Breaking News
Home / Saúde / Displasia

Displasia

PUBLICIDADE

Definição

Células normais podem se tornar células cancerígenas. Antes das células cancerígenas se formarem nos tecidos do corpo, as células passam por alterações anormais chamadas hiperplasia e displasia.

Na hiperplasia, há um aumento no número de células em um órgão ou tecido que parecem normais sob um microscópio.

Na displasia, as células parecem anormais sob um microscópio, mas não são cancerígenas. Hiperplasia e displasia podem ou não se tornar câncer.

O que é

A displasia é caracterizada por um crescimento anormal das células de um determinado tecido e pode ser indicativa de câncer em alguns casos.

A palavra displasia vem do grego e, traduzida aproximadamente, significa “má formação”.

Quando um crescimento se forma em uma área de tecido, ele geralmente consiste de uma área expandida de células imaturas, significando que, entre outras coisas, há menos células maduras e saudáveis a serem encontradas na área.

Por definição, a displasia permanece no tecido em que se origina, em vez de se espalhar para outros tecidos ou órgãos. Células que formam um crescimento como este são indiferenciadas, muito parecidas com as células de um tumor cancerígeno.

Um dos contextos mais comuns em que a displasia se apresenta é no colo do útero feminino. O risco de um simples crescimento transformando-se em carcinoma, significando um crescimento canceroso, é baixo, e mesmo quando isso ocorre, pode levar dez anos ou mais. No entanto, é importante que o tratamento seja realizado rapidamente e que quaisquer crescimentos suspeitos sejam removidos. Na maioria dos casos, o crescimento nunca voltará e teria cerca de 50% de chance de desaparecer por conta própria se não fosse tratado. Claro, esse é um risco que poucos médicos ou pacientes estariam dispostos a aceitar.

Células cervicais anormais geralmente são detectadas precocemente como resultado de um exame de Papanicolau. A detecção precoce é muito útil para reduzir a probabilidade de um crescimento se transformar em câncer.

Geralmente, não há sintomas no início, destacando ainda mais a importância de exames regulares para detectar possíveis problemas. Milhões de mulheres todos os anos desenvolvem displasia cervical, mas o risco pode ser reduzido evitando-se o tabagismo e o comportamento sexual de alto risco, assim como consumindo-se uma dieta nutritiva suplementada com ácido fólico.

Outros tipos menos comuns de crescimento também existem, incluindo a displasia fibrosa.

Neste distúrbio, um tecido fibroso semelhante a uma cicatriz se desenvolve em um tecido ósseo saudável. Em comparação com a massa óssea saudável, é macia e enfraquece o osso à medida que se expande.

A deformação óssea e a fragilidade podem se desenvolver à medida que essa condição progride. A maioria dos casos desse distúrbio é observada em pacientes com idade inferior a 15 anos, e sua causa ainda é desconhecida.

A displasia diastrófica é uma desordem congênita rara, também conhecida como nanismo diastrófico. Este distúrbio não é estritamente um crescimento anormal de células, mas pode incluir qualquer um ou todos os sintomas diferentes, incluindo espinha bífida, pés torto, malformações nos tecidos da cabeça e face, bem como anormalidades nos ossos e articulações por todo o corpo.

Muitas das condições que podem ocorrer como parte desse distúrbio podem levar a complicações graves ou potencialmente fatais.

O que é displasia moderada?

Displasia moderada é um termo médico que se refere ao crescimento anormal de células na camada externa do colo do útero nas mulheres.

Geralmente é causada pelo papilomavírus humano ( HPV ), uma doença sexualmente transmissível. As mulheres com esse nível de crescimento anormal geralmente não notam sintomas físicos, e o diagnóstico é feito somente depois que um profissional médico recebe resultados anormais de Papanicolau.

Os procedimentos de tratamento para remover tecido danificado geralmente são eficazes e a maioria das mulheres experimenta uma recuperação completa.

Um caso de displasia que passa despercebido ou não tratado, no entanto, pode eventualmente levar ao câncer do colo do útero.

O HPV nem sempre causa displasia, mas a doença é um sinal de alerta significativo de que pode ocorrer crescimento anormal do tecido cervical.

A presença deste vírus pode resultar em células displásicas – células que não amadurecem corretamente e tendem a se espalhar pela camada externa do colo do útero. Essas células são consideradas pré-cancerosas porque, sem tratamento, é altamente possível que surja um carcinoma e eventual câncer cervical.

A displasia é classificada de acordo com a escala de neoplasia intraepitelial cervical (NIC). O CIN reconhece displasia leve, moderada e grave com base no número de células danificadas e na progressão das condições cancerosas.

Em um colo do útero com displasia moderada, cerca de metade do tecido total é afetado. Casos moderados e graves são considerados lesões intraepiteliais escamosas de alto grau e correm o maior risco de evoluir para câncer.

A detecção precoce e o diagnóstico são essenciais para evitar que isso aconteça.

Os ginecologistas geralmente notam os primeiros sinais de displasia quando realizam exames de Papanicolau de rotina que revelam a presença do HPV.

