Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Lúpus  Voltar

Lúpus

O que é o lúpus?

Lúpus é uma doença auto-imune em que o sistema imune do corpo e torna-se hiperativo ataca o tecido normal, saudável. Isto resulta em sintomas tais como a inflamação, edema e danos nas articulações, da pele, dos rins, do sangue, do coração, e pulmões.

Em funcionamento normal, o sistema imunitário torna proteínas chamadas anticorpos, a fim de proteger e lutar contra os antigénios, tais como vírus e bactérias.

Lúpus faz com que o sistema imunitário não pode diferenciar entre antigénios e do tecido saudável. Isto leva o sistema imunitário a anticorpos direto contra o tecido saudável - não apenas antigénios - causando o inchamento, a dor, e danos no tecido.

(* Um antigénio é uma substância capaz de induzir uma resposta imune específica.)

Quais são os diferentes tipos de lúpus?

Lúpus
Mãos inchadas

Vários tipos diferentes de lúpus foram identificados, mas do tipo a que nos referimos simplesmente como lúpus é conhecido como o lúpus eritematoso sistémico ou LSE. Outros tipos incluem discóide (cutânea), induzida por drogas, e neonatal.

Os doentes com lúpus discóide tiver uma versão da doença, que é limitada à pele. É caracterizada por uma erupção cutânea que aparece na face, pescoço e couro cabeludo, e não afeta os órgãos internos. Menos de 10% dos pacientes com lúpus discóide progresso na forma sistémica da doença, mas não há nenhuma maneira de prever ou impedir que o caminho da doença.

LES (lúpus eritematoso sistémico) é mais grave do lúpus discóide porque pode afetar qualquer um dos órgãos do corpo ou sistemas de órgãos. Algumas pessoas podem apresentar inflamação ou outros problemas com apenas pele e articulações, enquanto outros sofrem de LES verá articulações, pulmões, rins, sangue e / ou o coração afetado. Este tipo de lúpus também é frequentemente caracterizada por períodos de surto (quando a doença está ativa) e períodos de remissão (quando a doença está dormente).

Lúpus
Discóide

Induzida por drogas lúpus é causada por uma reação com certos medicamentos e provoca sintomas muito semelhantes ao LES. As drogas mais comumente associados com esta forma de lúpus são uma medicação chamada hipertensão hydralazine e uma medicação arritmia cardíaca chamada procainamida, mas há cerca de 400 outras drogas que também podem causar a doença. Lúpus induzido por drogas é conhecida a diminuir depois que o paciente deixa de tomar o medicamento desencadeante.

Uma condição rara, lúpus neonatal ocorre quando a mãe passa anticorpos para o feto. O feto e recém-nascido pode ter erupções na pele e outras complicações com o coração e sangue. Normalmente, aparece uma erupção cutânea, mas eventualmente desaparece nos primeiros seis meses de vida da criança.

Quem é afetado pelo lúpus?

De acordo com a Lupus Foundation of America (LFA), de 1,5 a 2 milhões de americanos possuem alguma forma de lúpus. A prevalência é de cerca de 40 casos por 100 mil pessoas entre os europeus do Norte e 200 por 100.000 pessoas entre os negros. Embora a doença afeta ambos os sexos masculino e feminino, as mulheres são diagnosticadas nove vezes mais frequentemente do que os homens, geralmente entre as idades de 15 e 45. Mulheres Africano-americanos sofrem de sintomas mais graves e uma taxa de mortalidade mais elevada.

Outros fatores de risco incluem exposição a luz solar, de certos medicamentos de prescrição, a infecção com o vírus de Epstein-Barr, e a exposição a certos químicos.

O que causa o lúpus?

Embora os médicos são não sei exatamente o que causa lúpus e outras doenças auto-imunes, a maioria acredita que os resultados lupus de ambos os estímulos genéticos e ambientais.

Uma vez que o lúpus é conhecido por ocorrer dentro de famílias, os médicos acreditam que é possível herdar uma predisposição genética para lúpus. Não existem genes conhecidos, no entanto, que a causa direta de doença. É provável que ter uma predisposição hereditária para o lúpus torna a doença mais provável apenas depois de entrar em contato com algum gatilho ambiental.

O maior número de casos de lúpus em mulheres do que nos homens pode indicar que a doença pode ser provocada por certas hormonas. Os médicos acreditam que hormônios como o estrogênio regular a progressão da doença porque os sintomas tendem a incendiar antes de períodos menstruais e / ou durante a gravidez.

Certos fatores ambientais têm sido conhecidos por causar sintomas do lúpus.

Estes incluem:

Estresse extremo

A exposição à luz ultravioleta, usualmente de luz solar

Fumante

Alguns medicamentos e antibióticos, especialmente aqueles nos grupos de sulfa e penicilina

Algumas infecções, tais como o citomegalovírus (CMV), tais como parvovírus (quinta doença), infecções da hepatite C, e com o vírus Epstein-Barr (em crianças)

A exposição a compostos químicos, tais como o tricloroetileno na água de poço e da poeira

Quais são os sintomas do lúpus?

Uma vez que não há dois casos de lúpus são exatamente iguais, há uma vasta gama de sintomas que são conhecidos por afetar várias partes do corpo. Às vezes, os sintomas se desenvolvem lentamente ou aparecer de repente, pois eles podem ser leve, grave, temporária ou permanente. A maioria das pessoas com lúpus apresentam sintomas em apenas alguns órgãos, mas os casos mais graves podem levar a problemas com os rins, o coração, os pulmões, sangue ou o sistema nervoso.

Episódios lúpus, ou sinais luminosos, são geralmente observado por um agravamento de alguns dos seguintes sintomas:

Dores nas articulações (artralgia), artrite e inchaço nas articulações, especialmente nos pulsos, as pequenas articulações das mãos, cotovelos, joelhos e tornozelos

Inchaço das mãos e dos pés devido a problemas renais

Febre de mais de 100 graus F (38 graus C)

Fadiga prolongada ou extrema

As lesões de pele ou erupções cutâneas, principalmente nos braços, mãos, rosto, pescoço ou costas

Borboleta em forma de erupção cutânea (rash malar) em todo o rosto e nariz

A anemia (deficiência de transporte de oxigénio dos glóbulos vermelhos)

Dor no peito na respiração profunda ou falta de ar

sol ou a sensibilidade à luz (fotossensibilidade)

A perda de cabelo ou alopecia

Problemas de coagulação do sangue anormais

O fenômeno de Raynaud: dedos ficarem brancos e / ou azul ou vermelho no frio

Convulsões

Úlceras na boca ou nariz

Perda de peso ou ganho

Os olhos secos

Fácil contusões

Ansiedade, depressão, dores de cabeça e perda de memória

Lúpus também pode levar a complicações em várias áreas do corpo.

Estes incluem:

Rins - lesão renal grave é a principal causa de morte para pessoas que sofrem de lúpus.

Sistema nervoso central - o lúpus pode causar dores de cabeça, tonturas, problemas de memória, convulsões e alterações comportamentais.

O sangue e os vasos - o lúpus causa um aumento do risco de anemia, hemorragia, coagulação do sangue e inflamação dos vasos

Pulmões - pneumonia não infecciosa e dificuldade para respirar devido à inflamação da cavidade torácica são mais propensos ao lúpus

Coração - músculo cardíaco e inflamação artéria são mais susceptíveis à doença, lúpus e aumenta as possibilidades de doença cardiovascular e de ataques cardíacos.

Infecção - tratamentos lúpus tendem a deprimir o sistema imunológico tornando o corpo mais vulnerável a infecções.

