindo o momento ideal para a cirurgia.

A ecocardiografia quando combinada com o Doppler, a imagem deste último permite localizar a obstrução como subvalvar, valvar ou supravalvar e quantificar a obstrução.

Tratamento

O tratamento da estenose aórtica é clínico, ou cirúrgico com plastia valvar, troca valvar e dilatação por cateter balão.

Estenose traqueal

Estenose traqueal é uma patologia relativamente freqüente que se desenvolve depois de acidentes, coma, procedimentos cirúrgicos, devido a uma entubação (geralmente prolongada). A estenose é uma membrana que cresce exageradamente na área da traquéia lesionada dificultando a inspiração e expiração obstruindo o lúmen traqueal, levando a um quadro de sufocação e muitas vezes, o paciente é obrigado a ser submetido à traqueostomia, desenvolvendo dificuldade de fonação e infecção respiratória de repetição

Estenose Mitral

Nessa patologia as cúspides valvares estão difusamente espessadas por tecido fibroso e ou depois calcificados, isso mobiliza as cúspides e estreita ainda mais o orifício.

Formação de trombos e embolização arterial podem originar-se da própria válvula calcificada.

Orifício normal da valva é de 4 a 6 cm, uma obstrução grave é considerada quando o orifício fica com menos de 2 cm.

A estenose mitral impede o fluxo sangüíneo dos pulmões e do átrio esquerdo para o ventrículo esquerdo.

Fisiopatologia

A estenose mitral significativa resulta no aumento da pressão no átrio esquerdo, a pressão venosa pulmonar e pressão capilar pulmonar, com conseqüente congestão pulmonar. (o grau de aumento da pressão depende da gravidade da obstrução, do fluxo através da válvula, do tempo para o enchimento diastólico e de contração atrial efetiva).

Os fatores que aumentam o fluxo pela valva mitral (taquicardia, exercício físico, febre…) aumentam acentuadamente a pressão átrial esquerda e podem aumentar os sinais e sintomas de insuficiência cardíaca.

Aumento do átrio esquerdo e fibrilação ventricular podem causar formação de trombo átrial, que é basicamente responsável pelo aumento da incidência de embolização sistêmica em pacientes que não usem anticoagulantes.

Complicações

Fibrilação atrial. Complicação importante, contribuinte para ICC, mas também por ser responsável pela estase sanguínea na luz do átrio e, portanto, pelo risco de ocorrerem trombose e embolias.

A embolia e o infarto são complicações freqüentes, sobretudo nos casos avançados, visto que a fibrilação auricular, a ICC e o repouso no leito favorecem a trombose.

A congestão do aparelho respiratório torna o paciente suscetível aos episódios de bronquite aguda e ao desenvolvimento da bronquite crônica.

Sintomas

Paciente portador de estenose mitral pode manter-se assintomático durante muitos anos, apresentando sinais de insuficiência esquerda e mais tarde de insuficiência direita.

Principal sintoma da estenose mitral é a dispnéia, manifesta-se apenas durante os esforços pesados, mas, no decorrer do tempo, chega a ser desencadeada por esforço cada vez menor. Instala-se finalmente a ortopnéia.

A hemoptise é observada em 10 a 20 % dos casos de estenose mitral: raramente chega a ser grave.

O paciente pode queixar-se também de palpitação, tosse e angina de peito. Quase sempre, a dispnéia e a ortopnéia estão presentes muitos anos antes de se manifestar a Insuficiência ventricular direita. O seu primeiro sintoma é o edema dos membros inferiores, mas também podem manifestar-se por dor abdominal devido á congestão do fígado e a presença de ascite.

Sinais físicos

Cianose periférica, associado com vasoconstricção e baixo rendimento cardíaco.

Desvio do ictus cardíaco para a esquerda, em conseqüência da hipertrofia do ventrículo direito.

Quadro radiológico

Ângulos costofrênicos apresentam lnhas horizontais (linhas B de kerley) em alguns casos observa-se quador radiológico do Edema pulmonar. As sombras da artéria pulmonar, do ventrículo direito e em alguns casos da auricula direita podem estar aumentadas quando existe hipertensão pulmonar.

Evolução e prognóstico

Os sinais físicos da estenose mitral podem ser presentes dentro de um ano após o surto da febre reumática, enquanto os sintomas levam sempre, entre 10 e 20 anos para se manifestarem. A dispnéia é geralmente a primeira queixa do doente, começando em geral a se manifestar entre os 20 e 30 anos de idade ou após um prazo bem mais longo.

Nos pacientes que não apresentarem complicações, a evolução é de deterioração lenta e constante, ao longo de muitos anos.

Tratamento clínico

A maioria dos casos exige valvulotomia cirúrgica ou com balão, mas a paciente precisa geralmente de preparo através de tratamento clínico adequado antes de poder ser submetido a essas intervenções.

Controle de arritmias e embolização.

Processos infecciosos exigem tratamento imediato.

Os anticoagulantes são indicados quando existem sinais de TVP e ou embolia pulmonar ou sistêmica.

Tratar a ICC.

Estenose de Uretra

O que é

A uretra é um tubo que transporta urina da bexiga para que possa ser expelido do corpo.

Normalmente a uretra é suficientemente larga para que a urina flua livremente através dela. Quando a uretra se estreita, pode restringir o fluxo urinário. Isso é conhecido como estenose uretral.

A estenose uretral é uma condição médica que afeta principalmente os homens.

