Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Saúde / Amnésia

Amnésia

MEMORIA E AMNÉSIA

PUBLICIDADE

INTRODUÇÃO

Duas têm sido, desde a antiguidade, as formas em que o homem abordou o estudo da memória: uma atitude de “psicológica”, baseado em analogias, e uma atitude de “anatomia” com base na localização.

Do ponto de vista psicológico, comparando Platão em seu Teeteto fixação mnemônica para produzir uma impressão de um selo de um bloco de cera. Enquanto isso, a partir de um ponto de vista anatômico, outros argumentaram sobre a localização da alma, fonte de toda a atividade intelectual. Durante os últimos dois séculos têm visto um diálogo progressivo e integração de ambas as perspectivas, o que resultou em avanços espetaculares na compreensão do funcionamento da memória e no diagnóstico dos vários processos que alteram.

ABORDAGEM PSICOLÓGICA

As origens dos modernos modelos mnemônicos que remonta a William James (1842-1910) que, com base na introspecção, introduziu a distinção entre memória primária e secundária. Novas experiências não desaparecem imediatamente a partir da consciência, mas permanecem por um curto período de tempo como “o mais distante do presente.” O conteúdo desta memória primária poderia ser transferido para a memória secundária , um grande armazém, em que todo o nosso conhecimento é armazenado permanentemente. Atkinson e Shiffrin estenderam este modelo, introduzindo o conceito de memória sensorial , um número de lojas ou ativação registros curto muito que trabalham em paralelo e permitir que o fluxo de informações para a memória de curto prazo (equivalente ao conceito de memória principal ).

A distinção entre memória ou armazenamento de curto prazo (MCP) e memória ou armazenamento de longo prazo (MLP) (equivalente ao conceito de memória secundária) recebeu uma ampla confirmação em estudos experimentais com indivíduos saudáveis e em pacientes amnésicos com diferentes síndromes.

O modelo armazena mnemônico foi enriquecido a partir dos anos setenta com o desenvolvimento do modelo de sistemas de mnemônicos, que atuariam em paralelo, dentro do MLP. O critério de distinção é a natureza do material armazenado. Um deve Tulving conceituação das três mais importantes sistemas de mnemônicos para a prática clínica.

Memória episódica: Refere-se a eventos enquadrado em um contexto temporal e espacial. Você pode avaliar quão “verde”, convidando o paciente para relatar os principais acontecimentos do dia ou os eventos em seu caminho para o local da entrevista (memória retrógrada).

A memória semântica: É a memória de fatos, conceitos e significados. É difícil definir esse tipo de memória de funções determinada língua. Pode ser medido por testes como o teste de vocabulário da Escala Weschler de Inteligência, ou, mais brevemente, evocando categórica (por exemplo, animais em um minuto).

Processuais de memória (ou memória implícita ): É aquele que não pode ser conscientemente examinadas ou medida pode ser expressa através de um sistema simbólico (fala, por exemplo). Sua avaliação precisa da aprendizagem e implementação de comportamentos específicos. Aprendizagem e execução de habilidades motoras é um dos principais tipos de memória processual. Pode ser medido através da avaliação da curva de aprendizagem obtidos em testes de labirintos ou espelho escrito. Em contraste com a memória de procedimento, a memória semântica e memória episódica incluído no explícita ou memória declarativa que pode ser examinado de forma introspectiva e é expressa através de um sistema simbólico.

Ao desenvolver o modelo de sistemas de mnemônicos, Craik e Lockhart, em 1972, propôs um esquema alternativo para o estudo da memória, que chamaram de “níveis de processamento” ( Figura 3 ). Este conceito assume que a memória de rastreamento de alguma forma refletem as operações durante o processamento consciente de informação. Se assim for, a observação sobre como o processamento e condições de recordar informações que afetam o desempenho da memória pode ajudar a entender melhor a estrutura eo funcionamento da memória.

O modelo de níveis de processamento e conceitos desenvolvidos no modelo das lojas, nomeadamente explicando a passagem de informações do STM para LTM (codificação e armazenamento) e vice-versa (processo de recuperação).

Finalmente, Baddeley alargou o conceito de MCP com a introdução da memória de trabalho ( memória de trabalho ).

ANATOMOCLINICO PERSPECTIVA

A primeira correlação anátomo-clínica de um caso de amnésia que remonta a 1900, von anos Bechterew publicou o caso de um homem de 60 anos que teve perda de memória na vida, e cujo cérebro apresentava lesões no lobo temporal medial. Posteriormente, as observações dos epilépticos e esquizofrênicos que estão praticando uma ressecção mesial bilateral, confirmou a importância desta região na memória. Estudos mais recentes em pacientes com lesões circunscritas permitiu correlações mais precisas.

Lesões confinadas à região hipocampal CA1 produziu um déficit seletivo na memória declarativa anterógrada, respeitando a memória processual. Se a lesão afeta também outras áreas próximas (CA2, CA3, giro denteado, subiculum, córtex entorrinal), a amnésia anterógrada mais grave e amnésia retrógrada é adicionado que inclui aproximadamente os últimos 15 anos e afeta particularmente os anos mais recentes (gradiente temporal).

O estudo de pacientes com síndrome de Wernicke-Korsakoff tem mostrado que os danos às estruturas determinadas amnésia diencephalic envolve um padrão cuja diferenciação clínica do hipocampo padrão é muito difícil. Todos os casos, alcoólicas ou não, lesões no tálamo anterior (núcleo dorsomedial), nos núcleos da linha média (lâmina medular interna) ou do trato mamilotalámico.

Depois que o lobo temporal e diencéfalo, o prosencéfalo basal é a terceira região mais importante no estudo da memória episódica. Acredita-se que os neurônios colinérgicos são responsáveis (núcleo septal medial, banda diagonal de Broca, núcleo basal de Meynert).

Síndrome amnésica

Existem diferentes síndromes amnésico pode, a partir de uma perspectiva clínica, aponte para a localização anatômica que auxilia no diagnóstico. síndrome Amnéstico secundária à lesão em qualquer um dos três níveis referidos no ponto anterior tem um núcleo de características clínicas e neuropsicológicas que constituem o que geralmente é chamado de ” síndrome amnésica clássica . ” Seu diagnóstico é inegável importância na prática clínica, assim como apontar e topografia da lesão etiologia.

Outros tipos de amnésia, que são apresentados como déficit de memória seletiva em funções diferentes, mas são raridades verdade, facilitar o progresso na compreensão da estrutura e do funcionamento da memória humana. Descritos abaixo são os amnésicos síndromes mais relevantes.

Clássica síndrome amnésica

Há uma participação proeminente da memória anterógrada declarativo com a participação variável de memória declarativa retrógrada. A memória de curto prazo, memória declarativa e outras funções não-intelectivo são preservados.

É produzida por lesões diencephalic, prosencéfalo basal ou temporal mesial. Apenas uma deficiência seletiva no hipocampo para produzir uma amnésia anterógrada. Se o dano se estende até o giro parahipocampal (incluindo o córtex entorrinal) é inserido amnésia retrógrada.

Quando ela existe, é muito difícil distinguir entre uma imagem e um temporal mesial diencephalic puro.

Algumas características, como a dificuldade de ordem temporal, amnésia da fonte e fracassos metamemória são mais característicos de dano diencephalic. Além disso, a riqueza da fabulação, a confusão entre realidade e sonhos, ea melhoria marcada na memória significa mais indícios sugerem uma síndrome do prosencéfalo basal.

Aproximado ordem de freqüência, as causas mais comuns são a síndrome amnésica clássica de amnésia global transitória, a síndrome de Wernicke-Korsakoff, anóxia cerebral, traumatismo craniano, herpes e encefalite límbica paraneoplastic.

Amnésia retrógrada focal

Sob este conceito, introduzido por Kapur, em 1992, estão incluídos pacientes com envolvimento proeminente da memória declarativa retrógrada variável comprometimento da memória anterógrada declarativo. O prazo de memória curta, a memória semântica, memória declarativa e outras funções não-intelectivo são preservados. É associada a lesões temporárias que diz respeito o hipocampo. As causas mais comuns são traumatismo craniano, epilepsia temporal, insuficiência vertebrobasilar Amesia psicogênica.

A demência semântica

O primeiro caso de demência semântica foi descrito por Warrington, em 1975, embora o termo mais tarde foi cunhado por Snowden et al. Apresenta-se com o importante envolvimento da memória semântica, enquanto a memória de curto prazo, memória episódica, memória implícita, aspectos gramaticais da linguagem e outras funções intelectivas preservada ( Quadro III ). Neuroimagem mostra atrofia temporal inferolateral. Na disponíveis autópsias poucos encontrados doença de Pick.

CONCLUSÕES

A memória episódica depende inicialmente de um duplo sistema límbico-diencephalic, onde o hipocampo é essencial para o estabelecimento anterógrada e do córtex entorrinal em recuperação. A memória episódica parece atingir mais remota dessa independência do sistema tornar-se dependente, como a memória de curto prazo, memória semântica e facilitação, apenas o neocórtex. O estudo desses tipos de memória é fundamental para o diagnóstico funcional, topográfico e etiológico amnésico síndromes e reabilitação.

  1. Javier Rodríguez Olazarán

BIBLIOGRAFIA

Baddeley, AD. básicos da memória humana . Hove: Prima de Psicologia, 1999. Bauer, RM. Tobias B., Valenstein E. “transtornos Amnesic”. En: Heilman KM, Valenstein E, Editores. neuropsicologia clínica , 3 ª Edición. Nueva York: Oxford University Press, 1993. Parkin, AJ. Estudo de casos em neuropsicologia da memória. Hove: Psicologia Press, 1997. Parkin, AJ. memória e amnésia. Uma introdução , 2 ª Edición. Oxford: Blackwell, 1997. Zola, S. “Amnésia: aspectos clínicos e neuroanatômicos. En: TE Feinberg, Farah MJ, Editores. Comportamental neurologia e neuropsicologia . Nueva York: McGraw-Hill, 1997: 447-61.

Fonte: www.neurobriseno.med.br

Amnésia

O que é

Amnésia é a perda total ou parcial de informações. O individuo perde a capacidade de reter novas informações (amnésia anterografa ) ou de evocar as antigas ( amnésia retrógrafa).

Existe inúmeros exemplos de amnésia, aquelas provocadas por alguma doença, infecções ou enfermidades, traumas físicos, alcoolismo e uso de drogas.

Tipos de Amnésia

Anterógrada: quando o paciente se lembra de eventos que aconteceram no passado distante, mas não se recorda do que aconteceu ontem.

Retrógrada: quando a pessoa lembra-se apenas do que aconteceu recentemente e não recorda de eventos distante.

Global transitória: que pode ser desencadeada por enxaquecas ou por um ataque isquêmico transitório, em que o sangue deixa de circular em partes do cérebro.

O ataque pode durar de meia hora a 24 horas.

Amnesia refere-se a uma condição na qual o paciente está sujeito a perda de memória a curto prazo. Incapacidade de imaginar o futuro é um dos efeitos depois de amnésia. As principais causas da amnésia incluem os fatores físicos e funcionais. Embora a disfunção provoca ex do cérebro devido a qualquer tipo de dano físico ou pela ingestão de uma substância tóxica, sendo este último baseado em fatores psicológicos, como traumas incidentes ou emocional. Amnesia pode afetar qualquer um, homens, mulheres ou crianças, e pode ocorrer em qualquer idade, embora seja visto principalmente em indivíduos com idade média. Dada a seguir é uma lista das causas e sintomas de amnésia.

Causas da amnésia

Envelhecimento
Ferimentos na cabeça, no qual o cérebro é danificado
Deterioração das células do cérebro, devido a infecções do cérebro
O abuso de drogas
Incidente traumático
Degeneração das células cerebrais
As infecções do cérebro, tais como herpes, encefalite, etc
Grave trauma emocional e apreensões
Demência
A doença de Alzheimer
Certas doenças metabólicas
Tumor cerebral
Amnésia causada por envenenamento do marisco
A falta de oxigenação adequada no cérebro
Sangramento entre o cérebro eo crânio
A eletroconvulsoterapia (ECT)
Auso de álcool a longo prazo
AIDS
Enxaqueca
Curso
Histeria

Os sintomas de amnésia

Capacidade prejudicada de aprender novas informações, após o início da amnésia (amnésia anterógrada)
Uma menor habilidade para recordar acontecimentos passados ??e as informações previamente conhecidas (amnésia retrógrada)
Falsas memórias (confabulação), seja completamente inventado ou feito de memórias genuínas deslocada no tempo
Problemas neurológicos, como movimentos descoordenados ou tremores
Confusão ou desorientação
Problemas com a memória de curto prazo
Perda parcial da memória
Total perda de memória
Incapacidade de reconhecer rostos familiares ou lugares

Fonte: www.yesanswer.de

Amnésia

Amnésia Dissociativa

Amnésia dissociativa é caracterizada por uma incapacidade de recordar informações pessoais importantes, em geral de natureza traumática ou stressante, demasiadamente extensa para ser explicada pelo esquecimento normal (critério A). Este transtorno envolve um prejuízo da memória, no qual recordações da experiência pessoal não podem ser recuperadas em uma forma verbal (ou, se são temporariamente recuperadas, não podem ser completamente retidas na consciência ). O distúrbio não ocorre exclusivamente durante o curso do transtorno dissociativo de identidade, fuga dissociativa, transtorno pós-traumático, transtorno de stress agudo ou transtorno de somatização, nem é devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância, uma condição neurológica ou outra condição médica geral (critério B). Os sintomas devem causar sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo (critério C).

Fatores Importantes para Diagnosticar a Amnésia Dissociativa

Como se Apresenta:

Como uma lacuna ou série de lacunas relatada retrospectivamente na recordação de aspectos da história na vida do indivíduo. Essas lacunas habitualmente estão relacionadas a eventos traumáticos ou muito stressantes Alguns indivíduos podem ter amnésia para episódios de auto mutilação, ataques violentos ou tentativas de suicídio. Pode apresentar-se, com menor frequência, como um episódio exuberante com aparecimento súbito. Esta forma aguda é mais provável em tempos de guerra ou em resposta a um desastre natural.

Distúrbios de Memória Diferenciados:

Amnésia localizada – o indivíduo não consegue recordar eventos que ocorrem durante um período limitado de tempo, em geral as primeiras horas após o evento (acidente de viação), geralmente passado 2 dias recorda-se.
Amnésia Seletiva –
a pessoa consegue recordar apenas algumas partes de uma série de experiências de combate violento.

Características dos Sintomas:

Sintomas depressivos, despersonalização, estados de transe analgesia e regressão etária espontânea.
Eles podem responder a perguntas de maneira incorreta e aproximada por exemplo:
( 2+2 = 5). Disfunção sexual Prejuízo no trabalho, ou relacionamentos interpessoais, automutilação, impulsos agressivos, impulsos e atos suicidas. Também podem ter sintomas do Transtorno de Humor ou Transtorno de personalidade.

Outros Fatores Importantes para o Diagnóstico:

Prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes do indivíduo.

Critérios de Diagnóstico da Amnésia Dissociativa

  1. a perturbação predominante consiste de um ou mais episódios de incapacidade de recordar informações pessoais importantes, em geral de natureza traumática ou stressante, demasiadamente extensa para ser explicada pelo esquecimento normal.
    B. –
    a perturbação não ocorre exclusivamente o curso de Transtorno Dissociativo de Identidade, Fuga Dissociativa, Transtorno de Stress Pós-Traumático, Transtorno de Stress Agudo ou Transtorno de Somatização, nem se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (por ex: droga de abuso, medicamentos), de uma condição neurológica ou de outra condição médica geral (por ex: transtorno amnéstico devido a traumatismo craniano).
    C. –
    os sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

Curso

A Amnésia Dissociativa pode apresentar-se em qualquer grupo etário de crianças pequenas a adultos. A principal manifestação, na maioria dos indivíduos, é uma lacuna retrospectiva na memória. A duração relatada dos eventos para os quais existe a Amnésia pode ser de minutos a anos. Apenas um único episódio de amnésia pode ser relatado embora dois ou mais episódios também sejam habitualmente descritos. Os indivíduos que tiveram um episódio de Amnésia Dissociativa podem estar predispostos ao desenvolvimento da amnésia a situações traumáticas subsequentes.

A Amnésia Aguda pode resolver-se espontaneamente após o indivíduo ser removido das circunstâncias traumáticas com as quais a amnésia estava associada (por exemplo: um soldado com amnésia localizada após vários dias de intenso combate pode recuperar espontaneamente a memória destas experiências após ser removido do campo de batalha). Alguns indivíduos com amnésia crónica podem recordar gradualmente as lembranças dissociadas; outros podem desenvolver uma forma crónica de amnésia.

Fonte: br.tripod.com

Amnésia

A amnésia é um distúrbio de memória que faz com que o indivíduo perca tudo o que foi armazenado nos lobos frontais, temporais e parientais ao longo de sua vida. A perda de memória pode ser parcial, quando o indivíduo temporariamente permanece sem se recordar do seu passado; ou total, quando não mais se recorda e não mais existem possibilidades de haver recordação do passado.

A amnésia normalmente é provocada por algum tipo de doença neurológica degenerativa ou por problemas relacionados às partes do cérebro responsáveis pelo armazenamento de informações e vivências como o alcoolismo, drogas, traumas físicos como acidentes onde a cabeça é afetada, encefalite, derrame cerebral e outras.

Esse distúrbio pode ser dividido a partir de sua causa como:

Amnésia anterógrada
Amnésia retrógrada.

Amnésia Anterógrada

Esta forma de amnésia é aquela subseqüente de um trauma cerebral, a pessoa tem dificuldade ou incapacidade de se lembrar de eventos recentes, mas consegue se lembrar, quase que perfeitamente, de eventos ocorridos antes do trauma cerebral.

Amnésia Retrógrada

Nesta outra forma de amnésia ocorre o inve r s o da amn é s i a ant e róg r a d a , p o r q u e a pessoa c o n s e gue se lembrar de eventos posteriores ao trauma, mas não consegue se lembrar de eventos anteriores podendo ser a dias ou semanas.

Tipos de Amésia

Amnésia global transitória
Amnésia psicogênica
Síndrome de Korsakoff
“Apagão” alcoólico
Amnésia Pós-Operatória.

Amnésia Global Transitória

Nessa situação a amnésia dura algumas horas, não ultrapassando um dia, e a recuperação é completa. O indivíduo tem comportamento normal, porém não retém nenhuma informação na memória dessa pessoa depois da recuperação. A causa desse problema não está, ainda, totalmente esclarecida, parecendo estar ligada à isquemia transitória afetando as partes internas do lobo temporal. Essa patologia tem curso benigno, durante o episódio, ou seja, tem amnésia anterógrada completa, permanecendo uma lacuna, sendo excepcional um segundo episódio.

Amnésia Psicogênica

A amnésia psicogênica é uma amnésia temporária que ocorre devido a traumas psicológicos e pode ser tanto anterógrada(dificuldade para se lembrar de fatos recentes) quanto retrógrada(dificuldade para se lembrar de fatos anteriores ao trauma), a memória quase sempre volta dias após do começo da amnésia, em raros casos, o paciente perde a memória de alguns “trechos” de sua vida permanentemente.

Síndrome de Korsakoff

A síndrome de Korsakoff é uma encefalopatia e é um tipo de amnésia grave, a principal causa é o alcoolismo, o que causa a falta de Vitamina B1 (tiamina) no cérebro, e esse é o motivo pelo qual a síndrome ocorre; seus sintomas podem ser a incapacidade de reter novos acontecimentos na memória.

Amnésia

Por exemplo, a pessoa consegue fazer exercícios que tinha aprendido antes da doença mas não conseguem aprender a fazer nenhum exercício novo, como por exemplo, a professora do filme “Como se Fosse a Primeira Vez” (foto acima). Quando é causada pelo alcoolismo, seus sintomas são basicamente neurológicos (movimentos descoordenados, perda de sensação dos dedos das mãos e dos pés).

