Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Saúde / Leishmaniose

Leishmaniose

PUBLICIDADE

A leishmaniose é uma doença perigosa que ataca animais e humanos. É uma doença infecciosa. É considerada a doença parasitária mais letal depois da febre amarela.

Não é transmitida diretamente do animal ao humano, é necessário um vetor no caso é o mosquito chamado mosquito palha. O mosquito pica o animal contaminado com o parasita na sua circulação, picando esse animal ele torna-se infectante e irá disseminar essa doença picando pessoas e animais.

O mosquito da leishmaniose se reproduz em matéria orgânica, acúmulo de lixo e possui hábitos vespertinos.

Entre os sintomas o animal contaminado pode apresentar febre, perda de apetite, diarreia, vômito, ataca figado e rins, perde peso, feridas pelo corpo.

A vacina ajuda no controle da doença mas não elimina o parasita. Coleiras repelentes também podem ser uma forma de prevenir que o animal tenha a doença.

Por Portal São Francisco.

A leishmaniose cutânea é a forma da doença que afeta a pele, causa úlceras no rosto, nos braços e pernas, o que resulta em sérias deficiências físicas e problemas sociais. A leishmaniose mucocutânea, sempre derivada da forma cutânea, causa ulceração, seguida da destruição de membranas mucosas e do tecido do nariz, da boca e da garganta. Ela pode levar à morte por infecção secundária das vias respiratórias.

A leishmaniose cutânea e a mucocutânea se espalharam na América Latina desde a época dos Incas: as máscaras fúnebres sem nariz dão o testemunho da presença desta doença “que come a carne”. O Peru é um dos países mais afetados por leishmaniose cutânea e mucocutânea. A Bolívia, o Brasil e o Peru contabilizam 90% de todos os casos mundiais. O número de pessoas infectadas aumentou consideravelmente desde o início dos anos 80, seguindo a migração sazonal de agricultores em grande escala.

A forma mais perigosa da doença, no entanto, é a leishmaniose visceral ou Calazar. Se não for tratado, o Calazar é fatal e os sintomas incluem febre, perda de peso e crescimento anormal do baço e do fígado. A maioria das pessoas dos países centrais nunca ouviu falar nesta doença, mas ela é comum no Brasil, na Índia, no Nepal e em partes da África Central, sendo conhecida por devastar populações de cidades inteiras. O Calazar é algumas vezes visto como uma infecção paralela em pacientes com HIV/aids.

As leishmanioses são causadas pelo Leishmania, um parasita microscópico transmitido pela picada de mosquitos. Cerca de trinta espécies de insetos podem transportar o parasita, transmitido a eles por animais domésticos ou silvestres infectados, como roedores e cachorros.

Leishmaniose visceral

Causa

Na Ásia e no leste da África, o Calazar se espalha entre as pessoas através da picada de um mosquito (Lutzomya ssp) que carrega o parasita, a Leishmania donovani. O parasita então se multiplica no corpo da vítima, invadindo o sistema imunológico. No entanto, nem todas as pessoas infectadas desenvolvem a doença. Elas costumam adoecer se a sua imunidade estiver enfraquecida por desnutrição ou por outra doença, como o HIV/aids.

Sintomas

É comum os infectados permanecerem assintomáticos e há evidências de que o número de infecções assintomáticas ultrapassa o de infecções sintomáticas.

Estima-se que apenas 30% dos casos são notificados, e que milhões de novas infecções a cada ano não são registradas.

É difícil diagnosticar o Calazar clinicamente porque os primeiros sintomas se parecem com os de outras doenças tropicais mais comuns, como a malária, incluindo aumento do abdômen, inchaço do baço e fígado, episódios de febre, diarréia, e anorexia. A forma atual mais confiável de diagnóstico nos países africanos é a aspiração do baço, porém este procedimento é invasivo e pouco adaptado a ambientes em áreas remotas sem estrutura médica permanente.

