Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Saúde / Gengivite

Gengivite

PUBLICIDADE

A má higienização da boca é o fator predominante para desencadear a gengivite.

É importante fazer a remoção mecanicamente evitando que o problema aumente.

A gengivite causa dor, hipersensibilidade, sangramento, inchaço, retração da gengiva e em casos mais graves pode causar a periodontite.

Essas bactérias ficam presentes na linha da gengiva e vão se proliferando prejudicando até a estrutura do dente.

Primeiro sinal de sangramento já demostra que há a inflamação na gengiva.

A melhor maneira de prevenir é a escovação correta dos dentes. A higienização é primordial para evitar o aparecimento da placa bacteriana.

Gengivite

A gengivite é uma doença que atinge grande parte da população. Não é uma doença grave e de fácil tratamento, porém se não for tratada pode levar a serias complicações.

Apesar do declínio de prevalência de cárie são longo das últimas décadas, as condições de saúde gengival mantiveram-se praticamente as mesmas(CHAMBRONE, et.al., 2006).

A gengivite é uma das doenças bucais mais comuns; manifesta-se clinicamente com sangramento dos tecidos gengivais, sem perda de inserção óssea (XAVIER, et.al., 2007; Pinto, 2008). Sua etiologia está relacionada à formação do biofilme dentário que se não desorganizado em duas ou três semanas pode causara inflamação das gengivas (MARTINS, 2006).

Muitas vezes o tratamento, baseado no controle do biofilme não é realizado por falta de informação. Prevenir e tratar a gengivite são maneiras de evitar as conseqüências das doenças gengivais.

O tratamento da gengivite consiste basicamente em uma boa higiene bucal (PINTO, 2008). O Técnico em Saúde Bucal (TSB) tem papel importante para informar o paciente sobre como tratar e controlar a doença tanto com ações educativas como clínicas.

O objetivo da pesquisa é realizar uma revisão da literatura onde se pretende apresentar um breve relato sobre a gengiva e a gengivite, identificar os fatores de risco associados à ela, expor métodos de prevenção,tratamento e controle e descrever o pape l do Técnico em Saúde Bucal na prevenção desta doença.

Gengiva

Os tecidos envolvidos na sustentação dos dentes compõem o periodonto que compreende: gengiva,ligamento periodontal, cemento radicular e o osso alveolar. De acordo com suas funções, o periodonto divide-se em periodonto de sustentação e de proteção.

O primeiro é composto pelo cemento, osso alveolar e ligamento periodontal (OPPERMANN, et.al, 1999). O periodonto de proteção é formado pela gengiva que é a parte da mucosa mastigatória que cobre o processo alveolar e circunda a porção cervical dos dentes.

A gengiva é o único dos tecidos periodontais, que sob condições saudáveis, é diretamente visível clinicamente. A gengiva saudável é caracterizada clinicamente por sua coloração rósea, consistência firme e contorno parabólico da margem gengival. As papilas interdentais são firmes, não sangram à sondagem delicada e ocupam todo o espaço disponível abaixo das áreas de contato.

A presença do pigmento melanina no epitélio pode dar a gengiva uma coloração de marrom a preta. A gengiva exibe frequentemente, uma aparência pontilhada , e com aspecto de casca de laranja. A textura gengival assume sua forma e textura definitiva com a erupção dos dentes(FIGUEIREDO, PARRA, 2002) .

A gengiva inflamada caracteriza-se pelo acúmulo do biofilme, ou seja, interação hospedeiro-microrganismo.

Gengivite

A gengivite é a doença periodontal mais frequente na população, estando amplamente distribuída em todo o mundo como problema de saúde pública (XAVIER, et.al. 2007).

Acomete o periodonto de proteção sendo o primeiro estágio da inflamação periodontal causada pelo biofilme dentário que se forma na margem da gengiva(HEBLING, 2003).

A gengivite é um processo inflamatório que se desenvolve através das bactérias que vivem na boca e se grudam nos dentes por meio de uma película pegajosa, formando a placa ba cteriana ou biofilme dentário. Para que se possa ter um adequado manejo clinico do processo saúde/doença no que se refere à gengivite, é necessário compreender o que é biofilme (PINTO, 2008).

Biofilme dental pode ser definido como agregados bacterianos que ocorrem sobre os dentes ou estruturas sólidas da cavidade bucal; é o fator de maior importância na etiologia da cárie e das doenças periodontais.

Há uma relação muito grande com a higiene bucal deficiente. Após 10 a 20 dias de acúmulo de biofilme, sinais clínicos de gengivite co meçam a aparecer.A má higiene (escovação deficiente ou falta do fio dental) é o principal motivo de instalação da gengivite.

Isso ocorre porque o biofilme dental que se forma nos dentes quando os mesmos não são bem limpos, é o responsável pela irritação do tecido gengival (PINTO, 2008). O uso de aparelhos ortodônticos fixos facilita a retenção de restos de alimentos e a adesão do biofilme favorecendo ainda mais o desenvolvimento da doença nos casos em que existe uma predisposição a ela (PINTO, 2008).

