Breaking News
Home / Saúde / Isquemia cerebral

Isquemia cerebral

PUBLICIDADE

Definição

Isquemia cerebral é uma condição que ocorre quando não há fluxo sanguíneo suficiente para o cérebro atender à demanda metabólica.

Isso leva a uma oferta limitada de oxigênio ou hipóxia cerebral e leva à morte de tecido cerebral, infarto cerebral ou acidente vascular cerebral isquêmico.

É um subtipo de acidente vascular cerebral, hemorragia subaracnóidea e hemorragia intracerebral.

A isquemia cerebral

A isquemia cerebral é uma condição na qual um bloqueio em uma artéria restringe a entrega de sangue rico em oxigênio ao cérebro, resultando em danos ao tecido cerebral.

A isquemia cerebral é às vezes chamada de isquemia cerebrovascular.

A isquemia cerebral pode levar não só ao dano das células cerebrais, mas também à morte das células cerebrais.

Um ataque isquêmico transitório (AIT), também conhecido como mini-AVC, ocorre quando a isquemia cerebral causa a perda temporária da função cerebral.

Um acidente vascular cerebral isquêmico, também conhecido como infarto cerebral ou ataque cerebral, ocorre quando a perda da função cerebral é permanente e o tecido cerebral morre (às vezes chamado de necrose).

Derrames isquêmicos são a forma mais comum de acidente vascular cerebral.

O que é

A isquemia cerebral é uma interrupção do suprimento de sangue para o cérebro, interrompendo o fluxo de oxigênio e nutrientes necessários para manter as células cerebrais funcionando.

Dependendo da localização da isquemia, da extensão e do tempo que dura, o paciente pode desenvolver deficiências e estar em risco de morte.

Várias coisas podem causar isquemia cerebral, incluindo derrames, traumatismos no cérebro e anomalias dos vasos sanguíneos.

Os neurologistas geralmente estão envolvidos no tratamento e o paciente pode precisar de medicamentos, cirurgia ou outras intervenções.

O cérebro precisa de muito sangue para funcionar e a estrutura do sistema circulatório é projetada para atender a essa necessidade.

O sangue recém oxigenado percorre as artérias carótidas até a cabeça e o pescoço, fornecendo um suprimento constante de sangue ao cérebro.

Mesmo breves interrupções podem causar isquemia cerebral e potencialmente resultar em uma situação chamada cascata isquêmica, em que as células cerebrais com suprimento de sangue inadequado começam a morrer e liberam toxinas que danificam as células vizinhas, fazendo com que elas se rompam e liberem toxinas, criando uma onda efeito através do cérebro.

Mais comumente, a isquemia cerebral não envolve a artéria carótida, mas um dos vasos sanguíneos menores no cérebro. Os vasos sanguíneos podem desenvolver coágulos, obstruindo o fluxo sanguíneo e causando um derrame.

Eles também podem se romper, ou um paciente pode desenvolver malformações vasculares, onde os vasos crescem de forma anormal e não conseguem levar o sangue a locais onde ele precisa ir.

O traumatismo craniano grave também pode resultar em isquemia pela ruptura ou esmagamento de vasos para impedir que o sangue atinja algumas áreas do cérebro.

Os sintomas da isquemia cerebral variam, dependendo da área do cérebro envolvida. Coisas como fala arrastada, confusão, alterações visuais e rigidez, bem como problemas para controlar os músculos, são comuns.

O início dos sintomas pode ser muito rápido. Se o tratamento imediato é fornecido, há uma chance de recuperação. Outros pacientes podem sofrer danos cerebrais e podem precisar de terapia para reaprender algumas habilidades. Em alguns casos, o dano não pode ser resolvido com a terapia e o paciente terá uma deficiência permanente, como uma coxeadura.

Quando a isquemia cerebral envolve as áreas do cérebro responsáveis pela regulação de funções como respiração, frequência cardíaca e metabolismo, isso pode levar a coma, estado vegetativo persistente ou morte.

O tronco cerebral não pode se recuperar de danos graves. Lesões mais leves no tronco encefálico podem resultar em deficiências que exigem que o paciente use um respirador para respirar.

Causas

A isquemia é uma condição na qual o oxigênio suficiente não é liberado pelo sangue para um órgão principal, e na maioria das vezes afeta o coração ou o cérebro.

Ocorre quando o fluxo de sangue é bloqueado ou quando o sangue que flui para o órgão tem um conteúdo de oxigênio extremamente baixo. Todos os tecidos do corpo precisam de oxigênio para funcionar, então a isquemia pode resultar em danos significativos ou até mesmo no desligamento de um órgão.

Entre as causas da isquemia estão a anemia falciforme, a taquicardia ventricular, a compressão dos vasos sanguíneos e os coágulos sanguíneos. Pressão arterial extremamente baixa, defeitos cardíacos congênitos e acúmulo de placas nas artérias também podem causar essa condição.

