Breaking News
301 Moved Permanently

Moved Permanently

The document has moved here.

Home / Saúde / Acidente Vascular Cerebral

Acidente Vascular Cerebral

PUBLICIDADE

Definição

Acidente vascular cerebral é a morte súbita de algumas células cerebrais devido à falta de oxigênio quando o fluxo sanguíneo para o cérebro é prejudicada pelo bloqueio ou ruptura de uma artéria no cérebro.

As células cerebrais não conseguem obter o oxigênio e os nutrientes de que necessitam do sangue e começam a morrer em poucos minutos. Isso pode causar danos cerebrais duradouros, incapacidade a longo prazo ou até a morte.

O que é

Um acidente vascular cerebral do tronco cerebral é um acidente vascular cerebral que se origina no tronco cerebral.

Como o tronco cerebral lida com muitas das funções básicas de suporte à vida do corpo, como a respiração e a frequência cardíaca, um derrame no tronco cerebral pode ser fatal. Tal como com outros AVC, o tratamento precoce é essencial, sendo o prognóstico o melhor se o doente puder ser tratado poucas horas após o AVC suspeito. Mesmo com cuidado imediato, no entanto, o paciente pode morrer ou entrar em coma, necessitando de suporte vital para permanecer vivo.

Acidente vascular cerebral são condições caracterizadas pela morte súbita de grupos de células cerebrais.

Eles podem ser causados por coágulos de sangue no cérebro, sangramento no cérebro ou quando outras interrupções no suprimento de sangue emergem. Poucos minutos após a interrupção do suprimento sanguíneo, as células podem morrer, porque o sangue transporta oxigênio vital para as células e transporta os resíduos tóxicos para longe, agindo como uma supervia para manter as fontes fluindo suavemente. Um engarrafamento, por assim dizer, pode fazer com que as células morram.

Os sintomas de um acidente vascular cerebral são diferentes, dependendo de onde no cérebro o acidente vascular cerebral está localizado, e os médicos podem usar os sintomas para identificar o local do acidente vascular cerebral.

No caso de um derrame no tronco cerebral, o paciente freqüentemente apresenta vertigem, fala arrastada e dificuldade para falar. Funções como a respiração e a freqüência cardíaca também podem ser interrompidas, e alguns pacientes entram no que é conhecido como “estado bloqueado”, no qual o paciente pode sentir estímulos, mas ele não consegue responder. O estado bloqueado também é caracterizado por paralisia.

O tratamento de um derrame cerebral nos estágios iniciais requer a resolução do problema do suprimento de sangue, com a esperança de restaurar o fluxo de sangue antes que muitas células do cérebro sejam danificadas.

Se o AVC progrediu além do ponto em que o tratamento seria eficaz, o tratamento de suporte é usado.

Em alguns casos, os pacientes podem se recuperar, embora sua funcionalidade seja tipicamente prejudicada, e possam precisar de fisioterapia.

Em outros casos, um acidente vascular encefálico requer o uso de equipamentos médicos de suporte por toda a vida, como ventiladores, e o paciente pode ter uma qualidade de vida drasticamente reduzida após um derrame cerebral.

Os derrames podem ser muito perigosos e também podem progredir rapidamente. Se alguém parece estar experimentando os sinais de um acidente vascular cerebral, ele ou ela deve ser levado para tratamento médico de emergência.

Os médicos preferem dizer às pessoas que um problema não é um derrame do que se deparar com um paciente que teve um acidente vascular cerebral horas antes de ser levado para atendimento.

Como um derrame cerebral pode ser fatal, é sempre melhor prevenir do que remediar.

Causas

Os derrames cerebrais são um tipo de lesão cerebral na qual o suprimento de sangue é interrompido para parte do cérebro, resultando em perda da função neurológica.

Eles também são conhecidos como acidentes vasculares cerebrais, porque estão relacionados ao suprimento sanguíneo ou vascular do cérebro. Esse tipo de lesão pode ser extremamente debilitante, especialmente para um paciente mais velho ou já comprometido ou para um indivíduo que já tenha tido um. Aproximadamente 25% das pessoas que sofrem um derrame terão um incidente recorrente nos próximos cinco anos.

As mulheres são mais propensas a morrer de uma pessoa do que os homens, e são uma das principais causas de morte em grande parte do mundo desenvolvido.