Distribuição

O Calazar persiste hoje em áreas muito pobres, remotas, e às vezes politicamente instáveis, para onde é muito difícil levar assistência médica. Os pacientes têm pouco acesso a medicamentos a preços acessíveis e a medidas preventivas. A doença é endêmica em 88 países, onde 350 milhões de pessoas estão sob risco de infecção. Quase todos os 500 mil novos casos anuais provenientes de epidemias recorrentes, ocorrem nas áreas rurais do continente indiano (Índia, Nepal, Bangladesh), Brasil, e Sudão.

Tratamentos atuais

Os medicamentos mais usados contra o Calazar são baseados em compostos antimoniais pentavalentes (estibogluconato de sódio e antimoniato de meglumina), e têm papel fundamental na terapia mundial há mais de 70 anos. No entanto, o tratamento é doloroso, os medicamentos são injetáveis e apresentam efeitos colaterais tóxicos, podendo ser fatais. Além disso, eles já não são eficazes em algumas partes da Índia.

Há alguns medicamentos alternativos, porém com uma série de restrições:

AmBisome®. A anfotericina B, apesar de injetável, não requer muito tempo de tratamento (máximo de 10 dias), recupera os pacientes dentro de algumas horas após a primeira dose, e apresenta poucos efeitos colaterais. A desvantagem é que há apenas um fabricante e é extremamente caro – o melhor preço atualmente oferecido varia entre US$1.500 – 2.400 por tratamento, muito além do alcance da maioria dos pacientes.

Miltefosina. Em meados dos anos 90, descobriu-se que este medicamento oncológico era eficaz contra o Calazar. É o primeiro medicamento de uso oral para tratar a doença, mas tem registro de uso apenas na Índia. A desvantagem é que o tratamento dura 4 semanas, e há restrições de uso em gestantes e crianças.

Paromomicina. A eficácia deste antigo antibiótico contra o Calazar foi descoberta acidentalmente em 1960. Mas o medicamento ficou parado no pipeline de pesquisa porque “não seria capaz de gerar muito dinheiro”. Além disso, a sua formulação atual ainda não tem registro para uso em nenhum lugar do mundo. O TDR/OMS e o Institute of One World Health (IOWH) estão trabalhando para conseguir registrar o medicamento na Índia.

Prevenção

Uma das maneiras de controlar o Calazar é através da prevenção eficaz. Entretanto, os programas de controle de vetores têm sido quase sempre infrutíferos, insustentáveis ou simplesmente muito caros. Os programas atuais envolvem a pulverização de residências com inseticidas residuais e a exterminação de cães.

Algumas novas idéias parecem ser promissoras, como a utilização de véus mosquiteiros ou de coleiras para cães impregnados com inseticida.

O que é

A Leishmaniose é uma doença infecciosa causada por um parasita (protozoário) e transmitida ao homem por um mosquito flebótomo conhecido como “palha”, “cangalhinha”, “asa dura”, “tatuquira”, “birigüi”, e outros nomes.

A Leishmaniose ataca também animais silvestres (roedores, raposas) e animais domésticos, (especialmente os cães), e pode se manifestar das seguintes formas:

Tegumentar ou Cutânea: caracterizada por lesões e feridas na pele que não cicatrizam

Visceral ou Calazar: caracterizada por lesões nos órgãos internos.

Observação

De acordo com o critério clinico humano (segundo o qual existem várias formas de Leishmaniose), a Leishmaniose canina é classificada como “Visceral”, embora o termo “Leishmaniose Canina Geral” fosse mais apropriado, uma vez que envolve tecidos viscerais e cutâneos.

Os sintomas da Leishmaniose canina são

Emagrecimento Queda dos pêlos Feridas que não cicatrizam Crescimento exagerado das unhas Fraqueza

Aumento dos órgãos internos, como fígado e baço.

Em grande parte dos casos, o animal infectado permanece assintomático, ou seja, não apresenta nenhum sintoma da doença. Seu aspecto pode ser o de um cão sadio, e o mesmo pode estar contaminado.

O diagnóstico da doença é efetuado através de exame clinico (conjunto de sintomas e existência da doença na região), de exames de sangue ou de biópsia das lesões da pele.

