Breaking News
Home / Saúde / Síndrome de Jerusalém

Síndrome de Jerusalém

PUBLICIDADE

Definição

Síndrome de Jerusalém uma condição ilusória que afeta alguns visitantes de Jerusalém, na qual o indivíduo se identifica com uma figura importante de sua origem religiosa

A Síndrome de Jerusalém é um diagnóstico comumente usado para explicar o comportamento de certos “personagens” únicos que às vezes são vistos vagando pelas ruas da cidade.

Vestir roupas bíblicas, experimentar delírios ou alucinações, assumir um nome diferente e recusar-se a deixar a cidade ou o propriamente Israel (Capital: Jerusalém) são alguns dos sintomas que são considerados evidências dessa aflição incomum.

A forma discreta da síndrome de Jerusalém está relacionada à excitação religiosa induzida pela proximidade dos lugares sagrados de Jerusalém.

A Síndrome de Jerusalém é um distúrbio psicológico estranho que afeta os turistas na Cidade Santa.

O que é a Síndrome de Jerusalém?

A Síndrome de Jerusalém é um termo usado para descrever um fenômeno mental pelo qual os visitantes de Jerusalém desenvolvem delírios religiosos, acreditando que eles podem ser Deus ou uma pessoa famosa da Bíblia. Tais pessoas acreditavam ser pessoas famosas da Bíblia, como João Batista, o apóstolo Paulo, a Virgem Maria ou mesmo o Messias.

A síndrome afeta apenas os membros do judaísmo, cristianismo e islamismo, com judeus e cristãos que compreendem a maioria dos casos.

A teoria foi desenvolvida pelo Dr. Yair Bar-El, ex-diretor do Centro de Saúde Mental Kfar Shaul, em Jerusalém, que afirma tratar uma média de um a dois pacientes com Síndrome de Jerusalém por mês.

Um grande número de pacientes com a Síndrome de Jerusalém tem histórias de transtornos mentais preexistentes, mas não todos.

Segundo Bar-El e o colega psiquiatra Kfar Shaul, Gregory Katz, muitos indivíduos afetados não tinham distúrbios mentais antes de sua visita a Jerusalém. Eles chegaram completamente sãos, estavam percorrendo a cidade uma hora, e os próximos vagando pelo deserto como João Batista em busca de conversos.

A maioria desses indivíduos é tratada em Kfar Shaul e liberada em uma semana, após a qual retornam à vida normal sem um traço remanescente de suas fantasias religiosas.

Síndrome de Jerusalém
Algumas pessoas com síndrome de Jerusalém acreditam ser a Virgem Maria

Os psiquiatras especularam que talvez essas pessoas previamente normais – a maioria delas cristãs protestantes – sofram um tipo de choque cultural religioso.

A realidade de que Jerusalém se assemelha a muitas outras cidades modernas, com tráfego movimentado, empresários correndo de um lado para outro em telefones celulares e propagandas comerciais desenfreadas, conflita violentamente com a ideia do indivíduo de uma antiga cidade de paralelepípedos, vagando pelos cidadãos em vestes e sandálias.

Em resposta a essas idéias irreconciliáveis, alguns dizem que suas mentes sofrem um colapso temporário.

Outro fator poderia ser que muitos indivíduos viajam para Jerusalém em uma peregrinação sagrada, e ao chegarem acreditam e sentem que estão mais próximos de Deus do que nunca. Essas emoções poderosas também podem levar a estranhas reações psicológicas.

Houve, é claro, muitos casos em que os pacientes desenvolveram a Síndrome de Jerusalém não por causa de uma intensa experiência religiosa, mas devido a um distúrbio mental preexistente.

Um homem que sofria de esquizofrenia paranoide desenvolveu a Síndrome de Jerusalém enquanto estava nos EUA e viajou para Jerusalém como resultado.

Ele era um fisiculturista americano que acreditava ser Samson, o homem forte bíblico. Ele viajou para Jerusalém em uma missão santa delirante para mover parte do Muro das Lamentações. Alguns especulam que David Koresh, o líder do culto caído do Ramo Davidians, tinha um complexo do Messias causado, em parte, por uma viagem a Jerusalém.

Enquanto muitos na comunidade médica são céticos quanto à legitimidade da Síndrome de Jerusalém, muitos a levam a sério, em nenhum lugar mais do que em Jerusalém.

Guias turísticos, pessoal de segurança e médicos em Jerusalém, todos vigiam os sintomas da Síndrome de Jerusalém.

Uma vez que uma pessoa que sofre de sintomas chegou ao estágio de se embrulhar em lençóis brancos e fazer proselitismo no deserto, muitos médicos são treinados para brincar junto com os delírios, de modo a não agitar ainda mais o paciente. Com a ajuda do tempo, cuidados médicos e drogas, a ilusão desaparece com frequência.

A Síndrome de Jerusalém não é o único exemplo da Síndrome de Voyager, na qual um viajante cai sob um feitiço psicológico temporário e bizarro em reação a um determinado local. Muitos dos que viajaram para Paris, especialmente turistas japoneses, experimentaram estados mentais agitados e experimentaram alucinações, assim como sentimentos de angustia hostilidade. Isso tem sido chamado de Síndrome de Paris, e acredita-se que seja causado por uma mistura de fadiga de viagem e choque cultural. Há também a Síndrome de Florence, ou Stendhal, onde os viajantes ficam tontos, desorientados e experimentam alucinações em resposta à excelente arte florentina.

