Breaking News
Home / Saúde / Glucagonoma

Glucagonoma

PUBLICIDADE

Definição

O glucagonoma é um tumor muito raro das células das ilhotas do pâncreas, o que leva a um excesso do hormônio glucagon no sangue.

Os glucagonomas podem produzir sintomas semelhantes aos do diabetes.

O que é

Um glucagonoma é um tipo raro de tumor que se forma no pâncreas.

Geralmente maligno na composição, um glucagonoma possui um potencial aumentado para metastizar para outros órgãos, nomeadamente o fígado.

O tratamento para esta condição médica grave geralmente envolve a administração de quimioterapia e, em alguns casos, a cirurgia.

Os glucagonomas se originam do desenvolvimento anormal das células das ilhotas no pâncreas. As células ilhotas são responsáveis pela produção e liberação de hormônios pancreáticos, como o glucagon e a insulina.

Não há nenhuma causa conhecida para o desenvolvimento anormal das células das ilhotas que leva à formação de um glucagonoma.

Na presença deste tipo de tumor, a produção de glucagon aumenta ao ponto em que muito do hormônio é produzido e liberado no corpo.

Indivíduos com este tipo de tumor pancreático podem exibir e experimentar uma variedade de sinais e sintomas.

Alguns podem desenvolver erupções cutâneas esporádicas que se apresentam como lesões ou manchas escamosas secas que afetam a face, o tronco ou os membros inferiores.

Inflamação da cavidade oral, micção freqüente e sede excessiva também podem ser sinais indicativos da presença desse tipo de tumor pancreático.

Indivíduos também podem desenvolver intolerância à glicose ou açúcar elevado no sangue, também conhecido como hiperglicemia.

Sintomas adicionais podem incluir perda de peso não intencional e diarreia.

Existem vários testes diagnósticos que podem ser realizados para confirmar a presença de um glucagonoma.

Embora seja importante notar que, na maioria dos casos, no momento em que um glucagonoma é detectado, ele já metastatizou para o fígado do abdome para avaliar as condições do pâncreas e dos órgãos adjacentes no sistema digestivo.

Os indivíduos podem ser submetidos a uma tomografia computadorizada (TC)

Podem ser realizados exames de sangue para medir os níveis de glucagon e glicose e para verificar anormalidades ou marcadores indicando a presença de malignidade.

Além disso, um teste de tolerância à glicose pode ser realizado para avaliar como o corpo do indivíduo metaboliza o açúcar no sangue.

O tratamento para um glucagonoma geralmente envolve o uso de quimioterapia para diminuir o tumor.

A quimioterapia é uma forma de terapia medicamentosa anti-câncer que pode ser administrada por via oral ou intravenosa.

Indivíduos que se submetem a tratamentos de quimioterapia podem apresentar efeitos colaterais que podem incluir fadiga, náuseas e vômitos.

No caso em que o glucagonoma não responde ao tratamento de quimioterapia, a cirurgia pode ser realizada para remover o tumor.

Geralmente, a remoção cirúrgica do crescimento anormal é preferida para prevenir a disseminação do câncer e o desenvolvimento de complicações.

O prognóstico associado a um glucagonoma depende do tamanho e da composição do tumor e da presença ou não de metástase.

As chances de crescimento metastático antes da descoberta são relativamente altas e podem prejudicar o sucesso do tratamento. Quando o tumor permanece confinado ao pâncreas e removido com sucesso, a taxa de sobrevida de cinco anos de um indivíduo aumenta substancialmente.

O que é um tumor pancreático?

O pâncreas, localizado atrás do estômago, é um órgão do corpo que produz insulina. A insulina é necessária para regular a quantidade de açúcar no sangue no corpo.

Os dois tipos de células que compõem o pâncreas são: as células exócrinas e endócrinas.

Um tumor pancreático pode se desenvolver a partir de qualquer um desses tipos de células.

Um tumor pancreático ocorre quando qualquer tipo de célula se reproduz descontroladamente e forma uma massa. Existem diferentes tipos de tumores pancreáticos.

A grande maioria dos tumores são adenocarcinomas e se desenvolvem a partir das células exócrinas. Infelizmente, este tipo de tumor pancreático é maligno, o que significa que é cancerígeno.

Um pequeno número de tumores se desenvolve a partir das células endócrinas e geralmente são benignos.

Causas exatas de um tumor pancreático não são conhecidas. Parece haver certos fatores de risco para o desenvolvimento de um tumor. Indivíduos que têm pancreatite crônica, muitas vezes de alcoolismo, têm um risco maior de desenvolver um tumor. Outros fatores de risco incluem diabetes, tabagismo e idade avançada.

Os sintomas de um tumor pancreático podem ser semelhantes a outras doenças e, portanto, o diagnóstico muitas vezes não é feito imediatamente.

Por causa da localização do pâncreas, a dor nas costas é freqüentemente um sintoma.

Outros sintomas podem incluir perda de peso, inchaço e dor no estômago e diarreia. Como o tumor continua a crescer, icterícia pode ocorrer, que é o amarelecimento da pele e do branco dos olhos.

O diagnóstico é feito frequentemente através de tomografia computadorizada (TC) e ultrassonografia. Se os testes indicarem a presença de um tumor, uma biópsia pode ser feita para confirmar se o tumor é maligno ou benigno.

Como a maioria dos tumores de pâncreas é cancerosa, muitos médicos adiarão a biópsia até que a cirurgia para remoção do tumor seja realizada.

A cirurgia é um dos principais tratamentos para um tumor pancreático, no entanto, nem todos os tipos de tumores pancreáticos poderão ser removidos.

A decisão pela cirurgia dependerá se o tumor é benigno ou maligno e quão avançado é. Diferentes procedimentos cirúrgicos são usados com base no tamanho e localização do tumor.

O tratamento adicional é frequentemente necessário para um tumor se for maligno. A radioterapia pode ser prescrita. A quimioterapia, que é uma combinação de diferentes medicamentos, também pode fazer parte do plano de tratamento.

A eficácia do tratamento pode ser parcialmente monitorada através de um exame de sangue chamado CA 19-9. Os tumores pancreáticos libertam células que contêm uma proteína denominada CA 19-9.

O exame de sangue monitora o nível da proteína no sangue e é considerado um marcador de tumor. Este teste ajuda a indicar quanto do tumor ainda é deixado no corpo.

Fonte: Equipe Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Viroides

PUBLICIDADE Definição Os viroides são os menores patógenos infecciosos conhecidos, constituídos apenas por um RNA circular …

Supernova

PUBLICIDADE Uma supernova é a explosão de uma estrela na qual a estrela pode atingir …

Animais Invertebrados

PUBLICIDADE Definição de Invertebrado Invertebrados são animais que não têm espinha dorsal. A coluna vertebral …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.