No ser humano, se diagnosticada a tempo, a doença tem tratamento e cura.

No cão, o tratamento é viável (dependendo do estado geral do animal e do estágio em que se encontra a doença), embora não ocorra a cura do mesmo.

No Brasil, a maior parte dos casos de Leishmaniose encontra-se nas regiões Norte e Nordeste, mas a doença ocorre também na região Sudeste e na região Centro-Oeste do país. Portanto, a única região do Brasil onde ainda não se registram casos de Leishmaniose, até o momento, é a Região Sul.

Tem sido adotado pelos Órgãos Públicos, como forma de interromper a propagação da doença, o sacrifício dos animais infectados, a fim de “quebrar” a cadeia de transmissão.

Contudo, apenas o sacrifício dos animais infectados, como única forma de erradicar a doença, não tem sido suficiente para deter a propagação da mesma, além de ser considerada uma forma questionável de ação, tendo em vista que possuímos uma forte ligação emocional com nossos cães, e sermos obrigados a sacrificá-los não é nada fácil.

Não é nossa intenção apregoar o “não sacrifício” dos animais a qualquer custo, mas apenas questionamos a falibilidade comprovada desta que tem sido a ÚNICA forma de controle da doença adotada pelas autoridades públicas.

É importante ressaltar que o grande “vilão” na cadeia de transmissão da Leishmaniose é o MOSQUITO, que precisa ser combatido e eliminado!

Prevenção

Em se tratando de Leishmaniose, é preciso dizer que NENHUMA medida adotada na tentativa de prevenir a mesma consegue ser 100% eficaz, ou seja, haverá sempre o risco da transmissão e da conseqüente contaminação, enquanto existir o mosquito vetor.

Contudo, citamos a seguir algumas medidas que podem minimizar as chances de transmissão da doença para os cães, que são:

Manter os quintais sempre limpos, livres de folhas

Instalação de telas com buracos bem pequenos (o mosquito é bastante pequeno) nos canis onde o cão fica

Evitar expor o animal ao ataque do mosquito flebótomo, que age à noitinha e ao amanhecer

Uso de produtos veterinários existentes no mercado destinados a repelir mosquitos (coleiras, sprays, shampoos, etc) no animal

Plantar nos quintais ou em vasos (para quem vive em apartamento) a citronela, que é uma planta que possui poder de repelência

Dedetização do ambiente (casa, canil, quintal) que deve ser feita com rigorosa cautela e por pessoal especializado

Os produtos disponíveis no mercado devem ser usados somente sob orientação do médico veterinário responsável pelo cão. Consulte-o para saber qual é o melhor produto a ser adotado para o seu animal.

Se você vive numa região de risco, procure adotar alguma forma de prevenção. Fique atento à saúde do cão, e caso haja suspeita de infecção, encaminhe-o imediatamente ao médico veterinário.

 

A leishmaniose é uma doença infecciosa causada por um microorganismo (protozoário – leishmania), que é transmitida ao cão, a animais silvestres como roedores e também ao homem por um mosquito, o flebótomo, ao qual no Brasil – país detentor de um elevado número de casos – se deram vários nomes: “palha”, “asa dura”, cangalhinha”, etc. Este inseto é pequeno (2 a 3 mm) e tem uma coloração clara (cor de palha).

Sintomas da doença no cão

Queda de pelo, Emagrecimento, Vômitos, Fraqueza geral, Apatia, Febre irregular, Feridas persistentes, que não cicatrizam (leishmaniose cutânea) Dilatação do fígado ou do baço (leishmaniose visceral) Aumento exagerado das unhas.

O grande problema desta doença é ser assintomática, isto é, os sinais surgirem quando a leishmaniose já atingiu um elevado grau de desenvolvimento. O cão pode ter um aspecto perfeitamente saudável e, no entanto, já estar infectado.

Por isso, estes sintomas surgem já numa fase terminal desta doença de progressão lenta.

Diagnóstico

O diagnóstico da leishmaniose é feito através de um exame clínico específico (despiste da doença), que se justifica apenas quando se verificam casos na zona.