Síndrome de Jerusalém – Tipo

Síndrome de Jerusalém afeta principalmente os cristãos e existem três tipos de pacientes:

Tipo Um é uma pessoa que já foi diagnosticada com uma doença mental psiquiátrica antes de visitar Israel. Esses pacientes costumam viajar para Israel porque já têm delírios religiosos.

O Tipo Dois é alguém que tem uma fixação ou crença religiosa profunda antes de visitar Israel, mas não uma doença mental prévia. Por exemplo, eles podem viajar para Israel para encontrar sua religião ou seu verdadeiro significado.

O terceiro tipo é “talvez o mais fascinante”, segundo os médicos. Ele descreve os turistas sem história de doença mental, que então têm um episódio psicótico ao visitar Jerusalém, e depois se recuperam logo depois de sair.

Síndrome de Jerusalém – História

A Síndrome de Jerusalém foi identificada pela primeira vez pelo Dr. Yair Bar El, ex-diretor do Hospital Psiquiátrico Kfar Shaul.

Bar El estudou 470 turistas que foram encaminhados para tratamento entre 1979 e 1993. Com base em seu trabalho com esses visitantes, que haviam sido declarados temporariamente insanos, Bar El chegou a algumas conclusões fascinantes.

Em 2000, um grupo de médicos israelenses publicou um artigo sobre a Síndrome de Jerusalém, que eles descrevem como “um distúrbio psicótico agudo único”.

“Jerusalém, uma cidade que evoca o senso do sagrado, do histórico e do celestial, tem uma atração única para pessoas de várias religiões e religiões do mundo – especialmente judeus, cristãos e muçulmanos”, dizia o texto.

Para alguns, o significado religioso da cidade os supera, fazendo-os entrar em uma psicose e convencer-se de que eles são o Messias ou outras figuras bíblicas.

As pessoas que acreditam que são João Batista, Jesus, Sansão ou a Virgem Maria foram vistas na cidade santa.

“Desde 1980, os psiquiatras de Jerusalém têm encontrado um número cada vez maior de turistas que, ao chegar em Jerusalém, sofrem descompensação psicótica”, de acordo com o jornal, publicado no Jornal Britânico de Psiquiatria.

Quais são os sintomas da síndrome de Jerusalém?

Bar-El divide a Síndrome de Jerusalém em sete estágios, cada um apresentando sintomas únicos:

Ansiedade

No primeiro estágio, Bar-El diz que um indivíduo com Síndrome de Jerusalém começará a sentir um desconforto geral e inexplicável. Ele acrescenta que à medida que a agitação interna se transforma em ansiedade agitada, essa tensão se torna um estado de constante nervosismo.

Precisando ficar sozinho

Em seguida, Bar-El diz que os sofredores exibirão a necessidade de explorar a cidade sozinhos, longe da família ou dos amigos. Como consequência, os guias turísticos de Jerusalém são instruídos a denunciar qualquer turista que comece a se afastar do grupo em estado de torpor.

Purificação

Se não for levado a um hospital, no terceiro estágio, Bar-El diz que os pacientes começarão a limpar e tomar banho compulsivamente, e ficarão obcecados em cortar unhas e unhas perfeitamente.

Preparação

Na quarta etapa, Bar-El diz que os pacientes rasgariam os lençóis do hotel para formar togas improvisadas. As roupas de cama – sempre branqueadas em branco – normalmente vão até o tornozelo. Os pacientes com Síndrome de Jerusalém removerão todas as outras roupas.

Gritando alto

Eles então começam a gritar. Se esses gritos envolvem versículos da Bíblia, hinos ou espirituais monoteístas, os membros da equipe entram em contato com profissionais da área médica.

Marcha

Se os profissionais médicos não chegarem a tempo, Bar-El diz que os portadores da Síndrome de Jerusalém logo marcharão para um local sagrado em algum lugar da cidade.

Pregação

Ao chegar a esse destino, Bar-El diz que, no estágio final, os aflitos começarão a pregar para qualquer pessoa que os possa ouvir, e implorará a eles que levem uma vida mais limpa e mais saudável. O indivíduo vai jorrar um discurso confuso, prolixo sobre a moral, muitas vezes aqueles de um “tempo mais simples”.

Fonte: www.abc.net.au/www.wisegeek.org/allthatsinteresting.com/www.jpost.com/www.jpost.com/www.cambridge.org/www.thevintagenews.com/www.targethealth.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Síndrome da Porta

Síndrome da Porta

PUBLICIDADE Definição A síndrome da porta é uma síndrome de anomalias congênitas múltiplas – deficiência intelectual caracterizada …

Tumor Misto

PUBLICIDADE Definição Um tumor misto é um tumor que deriva de vários tipos de tecido. Os tumores …

Síndrome de Asperger

PUBLICIDADE Definição A síndrome de Asperger é um distúrbio do desenvolvimento. É um transtorno do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.