Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Saúde / Oropouche

Oropouche

PUBLICIDADE

O que é

O vírus Oropouche é um dos orthobunyavirus mais comuns.

Quando o vírus Oropouche infecta seres humanos, causa uma doença febril rápida chamada febre Oropouche.

O vírus Oropouche foi originalmente relatado em Trinidad e Tobago em 1955 a partir da amostra de sangue de um paciente com febre e de um pool de mosquitos Coquillettidia venezuelensis.

Em 1960, o O vírus Oropouche foi isolado de uma preguiça (Bradypus tridactylus) e um pool de mosquitos Ochlerotatus (Ochlerotatus) no Brasil.

O vírus é considerado uma ameaça à saúde pública em áreas tropicais e subtropicais da América Central e do Sul, com mais de meio milhão de pessoas infectadas em 2005.

O vírus Oropouche é considerado um arbovírus devido ao método de transmissão pelos mosquitos Aedes serratus e Culex quinquefasciatus entre preguiças, marsupiais, primatas e aves.

O vírus Oropouche

O vírus Oropouche é uma causa importante de doença por arbovírus em países da América Latina, mais especificamente na região amazônica do Brasil, Venezuela e Peru, assim como em outros países, como Panamá.

Nas últimas décadas, os aspectos clínicos, epidemiológicos, patológicos e moleculares do vírus Oropouche foram publicados e fornecem a base para uma melhor compreensão desse importante patógeno humano.

O vírus Oropouche é um dos arbovírus mais comuns que infectam seres humanos no Brasil.

Estima-se que desde o primeiro isolamento do vírus em 1955, ele afetou mais de meio milhão de pessoas. No entanto, o número exato de casos é difícil de determinar, porque a infecção é subnotificada devido à semelhança dos sintomas com outras doenças febris arbovirais, como Dengue, Zika, Chikungunya e Mayaro febres. A falta de um diagnóstico preciso em hospitais e centros de saúde dificulta a devida notificação epidemiológica, que é a principal razão pela qual o número estimado de casos é menor do que provavelmente ocorre na população, especialmente na região endêmica da Amazônia.

O primeiro caso da doença Oropouche foi descrito em Trinidad e Tobago em 1955: o vírus foi isolado do sangue de um trabalhador florestal febril (cepa TRVL 9760), um residente de uma aldeia chamada Vega de Oropouche, a 5 km ao norte de Sangre Grande.

O vírus foi isolado pela primeira vez no Brasil em 1960 a partir do sangue de uma preguiça, Bradypus trydactilus, capturado em uma área florestada durante a construção da rodovia Belém-Brasília e também de uma piscina de mosquitos Ochlerotatus serratus capturados na mesma área.

Oropouche
Mosquito Ochlerotatus

No ano seguinte, o vírus foi novamente detectado na cidade de Belém, capital do estado do Pará, norte do Brasil. Na ocasião, uma grande epidemia de febre Oropouche foi relatada em Belém, com cerca de 11 mil pessoas afetadas.

Com esse surto, o vírus Oropouche demonstrou seu potencial epidêmico e muitos outros surtos foram descritos posteriormente em áreas urbanas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia e Tocantins, além de outros países da América do Sul, como o Panamá. em 1989 e na região amazônica do Peru entre 1992 e 1994.

Mais recentemente, o vírus Oropouche foi relatado nos municípios de Parauapebas, Porto de Moz, Igarapé Açu, Magalhães Barata e Maracanã, no estado do Pará, norte do Brasil; os três últimos foram localizados na área de Bragantina, a região onde o vírus foi detectado pela primeira vez em 1970.

Em 2009, o último surto do o vírus Oropouche foi relatado nos municípios de Altamira e Santa Bárbara, no estado do Pará, e posteriormente em Mazagão, no estado do Amapá, Brasil.

Taxonomia e Classificação

O vírus Oropouche é um membro da família Bunyaviridae, gênero Orthobunyavirus, o maior gênero de vírus de RNA com mais de 170 vírus nomeados correspondentes a 18 sorogrupos diferentes e 48 complexos de espécies.

A classificação do vírus Oropouche foi originalmente feita usando métodos sorológicos, como a FC, testes de inibição da hemaglutinação (HI) ou neutralização (NT).

Esses métodos têm sido usados para agrupar vírus por sua relação antigênica. do vírus Oropouche pertence ao serogrupo Simbu, que inclui 22 vírus oficialmente reconhecidos que foram agrupados em sete diferentes complexos de espécies: Akabane, Manzanilla, Oropouche, Sathuperi, Simbu, Shamonda e Shuni, 11 bem como vários outros vírus recentemente descritos que não ainda foi atribuído a uma espécie ou a um serocomplexo.

Com o advento dos métodos moleculares e sequenciamento de nova geração, seqüências genômicas completas foram determinadas, melhorando a taxonomia dos vírus, incluindo membros do gênero Orthobunyavirus.

Atualmente, o sorogrupo Simbu é composto por dois subclados filogenéticos: subclade A, que inclui Oropouche. e orthobunyavirus Manzanilla e subclade B, constituídos pelos vírus Simbu, Shuni, Shamonda, Sathuperi e Akabane.

Antígenos de hemaglutinina podem ser preparados para o vírus Oropouche a partir de amostras de cérebro e soro de hamsters infectados, que têm sido usados em vigilância epidemiológica para diagnóstico serológico preciso. de infecções do vírus Oropouche desde 1985.

O vírus Oropouche replica-se em numerosas culturas de células, incluindo C6 / 36, Vero, BHK-21, MA III, LCM-MK2 e fibroblastos embrionários primários de galinha, causando um efeito citopático de subtotal a destruição total da monocamada de células, dependendo da multiplicidade de A no vírus Oropouche é sensível ao desoxicolato de sódio, que reduz a capacidade do vírus de infectar as células do hospedeiro, destruindo a glicoproteína do envelope, uma estrutura viral que está diretamente associada à interação vírus-hospedeiro.