Normalmente este despiste é feito uma vez por ano, no fim do verão.

Prevenção

Atualmente ainda não existe nenhum processo eficaz de prevenção da doença, embora tenham sido feitas tentativas no sentido de se criarem vacinas para o efeito.

No entanto, a utilização de certos artifícios como coleiras e outros produtos antiparasitas, minimizam a propagação, embora não a evitem a 100%.

Normalmente estes artigos combatem simultaneamente as pulgas e as carraças, mas não deixe de consultar o veterinário sobre o produto mais indicado para este efeito.

Se vive numa zona de risco ou numa região onde existam charcos ou quaisquer outros meios propícios ao desenvolvimento de mosquitos, convém estar-se sempre muito atento ao estado de saúde do cão. Ao mínimo sintoma deve consultar-se o veterinário.

Embora se trate de uma espécie particular de inseto, há outra doença – a dirofilariose – que também é provocada por um mosquito, neste caso, a vulgar melga, se evidentemente estiver infectada.

A forma mais eficiente de irradiação da doença seria eliminar o mosquito agente transmissor da leishmaniose. No entanto, isso não é fácil e obrigaria a um esforço conjugado com as autoridades através de uma desinfecção do território através das pulverizações tradicionais com inseticidas.

Dado que esta espécie de mosquito se desenvolve em locais com matéria orgânica em decomposição, lixeiras, etc., será conveniente evitar esses locais. Ao contrário do que normalmente se divulga acerca deste inseto, este não prefere o fim da tarde e o princípio da manhã para sugar as suas vítimas, ou junto de zonas úmidas e locais com águas paradas, que são os locais onde vivem e se reproduzem outras espécies de mosquitos e não este.

Cura

No homem, quando a doença é diagnosticada a tempo, o tratamento e cura é possível. Aliás ela ocorre no homem especialmente em crianças, pessoas idosas, debilitadas ou indivíduo a imunossuprimidos.

No cão a doença é incurável, mas pode ser tratada se o estado geral de saúde do cão for aceitável e principalmente se a doença não tiver atingido um elevado grau de desenvolvimento. O cão, quando tratado a tempo, conserva uma boa qualidade de vida. O tratamento elimina os sintomas mas o animal continua portador. No entanto, depois de tratado, deixa de ser transmissor.

Houve um enorme extermínio de cães positivos, tido como única solução para a disseminação da doença, dado o cão efetivamente constituir um hospedeiro por excelência. No entanto, outros vertebrados como roedores podem igualmente servir como intermediários.

Ciclo da leishmaniose

A doença transmite-se através da picada de uma espécie de mosquito – o flebótomo. O mosquito, ao picar um ser infectado para se alimentar – que tanto pode ser o cão como um animal silvestre ou o próprio homem – absorve o parasita (agente causador da leishmaniose) que se desenvolverá atacando algumas células sanguíneas tornando-se infectante após cerca de sete dias. Ao fim deste tempo, quando o mosquito for picar outro vertebrado para se alimentar, vai deixar nele o parasita na sua corrente sanguínea, onde se reproduzirá e provocará a doença. E termina aqui o ciclo. O mosquito não passa de um hospedeiro intermediário que, ao picar este vertebrado doente servirá de veículo do parasita a outro ser (sadio) que vier a picar e assim sucessivamente.

Sem o mosquito não haverá o ciclo. Por isso, o contato de um cão contaminado com um sadio ou o simples contato do cão com o homem não constituem qualquer perigo de contágio da doença como frequentemente se pensa. O contágio cão-cão só poderia ocorrer se se usasse a mesma agulha de vacinação num infectado e noutro não infectado, por exemplo.

O período de incubação, isto é, desde a picada do mosquito até ao aparecimento dos primeiros sintomas da doença é muito variável e isso também dificulta o diagnóstico – de 10 a 25 dias, podendo chegar a um ano ou mais.

Pontos a considerar

Um cão só infecta novos mosquitos (e estes por sua vez infectarão novos cães) se estiver na fase ativa e visível da doença, ou seja, na fase terminal, com chagas na pele, as quais estão infectadas com leishmanias.

