Breaking News
Home / Saúde / Difteria

Difteria

PUBLICIDADE

Difteria – O que é

Difteria é uma infecção localizada das mucosas, como o trato respiratório (onde causa tonsilofaringite e/ou laringite) e da pele que é causada pelo Corynebacterium diphtheriae, bacilo Gram-positivo.

O Corynebacterium diphtheriae é um bastonete Gram-positivo aeróbio, sem motilidade, não-esporulado, não-capsulado e de coloração irregular.

Apresentam forma de clava e, com freqüência, estão dispostas em feixes ou séries paralelas. As cepas tox (+) e tox (-) são infecciosas, mas as primeiras produzem difteria toxêmica e são mais propensas a gerar pseudomembranas.

Quando uma pessoa pega difteria, a bactéria libera uma toxina, ou veneno, no corpo da pessoa. A toxina infecta as vias aéreas superiores e, às vezes, a pele, fazendo com que uma membrana cresça através da traqueia. Isso dificulta a respiração e, se a membrana bloquear completamente a traqueia, pode levar à asfixia e à morte.

O coração e o sistema nervoso também podem ser danificados.

Difteria – Doença

difteria é uma doença infecciosa aguda que afeta a garganta e as amígdalas. Em casos graves, pode ocorrer asfixia e pode haver complicações envolvendo o coração e o sistema nervoso.

difteria é causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae. No passado, a difteria era uma grande causa de morte, sendo as crianças especialmente suscetíveis.

A introdução da imunização em massa tornou a doença rara no mundo industrializado. No entanto, a imunidade à difteria é perdida com o tempo. Aqueles que vivem em países estáveis com altos padrões de higiene pública provavelmente não estarão em risco. O mesmo não pode ser dito quando os sistemas de saúde e políticos falham, ou quando a imunização infantil não é universal.

O ressurgimento da difteria na antiga União Soviética na década de 1990 resultou de uma combinação desses fatores. A reintrodução da imunização em massa acabou por controlar esta epidemia. No entanto, a difteria continua a ser uma ameaça em países onde a superlotação, as condições insalubres e os baixos níveis de imunização são um fato da vida cotidiana.

Histórico, características e transmissão da doença

Difteria
Difteria

Corynebacterium diphtheriae é um bacilo Gram-positivo. Os bacilos são um grupo de bactérias caracterizadas por sua forma de bastonete; Gram-positivo refere-se à forma como certas bactérias absorvem corantes aplicados para estudo microscópico do organismo.

A maioria das cepas de Corynebacterium diphtheriae produz uma toxina potente que é responsável pelas complicações da difteria. Existem duas formas da doença – difteria respiratória, que é a mais comum, e difteria cutânea.

Os sintomas da difteria respiratória incluem amigdalite dolorosa e/ou faringite – inflamação das amígdalas e/ou garganta. A voz pode ficar rouca e a febre está frequentemente presente.

O que distingue a difteria de outras infecções de garganta é a presença de uma pseudomembrana, uma cobertura espessa, branca azulada ou cinza na garganta ou amígdalas que pode desenvolver manchas pretas esverdeadas. A pseudomembrana se desenvolve quando a toxina Corynebacterium diphtheriae mata as células dentro da membrana mucosa que reveste a garganta e as amígdalas. A membrana pode se espalhar para baixo e interferir na respiração, causando asfixia. Ao mesmo tempo, o pescoço tende a inchar, dando ao paciente uma aparência característica de “pescoço de touro”.

Em 10 a 20% dos casos, a toxina se espalha para o coração e sistema nervoso periférico. Pode causar miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco e das válvulas cardíacas, que pode levar à insuficiência cardíaca mais tarde na vida. No sistema nervoso, a toxina da difteria pode causar paralisia, o que pode levar à insuficiência respiratória. Mesmo com tratamento imediato, a taxa de mortalidade por difteria respiratória é de 5 a 10%. A difteria tende a ser mais grave em crianças com menos de cinco anos e em adultos com mais de 40 anos.

difteria cutânea ocorre quando a bactéria infecta picadas ou erupções cutâneas e é mais comum em regiões tropicais. Novamente, uma pseudomembrana se forma no local da infecção, e as úlceras geralmente se desenvolvem na pele. No entanto, as complicações associadas à difteria respiratória são muito menos comuns na forma cutânea da doença.

difteria geralmente é transmitida pelo contato com gotículas do trato respiratório superior que são lançadas no ar pela tosse e espirro de indivíduos infectados. É altamente infeccioso.