Câncer - lúpus aumenta o risco de câncer, especialmente de linfoma não-Hodgkin, câncer de pulmão e câncer de fígado

Morte do tecido ósseo - um menor suprimento de sangue para o tecido ósseo leva a pequenas rachaduras e eventual morte do osso. Isto é mais comum no osso da anca.

Gravidez - lúpus aumenta o risco de aborto espontâneo, hipertensão durante a gravidez e parto prematuro.

Como é diagnosticado o lúpus?

Como os sinais e os sintomas variam consideravelmente de pessoa para pessoa, não existe um teste de diagnóstico único que pode confirmar lúpus. Além disso, os sinais e sintomas tendem a mudar ao longo do tempo e são semelhantes aos de outros distúrbios e doenças. Estas flutuações na atividade da doença tornar lupus extremamente difícil de diagnosticar.

Atualmente, os médicos usam diretrizes estabelecidas pelo American College of Rheumatology (ACR) para o diagnóstico de lupus (SLE). As diretrizes se concentrar em onze anormalidades que, quando combinados, sugerem que o paciente tem lupus.

Para ser classificado como tendo LES, o paciente deve satisfazer 4 dos 11 seguintes sintomas em qualquer momento desde o início da doença:

1. Serosite - inflamação da membrana que envolve os pulmões (pleurite) ou o coração (pericardite)

2. As úlceras mucosas - pequenas feridas encontradas na mucosa da boca e do nariz

3. Artrite - artrite não erosiva (sensibilidade, inchaço, dor) de duas ou mais articulações periféricas

4. Fotossensibilidade - erupção cutânea ou outros sintomas causados pela exposição à luz ultravioleta

5. Doença do sangue - anemia hemolítica (baixa contagem de glóbulos vermelhos), leucopenia e linfopenia (baixa contagem de células brancas do sangue), ou trombocitopenia (baixa contagem de plaquetas)

6. Renal (rins) desordem - a contagem de alta proteína na urina

7. Teste de anticorpos antinucleares positivos

8. Desordem imunológica - positivos sobre anti-Smith, anti-ds DNA, testes de anticorpos antifosfolípides.

9. Distúrbio neurológico - convulsões ou psicose

10. Eritema malar - Erupção nas bochechas

11. Rash discóide - vermelho, manchas escamosas na pele que causam cicatrizes

Além dos ensaios acima referidos, os médicos frequentemente utilizam uma variedade de testes de sangue, tais como:

Hemograma completo (CBC) para detectar anemia, baixa contagem de plaquetas e baixa contagem de células brancas do sangue

Velocidade de sedimentação de eritrócitos (ESR) para determinar a taxa à qual as células vermelhas do sangue se depositar no fundo de um tubo dentro de uma hora. Taxas mais rápidas do que o normal podem indicar lúpus ou outra doença sistêmica, doença inflamatória ou infecção.

Rim e fígado para avaliação de olhar para certas enzimas e albumina

Análise da urina para medir os níveis de proteínas ou células vermelhas do sangue na urina

Sífilis teste para determinar se os anticorpos anti-fosfolípidos estão presentes no sangue.

Como é tratado o lúpus?

Não há atualmente nenhuma cura para o lúpus, nem houve uma nova droga para o tratamento da doença nos últimos 50 anos, embora haja uma série de novas drogas atualmente sendo pesquisado ou em ensaios clínicos. No entanto, o diagnóstico precoce eo tratamento médico adequado pode ajudar significativamente a controlar a doença e seus sintomas. Tratar lúpus eficaz consiste em minimizar os sintomas, reduzindo a inflamação e dor, ajudando a manter a função normal e prevenção de complicações sérias.

Desde que a doença afeta cada pessoa de forma diferente, os tratamentos são normalmente adaptados para os problemas específicos que surgem em cada pessoa. Medicamentos e dosagens também podem variar dependendo da gravidade da doença.

Quando o lúpus apresenta-se com sintomas leves ou moderados, os seguintes medicamentos são comumente utilizados no tratamento:

Drogas não esteróides anti-inflamatórios não esteróides (AINE), como a aspirina, naproxeno sódico (Aleve) e ibuprofeno (Advil, Motrin, outros). Efeitos colaterais comuns dos AINEs incluem sangramento no estômago e um risco aumentado de problemas cardíacos.

Antimaláricos, como a hidroxicloroquina (Plaquenil). Não há nenhuma relação conhecida entre lúpus e malária, mas os medicamentos contra a malária tem sido útil no tratamento de sintomas do lúpus e refúgio impedia flares da doença. Os efeitos colaterais incluem problemas de visão e fraqueza muscular.

Corticosteróides para combater a inflamação. Sérios efeitos colaterais a longo prazo incluem ganho de peso, fácil contusões, osteoporose, hipertensão, diabetes e aumento do risco de infecção. O risco de osteoporose pode ser reduzido tomando suplementos de cálcio e vitamina D.

Quando o lúpus apresenta com sintomas graves ou agressivo, os seguintes tratamentos são normalmente usados:

Doses elevadas de corticosteróides. Estes podem ser feita por via intravenosa ou por via oral para controlar sinais perigosos ou sintomas de lúpus. No entanto, os efeitos secundários graves têm sido observadas, tais como infecções, alterações de humor, hipertensão e osteoporose. Os médicos tendem a administrar a dose mais baixa possível que irá controlar os sintomas, reduzindo a dosagem ao longo do tempo.

Imunossupressores como a ciclofosfamida (ciclofosfamida) e azatioprina (Imuran). Estas drogas suprimir o sistema imune e pode ser útil em casos graves de lúpus. Eles também um risco de efeitos secundários graves, tais como um aumento do risco de infecção, dano hepático, infertilidade e um risco aumentado de cancro.

Outros tratamentos comuns para sinais e sintomas específicos incluem:

Ficar fora do sol e usando protetor solar para evitar erupções cutâneas. Iluminação fluorescente interior também podem desencadear erupções na pele em algumas pessoas com lúpus. Esteróides corticóides tópicas podem ser utilizados no tratamento de erupções da pele, além de esteróides orais e antimaláricos.

Medicamentos para tratar a fadiga. Dificuldade para dormir, depressão e dor mal controlada são todas as causas potenciais de fadiga, e os médicos vão tratar essas causas subjacentes. Os medicamentos tais como corticoesteróides e antimaláricos podem ser utilizados se a causa da fadiga não pode ser determinada.

AINEs, medicamentos antimaláricos ou corticóides para tratar inchaço ao redor do coração e dos pulmões que causa dor no peito.

Além de medicamentos, os médicos recomendam que os pacientes lúpicos cuidar bem de si mesmos.

Os pacientes podem ver uma redução na frequência e gravidade das crises se fazer escolhas de estilo de vida saudáveis, tais como:

O exercício físico regular.

Tornando-se informados sobre o lúpus.

Não fumar.

Comer uma dieta equilibrada saudável.

Cercando-se com um sistema de apoio de familiares, amigos e profissionais de saúde.

Viver com lupus

Embora não haja nenhuma cura para o lúpus, existem várias medidas que os pacientes podem ter de lidar com a doença.

Cuidados com o sol - Use protetor solar com FPS de pelo menos 15 que pode bloquear tanto os raios UVA e IVB.

Dieta - Comer uma dieta nutritiva e bem equilibrada com açúcar limitada e ingestão de sal se em corticosteróides. Há alguma evidência de que o peixe tenha propriedades anti-inflamatórias, mas os rebentos de alfafa podem aumentar a inflamação.

O manejo da dor - Aplicar calor úmido nas articulações dolorosas ou mergulhar em uma banheira de hidromassagem ou jacuzzi.