O cão tratado com medicamentos é portador mas NÃO é infectante para os mosquitos! Pode ter uma vida normal sem qualquer sintoma e sem infectar novos mosquitos.

A doença em humanos é controlável e muito menos perigosa do que nos cães. As pessoas que desenvolvem as formas mais severas de leishmaniose visceral são normalmente crianças ou pessoas imunodeprimidas, mas mesmo nessas existe cura.

Os cães estão menos protegidos contra a leishmania, daí que os sintomas sejam muito graves acabando sempre por sucumbir á doença mais tarde ou mais cedo.

Os grandes disseminadores da leishmania acabam por ser os animais selvagens, os roedores e muitos dos animais abandonados, pois estes não estão sujeitos a tratamento como os nossos cães e estão completamente á mercê dos mosquitos.

Até agora, a única forma de nos defendermos deste mosquito é evitar passeá-los em áreas sujas e contendo matéria orgânica em decomposição. Usar coleiras repelentes de mosquitos e pulverizar a área dos canis. Aplicar redes mosquiteiras nas janelas.

Se após um tratamento adequado se verificar que os sintomas persistem e o animal está condenado a um enorme sofrimento e a uma morte lenta, será preferível eutanásia-lo. Isto poupa o animal do sofrimento e contribui para salvar outras vidas.

O despiste da leishmaniose em cães aparentemente saudáveis é o ideal, pois podem começar com o tratamento mais cedo e a sua esperança de vida aumenta consideravelmente.

Perguntas frequentes

Quais são os sintomas da leishmaniose?

A Leishmaniose é uma doença transmitida por um mosquito, que pica nas alturas do crepúsculo do dia, e que provoca sintomas variados nos cães. Desde lesões cutâneas, renais, oculares, coceiras, etc. O diagnóstico é realizado por punção da medula óssea e observação ao microscópio das Leishmanias.

A leishmaniose transmite-se ou não pela urina e fezes?

A leishmaniose transmite-se somente através da picada do mosquito Phlebotomus. Não se transmite por fezes, urina saliva ou outro liquido corporal.

Existe algum repelente de insetos eficaz contra o mosquito?

Existem vários mas nenhum é eficaz a 100%.Aconselhe-se com o seu veterinário sobre o Pulvex, o Advantage e o Scalibor, por exemplo. Aconselha-se que se efetue o exame de despiste da doença em Novembro.

Existem produtos extraídos da planta Citronela de Java, que são repelentes naturais com resultados muito satisfatórios.

O meu cão tem 5 meses. Poderá ter leishmaniose?

A única forma de saber será através de uma análise efetuada no seu veterinário.

Tenho um cachorrinho ao qual foi diagnosticada leishmaniose, apesar do tratamento continua a ficar sem pelo. É normal?

Se a manifestação da doença foi dermatológica é normal que a situação piore em vez de melhorar: os problemas de pele demoram sempre bastante tempo a recuperar.

É aconselhável cruzar uma cadela com Leishmaniose, embora medicada?

Não. Tendo em vista a sua condição, o estado geral da mesma e a possível evolução negativa das crias.

Existem vacinas contra a leishmaniose?

Não, ainda não existe vacina em nenhum país. Mas mesmo que houvesse uma vacina no Brasil, por exemplo, ela não seria eficaz na Europa, porque o elemento infectante é diferente. Presentemente existem várias equipas na Europa dedicadas ao estudo deste problema.

Qual é o período do ano mais favorável à picada do mosquito?

É nos meses de Julho, Agosto e Setembro

Leishmaniose Tegumentar Americana

É uma doença infecciosa, de evolução que tende a cronicidade, não contagiosa, causada por diferentes espécies de protozoários do gênero Leishmania e transmitida por insetos hematófagos genericamente designados flebótomos. Trata-se de uma zoonose, pois tem como reservatórios animais silvestres ( tamanduá, paca, bicho-preguiça, gambá e algumas espécies de roedores), os quais são picados pelos flebotomíneos e o homem somente é infectado acidentalmente quando invade o ecossistema do protozoário, em atividades de extrativismo animal, vegetal ou mineral; quando da implantação de projetos agrícolas ou habitacionais em áreas recentemente desmatadas ou ainda militares ao participarem de operações em área de selva.