As pessoas que não são tratadas permanecem infecciosas por duas a três semanas. A Corynebacterium diphtheriae também pode ser transmitida por objetos ou alimentos contaminados.

Difteria – Sintomas

difteria pode infectar o trato respiratório (partes do corpo envolvidas na respiração) e a pele.

Os sintomas da difteria dependem da parte do corpo afetada.

Os sintomas geralmente começam 2 a 5 dias após a infecção.

Os sintomas da difteria incluem:

Um revestimento branco-acinzentado espesso que pode cobrir a parte de trás da garganta, nariz e língua
Uma temperatura alta (febre)
Dor de garganta e rouquidão
Glândulas inchadas (gânglios linfáticos aumentados) em seu pescoço
Dificuldade em respirar e engolir
Corrimento nasal
Febre e calafrios
Cansaço

Em países com higiene precária, a infecção da pele (difteria cutânea) é mais comum.

Se for difteria cutânea, pode causar:

Bolhas cheias de pus nas pernas, pés e mãos
Grandes úlceras cercadas por pele vermelha e dolorida.

difteria precisa ser tratada rapidamente no hospital para ajudar a prevenir complicações graves, como dificuldades respiratórias ou problemas cardíacos.

Difteria respiratória

As bactérias infectam mais comumente o sistema respiratório, que inclui partes do corpo envolvidas na respiração.

Quando as bactérias entram e se ligam ao revestimento do sistema respiratório, podem causar:

Fraqueza
Dor de garganta
Febre baixa
Glândulas inchadas no pescoço

As bactérias produzem uma toxina (veneno) que mata os tecidos saudáveis do sistema respiratório. Dentro de dois a três dias, o tecido morto forma um revestimento espesso e cinza que pode se acumular na garganta ou no nariz. Especialistas médicos chamam esse revestimento espesso e cinza de “pseudomembrana”.

Pode cobrir tecidos no nariz, amígdalas, caixa de voz e garganta, tornando muito difícil respirar e engolir.

Se a toxina entrar na corrente sanguínea, pode causar danos ao coração, nervos e rins.

Difteria cutânea (cutânea)

Um segundo tipo de difteria pode afetar a pele, causando dor, vermelhidão e inchaço semelhante a outras infecções bacterianas da pele.

Úlceras cobertas por uma membrana cinzenta também podem ser um sinal de difteria cutânea.

Embora seja mais comum em climas tropicais, a difteria na pele também ocorre nos Estados Unidos. Pode acontecer especialmente entre pessoas com falta de higiene que vivem em condições de superlotação.

Difteria – Tratamento e Prevenção

Como a difteria é tão rara em países desenvolvidos, pode ser difícil para os médicos reconhecer quando ela ocorre. No entanto, a presença da pseudomembrana, juntamente com anormalidades do ritmo cardíaco ligadas à toxina, devem alertar o médico para a possibilidade de difteria. Idealmente, a presença de Corynebacterium diphtheriae deve ser confirmada em laboratório (requer métodos especiais para sua identificação), mas isso não deve atrasar o início do tratamento.

difteria é tratada com antitoxina, que neutraliza a toxina antes que ela possa causar muitos danos, e antibióticos.

A antitoxina, descoberta em 1888, salvou a vida de muitas crianças, pois faz com que a pseudomembrana retraia drasticamente. A antitoxina da difteria é preparada a partir do soro de cavalos que foram imunizados contra a doença e deve ser administrada dentro de quatro dias do início dos sintomas.

A eritromicina e a penicilina são os dois antibióticos mais comumente prescritos para a difteria. A hospitalização e o isolamento são essenciais ao lidar com a difteria – esta última para evitar que outras pessoas sejam expostas à infecção. Se a respiração estiver obstruída pela pseudomembrana, pode ser necessária uma traqueostomia.

