Breaking News
Home / Saúde / Criptococose

Criptococose

PUBLICIDADE

Cryptococcus é um fungo invasivo que causa a criptococose uma infecção comumente associada a indivíduos imunossupressores, sendo rara em indivíduos saudáveis.

As duas espécies de Cryptococcus que são comumente associadas a infecções em humanos são Cryptococcus neoformans e Cryptococcus gatti. O organismo é amplamente prevalente em certas regiões do mundo.

No entanto, as formas mais comuns de exposição incluem um histórico de exposição ao solo, excrementos de pássaros.

Criptococose – O que é

criptococose é causada por um fungo conhecido como Cryptococcus neoformans.

A infecção pode ser transmitida aos seres humanos através do contato com fezes de pombos ou frutas cruas não lavadas.

O contato com um indivíduo infectado também pode espalhar a infecção. Indivíduos com distúrbios caracterizados por baixa imunidade (por exemplo, infecção por HIV) correm alto risco de contrair essas infecções.

A criptococose pode aparecer de várias formas, dependendo de como a infecção é adquirida.

Na maioria dos casos, a infecção começa nos pulmões (forma pulmonar) e pode então se espalhar para o cérebro, trato urinário, pele e/ou ossos (forma disseminada).

Quando a infecção é limitada aos pulmões, os sintomas podem ser mínimos ou não aparentes. Os sintomas respiratórios podem incluir tosse e dor no peito.

Quando a infecção se espalha, ela tende a procurar o sistema nervoso central, especialmente o cérebro. Em alguns indivíduos afetados, a inflamação das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal (meningite) pode ocorrer como uma complicação grave.

Os sintomas associados à meningite podem incluir tontura, visão turva, dor de cabeça intensa e/ou rigidez do pescoço. Nesses casos, o tratamento imediato é essencial para ajudar a prevenir complicações potencialmente fatais.

Criptococose – Doença

Criptococose – Doença do Pombo

doença criptocócica é causada pelo fungo Cryptococcus.

O fungo é encontrado em todo o mundo no meio ambiente em locais como matéria orgânica em decomposição, árvores, solo e excrementos de pássaros.

A doença é causada principalmente por duas espécies de Cryptococcus: Cryptococcus neoformans e Cryptococcus gattii. As pessoas inalam esses fungos do ar na forma de esporos de fungos.

Os fungos permanecem inativos até que o sistema imunológico da pessoa esteja enfraquecido, como em receptores de transplantes ou pessoas com HIV não tratado. Pessoas com sistema imunológico intacto às vezes também podem contrair a doença, embora esses casos sejam menos comuns.

Quando o fungo está ativo, ele pode se espalhar para o cérebro e, às vezes, para outros órgãos pela corrente sanguínea.

A meningite, ou inflamação do cérebro e da medula espinhal, é a doença mais comum causada por esse fungo.

meningite criptocócica é uma das principais causas de morte em indivíduos infectados pelo HIV em todo o mundo (perdendo apenas para a TB), apesar do uso generalizado da terapia antirretroviral (TARV).

Também é importante notar que se uma pessoa é HIV-positiva, ela deve continuar tomando TARV. Se uma pessoa é diagnosticada com criptococose, os medicamentos antifúngicos fluconazol e anfotericina B podem ser prescritos para tratá-la. É importante diagnosticar e tratar a criptococose precocemente para que ela não evolua para meningite com risco de vida.

Criptococose – Sintomas

As formas pulmonares desta doença incluem infecções agudas e infecções pulmonares crônicas.

As formas disseminadas incluem infecções do sistema nervoso central (cérebro), infecções cutâneas (pele) e infecções envolvendo outros órgãos ou sistemas.

Formas pulmonares

As infecções agudas raramente são diagnosticadas, exceto em pacientes com sistema imunológico enfraquecido. Em pessoas com sistema imunológico normal, a criptocose pode não resultar em nenhum sintoma (assintomático).

As infecções pulmonares crônicas podem gerar massas bastante grandes nos lobos dos pulmões, bem como pneumonia segmentar (envolvendo partes dos pulmões), fluido nos pulmões (derrames pleurais) e linfonodos inchados.