Na Região Amazônica é endêmica, com significativa incidência em todos os estados da região.

Atualmente encontram-se identificadas seis espécies do gênero Leishmania, implicadas no aparecimento da Leishmaniose Tegumentar Americana ou Cutâneo-mucosa, assim discriminadas: L. (Viannia) braziliensis; L. (Viannia) guyanensis; L. (Viannia) lainsoni; L. (Viannia) shawi; L. (Viannia) naiffi e L. (Leishmania) amazonensis.

É caracterizada pelo polimorfismo lesional, comprometendo a pele, comumente manifestando-se como uma lesão ulcerada, única ou múltipla, medindo entre 3 a 12 cm de diâmetro, com bordos elevados ,”em moldura de quadro”, base granulosa e sangrante, frequentemente associada à infecção bacteriana secundária.

Dependendo da espécie de Leishmania e de fatores imunogenéticos do hospedeiro podem ocorrer lesões mucosas e cartilaginosas, que geralmente iniciam-se na mucosa nasal, surgindo coriza e sangramento nasal, evoluindo para perfuração do septo nasal, destruição da fossa nasal, mucosa, cartilagem e nos casos mais severos comprometendo assoalho da boca, língua, laringe, traqueia e brônquios, com mutilações graves, podendo afetar as funções vitais levando ao óbito.

O diagnóstico é clínico, baseado nas características das lesões cutâneas, principalmente da lesão ulcerada leishmaniótica e laboratorial através dos seguintes exames: Raspado da borda da úlcera, isolamento do parasita em cultura, isolamento do parasita em animais de laboratório (“hamster”), Intradermoreação de Montenegro, imunofluorescência indireta e exame anátomo-patológico da lesão.

No tratamento da Leishmaniose Cutâneo-Mucosa as drogas de primeira escolha continuam sendo os antimoniais pentavalentes, ou seja, meglumina antimoniato e stibogluconato de sódio. Em caso de insucesso com estas substâncias podemos utilizar outras drogas, tais como, Anfotericina B e Pentamidina. Todas as drogas empregadas são de administração injetável, com várias aplicações, dificultando a adesão dos pacientes. Pois fatores imunogenéticos podem retardar consideravelmente a cicatrização das lesões.

As condições eco-epidemiológicas da Amazônia não permitem a instituição de medidas profiláticas adequadas. Não existe vacina disponível para uso clínico.

Mário Rosas Filho

As leishmanioses são enfermidades provocadas por protozoários do gênero Leishmania, que de acordo com a espécie podem produzir manifestações cutâneas, mucocutâneas, cutâneas difusas e viscerais.

O parasito Leishmania pertence à Ordem Kinetoplastida e à Família Trypanosomatidae e é um protozoário pleomórfico, que se reproduz por divisão binária. O parasito afeta os macrófagos, que são um tipo de células brancas do sangue responsáveis por atacar e matar organismos estranhos ao corpo. Porém, ao ser fagocitado pelo macrófago, o parasito se multiplica continuamente, até que o macrófago se rompe e libera os parasitos no sangue. Eles serão novamente absorvidos por macrófagos e o processo se repetirá.

Durante o seu ciclo de vida, a Leishmania se instala em hospedeiros vertebrados e invertebrados, nos quais se apresenta em formas diferentes, de acordo com seu estágio de reprodução.

Os hospedeiros vertebrados das espécies envolvidas com as manifestações tegumentares são animais silvestres como roedores, gambá, tamanduá, tatu, canídeos, primatas e preguiça, animais domésticos como cães e eqüídeos, e o homem. Já as manifestações viscerais envolvem canídeos silvestres, cães domésticos e o homem.