Quais são as causas da estenose uretral?

A estenose uretral envolve a constrição da uretra. Isso geralmente é devido à inflamação do tecido ou a presença de tecido cicatricial. Tecido cicatricial pode ser um resultado de muitos fatores. Os rapazes que têm cirurgia de hipospadia (um procedimento para corrigir uma uretra subdesenvolvida) e os homens que têm implantes penianos têm maiores chances de desenvolver estenoses uretrais.

Uma lesão em órbita é um tipo comum de trauma que pode levar à estenose uretral. Exemplos de lesões de straddle incluem cair em uma barra de bicicleta ou ficar atingido na área perto do escroto.

Outras possíveis causas de estenose uretral incluem:

Fraturas pélvicas
Inserção do cateter
Radiação
Cirurgia realizada na próstata

Causas mais raras incluem:

Um tumor localizado na proximidade da uretra
Infecções do trato urinário não tratadas ou repetitivas
As infecções sexualmente transmissíveis (DST) gonorréia ou clamídia

Quais são os sintomas da estenose uretral?

Estenose uretral pode causar inúmeros sintomas, que variam de leve a grave.

Alguns dos sinais de uma estenose uretral incluem:

Fluxo urinário fraco ou redução no volume de urina
Súbita e freqüente necessidade de urinar
Dor ou queimação durante a micção
Incapacidade de controlar a micção (incontinência)
Dor na região abdominal ou pélvica
Secreção uretral
Inchaço do pênis e dor
Presença de sangue no sêmen ou urina
Escurecimento da urina
Incapacidade de urinar (muito grave – requer atenção médica imediata)

Complicações

Quando se tem um estreitamento uretral, o músculo da bexiga passa a trabalhar fazendo mais esforço para gerar um fluxo urinário que consiga ultrapassar a região de estenose. Mesmo assim, a depender do grau da estenose, parte da urina pode ficar retida no interior da bexiga (urina residual). Este resíduo pode resultar em infecções urinárias de repetição, prostatites, orquites (infecção dos testículos) e pielonefrites (infecção dos rins). Um abscesso próximo ao local da estenose pode agravar ainda mais o quadro obstrutivo. Raramente, alguns pacientes com inflamação crônica decorrente de estenoses uretrais podem desenvolver câncer.

Estenose Crânio Facial

Estenose crânio facial é uma má formação óssea Os ossos do crânio de uma criança ao nascer e após alguns anos do nascimento são diferentes dos de um adulto. São mais moles, e a separação entre eles é menos rígida, permitindo aos ossos crescerem e se adequarem ao cérebro em crescimento. Na parte anterior e na posterior da cabeça de uma criança recém-nascida, há duas aberturas que são justamente o espaço entre os ossos que ainda não se fecharam, as fontanelas, ou popularmente conhecido (moleiras). Elas são necessárias para que o cérebro e os ossos cresçam.

O que ocorre na estenose é o fechamento precoce destas suturas, destas ligações entre os ossos do crânio de uma criança. Devido ao impedimento do crescimento normal do cérebro e do crânio, há crescimento diferente dos ossos, levando o crânio a assumir formas diferentes do normalmente visto, podendo inclusive levar a alterações neurológicas.

Cada linha que divide o crânio em pequenos pedaços é chamada de sutura.

As principais são:

Sutura Coronal: divide frontal do parietal

Sutura Lambdoide: divide occipital do parietal

Sutura Sagital: divide os parietais

Pessoas com estenose crânio facial sofreram o fechamento de uma ou mais suturas prematuramente

A prevalência do problema sobre a população ainda não é bem estabelecida, mas estima-se que a estenose crânio facial acometa uma em cada 2 mil crianças no mundo. O sexo masculino é o mais afetado, com incidência três vezes maior do que em mulheres.

Diagnóstico de Estenose Crânio Facial

A anormalidade pode ser descoberta por meio de um estudo radiológico, radiografias ou tomografias do crânio com reconstrução tridimensional. Exames de ressonância magnética ainda podem mostrar sinais de atrofia cerebral ou outras anormalidades. O mapeamento ósseo também pode ser usado para confirmar o diagnóstico, assim como a investigação genética, em alguns casos. Entretanto, uma vez descoberto o problema, nada pode ser feito para evitá-lo.

Tratamento de Estenose Crânio Facial

Quando a estenose crânio facial tem impacto apenas na parte estética, paciente e médico devem discutir a necessidade de uma intervenção cirúrgica precoce para o bem-estar da criança. Nos casos em que o fechamento das suturas coloca em risco a vida ou o desenvolvimento da criança, o procedimento cirúrgico é fundamental e deve ser realizado o quanto antes . A cirurgia tem por objetivo criar espaços para o desenvolvimento normal do cérebro e corrigir as deformidades existentes, prevenindo ou aliviando as sequelas que possam existir.

Fonte: www.mayoclinic.org/ucbweb.castelobranco.br/www.webmd.com/www.healthline.com

Veja também

Afasia

PUBLICIDADE Definição de Afasia A afasia é um comprometimento da linguagem, afetando a produção ou …

Síncope Cardíaca

PUBLICIDADE Definição A síncope cardíaca é a perda súbita de consciência, seja com sintomas premonitórios momentâneos ou …

Coristoma

PUBLICIDADE Definição Uma massa formada pelo desenvolvimento defeituoso de tecido de um tipo normalmente não …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.