Amnésia Alcoólica

Nesse tipo a pessoa apresenta amnésia sem a perda da consciência. A pessoa alcoolizada conversa e pode fazer exercícios físicos normalmente, mas quando o efeito da bebida alcoólica passar não se lembrará de nada que ocorreu durante o momento em que esta pessoa estava alcoolizada. Esse tipo de amnésia ocorre principalmente em pessoas que bebem excessivamente bebidas alcoólicas ou em pessoas que bebem socialmente, ou não bebem e beberam bebidas alcoólicas excessivamente, essa síndrome tem efeito maior quando a pessoa alcoolizada está com muita fome/sede ou bebeu rápido demais.

Amnésia pós-operatória

Há cerca de 50 anos, um neurocirurgião americano, para poder tratar um paciente com crises convulsivas que não melhorava com remédios, fez uma cirurgia retirando, de ambos os lados, certas partes do lobo temporal (hipocampo e porção medial). Esse paciente obteve um controle das crises, mas ficou com amnésia anterógrada muito intensa e, até hoje, põe-se em dúvida se o benefício obtido valeu pelo déficit adquirido. Quanto à lembrança de fatos e conhecimentos anteriores à cirurgia, esse paciente não sofreu alteração.

Existem vários outros tipos de distúrbio, porém esses são os mais conhecidos e/ ou ocorridos. A amnésia é descoberta quando um especialista estuda a relação do indivíduo com traumas, doenças, álcool, drogas, medicamentos consumidos e outros que podem induzir o problema.

Após detectar o distúrbio, o indivíduo deve utilizar alguns mecanismos que lhe auxilie a lidar com o problema. A reabilitação cognitiva é uma boa iniciativa.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico normalmente é necessário se existiram traumas ou enfermidades na região do cérebro recentemente e, caso tenha ocorrido, é recomendável consultar um médico para diagnosticar a doença; o tratamento depende da causa e do tipo de amnésia, geralmente sendo tratamentos que auxiliem o paciente a lidar os distúrbios na memória. A amnésia global transitória pode ser apenas temporárias não havendo seqüelas ou perda permanente de memória, mas outros tipos de amnésia (causadas por graves traumas cerebrais e etc.), podem ser permanentes.

Prevenção

A prevenção da amnésia é, basicamente, evitar traumas na região do cérebro.

Algumas dicas para prevenção da amnésia:

Usar capacete ao andar de moto, usar cinto de segurança ao dirigir automóveis (evitando traumas físicos)
Evitar beber bebidas alcoólicas e não usar drogas
Tratar rapidamente enfermidades cerebrais para amenizar danos.

Antes e Depois: Amnésia Retrógrada e Amnésia Anterógrada

Pode ser difícil reconhecer as causas e os efeitos da amnésia. Para uma pessoa, ela pode apagar alguns minutos de memória. Para outra, uma vida inteira pode desaparecer. Dessa forma, além de definir a amnésia pela causa – lesão cerebral ou trauma psicológico – os médicos caracterizam a amnésia pelo tipo das memórias perdidas.

A Amnésia Retrógrada é a incapacidade de se lembrar do passado. A Amnésia Anterógrada é a perda da habilidade de criar novas memórias e absorver novas informações.

A amnésia anterógrada, a mais comum das duas, está associada à lesão no hipocampo. Com ela, não é possível transformar novas informações sensitivas em memórias de longo prazo. Por exemplo, a perda de consciência induzida pelo álcool é um tipo de amnésia anterógrada neurológica. O excesso de álcool impede que as vias neurais no cérebro formem novas memórias enquanto estão intoxicadas. As pessoas que sofrem de perda de consciência podem falar e interagir normalmente, mas na manhã seguinte não se lembrarão de nada.

A amnésia retrógrada ataca primeiro as memórias mais recentes. Quanto mais grave o caso, maior a extensão da perda de memória. Esse padrão de destruição das memórias mais novas antes das antigas é chamado de lei de Ribot. Isso acontece porque as vias neurais das memórias mais novas não são tão fortes quanto as mais antigas, fortalecidas por anos de recuperação.

A amnésia retrógrada geralmente segue uma lesão nas áreas do cérebro além do hipocampo, pois as memórias de longo prazo são armazenadas nas sinapses de diferentes regiões cerebrais.

Por exemplo, a lesão na área de Broca, que armazena as informações da linguagem, provavelmente causaria perda de memória relacionada à linguagem.

Com as amnésias retrógrada e anterógrada, é importante entender que a memória das pessoas que normalmente é perdida é a memória explícita, ou episódica. Os pacientes com amnésia mantêm sua personalidade e identidade, além de sua memória implícita, ou processual. Isso porque sua coordenação motora e suas memórias físicas instintivas – como andar de bicicleta – são armazenadas separadamente de suas memórias episódicas. O hipocampo processa inicialmente os dois tipos, mas as memórias episódicas seguem para o córtex, enquanto as memórias processuais vão para o cerebelo.

DINAMEIRY BACELAR FERREIRA

Fonte: www.oanapolis.com.br

Amnésia

Amnésia – Causas e Tipos

A amnésia é caracterizada por um distúrbio de memória que pode ser parcial ou total. Ela faz com que o indivíduo perca parte ou tudo do que foi armazenado nos lobos parietais e frontais do cérebro ao longo de toda a vida. Esse ocorrido pode ser temporário, ou seja, o paciente volta a lembrar aos poucos do seu passado; ou definitivo, quando não lembra mais nada e nem existem mais chances de isso acontecer.

Normalmente, essa enfermidade pode ser provocada por algum tipo de doença neurológica degenerativa ou também por problemas relacionados a partes específicas do cérebro, responsáveis pelo armazenamento de lembranças e situações adquiridas durante a vida. Nesse último caso, o indivíduo pode desenvolver a amnésia por conta de consumo exagerado de drogas, bebidas alcoólicas ou por se envolver em algum tipo de acidente que acometa alguma região do cérebro.

Os tipos de amnésia são divididos de acordo com essas possíveis causas:

  1. Amnésia Anterógrada: Esse tipo de perda de memória é caracterizado pela lembrança perfeita de acontecimentos antigos e perda total das lembranças mais recentes.
    2. Amnésia Retrógrada:
    Esse é o oposto da amnésia Anterógrada, ou seja, o paciente consegue se lembrar apenas dos fatos que aconteceram recentemente e não possui nenhuma lembrança de situações passadas.
    3. Amnésia Global
    : Como o próprio nome diz, esse tipo de amnésia é a união das características da amnésia anterógrada e da retrógrada. Isso significa que o indivíduo não possui muitas lembranças das memórias recentes ou antigas, dificultando o diagnóstico da doença. Estudiosos acreditam que esse bloqueio global ocorre graças a algum trauma, ou seja, quando a nossa própria mente bloqueia determinadas lembranças como um mecanismo de defesa.

Depoimento e Diagnóstico

“Quando eu tinha 12 anos, sofri um acidente de bicicleta e tive traumatismo craniano. Fiquei em coma induzido por uma semana e, quando acordei, não lembrada de nada. As pessoas que viram me contam que eu chorava e gritava muito de dor, afinal, eu rachei meu crânio, literalmente. Mais de 10 anos depois, ainda não lembro de nada. Isso significa que eu, naquela época, desenvolvi um tipo de amnésia como mecanismo de defesa, o que acontece com diversas pessoas que sofrem acidentes graves. De fato, é bastante saudável não me lembrar de nada disso.”, relatou a estudante Patrícia Marques de 23 anos.

Os tipos de distúrbio de memória são muitos e a amnésia é diagnosticada quando um profissional passa a analisar a vida do indivíduo em relação ao histórico com drogas, álcool, traumas, medicamentos e outros acontecimentos. Após a detecção do problema, o paciente deve ? quando convém ? realizar tratamentos que o ajudem a lidar com o problema. Uma das opções mais indicada é a reabilitação cognitiva. Quanto à prevenção, não há muito o que fazer em relação à traumas psicológicos, mas se cuidar para evitar traumas físicos é, obviamente, sempre a melhor opção.

Fonte: oqueeh.com.br

Amnésia

Memória e esquecimento ou solidão informacional do homem contemporâneo: a metáfora do filme Amnésia

RESUMO

O filme Amnésia é analisado neste artigo num quadro de referências que evoca os conceitos de tempo, memória e informação e adota como ponto de partida as impressões dos alunos da disciplina Memória e Informação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília sobre o filme. A análise proposta busca refletir sobre as relações entre informação e memória e o seu significado na sociedade contemporânea que privilegia a rapidez, a eficácia e a eficiência da informação; que supervaloriza a informação e os meios de transmiti-las, ao mesmo tempo em que tende a torná-los – meios e informação – rapidamente obsoletos. Busca, também, compreender como os indivíduos transitam nesse paradoxo de abundância de registros informacionais e as dificuldades de lhes atribuir algum sentido; da impotência do sujeito que perdeu a memória e o instinto e parece deslocado temporal, social e espacialmente.

Como vou cicatrizar, se não posso sentir o tempo? Leonard Shelby, protagonista de Amnésia

Mas como é que pôde acreditar nisso, ou ter feito aquilo? Os fatos são fáceis. Difíceis de apreender são as atmosferas que os tornam possíveis Doris Lessing, Debaixo da minha pele

1 Introdução

Privilegiando a rapidez, a eficácia e a eficiência, que papel/lugar a sociedade contemporânea reserva à memória e à informação? Ao supervalorizar a informação e os meios de transmití-las, tende-se, hoje, a torná-los (meios e informação) rapidamente obsoletos? Atualmente, que relações podemos estabelecer, então, entre memória e informação? Como os sujeitos individuais transitam nesse paradoxo? Essas são algumas das questões norteadoras do meu curso na Pós-graduação em Ciência da Informação na Universidade de Brasília.

Um filme como ponto de partida para a discussão desses temas revelou-se uma experiência didática interessante, segundo a compreensão do cinema também como uma “metáfora ideológica” (MARTIN, 1990), no sentido de que ele vai além da ação mesma do filme, “implicando uma tomada de posição mais vasta sobre os problemas humanos” (MARTIN, 1990, p. 95), ou ainda, segundo esse mesmo autor, “[…]porque toda imagem é mais ou menos simbólica: tal homem na tela pode facilmente representar a humanidade” (MARTIN, p. 23).

Entretanto, de antemão, prevenimos os leitores de que o nosso objetivo não é uma análise semiótica ou estética, nem análise do filme como obra de arte – embora possamos recorrer a esses elementos –, mas, antes, como observou Marc Ferro (1993, p. 41, tradução nossa), a análise do filme aqui proposta é um ato que “[…]se integra ao mundo que a cerca e com a qual ele [o filme] necessariamente se comunica.”

O cinema (seja como ficção ou documentário) fornece-nos material para reflexões – de uma maneira que lhe é específica – e tem abordado temas que refletem indagações e perplexidades de uma época.

Uma safra profícua de produções cinematográficas do século XXI, oriunda basicamente dos Estados Unidos, tem-nos oferecido muitos filmes com enfoque principal em temas que há muito atormentam a humanidade: morte, ressurreição, memória, violência, loucura, velhice, tecnologia, etc. Dos mais recentes cujo tema central é a memória podemos destacar Amnésia (Memento, EUA, 2000), Violação de privacidade (The final Cult, EUA, 2004) e Como se fosse a primeira vez (50 First Date, EUA, 2004).

Embora numa abordagem mais otimista – e centrada essencialmente num drama particular e romântico – este último é simpaticamente solidário com a alteridade e a diferença. No Brasil, temos, particularmente, Nós que aqui estamos por vós esperamos (Brasil, 1998) e Narradores de Javé (Brasil, 2004). O primeiro, constituído apenas de imagens de arquivo, em preto-e-branco, consegue um efeito perturbador que evoca memórias, angústias e sonhos de uma época.

Dessa forma, precisamente porque o cinema é “[…]de todas as artes, a que melhor transmite uma impressão de realidade[…]” (METZ, 1972), acreditamos que o filme Amnésia (Christopher Nolan, EUA, 2000) nos ajudaria, se não a responder, ao menos a problematizar os temas anunciados no parágrafo que abre este artigo. Esse filme interessou-nos, do ponto de vista da disciplina, porque articula, metaforicamente, os conceitos de memória – logo, de tempo –, e informação, com as conseqüências decorrentes desse nexo. Ou, nas palavras do crítico de cinema Inácio Araújo, porque “[…]bons filmes costumam ter um valor metafórico de largo alcance.”(ARAÚJO, 2002).

2 A leitura inicial do filme na perspectiva dos alunos

Partir da análise do filme Amnésia para iniciar a discussão dos temas da disciplina com os alunos não pretendia atribuir-lhes, como já dito anteriormente, a tarefa de críticos de cinema. A nossa idéia inicial era que esses alunos – oriundos de cursos de graduação em História, Arquivologia, Comunicação, Ciência da Computação e Biblioteconomia – registrassem suas impressões sobre o filme num texto escrito. Este deveria ser, preferencialmente, um discurso dos alunos com base exclusivamente na percepção de cada um, mas poderia resultar, também, de leituras dos autores já indicados na bibliografia da disciplina. A maioria registrou apenas suas impressões, sem a intervenção de autores, o que tornou a experiência mais rica e instigante. Algumas impressões tornaram-se mais interessantes quando, na semana seguinte, os textos produzidos pelos alunos foram discutidos coletivamente. O que era apenas impressão poderia ser direcionado para a temática do curso, logo, para a discussão das questões relacionadas à memória e à informação no contexto da sociedade contemporânea. A nossa constatação, como professora, é que, depois desse filme, as leituras tornaram-se mais estimulantes.

A experiência foi desenvolvida em três semestres acadêmicos (1/2003; 1/ 2004; 1/2005), quando oferecemos a disciplina na pós-graduação. Após cada semestre eu buscava sistematizar as impressões (escritas) dos alunos com as conclusões às quais chegávamos depois dos debates em sala de aula.

Eis, dentre outras, as falas dos alunos sobre o filme: a) devemos confiar nos registros escritos? b) As fontes são ou não confiáveis, independentemente do seu suporte ou origem? c) impossibilidade de memorizar o presente; d) fatos, sem lembranças, levam à manipulação; e) perda de identidade; f ) memória é referenciada no passado, presente e futuro (tempo); g) engano; h) vingança; i) preso/refém do presente, dos interlocutores e dos registros; j) perda da intuição; k) corpo apenas como veículo de informação; l) impossibilidade de dar sentido às experiências mais recentes; m) sensação de angústia (do espectador); n) descontinuidade; o) fragmentação; p) esquecimento; q) violência.

O que está em destaque no parágrafo anterior são aspectos que se repetiram nos registros de todos os alunos. Neste artigo, iremos, então, analisar essas percepções com base nas reflexões de alguns autores e recorrendo a certas passagens significativas do filme, observando que certos autores citados aqui foram discutidos em sala de aula. Este texto representa, contudo, um pensamento ainda em construção, parte de um trabalho investigativo que terá continuidade com os alunos da pós-graduação a cada novo semestre.

3 Arquivarás tua vida ou homem-memento?

Memento é o título original do filme. Segundo o Dicionário Houaiss, essa palavra deriva do latim, significando “[…] aquilo que recorda algo ou alguém; recordação; lembrança; marca ou nota que se usa para trazer alguma coisa à lembrança; caderneta para apontamentos e notas que se deseja lembrar; folheto ou livrinho em que se acha resumido o essencial de uma matéria ou assunto: resumo, sumário.” (HOUAISS, 2001, p.1890). Trata-se da história de um homem (Leonard) que perde a memória recente em função de um trauma ocasionado pelo assassinato brutal de sua mulher. Testemunha da cena, ao tentar intervir o protagonista recebe um golpe violento na cabeça o que compromete suas funções mnemônicas para informações novas. Desde o episódio, Leonard busca desesperadamente o assassino, cuja identidade ele desconhece. Aparentemente, estamos diante de um clássico filme policial, no melhor estilo noir – nos quais o detetive é sempre solitário e angustiado –, não fosse a estrutura narrativa (e, claro, a montagem) que altera drasticamente a noção de tempo, contando a história de trás pra frente (não se trata apenas de flashback).

Na verdade, os títulos Amnésia e Memento complementam-se, representam bem a temática do filme ou as questões que, acreditamos, o tornam relevante como representação de uma época. Amnésia (ou Memento) – ao contar a história de um indivíduo que perde a memória recente e que para se lembrar dos fatos tatua as informações em seu próprio corpo, além de registrá-las em bilhetes, fotografias, anotações na própria mão, etc. – une, simultaneamente, a falta (amnésia) e o excesso (de mementos).

Sua atitude evoca a amarga constatação de Sócrates, num dos diálogos de Fedro, de Platão :

[…] O mito de Teuto, um deus-demônio egipício. Ao demonstrar ao rei Amon, a arte da escrita, disse: “Eis, aqui, ô rei, um conhecimento que terá como efeito tornar os egípcios mais instruídos e mais capazes de se rememorar: a memória, assim como a instrução, encontram o seu remédio.” E o rei respondeu: “[…]. Esse conhecimento terá como conseqüência para aqueles que o adquiriram, tornar suas almas esquecidas, porque eles cessarão de exercer sua memória: atribuindo sua confiança ao escrito, é de fora, graças às marcas estrangeiras, não de dentro, graças a eles mesmos, que eles se rememorarão das coisas. Não é, então, para a memória, é para a rememoração que tu descobristes um remédio[…]” (PLATÃO, 274d, tradução nossa, grifos nossos)

O protagonista move-se no filme sempre anotando e/ou fotografando.

Mas não se trata de escrever um diário. Alguém curioso – incluindo o espectador – tendo acesso a suas anotações não compreenderia nada: ele também – espectador – é jogado em cada cena como se ela somente existisse no presente.

O “[…]quase tudo, em algum momento, passa por um pedaço de papel, uma folha de bloco, uma página de agenda[…]” – ao qual se refere Artières (1998) para nos lembrar que as ações compulsivas de tudo guardar remete à vontade do indivíduo de se construir a si mesmo, de se enxergar no espelho – não cabe no personagem porque, justamente, ele não tem memória. “Arquivar a própria vida[…]”, como nos indica Artières, pressupõe uma ordenação na narrativa (1998). O nosso personagem, ao contrário, não narra, apenas registra fatos, que, para ele, se traduzem por documentos, a maioria, fotografias. “Fotografia.

Casa. Carro. Mate-o.” É assim, numa sentença curta, definitiva, que o protagonista faz as analogias, sem nuanças, entre cada termo.

Como veremos mais adiante, Leonard, não consegue transformar “dados” em “informações”. Vázquez, aprofundando as teses de Halbawchs (2004), observa, no entanto, que “[…] os fatos não estão dados, a narrativa não é elaborada mediante a seleção de acontecimentos ou fatos, mas fatos e acontecimentos se convertem em tais por meio da organização narrativa dos discursos.” (VAZQUEZ, 2001, p. 109, tradução nossa).

Encontrar o assassino vai depender se este se encontra registrado nos arquivos de Leonard, isto é, entre os documentos que ele sempre carrega consigo, incluindo um relatório de polícia ao qual, entretanto, faltam doze páginas (quem as teria arrancado?), o que compromete sua credibilidade (os documentos escritos são mais confiáveis que a memória? Para o protagonista, sim).

Tendo perdido a sua memória, Leonard somente pode contar com as informações (dados) que lhes são passadas pelos outros personagens, além dos arquivos.

Segundo Huyssen (2000) e Colombo (1991), aí residiria um dos fetiches do nosso tempo. Aterrorizados com a perspectiva do esquecimento, somos impelidos a tudo arquivar, a tudo “museologizar”, a investir nas comemorações.

