Breaking News
Home / Saúde / Tomografia

Tomografia

PUBLICIDADE

Definição

tomografia é o processo para gerar um tomograma, uma imagem bidimensional de uma fatia ou seção através de um objeto tridimensional.

A tomografia atinge esse resultado notável simplesmente movendo uma fonte de raio-X em uma direção, à medida que o filme de raio-x é movido na direção oposta durante a exposição a afiar estruturas no plano focal, enquanto as estruturas em outros planos parecem borradas.

O tomograma é a imagem; o tomógrafo é o aparelho; e a tomografia é o processo.

O que é

A tomografia é um ramo da imagem que produz uma imagem chamada tomografia, que mostra um único plano de um objeto com detalhes muito específicos.

Muitas pessoas pensam na tomografia em termos de imagem médica, que é usada para criar uma seção transversal do corpo para revelar condições médicas subjacentes.

Outros ramos da ciência também utilizam tomografia, incluindo biologia, geologia, oceanografia, arqueologia e ciência dos materiais.

A técnica é utilizada desde meados do século XX, embora a tecnologia para a produção de tomogramas esteja em constante aperfeiçoamento.

Ao criar um tomograma, um cientista pode investigar algo sem abri-lo ativamente. Em um campo como a arqueologia, isso garante que a integridade das amostras seja respeitosamente preservada enquanto elas são estudadas.

Na medicina, a tomografia é menos invasiva que a cirurgia exploratória e pode fornecer uma excelente ideia sobre o que está acontecendo dentro do paciente para os prestadores de serviços médicos.

Os geólogos o usam para examinar seções transversais de rochas e outros materiais, e a técnica até aparece em alguns laboratórios criminais de alta tecnologia, para que as evidências possam ser analisadas sem serem destruídas.

A matemática por trás da tomografia é bastante complexa.

Essencialmente, os raios são passados através do objeto que está sendo fotografado, e os raios ou a máquina de tomografia são movidos durante o processo de imagem para desfocar outros planos e puxar uma seção transversal em detalhes nítidos.

Normalmente, a amostra é mantida parada e a parada é uma direção importante nas imagens médicas para garantir imagens nítidas. Infelizmente para os pacientes, os dispositivos médicos usados para criar imagens tomográficas podem ser muito barulhentos e limitados, tornando a direção para ficar ainda muito desconfortável.

Um número de raios diferentes é usado na tomografia, incluindo raios X, raios gama, ultrassom, ressonância magnética e outros. Depois que as imagens do objeto em questão são adquiridas, elas são executadas através de um programa de computador que limpa as imagens e cria uma seção clara.

Alguns programas de reconstrução por computador também podem criar uma imagem tridimensional do objeto que pode ser manipulada para obter mais informações sobre seu funcionamento interno.

Como em outras técnicas de imagem que bombardeiam objetos com energia, a tomografia pode ser perigosa.

As pessoas que realizam regularmente imagens tomográficas geralmente se protegem atrás de uma barreira ou usando equipamentos especiais projetados para resistir a radiações nocivas. Para os pacientes, uma certa quantidade de exposição ao longo da vida é um tanto inevitável, mas torna-se uma preocupação quando um paciente é submetido a exames diagnósticos repetidos, na tentativa de chegar ao fundo de um problema médico.

Processo de Formação de Imagem

Pense na última vez em que você ou um membro da família foi ferido. Você provavelmente foi ao hospital e eles podem ter verificado a área da lesão com um procedimento de imagem. Talvez fosse uma máquina de raios X, que fornece um feixe de luz no corpo, permitindo a visualização de órgãos que não podem ser vistos a olho nu (ou seja, sem cortar o corpo e abrir a pele).

A tomografia é um processo de visualização que produz uma imagem do que está dentro de um tecido. Imagine um pedaço de pão. Quando você corta o pão, pode ver o que antes estava escondido por uma camada externa de crosta – a fatia ou seção transversal, que permite ver os dois lados do pedaço de pão. A mesma ideia se aplica à tomografia.

Embora a imagem gerada ainda seja bidimensional, os médicos agora podem ver os tecidos.

Ainda mais informativa é a capacidade da tomografia de gerar imagens de várias fatias de tecido, de uma extremidade à outra. Pense novamente no exemplo do pão.

Digamos que você vire o pão verticalmente e comece a cortá-lo de cima para baixo. Cada fatia pode ser um pouco diferente. Talvez uma das fatias revele um buraco no pão ou outra contenha um mofo verde.

A capacidade de geração de imagens em fatias seriais permite que o médico veja através de todo o tecido, uma fatia de cada vez, em um esforço para não perder nada que possa indicar lesão ou doença.

Resumo

Tomografia, técnica radiológica para obter imagens claras de raios-X de estruturas internas profundas, concentrando-se em um plano específico dentro do corpo.

Estruturas que são obscurecidas por órgãos e tecidos moles que são delineados insuficientemente nos raios X convencionais podem, assim, ser visualizadas adequadamente.

O método mais simples é a tomografia linear, na qual o tubo de raios X é movido em uma linha reta em uma direção, enquanto o filme se move na direção oposta. À medida que essas mudanças ocorrem, o tubo de raios X continua emitindo radiação, de modo que a maioria das estruturas na parte do corpo sob exame são borradas pelo movimento.

Apenas os objetos em um plano coincidente com o ponto de articulação de uma linha entre o tubo e o filme estão em foco.

Uma técnica um pouco mais complicada, conhecida como tomografia multidirecional, produz uma imagem ainda mais nítida ao mover o filme e o tubo de raios X em um padrão circular ou elíptico.

Enquanto o tubo e o filme se moverem em sincronia, uma imagem clara dos objetos no plano focal poderá ser produzida.

Essas abordagens tomográficas têm sido usadas para estudar os rins e outras estruturas abdominais que são circundadas por tecidos de quase a mesma densidade e, portanto, não podem ser diferenciadas pelas técnicas convencionais de raios-X. Eles também foram empregados para examinar os ossos pequenos e outras estruturas da orelha, que são cercadas por osso temporal relativamente denso.

Uma técnica ainda mais complexa, chamada tomografia computadorizada (TC) ou tomografia axial computadorizada (TAC), foi desenvolvida por Godfrey Hounsfield da Grã-Bretanha e Allen Cormack dos Estados Unidos no início dos anos 1970.

Desde então, tornou-se uma abordagem diagnóstica amplamente usada.

Neste procedimento, um feixe estreito de raios X varre uma área do corpo e é gravado não em filme, mas por um detector de radiação como um padrão de impulsos elétricos.

Os dados de muitas dessas varreduras são integrados por um computador, que usa os números de absorção de radiação para avaliar a densidade dos tecidos em milhares de pontos.

Os valores de densidade aparecem em uma tela semelhante à televisão como pontos de brilho variável para produzir uma imagem em seção transversal detalhada da estrutura interna sob análise.

Fonte: www.coursera.org/europepmc.org/www.providence.org/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.fw-breastdiagnosticcenter.com/serc.carleton.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Supernova

PUBLICIDADE Uma supernova é a explosão de uma estrela na qual a estrela pode atingir …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.