Na sua fase inicial, a gengivite apresenta sinais clínicos bem evidentes como alteração da cor gengival de rosa para um tom avermelhada, inchaço e sangramento, até mesmo espontâneo. As alterações de volume podem ser para mais ou para menos, alteração da consistência. Na maioria das vezes não causa dor, podendo ou não apresentar hálito mais forte do que o normal (PINTO, 2008). Algumas situações fisiológicas e hábitos de vida podem colaborar para que a gengivite se torne mais susceptível em alguns pacientes. Isso pode ser bastante observado durante a gravidez devido às alterações hormonais que acontecem nesse per íodo.

Mesmo em pacientes com saúde gengival anterior podem desenvolver a gengivite durante a gestação que pode ser generalizada ou localizada. Também por causa das alterações hormonais, os adolescentes são pacientes que desenvolvem a gengivite com bastante frequência.

Doenças e alterações sistêmicas como diabetes, alterações cardiovasculares e pulmonares, distúrbios hormonais, infecções pelo HIV, entre outras podem agravar o quadro de gengivite já existente acelerando sua progressão e destruição tecidual, além de dificultar o tratamento ( BOSCO et a l., 2004) .O consumo do tabaco é um dos grandes responsáveis no desenvolvimento da gengivite apresentando não somente uma maior prevalência, mas também uma maior gravidade da doença em pessoas que fumam se comparado a não fumantes ( PINT O, 2008).A associação existente entre gengivite e o fator socioeconômico está diretamente ligado a renda e escolaridade e associam-se a cálculo e sangramento gengival de maneira estatisticamente significante.

Portanto,indivíduos de menor renda e escolaridade apresentam deficiência na escovação. Sendo a deficiência na escovação uma das principais causas de gengivite. Isto explicaria as associações entre condições periodontais e os indicadores socioeconômicos utilizados (OPPERMANN, et al. 1999). É importante ressaltar que parte da população pode ser geneticamente susceptível a doenças gengivais.Mesmo o indivíduo tendo uma boa higienização oral, bom hábito alimentar, pode estar pre disponível a estes problemas por causa da genética. Variações na resposta do hospedeiro são mediadas por herança genética.(OPPERMANN, et al, 1999).A gengivitepode ocorrer em qualquer idade e é reversível desde que o biofilme dental seja removido e medidas eficazes para o controle do mesmo sejam instituídas (GEBRAN, et. al, 2002 )

Tratamento da gengivite

O principal objetivo do tratamento da gengivite é o controle do biofilme dental. Hoje, o controle mecânico de biofilme é o método mais aceito por ser mais efetivo, acessível e difundido para controle do biofilme dental,atuando na sua prevenção e tratamento da gengivite. Entende-se por prevenção uma barreira interposta à doença(GEBRAN, et. al, 2002). Para a execução do controle mecânico do biofilme a escova e o fio dental ocupam lugar de destaque. A higiene bucal correta é fruto de um hábito adquirido, este deve ser estimulado o mais cedo possível, através do incentivo que os pais passa m às crianças (GUEDES-PINTO, 2003). A utilização de agentes químicos como coadjuvantes dos mecânicos na desorganização do biofilme dental incorporados em dentifrícios ou soluções para bochechos para controle de placa é bastante válida.

Existem duas razões que justificam a utilização deste método, a primeira diz respeito que tanto a cárie quanto a doença periodontal são de origem bacteriana, e deste modo substâncias antibacterianas poderiam ser utilizadas para combatê-las; e a segunda é pela existência de indivíduos que possuem dificuldades no controle mecânico de placa,e assim as substâncias antibacterianas poderiam tentar compensar a desmotivação para uma boa limpeza dos dentes. Quando o paciente não possuir condições de executar este controle mecânico de placa (invalidez temporária ou permanente, falta de coordenação motora, etc) e o profissional julgar conveniente o recurso químico auxiliar pode ser utilizado. Deve-se sempre levar em conta alguns fatores que podem influenciar na escolha da substância química , tais como: grau de higiene do paciente, seus efeitos colaterais, sua eficácia , alterações ao nível de microbiota bucal, custo e aceitação pelo paciente (GEBRAN, et. al, 2002).

DISCUSSÃO

Função do Técnico em Saúde Bucal .A melhor forma de controlar o biofilme é a adoção de procedimentos que visem a sua desorganização mecânica, que pode ser realizada por um técnico em saúde bucal (PINTO, 2008). Por isso, é importante discutir com o paciente sobre conceitos de higiene, prevenção e autocuidado incentivando-o às mudanças de hábitos,despertando nele o interesse em cuidar de sua própria saúde, informando-o sobre o seu problema, sua origem e sua evolução , conscientizando-o sobre a relevância do trata mento (PINTO, 2008) .Ações de educação em saúde bucal

Algumas das ações de educação em saúde bucal referem-se à realização de orientações, reuniões e palestras, supervisionar escovação, orientar o paciente sobre as técnicas de escovação e como usar o fio dental,realizar profilaxias com pedra pomes ou pastas abrasivas, ou o uso do jato de bicarbonato de sódio, visando à desorganização e remoção do biofilme dental. Desta forma, pode ocorrer a prevenção por se tratar de uma barreira interposta à doença. Para prevenir a instalação da gengivite ou manter um tratamento realizado bem sucedido, é fundamental uma higiene bucal diária adequada para remover o biofilme, bem como, ter atenção para qualquer alteração das gengivas e visita periódica ao dentista (L OBAS, et .al., 2004).A prática do Técnico em Saúde Bucal na prevenção e tratamento da gengivite. Na prática do TSB, é imprescindível se forneça as condições necessárias para que o paciente venha a realizar um adequado controle do biofilme.