O arquivo surge, então, como um “[…] contrapeso ao sempre crescente passo da mudança, um lugar de preservação espacial e temporal.” (HUYSSEN, 2000, p. 33). Bettetini (1980 apud COLOMBO, 1991, p. 92) observa que,

[…] a “sociedade da técnica” recolhe continuamente memórias, transforma tudo em signo e em testemunho: produz uma forma excepcional de arqueologia que se constitui simultaneamente com o primeiro devir das coisas, registrando-as, reproduzindo-as, duplicando-as, repetindo-as.

Esquecimento como uma reação ao excesso de informação é a tese de Huyssen (2000, p 20), segundo a qual “[…]quanto mais nos pedem para lembrar, no rastro da explosão da informação e da comercialização da memória, mais nos sentimos no perigo do esquecimento e mais forte é a necessidade de esquecer.” Num mundo de violência, tráfico de drogas, falta de solidariedade – na história em preto-e-branco, paralela, de Leonard, ele é um representante de empresa de seguro para o qual não existe compaixão pela dor do outro e cuja intuição é “ensaiada” –, não seria melhor “esquecer”? Porém, esquecer como, se a violência permanece como marca e como recordação, a mais forte de todas? Como compreender a dimensão dessa violência se, diante dos arquivos – pessoais e institucionais –, ele (nós) perdeu (emos) a capacidade de lhes dar outro sentido?

4 Leonard somos nós?

A opção radical do diretor tem uma razão: é preciso que o espectador se identifique com o tipo de amnésia do protagonista que, após o crime, tem alterada a sua percepção do presente, o que parece comprometer, também, a sua percepção de passado e futuro.

Essa opção narrativa torna os espectadores cúmplices do drama de Leonard: não é somente o protagonista que está perdido na história, nós todos o acompanhamos.

Daí a identificação dos meus alunos com o sentimento de angústia do protagonista: como ele, os alunos declararam não saber em quem ou no quê acreditar. Isso dá ao filme a sua dimensão social, da perda de memória como um fenômeno coletivo, mais que um drama individual. Nessa perspectiva, tudo parece indicar que, na verdade, o que menos importa no filme é a identidade do assassino – ou mesmo se houve um assassinato –, mas o jogo confuso que se estabelece entre o protagonista, os outros personagens e nós, espectadores, todos envolvidos numa trama além das aparências. Assim, a narrativa transforma o que poderia ser apenas um drama individual, um suspense policial, num mal-estar coletivo, ou o “mal-estar no século XXI”, segundo Ribeiro (2000) evocando Freud.

Eis a metáfora essencial à qual fizemos alusão no título deste artigo.

O cenário do filme é mais um personagem e remete-nos às cidades que parecem, elas também, sem memória, um “não-lugar” como quer a globalização dominante: um quarto de hotel, como tantos à beira-estrada. A certa altura, cansado de vagar por entre espaços que lhe são indiferentes, Leonard diz que “gostaria de ter uma casa”. Além da violência que o liga a um passado que se lhe afigura fragmentado, o seu desejo o remete ao que ainda pode ser humano e suave.

Sua casa e alguns objetos que lhe fazem lembrar de sua mulher: uma escova de cabelos e um livro. “Nosso entorno material leva ao mesmo tempo nossa marca e a dos outros”, nos diz Halbwachs (2004). Ruas desoladamente vazias onde reinam apenas os automóveis e o que eles simbolizam da vertigem de velocidade, radicalizada pelas invenções tecnológicas do século XX das quais, paradoxalmente, o cinema faz parte.

Finalmente, todos os personagens, assim como o protagonista, parecem solitários e o único laço que os aproxima e os une é aquilo que, de certa forma, pode ser entendido como uma marca das sociedades contemporâneas: a violência.

Essa constatação encontra eco em Huyssen (2001, p. 31) quando afirma que “[…] as memórias do século XX nos confrontam não com uma vida melhor, mas com uma história única de genocídio e destruição em massa, a qual, a priori, barra qualquer tentativa de glorificar o passado”. A ausência de alteridade, a não solidariedade com o sofrimento de outrem, é outro aspecto interessante do filme que o alça à categoria de representação de uma época, ou de um século que se anuncia violento, já no seu alvorecer, com o 11 de setembro.

Finalmente, o protagonista, como os espectadores, não sofre de falta de informações. Fatos (ou dados) se superpõem a todo instante e são obsessivamente registrados por Leonard (e por nós, espectadores, claro) e são “complementados” pelas versões dos outros personagens, por documentos oficiais. A tudo isso, o protagonista acrescenta o registro fotográfico, uma maneira de o diretor problematizar a presunção de verdade da fotografia, como assinalam, dentre outros, Kossoy (1989) e Sontag (2004). O poder de realidade da fotografia é anunciado com mais precisão no conto Memento Mori, de Jonathan Nolan, por meio de um diálogo interior (simplificado no filme) do personagem central,

Você esteve lá, disso pode ter certeza. É para isso que serve a foto – aquela pregada à parede ao lado da porta. Não é usual tirar fotos em funeral, mas alguém, seus médicos, suponho, sabiam que você não se lembraria. Eles a ampliaram bastante e a puseram bem aí, próxima à porta, de forma que você não pudesse deixar de olhá-la sempre que se levantasse para procurá-la. (NOLAN, 2001, p. 4)

Ainda no filme, logo no início, o protagonista aparece fazendo uma fotografia, não por acaso, em Polaroid: é o instantâneo, o efêmero introduzindose na narrativa. Mas, para o protagonista, é um “fato” – um dentre outros – que, na ausência de memória, ele deverá guiar-se na busca pelo assassino de sua mulher.

Curiosamente, o efeito de verdade da fotografia é recusado numa cena em que o personagem de nome Teddy ou John G. é fotografado por Leonard. “Bela foto.

Eu pareço magro”, diz Teddy, reafirmando o que nos lembra Berger (1999), isto é, que “[…] uma imagem é uma cena que foi recriada ou reproduzida.” Lembremo-nos, por outro lado, da ilusão fotográfica já anunciada por Michelangelo Antonioni no intrigante filme Blow Up, de 1966.

5 As informações e a ausência de sentido

O nosso personagem tatua seu próprio corpo, anota, fotografa, obtém informações “oficiais”. Mas, afinal, que significado tem a informação para quem perdeu a memória – pelo menos, parte dela? Vejamos o conceito de informação, na perspectiva da filosofia da informação. Para Iharco (2003, p.9), a informação, no sentido fenomenológico, deve ser entendida como “[…] um fundamento da ação, da comunicação e da decisão, e, também, como manifestação primitiva e fundamental.” Na direção apontada pelo autor, o sujeito que apreende a informação é determinado pelo seu passado, pois, segundo ele, “[…] no mundo, já envolvidos, ajustados ou em ajustamento a cada situação e aos outros, atuamos intuitivamente com base naquilo que para nós próprios e conforme ao que nós mesmos somos, funcionou no passado.” (ILHARCO, 2003, p.41). Complementando, Ilharco diz que “[…] ver é determinante e é determinante para a ação, mas o que vemos depende do que somos, por isso, depende do que vimos, do que soubemos e do que sabemos.” (ILHARCO, 2003, p. 88).

Ou seja, o caráter “formativo” da informação supõe um sujeito que lhe dá sentido. Nessa direção, a diferença entre “dado” e “informação” deve ser destacada: a “[…] informação é um dado provido de sentido no processo de comunicação.” (LAMIZET; SILEM, 1997, p. 297, tradução e grifos nossos). E uma parte essencial desse dar sentido reside na memória, como assinalado por Arendt (1988),

[…] o “acabamento” que de fato todo acontecimento vivido precisa ter nas mentes dos que deverão depois contar a história e transmitir seu significado deles se esquivou, e sem este acabamento pensado após o ato e sem a articulação realizada pela memória, simplesmente não sobrou nenhuma história que pudesse ser contada. (ARENDT, 1988, p. 32, grifos nossos)

O filósofo Henri Bergson (1999) associa as tomadas de decisão do indivíduo à sua capacidade mnemônica, isto é, à memória, que “[…] tem por função primeira evocar todas as percepções passadas análogas a uma percepção presente, recordar-nos o que precedeu e o que seguiu, sugerindo-nos assim a decisão mais útil.” (BERGSON, 1999, p.266). Ou, como sintetizado por Abagnano (1998, p. 658), referindo-se à concepção de memória de Bergson, o ser que tem memória “[…] conserva seu passado e o atualiza no presente[…]” e tem, “[…]por conseguinte, história e tradição.” Bougnoux (1999), por sua vez, ressalta que,

[…] um organismo, enquanto está vivo, não se deixa encadear a seu meio ambiente por relações mecânicas ou de tipo estímulo-resposta […], ele o interpreta, e essas relações ditas semióticas qualificam, em suma, o que se chama informação, cujo valor coincide também com nosso grau de liberdade. (BOUGNOUX, 1999, p.140, grifo nosso)

Da mesma forma, segundo Colombo (1991), faz parte do humano a capacidade que ele denomina “[…] ativação preventiva do esquecimento […]” que nada mais é do que “[…] decidir, diante de um conjunto de dados, eventos ou informações, quais devem ser privilegiados e quais podem ser abandonados ao possível cancelamento.” (COLOMBO, 1991, p. 89). O problema é que a faculdade de interpretar e o grau de liberdade do protagonista estão comprometidos pela falta de memória. Ele está, como notaram os meus alunos, “refém” de um presente sobre o qual não tem controle.

Amnésia provavelmente não seria tão desconcertante e envolvente se contasse uma história de forma linear. Cada cena testemunhada pelo espectador é imediatamente apresentada em retrospectiva e o que se vê parece contradizer o que “nossos olhos viram” há pouco. Nesse sentido, mais do que o protagonista – que perdeu a capacidade de avaliar se o que ele anotou, fotografou, registrou é verdadeiro –, o espectador (que, em tese, não perdeu a memória), se angustia por não saber, o que é, de fato, verdade. Entretanto, todos os “fatos” estão lá: as anotações, as informações dos outros personagens, as fotografias, os relatórios, etc.

6 A título de conclusão

A memória é um processo dinâmico e conflituoso e que está fortemente ligado a cenários sociais e comunicativos. A ação mnemônica compreende assim um processo comunicacional. É no quadro das relações que se constroem as memórias e é nele, por meio da linguagem, que as lembranças são evocadas. As memórias são tributárias umas das outras – simultâneas e precedentes –, assim como da história e da cultura de uma sociedade (VÁZQUEZ, 2001). Esse autor, retomando Halbawchs, nos lembra ainda que “[…] não existe memória sem vida social, tampouco existe vida social sem memória.”

Por outro lado, a dimensão temporal é fundamental para a vida social (VÁZQUEZ, 2001, p. 103, tradução nossa). Ainda que a marcação do tempo tenha sido construída, ela já existe na própria natureza (divisão entre dia e noite) e, em algum momento, essa construção foi objeto de um consenso social (HALBAWCHS, 2004). Assim, a expressão “viver no tempo”, remete à idéia de um contexto organizado e que dá sentido às experiências, individuais ou coletivas.

Finalmente, segundo Le Goff (1997, p. 46), “a memória é um elemento essencial do que se costuma chamar identidade, individual ou coletiva, cuja busca é uma das atividades fundamentais dos indivíduos e das sociedades de hoje.” Duas passagens do filme representam bem essas afirmações. “Sua história me ajuda a entender a minha”, diz Leonard a um dos personagens. No final do filme, ele murmura que “nós todos precisamos de espelhos”. Assim, Amnésia parece representar bem esse mundo “agitado e conturbado” da “sociedade da informação”, a um tempo “[…] intrinsecamente manipulado e impossível de ser totalmente manipulado.” (DEMO, 2000, p. 41).

Ainda há algum sinal de discernimento num indivíduo que reflete: “nós todos precisamos de espelhos.”

Georgete Medleg Rodrigues

Referências

ABAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
AMNÉSIA (Memento). Direção: Christopher Nolan. Produção: Jennifer Todd, Suzanne Todd. Intérpretes: Guy Pearce, Carrie-Anne Moss, Joe Pantoliano e outros.
Roteiro: Christopher Nolan. Música: David Julyan. EUA, 2000, Paris Filmes e Newmarket, DVD (115 min), color. Produzido e distribuído por Videolar S/A. Baseado no Conto “Memento Mori”, de Jonathan Nolan.
ARENDT, Hannah. A quebra entre o passado e o futuro. In: _______. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1988.
ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998.
BERGER, John. Modos de ver. Trad. Lúcia Olinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
BERGSON, Henri. Matéria e memória. Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Trad. Paulo Neves. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
BOUGNOUX, Daniel. Introdução às ciências da comunicação. Trad. Maria Leonor Loureiro. Bauru: EDUSC, 1999.
COLOMBO, Fausto. Os arquivos imperfeitos: memória social e cultura eletrônica.Trad. Beatriz Borges. São Paulo: Perspectiva, 1991.
DEMO, Pedro. Ambivalências da sociedade da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.29, n.2, p. 37- 42, maio/ago. 2000.
FERRO, Marc. Cinéma et histoire. Paris: Gallimard, 1993.
HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Laís Teles Benoir. São Paulo: Centauro, 2004.
HOUAISS, Antônio. Dicionário da Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória. Tradução Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.
IZQUERDO, Ivan. Os labirintos da memória. Ciência Hoje, São Paulo, v. 25, n.148, p. 39-43, abr. 1999.
JAFFARD, Robert. A diversidade da memória. Viver. Mente & Cérebro, São Paulo, n. 2, 2005. Especial Memória.
KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Ática, 1989.
LE GOFF, Jacques. Memória. In: ROMANO, Ruggiero (Dir.) Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1997, p. 11-51.
METZ, Christian. A significação no cinema. Trad. Jean-Claude Bernadet. São Paulo: Perspectiva, 1972.
NOLAN, Jonathan. Memento Mori. Trad. Victor Aiello Tsu. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 ago. 2001, Caderno Mais! PLATÃO. Fedro. Trad. Juan David García Bacca. Cidade do México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1945, p. 243.
RIBEIRO, Gustavo Lins. Cultura e política no mundo contemporâneo. Brasília: Editora da UnB, 2000.
SONTAG, Susan. Sobre fotografia. Trad. Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Fonte: www6.ufrgs.br

Amnésia

Atenção e Memória

A Atenção é uma atitude mental onde a atividade psíquica é concentrada sobre um estímulo específico

Uma maneira importante pela qual a percepção se torna consciente é através da Atenção que, em essência, é a focalização consciente e específica sobre alguns aspectos ou algumas partes da realidade. Assim sendo, nossa consciência pode, voluntariamente ou espontaneamente, privilegiar um determinado conteúdo e determinar a inibição de outros conteúdos vividos simultaneamente. Portanto, reconhece-se a Atenção como um fenômeno de tensão, de esforço, de concentração, de interesse e de focalização da consciência.

Atenção pode sofrer alterações em todos os transtornos mentais e emocionais. Mesmo quando não existam alterações psíquicas tão evidentes, como é o caso da ansiedade simples, a Atenção pode apresentar oscilações. Uma série de fatores intra-psíquicos pode modificar a sua eficácia da Atenção mesmo dentro dos limites da normalidade. Vários estados emocionais podem alterar a capacidade de Atenção, ora alterando sua intensidade, ora alterando sua tenacidade ou sua vigilância. Sob a influência de determinados alimentos, de bebidas alcoólicas e de substâncias farmacológicas, a Atenção também pode experimentar alterações em seu rendimento e em sua eficiência.

A Memória, no sentido estrito, pode ser entendida como a soma de todas as lembranças existentes na consciência, bem como as aptidões que determinam a extensão e a precisão dessas lembranças . De modo geral a Memória necessita de duas funções neuropsiquícas fundamentais; a capacidade de fixação, que é a função responsável pelo acréscimo de novas impressões à consciência e graças à qual é possível adquirir novo material mnemônico, e a capacidade de evocação, ou reprodução, pela qual os traços mnêmicos são revividos e colocados à disposição livremente da consciência.

A Atenção pode ser entendida como uma atitude psicológica através da qual concentramos a nossa atividade psíquica sobre um estímulo específico, seja este estímulo uma sensação, uma percepção, representação, afeto ou desejo, a fim de elaborar os conceitos e o raciocínio. Portanto, de modo geral a Atenção parece criar a própria consciência.

Alguns autores consideram a Memória em si, um processo puramente fisiológico, enquanto a fixação e a evocação mnêmicas das lembranças seriam atos psíquicos e vividos pelo indivíduo.

Para que uma lembrança seja eficaz é indispensável a compreensão do objeto sobre o qual se polariza a Atenção, condição essa que depende da afetividade e do interesse. Kraepelin já afirmava a lembrança poderia persistir por mais tempo quanto mais claramente (mais compreensivamente) se percebia o estímulo original e quanto mais numerosas e intensas fossem suas ligações com o resto do conteúdo da consciência. Portanto, as lembranças perduram por mais tempo quanto mais são reforçadas pela repetição.

A Memória como Parte Importante da Consciência

Para estudar os mecanismos da memória é didático fazer analogia com o mecanismo dos computadores.

Tal como os os computadores, nossa mente está equipada com dois tipos básicos de memória: a memória imedita (de trabalho) para tratar a informação do presente momento, e a memória de longo prazo, usada para arquivar durante longo tempo.

Ao contrário do que se pode pensar, nosso cérebro não está continuadamente registando tudo que nos acontece para, num segundo momento, selecionar e apagar o que não é importante. A maior parte dos estímulos com os quais estamos lidando permanece por um brevemente tempo na memória, mais precisamente, na memória imediata ou de trabalho. A analogia que se faz com o computador é com a chamada memória RAM, ou seja, com a memória de acesso aleatório da máquina (Random Access Memory).

Depois de algum tempo esses estímulos trabalhados pela memória imediata se evaporam dando lugar à outros. A memória imediata nos permite realizar os cálculos de cabeça, permite reter números de telefone durante algum tempo, permite continuar um diálogo baseado no início da conversa, permite saber o nome do interlocutor durante algum tempo (diretamente proporcional à importância deste para nós).

Continuando nossa analogia, podemos dizer que a memória de longo prazo seria como o disco rígido do computador, registando fisicamente as experiências passadas na região do cérebro designada córtex cerebral. A córtex, ou a camada exterior do cérebro, contém aproximadamente dez bilhões de células nervosas, as quais se comunicam intensamente trocando impulsos eléctricos e químicos.

Sempre que um estímulo atinge nossa consciência, seja uma imagem, som, ideia, sensação, etc., ativa-se um conjunto destes neurônios, modernamente chamado de “assembléia neuronal“. A teoria baseada nas assembléias neuronais representa um modelo muito convincente para a formulação de uma hipótese a respeito da construção da consciência. Segundo essa teoria, o pensamento consciente é gerado quando vários neurônios de diversas colunas se unem funcionalmente e, atuando harmonicamente e em conjunto, constroem uma assembléia, iniciando assim a formação de um determinado estado consciente. Depois desse novo estado de consciência esses neurônios do conjunto que participou do estímulo nem sempre retomam o estado original. Eles costumam fortalecer as ligações uns com os outros, tornando-se mais densamente interligados.

Quando isso acontece constroi-se uma memória consciente, e o que quer que estimule essa rede ou assembléia trará de volta a percepção inicial sob a forma de recordação. O que entendemos como recordações são, afinal, padrões de ligação entre células nervosas. Uma recordação recém-codificada pode envolver milhares de neurónios abarcando todo o córtex.