Os hospedeiros invertebrados, também chamados de vetores, são popularmente conhecidos como mosquito-palha, biriguis e tatuquiras e consistem de várias espécies do gênero Lutozomys, que são pequenos mosquitos, com 1 a 3 mm de comprimento; somente as fêmeas se alimentam de sangue (os machos se alimentam de néctar das plantas).

A leishmaniose visceral, também conhecida como calazar, atinge quase duas mil pessoas por ano no Brasil, sendo 92% dos casos no Nordeste. A doença provoca os sinais clínicos de emagrecimento, alterações dermatológicas como dermatites seborréicas, piodermatites, necrose das pontas das orelhas, úlceras plantares, alopecia generalizada de mucosas, dores na região renal, diarréias ou sinais gastroenterológicos, ceratoconjuntivites, febre, anemia, falta de apetite, aumento do baço, queda de cabelo e sangramento na boca. O parasita causador do calazar é a Leishmania chagasi.

Ciclo de vida da Leishmania chagasi

1- Cão ou raposa naturalmente infectados

2-Ao picar o animal ou o homem infectado, o inseto (mosquito-palha) suga, juntamente com o sangue, o parasito (Leishmania chagasi) que causa a doença

3-4 No intestino do inseto, o parasito se multiplica

5-6 Ao picar o homem ou outro animal sadio, o flebótomo inocula o parasito

7 No homem, no cão ou na raposa, o parasito se multiplica principalmente no baço, fígado e medula óssea, provocando a doença.

A partir do sequenciamento do DNA da Leishmania chagasi, pretende-se chegar à descoberta de novas técnicas terapêuticas e de diagnóstico, vacinas e, principalmente, a novas drogas para o cão e para o homem.

O tratamento da leishmaniose varia de acordo com a forma da doença, mas é, na maioria das vezes, longo e árduo. As drogas utilizadas, como Pentostam and Glucantime, causam vários efeitos colaterais.

A partir da pesquisa do Genoma da Leshmania chagasi pode-se chegar a indicações de tratamento, diagnóstico e drogas para quase 99% das doenças transmitidas pelo parasita Leishmania. Além do calazar, existem outras formas de leishmaniose, como a leishmaniose tegumentar ou cutânea, 10 vezes mais comum que o calazar, mas que não chega a matar. A leishmaniose cutânea é causada pela Leishmania braziliensis, e transmitida também pelo Phlebotomus intermedius, conhecido como mosquito-palha. Seus sintomas são feridas com crostas que não cicatrizam. No Brasil as leishmanioses estão presentes na região Norte, Nordeste e Sudeste, e vêm apresentando franca expansão pelo país.

Em todo o mundo, registram-se, por ano, aproximadamente 2 milhões de novos casos de leishmaniose. Esta alta incidência da doença com lesões desfigurantes (tegumentares) e às vezes fatais (viscerais) levaram a Organização Mundial de Saúde a incluí-la entre as seis mais importantes endemias do mundo.

Leishmaniose Tegumentar ou Ùlcera-de-bauru

É uma doença infecciosa causada por um protozoário, a Leishmania braziliensis, transmitida pela picada das fêmeas de mosquitos flebotomídeos, principalmente do gênero Lutzomya, conhecidas popularmente como “birigüi”, “mosquito-palha”, “corcudinha”, etc.

Geralmente, a doença não leva o paciente à morte, mas causa lesões cutâneas e nasofaríngeas deformantes e dolorosas, dificultando a própria alimentação e diminuindo a capacidade para o trabalho.

É primariamente uma zoonose, própria de roedores silvestres, podendo ser transmitida ao homem, hospedeiro acidental.

Ciclo Evolutivo

A Leishmania braziliensis apresenta-se sob forma aflagelada (leishmânia ou amastigota) nos tecidos parasitados do homem e dos demais mamíferos susceptíveis ou na forma flagelada (leptômona ou promastigota) no tubo digestivo do inseto vetor.

A fêmea do mosquito transmissor adquire o parasita causador da doença ao sugar o sangue do doente ou de mamíferos portadores. Ingere as formas amastigotas (leishmânias) que, dentro do seu intestino, transformam-se em promastigotas (leptômonas) e se reproduzem intensamente por cissiparidade.

