Breaking News
Home / Saúde / Escarlatina

Escarlatina

PUBLICIDADE

Escarlatina – Definição

escarlatina é uma infecção causada por uma bactéria streptococcus.

Pode ser transmitida pelo ar ou por contato físico e afeta principalmente crianças entre quatro e oito anos de idade. Em climas temperados, a escarlatina é mais comum durante o final do outono, inverno e início da primavera.

escarlatina é caracterizada por dor de garganta, febre de 39,4 a 40°C e uma erupção cutânea semelhante a uma lixa na pele avermelhada. Se a escarlatina não for tratada, complicações graves podem se desenvolver; como febre reumática (uma doença cardíaca) ou inflamação renal (glomerulonefrite).

Escarlatina – O que é

A escarlatina é uma enfermidade aguda, infecciosa e contagiosa, provocada pela bactéria Streptococcus escarlatina.

Caracterizada pelo aparecimento de feridas, inflamação da garganta, febre, pulso acelerado e descamação da pele. Manifesta-se por febre, dores de garganta e no corpo, bem como por um aspecto típico da pele, que se apresenta de cor vermelha.

escarlatina é uma doença febril aguda de natureza infecto-contagiosa. Os aspectos clínicos mais importantes são febre, faringite (infecção na garganta), inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço e o característico eritema com aspecto picota

escarlatina é provocada pela infecção por um tipo de Estreptococo beta-hemolítico do grupo A, que produz uma toxina específica. As toxinas podem ser do grupo A, B ou C, sendo as do grupo A as mais agressivas.

Atinge crianças entre os cinco e dez anos (mais freqüente em meninos) e suas epidemias são mais comuns no outono e na primavera.

Escarlatina – Descrição

escarlatina recebe o nome do rubor característico da pele do paciente, especialmente nas bochechas.

Febre e lentidão acompanham uma dor de garganta e erupção cutânea que cobre progressivamente grande parte do corpo. Os sintomas geralmente começam dentro de dois a cinco dias após uma pessoa ser exposta.

A febre geralmente desaparece em alguns dias e a recuperação é completa em duas semanas. Depois que a febre passa, a pele do rosto e do corpo forma flocos, com a pele das palmas das mãos e das solas dos pés descascando mais dramaticamente.

escarlatina é altamente contagiosa quando o paciente está nos estágios iniciais e não está sendo tratado com antibióticos. É transmitido por espirros, tosse ou contato direto com uma pessoa infectada.

No início do século XX, epidemias graves de escarlatina eram comuns. A partir do início dos anos 2000, a doença é rara, em parte devido à disponibilidade de antibióticos. No entanto, os antibióticos não são toda a razão, uma vez que o declínio começou antes de seu uso generalizado. Uma teoria é que a cepa de bactérias que causa a escarlatina se tornou mais fraca ao longo do tempo.

Escarlatina – Causas e Sintomas


Escarlatina

escarlatina é causada pela bactéria estreptocócica do grupo A (Streptococcus pyogenes). Além de causar escarlatina, as bactérias estreptococos do grupo A causam muitas doenças diferentes, como faringite estreptocócica, infecções de feridas ou de pele, pneumonia, infecções renais graves e síndrome do choque tóxico. A cepa de estreptococo que causa a escarlatina é ligeiramente diferente da cepa que causa a maioria das infecções na garganta. A cepa da escarlatina produz uma toxina eritrogênica, que é o que faz com que a pele fique vermelha.

Os principais sintomas e sinais da escarlatina são febre, lentidão, dor de garganta e uma erupção cutânea irregular que empalidece (fica branca) quando pressionada.

A erupção aparece primeiro na parte superior do tórax e se espalha para o pescoço, abdômen, pernas, braços e dobras de pele, como sob o braço ou na virilha.

A pele ao redor da boca tende a ficar pálida enquanto as bochechas estão coradas. Em crianças, a doença causa uma “língua de morango”, na qual inchaços inflamados na língua se elevam acima de um revestimento vermelho brilhante. A língua de morango raramente é vista em adultos. Finalmente, linhas vermelhas escuras (chamadas linhas de Pastia) podem aparecer nas dobras da pele.

Escarlatina – Sinais e Sintomas

Febre
Dor de garganta e corpo
Pele com erupção típica (pontos vermelhos), áspera ao toque
Inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço
Língua esbranquiçada, ficando depois ao seu redor com a cor e aspecto esterno de uma framboesa
Cor branca na região à volta dos lábios
Falta de apetite
Prurido (comichão)
Raramente vómitos e dor de barriga
Na fase final da doença a pele fica descamativa.