Estrutura Viral, Genoma e Ciclo Replicativo

Embora nenhum estudo ultraestrutural específico do vírus Oropouche em tecidos humanos tenha sido publicado até o momento, é provável que este agente viral exiba partículas com características morfológicas semelhantes a outros membros do gênero Orthobunyavirus. Estudos ultra-estruturais do vírus La Crosse mostraram que as partículas do vírus são esféricas, medindo entre 80 e 110 nm de diâmetro, circundadas por um envelope lipídico.

Internamente, a partícula viral contém três segmentos de RNA de cadeia única de RNA genômico de diferentes tamanhos que estão individualmente conectados à proteína L (RNA polimerase dependente de RNA viral) e que são circundados pela proteína nucleocapsídeo (N), formando três ribonucleoproteínas.

Os segmentos genômicos são denominados pequeno (SRNA), médio (MRNA) e grande (LRNA), de acordo com seus respectivos tamanhos moleculares.

O genoma viral parcial para o protótipo brasileiro da cepa do vírus Oropouche BeAN 19991 foi sequenciado, e recentemente foram descritas as sequências genômicas completas para os três segmentos, incluindo as regiões não codificantes (NCRs), mostrando um segmento SRNA de 958 nucleotídeos, um RNAm com 4.385 nucleotídeos e um LRNA com 6.852 nucleotídeos de comprimento.

As sequências codificantes dos três segmentos genômicos são flanqueadas por dois NCRs terminais, a saber, 5 ‘e 3’ NCRs, que têm diferentes números de nucleotídeos de comprimento, mas têm onze nucleotídeos que são altamente conservados entre os três segmentos de RNA. Essas regiões são complementares entre si em um arranjo típico que fornece uma circularização no RNA genômico que é essencial para a atividade desta região como promotores de replicação e transcrição, como indicado recentemente em um ensaio do sistema de minigenoma que introduziu mutações nos NCRs.

O LRNA contém um quadro de leitura aberta (ORF) que codifica a proteína L, uma RNA polimerase dependente de RNA. A proteína L tem um peso molecular de 261,25 kDa e está associada aos três segmentos de RNA viral.

O RNAm contém uma única ORF que codifica uma grande poliproteína que é clivada após ou durante a tradução, produzindo três proteínas virais, duas glicoproteínas de superfície estrutural: Gn (28,03 kDa) e Gc (107,14 kDa) e uma proteína não estrutural denominada NSm (26,65 kDa).

O segmento SRNA codifica uma proteína nucleocapsídeo estrutural (26,26 kDa) e uma proteína NS não estrutural (10,65 kDa), em duas ORFs sobrepostas. Recentemente, o resgate de vírus recombinantes do vírusOropouche por genética reversa sem essas proteínas não estruturais demonstrou que NSm é dispensável para replicação de vírus em células de mamíferos e mosquitos, enquanto NSs é um importante gene de virulência, atuando como um antagonista do interferon tipo I (IFN).

O LRNA contém um quadro de leitura aberta (ORF) que codifica a proteína L, uma RNA polimerase dependente de RNA. A proteína L tem um peso molecular de 261,25 kDa e está associada aos três segmentos de RNA viral.

O RNAm contém uma única ORF que codifica uma grande poliproteína que é clivada após ou durante a tradução, produzindo três proteínas virais, duas glicoproteínas de superfície estrutural: Gn (28,03 kDa) e Gc (107,14 kDa) e uma proteína não estrutural denominada NSm (26,65 kDa).

O segmento SRNA codifica uma proteína nucleocapsídeo estrutural (26,26 kDa) e uma proteína NS não estrutural (10,65 kDa), em duas ORFs sobrepostas.

Recentemente, o resgate de vírus recombinantes do vírus Oropouche por genética reversa sem essas proteínas não estruturais demonstrou que NSm é dispensável para replicação de vírus em células de mamíferos e mosquitos, enquanto NSs é um importante gene de virulência, atuando como um antagonista do interferon tipo I (IFN).

Os detalhes do ciclo de replicação do vírus Oropouche ainda são desconhecidos. A produção de progênies é observada 10 horas após a inoculação do vírus em células HeLa, com pico após 24 horas.

A interação entre a partícula viral e o receptor celular é mais provavelmente mediada pelas glicoproteínas de superfície Gn e Gc, e o vírus entra nas células HeLa. por endocitose mediada por vesículas revestidas com clatrina, enquanto a liberação de partículas virais do endossomo depende da acidificação endossômica.

Um importante efeito citopático observado após a replicação do vírus Oropouche em células HeLa é a indução de apoptose, que foi detectada 36 horas após a infecção.

A liberação do citocromo c e a ativação das caspases 9 e 3 foram detectadas e a apoptose ocorre sem afetar a carga viral, indicando que isso pode ser importante durante o ciclo de replicação do vírus Oropouche. O mesmo trabalho sugere que a síntese proteica viral é necessária para a indução de apoptose, indicando que uma ou mais proteínas virais podem estar envolvidas neste mecanismo.

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/en.wikipedia.org/www.sciencedirect.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Adenite mesentérica

PUBLICIDADE A adenite mesentérica é um processo inflamatório autolimitante que afeta os linfonodos mesentéricos no …

Espondilite Anquilosante

Espondilite Anquilosante

PUBLICIDADE Definição A espondilite anquilosante é uma condição de longo prazo (crônica) na qual a coluna e …

Atetose

Atetose

PUBLICIDADE Definição A atetose é um sintoma de uma desordem cerebral que causa movimentos musculares repetitivos, lentos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+