Breaking News
Home / Saúde / Regeneração Hepática

Regeneração Hepática

PUBLICIDADE

fígado tem a maior capacidade regenerativa de qualquer órgão do corpo.

regeneração do fígado tem sido reconhecida há muitos anos, datando de Prometeu na antiga mitologia grega.

Quando o fígado é lesado além de sua capacidade de se regenerar, um transplante de fígado é o tratamento de escolha. Os transplantes são usados para tratar uma ampla gama de condições hepáticas, incluindo câncer de fígado, doença hepática cirrótica, insuficiência hepática aguda e distúrbios genéticos do fígado.

Definição

regeneração hepática após a perda do tecido hepático é um parâmetro fundamental da resposta hepática à lesão. Reconhecida como um fenômeno dos tempos mitológicos, agora é definida como uma resposta orquestrada induzida por estímulos externos específicos e envolvendo mudanças seqüenciais na expressão gênica, na produção de fatores de crescimento e na estrutura morfológica.

Muitos fatores de crescimento e citocinas, principalmente o fator de crescimento de hepatócitos, fator de crescimento epidérmico, fator de crescimento transformador-a, interleucina-6, fator de necrose tumoral-a, insulina e norepinefrina, parecem desempenhar papéis importantes nesse processo.

O que é Regeneração hepática?

regeneração do fígado é um fenómeno pelo qual o fígado pode regenerar os seus próprios tecidos para se reparar de danos ou remoção cirúrgica de até dois terços do seu próprio tecido.

A pesquisa parece sugerir que, quando mais de dois terços do fígado de um paciente é removido, a regeneração do fígado pode fazer com que o fígado retorne ao seu tamanho normal dentro de uma semana.

Pesquisas em cães mostraram que pequenos fígados transplantados em cães de grande porte podem crescer até atingirem o tamanho apropriado, enquanto grandes fígados transplantados em cães pequenos geralmente encolherão até atingirem o tamanho apropriado.

Exemplos semelhantes de crescimento ou encolhimento do fígado foram observados em pacientes humanos que receberam transplantes de fígado. Os pesquisadores ainda estão investigando a mecânica da regeneração do fígado, mas acreditam que as células do fígado têm uma capacidade quase infinita de se regenerarem.

Os poderes de auto-reparação demonstrados por fígados humanos e animais são considerados imensos.

Exemplos de completa regeneração hepática após hepatectomia parcial, ou remoção cirúrgica de uma porção do fígado, são muitos.

Especialistas acreditam que múltiplos casos de regeneração hepática no mesmo paciente são possíveis. Pesquisadores que trabalham com animais observaram uma dúzia de casos de regeneração hepática no mesmo sujeito de teste.

Regeneração Hepática
Fígado humano

O processo de regeneração do tecido no fígado inicia-se tipicamente cerca de 10 a 12 horas após a sustentação do dano, e leva-se uma média de três dias para o fígado regenerar-se completamente. Quando uma parte do fígado é danificada ou removida, as células do fígado que permanecem começam a secretar uma substância conhecida como fator de crescimento de hepatócitos. O fator de crescimento dos hepatócitos estimula os hepatócitos, ou células do fígado, a começar a se reproduzir.

Outros fatores de crescimento e hormônios geralmente se envolvem, ajudando a estimular a produção de novas células epiteliais biliares e novas células endoteliais no fígado. Especialistas acreditam que não há limite para o número de vezes que um único hepatócito pode se copiar.

Especialistas acreditavam que o fígado se regenerava produzindo células especiais com características embrionárias ou fetais.

Pesquisas recentes sugerem, no entanto, que o fígado se regenera por meio da replicação celular comum. Mesmo quando se regenera, o fígado geralmente continua a cumprir suas funções básicas no corpo. Estas funções básicas incluem desintoxicação do sangue e tecidos, regulação do metabolismo e regulação dos níveis de fluidos em todo o corpo.

Anatomia do fígado

O fígado – localizado na área abdominal direita dos seres humanos – é um dos órgãos mais importantes do corpo.

Suas funções vitais incluem a remoção de resíduos, o metabolismo e a produção de proteínas. A anatomia do fígado contribui para as diversas funções do órgão.

Esses componentes anatômicos incluem lobos, ductos e vasos sanguíneos. O sangue e a bile se movem pelo sistema hepático.

A posição do fígado coloca-o na proximidade de vários outros órgãos-chave.

Como um órgão visceral da cavidade abdominal, repousa ao lado do estômago e na frente da vesícula biliar: dois órgãos cruciais na digestão. Outros órgãos próximos incluem o pâncreas, os intestinos e o coração. Como o fígado está tão próximo de outros órgãos, uma substância chamada ligamento peritoneal cobre o fígado e protege-o de danos. O fígado também se liga ao músculo do peito primário, o diafragma.

Os principais vasos sanguíneos ligam o fígado a outros órgãos, desempenhando assim um papel importante na anatomia do fígado. Uma artéria hepática recebe sangue da artéria principal do coração, a aorta. Enquanto isso, a veia porta serve como um portal entre o fígado e o sistema digestivo. As veias hepáticas, por sua vez, levam o sangue do fígado para outras partes do corpo. Além dos grandes vasos, sistemas menores de vasos sanguíneos estão contidos em 20 segmentos independentes do fígado.

Regeneração Hepática
O fígado filtra toxinas e resíduos do sangue

Regeneração Hepática
A artéria hepática fornece sangue oxigenado para o fígado

Regeneração Hepática
O fígado encontra-se na área abdominal direita de uma pessoa

Quando o sangue entra no fígado, ele se transforma em aglomerados de células do fígado chamadas lóbulos. Essas células são únicas porque podem passar pelo ciclo de criação de células mais de uma vez. Isso faz do fígado o único órgão humano que pode se regenerar.

O sangue que entra contém nutrientes dos processos digestivos, e esse sangue é processado pelas células do fígado ou pelos hepatócitos.

O processamento de sangue facilita funções metabólicas, ou de produção de energia, do fígado, como a decomposição de carboidratos e gorduras.

Outros processos realizados nos lóbulos incluem a produção de glóbulos vermelhos e bile, a ativação de certas proteínas e o armazenamento de várias vitaminas.

Cada lóbulo também tem uma veia anexada que transporta o sangue para a veia hepática principal.

Milhares de lóbulos se combinam para formar lóbulos do fígado, tornando-os, talvez, os componentes mais importantes na anatomia do fígado.

No geral, o fígado é composto por dois lobos principais: os lobos direito e esquerdo.

Dois lobos menos proeminentes estão por trás dessas projeções arredondadas: os lóbulos caudado e quadrático. As fibras musculares conhecidas como ligamentos separam os vários lobos e estruturas do fígado.

Os lóbulos também contêm dutos. Esses tubos ocos transportam a bile, uma substância eliminadora de resíduos produzida pelo fígado. Os ductos intra-hepáticos menores dentro do fígado conectam-se a um ducto hepático direito ou esquerdo maior. Esses ramos separados então se fundem para criar o ducto hepático comum. Esse ducto continua fora do fígado, onde se une a um ducto da vesícula biliar armazenadora de bile, conhecido como ducto cístico.

O sistema de dutos demonstra como é importante que todos os dutos, artérias e lobos se interconectem para o transporte eficiente de fluidos essenciais.

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/science.sciencemag.org/www.wisegeek.org/www.mayo.edu/www.cell.com/ajp.amjpathol.org/clinicaltrials.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gripe Espanhola

Gripe Espanhola

PUBLICIDADE Definição A pandemia de gripe espanhola é a catástrofe contra a qual todas as pandemias modernas …

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.