Este procedimento envolve cortar uma abertura artificial na traqueia, ou traqueia, e inserir um tubo para que o paciente possa respirar.

A imunização demonstrou ser a melhor maneira de prevenir a propagação da difteria. Um toxóide é uma versão inativada de uma toxina bacteriana.

Verificou-se que dá uma excelente resposta imune em doenças onde as toxinas bacterianas desempenham um papel importante, como a difteria e o tétano.

Um calendário de vacinação administra as três doses primárias com a idade de seis, dez e 14 semanas, com um reforço entre 18 meses e seis anos de idade.

Alguns países têm usado uma vacina combinada que inclui vacinas contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e pneumonia.

Difteria – Impactos e problemas


Difteria

Assim como a cólera, a difteria tem uma longa história. A doença foi descrita pela primeira vez pelo médico grego Hipócrates (ca. 460–357 aC), e também foi mencionada em antigos textos sírios e egípcios.

Na Espanha do século XVII, a difteria epidêmica era conhecida como “El Garatillo” ou “O Estrangulador”. Houve também epidemias significativas na Inglaterra na década de 1730 e na Europa Ocidental na segunda metade do século XIX. A difteria era conhecida na América desde o século XVIII e atingiu proporções epidêmicas em 1735, muitas vezes matando famílias inteiras.

No início do século XX, a difteria ainda era uma das principais causas de morte entre bebês e crianças. Quando os primeiros dados sobre a doença foram coletados, na década de 1920, havia cerca de 150.000 casos e 13.000 mortes a cada ano.

Embora a difteria, como a tuberculose, seja altamente infecciosa, é provável que seja endêmica em países menos desenvolvidos, onde há pobreza, superlotação, desnutrição e saneamento precário.

A imunização em massa é conhecida por ser uma ferramenta essencial na prevenção da difteria. No entanto, os países menos desenvolvidos tendem a não ter acesso a suprimentos de vacinas ou infraestrutura de saúde para atingir a meta da OMS de uma taxa de imunização de 95%.

Além disso, a difteria ainda tem a capacidade de se espalhar e causar doenças e mortes significativas, mesmo em uma sociedade moderna onde já havia sido praticamente erradicada.

Isso foi demonstrado claramente pelos surtos e epidemias da doença que ocorreram na antiga União Soviética na década de 1990.

Durante a primeira metade do século XX, as taxas de difteria eram altas na União Soviética; na década de 1950, havia cerca de 750.000 casos só na Rússia, mas, depois dessa época, o regime comunista da antiga União Soviética desenvolveu um excelente histórico de imunização.

Em 1976, as taxas da doença eram praticamente zero e pensava-se que a erradicação estava ao alcance. No entanto, em 1977, a doença começou a voltar, com taxas aumentando em todas as faixas etárias, e não apenas entre as crianças. As taxas atingiram o pico em 1984 e começaram a declinar depois disso, embora nunca tenham retornado ao nível mais baixo de 1976.

Pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) argumentam que os militares podem ter contribuído para a disseminação da difteria na década de 1980.

O serviço militar foi universal e levou ao alojamento de recrutas, muitos dos quais não foram imunizados, em condições de sobrelotação. A imunidade dos adultos, entre aqueles imunizados muitos anos antes, parecia estar em declínio, respondendo por casos adultos de difteria.

O calendário de imunização entre as crianças também foi menos intenso do que anteriormente, em parte devido a uma campanha contra a imunização que encontrou favor em uma população cada vez mais desconfiada de seu governo.

Fonte: www.praticahospitalar.com.br/www.encyclopedia.com/universidadenet.com/www.mayoclinic.org/www.health.gov.au

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Saúde

PUBLICIDADE A palavra saúde refere-se a um estado de completo bem-estar emocional e físico. A saúde existe …

Pé de atleta

PUBLICIDADE Pé de atleta – Definição O pé de atleta é uma infecção fúngica comum na qual …

Mucormicose

PUBLICIDADE Mucormicose – Definição A mucormicose é uma doença rara, mas muitas vezes fatal, causada por certos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.