Exercício - baixo impacto caminhada, natação, hidroginástica e bicicleta pode ajudar a prevenir a atrofia muscular e diminuir o risco de osteoporose.

Reabilitação - Os fisioterapeutas, ocupacional e profissional pode ajudá-lo a fortalecer os músculos, o exercício, menor stress, recomendo dispositivos auxiliares, treinar para um trabalho que não exacerbar os sintomas

Não fume. Parar se você é um fumante.

Clima - As alterações na pressão pode agravar os sintomas. Tente viver em algum lugar, com alterações mínimas no clima e pressão.

Fadiga - cansaço de controle, permanecendo ativo e descanso para uma quantidade de tempo adequado.

Relacionamentos - manter boas relações com os médicos que estão ajudando você a gerenciar lúpus. Manter os compromissos, ser honesto, tomar medicamentos, e respeitar o seu tempo.

Gravidez - Continue atento e consultar com um médico sobre os riscos associados com a gravidez para você e seu filho.

A função cognitiva - um psicólogo ou terapeutas cognitivos podem ser úteis se lupus leva à disfunção cognitiva ou perda de memória.

Fonte: www.medicalnewstoday.com

Lúpus

O que é o lúpus?

O sistema imunológico está concebido para atacar as substâncias estranhas no corpo. Se você tem lúpus, algo der errado com o sistema imunológico e ataca células e tecidos saudáveis.

Isto pode danificar muitas partes do corpo, tais como o:

Articulações

Pele

Rins

Coração

Pulmões

Os vasos sanguíneos

Cérebro.

Existem muitos tipos de lúpus. O tipo mais comum, lúpus eritematoso sistêmico, afeta muitas partes do corpo.

Outros tipos de lúpus são:

O lúpus eritematoso discóide, provoca uma erupção da pele que não desaparece

Lúpus eritematoso cutâneo subagudo-causas da pele feridas em partes do corpo expostas ao sol

Lúpus induzido por drogas pode ser causado por medicamentos

Lupus-a Neonatal tipo raro de lúpus que afeta recém-nascidos.

Quem recebe o lúpus?

Qualquer pessoa pode ter lupus, mas na maioria das vezes afeta as mulheres. Lupus também é mais comum em mulheres em Africano americanos, hispânicos asiática, e Native descida, americano do que em mulheres caucasianas.

O que causa o lúpus?

A causa do lúpus não é conhecido. A investigação sugere que os genes desempenham um papel importante, mas os genes sozinhos não determinam que recebe lúpus. É provável que vários fatores desencadear da doença.

Quais são os sintomas do lúpus?

Os sintomas de lupus variam, mas alguns dos sintomas mais comuns do lúpus são:

Dor ou inchaço nas articulações

A dor muscular

Febre sem causa conhecida

Manchas vermelhas, na maioria das vezes no rosto

Dor no peito quando se toma uma respiração profunda

A perda de cabelo

Dedos das mãos ou dos pés pálidos ou roxos

Sensibilidade ao sol

Inchaço nas pernas ou ao redor dos olhos

Úlceras na boca

Glândulas inchadas

Sentindo-se muito cansado.

Os sintomas menos comuns incluem:

Anemia (diminuição de células vermelhas do sangue)

Dores de cabeça

Tonturas

Sentir-se triste

Confusão

Convulsões.

Os sintomas podem ir e vir. As vezes, quando uma pessoa está tendo sintomas são chamados flares, que pode variar de leve a grave. Novas sintomas podem aparecer em qualquer altura.

Como é diagnosticado o lúpus?

Não existe um único teste para o diagnóstico de lúpus. Pode levar meses ou anos para um médico para diagnosticar o lúpus.

O seu médico poderá usar muitas ferramentas para fazer um diagnóstico:

História da medicina

Exame completo

Os exames de sangue

A biópsia de pele (olhando para amostras de pele sob um microscópio

Biópsia renal (olhando para o tecido de seu rim sob um microscópio).

Como é Lupus tratada?

Você pode precisar de tipos especiais de médicos para tratar os vários sintomas do lúpus.

Sua equipe de saúde podem incluir:

Um médico de família

Reumatologistas-médicos que tratam de artrite e outras doenças que causam inchaço nas articulações

Imunologistas clínicos-médicos que tratam de distúrbios do sistema imunológico

Nefrologistas-médicos que tratam de doença renal

Hematologistas-médicos que tratam de doenças do sangue

Dermatologistas-médicos que tratam de doenças de pele

Neurologistas-médicos que tratam de problemas com o sistema nervoso

Cardiologistas-médicos que tratam de coração e vasos sanguíneos problemas

Endocrinologistas-médicos que tratam de problemas relacionados com as glândulas e hormônios

Enfermeiros

Psicólogos

Os assistentes sociais.

O seu médico irá desenvolver um plano de tratamento para atender às suas necessidades. Você e seu médico deve rever o plano muitas vezes para ter certeza de que está funcionando. Você deve relatar novos sintomas ao seu médico imediatamente para que o tratamento pode ser alterado, se necessário.

Os objetivos do plano de tratamento são:

Evitar erupções

Trate as erupções quando ocorrem

Reduzir os danos de órgãos e outros problemas.

Os tratamentos podem incluir medicamentos para:

Reduzir o inchaço e dor

Prevenir ou reduzir flares

Ajuda o sistema imunológico

Reduzir ou evitar danos nas articulações

Equilibrar os hormônios.

Além disso a medicamentos para o próprio lúpus, por vezes, outras medicações são necessários para os problemas relacionados com o lúpus, tais como níveis elevados de colesterol, a pressão arterial elevada, ou infecção. Tratamentos alternativos são aqueles que não fazem parte do tratamento padrão.

Nenhuma pesquisa mostra que esse tipo de tratamento funciona para pessoas com lúpus. Você deve conversar com seu médico sobre tratamentos alternativos.

O que posso fazer?

É vital que você tome um papel ativo no seu tratamento. Uma chave para viver com lúpus é saber sobre a doença e seu impacto. Ser capaz de identificar os sinais de alerta de um surto pode ajudar a prevenir o flare ou fazer os sintomas menos graves.

Muitas pessoas com lúpus têm alguns sintomas pouco antes de uma crise, tais como:

Sentindo-se mais cansado

Dor

Erupção

Febre

Dor de estômago

Dor de cabeça

Tonturas.

Você deve consultar o seu médico, muitas vezes, mesmo quando os sintomas não são graves.

Essas visitas vão ajudar você e seu médico:

Procure por mudanças nos sintomas

Prever e prevenir explosões

Alterar o plano de tratamento, se necessário

Detectar os efeitos colaterais do tratamento.

Também é importante encontrar formas de lidar com o stress de ter lupus. Exercício e encontrar maneiras de relaxar pode tornar mais fácil para você lidar.

Um bom sistema de apoio também pode ajudar. Um sistema de apoio pode incluir a família, amigos, grupos comunitários, ou médicos.

Muitas pessoas com lúpus têm encontrado grupos de apoio a ser muito útil.

Além de fornecer apoio, participando de um grupo de apoio pode fazer você se sentir melhor sobre si mesmo e ajudar você a manter uma boa perspectiva.

Aprender mais sobre o lúpus é muito importante.

Estudos têm demonstrado que os pacientes que são informados e envolvidos em seus próprios cuidados:

Têm menos dor

Fazer menos visitas ao médico

Se sentir melhor sobre si mesmos

Continuam a ser mais ativa.

Gravidez e contracepção para mulheres com lúpus

Mulheres com lúpus podem e têm bebês saudáveis.