Os sintomas de um acidente vascular cerebral incluem dormência, dores lancinantes, dores de cabeça, tonturas e visão turva e fala. Problemas com memória, pensamento, controle de emoções e lógica também podem resultar.

As vítimas podem sentir fraqueza ou paralisia em um lado do corpo, e muitas também sofrem de depressão. Os pacientes podem reduzir o risco modificando seu comportamento. Tabagismo, diabetes, hipertensão e colesterol alto são todos fatores de risco, e alguns deles podem ser modificados com dieta, exercícios, terapia comportamental e intervenção médica.

Existem dois tipos de acidente vascular cerebral: isquêmico e hemorrágico. Ambas causam uma ruptura da perfusão ou a entrega de sangue arterial ao tecido circundante.

A área do cérebro com perfusão imperfeita não é mais capaz de oxigenar adequadamente, causando uma cascata isquêmica que danifica ou mata as células cerebrais.

A cascata isquêmica é uma série de eventos que podem durar horas após a interrupção inicial, devido à ruptura neurológica grave que ocorre quando o suprimento de sangue ao cérebro é interrompido.

Como as funções químicas das células cerebrais são interrompidas, elas começam a falhar e às vezes acabam morrendo se o processo não puder ser interrompido. Freqüentemente, o inchaço do cérebro ocorre quando as células se decompõem e inundam as células vizinhas com toxinas criadas no processo.

Como as funções cerebrais não são totalmente compreendidas, existem poucos tratamentos para derrames além da reabilitação e apoio com esforços de recuperação. Às vezes, dependendo do tipo que ocorre, drogas relacionadas à coagulação do sangue são usadas enquanto o evento está acontecendo em um esforço para reduzir ou interromper seus efeitos.

Suspeita-se que algumas classes de drogas possam afetar o cérebro durante a cascata isquêmica e possam ser usadas para interromper o processo de quebra também. A prevenção é a melhor cura, devido aos efeitos irreversíveis de até mesmo uma pequena quantidade de dano cerebral.

Os sintomas de um acidente vascular cerebral dependem da área do cérebro afetada.

O sintoma mais comum é a fraqueza ou paralisia de um lado do corpo com perda parcial ou total do movimento voluntário ou sensação em uma perna ou braço. Pode haver problemas de fala e músculos faciais fracos, causando baba. Dormência ou formigamento é muito comum. Um acidente vascular cerebral envolvendo a base do cérebro pode afetar o equilíbrio, a visão, a deglutição, a respiração e até mesmo a inconsciência.

Um acidente vascular cerebral é uma emergência médica. Qualquer pessoa suspeita de ter um derrame deve ser levada imediatamente a um centro médico para diagnóstico e tratamento.

As causas do AVC: Uma artéria no cérebro pode ser bloqueada por um coágulo (trombose) que tipicamente ocorre em um vaso sanguíneo que foi previamente reduzido devido à aterosclerose (“endurecimento da artéria”).

Quando um coágulo sanguíneo ou um pedaço de uma placa aterosclerótica (um depósito de colesterol e cálcio na parede da artéria) se solta, ele pode viajar através da circulação e se alojar em uma artéria do cérebro, obstruindo-a e interrompendo o fluxo de sangue; isto é referido como um acidente vascular cerebral embólico. Um coágulo de sangue pode se formar em uma câmara do coração quando o coração bate irregularmente, como na fibrilação atrial; esses coágulos geralmente ficam presos ao revestimento interno do coração, mas eles podem se romper, atravessar a corrente sanguínea, formar um tampão (embolia) em uma artéria cerebral e causar um derrame. Uma hemorragia cerebral (sangramento no cérebro), a partir de um aneurisma (um alargamento e enfraquecimento) de um vaso sanguíneo no cérebro, também causa acidente vascular cerebral.

O diagnóstico de um acidente vascular cerebral envolve uma história médica e um exame físico. Testes são feitos para procurar por causas tratáveis de um acidente vascular cerebral e ajudar a prevenir mais danos cerebrais.

Um exame de tomografia computadorizada (um estudo especial de raios X) do cérebro é freqüentemente feito para mostrar sangramento no cérebro; isso é tratado de maneira diferente do que um derrame causado por falta de suprimento de sangue. Uma varredura de CAT também pode excluir algumas outras condições que podem imitar um traçado.