Uma inspeção mais detalhada do colo do útero pode revelar lesões visíveis em tecido anormal.

Um profissional da área médica pode fazer uma biópsia do tecido cervical para inspecionar mais seu conteúdo e determinar o estágio de progressão baseado na NIC.

Alguns casos de displasia dissipam-se naturalmente com o tempo, mas a maioria dos ginecologistas prefere tentar procedimentos de tratamento para garantir uma recuperação adequada.

O tratamento para displasia moderada pode ser feito com laserterapia, crioterapia, procedimento de excisão eletro cirúrgica de alça ou biópsia de cone.

Um profissional de saúde pode tentar destruir as células danificadas com laser especializado ou congelá-las com dióxido de carbono na crioterapia.

Quando o tratamento é eficaz na remoção de todas as células anormais, é provável que uma mulher tenha uma recuperação completa.

O que é displasia grave?

O termo displasia refere-se a qualquer tipo de desenvolvimento físico anormal.

É mais comumente usado para se referir a anormalidades celulares, muitas vezes pré-cancerígenas, mas também pode ser usado para descrever uma deformação da articulação do quadril.

Embora a displasia grave possa indicar qualquer tipo de anormalidade de alto grau, ela é frequentemente usada como mão-curta para displasia cervical grave, que pode ser um precursor do câncer do colo do útero.

Também conhecido como carcinoma-in-situ, esta é uma condição na qual a pele do colo do útero está crescendo a um ritmo anormalmente acelerado.

Como resultado deste crescimento anormal, há um aumento da quantidade de células da pele imaturas presentes na superfície da pele ou no revestimento do colo do útero.

Embora esse rápido crescimento de células ocorra na superfície do colo do útero, as chances de evoluir para um câncer invasivo são muito altas. Isso significa que a detecção precoce e o tratamento são extremamente importantes.

Displasia severa é um dos três tipos diferentes de displasia cervical atualmente identificados nos círculos médicos.

Displasia leve, também conhecida como NIC 1, é uma condição em que há relativamente poucas células da pele imaturas presentes, embora mais do que o normal.

Displasia moderada, ou CIN 2, tem uma quantidade maior e mais amplamente desembolsada de células imaturas.

A terceira categoria de displasia, ou NIC 3, é a categoria mais grave, uma vez que o número de células imaturas é extremamente alto e está causando uma mudança perceptível na espessura da camada superficial do colo do útero.

Uma das condições que podem desencadear displasia grave é conhecida como o papilomavírus humano, ou HPV. Este vírus pode infectar diferentes tipos de camadas epidérmicas, bem como as membranas mucosas do corpo humano. O HPV pode abrir o caminho para o câncer em várias partes do corpo, incluindo o câncer do colo do útero.

A detecção dessa condição envolve o uso de um exame de Papanicolau. As amostras obtidas durante o esfregaço podem ser analisadas para determinar a presença, bem como o estado atual da displasia.

Isso permite que o médico atue antes que haja uma chance de a proliferação de células imaturas penetrar na superfície do colo do útero e abrir caminho para o desenvolvimento do câncer do colo do útero.

Em alguns casos, também pode haver evidências do que é conhecido como lesão intraepitelial escamosa de alto grau, ou HGSIL.

Uma lesão deste tipo também é identificada durante o exame de Papanicolaou, e é uma indicação da presença de displasia moderada a grave. Embora não seja um indicador de que o câncer já esteja presente, essas lesões indicam que as condições estão se aproximando rapidamente do ponto em que o câncer pode se desenvolver.

Quando a lesão intraepitelial escamosa de alto grau, ou HGSIL é encontrado, os médicos geralmente solicitam o que é conhecido como colposcopia. Este procedimento envolve a remoção de amostras do tecido.

Em alguns casos, o tecido displásico é completamente removido.

Em ambos os cenários, o tecido removido é submetido a biópsia, possibilitando confirmar se o câncer está ou não se formando e também determinar o estado atual da própria displasia.

Tratamentos adicionais para displasia severa podem envolver o uso de crioterapia, algum tipo de cauterização ou mesmo cirurgia a laser para remover o excesso de células da pele.

Os médicos raramente empregam qualquer um desses tratamentos se a mulher estiver grávida, no entanto, temendo que eles possam ter um efeito adverso na gravidez. Em vez disso, a condição é monitorada e a remoção do excesso de camada epidérmica no colo do útero é realizada em algum momento após o parto.

Fonte: www.cancer.gov/uihc.org/www.wisegeek.org/www.medicalnewstoday.com/www.sciencedirect.com/hipdysplasia.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Síndrome de Couvade

PUBLICIDADE Definição A síndrome de Couvade é uma condição na qual homens com parceiros grávidos …

Polineuropatia

PUBLICIDADE Definição As polineuropatias são o tipo mais comum de distúrbio do sistema nervoso periférico …

Acrocianose

PUBLICIDADE A acrocianose é uma desordem vascular periférica funcional caracterizada por descoloração malhada ou cianose …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.