Há algumas coisas para manter em mente se você está grávida ou pensando em engravidar:

Gravidez em mulheres com lúpus é considerado de alto risco, mas a maioria das mulheres com lúpus levar seus bebês de forma segura.

As mulheres grávidas com lúpus deve ver seu médico com frequência.

Lupus pode incendiar durante a gravidez.

Aconselhamento gravidez e planejamento antes da gravidez são importantes.

Mulheres com lúpus que não desejam engravidar ou que estão a tomar medicamentos que podem ser prejudiciais para um feto pode querer o controle de natalidade confiável. Estudos recentes têm mostrado que os contraceptivos orais (pílulas anticoncepcionais) são seguros para mulheres com lúpus.

Fonte: www.niams.nih.gov

Lúpus

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Definição

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) ou Lúpus, é uma doença inflamatória, multissistêmica, crônica autoimune, de causa desconhecida, que evolui com sintomas que podem surgir de forma lenta e progressiva, durante meses, ou de forma mais rápida, em semanas, variando com fases de atividade e de remissão. Apresenta um desequilíbrio do sistema imunológico com formação acentuada de auto-anticorpos capazes de lesar células e tecidos diversos.

Epidemiologia

Doença rara que  pode atingir qualquer pessoa, de todas as raças, em diferentes faixas etárias. Todavia, existe predileção pelo sexo feminino, numa proporção de 5 a 10 mulheres para cada homem. Ocorre especialmente na fase reprodutiva, entre os 15 a 35-45 anos, sendo levemente mais comum entre as pessoas mestiças e afro-descendentes.

Análises internacionais apontam para uma incidência de 3,7 a 5,5 por 100 mil habitantes em cada ao. No Brasil, os dados não são precisos. Estima-se que existam aproximadamente 65 mil pessoas com LES, a maioria mulheres, numa taxa de 1:1.700 indivíduos, o que a torna razoavelmente comum nos ambulatórios de reumatologia.

Etiologia

Sua causa permanece desconhecida, embora acredite-se numa origem multifatorial, baseada na associação entre fatores genéticos e imunológicos, hormonais e ambientais. Assim, pessoas predispostas geneticamente para a doença, em alguma fase de suas vida, após uma interação com fatores ambientais, por exemplo, passariam a apresentar alterações imunológicas.

Existem relatos de provável envolvimento de agentes virais não identificados, bem como da exacerbação dos sintomas no início e final da gestação, com incidência maior na puberdade, após a menarca e com níveis elevados de prolactina. Ademais, parece que o estresse pode influenciar na exacerbação da sintomatologia.

Todavia, como principal alteração, descreve-se o desequilíbrio na produção de anticorpos que reagem contra o próprio corpo, provocando reações infamatórios em diversos órgãos como pele, mucosas, pleura, pulmões, rins, articulações, dentre outros. Logo, o sintomas apresentados pelo indivíduo dependem diretamente do tipo de anticorpo produzido e como estes se relacionam com as características genéticas de cada indivíduo.

Patologia e Patogênese

A associação dos fatores ambientais e hormonais à predisposição genética causam alteração imunológica, elevando a produção de anticorpos e formando complexos antígeno-anticorpo. Como resultado, vários macrófagos e enzimas são ativados, produzindo lesão tecidual e deposição destes nos tecidos.

Classificação

Existem dois tipos principais de LES, o cutâneo, que se manifesta, em geral, por manchas na pele, avermelhadas ou eritematosas, notadamente nas áreas que ficam expostas ao sol, tais como rosto, orelhas, colo e braços, e o sistêmico, em que um ou mais órgãos internos podem ser atingidos. Por se tratar de uma doença autoimune, a inflamação pode se manifestar por vários sintomas e em diferentes localidades. Alguns sintomas gerais incluem febre, astenia (perda de apetite), fraqueza, desânimo e emagrecimento. Outros já são específicos dos órgãos acometidos, como as dores articulares, manchas na pele, hipertensão arterial ou problemas renais, dentre outros.

Quadro Clínico

Os sintomas do LES são variáveis de acordo com os locais acometidos e dependem da fase de atividade ou remissão da doença no que diz respeito à intensidade. É comum o relato de sintomas gerais como desânimo, febre baixa, cansaço, perda de apetite e de peso, cefaléia, náuseas, vômitos, depressão, artralgia e mialgia. Pode ocorrer a formação de ínguas (edema nos gânglios), que por vezes leva à confusão com a rubéola ou mononucleose. As manifestações podem ser resultado da inflamação na pele, nas articulações, nos rins, pulmões e pleura (membrana que recobre os pulmões), coração (pericárdio), cérebro e nervos. Outros sinais e sintomas podem estar presentes devido a redução das células brancas e vermelhas na corrente sanguínea. Todos estes sintomas podem surgir isoladamente ou em conjunto, ao mesmo tempo, ou de maneira sequencial.

Dentre as manifestações clínicas mais frequentes, podemos apontar para:

Lesões de pele: atingem 80% dos pacientes durante a evolução da doença. As lesões mais observadas são as manchas avermelhadas, que não deixam cicatriz, nas maçãs do rosto e dorso do nariz, comumente conhecida como “asa de borboleta”, em virtude do formato. Lesões discóides são também frequentes, porém, nas áreas expostas à luz, permanecendo bem delimitadas, podendo deixar cicatrizes com atrofia e alterações na cor da pele. Podem ocorrer vasculites (inflamação de pequenos vasos), produzindo manchas vermelhas ou vinhosas, dolorosas nas pontas dos dedos dos pés e das mãos. A fotossensibilidade é também comum, sendo uma sensibilidade desproporcional do paciente à luz solar. A claridade, por menor que seja, pode ser suficiente para produzir manchas na pele e sintomas gerais como febre ou cansaço. A queda de cabelos (alopecia) é comum e ocorre principalmente nas fases de atividade da doença, porém, com o tratamento, o cabelo volta a crescer normalmente. Há a descrição de úlceras de mucosa oral e nasal, que podem afetar o septo nasal e até perfurá-lo. Apresentam-se dolorosas, contudo, se fecham com rapidez à medida que a doença é controlada. Alteração vascular conhecida por Fenômeno de Raynaud é observa nas extremidades e se relaciona com a hipersensibilidade ao frio.

Osteoarticulares: mais de 90% dos paciente relata, em algum momento, presença de dor associada ou não ao edema nas articulações (juntas), principalmente nas  mãos, punhos, joelhos e pés. O envolvimento articular pode ser migratório e assimétrico. Quando a doença já está instalada, é mais comum a poliartrite. A artropatia acomete pequenas e grandes articulações, de forma não erosiva e com preservação da função articular, embora se apresente bastante dolorosa e intermitente, isto é, com períodos de melhora e de agravamento. Ocorre rigidez e dor matinal que tende a melhor com o passar do dia. Tendinites (inflamações nos tendões musculares) podem ocorrer, bem como frouxidão ligamentar, especialmente devido ao processo inflamatório crônico que compromete cápsula articular. É comum a incidência de osteoporose, mais em virtude da inatividade, da falta de exposição solar e do uso prolongado de corticóides que pode, por sua vez, predispor também às dores e fraqueza musculares.

Inflamação das membranas: especialmente as que recobrem os pulmões (pleura) e o coração (pericárdio). Pode ser leve e assintomática ou produzir uma dor no peito. No caso da pleurite, existe a queixa da dor ao respirar, podendo produzir tosse seca e dispnéia (falta de ar). Pode haver hipertensão pulmonar, derrame pleural, fibrose intersticial, hemorragia e pneumonia aguda. Nestes, o paciente evolui com febre, dispnéia progressiva, tosse, hemoptise e perda da função pulmonar. Na pericardite, além da dor precordial (no peito), pode ocorrer taquicardia (palpitações) e falta de ar. Descreve-se anda derrame pericárdico e o aumento do risco de se desenvolver aterosclerose e hipertensão arterial sistêmica (HAS), ligada aos efeitos colaterais do tratamento medicamentoso e ao sedentarismo.