Anemia falciforme

A anemia falciforme pode causar essa condição porque células do sangue de formato irregular ou com formato de foice podem coagular mais facilmente, bloqueando o fluxo de sangue rico em oxigênio para o coração, pulmões ou cérebro.

Em casos raros, um coágulo pode bloquear a passagem de oxigênio para outros órgãos, como o fígado, causando danos significativos.

A maioria das pessoas que tem anemia falciforme toma medicamentos anti-coagulantes para prevenir a isquemia.

Taquicardia ventricular

A taquicardia ventricular é uma série de batimentos cardíacos irregulares repentinos que podem fazer com que o coração funcione incorretamente ou, nos casos mais graves, pare completamente.

As complicações resultantes podem incluir isquemia, porque a função cardíaca irregular também pode inibir o fluxo de oxigênio. Na morte cardíaca, como resultado da taquicardia ventricular, o coração pára completamente, privando todo o corpo de oxigênio. Embora uma pessoa possa ser revivida com o uso de um desfibrilador, a privação prolongada de oxigênio pode causar danos aos principais órgãos.

Vasos Sanguíneos Comprimidos

Os crescimentos dentro do corpo podem causar a compressão dos vasos sanguíneos. Os tumores podem pressionar as principais artérias, impedindo que o sangue rico em oxigênio flua livremente e resultando em isquemia.

Quando outros fatores não existem, os episódios isquêmicos podem indicar a presença de câncer ou tumores grandes e benignos.

Coágulos de sangue

Os coágulos sanguíneos podem ser causados por uma contagem elevada de plaquetas ou por procedimentos cirúrgicos, ou podem ocorrer em pessoas que estão a tomar um excesso de agentes de coagulação do sangue.

Além disso, coágulos sanguíneos podem se formar nas pernas de pessoas que estão inativas por qualquer motivo. Em casos muito raros, coágulos sanguíneos podem se formar nas pernas durante vôos longos, causando isquemia quase imediata.

Os coágulos sanguíneos são muitas vezes pequenos demais para bloquear as veias e artérias, mas, ocasionalmente, um grande coágulo pode bloquear o fluxo sanguíneo para um órgão principal, causando grandes danos.

Pressão sanguínea baixa

Uma pessoa que está sofrendo um ataque cardíaco geralmente apresenta pressão arterial extremamente baixa, o que indica que os tecidos do corpo não estão recebendo oxigênio suficiente.

Ataques cardíacos não tratados e não diagnosticados podem retardar o fluxo sanguíneo o suficiente para a formação de coágulos, criando condições isquêmicas.

Pessoas que tiveram ataques cardíacos repetidos podem estar em maior risco para essa condição.

Cardiopatias Congênitas

Alguém que tem um defeito cardíaco congênito também está em risco aumentado de isquemia por causa da coagulação, tanto antes quanto depois da cirurgia reparadora.

Algumas pessoas que têm defeitos cardíacos congênitos correm risco imediato de isquemia no nascimento.

Isso pode ser causado pelas artérias que não estão formadas ou conectadas corretamente ou porque uma ou mais artérias estão faltando.

Acúmulo de placas nas artérias

A aterosclerose é o estreitamento das artérias causado pelo acúmulo de placa. Isso é freqüentemente visto em pessoas mais velhas e geralmente pode ser corrigido. Esse estreitamento nem sempre é detectado, no entanto, e a isquemia pode aparecer primeiro quando uma artéria fica tão completamente bloqueada que o sangue não consegue chegar ao cérebro ou aos pulmões.

Passarelas estreitas também facilitam a coagulação do sangue e bloqueiam completamente as artérias.

Tratamentos possíveis

Certos procedimentos e tratamentos são usados para prevenir ou corrigir a isquemia.

As pessoas que são propensas a ataques cardíacos ou coágulos sanguíneos geralmente recebem medicamentos adequados para reduzir o risco de isquemia.

O acúmulo de placa pode ser controlado com medicação e uma dieta que reduz o colesterol.

Os episódios de taquicardia ventricular podem ser tratados com medicação controladora do ritmo ou com um marcapasso ou desfibrilador implantado.

A correção cirúrgica de defeitos congênitos pode criar padrões normais de fluxo sanguíneo, e quaisquer tumores que inibam o fluxo sanguíneo são removidos sempre que possível.

A isquemia de pequenos vasos pode ocorrer quando o fluxo sanguíneo através de arteríolas ou
pequenas artérias fica restrito devido ao bloqueio

Isquemia cerebral

Fonte: www.columbianeurosurgery.org/weillcornellbrainandspine.org/www.wisegeek.org/www.verywellhealth.com/www.cerebralpalsysymptoms.com/www.nrronline.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Síndrome de Couvade

PUBLICIDADE Definição A síndrome de Couvade é uma condição na qual homens com parceiros grávidos …

Polineuropatia

PUBLICIDADE Definição As polineuropatias são o tipo mais comum de distúrbio do sistema nervoso periférico …

Acrocianose

PUBLICIDADE A acrocianose é uma desordem vascular periférica funcional caracterizada por descoloração malhada ou cianose …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.