Uma onda sonora do coração (ecocardiograma) pode ser feita para procurar uma fonte de coágulos sanguíneos no coração. Estreitamento da artéria carótida (a principal artéria que fornece sangue para cada lado do cérebro) no pescoço pode ser visto com um teste de ondas sonoras chamado de ultra-som carotídeo. Exames de sangue são feitos para procurar por sinais de inflamação que podem sugerir artérias inflamadas.

Determinadas proteínas sanguíneas são testadas, o que pode aumentar a chance de derrame ao engrossar o sangue.

Acidentes vasculares cerebrais: Só porque uma pessoa tem fala arrastada ou fraqueza em um lado do corpo não significa necessariamente que a pessoa teve um derrame.

Existem muitos outros distúrbios do sistema nervoso que podem imitar um acidente vascular cerebral, incluindo um tumor cerebral, um hematoma subdural (uma coleção de sangue entre o cérebro e o crânio) ou um abscesso cerebral (um pool de pus no cérebro causado por bactérias ou um fungo). ). Infecção por vírus do cérebro (encefalite viral) pode causar sintomas semelhantes aos de um acidente vascular cerebral, assim como uma overdose de certos medicamentos. A desidratação ou um desequilíbrio de sódio, cálcio ou glicose podem causar anormalidades neurológicas semelhantes a um derrame.

Tratamento de um acidente vascular cerebral: O uso precoce de anticoagulantes para minimizar a coagulação do sangue tem valor em alguns pacientes.

O tratamento da pressão arterial muito alta ou muito baixa pode ser necessário. O açúcar no sangue (glicose) em diabéticos é muitas vezes bastante alto após um acidente vascular cerebral; controlar o nível de glicose pode minimizar o tamanho de um derrame. Drogas que podem dissolver coágulos sanguíneos podem ser úteis no tratamento do derrame.

As intervenções de recuperação de coágulo agora podem ser realizadas em alguns centros de acidente vascular cerebral. O oxigênio é dado conforme necessário.

Novas medicações que podem ajudar células cerebrais famintas de oxigênio a sobreviver enquanto a circulação é restabelecida estão sendo desenvolvidas.

Reabilitação: Quando um paciente não está mais gravemente doente após um derrame, o objetivo passa a maximizar as habilidades funcionais do paciente.

Isso pode ser feito em um hospital de reabilitação de internação ou em uma área especial de um hospital geral e em uma instalação de enfermagem.

O processo de reabilitação pode envolver fonoaudiologia para reaprender falar e engolir, terapia ocupacional para recuperar a destreza dos braços e mãos, fisioterapia para melhorar a força e a caminhada, etc.

O objetivo é que o paciente retome o máximo de suas atividades antes do AVC. que possível.

O AVC pode ser classificado em duas grandes categorias:

Acidente vascular cerebral isquêmico: quando ocorre oclusão de um vaso sanguíneo (artéria) que irriga determinada região encefálica, privando essa região de nutrientes e oxigênio. A oclusão decorre da presença de coágulos que se desenvolvem dentro da própria artéria (trombose cerebral) ou em algum outro local anterior por onde o fluxo sangüíneo já passou, por exemplo, coração ou artérias carótidas ao nível do pescoço. O deslocamento do coágulo até ocluir uma artéria cerebral chama-se embolia cerebral.
Acidente vascular cerebral hemorrágico:
quando ocorre ruptura de um vaso sanguíneo encefálico..
A maioria dos pacientes com AVC apresentam fatores de risco. A melhor forma de prevenir o AVC é identificar essas pessoas e controlar os fatores de risco possíveis. Alguns fatores associados potencializam o risco, por exemplo, o uso de anticoncepcionais e o fumo.

Os fatores de risco podem ser modificáveis: hipertensão arterial, tabagismo, diabete, doenças cardíacas, alterações na coagulação sangüínea, alterações do colesterol e frações, presença de sopro carotídeo (ruído anormal no pescoço percebido pelo exame médico).

Outros fatores de risco não são modificáveis: idade (a ocorrência aumenta acima dos 55 anos), sexo (homens têm maior risco mas as mulheres vivem mais além dos 65 anos), raça negra, hereditariedade (pessoas da mesma família costumam ter fatores de risco em comum).

Ataques isquêmicos transitórios (AIT) devem ser reconhecidos, pois pode haver prevenção de um AVC iminente; o AIT é um sinal de alerta, um aviso. O AIT é ocorrência súbita de sinal (problema que o médico e outras pessoas podem constatar) ou sintoma neurológico (problema que apenas o paciente percebe) com duração de minutos a algumas horas. Significam a obstrução de circulação encefálica por um pequeno coágulo que se dissolve em seguida.