Inflamação dos rins: ocorre em metade dos pacientes com LES, e é um dos sintomas de maior preocupação. No início pode não existir qualquer manifestação, apenas alterações nos exames de sangue e/ou urina. Nos casos de maior gravidade, pode ocorrer hipertensão arterial sistêmica, edema em membros inferiores, a urina pode se apresentar espumosa e em quantidade reduzida. Caso não seja tratada de forma adequada e precocemente, o rim deixa de funcional (insuficiência renal) e o paciente pode necessitar de diálise e até um transplante renal.

Trato gastrintestinal: é comum o surgimento de dor abdominal, náuseas, disfagia e vômitos, muitas vez em decorrência da medicação. Úlceras orais são encontradas e tendem a desaparecer com o uso de corticorsteróides (CE). Pancreatite resultante de vasculite ou dos CE, bem como esplenomegalia leve a moderada e linfadenopatia (axial e cervical, mais comumente) são associadas à atividade da doença.

Alterações neuro-psiquiátricas: menos comuns, contudo podem se apresentar por convulsão, alterações do comportamento e do humor, depressão, alterações dos nervos periféricos e da medula espinhal. As manifestações neurológicas são de difícil diagnóstico e compreendem também a disfunção cognitiva, a cefaléia, meningite asséptica, acidente vascular encefálico e coréia.  A síndrome cerebral orgânica marcada por convulsões e demência geralmente ocorrem devido às sequelas de vasculites no Sistema Nervoso Central (SNC). O distúbrio cognitivo é a síndrome do SNC mais comum, em que se observa a dificuldade para pensar e articular a fala, com fadiga e redução da memória.

Sangue: as alterações sanguíneas decorrem do caráter autoimune da doença. Caso os anticorpos produzidos sejam contra os glóbulos vermelhos (hemáceas) irá produzir anemia, sendo contra os anticorpos brancos  haverá leucopenia ou linfopenia e, caso seja contra as plaquetas, ocorrerá uma plaquetopenia (redução no seu número). Estes sintomas são bastante variados, contudo, pode haver anemia, hemorragia no sangramento menstrual, hematomas e sangramento gengival. Já a redução dos glóbulos brancos tende a ser assintomática.

Ocular: conjuntivite, síndrome de Sjögren e vasculite retiniana, que causam a sensação de queimação e irritação nos olhos são comuns. O uso prolongado da medicação também pode causar lesão nas estruturas oculares.

Diagnóstico e Laboratório

O diagnóstico é essencialmente clínico, porém, associado aos exames de sangue e de urina que são úteis não apenas para o diagnóstico como para a identificação da atividade do LES. Embora não haja um exame que seja exclusivo para o LES, isto é, com 100% de especificidade, a presença do FAN (Fator ou anticorpo antinuclear), especialmente com títulos elevados, em pessoas com sinais e sintomas característicos para o LES, permite o diagnóstico com muita precisão. Outros testes laboratoriais como os anticorpos anti-Sm e anti-DNA são específicos, mas estão presentes em penas 40 a 50% dos pacientes com LES.

A prova de atividade inflamatória, VHS, pode estar elevada, porém, é inespecífica. A proteína C-reativa pode estar reduzida mesmo nas fases de atividade da doença. As células LE são encontradas em 90% dos pacientes e o fator reumatóide em 20 a 60% dos pacientes.

Existem ainda alguns critérios desenvolvidos pelo Colégio Americano de Reumatologia (ACR) que podem ser úteis no diagnóstico, embora não seja obrigatório que a pessoa se enquadre nesses critérios para que ela receba o diagnóstico clínico do LES.

Tratamento

O tratamento depende da manifestação apresentada. Logo, deve ser estritamente individualizado. A pessoa com LES pode precisa de um, dois ou mais associações medicamentosas na fase ativa da doença e, poucos ou nenhum no período de remissão. A terapêutica medicamentosa inclui remédios para regular as alterações imunológicas do LES e de medicamentos gerais para regular alterações que a pessoa possua em decorrência da inflamação produzida pelo lúpus.

Os medicamentos que atuam na modulação do sistema imunológico de escolha são os corticóides, os antimalários, os imunossupresores, especialmente a azatioprina, ciclofosfamida e micofenolato de mofetil. É importante ainda o uso de fotoprotetores diariamente nas áreas de exposição solar. Em algumas situações podem ser usados cremes com corticóides ou com tacrolimus nas lesões de pele.

Sintomas mais leves podem ser tratados com analgésicos, antiinflamatórios e/ou doses baixas de corticóides. Nas manifestações mais graves, as doses dos corticóides podem ser bastante elevadas. Quando o sistema nervoso, rins, pulmões ou vasculites estão envolvidos, pode-se empregar imunossupressores em doses variáveis, de acordo com a gravidade do acometimento. Aspecto importante no uso desta medicação é a atenção necessária quanto ao risco elevado de infecções, já que eles diminuem a capacidade do indivíduo de se defender contra infecções.

Drogas anti-reumáticas modificadoras da doença (DMARDs) reduzem os sinais e sintomas da doença e têm capacidade de controlar o processo inflamatório, reduzindo ou evitando lesões articulares, preservando a integridade e a função articular. As mais usadas são os antimaláricos, para as lesões de pele e articulares, e o metotrexato, que possui ação antiinflamatória e imunorreguladora.

O uso da cloroquina ou hidroxicloroquina é indicado para formas graves e leves da doença, devendo ser mantido ainda que o LES esteja em controle (remissão), haja vista auxiliares na manutenção do controle desta enfermidade.

O paciente deve ter em mente que o tratamento é prolongado, já que a doença é crônica, e que deve ser feito de forma sistemática e responsável, já que o uso irregular da medicação pode contribuir para a reativação da doença. Contudo, havendo a assistência adequada, tanto por parte de paciente como de terapeuta, a doença será mantida em controle e o indivíduo poderá desempenhar suas atividades diárias.

Ademais, as doses prescritas não podem ser modificadas para que não haja retardo na melhora programada. Ainda que a pessoa esteja se sentindo bem e acredita que possa reduzir a medicação, essa é uma decisão que somente será tomada em conjunto com o reumatologista.

Atividade Física e Exercício Terapêutico

A manutenção da atividade física regular, de preferência aeróbica, colabora na manutenção de níveis normais da pressão e da glicemia sanguínea. Ademais, contribui para melhorar a qualidade dos ossos, minimizando os efeitos da osteopenia ou da osteoporose, e incrementando o sistema imunológico.

A tolerância ao exercício pode estar reduzida por vários fatores, como o comprometimento cardíaco, o pleuropulmonar, o descondicionamento físico já que a doença é crônica, bem como pela presença de HAS, artrite de MMII, osteonecrose, neuropatia periférica e fadiga. Contudo, o condicionamento cardiovascular realizado adequadamente é eficaz e reduz o risco da doenças coronárias, além de minizar os efeitos da fadiga. A adoção de uma prática regular de atividade física precisa ser incentivada, para prevenir fraqueza e fadiga muscular, e melhorar a qualidade de vida. Tais exercícios físicos precisam enfatizar o ganho de resistência e força muscular, e a manutenção da amplitude de movimento.