Portanto, cabe ao mesmo a remoção dos fatores que estejam re tendo o biofilme, como parte inicial do tratamento. Em relação ao cálculo dental, cabe ao profissional sua remoção através de raspage m, alisa mento e polimento supra gengival ( LOBAS, et, al, 2004).Para que o paciente consiga executar de maneira adequada as instruções de higiene que lhe foram passadas pelo profissional, este deve personalizar os instrumentos de higiene de acordo com as necessidades de cada individuo. Pois o maior obstáculo tem que ser observado no uso de tais meios, principalmente no caso do fio dental, está diretamente ligada às dificuldades inerentes ao próprio ser humano e, mais ainda, em relação à criança.Portando o mais importante é a conscientização que se deve fazer ao paciente, objetivando capacitá-los a uma higiene bucal condizente com manutenção da integridade periodontal (GUEDES-PINTO, et.al. 2005).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Considera-se que a gengivite é uma doença bacteriana que se manifesta na grande maioria da população, apesar de não ser uma doença grave, pode levar a eventuais complicações à saúde bucal, quando não tratada. A prevenção e tratamento da gengivite têm como objetivo possibilitar a desorganização e controle do biofil me dental , assim como , pro mover a ação sobre os fatores de risco associados a esta doença.O Técnico em Saúde Bucal tem um papel relevante na educação em saúde bucal, motivando o autocuidado ao paciente e prevenindo a instalação da gengivite, em indivíduo s e comunidades, na atuação cotidiana de sua prática profissional.

REFERÊNCIAS

CHAMABRONE, L.; MACEDO, S.B.; RAMALHO, S.C.; TREVIZANI, E.; CHAMBRONE, l. A. Prevalência e severidade de Gengivite em escolares de 7 a 14 anos. Condições Locais Associadas ao Sangramento a Sondagem.Rev CS Col [periódico na internet]FIGUEIREDO, M.C.; PARRA, S.L.N.. Aspectos normais da Membrana Periodontal e Osso Alveolar. 2002.Dispon ível em: http://www.odontologia .co m.br/artigos.asp?id=20 5 Acessado e m: 06/11 /09GEBRAN, M.P. GEBERT, A.P. Controle químico e mecãnico de placa ba cteriana. Tuiuti: Ciência e Cultura, n. 26,FCBS 03, p. 45-58, Curi tiba, jan. 2002HEBLING, Eduardo. Prevençao das doenças periodontais. In: Pereira, A.C.; Odontologia em Saúde Coletiva, 1ªEd, Cap. 20, Artmed, São Paulo, 2003. MARTINS, R.S.. Diagnóstico e tratamento periodontal no modelo de promoção de saúde In: DIAS, A.A.; SaúdeBuca l Coletiva, 1 ª Ed ., Cap . 5, Ed. Santos, São Paulo, 2006 . OPPERMANN, R; ROSING, C. Prevenção E Tratamento Das Doenças Periodantais. Cap. 12; Ed. ArtesMédicas, São Paulo, 1999. PEREIRA, A. C. Prevenção das Doenças periodontais In: Odontologia em Saúde Coletiva, Cap. 20, Ed Artmed,Porto Alegre, 2003.PINTO, V.G. Etiologia e Prevenção da Doença Periodontal In: Saúde Bucal Coletiva, 5ª Ed., Cap.15, Ed.Santos,São Paulo, 2008 XAVIER, A.S.S.; CAYETANO, M.H.; JARDIM, E.G.; BENFATTI,S.V; BAUSELLS, J. Condições Gengivais deCrianças com Idade entre 6 e 12 anos: Aspectos Clínicos e Microbiológicos. Pesq. Bras Odontoped Clin integr,João Pessoa, v.7, n.1, pg. 29-35, Jan ./abr. 2007.WIKIPÉDIA. Periodonto. Dispon ível em: h ttp://pt.wikipedia .org/wiki/Periodonto Acessado em: 06/11 /09

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.herrero.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Síndrome de Williams

Síndrome de Williams

PUBLICIDADE A síndrome de Williams é um distúrbio do desenvolvimento que afeta muitas partes do …

Líquen Escleroso

Líquen Escleroso

PUBLICIDADE O líquen escleroso é uma condição dermatológica que afeta principalmente mulheres após a menopausa …

Irite

Irite

PUBLICIDADE O que é A irite é inflamação da íris (a parte colorida do olho). …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+