Forma Disseminado

As infecções do sistema nervoso central, especialmente as do cérebro, podem apresentar-se apenas moderadamente graves, em vez de agudas. As complicações podem incluir uma cabeça anormalmente grande (hidrocefalia) e visão deficiente, entre outras.

Infecções cutâneas ou da pele podem se apresentar como inchaços cheios de líquido (pápulas), placas endurecidas semelhantes a placas (placas) e feridas ulcerosas.

As infecções de outros órgãos ou sistemas podem envolver a visão (coriorretinite), os ouvidos (otite), o coração (miocardite, endocardite), o sistema digestivo (gastroduodenite, hepatite) e os rins.

Em geral, os sintomas de várias formas de criptococose podem incluir: dor no peito, tosse seca, dor de cabeça, náusea, confusão, visão turva ou dupla, fadiga, febre, sudorese incomum e excessiva à noite, glândulas inchadas sem o aparecimento de infecção em áreas próximas, erupção cutânea, manchas vermelhas (petéquias), sangramento na pele, hematomas, perda de peso não intencional, perda de apetite, inchaço abdominal, dor abdominal, inchaço abdominal, fraqueza, dor óssea e dormência e/ou formigamento.

Criptococose – Causas

criptococose é causada pelo fungo Cryptococcus neoformans. É transmitida pelo contato com fezes de pombos, frutas cruas não lavadas ou por indivíduos infectados.

Pessoas com deficiências imunológicas ou imunidade reduzida (como pessoas submetidas a quimioterapia para câncer ou transplantes de órgãos ou pessoas infectadas com HIV-AIDS) correm alto risco de contrair essa infecção fúngica.

Criptococose – Diagnóstico

O diagnóstico depende da prova da presença de Cryptococcus neoformans em um fluido corporal ou tecido corporal. A presença do fungo pode ser observada ao microscópio óptico em algumas circunstâncias; outras circunstâncias requerem o crescimento do organismo a partir de amostras de fluido retiradas de um paciente.

Um teste imunológico projetado para detectar a substância que seria mobilizada no organismo para combater esse fungo se estivesse presente (antígeno) está disponível em kits comerciais.

Criptococose – Tratamento

Entre os antibióticos utilizados no tratamento da criptococose estão os antifúngicos Anfotericina B, Flucitosina e Fluconazol. Esses medicamentos podem ter efeitos colaterais graves, por isso é importante que seu uso seja monitorado com cuidado. Indivíduos com sistema imunológico comprometido, ou sob terapia imunossupressora, devem receber tratamento medicamentoso prolongado para prevenir recaídas.

Criptococose – Transmissão

Pensa-se que a infecção é transmitida por inalação do organismo. A doença não é transmitida diretamente de pessoa para pessoa.

O tempo de exposição ao organismo e o desenvolvimento da doença não é conhecido. No entanto, a doença pulmonar pode preceder a infecção cerebral em meses ou anos.

Criptococose – Prevenção

fungo que causa a criptococose é conhecido por estar presente nos excrementos de pombos. Portanto, recomenda-se que, se grandes acúmulos de excrementos forem removidos, eles devem primeiro ser molhados para reduzir a probabilidade de inalação do fungo.

Não existem medidas específicas para controlar a propagação da doença, principalmente porque a criptococose raramente ocorre em aglomerados na mesma área e raramente é um perigo para pessoas saudáveis.

Fonte: rarediseases.org/www.ncbi.nlm.nih.gov/www-nicd-ac-za/conditions.health.qld.gov.au

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Gangrena

PUBLICIDADE Gangrena – O que é A gangrena é uma condição perigosa e potencialmente fatal que ocorre …

Disenteria

PUBLICIDADE Disenteria – Definição A disenteria é um termo geral para um grupo de distúrbios gastrointestinais caracterizados …

Varíola do Macaco

PUBLICIDADE Varíola do Macaco – O que é A Varíola do Macaco não é uma doença nova. …