Orientações e Educação do Paciente

Além do tratamento medicamentoso, as pessoas com LES devem se manter atentas à alimentação, ao repouso adequada, à necessidade de reduzir situações que promovam estresse, e controle rigoroso com a higiene, devido ao risco de infecções. Os alimentos selecionados não devem incluir gordura e o álcool não é indicado. Quem faz uso de anticoagulantes, por ter apresentado trombose, muitas vezes associada à síndrome antifosfolipídeo (em conjunto ao LES), deve ter cuidado especial com a dieta, chamada de “monótona”, isto é, parecida em qualidade e quantidade diariamente, para que seja possível controlar a anticoagulação. Pessoas com HAS ou problemas renais, precisam reduzir a ingestão de sal na dieta, e aquelas com a glicose eleva, devem limitar o consumo de açúcar e alimentos ricos em carboidratos, tais como massas, pães e farinha.

O uso de anticoncepcional com estrogênio e o hábito do tabagismo devem ser eliminados, porque se associam, claramente, à piora dos sintomas.

As pessoas com LES, independentemente de apresentarem manchas na pele precisam adotar medidas de proteção contra a irradiação solar, evitando a exposição à claridade, bem como a luz solar diretamente à pele, porque além de provocarem lesões cutâneas, podem desencadear o agravamento da inflamação em órgãos internos.

O objetivo geral dos cuidados com a saúde é possibilitar o controle da atividade inflamatória da doença e reduzir os efeitos adversos dos medicamentos. Em geral, quando o tratamento é feito de forma adequada, incluindo o uso correto dos medicamentos em suas doses e horários, nos períodos certos, com acompanhamento clínico adequado, é possível obter um bom controle da enfermidade, melhorando de forma considerável a qualidade de vida do paciente.

Igualmente, a pessoa que tem lúpus precisa aceitar a doença e entender que algumas medidas serão necessárias diariamente e por toda a vida, tal como a proteção solar, a prática regular de atividade física, o controle alimentar, o abandono do fumo, não faltar às consultas, realizar exames com a periodicidade recomendada e sempre seguir as recomendações apresentadas.

Com relação à gestação e o LES, é aconselhável que a mulher apenas engravida com a doença em controle, por ao menos 6 meses, e que seja devidamente assistida e programada em conjunto com o médico que a acompanha. A cloroquina pode e deve ser mantida durante a gestação.

Normalmente, pessoas com LES terão crianças sem a patologia, contudo, existe uma pequena chance de abortamento ou do bebê nascer prematuro ou com baixo peso. Mulheres que têm HAS possuem maior chance de desenvolver a pré-eclâmpsia, complicação grave da gestação. Além disso, mulheres com LES associado à Síndrome Antifosfolipídeo (ou apenas os anticorpos antifosfolipídeos), possuem maior chance de perdem o bebê e podem necessitar de anticoagulante (injeções de heparina ou warfarina) durante toda a gestação.

Uma situação que merece atenção especial é que pode ocorrer, neste tipo de gestação, o desenvolvimento de um bloqueio cardíaco com a produção de bradicardia no bebê. Já se sabe que este processo ocorre pela existência de um anticorpo no sangue da mãe (anti-Ro) capaz de atravessar a placenta e afetar o coração do bebê. Contudo, a maioria dos bebês de mulheres com esse anticorpo não apresenta qualquer problema. Esse mesmo anticorpo pode produzir uma situação conhecida como lúpus neo-natal, na qual o bebê nasce ou desenvolve manchas parecidas com as de quem tem lúpus. Porém, essas manchas são temporárias e a criança não desenvolve o lúpus propriamente dito.

O acompanhamento pré-natal deve ser iniciado no primeiro instante em que a pessoa com LES descobre que está grávida e é fundamental a manutenção do acompanhamento no período pós-parto, incluindo programação dos medicamentos que poderão ser utilizados durante a amamentação. Ainda que a gestação nos pacientes com LES seja considerada de alto risco, a assistência adequada minimiza tais problemas e proporciona uma grande maioria de gestações tranquilas e bem sucedidas.

A maioria da pessoas com LES pode ter uma vida produtiva seja cuidando de casa, seja trabalhando fora, estudando, dentro outras atividades. Contudo, algumas pessoas podem ter uma evolução mais complicada com perda da capacidade produtiva, o que, porém, são casos isolados.

Referências Bibliográficas

CHIARELLO, B.; DRIUSSO, P.; RADL, A. L. M. Fisioterapia reumatológica. Barueri, SP: Manole, 2005. (Série Manuais de Fisioterapia).
SOCIEDADE BRASILEIRA DE REUMATOLOGIA. Lúpus Eritematoso Sistêmico. Cartilha para pacientes. [S.l.],: Letra Capital, 2011.
______. Lúpus eritematoso sistêmico: acometimento cutâneo/articular. Rev Assoc Med Bras, [S.l.], v. 52, n. 6, p. 384-386, 2011.
______. Lúpus eritematoso sistêmico: tratamento do acometimento cutâneo/articular. [S.l.]: AMB, CFM, 2004. (Projeto Diretrizes).

Fonte: amiceclinica.com.br

Lúpus

LÚPUS: DOENÇA INFLAMATÓRIA CRÔNICA DE ORIGEM AUTOIMUNE

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, ou seja, o sistema imunológico, responsável pela produção de anticorpos (defesa) e organização dos mecanismos de inflamação, ataca o próprio organismo.

São reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo ou discoide, que se manifesta apenas com manchas na pele (geralmente avermelhadas ou eritematosas, daí o nome lúpus eritematoso), principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo e nos braços); e o sistêmico, no qual  um ou mais órgãos internos são acometidos.

Os sintomas podem surgir isoladamente, ou em conjunto, as manifestações mais comuns são fadiga, febre, emagrecimento, perda de apetite, sensibilidade ao sol (fotossensibilidade), inflamações na pele, articulações (dores e inchaços nas juntas), rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio). Algumas vezes apresentam linfonodos aumentados (gânglios/ ínguas). Esses sintomas podem ocorrer ao mesmo tempo ou de forma sequencial.

O diagnóstico depende do reconhecimento pelo médico de um ou mais sintomas, pois não existe um exame 100% específico para a detecção do lúpus eritematoso sistêmico (LES). O exame chamado FAN (fator ou anticorpo antinuclear), principalmente com títulos elevados, em uma pessoa com sinais e sintomas característicos de LES, permite um diagnóstico mais certo. Outros testes laboratoriais como os anticorpos anti-Sm e anti-DNA são muito específicos, mas ocorrem em apenas 40% e 50% das pessoas com LES. Ao mesmo tempo, alguns exames de sangue e/ou de urina podem ser solicitados para auxiliar não no diagnóstico do LES, mas para identificar se há ou não sinais de atividade da doença.

O tratamento deve ser individualizado, conforme o tipo de manifestação apresentada e inclui medicamentos para regular as alterações imunológicas do LES e para regular outras que a pessoa apresente em consequência da inflamação causada pelo LES, como hipertensão, inchaço nas pernas, febre, dor etc. Os medicamentos que agem na modulação do sistema imunológico no LES incluem os corticoides (cortisona), os antimaláricos e os imunossupressores, em especial a azatioprina, ciclofosfamida e micofenolato de mofetil, além do uso dos fotoprotetores que devem ser aplicados diariamente em todas as áreas expostas à claridade.

O acompanhamento médico constante e a disciplina do paciente quanto ao uso da medicação prescrita devem ser considerados como primordiais no tratamento do lúpus. Quanto ao tempo de duração do tratamento não há como ser estipulado, pois o LES, ou apenas lúpus, é uma doença crônica, assim como são a hipertensão, diabetes, várias doenças intestinais, alergias e outras doenças reumatológicas.