O primeiro passo para permitir o tratamento ideal do AVC ou AIT é o reconhecimento dos sinais e sintomas mais comuns, que variam conforme a parte do sistema nervoso atingida e geralmente surgem de forma repentina.

São eles: fraqueza ou dormência numa parte do corpo, dificuldade em falar, compreender, ler ou escrever, piora súbita na visão, dor de cabeça fora do comum e vômitos, visão dupla, desequilíbrio, vertigem e tontura, convulsão, desmaio ou sonolência, e rigidez na nuca.

O tratamento de suporte, baseado no tratamento de complicações pulmonares e cardiovasculares era, até recentemente, o único tratamento disponível para muitos pacientes. Devido à falta de opções de tratamento para alterar o curso da doença, pouca ênfase era dada à necessidade de intervenção. Atualmente, o aparecimento de algumas medicações e o desenvolvimento de técnicas cirúrgicas mais avançadas e criteriosas possibilitam diminuir a lesão neurológica e reduzir ou até evitar seqüelas.

Quem está em risco de um derrame?

Certos fatores podem aumentar o risco de um derrame.

Os principais fatores de risco incluem:

Pressão alta. Este é o principal fator de risco para um derrame.
Diabetes.
Doenças cardíacas. Fibrilação atrial e outras doenças cardíacas podem causar coágulos sanguíneos que levam ao derrame.
Fumar Quando você fuma, você danifica os vasos sanguíneos e aumenta a pressão sanguínea.
Uma história pessoal ou familiar de AVC ou AIT.
Idade. Seu risco de derrame aumenta à medida que você envelhece.

Existem também outros fatores que estão ligados a um maior risco de acidente vascular cerebral, como:

Álcool e uso de drogas ilegais
Não recebendo atividade física suficiente
Colesterol alto
Dieta não saudável
Ter obesidade

O que é trombose cerebral?

Uma trombose cerebral é um coágulo sanguíneo que se forma dentro de um dos vasos cerebrais, diminuindo o suprimento de sangue, oxigênio e nutrientes para o parênquima cerebral.

Os dois tipos de trombose são: trombose arterial e trombose venosa. A trombose cerebral refere-se mais frequentemente à formação de trombos nas artérias cerebrais, e a trombose venosa cerebral refere-se à formação de coágulos nas veias e seios do cérebro. Também é sinônimo de ataque cerebral e infarto cerebral e é responsável por aproximadamente 50% de todos os casos de AVC.

A tríade clássica, ou tríade de Virchow, de trombose é lesão de células endoteliais, estase de sangue e hipercoagulabilidade. Hipercoagulabilidade, ou trombofilia, refere-se à tendência crescente de formar coágulos, e é geralmente secundária a deficiências de fatores de anticoagulação e distúrbios autoimunes. A lesão da célula endotelial refere-se à lesão das paredes dos vasos sanguíneos, e isso pode ocorrer devido a trauma, infecção ou cirurgia. A estase pode ser devida a longos períodos de falta de atividade física, o que geralmente ocorre entre pessoas em vôos longos, pacientes acamados ou idosos.

Esses fatores que compõem a tríade de Virchow também contribuem para a formação de coágulos e obstrução dos vasos cerebrais.

A maioria dos casos de trombose arterial resulta da ruptura de um ateroma, uma lesão de lipídios acumulados, macrófagos e tecido conjuntivo nas paredes dos vasos sanguíneos, característica da aterosclerose.

Os dois tipos de trombose cerebral incluem trombose de pequenos vasos e trombose de grandes vasos. A trombose de pequenos vasos é usada para trombose de artérias menores e mais profundas, como as artérias lacunares.

A trombose de grandes vasos é usada para trombose de artérias maiores, como as artérias cerebral média e carótida.

Os sintomas da trombose cerebral são também os sintomas do AVC. Dependendo de qual vaso sanguíneo está envolvido, uma pessoa afetada pode apresentar fraqueza ou paralisia em um lado do corpo ou face, dificuldade de fala e dificuldade para engolir. Perda de coordenação muscular, perda de equilíbrio, dor de cabeça severa, perda súbita da visão e confusão também podem ocorrer.