Posteriormente, as formas promastigotas invadem as glândulas salivares e são inoculadas no homem ou em outro mamífero hospedeiro, juntamente com a saliva, no momento da sucção do sangue pelo inseto vetor.

Nos tecidos dos animais assim infectados, transformam-se novamente em amastigotas (leishmânias), onde exercem seu parasitismo e reprodução.

Sintoms

Os primeiros sintomas surgem após um período que varia de 10 dias a 3 meses.

A penetração dos parasitas determina uma lesão cutânea na região da picada, que se caracteriza por uma ferida de aspecto pápulo-eritematoso ou furunculóide ou pápulo-ulcerado, que fecha muito vagarosamente.

Podem aparecer dezenas de feridas que deixam cicatrizes muito marcantes no rosto, braços e pernas.

Depois de anos, se não tratada a doença, há comprometimento da mucosa oronasal e faringeana, e o nariz e a boca podem ficar desfigurados ou destruídos. A deformação do nariz origina o que é conhecido como “nariz-de-tapir” ou “focinho-de-anta”.

Profilaxia e Tratamento

No combate à leishmaniose tegumentar ou “úlcera-de-bauru”, recomenda-se o uso de telagem nas habitações, mosquiteiros e repelentes que afastam os mosquitos; construção de casas longe das orlas das matas, pois o voo dos mosquitos tem curto alcance; uso de inseticidas para exterminar os vetores; os animais doentes ou suspeitos devem ser levados a um centro de controle de zoonoses ou, em última condição, eliminados. As tentativas para obter-se imunidade duradoura pela vacinação preventiva são promissoras.

O tratamento é feito com tártaro emético e antimoniato de N-metilglucamina (menos tóxico e mais ativo), por via intramuscular ou endovenosa. Para um tratamento eficiente, é sempre recomendável procurar os centros médicos, o mais cedo possível.

Leishmaniose Visceral ou Calazar ou Febre Dum-Dum

O que é Leishmaniose Visceral?

É uma protozoose pela Leishmaniose donovani, que é transmitida pelos mesmos mosquitos vetores da leishmaniose tegumentar, ou seja, do gênero Lutzomya (antigamente, Phlebotomus).

Provoca febre, ascite (barriga d’água), hepatomegalia (grande fígado), esplenomegalia (aumento do baço), emagrecimento, complicações cardíacas e circulatórias.

É muito mais grave que a leishmaniose tegumentar, mas felizmente é muito mais rara, na proporção de 1 para 20 casos notificados em nosso país. As medidas profiláticas são as mesmas da leishmaniose tegumentar.

Calazar ou Febre Dum-Dum

É uma protozzose pela Leishmaniose donovani, que é transmitida pelos mesmos mosquitos vetores da leishmaniose tegumentar, ou seja, do gênero Lutzomya (antigamente, Phlebotomus).

Provoca febre, ascite (barriga d’água), hepatomegalia (grande fígado), esplenomegalia (aumento do baço), emagrecimento, complicações cardíacas e circulatórias.

É muito mais grave que a leishmaniose tegumentar, mais felizmente é muito mais rara, na proporção de 1 para 20 casos notificados em nosso país.

As medidas profiláticas são as mesmas da leishmaniose tegumentar.

Fonte: www.dndi.org.br/membros.aveiro-digital.net/whippetp.no.sapo.pt/www.exercito.gov.br/biolab.cin.ufpe.br/www.ludusportal.com.br/ geocities.com

 

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Hemoglobinúria

PUBLICIDADE Definição Hemoglobinúria é a presença de hemoglobina livre na urina, que pode fazer a urina …

Paralisia de Bell

Paralisia de Bell

PUBLICIDADE Definição Paralisia muscular facial unilateral de início súbito, resultante de trauma, compressão ou infecção …

Ageusia

Ageusia

PUBLICIDADE Definição Ageusia é a perda das funções gustativas da língua, particularmente a incapacidade de detectar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+