Como o lúpus intercala fases ativa e de remissão (não ativa da doença), a pessoa com lúpus deve ter cuidados especiais com a saúde. Inclusas atenção com alimentação, higiene (diminuição do risco de infecções), evitar estresse, uso de anticoncepcional a base de estrogênio, cigarro, além de manter uma atividade física, preferencialmente aeróbia, para o controle da pressão, da glicose no sangue, e da qualidade dos ossos.

Fonte: lupus.org.br

Lúpus

Lúpus: várias doenças em uma

O lúpus é uma doença autoimune ocasionada por um desequilíbrio do sistema responsável por garantir o bom funcionamento do organismo, que passa a produzir anticorpos que atacam as proteínas presentes nos núcleos das células, erroneamente identificadas como prejudiciais à saúde. Os sintomas podem aparecer progressivamente ou evoluir de forma rápida e, por serem tão díspares e singulares, tornam o tratamento difícil. A recomendação dos reumatologistas é de que ele seja o mais particularizado possível.

Apesar da complexidade e da variedade, a doença pode apresentar, inicialmente, sintomas como emagrecimento, lesões cutâneas, dor nas juntas, queda de cabelo, aftas, febre, perda de apetite e fraqueza. O rim também pode ser comprometido, desencadeando a insuficiência renal, a mais grave das consequências ocasionadas pelo lúpus.

“Hoje se acredita que o lúpus não seja uma doença, mas sim uma síndrome com várias formas de apresentação distintas. Cada paciente é um paciente diferente, tudo é individual”, destaca o Dr. Ari Stiel Radu Halpern, reumatologista do Einstein.

“A doença tende a afetar mulheres jovens evoluindo com períodos de piora (atividade de doença) e melhora (remissão). A causa ainda é desconhecida, dependendo de uma tendência genética associada a fatores desencadeadores não totalmente conhecidos”, ressalta o Dr. Ari. “Existem fatores precipitantes, como a exposição ao sol, infecções, estresse emocional, cirurgias e gravidez, mas os mecanismos desse funcionamento ainda não são claros”, completa Dr. José Goldenberg, reumatologista do Einstein.

No Brasil, não existem dados exatos, mas a Sociedade Brasileira de Reumatologia estima que 65 mil pessoas tenham lúpus, a maioria mulheres, já que elas são nove vezes mais atingidas do que os homens. Embora mais frequente em torno dos 20 ou 30 anos, a doença também pode acometer crianças e idosos.

Tipos de lúpus e complicações mais comuns

São dois os tipos de lúpus mais frequentes: o cutâneo e o sistêmico. O primeiro atinge a pele, sem comprometer os órgãos internos. O aparecimento de manchas avermelhadas principalmente na região do colo, orelhas e nas maçãs do rosto e no nariz – estas últimas no formato de asa de borboleta –, é uma manifestação cutânea característica da doença. Já o lúpus sistêmico costuma atingir, além da pele, diferentes órgãos, membranas e grandes articulações.

“Podemos dizer que mais de 95% dos pacientes têm inflamação nas juntas. As mãos são particularmente prejudicadas. A pessoa tem dores moderadas, mas raramente a condição é deformante”, afirma Dr. José.

Os quadros mais preocupantes da doença são os comprometimentos do coração, cérebro, rins e das plaquetas. Se não identificados ou tratados precocemente, podem levar à perda do rim ou até à morte.

O comprometimento neuropsiquiátrico é outro fator que merece atenção, embora seja menos frequente. O paciente pode desenvolver problemas cognitivos, delírios, fortes dores de cabeça, psicose, depressão, ansiedade e manias.

Diagnóstico e tratamento

Frente à variedade de sintomas, identificar o lúpus exige uma minuciosa avaliação clínica, assim como a realização de alguns exames de sangue, de urina e de imagem. “Não existe um exame laboratorial que, sozinho, permita fazer o diagnóstico da doença. Ele é sempre feito por meio de um conjunto de sinais, sintomas e alterações laboratoriais”, explica Dr. Ari.

Lúpus
Sintomas comuns do lúpus

De acordo com o Dr. José Goldenberg, estudar a função renal por meio de uma biópsia é mandatório. “O médico deve analisar a atividade da doença, se os órgãos foram atingidos e em quais níveis”, alerta. A dosagem do fator antinuclear (FAN) é uma importante ferramenta para um diagnóstico preciso.

A definição do tratamento vai depender das principais queixas do paciente e das manifestações clínicas da doença. O prognóstico melhorou muito nos últimos anos e hoje os medicamentos existentes são eficientes no controle da doença. Dependendo da gravidade do caso, quais órgãos foram acometidos e aspectos específicos de cada paciente, o tratamento pode variar em intensidade e tempo de duração. O mais comum é a utilização de anti-inflamatórios não hormonais, cortisona ou imunossupressores.

A proteção solar também é recomendada aos pacientes, já que o sol pode piorar alguns dos sintomas dermatológicos. É importante utilizar produtos que bloqueiem os raios ultravioletas tanto do tipo A quanto do tipo B. Além disso, é essencial manter as taxas de colesterol em níveis normais, elevar a dose de vitamina D e adotar uma nutrição balanceada. “Recomendo a todos os meus pacientes que deixem de fumar, façam exercício físico e não bebam. E as mulheres devem conversar com o médico antes de fazerem uso de pílula anticoncepcional”, indica Dr. José.

Por ser uma doença crônica, é essencial o acompanhamento regular, que deve ser definido de acordo com o nível de atividade e a evolução do lúpus. Segundo os reumatologistas, o ideal é que o intervalo das consultas não seja superior a quatro meses.

Você sabia?

Recém-nascidos também podem apresentar lúpus. A condição é rara e tende a se curar com o passar dos meses

A mulher com lúpus pode engravidar normalmente, mas deve estar com a doença sob controle há, pelo menos, seis meses

Não existem estudos que confirmem a relação entre o aparecimento do lúpus e o estresse, mas os médicos afirmam que não é raro que a doença dê seus primeiros sinais depois de períodos de grande tensão

O reumatologista é o médico especializado em diagnosticar e tratar o lúpus

Quem tem lúpus deve sempre ter a carteira de vacinação em dia, já que a imunização aumenta as defesas do corpo. As vacinas mais importantes são as contra a pneumonia pneumocócica e as contra o vírus da gripe

Fonte: www.einstein.br

Lúpus

O QUE É O LÚPUS?

O Lúpus é uma doença crônica que pode afetar pessoas de todas as idades, raças e sexo. Tendo, no entanto, nas mulher adultas o maior número de pacientes.

(90% são mulheres,entre 15 e 40 anos de idade)

É considerada uma doença auto imune porque o corpo não tem as defesas necessárias para combater as infecções e ainda se ataca a si próprio.

O sistema imunitário é uma rede complexa de órgãos, tecidos, células e substâncias encontradas na circulação sanguínea, que agem em conjunto para nos proteger de agentes estranhos. Nos doentes de Lúpus este deixa de reconhecer constituintes do seu próprio corpo, passando a atacá-los como se fossem estranhos.

Não é uma doença contagiosa, infecciosa ou maligna, mas é uma doença crônica, não tem cura, podendo haver uma remissão que permita a paragem do tratamento por grandes períodos de tempo ou até para o resto da vida.