Segundo a teoria dos conjuntos de células envolvidas na consciência e memória, os neurônios são capazes de se associarem rapidamente, formando grupos (assembléias) funcionais para realizarem uma determinada tarefa ou apreenderem um determinado estímulo. Uma vez que esta tarefa esteja terminada, o grupo se dissolve e os neurônios estão novamente aptos a se engajarem em outras assembléias, para cumprirem uma nova tarefa . Portanto, esse conjunto, rede ou assembléia de neurônios dilue-se, caso não seja reutilizada, mas, se a ativarmos repetidamente, o padrão de ligações incorpora-se cada vez mais nos padrões de nossos tecidos nervosos.

É devido a essa organização e dissolução dinâmica das assembléias neuronais que podemos comparar a atividade mnêmica fugaz com a memória RAM do computador. Há, ainda, um aspecto quantitativo acerca dessa assembléia neuronal, segundo a qual, quanto maior o número de neurônios recrutados, maior será o tamanho dessa assembléia e, em conseqüência, maior será a recém criada consciência ou memória, em termos de intensidade e tempo de duração.

Contrariamente, se for pequeno o número de neurônios recrutados, a memória resultante será pequena em intensidade e duração.

Os estímulos são registrados na memória de longo prazo mediante repetição ou através de sua carga afetiva. Enquanto a decisão de armazenar ou diluir uma informação possa ser voluntária, a eficácia dessa memorização nem sempre depende de nossa vontade. A eficácia da memória, e indiretamente da consciência que se tem do vivido, é um atributo automático do hipocampo.

O hipocampo é uma pequena estrutura bilobular alojada profundamente no centro do cérebro. Tal como o teclado do nosso computador, o hipocampo é como uma espécie de posto de comando. À medida que os neurónios do córtex recebem informação sensorial, transmitem-na ao hipocampo. Somente após a resposta do hipocampo é que os neurónios sensoriais começam a formar uma rede durável (assembléia). Sem o “consentimento” do hipocampo a experiência desvanece-se para sempre.

É aqui que entra a carga afetiva necessária para que o estímulo se fixe na memória de longo prazo. A atitude de “consentimento” do hipocampo parece depender de duas questões. Primeiro, a informação tem algum significado emocional, portanto, tem que ter alguma importância afetiva. O nome de uma pessoa muito atraente tem mais probabilidade de conseguir “autorização” do hipocampo para se fixar no “disco rígido” de nosso computador, do que o nome do jornalita que escreve o obituário do jornal. É assim que nossa consciência se constrói, sempre em conformidade com nossos próprios interesses emotivos.

A segunda atitude do hipocampo é uma imediata analogia, ele avalia é se a informação que está chegando no cérebro tem relação com alguma coisa que já esteve por ai, ou que já sabemos. Ao contrário do computador, que armazena separadamente os fatos relacionados, o cérebro procura constantemente fazer associações. Se o estímulo recém chegado tem alguma relação ou correspondência com algum material já armazenado, esse novo fato terá mais facilidade de agregar-se ao dinamismo psíquico. Em suma, usamos as assembléias elaboradas pela experiência passada para captar novas informações.

Através da formação continuada de assembléias neuronais os fenômenos conscientes se sucedem continuamente, cada um diferindo dos demais em duração e intensidade, de acordo com o tamanho das assembléias. Esse dinamismo faz com que a substituição de uma vivência consciente pela que se segue seja muito rápida, conferindo à consciência seu aspecto de continuidade. Aqui devemos lembrar que, também continuadamente, o hipocampo vai selecionando o que fica na memória de longo prazo e o que pertence apenas à memória imediata.

Assim, forma-se uma assembléia neuronal e, numa ínfima fração de tempo, a consciência da vivência se formaria. Essa consciência seria recém formada a partir da mobilização simultânea de um determinado número de neurônios por um período de tempo variável e, imediatamente depois de terminada sua função, seria substituída por outra assembléia (consciência), depois por outra e assim sucessivamente.

Esses arranjos neuronais obedecem uma estrutura muito pessoal que, em seu conjunto, acabam por corresponder (ou contribuir para) ao perfil afetivo e sensibilidade de cada um e, quem sabe até, para a vocação de cada um. É por isso que um mesmo quadro pode impressionar diferentemente as várias pessoas que o observam; alguns se sensibilizam com as tonalidades, outros com o tema, outros até com a combinação quadro-moldura, outros só conseguem memorizar o preço e assim por diante.

Podemos constatar essa experiência facilmente retirando o quadro da vista das pessoas e pedindo para elas descreverem o que viram: … cores fortes…. tema triste…. muito grande…. deve valer muito… e assim por diante.

Assim sendo, as condições capazes de perturbar o hipocampo acabam por prejudicar a memória e, conseqüentemente, a integração da consciência. A Doença de Alzheimer destrói gradualmente esse órgão, portanto, destrói a capacidade para formar novas memórias. O envelhecimento normal também pode causar danos mais sutis. Alguns estudos sugerem que a massa encefálica decresce, a grosso modo e variavelmente, de cinco a dez por cento a cada dez anos.

Exceto em casos mais patológicos, como por exemplo na Doença de Alzheimer ou nos problemas vasculares, a idade por si só parece não perturbar a nossa memória significativamente. A idade, quando muito, torna as pessoas um pouco mais lentas e menos precisas e, embora as médias apontem para o declínio com a idade, alguns octogenários continuam mais incisivos e rápidos que os adolescentes.

Evidentemente existem circunstâncias clínicas capazes de prejudicar o rendimento da memória ao longo dos anos. A pressão sanguínea elevada cronicamente pode prejudicar a função mental. Alguns estudos constatam que ao longo dos anos, as pessoas hipertensas perdem duas vezes mais capacidade cognitiva que aqueles que apresentam tensão sanguínea normal. Também o excesso de álcool ou o funcionamento deficiente da glândula tiróide, assim como a depressão, a ansiedade e a simples falta de estímulo estão associados ao prejuízo da memória.

O Estresse e a Memória

Atualmente um novo problema parece estar associado ao desgaste da capacidade de fixação. É o excesso ou sobrecarga de informação.

As informações dos tempos modernos chegam até nós através dos mais variados meios: jornal, revista, rádio, televisão, cinema, fax, carta, e-mail, internet, escola, cursos, etc… Muitas vezes essa avalanche de informações superam nossa capacidade de apreensão eficaz.

Essa dificuldade de apreensão e, conseqüentemente, de memorização tem muito a ver com o estresse por excesso de estimulação e solicitação. Evidentemente, em curto prazo o estresse até habilita nosso cérebro a reagir mais prontamente aos estímulos, sendo essa a função primária da ansiedade do estresse. Em longo prazo, entretanto, o desgaste supera a eficiência.

Algumas pesquisas na área do estresse calculam que, ao fim de cerca de 30 minutos, os hormônios do estresse (adrenalina e cortizona) começam a desativar as moléculas que transportam glucose para o hipocampo, deixando assim essa parte do cérebro com pouca energia.

Depois de períodos mais longos, os hormônios do estresse podem acabar comprometendo seriamente as ligações entre neurónios e fazendo o hipocampo reduzir ao máximo sua ação, tal como uma espécie de atrofia funcional. Esta espécie de atrofia funcional é reversível se o estresse for curto, mas um estado de estresse que demora meses ou anos, pode acabar inutilizando definitivamente neurónios do hipocampo.

Como vimos acima, quem garante a eficácia da memória, indiretamente da consciência que se tem do vivido, é um atributo automático do hipocampo, portanto, havendo dano dessa estrutura cerebral a capacidade de fixação mnêmica estará prejudicada.

O Estrogênio e a Memória

As pesquisas que relacionam o estrogênio (hormônio feminino) com a memória foram estimuladas indiretamente, partindo da observação de que as mulheres que tomavam estrogênio reduziam o risco de contrair a Doença de Alzheimer.

A a importância do estrogénio em relação à memória verbal foi testado em mulheres jovens, antes e depois de serem submetidas a tratamento para tumores uterinos. Os níveis de estrogênio dessas mulheres decresciam fortemente depois de 12 semanas de quimioterapia, assim como decresciam também os seus resultados nos testes de retenção da leitura. Mas, quando metade dessas mulheres juntou estrogênio ao regime terapêutico, a memória melhorou prontamente.

As razões para esse efeito protetor sobre a memória atribuído ao estrogênio ainda não são claras, mas o hormônio parece catalisar o desenvolvimento de neurônios no hipocampo e fomentar a produção de acetilcolina, um composto (neurotransmissor) que ajuda as células cerebrais a se comunicarem. Infelizmente, o uso de estrogênio também tem riscos, em especial para as mulheres com predisposição para o câncer de mama.

Foco de Atenção

O aspecto para o qual se dirige a atenção é chamado de alvo (perceptual e motor), por isso e apropriadamente, podemos fazer uma analogia didática do focalizar da consciência com um alvo de tiro. O elemento que, em dado momento, constitui o objeto de nossa atenção, ocupa sempre o ponto central do campo da consciência. O centro desse alvo perceptual corresponde ao grau máximo de consciência e é denominado foco da Atenção. Aí, tudo o que é focal é percebido com atenção em seu redor, porém, existem outros objetos ou fenômenos psíquicos, os quais, sem ter abandonado o campo da consciência, deixam de ser objeto de atenção. Os círculos concêntricos mais próximos exprimem, esquematicamente, a área subconsciente e o círculo mais afastado o inconsciente.

O elemento que, em dado momento, constitui o objeto de nossa atenção, ocupa sempre o ponto central do campo da consciência, portanto, nossa capacidade para concentrar a atividade da consciência em uma só coisa acaba, forçosamente, excluindo total ou parcialmente as demais. Entre as partes deste conjunto composto pela consciência, subconsciente e inconsciente não é possível estabelecer limites de nítidos.

Aspecto Temporal da Atenção

Geralmente a duração de um determinado foco de Atenção é breve. Existe constante passagem da Atenção de uma parte da realidade para outra e isso se dá por várias razões. De um lado, existe na Atenção, como em todos os processos psicológicos, uma forma de saciedade. Esta saciedade tende a inibir a continuidade de Atenção em determinada direção, como se a pessoa estivesse continuadamente em busca de novidades perceptivas. A Atenção tender a mudar, espontaneamente, depois de um período de focalização em uma parte da realidade.

Outra razão para a passagem da Atenção de uma parte da realidade para outra é obtenção de uma certa organização perceptual. É difícil ou impossível, por exemplo, organizar o todo a ser percebido com um único olhar. É preciso passos sucessivos de exploração para que cada parte ou aspecto seja fixado por sua vez.

É importante esses aspectos temporais da organização perceptual e mesmo caso dos padrões estático de certos estímulos, a percepção adequada envolve, invariavelmente, mudanças sucessivas de focos de Atenção. Este é um elemento fundamental para o artista, por exemplo, o qual precisa, construir sua obra de arte de tal forma que o olho do observador seja dirigido numa direção determinada através do quadro ou da estátua. Sem esse elemento organizacional não seria possível a percepção dos detalhes alocados no objeto.

Mais uma razão para a passagem da Atenção de uma parte da realidade para outra é a limitação da quantidade de material que pode ser incluída no foco de Atenção, em cada momento considerado. Um hipotético olho cósmico, se existisse, poderia apreender simultaneamente completamente tudo de uma determinada situação mas, o ser humano e os organismos inferiores, entretanto, podem apreender apenas uma proporção limitada da realidade. Uma forma de estudar o problema do alcance máximo do foco deAtenção é através da análise da amplitude da apreensão.

Esta Amplitude da Atenção se refere ao número máximo de objetos que podem ser percebidos imediatamente. Espalhando um pequeno número de grãos de feijão numa mesa e olhando de relance, procuramos ver quantos grãos existem. Verificaremos que cometermos poucos erros quando os grão são em número de cinco ou seis mas, a partir desse número, começamos a errar mais. Portanto, nossa Atenção se desloca de tempos em tempos para outras partes da realidade porque é limitada a capacidade de apreendermos simultaneamente muitas coisas.

Sob este ponto de vista, a atividade mental consiste num vaivém perpétuo de focalizações da Atenção em acontecimentos interiores, em sensações, em sentimentos, em idéias e em imagens mentais que se associam ou se repelem, segundo as leis do dinamismo psíquico.

Serão estes diferentes estados de Atenção que permitem o aspecto dinâmico na atividade da consciência.

Em função da atividade predominante, distinguem-se 3 tipos principais de Atenção: sensorial, motora e intelectual.

Tipos de Atenção

Nossos 5 sentidos podem ser ativados conscientemente para focalizar a Atenção sobre um determinado estímulo. Os condicionamentos, muitas vezes inconscientes, podem proporcionar uma certa atividade de espera, mais ou menos orientada, no sentido de confirmar ou não uma determinada expectativa.

Ao acrescentar mais sal na comida, por exemplo, nosso paladar espera, com certa expectativa, constatar determinado gosto, assim como esperamos ver, momentos antes, determinada cena de acidente ao constatar a direção e velocidade de um carro de corridas. Trata-se da espera pré-perceptiva. Outras vezes, entretanto, quando os resultados fogem completamente da expectativa perceptiva, acontece uma espécie de choque sensorial que dá origem a um estado de surpresa.

Atenção Motora

Na Atenção Motora, a consciência está concentrada na execução de uma atividade física e muscular pré-programada. Ao olhar para um objeto, por exemplo, a pessoa se inclina na direção desse objeto, e o mecanismo ocular atua de forma que os olhos se dirijam ao objeto até que este caia na fóvea; os músculos do cristalino se acomodam de forma que a imagem fique no foco mais claro, etc. Ao ouvir um som baixo a pessoa estica o pescoço para a frente, coloca sua mão atrás da orelha, e pode fechar os olhos a fim de eliminar os estímulos visuais concorrentes na tentativa de selecionar um determinado objeto (sonoro) como foco de sua Atenção. Talvez seja por isso que algumas pessoas têm que tirar os óculos de sol para prestarem mais Atenção em sons ou imagens.

A Atenção Motora se caracteriza também pela tensão estática dos músculos, juntamente com uma hipervigilância da consciência. Esta atividade de espera chamada por Pléron de “atividade imobilizante”, e exige um grande consumo de energia.

Veja-se, por exemplo, a brincadeira de tapa nas mãos. Neste joguete um dos jogadores, aquele que dará os tapas, fica com as mãos espalmadas para cima, enquanto o outro coloca suas mãos sobre as mãos do primeiro. Repentinamente o primeiro tentará retirar suas mãos e estapear as mãos do segundo. Vence o mais rápido. O segundo deve retirar suas mãos, tão logo perceba que o primeiro iniciou o movimento de estapeá-lo.

O papel da eficiência da Atenção, nesses casos, consiste privilegiar os elementos automáticos da psicomotricidade, ao mesmo tempo em que reduz os elementos intelectuais eventualmente atrelados ao movimento. Esta forma de Atenção representa uma espécie de alerta às atividades musculares que devem responder prontamente a determinada situação no sentido de favorecer a adaptação.

Atenção Intelectual

Representa o ato de reflexão e de atividade racional dirigidos na resolução de qualquer problema conscientemente definido. Apesar da divisão da Atenção em Atenção Sensorial, Atenção Motora e Atenção Intelectual, de certa forma a Atenção implica sempre em alguma atividade intelectual, ora orientando os movimentos, ora dando sentido às percepções.

Afeto e Atenção

Um dos fatores individuais de maior influência no processo da Atenção destacam-se as condições do estado de ânimo ou de interesse, os quais podem facilitar ou inibir a mobilização da Atenção. Portanto, o elemento afetivo tem significação determinante no processo da Atenção, admitindo-se que a pessoa só dirige a Atenção aos estímulos que lhe despertam interesse. De fato, ao constarmos que nossa Memória tem mais afinidade para as coisas que nos despertam maior interesse, estamos falando antes, que nossa Atenção (indispensável para a Memória) é mobilizada mais prontamente pela nossa afetividade.

Nossa Atenção sobre algo é tanto mais intensa quanto mais nos interessa esse algo, quanto mais desejamos conhecê-lo e compreendê-lo, quanto mais isto nos proporcione prazer ou satisfação. É por isso que, durante os episódios depressivos, onde o prazer e o interesse estão significativamente comprometidos, a Atenção e a Memória estarão também severamente prejudicadas; por falta de interesse e prazer.

Despertam mais nossa Atenção as coisas com as quais mantemos algum laço de interesse, alguma predileção. Passeando num shopping as pessoas detém-se (prestam Atenção) diante das vitrinas que lhes despertam maior interesse, que mais lhes mobilizam afetivamente. Ao estudarmos a sensopercepção também constatamos o fenômeno de predileção sensorial de acordo com as tendências afetivas, como é o caso do artista, capaz de perceber com mais acuidade a obra de arte. A Atenção seria a principal parte dessa predileção sensorial.

De acordo com o papel que determinado estímulo desempenha ou possa eventualmente desempenhar na vida pessoal, ele exercerá uma força maior ou menor de atração sobre a Atenção. A Atenção realiza uma seleção natural de seus objetivos em função da disposição pessoal, a qual tende a iluminar determinados objetos. A Atenção está sempre dirigida para algo conscientemente desejado e esse tipo de disposição da pessoa para com o objeto é chamado interesse. O interesse e a Atenção estão tão intimamente ligados que não é possível existir Atenção completamente desprovida de interesse (Stern)

Níveis e Distribuição da Atenção

Ao estudar a extensão do campo de Atenção, julga-se muito mais importante a captação de uma totalidade ou captação do todo significativo, que a quantidade de objetos que a serem captados pela Atenção. Para William Stern, a Atenção é a condição imediata para a produção de uma realização pessoal e suas características consistem num esclarecimento consciente, na concentração de uma força psíquica disponível para o esclarecimento da realidade.

A Atenção da pessoa, num determinado momento pode estar distribuída de várias maneiras no campo da realidade. Pode estar concentrada num único objeto, dando-se pouca Atenção ao resto, pode estar difusamente espalhada, sem que uma parte específica esteja predominantemente em foco ou, por fim, pode estar dividida entre vários objetos, quando então a pessoa procura prestarAtenção, simultaneamente, a duas ou mais coisas. Quanto maior a divisão da Atenção entre objetos, maior a perda de qualidade da Atenção dada a cada parte.

Conforme vimos acima, a amplitude limitada da apreensão comprova que quanto maior a divisão da Atenção menor a sua qualidade, acentuam a necessidade da organização perceptual. Quando algumas partes do campo são organizadas em todos maiores, aAtenção necessária para percebê-las eficientemente será menor do que quando as partes são simplesmente observadas separadamente.

Através da organização e do agrupamento de objetos a serem percebidos podemos estender a amplitude da Atenção. Se separarmos nove grãos de feijão em três grupos de três grãos, podemos vê-los mais facilmente. Este é um exemplo simples do princípio segundo o qual a organização tem como função permitir; à pessoa, dirigir a Atenção para maior quantidade de material.

Podemos ver a mesma coisa, de maneira mais significativa, no desenvolvimento de habilidades específicas ou do treinamento. Não é necessário prestar Atenção a uma atividade bem treinada, pela simples razão de que o todo integrado está tão reunido que pode ser realizado sem Atenção as suas partes isoladas. A inspeção de qualidade numa fábrica, por exemplo, é uma atividade tão treinada que o funcionário é capaz de ater-se rapidamente à qualquer coisa que estiver estranha àquilo considerado desejável. Este funcionário desenvolve seu trabalho muito mais rapidamente que outra pessoa não treinada. Assim, é possível perceber, com um simples olhar, situações complexas.

A organização dos objetos facilita para que os estímulos se encaixem na expectativa a ser percebida, sem necessidade de Atençãocuidadosa a cada uma das partes isoladamente. Isso, naturalmente, permite maior eficiência, embora também possa provocar erros que passam desapercebidos, quando estes eventualmente se encaixem bem na organização.

Tenacidade e Vigilância

O ato de perceber consiste na apreensão de uma totalidade e que essa totalidade não representa uma simples soma do elementos isolados captados pelos órgãos sensoriais. O todo sensorial caracteriza uma determinada forma, e esta forma percebida pelos sentidos será qualitativamente diferente daquilo que representa suas partes isoladas.

Bleuler destaca duas qualidades na Atenção: a tenacidade e a vigilância. A tenacidade é a propriedade de manter a Atençãoorientada de modo permanente em determinado sentido, focando um ponto definido e preciso. A vigilância é a possibilidade de desviar a Atenção para um vários objetos, especialmente para estímulos do meio exterior. Essas duas qualidades da Atenção se comportam, geralmente, de maneira antagônica, ou seja, quanto mais tenacidade sobre um determinado objeto, menos vigilância, e vice-versa.

Para a Atenção, também, somente uma parte das excitações sensoriais adquire relevo, dando origem à uma forma sobre a qual se polariza a Atenção, enquanto as partes restantes representam o fundo, menos claro, mais difuso e mais fluido. Aqui, tanto quanto na sensopercepção, não existem quaisquer elementos isolados, mas apenas fins totais e integrado para alguma realização pessoal, e serão “claras” e “nítidas” as percepções contidas no foco da Atenção, “vagas” e “difusas” aquelas que se encontram além desse foco.

O nível da Atenção depende de vários fatores. Como vimos acima, o principal desses fatores é a ânimo ou o interesse, em outras palavras, o afeto. Quando nos encontramos diante de uma variedade de objetos, a Atenção está dispersa e os diferentes objetos recebem pequenas quantidades de energia e alcançam um grau médio de Atenção. Mas, ao concentrarmos a Atenção num único objeto, toda a energia se orienta neste sentido e os demais objetos ficam numa zona obscura. No entanto, no objeto em que se concentrou a Atenção se descobre uma infinidade de pormenores que haviam passado desapercebidos quando este se achava imerso nos demais. Neste caso a Atenção foi polarizada no objeto escolhido.

Isso significa que dentro do campo da Atenção nem todos os estímulos recebem a mesma conscientização e energia.

Vale aqui o alvo inicialmente exemplificado: em torno de uma zona central especialmente iluminada e energicamente acentuada, situam-se zonas de fraca intensidade.

Quando estamos dirigindo o foco principal da Atenção deve estar na estrada e no trânsito à nossa volta. Em nível menos profundo de Atenção estão os acostamentos da estrada, o ruído do motor, os instrumentos do painel do veículo, etc. De um modo geral, o campo de visão mais externo, a visão periférica, utiliza a energia psíquica sem propósito de foco da Atenção, mas apenas como possibilidade para um eventual foco futuro.

Usando ainda o exemplo de dirigir, há também a Atenção de espera, quando então procuramos, espreitamos, espiamos ou exploramos, sem nenhum objeto específico à se focar a Atenção. Digamos que é uma Atenção para as possibilidades. Nesses casos, o objeto da Atenção ainda não se acha presente, tudo é indeterminado, não se conhece o onde, nem o quando do que vai ser percebido. Pode ser que um cachorro atravesse em nossa frente.

Esta expectância e incerteza exige que a Atenção percorra continuamente um campo mais amplo para, no caso do objeto aparecer, não o deixar escapar e colocá-lo imediatamente em foco. Para completar esse exemplo temos que entender o que é tenacidade e o que é vigilância.

O Ato de Concentrar a Atenção

Alonso Fernandez considera dois aspectos no ato de concentrar a Atenção: primeiro, escolher um tema no campo da consciência, elevando-o à um primeiro plano e; segundo, manter esse tema rigorosamente destacado, sem deixar-se desviar por influências excêntricas do campo da consciência, modificando-o com plena liberdade. Assim sendo, o individuo lúcido deve dispor de liberdade diante das vivências, tornando possível o funcionamento normal da capacidade de concentração .

A primeira fase da Atenção representa a redução do campo da consciência. A percepção, representação ou conceito que se acham eventualmente no centro da consciência são percebidos, graças à concentração da Atenção, com maior clareza, nitidez e delimitação. Esse processo de concentração pode ser ativo ou passivo, dependendo da situação afetiva do momento.

Quanto à intencionalidade da Atenção distinguem-se duas formas: a Atenção espontânea e a Atenção voluntária. A Atençãoespontânea, como o próprio nome diz, resulta da tendência natural da atividade psíquica em orientar-se espontaneamente para as solicitações sensoriais e sensitivas necessárias à adaptação com a realidade, sem que para tal haja necessidade imperiosa da consciência. Atenção ao andar, ao mastigar antes de engolir, desviar de obstáculos para não cair, Atenção ao manusear objetos, por exemplo.

A Atenção voluntária é aquela que já exige um certo esforço mental para algum determinado fim. Esta atividade psíquica permite que as representações e os conceitos objetos da Atenção permaneçam maior ou menor tempo no campo da consciência. PrestarAtenção à aula, por exemplo. A afetividade, visto em tópico anterior, participa inegavelmente na direção da Atenção voluntária.

Determinates da Atenção

Conforme vimos acima, entendendo a Atenção como voluntária ou involuntária, a primeira será quando a pessoa tem liberdade na determinação do foco de sua Atenção, liberdade em escolher intencionalmente aquilo sobre que prestar Atenção. A Atençãoinvoluntária ou espontânea refere-se a casos em que a pessoa parece menos o agente de escolha da direção de sua Atenção do que um joguete nas mãos de forças (afetivas) que a obrigam a atentar para isso ou aquilo.

Em uma narração folclórica e acaboclada de um contador de casos goiano, diante da censura de sua mulher por ter olhado demais para outra mulher, ele diz: “- eu não queria olhar, mas os olhos queriam…”.

Alguns determinantes da Atenção involuntária estão relacionados ao afeto e sentimento dirigidos para o objeto, como é o caso da pessoa faminta dirigir sua Atenção, irresistivelmente, para o alimento da vitrina do restaurante.

Outros determinantes se ligam a características duradouras dos objetos estimulantes. Essas características determinantes podem ser tão solicitantes que acabam atraindo tiranicamente a Atenção, apesar parecer que a pessoa atentou voluntariamente. As características dos estímulos, que exigem Atenção, foram muito estudadas por experimentos de laboratório e por técnicas de propaganda.

Esses fatores determinantes do estímulo podem ser sumariados da seguinte maneira:

DETERMINANTE DO ESTÍMULO PARA A ATENÇÃO
Intensidade O silvo da sirene do carro de bombeiros
Repetição Anúncios na televisão
Isolamento Uma única palavra, na página da revista
Movimento/Mudança O pisca-pisca no cruzamento da estrada
Novidade O desenho do último modelo de carro
Incongruência Uma mulher fumando um charuto

Distração

Sob o rótulo de distração existem dois estados diferentes; por excesso ou por falta de tenacidade. Primeiro, diz respeito à dificuldade da Atenção em fixar-se, portanto, falta de tenacidade. A dificuldade de tenacidade não implica em prejuízo da vigilância, muito pelo contrário. Nos transtornos hipercinéticos das crianças observamos, quase sempre, uma hiper-vigilância acompanhada de hipo-tenacidade. Ela desvia sua Atenção diante de qualquer estímulo ambiental.

No segundo caso trata-se do contrário, ou seja, de uma concentração ou tenacidade muito intensa em determinado estímulo, assunto ou representação, que acaba por impedir a apreensão de tudo que não se refere ao motivo principal da Atenção, ou seja, por quase abolição da vigilância. É a distração do preocupado, do sábio ou do estudioso, interessados vivamente e exclusivamente por algum pensamento.

Na distraibilidade do primeiro caso, por falta de tenacidade, ocorre a diminuição da Atenção voluntária e a aumento da Atençãoespontânea. No segundo caso, ao contrário, por excesso de tenacidade, como por exemplo na ioga, há aumento da Atençãovoluntária e diminuição da Atenção espontânea. Afetivamente podemos dizer que nos estados de euforia a distraibilidade é do primeiro tipo e nos casos depressivos é do segundo, porém, em ambos extremos do humor haverá certamente prejuízo da Atenção.

Compreendido essas duas maneiras de distraibilidade vamos aos nomes técnicos:

  1. – Hiperminésia

Ocorre Hipermnésia quando lembranças casuais são evocadas com mais vivacidade e exatidão que normalmente, ou quando se recordam particularidades que comumente não surgem na consciência. A Hipermnésia pode ser observada em alguns estados orgânicos, como é o caso das afecções febris toxi-infecciosas.

Nesses casos podem aparecer lembranças da juventude ou da infância ou de fatos que a pessoa nem sequer tinha mais consciência de sua existência. Também pode haver Hipermnésia por estimulação hipnótica, onde recordações de particularidades muito complicadas são revividas com exatidão.

Na Hipermnesia não existe um verdadeiro aumento da memória. O que se observa é, na realidade, uma maior facilidade na evocação dos elementos mnêmicos, normalmente limitados a períodos específicos ou a eventualidades específicas ou, ainda, a experiências revestidas de forte carga afetiva.

Um fenômeno curioso é a Hipermnésia que pode ocorrer em estados que precedem a morte ou quando a pessoa se defronta com situações extremamente ameaçadoras à sobrevivência. Na literatura psiquiátrica há algumas referências de casos onde a pessoa se recorda, em poucos instantes, de todos os acontecimentos da vida com absoluta clareza.

Algumas pessoas que foram salvas da morte iminente por afogamento descrevem que no momento da asfixia pareciam ver toda a sua vida passada, nos seus mais pequenos incidentes. Pareciam ver toda a vida anterior desenrolando-se em sucessão e com pormenores muito precisos, formando um panorama de toda existência . Também Jaspers descreve essas situações limites. Perante o infortúnio, o sofrimento e a morte iminente, diz ele, a existência humana é lançada numa situação anímica extrema.

  1. – Hipomnésia e Amnésia

A Hipomnésia e a Amnésia podem ser consideradas como graus de hipofunção da memória, ou seja, são diminuições do número de lembranças evocáveis. A Amnésia, por sua vez, seria a desaparição completa das representações mnêmicas correspondentes a um determinado tempo da vida do indivíduo. Bleuler prefere o termo debilidade da memória ao invés de hipomnesia. Ele diz ainda que a Amnésia não precisa ser completa, havendo várias gradações entre o nada absoluto e a lembrança incompleta.

Segundo Jaspers, “amnésias são perturbações da memória que se estendem a um período de tempo delimitado, do qual nada ou quase nada pode ser evocado (Amnésia parcial), ou ainda a acontecimentos menos nitidamente delimitados no tempo“.

Em seguida, estuda quatro variedades de Amnésia :

  1. Primeiro – Há profunda obnubilação da consciência mais do que perturbação da memória. Como nada se pode aprender na obnubilação, nada se pode fixar, ou seja, como nenhum acontecimento atinge a consciência, não será possível alguma reprodução.
    2. Segundo
    – Aqui verifica-se ser possível a compreensão durante algum período de tempo, porém a capacidade de fixação está profundamente diminuída, não sendo possível reter nada. Isso é comum em psicoses orgânicas, notadamente na Korsakov.
    3. Terceiro
    – É quando certos acontecimentos podem ser compreendidos passageiramente, porém as disposições da memória foram destruídas por um processo orgânico bem delimitado no tempo. É, por exemplo, o que acontece nas amnesias retrógradas, após graves lesões cerebrais, em que desaparecem totalmente as experiências das últimas horas ou dias antes do acidente.
    4. Quarto
    – Trata-se de amnésias extremamente acentuadas, normalmente de origem psicogênica, sendo o principal defeito uma alteração da capacidade de reprodução, apesar da soma das lembranças existentes estar conservada. Nesses casos, muitas vezes a solução é conseguida por meio de hipnose.

Existem, aliás mais comumente, Amnésias Parciais, onde se verifica o desaparecimento de algumas lembranças e não de todas elas. Seriam as chamadas Amnésias Sistematizadas. Embora possam ser de causa orgânica, como por exemplo, após traumatismo cerebral ou envenenamento, a maioria é de natureza psicogênica. Quando o esquecimento se limita a certos acontecimentos da vida do indivíduo, mas este continua sendo capaz de lembrar outros fatos vividos na mesma época, Bleuler chama de Amnésia catatímica.

Tipos de Amnésia1

  1. Amnésia Anterógrada se refere ao esquecimento dos fatos transcorridos depois da causa determinante do distúrbio e o transtorno mais freqüente desse tipo de alteração da memória é o de fixação. Costuma ser devido à uma concomitante perturbação da atenção, tanto da tenacidade quanto da vigilância.

Como a maioria dos casos se deve a alterações orgânicas, é como se houvesse uma diminuição da receptividade do sistema nervoso aos estímulos. A Amnésia Anterógrada pode ser observada em lesões cerebrais agudas ou crônicas, sejam devidas a causas traumáticas, circulatórias ou tóxicas. Os doentes com Amnésia Anterógrada não podem relembrar os fatos recentes, porém, conservando a capacidade para recordar acontecimentos passados mais remotamente.

Nos estados demenciais os graves defeitos da fixação se acompanham freqüentemente de fabulações, ou seja, tentativas do paciente preencher as lacunas mnêmicas com afirmativas completamente aleatórias.

  1. – Amnésia Retrógrada

Amnésia Retrógrada é quando ocorre perda da memória para os fatos ocorridos antes do evento que a causou. Aqui também o dano cerebral, de qualquer natureza, tem destaque principal entre as causas. Esse tipo de Amnésia se estende por dias ou semanas anteriores à lesão. Em alguns raros casos, a Amnésia Retrógrada pode compreender todos os acontecimentos anteriores da vida do enfermo.

A Amnésia Retrógrada é bastante observada nos quadros neuro-psicológicos senis, após um ictus circulatório cerebral e nos traumatismos cranianos, principalmente quando há perda de consciência. Apesar da sintomatologia exuberante, a Amnésia Retrógrada pode ser reversível, ocorrendo a regressão a partir dos fatos mais antigos para os mais recentes.

Além de neurológica a Amnésia Retrógrada pode ser psicogênica, em conseqüência de traumas emocionais intensos. Nesses casos a Amnésia pode referir-se apenas a determinado período de tempo, limitada a lembranças relacionadas com acontecimentos angustiantes. Nesses casos, na realidade, não há um verdadeiro apagamento mnêmico e a dificuldade da evocação resulta de um mecanismo de defesa (negação).

  1. – Amnésia Retroanterógrada

Amnésia Retroanterógrada se refere ao esquecimento dos fatos ocorridos antes e depois da causa determinante. Trata-se de uma alteração simultânea da fixação e da evocação. Encontra-se nos casos graves de demências orgânicas e de traumatismos crânio-encefálicos. O antigo termo psicorrexe, pouco em uso atualmente, se refere à amnésia de instalação súbita e total, privando o indivíduo da capacidade de compreensão e de orientação no tempo e no espaço.

  1. – Amnésia Transitória

Amnésia Transitória é, como o nome diz, uma síndrome amnésica transitória que se caracteriza pela incapacidade de fixar os acontecimentos recentes. É observada com relativa freqüência na convalescença de enfermidades toxi-infecciosas graves onde, apesar dos pacientes conservarem boa capacidade de evocação, manifestam sérios transtornos da orientação têmporo-espacial, fabulações e perseveração.

Nestes casos de estados toxi-infecciosos graves verificamos um empobrecimento mental global e simplificação do pensamento, amortecimento da vida emocional, indiferença, apatia, falta de iniciativa e apragmatismo. Em alguns casos, podem surgir síndromes de transição confusional e do tipo paranóide-alucinatória.

Outras alterações da MemóriaParamnésias

Os distúrbios da qualidade da memória de evocação denominam-se, de modo geral, paramnesias.

Estudam-se neste grupo as seguintes alterações:

1) ilusões mnêmicas
2) alucinações mnêmicas
3) fabulações
4) fenômeno do já visto
5) criptomnesia
6) ecmnesia.

  1. – Ilusões Mnêmicas

Tratam-se, as Ilusõs Mnêmicas, de verdadeiras lembranças fictícias, ou seja, a recordação vívida de alguma coisa irreal. Nesses casos haveria um acréscimo de elementos falsos na consciência, os quais resultariam em lembranças fantásticas como, por exemplo, ter existido antes do universo, ter vivido 10 mil anos, ser mãe de dezenas de filhos, ter participado da queda da Bastilha ou da Guerra de Tróia e assim por diante. São algo diferente dos delírios devido ao fato da pessoa poder descrever minuciosamente as cenas vividas, algo como um acontecimento oniróide.

As Ilusõs Mnêmicas são a forma mais freqüente de paramnesia e desempenham importante papel na psicopatologia, principalmente na sintomatologia psicótica.

Segundo Bleuler, as Ilusõs Mnêmicas constituiriam o principal material para elaboração dos delírios. Bleuler inclui nas Ilusõs Mnêmicas as lembranças imprecisas também observadas no alcoolismo agudo e crônico, nos orgânicos e nos epilépticos.

Entre as Ilusõs Mnêmicas se incluem os falsos reconhecimentos, observados em psicóticos quando, muitas vezes, insistem em identificar o médico ou a enfermeira como uma pessoa de sua família, a quem até atribuem algum nome de sua familiaridade. Nesses casos não se trata de alteração da percepção e sim de formação da Ilusõs Mnêmicas, que leva o paciente a identificar uma pessoa desconhecida com a lembrança de alguém familiar.

  1. – Alucinações Mnêmicas

Alucinações Mnêmicas são criações imaginativas com aparência de reminiscências e lembranças, porém, não correspondem a nenhuma imagem de épocas passadas. Nos psicóticos surgem, freqüentemente, lembranças reais de vivências irreais que podem atribuir uma história de vida completamente diferente. São lembranças que não correspondem a nenhum acontecimento vivido.

Pacientes pré-demenciais ou demenciais podem apresentar essas Aucinações Mnêmicas como cenas acontecidas recentemente. Uma nossa paciente em início de demenciação insistia que um antigo namorado vinha quase todas as noites visitá-la de carruagem. Descrevia a cena com detalhes minuciosos.

Não se trata de realização de sonhos nem tampouco de alucinação dos sentidos, pois muitos dos acontecimentos são situados no tempo em que o indivíduo normalmente se ocupava do seu cotidiano. Em outros casos, as alucinações da memória são menos sistematizadas e constam apenas de particularidades isoladas.

  1. – Fabulações

A Fabulação consiste no relato de temas fantásticos que, na realidade, nunca aconteceram. Em grande parte, resultam de uma alteração da fixação e de uma incapacidade para reconhecer como falsas as imagens produzidas pela fantasia. O conteúdo das fabulações, como bem salientou Lange, procede do curso habitual da vida anterior, acontecendo muitas vezes que, achando-se perturbada a capacidade de localizá-las no tempo, lembranças isoladas autênticas completam erroneamente as lacunas da memória.

Nos casos em que existem alterações dos conceitos e desorganização da vida instintiva, pode-se observar a produção rica de conteúdos fabulatórios absurdos e inverosímeis, que, habitualmente, adquirem um aspecto oniróide. Em outros casos, certas imagens oníricas são rememoradas e atualizadas como lembranças autênticas.

Enquanto as Fabulações preenchem um vazio da memória e se mostram como que criadas para este fim, podendo variar de tema e conteúdo, as Alucinações Mnêmicas não mudam, tal como uma idéia delirante. No sentido mais particular, a Fabulação é, nos estados em que não há delírio, um sintoma de comprometimento orgânico.

Referências

Bleuler E. Dementia praecox or the group of schizophrenias. Monograph series on schizophrenia. Vol 1.New York: International University Press; 1950.
Bleuler E. The prognosis of dementia praecox: the group of schizophrenias (Die prognose der dementia praecox: schizophreniegruppe. Algemeine Zeitschrift fur Psychiatrie 1908;65:436-64). In: Shepperd JCM, editor. The clinical roots of the schizophrenia concept: translations of the seminal contributions on schizophrenia. Cambridge: Cambridge University Press; 1967 p. 59-74.
Brown JF (1941). General Psychology: From the Personalistic Standpoint: By William Stern. Translated by Howard Davis Spoerl. New York: The Macmillan Company, 1938. 589 pp.. Psychoanal Q., 10:167-167.
Fernández F – Fundamentos de la psiquiatria actual. 2.ed. Madrid : Paz Montalvo, 1972.
JASPERS K – Psicopatologia Geral,1, Atheneu, 2ª. Ed.,1979,SP.
JASPERS K – Psicopatologia Geral,2, Atheneu, 2a.ed., 1979, SP.
Kraepelin E – Dementia praecox and paraphrenia. (From the German 8th Edition of the Textbook of Psychiatry ed.) Edinburgh: E & S Livingstone; 1919. p. 74-5.
Lange E – Memory-function approach to the Hall constant in strongly correlated electron systems, Phys. Rev. B 55, 3907 – 3928 (1997).

Fonte: www.psiqweb.med.br

Amnésia

MEMÓRIA HUMANA: ASPECTOS CLÍNICOS E MODULAÇÃO POR ESTADOS AFETIVOS

Neste artigo apresentam-se as formas de avaliação da memória humana usadas em contextos clínicos (testes de memória imediata, orientação, retenção de novas aquisições, etc.) e consideram-se as questões de validade e confiabilidade, tomando como caso particular o Mini Mental State Examination. Examinam-se também os processos pelos quais a memória é modulada por estados afetivos e as principais alterações da memória, incluindo a sindrome amnésica global, as síndromes parciais, a amnésia no delirium e na demência e a amnésia funcional.

Definição de memória

Uma definição geral de memória é difícil, já que o processamento de informação não pode ser visto como um ato isolado, mas como dependente da percepção, influenciado pelas emoções e pela imaginação e situado em toda a sua Seqüência entre percepção e ação. Existem diversas conceituações de memória; com este termo nos referimos ao processo de armazenamento de informações adquiridas ontogencticamente, que podem ser evocadas em qualquer momento, isto é, podem estar disponíveis para um comportamento relacionado ao contexto.

Spear & Mueller (1984) apresentaram de forma condensada uma definição de memória: “É uma representação multi-dimensional de um episódio em um organismo (e não um processo)” (p.l l 1).

Do ponto de vista comportamental, a memória é definida como uma modificação mais ou menos permanente das relações do organismo com o seu meio, que ocorre como resultado da prática, da experiência e/ou observação. O aprendizado é a aquisição dessas modificações. Para se chegar à memória é preciso aprendizagem, e para que haja aprendizagem é necessário o envolvimento da capacidade de perceber.

A percepção, por sua vez, não requer apenas mecanismos de coerência, mas também mecanismos de memória, memória aqui também definida como um saber prévio consciente do objeto, que provoca uma modificação duradoura no aparelho neural. Pode ser demonstrada pelo reconhecimento de eventos ou fatos prévios e pela sua recordação (evocação). As lembranças podem ser permanentes ou não; no entanto, não estamos sempre conscientes delas.

A representação de um episódio necessita que o mesmo seja “ percebido”, “codificado”, “ armazenado” e que possa ser “evocado” (por outro lado, que possa ser “esquecido”), para usar as expressões mais comuns nesta área. Todos estes termos implicam que o processo seja dependente ou controlado pelo tempo. O armazenamento é, em geral, dividido em seqüências de durações diversas que podem ser rotuladas de “ memória icônica”, “memória de curto prazo” (short-term), “intermediária” e “memória de longo prazo” (long-term) (Baddeley & Warrington, 1970; Squire, 1982).

Esta diferenciação baseia-se geralmente em mecanismos Fsicológicos e psicológicos. A memória “icônica” ou “ecóica”, ou ainda “ imediata”, tem uma duração de segundos ou menos, e depende da ativação ou inativação de receptores de um órgão sensorial periférico e está intimamente relacionada com a atenção. A memória de curto prazo (short-term) tem uma definição mais variável, às vezes com referência a elementos da psicologia cognitiva ou referência à neuropsicologia ou neurofisiologia, cobrindo, desta forma, a extensão temporal durante a qual vários processos ocorrem em seqüência para iniciar a consolidação da informação, representando um período no qual o traço de memória é ainda muito lábil. Na memória de “ longo prazo” (long-term) apenas são representadas as informações processadas (já consolidadas) além da extensão de tempo pertinente ao processo de traço curto (Markowitsch & Pritzel, 1985).

Postula-se a existência de uma organização hierárquica da memória e sua relação com as lesões cerebrais, sendo a “ automática”, “motora” ou “de hábitos” a menos vulnerável das formas de memória aos comprometimentos do sistema nervoso. Esta distinção, já confirmada em vários testes durante os anos 60 (Milner, Corkin & Teuber, 1968), tem sido mais recentemente reavivada em diversos artigos experimentais ou teóricos.

Além da distinção entre memória “motora” versus “ verbal”, um número crescente de classes de memória separáveis está sendo estabelecido pela neuropsicologia cognitiva, tanto em humanos quanto em não-humanos. Entre estas distinções estão memória “operacional” (working) versus “ de referência” (reference); “semântica” versus “episódica”; “declarativa” versus “de procedimento” (procedural); “saber como” (knowing how) versus “saber que” (knowing that); “automática” versus “ de esforço” e “memória com registro” versus “ memória sem registro” (Markowitsch & Pritzel, 1985).

Avaliação da memória

As avaliações neuropsicológicas descrevem a função cognitiva em termos dos comportamentos relevantes. Fornecem uma medida de como os indivíduos interagem com o ambiente para satisfazer suas necessidades. A inteligência é um aspecto importante nesta função adaptativa, mas ela é fortemente dependente da instrução e das experiências de vida. Em geral não é imediatamente influenciada por alterações cerebrais orgânicas, e, conseqüentemente, nem sempre pode predizer o funcionamento potencial de uma pessoa.

Testes neuropsicológicos colocam o indivíduo numa situação estruturada que requer a ativação de um processamento de informações novas que envolve “esforço”. Ao examinar o aprendizado e o desempenho nestas tarefas, o examinador fica apto a direcionar questões relativas a como estes indivíduos desempenharão no cenário psicossocial ou em suas ocupações. Por exemplo, tem ainda um executivo as habilidades organizacionais complexas necessárias ao manejo de uma grande empresa com múltiplas e simultâneas necessidades? No outro extremo deste espectro, consegue uma senhora idosa, dona de casa e viúva, satisfazer suas necessidades numa situação de vida independente, ou precisa talvez ser colocada num ambiente estruturado?

Desta forma, a avaliação neuropsicológica pode fornecer uma descrição quantificada e abrangente do comportamento de solucionar problemas que pode confirmar e estender observações feitas pelos familiares e outras pessoas em contato com o indivíduo* avaliado.

Quando os déficits cognitivos são significativos, tais dados neuropsicológicos podem sugerir um diagnóstico clínico.

A alteração da memória é uma das queixas mais freqüentes feita por pessoas normais em todas as idades, mas especialmente nos mais velhos, naqueles que possuem um quadro demencial, nos deprimidos e nos familiares destes pacientes. Cabe ao profissional (neurologista, psiquiatra, etc.) determinar se o problema de memória se deve a um processo neuropatológico, um distúrbio funcional ou a uma variação da normalidade. A memória, como já exposto, é um processo complexo, e também é um processo reconstrutivo, i.e., influenciado pelo estado afetivo do indivíduo e pela congruência do evento com lembranças já estabelecidas.

A. Processos gerais de memória

A memória envolve um número de processos cognitivos seqüenciais. A informação inicialmente entra na memória sensorial, um armazenamento extremamente curto medido em centésimos de milisegundos. Desta memória sensorial, a informação é transmitida à chamada memória de traço curto ou curto prazo (também chamada memória primária, memória imediata e “span” de atenção) (Hunt, 1986). A memória de curto prazo é um sistema de capacidade limitada no qual a informação é mantida pela atenção sustentada e por repetição (“rehearsal”). Tem uma duração de 20-30 segundos, podendo a informação “ debilmente” armazenada ser trocada por um material novo, a menos que repetições ou outras estratégias de retenção sejam utilizadas. A transferência de informação nova para memória de traço longo se inicia dentro dos primeiros segundos de exposição ao estímulo, ocorrendo uma sobreposição entre os processos de memória de curto prazo e de longo prazo. A consolidação do material de traço longo é um processo mais demorado e envolve um alongamento gradual do traço de memória durante um período de vários minutos a várias horas.

Este traço é altamente instável e facilmente sujeito à perda, como observado na amnésia anterógrada da síndrome pós-concussiva. Uma vez que a informação tenha entrado para a memória de longo prazo (de capacidade virtualmente ilimitada), é mantida por repetição ou organização através de associações e sentidos (Maclnnes & Robbins, 1987).

B. Evocação de memória

A evocação é o processo através do qual é localizada e acessada a informação decorrente de armazenamento prévio.

A evocação pode ser de dois tipos:

1) acesso direto a traços de memória armazenados, e
2)
acesso a uma idéia geral ou à essência de um material original e reconstrução do produto final (Russel, 1981).

Uma outra distinção importante relativa à evocação, é entre “evocação livre” e “reconhecimento”. Os testes de evocação de dígitos (dígít span) são de evocação livre, enquanto que a

memória por reconhecimento é avaliada por testes de múltipla escolha. Esta distinção pode ser útil para diferenciar demência provocada por depressão de demência por outra causa (por exemplo: doença de Alzheimer). Geralmente, os portadores de Alzheimer apresentam dificuldades em ambas as formas de evocação, enquanto os deprimidos freqüentemente mostram mais alterações na evocação livre.

C. T estagens

Nenhuma das formas correntes de avaliação de memória acessa todas as dimensões desta função. Uma das medidas mais familiares, o Mini Mental State Examination (Folstein, Folstein & McHugh, 1975), não avalia apenas memória, mas também orientação, cálculo e linguagem. É provavelmente um dos testes mais utilizados e estudados para avaliação do estado mental, podendo-se encontrar várias investigações de diversos grupos em diferentes países avaliando seu valor diagnóstico como rastreador do déficit cognitivo (Tombaugh & Mclntyre, 1992), inclusive no Brasil (Chaves & Izquierdo, 1992).

Num estudo brasileiro, com o objetivo de mensurar o valor do Mini Mental e de outros testes cognitivos para o diagnóstico sindrômico de demência produzida por Alzheimer e outras doenças, e de demência produzida por depressão, a sensibilidade determinada foi de 81% e a especificidade de 68% (Chaves & Izquierdo, 1992). Outros estudos apresentam sensibilidades do Mini Mental que variam de 20% a 100% e a especificidade de 46% a 100% (Tombaugh & Mclntyre, 1992).

Estes valores sofrem uma influência muito grande do objetivo do estudo, do tipo de amostra utilizada, do número de sujeitos da amostra e dos critérios diagnósticos empregados para as doenças ou condições dos estudos. A verdade é que a utilização do Mini Mental sozinho como rastreador de déficit cognitivo na comunidade tem um valor bem menor do que os índices observados em estudos com base não populacional, necessitando que se leve em consideração outras condições da população alvo, como nível sócio-econômico, escolaridade, condições gerais de saúde, etc. (Silberman, Souza, Diogo, Wilhems, Schmitz, Stein & Chaves, 1992).

O exame do estado mental diferencia orientação, memória remota e memória recente. Estas áreas são avaliadas por testes como os de eventos, fatos e datas importantes da vida do próprio indivíduo (Teste de Dados Autobiográficos), bem como de eventos públicos! recentes e remotos. A memória remota visual pode ser avaliada pela evocação simples e/ou por reconhecimento através do teste das faces famosas (Chaves & Izquierdo, 1986; Chaves & Izquierdo, 1992).

A Escala de Memória de Wechsler (Wechsler, 1987), recentemente revisada, com um estudo inicial de padronização no Brasil (Plass, 1991), avalia a maioria dos aspectos importantes da memória, mas não tem uma normalização para indivíduos com idade superior a 74 anos. O Teste de Aprendizado Verbal Califórnia (“ California Verbal Learning Test”, Delis, Kramer, Kaplan et al., 1987) permite uma avaliação bastante profunda da memória verbal, mas não avalia processos não-verbais de memória. Da mesma forma, o teste da Figura Complexa de Rey-Osterreith (Visser, 1985) tem sido utilizado para avaliar a memória visual.

Infelizmente, poucos dados de normalização são disponíveis, e nenhum no Brasil. Este teste confunde habilidades motoras e visuais, porque requer que o indivíduo desenhe tão adequadamente quanto lembre a figura. O teste de Reconhecimento de Warrington (Warrington, 1984) é uma excelente medida de memória de reconhecimento, tanto na modalidade verbal quanto na não-verbal, mas como muitos outros testes, não possui padronização acima dos 70 anos.

Existem várias outras medidas de memória que apresentam vantagens e desvantagens específicas dependendo do enfoque do estudo e de características da população estudada. Estas incluem o teste de memória de Randt (Randt, Brown & Osborne, 1980), Teste Seletivo de Lembrar (Buschke & Fuld, 1974), e subtestes das baterias de Luria-Nebraska e Halstead-Reitan (Golden, Purisch & Hammeke, 1985; Reitan & Wolfson, 1985), entre outras.

Existem outras tentativas de compor baterias intermediárias quanto ao tamanho, duração e modalidades de memória avaliadas, através da junção e adaptação de testes conhecidos, com o objetivo de acessar de forma breve e completa, com valor diagnóstico definido, as funções de memória (Chaves & Izquierdo, 1992).

Outro aspecto importante em relação à testagem é quanto à sua utilidade para fins de pesquisa ou para aplicação clínica, havendo claramente uma descontinuidade nesta área. Modelos de memória muito elaborados e sofisticados, bem como procedimentos de laboratório precisos e bem controlados montados com objetivo de investigação, contrastam com os conceitos e tarefas mais simples, menos especificos e disponíveis, modelados para a demanda prática que caracteriza as situações clínicas. As sugestões mais recentes são de utilizar esta tecnologia proveniente da pesquisa para preparar baterias de testes que sejam capazes de analisar os processos complexos de aquisição, armazenamento e evocação. Tal resultado poderia viabilizar a obtenção de informações mais refmadas sobre os déficits e poderia refletir muitas das distinções úteis e elegantes que têm sido propostas a nível experimental.

Exemplos de testes empregados na avaliação:

  1. Memória imediata (atenção). Repetição de dígitos (dígít span)

O nível basal de atenção pode ser prontamente obtido pela aplicação deste teste. O desempenho adequado garante que o sujeito é capaz de responder a um estímulo verbal e manter a atenção pelo período de tempo requerido para a repetição dos dígitos. Em pacientes com uma alteração significativa da função de linguagem (afasia) esta tarefa não deve ser utilizada.

Instruções:

Diga ao paciente: “Vou lhe dizer alguns números simples. Ouça-os com atenção e quando eu terminar repita-os”.

Apresente os dígitos num tom de voz normal, no ritmo de l por segundo. Cuide para não agrupá-los em pares (i.e., 2-6, 5-9) ou em seqüências que possam ser utilizadas como dicas (i.e., na forma de números telefônicos: 376-839). Os números devem ser apresentados ao acaso, sem obedecer a nenhuma ordem natural (i.e., 2-4-6-8). Comece com uma seqüência de três dígitos e continue até que o paciente erre duas seqüências consecutivas.

7-4-9-1-7-2 8-5-2-7

9-7-5-3

2-9-6-8-3 6-3-8-5-1

5-7-2-9-4-6 2-9-4-7-3-8

8-1-5-9-3-6-2 4-1-9-2-7-5-3

Escore: Cada seqüência correta corresponde a 1 ponto. A versão validada (Wechsler, 1987; Chaves & Izquierdo, 1992) apresenta 14 seqüências, com escore máximo de 14. Sujeitos normais, com inteligência dentro da média, repetem seqüências de 5 a 7 dígitos sem dificuldades. O ponto de corte é 4 para identificação de déficits.

  1. Orientação

A avaliação da orientação é importante, especialmente quanto ao tempo e ao espaço.

Ela pode ser obtida através da aplicação do Mini Mental State Examination (Mini Exame do Estado Mental) (Folstein, Folstein & McHugh, 1975) e pelos seus dois primeiros sub-ítens:

Orientação Temporal: Dia do mês, mês, ano, dia da semana, estação do ano
Orientação Espacial:
Cidade, estado, país, local, andar (se hospital, ou rua e número, se não hospitalizado)

Escore: Para cada resposta correta é atribuído l ponto, com máximo de 5 pontos para cada sub-ítem. Não existem pontos de corte para sub-ítens do Mini Mental, no entanto, espera-se que pessoas normais acertem todas estas questões. Escores incompletos são observados na orientação temporal de indivíduos normais, havendo uma correlação com a escolaridade.

  1. Retenção de novas aquisições (novos aprendizados)

Estes testes avaliam a capacidade de o indivíduo aprender ativamente um novo material (adquirir novas memórias).

Requer a integridade de todo o sistema de memória: reconhecimento, registro, retenção e armazenamento da informação, bem como evocação da informação já armazenada.

Teste das palavras não-relacionadas

Instruções: diga ao paciente: “eu vou lhe dizer quatro palavras que gostaria que pudesse lembrar. Em poucos minutos vou lhe pedir para repetir novamente as palavras.” Diga as palavras e, para certificar-se que o paciente escutou adequadamente e reteve inicialmente, faça-o repetir imediatamente após, corrija os erros cometidos na repetição imediata. Pacientes idosos (acima de 75 anos) podem necessitar de diversas repetições ate’ que aprendam corretamente as palavras, mas quando um sujeito necessita de 4 ou 5 repetições isso já indica uma alteração significativa da memória. Para evitar que ocorra treino mental, deve ser utilizada uma interferência entre a apresentação do material e sua evocação (uma outra tarefa deve ser aplicada entre as duas etapas). As palavras são selecionadas devido à sua diversidade semântica e fonêmica.

Ítens do Teste. 1. pente 1. branco 2. rua 2. vaso 3. azul 3. madeira 4. cavalo 4. carro

Escore: Quando um indivíduo não é capaz de lembrar uma palavra, podem ser utilizadas dicas (pré-ativação – priming), semânticas (e.g., “o nome de uma cor”), fonêmicas (e.g., “ pen… [pente]”) ou contextuais (e.g., “o animal utilizado para puxar carroças é _”). Sujeitos normais e abaixo de 60 anos de idade devem lembrar adequadamente 3 a 4 palavras após 10 minutos de intervalo. Existe uma variação significativa entre os indivíduos normais da população neste teste (desvio padrão de 0,8 palavras), no entanto, a implicação clínica de um escore baixo (i.e, 2 em 4) deve ser interpretada em função da história e do desempenho do paciente em toda a avaliação (Simpson, Black & Strub, 1986).

Validação de testes

Dois conceitos são usados para descrever a qualidade das aferições, independentemente da escala em que são expressas. Esses conceitos são a validade e a confiabilidade.

Validade

E o grau pelo qual os resultados de uma aferição correspondem ao estado verdadeiro dos fenômenos que estão sendo medidos. Outra palavra para validade é a acurácia. Observações clínicas que podem ser aferidas por meios físicos são relativamente fáceis de serem validadas. A aferição observada é comparada a algum padrão estabelecido. Existem três estratégias gerais para estabelecer a validade de aferições que não podem ser conñrmadas diretamente a partir dos sentidos.

Validade de conteúdo é a medida do quanto um determinado método de aferição abrange todas as dimensões da construção que está sendo aferida e nada mais. Por exemplo, uma escala para medir dor teria validade de conteúdo se incluísse perguntas sobre dor contínua, em cólica, em queimação ou em pontada, mas não sobre pressão, prurido, náusea, formigamento e assim por diante.

Existe validade de construção se os resultados de uma escala variam de acordo com a presença de outros indicadores estabelecidos que sabidamente estão associados à dor – por exemplo: sudorese, gemido, necessidade de medicação.

Alternativamente, pode-se verificar se as respostas na escala têm relação previsível com dores de severidade conhecida: dor leve por escoriações superficiais, dor moderada por cefaléia comum e a dor severa da cólica renal.

A validade de critério é estabelecida mostrando-se que a medida prediz um fenômeno diretamente observável Com estas e outras estratégias indiretas, pode-se armar evidências para confirmar ou refutar a validade de uma escala ou teste, nas condições em que ela é usada. Portanto, uma escala não é simplesmente válida ou não-válida; pode-se, apenas, acreditar que uma escala seja mais ou menos válida, a partir do resultado das estratégias usadas.

Embora o processo de validação de um instrumento possa não ser tão seguro quanto a confirmação da acurácia de um teste de laboratório, é melhor tentá-lo do que simplesmente supor que uma questão mede exatamente o que se deseja que ela meça.

O termo validação também se aplica à determinação do valor diagnóstico de uma escala ou teste. As medidas geralmente usadas para estimar este valor são especificidade, sensibilidade, valores preditivos negativo e positivo, taxa de falsos positivos e falsos negativos. Estes dados são obtidos através da comparação entre o resultado do teste com o de um instrumento reconhecidamente válido para diagnosticar a condição em estudo (chamado padrão ouro). Assim, pode-se julgar a sensibilidade de uma escala de depressão se a comparar-mos com os resultados da aplicação de critérios de diagnóstico para depressão, como os do DSM Ill-R, CID X, ou outro.

Para conseguirmos este tipo de informação é necessário que se estabeleçam pontos de corte para a escala ou teste em estudo, a fim de identificar os sujeitos positivos e negativos pelo instrumento. O estudo que define os pontos de corte também deve obedecer a uma série de cuidados metodológicos (caracteristicas da população, número de sujeitos, variáveis de confusão – idade, sexo, escolaridade, etc. – “normalidade” dos sujeitos, avaliação de outros grupos de indivíduos portadores de alguma doença que interfira com o desempenho na escala ou teste, etc.) para que não se estabeleça um corte inadequado.

Confiabilidade

Confiabilidade é a extensão em que medidas repetidas de um fenômeno relativamente estável situam-se próximas umas das outras.

Reprodutibilidade, precisão e ƒidedignidade são outros termos usados para esta propriedade. É possível ter um instrumento que seja válido (acurado) mas que não seja confiável, porque seus resultados são muito dispersos em torno do valor real. Por outro lado, um instrumento pode ser muito confiável, mas sistematicamente descalibrado (inacurado).

A confiabilidade também é estimada através da consistência interna que avalia a homogeneidade dos ítens e da confiabilidade teste-reteste.

Avaliação da validade de um teste

O Mini Mental é o teste de triagem de alterações cognitivas mais amplamente utilizado (Tombaugh & Mclntyre, l992), inclusive em estudos epidemiológicos e de base comunitária, além de ter sido incorporado a diversas entrevistas padronizadas com o objetivo de avaliar desempenho cognitivo e auxiliar no diagnóstico das demências.

Também é um dos testes recomendados pelo Instituto Nacional de Doenças Neurológicas e AVC (EUA) e pela Associação Americana de Alzheimer (NINCDS-ADRDA) (McKhann, Drachman, Folstein et al., 1984) para documentar o diagnóstico clínico de “provável” doença de Alzheimer. Desta forma, pode-se encontrar um grande número de estudos sobre o valor deste teste.

A seguir, serão comentados alguns destes estudos, de acordo com o tipo de análise realizada:

  1. Confiabilidade
  2. Consistência interna

Nos estudos de comunidade, os valores de alfa foram mais baixos do que os observados em grupos de pacientes. Como, no entanto, o teste visa avaliar diferentes processos cognitivos, a heterogeneidade dos ítens foi intencionalmente criada. Os valores de alfa mais baixos podem ser, na verdade, mais desejáveis.

  1. Confiabilidade teste-reteste

Para que o efeito da progressão da doença em si não produzisse mudanças no desempenho do teste e, conseqüentemente, na avaliação da confiabilidade, apenas estudos com intervalos de no máximo dois meses foram considerados. Os estudos mostram que tanto para pacientes cognitivamente comprometidos como para os intactos, os resultados ficam entre .8O e .95. Escores mais altos na segunda avaliação (reteste) têm sido relatados por vários estudos, o que deve expressar um efeito de treinamento.

  1. Validade
  2. Sensibilidade e especificidade

Uma maneira de obter a validade do Mini Mental é determinar o que ele identifica corretamente em indivíduos normais e comprometidos. A sensibilidade do Mini Mental se refere à sua habilidade em identificar corretamente os sujeitos que foram classificados como cognitivamente comprometidos por algum critério amplamente aceito ou gold standard (padrão ouro), isto é, verdadeiros positivos/número total de casos identicados.

A especificidade se refere à habilidade do Mini Mental para identificar corretamente os indivíduos que previamente foram classificados como tendo um funcionamento cognitivo normal (i.e., verdadeiros negativos/número total de casos cognitivamente intactos).

Também é importante determinar o quanto um resultado positivo ou negativo realmente prediz a presença ou ausência de alteração (valores preditivos do teste).

Se alguém obtém um resultado 22 no Mini Mental, qual a probabilidade de que o comprometimento cognitivo realmente exista? O valor preditivo de um teste positivo é a razão dos casos corretamente identificados como positivos para o número total de casos positivos (i.e., verdadeiros positivos/ [verdadeiros positivos + falsos positivos]), enquanto que o valor preditivo negativo é a razão dos casos corretamente identificados como negativos para o número total de casos negativos (verdadeiros negativos/[verdadeiros negativos + falsos negativos]).

Diversos estudos apresentam este tipo de análise do Mini Mental, sendo que no trabalho original do teste (Folstein, Folstein & McHugh, 1975) a sensibilidade entre os sujeitos sem alteração cognitiva e entre os demenciados foi de 100%, a especificidade de 100% e valores preditivos de 100%. O critério empregado para as classificações foi o estabelecimento de diagnóstico psiquiátrico. Outro estudo realizado pelo mesmo autor, em 1985, comparou sujeitos sem alterações cognitivas com pacientes com quadros demenciais, utilizando o DSM-III como padrão ouro; obteve-se ‘sensibilidade de 100%, especificidade de 62%, valor preditivo positivo de 44% e negativo de 100%. Mais recentemente, O°Connor, Pollitt, Hyde et al. (1989) utilizaram o CAMDEX como padrão ouro e obtiveram, numa amostra comunitária e em maior número, sensibilidade de 86%, especificidade de 92% e valor preditivo positivo de 55%. Em estudo realizado no Brasil, utilizando uma amostra de pacientes com quadros demenciais, pacientes deprimidos e um grupo de sujeitos com doenças clínicas, e empregando como critérios o DSM-III e NINCDS-ADRDA (McKhann et al., 1984) para doença de Alzheimer, foi observada uma sensibilidade de 81%, especificidade de 68%, valor preditivo positivo de 71% e negativo de 78% para o Mini Mental (Chaves & Izquierdo, 1992). Propõe-se, neste estudo, que a combinação deste teste com outros, de forma paralela, aumenta a sensibilidade, a especificidade e a eficiência do diagnóstico de forma global, sem aumentar excessivamente o tempo de avaliação.

Na tentativa de avaliar a capacidade do Mini Mental de identificar as alterações cognitivas, não em função do diagnóstico, mas em função de testagens neuropsicológicas mais complexas (Faustman, Moses & Csernansky, 1990), a sensibilidade foi de 21%, a especificidade de 96%, valor preditivo positivo de 50% e negativo de 87%. Estes resultados são consistentes com um estudo feito com análise fatorial de diversos testes neuropsicológicos e mostram que estes testes apresentam carga em três diferentes fatores, enquanto o Mini Mental tem carga igual em todos os fatores.

Modulação da memória por estados afetivos

A importância do humor ou afeto sobre os fenômenos da memória tem sido bastante salientada (Freud, 1901; Teasdale & Fogarty, 1979; Teasdale & Russell, 1983). O desempenho de indivíduos com depressão em diferentes tarefas de memória pode ser influenciado pelo seu estado afetivo. Parece que eles apresentam uma melhor aquisição para informações negativas quando comparados a controles normais (Jorm & Henderson, 1992). No entanto, outros resultados têm mostrado que indivíduos normais apresentam uma melhor evocação de material com conteúdo afetivo negativo do que positivo e neutro (Ceitlin, Santos, Parisotto, Zanata & Chaves, 1993).

O conteúdo afetivo das informações de uma tarefa ou da tarefa propriamente dita tem sido considerado em poucos estudos ou na aplicação clínica de testes de memória, e é mais focalizado em investigações sobre os efeitos da depressão sobre o desempenho cognitivo (Breslow, Kocsis & Belkin, 1981; Ceitlin et al., 1993).

As teorias sobre a modulação da memória pelo afeto dividem-se em dois grupos: dependência de estado e congruência de afeto.

A hipótese da dependência de estado sugere que a codificação da memória é influenciada pelo humor durante a sessão de aprendizado: um estado semelhante no momento da tarefa de evocação pode produzir um melhor desempenho (Weingartner, Miller & Murphy, 1977; Teasdale & Fogarty, 1979). O conteúdo da informação não seria tão importante, e o estado de ânimo atua como o estado ou contexto relevante. A hipótese da congruência do humor assume que a informação é mais facilmente armazenada se o conteúdo afetivo da tarefa corresponde ao estado afetivo do sujeito (Jorm & Henderson, 1992).

As evidências para a hipótese da congruência do humor provêm de estudos com voluntários normais submetidos experimentalmente a alterações induzidas do humor (Teasdale & Russel, 1983) e também de pacientes com diagnóstico de depressão maior ou com altos níveis de sintomatologia depressiva medidos por escalas (Jorm & Henderson, 1992).

Do ponto de vista prático, a diferença entre as duas teorias é que na dependência, aquilo que o sujeito aprende enquanto em estado normal não pode ser lembrado quando seu humor está deprimido; e na congruência, os estímulos que chamam a atenção do indivíduo e podem produzir aprendizado têm a mesma valência afetiva que o seu humor.

Outros mecanismos de modulação

Existe uma série de formas de afetar o processamento de informações a nível de sistema nervoso central. Estas formas são chamadas de “tratamento” e incluem manipulações comportamentais, que obviamente produzem modificações neuro-humorais responsáveis pelas mudanças da memória, bem como a administração de fármacos e hormônios. Estas modificações podem produzir melhora no desempenho de tarefas envolvendo qualquer fase do processamento (atenção, evocação imediata, registro e evocação recente, evocação remota, etc.) ou prejudica-lo.

As formas de intervenção no processamento de informações podem ser aplicadas em vários momentos relacionados com a tarefa, mas estão melhor estudados no período chamado “pós-treino” , que compreende o espaço de tempo imediatamente e até 1-2 horas após o contato com uma tarefa de aprendizado; ou no período conhecido como “pré-teste”, ou seja, imediatamente antes do teste que avalia o aprendizado prévio.

Influências pós-treino

As influências pós-treino sobre a memória têm sido tradicionalmente explicadas por efeitos na consolidação pós-treino de cada traço de memória, que passa de uma condição inicialmente instável, lábil a um estado posterior “sólido” e estável (Muller & Pilzecker, 1900; Hebb, 1949; McGaugh, 1983). Não há prova fisiológica de que traços de memória se solidifiquem após aquisição, mas há provas de que os estímulos empregados na aquisição de experiências têm efeitos prolongados, que podem durar segundos, minutos ou horas. Respostas de unidades sensoriais off (respostas ao cessar de um estímulo) são conhecidas há muito tempo e mesmo respostas off a um comportamento condicionado. Descreveram-se alterações neuro-humorais prolongadas como a liberação de catecolaminas, B-endorfinas cerebrais e hormonais como ACTH, vasopressina e catecolaminas plasmóticas (lzquierdo & Netto, 1985) e as conseqüências neuroquímicas destas alterações, como sobre o AMPc, fosforilação de proteínas nucleares, RNA cerebral e síntese de proteínas decorrentes de exposição a estímulos usados em procedimentos de treino.

Algumas drogas atuam como estímulos condicionados e tornam-se potentes como dicas de evocação. Este fenômeno se chama dependência de estado.

Hormônios ou neurotransmissores podem induzir dependência de estado atuando após o treino e requerendo sua presença novamente no momento do teste, para que o desempenho de retenção não fique prejudicado. Assim, as substâncias não interferem com a durabilidade do traço de memória; seus efeitos podem ser unicamente explicados pela indução de dependência de estado (lzquierdo & McGaugh, 1985). A depressão de memória pela B-endorfina administrada pós-treino e sua reversão pela readministração pré-teste, foi observada em todas as tarefas estudadas (Netto, Dias & lzquierdo, 1986).

Foi posteriormente demonstrada a ocorrência de dependência de estado pós-treino produzida pela B-endorfina de forma fisiológica (lzquierdo, Netto, Chaves, Quillfeldt, Gianlupi & Oliveira, 1986). A B-endorfina cerebral é liberada apenas quando o indivíduo é exposto à experiência pela primeira vez, independente do tipo de estímulo, presença de dor, nível de alerta, exigências de resposta, duração ou tipo de aprendizado, associado com cada tarefa. A liberação é então uma resposta à novidade, não é dor, estresse ou alerta. Não se sabe se isto reflete a mera percepção da novidade, uma reação à ela, ou habituação a esta reação. É abolida por secção do fórnix, sugerindo que a novidade é reconhecida pelo hipocampo, o qual se projeta para a região do hipotálamo que contém os corpos celulares do sistema B-endorfínico, através do fórnix.

Ao contrário da B-endorfina, as catecolaminas periféricas, ACTH e vasopressina são secretados em resposta e relacionam-se à quantidade de estresse e/ou alerta, e não à novidade da exposição.

É claro que algumas drogas podem se somar às tarefas após o treino como estímulos condicionados, podendo ser utilizadas como dicas de evocação quando administradas novamente no momento do teste. A facilitação pós-treino pode ser obtida com substâncias que são normalmente liberadas pelo estímulo condicionado ou por drogas que as liberam. Neste caso, seus efeitos não são distinguíveis dos produzidos pelo aumento da intensidade ou o número de reforços.

Noradrenalina, adrenalina, tiramina e guanitidina (liberadores periféricos de catecolaminas), ACTH e vasopressina administrados pós-treino facilitam a retenção.

Apesar das sirnilaridades superficiais entre as influências dos tratamentos facilitatórios pós-treino sobre a memória e às dos acréscimos de reforço, observações recentes sugerem que o efeito dos primeiros não pode ser explicado por uma simples adição aos efeitos do reforço. Se os tratamentos facilitatórios pós-treino se incorporam ou se somam ao reforço, sua repetição no momento do teste poderia agir como um fator “relembrador” , porque se reestabeleceria como parte da resposta não condicionada.

As facilitações pós-treino e pré-teste produzidas por ACTH, adrenalina, vasopressina ou choques de baixa intensidade são efeitos diferentes.

O efeito pré-teste é explicável pela liberação de B-endorñna cerebral que os hormônios produzem (Izquierdo & Netto, 1985), e não por uma reestruturação da resposta não condicionada ou de suas conseqüências; e a facilitação pós-treino produzida por estes hormônios é melhor explicada por uma influência na durabilidade do traço de memória, e não por um acréscimo à resposta não condicionada.

Informações podem ser somadas a nível de pós-treino sem ser classificadas como estímulo condicionado ou não-condicionado, podendo, contudo, alterar a memória de forma considerável. São enquadradas na classe geral de “ informação pós-evento” (Loftus & Palmer, 1974; Izquierdo & Chaves, 1988).

Exemplos claros de modificação de memória pós-treino resultando em “ interferência retroativa” foram demonstrados (Loftus & Palmer, 1974; Chaves, Pezzin, Jardim & Izquierdo, 1990). Loftus e Palmer mostraram filmes de acidentes de trânsito a voluntários normais, e então perguntaram a eles qual a velocidade que os carros estavam quando eles se tocaram, bateram ou chocaram (em inglês: corztacted, hit, collided, bumped ou smashed). A palavra smashed evocou uma estimativa de aproximadamente 41 milhas/hora; collided, 40; bumped, 38; hit, 34; e contacted apenas 31 milhas/hora. Uma semana mais tarde, os indivíduos foram perguntados se lembravam de terem visto qualquer vidro quebrado no filme; o maior número de respostas positivas foi obtido pelo grupo que recebeu o questionário com a palavra smashed. A informação fomecida após o filme (a palavra contida no questionário) foi claramente integrada à informação adquirida durante o filme para construir “uma única memória” ou um “ arquivo”

Principais alterações da memória As alterações da memória são conhecidas pelos termos” amnésia” e” dismnésia”. Existe uma discussão quanto à manutenção dos dois termos, e seus significados estariam relacionados com a intensidade a do comprometimento da memória, sendo a dismnésia relativa a perturbações variáveis e amnésia a perda global das funções de memória. Por outro lado, o termo amnésia pode ser empregado, assim como o termo afasia para as alterações de linguagem, para toda e qualquer forma de alteração da memória, não havendo uma relação com a severidade ou qualidade. Estas devem ser expressas através de adjetivos que seguem o termo amnésia, como por exemplo, amnésia global transitória, amnésia anterógrada, amnésia retrógrada, etc. As amnésias são síndromes clínicas de perda de memória desproporcional a qualquer outro comprometimento cognitivo generalizado.

Podem ser divididas em quatro categorias: (1)”Síndrome Amnésica”, uma alteração de armazenamento e evocação de memória; (2)” Amnésia Parcial”, na qual apenas determinadas modalidades ou sub-funções da memória estão comprometidas; (3) Amnésia como parte de uma alteração cognitiva mais generalizada ou demência; e (4) as”Amnésias Funcionais” ou”Psicogênicas”. Dentro destas categorias, amnésias podem ocorrer de forma temporária ou permanente. Como em outros distúrbios neurológicos comportamentais, a disfunção da memória é primeiramente caracterizada de forma comportamental pela avaliação neuropsicológica de rastreamento, após a qual o processo diagnóstico diferencial se inicia.

  1. Síndrome amnésica Se refere a uma perda seletiva da função de memória recente na ausência de distúrbio cognitivo generalizado.

As principais características clínicas estão na Tabela 2. O déficit envolve os mecanismos de” curto-prazo” e recente da memória, em seus aspectos retrógrados e anterógrados. O comprometimento é global, ou não é restrito a nenhuma classe ou modalidade de itens. A memória imediata é a mais preservada nesta síndrome.

Memórias remotas estão, pelo menos, parcialmente preservadas. Dois outros aspectos da síndrome amnésica são a desorientação (no tempo e no espaço, mas praticamente nunca em relação a pessoa) e a confabulação, uma tendência a”preencher” lapsos de memória com informações inventadas pelo sujeito. Estas características do déficit de memória, especialmente a preservação de outros aspectos cognitivos, deve ficar evidente na avaliação de beira-de-leito. A seletividade da síndrome amnésica em relação às alterações da memória é bem exemplificada por pacientes com Korsakoff, os quais apresentam um desempenho em níveis normais em testes de inteligência, mas não são capazes de lembrar que realizaram as tarefas dez minutos depois.

Alteração da memória recente
Comprometimento Global
Aprendizado motor poupado
Memória imediata (“spans”) preservada
Memória remota preservada
Função Congnitiva Geral Preservada
Desorientação Temporo Espacial
Cofabulação

Causas da Síndrome Amnésica

Wenicke Korsakoff
Ablações da Região Medial do Lobo Temporal
Lesões Vasculares
Outras, Encefalite por Herpes Simples, Tumores, Lesões Cerebrais por Anoxia ou Hipoxia, Traumatismo Craniano

O mecanismo neuropsicológico da síndrome amnésica é baseado numa transferência deficiente de itens da memória imediata (atenção) para o armazenamento de curto-prazo. A habilidade imediata da memória é normal (span), mas retardos de até poucos segundos bloqueiam a evocação posterior. O paciente é efetivamente preso ao presente, esquecendo eventos tão logo tenham ultrapassado a atenção imediata. O paciente pode manter informações na memória imediata por poucos minutos às custas da manutenção da atenção de forma voluntária, mas qualquer distração interrompe o traço de memória, fenômeno conhecido por”interferência pré-ativa”.

1.1. Síndromes amnésicas transitórias

A Síndrome Amnésica pode ocorrer de forma transitória ou permanente. Os achados familiares de amnésia anterógrada e retrógrada, preservação da memória remota e da inteligência, desorientação, as vezes acompanhada por confabulação, estão presentes durante um episódio. Características adicionais da amnésia transitória incluem a diminuição da amnésia retrógrada e a recuperação da função anterógrada. Após a recuperação, persiste uma lacuna permanente, igual à soma da amnésia anterógrada mais o período de amnésia anterógrada após o início. As causas de amnésia transitória são várias. Todas têm em comum um comprometimento temporário do processo de armazenamento produzido por disfunção cerebral difusa ou alteração focal do circuito região medial do lobo temporal-diencéfalo. O traumatismo craniano tem sido considerado também causa de amnésia transitória. Crises epilépticas, principalmente do tipo parcial complexo que envolve estruturas temporais mediais, freqüentemente produzem alterações da memória.

1.2. Amnésia global transitória

Após a exclusão de todas as causas conhecidas de síndrome amnésica, um grande grupo de casos inexplicados ainda permanece. Bender, em 1956, e Fisher e Adams, em 1964, descreveram uma síndrome de”amnésia global transitória” (TGA) em pacientes de meia-idade e velhos. A amnésia tipicamente se inicia de forma súbita e dura de uma a vinte e quatro horas. Eventos precipitantes como baixa temperatura, relação sexual e situações estressantes têm sido relatados em alguns casos. Quando se avalia o paciente durante o episódio, ele costuma fazer uma série de perguntas (onde se encontra, porque está neste local, etc.), mas não se lembra das respostas, e torna a fazer as mesmas perguntas segundos após. Lembranças mais remotas e o conhecimento de si permanecem intactos, embora possa surgir inicialmente um lapso de memória que abranja alguns anos. Esta amnésia retrógrada tende a encurtar na medida em que as alterações anterógradas vão desaparecendo. Sinais neurológicos focais não são encontrados durante o episódio. A etiologia da amnésia global transitória não é conhecida. Alguns autores a têm atribuído a uma causa epiléptica, mas outras manifestações epilépticas não são observadas durante ou após o ataque. A baixa recorrência destes episódios também fala contra esta hipótese, e os estudos eletroencefalográficos de alguns casos não têm mostrado alterações durante estes períodos. Uma segunda hipótese seria a vascular, baseada na conhecida associação da amnésia transitória com enxaqueca e com ataques isquêmicos transitórios. A amnésia global transitória costuma ocorrer em indivíduos de meia-idade ou idosos, os quais freqüentemente apresentam fatores de risco para doença cérebro-vascular; no entanto, estudos de seguimento não têm mostrado uma incidência aumentada de isquemias transitórias ou ictus completos. Além destas evidências, a ausência de sinais neurológicos focais (por exemplo, alterações de campo visual) durante os episódios de amnésia transitória também falam contra a hipótese vascular. A etiologia da amnésia transitória pode envolver mais de uma causa, e certamente as causas conhecidas listadas na Tabela 2 devem ser cuidadosamente excluídas.

  1. Síndromes amnésicas parciais

As amnésias parciais diferem das amnésias ” globais” pela restrição do déficit de memória a uma classe de memória ou a uma modalidade sensorial. A lobectomia temporal unilateral em pacientes epilépticos, com retirada do hipocampo e amígdala, produz uma alteração de memória verbal nos sujeitos que tiveram o lobo temporal esquerdo removido e de memória não-verbal nos do lado direito. Lesões corticais que não envolvem estruturas mais internas relacionadas com a função de memória também provocam déficits de memória seletivos. Em muitos casos estes déficits parciais parecem estar mais intimamente ligados a alterações de funções corticais específicas (afasia ou agnosia) do que à síndrome amnésica global. Amnésia para palavras, ou memória verbal alterada, é uma característica das afasias. A memória imediata para dígitos ou palavras está tipicamente reduzida nos afásicos, e este déficit provavelmente contribui para muito da dificuldade de repetição encontrada nas síndromes afásicas. Alguns investigadores consideram que a afasia de condução representa uma alteração seletiva da memória verbal auditiva, restrita não apenas a palavras mas também à modalidade auditiva. Uma grande parte dos afásicos apresenta uma redução na memória recente verbal, isto é, na habilidade de apreender e reter palavras, junto com comprometimento da capacidade de memória para seqüências verbais, além dos déficits nos spans verbais imediatos. Déficits de memória podem também ser restritos a uma única modalidade sensorial. Existem descrições de alterações parciais de memória nas formas visuais e táteis, tendo sido postulada uma desconexão bilateral das áreas visuais cerebrais do circuito temporal medial da memória para os déficits visuais de memória; e uma desconexão unilateral entre córtex somato-sensorial no lobo parietal e o sistema de memória temporal medial. As descrições e os métodos de testagem destas síndromes amnésicas que atingem seletivamente modalidades sensoriais são ainda ingênuos. São principalmente de interesse teórico visando o entendimento da organização de sistemas sensoriais e a função de memória no cérebro.

  1. Amnésia no delirium e na demência

Classicamente a amnésia resulta de lesões focais do circuito lobo temporal medial-diencefálico da memória, mas a memória é também severamente afetada em distúrbios cerebrais difusos como no delirium e na demência. Pacientes em episódios de delirium, em geral não conseguem processar informações em termos de memória, mas o diagnóstico é freqüentemente óbvio devido à presença de outros déficits comportamentais e sinais de hiperatividade fisiológica (agitação, taquicardia, hipertensão, sudorese, tremor e febre). No caso da demência estes sinais fisiológicos em geral não são observados. A avaliação mostra alterações de outras funções cognitivas, como afasia, acalculia, déficits viso-espaciais, perda do juízo crítico, que não estão presentes nas síndromes amnésicas puras. Déficits de memória recente na doença de Alzheimer podem ser tão severos quantos os observados na síndrome amnésica, provavelmente devido à tendência de esta doença afetar o hipocampo. Em geral, a avaliação de triagem (Chaves & Izquierdo, 1992) prontamente diferencia síndrome amnésica de delirium e de demência.

Apenas em algumas situações ocasionais pode ocorrer uma dificuldade diagnóstica maior, como no caso de pacientes em fases muito precoces de quadros demenciais, nos quais as alterações de memória recente são mais evidentes do que as de outras funções cognitivas.

  1. Amnésia funcional

Em algumas situações, encontram-se pacientes nos quais a amnésia parece ser resultado de uma alteração funcional, isto é, sem qualquer evidência de alteração orgânica subjacente. Estas síndromes são geralmente transitórias, embora existam relatos de casos de amnésia psicogênica permanente.

Dentro das formas psicogênicas pode-se identificar subgrupos de alterações: amnésia de identidade, perdas transitórias de memória, estados de fuga e as síndromes raras de dupla ou múltiplas personalidades (que estão intimamente ligadas aos estados de fuga). Estas alterações devem ser cuidadosamente avaliadas, com o objetivo de afastar completamente a possibilidade de alteração orgânica, como, por exemplo, epilepsia temporal, blackouts de memória produzidos pela ingestão de álcool, entre outras causas.

Márcia L. F. Chaves

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

American Psychiatric Association. Comitee on Nomenclature and Statistics. Diagnosis and statistical manual of mental disorders. Washington, 1987.
ANTHONY, J.C.; LARESCHE, L.; NIAZ, U. et al. Limits of the Mini-Mental State as a screening test for dementia and delirium among hospital patients. Psychological Medicine, v.12, n.2, p.397-408, 1982.
BADDELEY, A.D.; WARRINGTON, E.K. Amnesia and the distinction between long-and short-term memory. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, v.9, n.2, p.176-89, 1970.
BENDER, M.B. Syndrome of isolated episode of confusion with amnesia. Journal of the Hillside Hospital, v.5, p.212-5, 1956.
BIRD, H.R.; CANINO, G.; STIPEC, M.R. et al. Use of the Mini Mental State Examination in a probability sample of Hispanic population. Journal of Nervous and Mental Disease, v.175, p.731-7, 1987.
BRESLOW, R.; KOCSIS, J.; BELKIN, B. Contribution of the depressive perspective to memory function in depression. American Journal of Psychiatry, v.138, n.2, p.227-30, 1981.
BUSCHKE, H.; FULD, P. Evaluation storage, retention and retrieval in disordered memory and learning. Neurology, v.11, p. 1019-25, 1974.
CEITLIN, L.H.F.; SANTOS, B.J; PARISOTTO, L.; ZANATTA, M.S.; CHAVES, M.L.F. Elaboration of word lists in Portuguese with emotional content and their influence on memory function in normal subjects. International Journal of Methods in Psychiatric Research, 1993. / no prelo /
CHAVES, M.L.F.; IZQUIERDO, I. Differential diagnosis between dementia and depression: a study of efficiency increment. Acta Neurológica Scandinavica, v.85, n.6, p.378-82, 1992.
CHAVES, M.L.F.; IZQUIERDO, I. Previous exposure to a novel experience enhances performance in two simple memory tests in humans. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 19, n.2, p.211-9,1986.
CHAVES, M.L.F.; PEZZIN, S.; JARDIM, C.P.; IZQUIERDO, I. Diazepan inhibits retroactive interference in humans: a pre-treatment with naltrexone does not alter this effect. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 23, n. 5, p. 417-21, 1990.
DELIS, D.C.; KRAMER, J.; KAPLAN, E. et al. California verbal learning test manual. San Antonio, Psychological Corporation, 1987.
FAUSTMAN, W.O.; MOSES, J.A.; CSERNANSKY, J.G. Limitations of the Mini-Mental State Examination in predicting neuropsychological functioning in a psychiatric sample. Acta Psychiatrica Scandinavica, v.81, n.2, p. 126-31, 1990.
FISHER, C.M.; ADAMS, R.D. Transient global amnesia. Acta Neurologica Scandinavica, v.40, p.1-83, 1964.
FOLSTEIN, M.; ANTHONY, J.C.; PARHAD, J. et al. The meaning of cognitive impairment in the elderly. Journal of the American Geriatrics Society, v.33, n.4, p.228-35, 1985.
FOLSTEIN, M.; FOLSTEIN, S.; McHUGH, P. Mini-Mental State: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinican. Journal of Psychiatric Research, v.12, n.3, p. 189-98, 1975.
FOREMAN, M.D. Reliability and validity of mental status questionnaires in elderly hospitalized patients. Nursing Research, v.36, n.4, p.216-20, 1987.
FREUD, S. (1901). Psicopatologia da vida cotidiana. In: Edição standard brasileira das obras completas psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, Imago, 1987. v.6, p.13-147.
GOLDEN, C.J.; PURISCH, A.D.; HAMMEKE, T.A. Luria-Nebraska Psychological Battery – Forms I and II: manual. Los Angeles, Western Psychological Services, 1985.
HEBB, D.O. The organization of behavior New York, John Wiley & Sons, 1949.
HOLZER, CE.; TISCHLER, G.L.; LEAF, P.J. et al. An epidemiologic assessment of cognitive impairment in a community population. In: Greenley, J.R., ed. Research in Community Mental Health. London, JAL Press, 1984. v.4, p.3-32.
HUNT, E. Experimental perspectives: theoretical memoy models. In: POON, L.W., ed. Handbook for clinical memory assessment of older adults. Washington, American Psychological Association, 1986. p.43-54.
IZQUIERDO, I.; CHAVES, M.L.F. The effect of non-factual post-training negative comment on the recall of verbal information. Journal of Psychiatric Research, v.22, n.3,p.165-9, 1988.
IZQUIERDO, I.; MCGAUGH, J.L. Effect of a novel experience prior to training or testing on retention of an inhibitory avoidance task in mice: involvement of an opioid system. Behavioral and Neural Biology, v.44, n.2, p.228-38, 1985.
IZQUIERDO, I.; NETTO, C.A. Factors that influence retrieval measured 0, 3 and 6 hours after inhibitory avoidance training. Behavioral and Neural Biology, v.43, n.3, p.260-73, 1985.
IZQUIERDO, I.; NETTO, C.A.; CHAVES, M.L.F.; QUILLFELDT, J.; GIANLUPI, A.; OLIVEIRA, C. Role of B-endorphin and other mechanisms in the simultaneous and consecutive processing of new and old memories. In: MATTHIES, H., ed. Information processing in the brain. London, Pergamon Press, 1986. p.257-67.
JORM, A.F.; HENDERSON, A.S. Memory bias in depression: implications for risk factors studies relying on self-reports of exposure. International Journal of Methods in Psychiatric Research, v.2, p.31-8, 1992.
JORM, A.F.; SCOTT, R.; CULLES, J.S. et al. Performance of the Informant Questionnaire on Cognitive Decline in the Elderly (IQCODE) as a screening test for dementia. Psychological Medicine, v.21, n.3, p.785-90, 1991.
JORM, A.F.; SCOTT, R.; HENDERSON, A.S.; KAY, D.W. Educational level differences on the Mini-Mental State: the role of test bias. Psychological Medicine, v.18, n.3,p.727-31, 1988.
KAY, D.W.; HENDERSON, A.S.; SCOTT, R. et al. Dementia and depression among the elderly living in the Hobart community. The effect of the diagnostic criteria on the prevalence rates. Psychological Medicine, v.15, n.4, p.771-88, 1985.
LOFTUS, E.F; PALMER, J.C. Reconstruction of automobile destruction: an example of the interaction between language and memory. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, v.13, n.5, p.585-9, 1974.
MACINNES, W.D.; ROBBINS, D.E. Brief neuropsychological assessment of memory. In: HARTLAGE, L.C.; ASKEN, M.J.; HORSBY, J.L., eds. Essentials of neuropsychological assessment. New York, Springer, 1987. p 175-96.
MARKOWITSCH, H.J.; PRITZEL, M. The neuropathology of amnesia. Progress in Neuropathology, v.25, p.189-412, 1985.
MCGAUGH, J.L. Hormonal influences on memory. Annual Review of Psychology, v.34, p.297-323, 1983.
MCKHANN, G.; DRACHMAN, D.; FOLSTEIN, M, et al. Clinical diagnosis of Alzheimer’s Disease: Report of the NINCDS-ADRDA Work Group under the auspices of Department of Health and Human Services Task Force on Alzheimer’s disease. Neurology, v.34, p.939-44,1984.
MILNER, B.; CORKIN, S.; TEUBER, H.L. Further analysis of the hippocampal amnesic syndrome: 14 year follow-up study of H.M. Neuropsychology, v.6, p.215-34, 1968.
MORRIS, J.C.; HEYMAN, A.; MOHS, R.C. et al. The Consortium to Establish a Registry for Alzheimer’s Disease (CERAD) Part I. Clinical and neuropsychological assessment of Alzheimer’s disease. Neurology, v.39, n.9, p.1159-65, 1989.
MULLER, G.E.; PILZECKER, A. Experimented Beitrage zur Lehre von Gedachtniss. Zeistschriftfur Psychologies v.1, p. 1-288, 1900.
NETTO, C.A.; DIAS, R.D.; IZQUIERDO, I. Training in an open field: simultaneous learning of habituation and of a water finding task, and differential effect of posttraining naloxone, beta-ndorphin, leu-encephalin and electoconvulsive shock. Psychoneuroendocrinology, v.11, p.437-46, 1986.
O’CONNOR, D.W.; POLLITT, P.A.; HYDE, J.B. et al. The reliability and validity of the Mini-Mental in a British community survey. Journal of Psychiatric Research, v.23,n.1,p.87-96, 1989.
PFEFFER, R.I.; KUROSAKI, T.T.; CHANCE, J.M. et al. Use of the Mental Function Index in older adults. American Journal of Epidemiology, v.120, p.922-35, 1984.
PLASS, A. Adaptação para o português da Escala de Memória de Wechsler – Revisada: fidedignidade e validade. Porto Alegre, 1991. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
RANDT, C.T.; BROWN, E.R.; OSBORNE, D.P. A memory test for longitudinal measurement of mild to moderate deficiencies. Clinical Neuropsychology, v.2, n.4, p. 184-94, 1980.
REITAN, R.M.; WOLFSON, D. The Halstead-Reitan Neuropsychological Test Battery, theory and clinical interpretation. Tucson, Neuropsychology Press, 1985.
RUSSEL, E.W. The pathology and clinical examination of memory, In: FILSKOV, S.; BOLL, T. Handbook of clinical neuropsychology. New York, John Wiley, 1981. p 287-319.
SILBERMAN, C.; SOUZA, C.; DIOGO, C.; WILHEMS, F.; SCHMITZ, M.; STEIN, A.; CHAVES, M.L.F. Avaliação da freqüência de déficit cognitivo e sintomas depressivos em idosos em área populacional de Porto Alegre. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PSIQUIATRIA, 12., 1992. Resumos. s.l, s.ed., 1992. p.40.
SIMPSON, N.; BLACK, F.W.; STRUB, R.L. Memory assessment using the Strub-Black mental status exam and the Wechsier memory scale. Journal of Clinical Psychology, v.42, n.1, p. 147-55, 1986.
SPEAR, N.E.; MUELLER, C.W. Consolidation as a function of retrieval. In: Weingartner, H.; Parker, E.S., eds. Memory consolidation psychobiology of cognition. Hillsdale, Lawrence Earlbaum, 1984. p.111-47.
SQUIRE, L.R. The neuropsychology of human memory. Annual Review of Neurosciences, v.5,p.241-73, 1982.
TEASDALE, J.D.; FOGARTY, S.J. Differential effects of induced mood on retrieval of pleasant and unpleasant memories from episodic memory. Journal of Abnormal Psychology, v.88, n.3, p.248-57, 1979.
TEASDALE, J.D.; RUSSEL, M.L. Differential effects of induced mood on the recall of positive, negative and neutral words. British Journal of Clinical Psychology, v.22, n.3,p.163-71, 1983.
TOMBAUGH, T.N.; MCINTYRE, N.J. The Mini Mental State Examination: a comprehensive review. Journal of the American Geriatrics Society, v.40, n.9, p.922-35, 1992.
VISSER, R.S.H. Manual of the complex figure test. Amsterdam, Swets & Zeitlinger, 1985.
WARRINGTON, E.K. Recognition memory test manual. Windsor, NFER- Nelson 1984.
WECHSLER, D. Wechsler Memory Scale – revised manual. San Antonio, Psychological Corporation, 1987.
WEINGARTNER, H.; MILLER, H.; MURPHY, D. Mood state dependent retrieval of verbal associations. Journal of Abnormal Psychology, v.86, n.3, p.276-84,1977.

Fonte: www.revistasusp.sibi.usp.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Síndrome de Rokitansky

A Síndrome de Rokitansky ou Síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuester é um defeito congênito caracterizado por alteração …

Rickettsiose

PUBLICIDADE Rickettsiose (Rickettsia) é um membro de um grupo de microorganismos que (como os vírus) …

Síndrome de Swyer

PUBLICIDADE Definição A síndrome de Swyer é uma condição na qual uma pessoa com uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+