A erupção surge normalmente no pescoço e tronco, espalhando-se para a face e membros. Desaparece por volta do 6º dia, altura em que há descamação da pele, que pode levar semanas.

Em geral, atinge as crianças em idade escolar e transmite-se facilmente através da saliva ou das secreções ao tossir e espirrar. Também é transmitida pelo contato com objetos e roupas contaminadas.

As crianças têm que ficar em casa devido ao seu mau estar e contágio aos outros. Podem retornar 48 horas após iniciar o antibiótico, se os sintomas desaparecerem.

Após o contato com uma pessoa doente, os primeiros sintomas (período de incubação) surgem entre o 2º e o 4º dia.

Apesar de ser uma doença benigna, podem surgir complicações devido à bactéria se espalhar por outros lugares do organismo originando otite (infecção no ouvido), meningite, febre reumática e glomerulonefrite (infecção nos rins) e insuficiência renal.

Escarlatina – Diagnóstico

Um médico deve diagnosticar e tratar a escarlatina. O médico observa os sintomas e elimina a possibilidade de outras doenças. O sarampo é uma infecção viral que também está associada a febre e erupção cutânea.

No entanto, a escarlatina pode ser distinguida do sarampo pela qualidade da erupção cutânea, pela presença de dor de garganta na escarlatina e pela ausência de inflamação ocular grave e coriza que geralmente acompanham o sarampo.

Como a escarlatina pode começar com uma dor de garganta, o médico primeiro determinará se o problema é de natureza bacteriana ou viral, verificando sintomas específicos.

Por exemplo, a inflamação dos gânglios linfáticos no pescoço é típica em infecções por estreptococos, mas não em infecções virais. Por outro lado, tosse, laringite e nariz entupido tendem a estar associados a infecções virais em vez de infecções por estreptococos.

Os exames laboratoriais são necessários para fazer um diagnóstico definitivo de uma infecção por estreptococos e para distinguir uma faringite estreptocócica de uma dor de garganta viral.

Um teste que pode ser realizado é uma contagem de células sanguíneas. As infecções bacterianas estão associadas a uma contagem elevada de glóbulos brancos. Em infecções virais, a contagem de glóbulos brancos geralmente está abaixo do normal. Uma cultura de garganta pode distinguir entre uma infecção por estreptococos e uma infecção viral. Um swab da garganta da pessoa infectada é escovado sobre um gel nutriente contendo glóbulos vermelhos (uma placa de ágar de sangue de ovelha) e incubado durante a noite. Se bactérias estreptocócicas estiverem presentes na amostra, elas quebrarão os glóbulos vermelhos e deixarão uma zona clara no gel ao redor das bactérias.

O médico também distinguirá entre uma faringite estreptocócica e escarlatina. Em uma infecção por estreptococos, a garganta fica dolorida e parece carnuda e vermelha. Manchas brancas aparecem nas amígdalas.

Os linfonodos abaixo da linha da mandíbula podem inchar e ficar sensíveis. Esses sintomas podem ou não estar presentes na escarlatina. A principal característica que distingue a escarlatina de uma garganta inflamada é a presença da erupção cutânea vermelha.

Escarlatina – Tratamento


Escarlatina

Devido à natureza da infecção e ao perigo de complicações graves, a escarlatina não pode ser tratada apenas com terapias alternativas. Um curso de antibióticos e tratamento por um médico é imperativo. No entanto, terapias alternativas podem ser usadas para aliviar os sintomas de febre e dor de garganta.

Febre

Para febre, especialmente em crianças, existem alguns tratamentos alternativos. A naturopatia recomenda passar uma esponja com água morna se a febre subir acima de 38,9°C. Descanso e muita água são aconselhados.

A homeopatia trata o tipo específico de febre, por isso será necessário consultar um homeopata para determinar o remédio correto para o paciente.

Alguns remédios homeopáticos comuns para febre são:

Acônito 6c no início da febre acompanhada de sede, calafrios, pele seca e ardente e inquietação.
Belladonna 6c para febre alta com pele seca e ardente, rosto vermelho, pupilas dilatadas e glândulas inchadas.
Arsenicum album 6c para pacientes inquietos e agitados, alternadamente quente e frio, com sede e pacientes cuja febre piora após a meia-noite.
Byronia 6c para o paciente que está com calafrios e sudorese, com muita sede em intervalos longos e com dores de cabeça e dor.
Ferrum phosphoricum (fosfato de ferro) 6c para uma febre leve de início lento acompanhada de crises frequentes de sudorese, calafrios e dores de cabeça.

O herbalismo ocidental pode ser usado para tratar a febre, mas o tratamento requer um fitoterapeuta qualificado. O herbalista pode recomendar um banho com infusões mornas de tília, flor de sabugueiro, milefólio ou camomila alemã. Ervas como catnip, hissopo, erva-cidreira e verbena podem diminuir a temperatura e aumentar a transpiração. A camomila alemã, a lavanda e a tília promovem o relaxamento, e a equinácea e o alho combatem a infecção.

Ervas chinesas em combinações podem tratar padrões específicos de febre. Eles também podem ser usados para equilibrar as energias, especificamente as energias yin (frias e úmidas) após o desaparecimento da doença.

Dor de garganta

Alguns tratamentos recomendados para dor de garganta são:

Aromaterapia, na qual o paciente gargareja com água e quantidades muito pequenas de óleos essenciais de gerânio ou tea tree. Uma massagem com óleo de eucalipto diluído também pode ser útil.
A naturopatia pode sugerir jejum para eliminar toxinas e o uso de alho para combater a infecção. Os naturopatas também recomendam sucos de frutas ricos em vitamina C, especialmente sucos de frutas cítricas, para aliviar a irritação.
A hidroterapia, na qual a água é utilizada para restaurar a saúde, usa umidificadores para evitar a irritação de uma dor de garganta pelo ar seco. Um praticante também pode recomendar o uso de uma compressa abdominal fria e uma compressa na garganta para estimular a circulação e o sistema imunológico.
Herbalistas ocidentais recomendam gargarejos com uma infusão de ervas anti-sépticas, como calêndula ou sálvia, e podem usar equinácea para combater a infecção.

Escarlatina – Prevenção

A melhor forma de prevenir a escarlatina é diagnosticar e tratar corretamente todos os casos de doença.

As crianças doentes devem permanecer em casa e podem regressar à escola depois de medicadas e com pelo menos 24 horas sem febre.

Escarlatina – Infecção


Escarlatina

escarlatina é uma doença infecciosa causada por certas cepas da bactéria (estreptococos do grupo A) que causam faringite estreptocócica. É caracterizada por febre alta, erupção cutânea vermelha com textura de lixa que cobre a maior parte do corpo e uma língua chamada morango.

Descrição

escarlatina é uma doença infecciosa da infância que pode ocorrer junto com a faringite estreptocócica. É transmitida por fluidos da garganta ou nariz de uma pessoa infectada ou pelo contato com um copo, tecido sujo ou outro objeto tocado por uma pessoa infectada. O período de incubação é curto; as crianças podem sentir-se doentes dentro de doze horas após serem infectadas, embora o período de incubação habitual seja de um a dois dias. As crianças são contagiosas desde o momento em que os sintomas agudos aparecem até a erupção desaparecer completamente.

A primeira fase da escarlatina é um pródromo, ou período de alerta marcado por uma sensação geral de cansaço, dor de cabeça, dor de garganta e febre. Na fase aguda da escarlatina, que começa cerca de dois dias após a criança sentir-se doente, a erupção cutânea característica aparece, primeiro no pescoço e depois se espalhando para o resto do corpo.

A criança muitas vezes tem bochechas coradas ou avermelhadas com a área ao redor da boca incomum pálido. A erupção começa a desaparecer em cerca de três ou quatro dias, seguida pela descamação da pele do rosto, palmas das mãos e dedos.

escarlatina tende a ser uma doença mais branda do que era antes do uso de antibióticos para tratá-la na década de 1950. Pode, no entanto, levar a febre reumática, inflamação dos rins ou certos tipos de distúrbios psiquiátricos (agrupados como distúrbios PANDAS) se não for tratado prontamente.

Fonte: www.encyclopedia.com/www.santalucia.com.br/www.medicoassistente.com/www.conhecersaude.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Saúde

PUBLICIDADE A palavra saúde refere-se a um estado de completo bem-estar emocional e físico. A saúde existe …

Pé de atleta

PUBLICIDADE Pé de atleta – Definição O pé de atleta é uma infecção fúngica comum na qual …

Mucormicose

PUBLICIDADE Mucormicose – Definição A mucormicose é uma doença rara, mas muitas vezes fatal, causada por certos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.