CAUSAS PROVÁVEIS DO LÚPUS

O Lúpus é uma doença de causa desconhecida. Mas vários estudos levam a algumas hipoteses:

Genética - alguns cientistas acreditam numa predisposição genética à doença, mas ainda não se conhece os genes causadores, até porque apenas 10% dos pacientes são hereditários e só 5% de crianças de pais que tem Lupus desenvolvem a doença. Mas como 90% dos pacientes de Lúpus são mulheres em idade fértil, parece haver uma associação com o estrógeno, (um hormônio produzido pelas mulheres em seus anos reprodutivos) que se revelou, em experiências feitas com animais, ter um efeito acelerador na doença: fêmeas a que retiraram os ovários antes da puberdade, e que receberam altas doses de hormônio masculino, tiveram a doença menos intensa ao crontário das que receberam altas doses de estrógeno e tiveram a doença exacerbada.

Stress - o stress é comprovadamente um disparador da doença. Os cientistas confirmaram a possibilidade da adrenalina ou cortisona influenciarem o desenvolvimento da doença.

Luz Ultravioleta - exposição à luz solar. Cerca de 30 a 40% dos pacientes apresentam sensibilidade ao componente ultravioleta vindo da luz solar ou artificial, em função da alteração no DNA, estimulando a produção anormal de anticorpos contra ele. As células da pele (queratinócitos) quando expostas à luz ultravioleta atuam nos linfócitos que produzem anticorpos. A luz ultra-violeta dificulta a retirada dos imunocomplexos da circulação, que se podem depositar nalguns tecidos provocando inflamação.

Vírus - é possível que linfócitos B sejam infectados por vírus e provoquem a produção de anticorpos em pacientes susceptíveis.

Substâncias Químicas - alguns remédios como procainamida (para distúrbios do coração), hidrazida (para tuberculose), difenilhidantoína (para epilepsia), hidralazina (para pressão alta), podem produzir um conjunto de sintomas semelhante ao Lúpus em pacientes predispostos. Descobriu-se que os pacientes demoram mais para metabolizar essas drogas, bastando a suspensão do uso para a regressão dos sintomas.

SINTOMAS DO LÚPUS

São vários os sintomas do Lúpus podendo não estar presentes todos ao mesmo tempo, algumas pessoas apresentam apenas alguns deles.

No entanto só com um conjunto de quatro, no mínimo, se pode considerar doente de Lúpus:

Erupção na face sobre a zona do nariz e bochechas em forma de borboleta

Erupção lembrando a mordedura de um lobo (Lúpus discóide)

Sensibilidade aos raios solares (lesões após a exposição aos raios ultravioletas)

Erupções bucais e naso-faringeas

Queda de cabelo.

Fadiga

Dores de cabeça

Dores e inchaço nas articulações devido a inflamações articulares

Serosite (inflamação do revestimento do pulmão - pleura, e coração - pericárdio

Variações no sistema nervoso (psicoses ou depressões que vão de simples alterações de humor a estados convulsivos)

Vários resultados anormais em análises clínicas:

Alterações renais (presença de proteínas e sedimentos na urina), baixa contagem de células brancas (leucopenia) ou plauetas (trombocitopenia), anemia causada por anticorpos contra células vermelhas (anemia hemolítica), anormalidades imunológicas (células LE, ou anticorpos anti-DNA, ou anticorpos SM positivos, ou teste falso-positivo para sífilis), fator antinúcleo positivo (FAN).

TRATAMENTO

Os medicamentos mais usados no tratamento do Lúpus têm dois objetivos básicos: reduzir a inflamação dos tecidos afetados, e inibir anormalidades do sistema imunológico consideradas responsáveis pela inflamção.

Mas também são necessários outros remédios para o tratamento das complicações normalmente observadas na doença: contra a retenção de fluidos, contra a hipertensão, anticonvulsivos, e antibióticos. Os anti-inflamatórios aliviam os sintomas da inflamação responsáveis pela dor, febre, fadiga, artrite, ou pleurisia.

São utilizados dois tipos de anti-inflamatórios: os não-esteróides (salicilatos, tipo aspirina), e os corticosteróides.

A melhoria dos sintomas geralmente é notada após vários dias de tratamento. Na maioria dos doentes os anti-inflamatórios são os únicos medicamentos necessários para controlar a doença. Os sintomas do Lúpus respondem rapidamente ao tratamento com corticosteróides.

A forma de ministrar e de dosagem destes medicamentos depende das necessidades individuais de cada paciente devendo ser sempre feita pelo médico que o acompanha, de modo a serem mantidas as doses mais baixas possíveis e nunca ser interrompido subitamente o tratamento.

Há doentes com manifestações mais sérias, como a nefrite lúpica ou distúrbios neurológicos onde o tratamento com corticosteróides não resulta e é aplicada quimioterapia. Devido aos efeitos tóxicos associados a estas drogas, alguns dos quais muito sérios, é muito importante que seja conduzido apenas por médicos especialistas.

Efeitos Secundários do Uso Prolongado de Esteróides

O uso de doses elevadas e tratamentos prolongados podem causar mudanças na aparência física do paciente tais como, ganho de peso, inchaço das bochechas, afinamento da pele e dos cabelos, e facilidade para ferimentos. Desconfortos estomacais como dispepsia ou azia são comuns e podem ser minimizados com a ingestão das drogas durante as refeições ou juntamente com outros remédios para prevenir danos ao estômago. Os pacientes podem notar mudanças de humor que incluem a depressão e volubilidabe emocional (alterações de humor). Os corticosteróides podem ainda causar diabetes, aumentam o risco de infecções ou, quando ministrados por vários vezes, podem causar catarata. Podem ainda atingir os ossos, causando danos nas juntas do quadril, joelhos, ou outras articulações.

PRECAUÇÕES

O Lúpus é uma doença díficil de controlar, mas se cabe ao médico assistente o controle de medicação, cabe ao paciente tomar todas as medidas necessárias para minorar os sintomas da doenças e os efeitos dos medicamentos, tendo sempre em conta o equílibrio em todos os aspectos:

Evitar a exposição solar (fazendo do uso de filtros solares um hábito diário protegendo a pele da claridade é um preventido a não descuidar)

Fazer uma alimentação saudável (com poucas calorias para evitar o aumento de peso, e pouco sal para evitar retenção de água no organismo provocando inchaços, sobretudo nos doentes que utilizam corticóides habitualmente)

A ingestão de álcool deve ser esporádica e o hábito de fumar banido completamente para evitar complicações pulmonares a que estes doentes estão mais sujeitos

As articulações estão muito sujeitas a inflamações, por isso, não devem ser forçadas e necessitam de alguns períodos de descanso diário, tendo sempre em atenção a postura do corpo

Os locais frequentados devem ser arejados e, tanto quanto possível, sem luzes artificiais con componentes ultravioletas (fluorescentes)

O exercício físico regular pode ajudar a prevenir a fraqueza muscular e fadiga, ajudando o organismo a libertar toxinas

CONVIVER COM LÚPUS

Muitos dos doentes com Lúpus necessitam de acompanhamento psicológico.

Não só porque a doença e a medicação provocam grandes alterações no sistema nervoso, mas porque os sintomas por vezes são visíveis (dificuldade na mobilização dos membros, manchas avermelhadas na face e menor quantidade de cabelo), fazem com que os doentes tenham dificuldade em conviver e se sintam inferiorizados.

Devem por isso procurar a ajuda de técnicos e tentar enfrentar estes problemas com naturalidade.

São quase sempre situações temporárias que acompanham cada crise.

O cumprimento rigoroso da medicação e tomada de precauções facita a controlar a doença e aliviar as pressões nervosas, levando o doente a sentir-se melhor psicológicamente, podendo mesmo levar a uma situação de inatividade do Lúpus.

Fonte: lupus.no.sapo.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal