Breaking News
Home / Saúde / Disartria

Disartria

PUBLICIDADE

Definição

Disartria é uma fala caracteristicamente arrastada, lenta e difícil de entender. Uma pessoa com disartria também pode ter problemas para controlar o tom, a intensidade, o ritmo e as qualidades de voz de sua fala.

disartria é causada por paralisia, fraqueza ou incapacidade de coordenar os músculos da boca.

disartria pode ocorrer como uma incapacidade de desenvolvimento. Pode ser um sinal de um distúrbio neuromuscular, como paralisia cerebral ou doença de Parkinson. Também pode ser causada por um acidente vascular cerebral, lesão cerebral ou tumor cerebral.

tratamento da disartria inclui terapia fonoaudiológica intensiva com foco no desenvolvimento de habilidades motoras orais.

Visão geral

disartria é uma condição na qual os músculos que você usa para falar são fracos ou você tem dificuldade em controlá-los.

A disartria geralmente é caracterizada por fala arrastada ou lenta que pode ser difícil de entender.

As causas mais comuns de disartria incluem distbios (neurolicos) do sistema nervoso, tais como acidente vascular cerebral, les cerebral, tumores cerebrais e condies que causam paralisia facial ou fraqueza da lgua ou do mculo da garganta. Certos medicamentos também podem causar disartria.

tratamento da disartria é dirigido ao tratamento da causa subjacente de sua condição quando possível, o que pode melhorar sua fala. Você pode ter terapia da fala para ajudar a melhorar a fala. Para disartria causada por medicamentos prescritos, mudar ou interromper a medicação pode ajudar.

Sobre a Disartria

Nós usamos muitos músculos para conversar. Estes incluem músculos em nosso rosto, lábios, língua e garganta, bem como músculos para respirar. É mais difícil falar quando esses músculos são fracos.

disartria acontece quando você tem músculos fracos devido a danos cerebrais. É um distúrbio motor da fala e pode ser leve ou grave.

disartria pode acontecer com outros problemas de fala e linguagem. Você pode ter dificuldade em receber mensagens do seu cérebro para os músculos para fazê-los se moverem, chamados de apraxia. Você também pode ter dificuldade em entender o que os outros dizem ou falar sobre seus pensamentos, chamado afasia.

Disartria – Distúrbio da Fala

O termo disartria refere-se a um distúrbio da fala que é caracterizado por má articulação, respiração e/ou fonação, incluindo fala arrastada, lenta, esforçada e prosodicamente anormal.

As disartrias são caracterizadas por fraqueza e/ou tônus muscular anormal da musculatura da fala que movimenta os articuladores, como os lábios e a língua.

O que é uma Disartria?

Disartria é o termo para uma condição médica que é caracterizada por fala prejudicada, cuja origem é considerada um distúrbio do sistema nervoso.

Como tal, a condição é geralmente acompanhada de mau controle dos músculos da face e pescoço devido à disfunção de vários nervos cranianos e faciais.

disartria também pode envolver vários sistemas secundários relacionados à fala e articulação, como o sistema respiratório. Os efeitos desses distúrbios tipicamente produzem fala que é trabalhada e ausente no tom normal e na entonação.

Existem muitos fatores que podem causar disartria. Lesões cerebrais traumáticas, derrame ou tumores cerebrais freqüentemente danificam os neurônios motores, que são responsáveis por coordenar os sinais de várias partes do cérebro e do tronco cerebral para executar com precisão os movimentos musculares.

disartria também pode resultar de vários distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Huntington, paralisia cerebral, esclerose múltipla ou doença de Parkinson. Como esse é o caso, qualquer início súbito de fala prejudicada deve ser investigado sem demora.

Disartria
Disartria

avaliação da disartria é feita de acordo com os sintomas observados, o que permite ao clínico categorizar a condição.

As qualidades gerais de fala examinadas são articulação, ressonância, fonação e prosódia (ritmo e métrica), com cada área sendo impactada diferentemente, dependendo da localização e extensão dos danos aos neurônios.

Por exemplo, a disartria espástica está relacionada à lesão nervosa ao longo do trato piramidal, enquanto a disartria atáxica é causada por disfunção cerebelar.

disartria flácida está associada a danos nos nervos cranianos, e a disartria hipercinética está associada à formação de lesões nos gânglios da base. A disartria hipocinética, por outro lado, é o resultado de lesões ao longo da substantia nigra, uma consequência específica da doença de Parkinson.

tratamento da disartria é administrado principalmente por um fonoaudiólogo, que irá envolver o paciente em uma variedade de exercícios para ajudar a melhorar a pronúncia e inflexão de voz. Um dos principais objetivos é desacelerar a taxa de expressão para ser melhor compreendido. A fala de estimulação pode ser praticada com a ajuda de um metrônomo, que permite ao paciente pronunciar uma sílaba por vez em sincronia com o ruído de tique-taque do instrumento. Alguns fonoaudiólogos empregam placas de estimulação ou bastões graduados, que exigem que o paciente toque ou toque em um alvo designado a cada vez que uma sílaba é falada.

Várias técnicas de compensação também podem ser exploradas. Por exemplo, os pacientes que têm dificuldade em fazer um som “t” ou “d” forte podem ser encorajados a produzir o som trazendo a lâmina plana da língua para os dentes, em vez da ponta. Alguns pacientes podem precisar acentuar a pronúncia de consoantes, enquanto outros podem precisar se tornar mais conscientes da tendência de surgir de repente em fala alta. Técnicas terapêuticas adicionais envolvem treinos de interpretação de papéis e exercícios de espelhamento, seguidos pelo terapeuta provocando a mesma resposta, mas sem qualquer sinal visual ou auditivo.

A fonoterapia geralmente melhora a fala geral para a maioria dos pacientes. No entanto, casos graves podem exigir o uso de métodos de comunicação alternativos, como a linguagem de sinais. Em alguns casos, a intervenção cirúrgica pode ajudar, como a modificação do retalho faríngeo. Além disso, estão disponíveis dispositivos protéticos, incluindo implantes de obturador e bulbo da fala, ou dispositivos não invasivos que sintetizam ou digitalizam a fala.

O que é a Disartria flácida?

Disartria flácida é um termo médico usado para descrever um tipo de distúrbio de voz que resulta de danos a um ou mais dos nervos cranianos responsáveis pela fala. Trauma físico, acidente vascular cerebral e a presença de tumores são causas potenciais desse distúrbio. Condições médicas adicionais que podem resultar em disartria flácida incluem poliomielite, miastenia gravis e síndrome de Guillain-Barre. Problemas de fala, baba incontrolável e paralisia do nervo são sintomas comuns. Um médico deve ser consultado para desenvolver um plano de tratamento individualizado para a disartria flácida, que pode incluir uma combinação de fisioterapia e medicação prescrita.

Os nervos cranianos viajam do cérebro para a área facial e são responsáveis por funções como a capacidade de falar e engolir.

Danos a estes nervos podem levar a uma variedade de problemas médicos, incluindo disartria flácida.

Uma lesão traumática, como um acidente automobilístico ou um golpe direto na cabeça, freqüentemente contribui para o desenvolvimento desse distúrbio, embora algumas condições médicas também possam levar àdisartria flácida.

Os tumores podem comprimir os nervos e levar a problemas de fala e, em muitos casos, a remoção do crescimento anormal resolve os sintomas do distúrbio.


A disartria flácida é uma complicação potencial de um acidente vascular cerebral

Um acidente vascular cerebral é uma emergência médica causada por uma interrupção no suprimento de sangue para o cérebro. Hipertensão crônica, coágulos sanguíneos e níveis elevados de colesterol estão entre as possíveis causas de um derrame. Danos ao tecido cerebral, bem como os vasos sanguíneos e nervos associados, freqüentemente ocorrem como resultado de um derrame, e a disartria flácida é uma complicação potencial desse tipo de dano. Processos de doenças como miastenia gravis, síndrome de Guillain-Barre e poliomielite também foram relatados como possíveis causas, pois são conhecidos por causar vários tipos de danos nos nervos, dor e paralisia parcial ou completa dos músculos e nervos afetados.

Alguns dos sintomas da disartria flácida incluem dificuldade em envolver a elevação da mandíbula, capacidade reduzida das vias aéreas e paralisia parcial ou completa dos nervos associados. Esses problemas podem causar dificuldades de pronúncia, incapacidade de falar alto ou dificuldade para completar frases. A atrofia muscular pode levar à flacidez facial visível, salivação ou paralisia. Fisioterapia e exercícios de alongamento suaves são os métodos típicos de tratamento usados para tratar a disartria flácida, embora a medicação prescrita ou intervenção cirúrgica possa ser necessária nos casos mais extremos. O médico supervisor desenvolve um plano de tratamento individualizado com base nas necessidades específicas do paciente.

Quais Fatores Estão Envolvidos na Avaliação da Disartria?

disartria é um distúrbio da fala que pode se manifestar com sintomas relacionados. Esses possíveis sintomas adicionais, incluindo problemas respiratórios ou de deglutição, são fatores importantes na avaliação da disartria. A manifestação de sintomas centrais, como deficiências de vocalização, também fornece informações importantes na avaliação. Ambas as causas e sintomas ajudam a criar o sistema de categorização para avaliação da disartria. Uma vez que o dano do sistema nervoso geralmente estabelece a base para essa condição, o teste neurológico também deve ser considerado um fator primário.

Várias formas de comprometimento do sistema nervoso podem causar danos aos músculos que controlam a fala, levando à disartria. Um indivíduo pode ter um defeito de nascimento congênito que danifica os nervos. Outras condições surgem durante os anos críticos de desenvolvimento da infância, como a paralisia cerebral. Os distúrbios degenerativos, por outro lado, geralmente ocorrem em algum momento da vida adulta e constituem um agravamento progressivo da função. Lesões traumáticas, infecções ou déficits corporais súbitos, como acidente vascular cerebral, também podem prejudicar o funcionamento dos nervos e causar diferentes tipos de disartria.

A localização do dano ao sistema nervoso afetará a apresentação dos sintomas e o grau de gravidade durante a avaliação da disartria. Em geral, os danos aos neurônios motores no córtex cerebral do cérebro podem infligir a maioria das anormalidades. Por exemplo, a disartria espástica é diagnosticada quando essas células nervosas centrais estão comprometidas.

Os sintomas incluem o seguinte: uma voz tensa; incapacidade de vocalizar frases longas; misturas consonantais; e uma taxa de fala lenta e baixa. Danos às células nervosas motoras inferiores que se conectam aos músculos caracterizam a disartria flácida, que geralmente resulta em menos sintomas.

Os danos às células nervosas motoras também podem ocorrer no cerebelo do cérebro ou nos gânglios da base, manifestando-se como disartria ataxia e disartria hipocinética ou hipercinética, respectivamente. Danos em qualquer área podem criar alguns dos sintomas acima mencionados ou sintomas adicionais, como uso incorreto de vogais, tons incomuns ou pausas prolongadas na fala. Embora os indivíduos possam sofrer danos em uma área, disartrias mistas que afetam diferentes áreas do cérebro e do sistema nervoso são talvez mais comuns na avaliação da disartria. Dependendo da origem e gravidade do dano, os indivíduos podem apresentar dificuldades ocasionais de fala ou sofrer de anormalidades crônicas de fala em longo prazo.

Como as áreas impactadas do cérebro controlam mais ações do que a fala, outras condições associadas podem se desenvolver ao lado das dificuldades da fala.

Os indivíduos afetados, por exemplo, oferecem uma qualidade nasal à voz. Este efeito é em grande parte devido à respiração prejudicada. Além disso, sintomas como uma voz tensa são frequentemente o resultado de comprometimento dos nervos primários que controlam a deglutição. Em um nível psicológico, a depressão devido às dificuldades de fala pode apresentar outro enrugamento na avaliação.

Procedimentos de teste, como a Avaliação da Disartria Frenchay, que enfocam os padrões de fala, ajudam os médicos na avaliação da disartria. O médico coletará uma amostra de fala do paciente e examinará de perto quais características estão presentes na fala do paciente. Por exemplo, o médico pode notar anormalidades na vocalização do paciente de pequenas unidades sonoras ou fonemas. Além disso, um exame físico da boca e da área facial será feito, e quaisquer aberrações – particularmente quando o paciente estiver falando – serão observadas. Os exames de imagem cerebral e exames de sangue podem ajudar a descobrir a origem do problema.

Considerando todos os fatores acima, os médicos usarão uma avaliação para determinar que tipo de abordagem terapêutica melhor se adequará ao paciente. A resposta individual de um paciente a essas condições pode determinar se ele precisará de tratamento de longo prazo e como o tratamento funcionará. Nos casos em que os sintomas são menos graves, fortalecer os músculos relacionados à fala por meio da terapia de repetição da vocalização pode, muitas vezes, facilitar a melhora. Se os sintomas forem difusos e o dano estiver localizado em várias áreas do sistema nervoso, os dispositivos de fala assistida podem ser uma opção melhor para o tratamento da disartria.

O que é a Disartria atáxica?

disartria atáxica é um distúrbio de fala causado por danos no cerebelo ou nas vias utilizadas para trocar informações com o restante do sistema nervoso e do corpo. Um paciente com essa condição tem dificuldade para falar porque falta o controle motor fino necessário para articular as palavras. Os afetados podem soar intoxicados e podem ter linguagem explosiva ou severa. Eles também costumam ter outros problemas de habilidades motoras que podem dificultar a caminhada e executar tarefas com as mãos que exigem um bom grau de coordenação.

Essa condição pode ocorrer após derrames, lesões na cabeça, tumores e outras condições que envolvam o cerebelo. A extensão do dano pode ser avaliada através de exames neurológicos, bem como estudos de imagens médicas do cérebro para olhar diretamente para o cerebelo e estruturas adjacentes. Pacientes com disartria atáxica podem precisar de anos de terapia física e fonoaudiológica para desenvolver habilidades. Alguns podem experimentar uma recuperação completa, enquanto outros podem sempre ter uma fala levemente arrastada e lenta.

Sinais de disartria atáxica podem incluir fala muito lenta; isso pode incluir uma pausa entre as sílabas, assim como o silenciamento entre as sílabas, porque o paciente tem dificuldade em produzir sons nítidos. As pessoas também tendem a usar tensões iguais, em vez dos tons de subida e descida comumente ouvidos na fala. Pode ser difícil para o paciente se comunicar com pessoas que não estão familiarizadas com os padrões incomuns de fala da disartria atáxica; por exemplo, saber onde a palavra estresse se enquadra em uma sentença pode ser crítico para entender o significado.

Na terapia da fala, o paciente pode trabalhar com um treinador no desenvolvimento da força e coordenação muscular. Os exercícios vocais podem ajudar, assim como o treinamento em um ambiente descontraído, onde o paciente não sente pressão para falar de maneira rápida e clara o suficiente para acompanhar uma conversa. As pessoas podem ter exercícios para fazer em casa, bem como em sessões com seus terapeutas. O trabalho do fonoaudiólogo também pode ajudar o paciente a comer e respirar mais confortavelmente, pois essas habilidades também podem ser afetadas por danos no cerebelo.

As taxas de recuperação da disartria atáxica variam, dependendo da natureza da lesão, do cérebro individual do paciente e do nível de comprometimento com o tratamento. Pacientes que buscam agressivamente o tratamento e aderem a um plano podem experimentar melhores resultados, especialmente se forem apoiados por amigos e familiares. Eles também podem precisar de terapia separada para outros problemas de coordenação causados pelo dano cerebelar, como dificuldade para andar.

Fonte: www.asha.org/medlineplus.gov/www.mayoclinic.org/www.wisegeek.org/www.aphasia.org/www.speechpathologygraduateprograms.org/my.clevelandclinic.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Glicerina Vegetal

PUBLICIDADE Definição A glicerina vegetal, também conhecida como glicerol vegetal, é um produto de carboidrato …

Doença de Creutzfeldt-Jakob

PUBLICIDADE Definição A doença de Creutzfeldt-Jakob é um distúrbio cerebral degenerativo que leva à demência …

Xantelasma

PUBLICIDADE Definição Xantelasma são nódulos gordurosos que tendem a se formar perto dos cantos internos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.