Para diagnosticar esta condição, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética ( MRI ) pode ser solicitada. A ressonância magnética é o teste mais específico porque permite a visualização do vaso trombosado, mesmo que não haja hemorragia concomitante. Para detectar trombose de grandes vasos, uma ultrassonografia de carótida ou imagem de Doppler transcraniano pode ser realizada.

Angiografia por ressonância magnética ou angiografia por tomografia computadorizada também podem ser realizadas.

O tratamento da trombose cerebral envolve a dissolução do trombo através de terapia trombolítica, como alteplase, tenecteplase, estreptoquinase e anistreplase. Essas drogas são mais eficazes quando administradas dentro de 60 minutos após o início dos sintomas. Fármacos anticoagulantes, como a heparina, podem ser administrados para prevenir a formação de outros trombos.

A prevenção da trombose cerebral envolve a modificação de seus fatores de risco, que incluem hipertensão, diabetes, tabagismo e consumo de álcool. Pessoas com pressão alta devem tomar medicamentos anti-hipertensivos, diminuir o consumo de sal, fazer exercícios regularmente e procurar uma pressão arterial de menos de 120/80 milímetros de mercúrio (mmHg). Os pacientes diabéticos devem atingir um nível de hemoglobina A1c (HbA1c) menor ou igual a 7%. Aqueles que têm níveis elevados de colesterol, triglicérides e lipoproteínas de baixa densidade (LDL) também devem controlar seus níveis lipídicos, preferencialmente através de modificação da dieta, atividade física e ingestão de estatina. As pessoas que fumam são aconselhadas a parar, enquanto que aquelas que bebem álcool excessivamente são aconselhadas a eliminar ou reduzir o consumo de álcool.

Resumo

Um acidente vascular cerebral é causado por uma perda de fluxo sanguíneo para uma área do cérebro. Quando o fluxo sanguíneo é interrompido por um período de tempo suficientemente longo, uma área do tecido cerebral morrerá. Este dano é permanente e causará uma perda de função que corresponde à área da lesão. O grau de incapacidade pode variar de insignificante a catastrófico. Acidente vascular cerebral pode ser fatal. Outro nome para um acidente vascular cerebral é um acidente vascular cerebral ou AVC.

Um acidente vascular cerebral pode ocorrer por vários motivos. Uma pressão arterial baixa ou parada cardíaca pode diminuir o fluxo sanguíneo para o cérebro e produzir um derrame.

Um aneurisma em um vaso sanguíneo cerebral (vaso cerebral) pode se romper e causar um derrame.

A doença aterosclerótica pode produzir estreitamento dos vasos sanguíneos ou causar a formação de coágulos. Um coágulo pode obstruir o fluxo de sangue para um dos vasos cerebrais. Os pacientes às vezes experimentam um “acidente vascular cerebral” chamado Ataque Isquêmico Transiente ou AIT. Um golpe de aviso é um breve episódio com sintomas de derrame que resolve e desaparece. Os sintomas podem incluir alterações visuais, problemas de fala, fraqueza súbita de perda de movimento ou sensação ou tontura. Os derrames de aviso são frequentemente causados por pequenos coágulos sanguíneos. Se o coágulo se mover ou for pequeno o suficiente, o fluxo sanguíneo retornará à área antes que ocorram danos permanentes. Os traços de aviso devem sempre ser investigados para tratar a causa antes que ocorra um derrame permanente.

Os pacientes também podem sofrer um derrame após uma lesão cerebral traumática, como resultado de trauma direto ou interrupção do fluxo sangüíneo. Sangrar no cérebro pode privar o cérebro de oxigênio.

Certos tipos de ritmos cardíacos irregulares podem causar a formação de coágulos no coração. Esses coágulos podem viajar para os vasos cerebrais e produzir um derrame.

Coágulos também podem se formar nas artérias carótidas no pescoço, como resultado da aterosclerose. Coágulo pode romper com o vaso carotídeo e viajar para o cérebro.

O tratamento do acidente vascular cerebral ou AVC varia muito e depende da causa subjacente.

Fonte: www.who.int/medlineplus.gov/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.lhsc.on.ca

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gripe Espanhola

Gripe Espanhola

PUBLICIDADE Definição A pandemia de gripe espanhola é a catástrofe contra a qual todas as pandemias modernas …

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

301 Moved Permanently

Moved Permanently

The document has moved here.